A disputa entre “Antigos” e “Modernos”

Tradução José Filardo

À medida que as pesquisas avançam, a história dos primeiros dias da Maçonaria Inglesa parecem mais complexas do que