William Schaw – O Inventor da Maçonaria Moderna

Tradução José Filardo

schaw statutes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre –

William Schaw (C. 1550-1602) foi  Mestre de Obras  de  James VI da Escócia  para a construção de castelos e palácios, e se reivindica ter sido uma figura importante no desenvolvimento da  Maçonaria .

Biografia

William Schaw era o segundo filho de John Schaw de Broich, e neto de Sir James Schaw de  Sauchie . Broich agora é chamada  Arngomery , um lugar em  Kippen , Stirlingshire. A família Schaw tinha ligações com a Corte Real, principalmente por ser guardiães da adega de vinho do Rei. A família Broich esteve envolvida em um escândalo em 1560, quando John Schaw foi acusado de assassinar o servo de outro latifundiário. O pai de William foi denunciado como um rebelde e seus bens confiscados quando ele e sua família não compareceram ao tribunal, mas a família logo foi absolvida. Nesta época, William pode ter sido um pagem na corte de  Maria de Guise , pois uma página com esse nome recebeu uma cobertura de pano preto de luto quando  Maria de Guise  morreu. William, o pagem, teria estado no  Castelo de Edimburgo  com corte do Regente durante o  cerco de Leith , enquanto o Mestre de Obras,  William MacDowall , estava fortalecendo as defesas do castelo.  [1]

William aparece pela primeira vez por sua própria conta nos registros em 1580, quando foi listado por um informante inglês na corte real como o “guardião do relógio” entre seguidores de favorito do rei  Esmé Stewart, 1 º Duque de Lennox .  [2]  Ele assinou a confissão negativa pela qual os cortesãos juravam lealdade à  Reforma . Em 11 de abril 1581, foi-lhe dado um presente valioso de direitos sobre as terras em Kippen pertencentes aos Grahams de Fintry.  [3]  Em maio de 1583, William Schaw estava em Paris por ocasião da morte do exilado Esmé Stewart e dizia-se que ele trouxe o coração de Esmé de volta para a Escócia.  [4]

Grão Mestre de Obras

Em 21 de dezembro 1583,  James VI  nomeou-o principal  Mestre de Obras  vitalício na Escócia, com a responsabilidade por todos os castelos e palácios reais. Schaw já tinha sido pago a primeira parcela do seu salário de £ 166-13-4 como “Grete Mr of wark in place of Sr Rbt Drummond”, em Novembro.  [5]  A substituição do titular  Robert Drummond de Carnock  por Schaw, conhecido como um  Católico , pode ter sido uma reação à  Ruthven Raid  que tinha removido Lennox do poder.  [6]  Pelos termos de sua nomeação, Schaw pelo resto de sua vida deveria ser

‘Grit maister of wark of all and sindrie his hienes palaceis, biggingis and reparationis, – and greit oversear, directour and commander of quhatsumevir police devysit or to be devysit for our soverane lordis behuif and plessur.’ or, in current words; ‘Grão mestre de obras de todos e diversos palácios de sua alteze, construindo e reparando edifícios – e grande supervisor, diretor e comandanted de quaisquer políticas concebida ou a ser concebida em nome de nosso Senhor e seu prazer.’[7]

Em novembro de 1583, Schaw viajou em uma viagem diplomática à França com Lord Seton  e seu filho  Alexander Seton , um colega católico com um interesse em arquitetura. A família Seton permaneceu fieis partidários de  Mary, Rainha da Escócia  que foi exilada na Inglaterra. Schaw voltou no inverno de 1584, e envolveu-se em trabalhos de construção para a família Seton.  [8]  Em 1585 ele foi um dos três cortesãos que entretiveram os embaixadores dinamarqueses que visitavam a corte escocesa em  Dunfermline  e  St. Andrews .  [9]  Em 1588, Schaw estava entre um grupo de católicos intimados a comparecer diante do  Presbitério de Edinburgh, e agentes ingleses o denunciaram como suspeito de ser  Jesuíta , e cultivar visões anti-inglesas durante os anos 1590.  [6]  Em maio de 1596 um jornal inglês listando motivos para suspeitar de que o próprio James VI seria católico romano, incluiu a nomeação de católicos conhecidos para ofícios domésticos, citando Schaw como “Praefectum Architecturae,” seu amigo Alexander Seton como Presidente do Conselho, e Lord Hume  como guarda costas do Rei.  [10]  Nessa época ele tinha adquirido o baronato de Sauchie.

Servidor da Rainha Anne

Em 1589, ele estava entre os cortesãos que acompanharam James VI à Dinamarca para buscar sua nova rainha  Anne da Dinamarca . Ele retornou no início de 1590, à frente do restante do grupo para se preparar para seu retorno subsequente. Ele se ocupou reformando o  Palácio de Holyrood  e o Palácio de Dunfermline  que tinha sido designado para a rainha. Ele também foi o responsável pela elaborada cerimônia festejando sua chegada a  Leith , e ele, posteriormente, tornou-se mestre de cerimônias da corte.

Em 1593, ele foi nomeado  Camareiro  da Senhoria de Dunfermline, que era um oficio doméstico da rainha Anne, onde trabalhou em estreita colaboração com Alexander Seton e  William Fowler . James VI construiu uma nova  Capela Real  no castelo de Stirling em 1594, que não tem associação documentada com Schaw, mas provavelmente foi construída sob sua direção. O edifício italianizado foi usado para o batismo do filho de James.  [11]  A Rainha deu-lhe um distintivo de chapéu em forma de uma  salamandra  dourada no Ano Novo de 1594-5. O emblema foi fornecido pelo joalheiro Thomas Foulis.  [12]  Em março de 1598 foi encarregado de proporcionar ao irmão da rainha,  Ulrik, Duque de Holstein  uma turnê pela Escócia com o filho de Esmé,  Ludovic, Duque de Lennox , levando-o a  Fife , Dundee,  Castelo de Stirling  e, em uma viagem até  Bass Rock .  [13]

Em 8 de julho de 1601, James VI enviou William para consultar o Mestre John Gordon sobre a construção de um monumento ao resgate do rei da  conspiração de Gowrie House  no ano anterior. James VI escreveu a Gordon que William iria “conferre with yow thairanent, that ye maye agree upon the forme, devyse, and superscrptionis”.  [14]

Família e rivalidade

Sua sobrinha casou-se com Robert Mowbray, neto do  tesoureiro   Robert Barton , e depois de sua morte, ela se casou com  James Colville  de  East Wemyss  em 1601, o que causou uma briga de família entre Francis Mowbray, irmão de Robert, e Schaw e Colville.  [15]  Mowbray, um antigo agente inglês, feriu Schaw com um  florete  em uma briga e foi posteriormente preso por conspirar contra o rei, e morreu após uma tentativa de fuga do  Castelo de Edimburgo .  [16]  Outra sobrinha, Elizabeth Schaw de Broich, casou-se com John Murray de  Lochmaben  que se tornou Conde de Annandale.

Schaw morreu em 1602. Ele foi sucedido como Mestre de Obras do Rei por  David Cunninghame of Robertland.  [17]  Seu túmulo na Abadia de Dunfermline foi construído à custa de seu amigo Alexander Seton e da Rainha Anne,  [18]  e sobrevive com uma longa inscrição em latim recordando as habilidades e realizações intelectuais de Schaw.  [19]  A inscrição no túmulo continua a ser a mais valiosa fonte de informações biográficas, e foi composta por Alexander Seton. Traduzida lê-se:

Esta estrutura de pedras humilde cobre um homem de excelente habilidade, probidade notável, integridade singular de vida, adornada com a maior das virtudes – William Schaw, Mestre de Obras do Rei, Presidente das cerimônias sagradas, e Camareiro da Rainha. Ele morreu em 18 de abril de 1602.

Entre os vivos ele habitou por cinquenta e dois anos; viajou na França e em muitos outros Reinos, para o aperfeiçoamento de sua mente; não lhe faltava nenhuma formação liberal; era muito hábil em arquitetura; foi cedo recomendado a grandes pessoas pelos dons singulares de sua mente; e não só era incansável e infatigável no trabalho e negócios, mas constantemente ativo e vigoroso, e foi mais caro a cada homem bom que o conheceu. Ele nasceu para fazer boas obras, e, assim, ganhar os corações dos homens; agora vive eternamente com Deus.

A Rainha Anne ordenou este monumento fosse erigido à memória deste mais excelente e mais reto homem, para que as suas virtudes, dignas de louvor eterno, não desaparecessem com a morte de seu corpo. ”

Primeiros Estatutos Schaw

Assinatura de William Schaw em uma cópia do Segundo Estatuto, como “maister de wark” e “wairden of the maisons”,  Holyroodhouse , 28 de dezembro de 1599

Em 28 de dezembro de 1598, Schaw, em sua qualidade de Mestre de Obras e Vigilante Geral dos mestres pedreiros publicou o “The Statutis e ordinananceis to be obseruit by all the maister maoissounis within this realme.”  [20]  O preâmbulo afirma que os estatutos foram emitidos com o consentimento de uma convenção do ofício, simplesmente especificava como todos os mestres pedreiros se reuniram naquele dia. Os primeiros estatutos da Schaw-se fundavam-se nos  Antigos Encargos , com material adicional para descrever uma hierarquia de vigilantes, diáconos e mestres. Esta estrutura garantiria que os pedreiros não assumissem o trabalho que eles não eram competentes para realizar, e garantiam que um vigilante de loja seria eleito pelos mestres pedreiros, por meio do qual o Vigilante geral poderia manter contato com cada loja em particular. Os Mestres pedreiros só estavam autorizados a tomar três aprendizes durante a sua vida (sem autorização especial), e estes estariam vinculados ao seus mestres por sete anos. Mais sete anos teriam que passar antes que pudessem assumir o ofício, e um arranjo de registros escritos foi criado para acompanhar isso. Seis mestres pedreiros e dois aprendizes tinham que estar presentes para que um mestre ou companheiro de ofício fosse admitido. Várias outras regras foram estabelecidas para o funcionamento da loja, supervisão do trabalho, e multas para o não comparecimento às reuniões da loja.

O estatuto foi aprovado por todos os mestres pedreiros presentes e arranjos foram feitos para enviar uma cópia para cada loja na Escócia. O estatuto indica um avanço significativo na organização do ofício, com  distritos  constituindo um nível intermediário de organização. Essas lojas “territoriais” funcionavam paralelamente a um outro conjunto de organizações cívicas, corporações, muitas vezes ligando os pedreiros a outros trabalhadores em negócios de construção, tais como os  carpinteiros. Embora em alguns lugares ( Stirling  e  Dundee ), as lojas e corporações se tornaram indistinguíveis, em outros lugares a corporação ligava a atividade ao  burgo , e se tornava um mecanismo pelo qual os comerciantes exerciam algum controle sobre os salários das atividades de construção. Em lugares como Edimburgo, onde a proliferação de construções em madeira significou uma predominância dos carpinteiros, a loja territorial oferecia uma forma de autogoverno do ofício distinta da corporação. Além disso, os pedreiros e os carpinteiros usavam diferentes motivos cerimoniais, nos respectivos eventos. O papel de diácono fornecia uma ligação entre estas corporações e as lojas.

Cópias do estatuto (juntamente com o Segundo Estatuto Shaw) foram escritas nas atas das Lojas de Edimburgo e  Aitchison’s Haven, perto de  Prestonpans .  [21]

Second Estatuto Schaw

The Segundo Estatuto Schaw foi assinado em 28 de dezembro 1599, em  Holyroodhouse  e consistia em catorze estatutos separados. Alguns deles eram dirigidos especificamente à  Loja-Mãe Kilwinning ; outros às lojas da Escócia em geral. A Loja Kilwinning recebeu autoridade regional para o oeste da Escócia; as suas práticas anteriores foram confirmadas, várias funções administrativas foram especificados e os oficiais da loja foram intimados a garantir que todos os companheiros e aprendizes “tak tryall of the  art of memorie ” (sejam testados quanto à arte de memorizar). De modo mais geral, as regras foram estabelecidas para fins de registro adequado das lojas, com taxas específicas determinadas.

Os estatutos afirmam que Kilwinning foi a cabeça e segunda loja na Escócia. Isto parece se relacionar com o fato de que Kilwinning reclamou predência como a primeira loja na Escócia, mas que no esquema das coisas de Schaw, a Loja de Edinburgh seria mais importante, seguida por Kilwinning e, então, Stirling. David Stevenson argumenta que o Segundo Estatuto de Schaw lidava com a resposta de dentro da ordem aos seus primeiros estatutos, em que várias tradições foram mobilizados contra suas inovações, particularmente vindas de Kilwinning.  [22]

A referência à  arte da memória  pode ser tomada como uma referência direta ao  esoterismo   renascentista. William Fowler, que tinha sido um colega de Schaw tanto em sua viagem à Dinamarca quanto em Dunfermline, havia instruído a Rainha  Anne da Dinamarca  na técnica. Na verdade, Fowler havia conhecido o filósofo italiano  Giordano Bruno  na casa de  Michel de Castelnau  em Londres na década de 1580. A arte da memória constitui um elemento importante do sistema  mágico  de Bruno.

Os estatutos também abordavam questões práticas, tais como preocupações com a saúde e segurança durante o trabalho em lugares altos. Em seu artigo XVIII, Schaw recomendava que

Todos os mestres ou “empresários de obras sejam muito cuidadosos em verificar que os andaimes e plataformas sejam muito cuidadosamente seguros e colocados, para que através de sua negligência ou preguiça não se firam ou se choquem contra outras pessoas que trabalham na referida obra, sob pena de ser dispensado depois de trabalhar como mestres encarregados de qualquer trabalho”.  [23]

O Estatuto Sinclair

Duas cartas foram escritas em 1600 e 1601 e envolveram as lojas de Dunfermline,  St Andrews , Edimburgo, Aitschison’s Haven e  Haddington , e foram assinados pelo próprio Schaw na sua qualidade de Mestre de Obras (mas não de Vigilante Geral). Elas são conhecidas como Primeiro Estatuto Sinclair, pois ele supostamente confirma o papel dos  senhores de Roslin  como patronos e protetores do ofício. Mais uma vez, isso sugeriria que a reorganização do oficio proposta por Schaw tinha encontrado alguns problemas. Na verdade, ela pressagiava uma luta contínua entre o Mestre de Obras e os Sinclair, que os sucessores de Schaw no posto continuaran após a sua morte em 1602.

 

Bibliografia

  •          Chalmers, Robert (1874). “Domestic Annals of Scotland: Reign of James VI. 1591 – 1603 Part H”. Electric Scotland. Retrieved 30 May 2007.
  •          Glendinning, Miles, and McKechnie, Aonghus, Scottish Architecture, Thames & Hudson, 2004.
  •          Reid-Baxter, Jamie “Politics, Passion and Poetry in the Court of James VI: John Burel and his surviving works”, in: Mapstone, S, Houwen, L.A.J.R., and MacDonald, A.A. (eds.) A Palace in the Wind: Essays on Vernacular Culture and Humanism in Late-Medieval and Renaissance, Peeters, 2000.
  •          Stevenson, David The Origins of Freemasonry: Scotland’s century 1590 – 1710, Cambridge University Press, 1988.
  •          Williamson, Arthur H., ‘Number & National Consciousness’, in: Mason, Roger A., ed., Scots & Britons, Folger / CUP, (1994), pp.187–212.

 

Publicado on abril 1, 2014 at 6:48 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/william-schaw-o-inventor-da-maconaria-moderna/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: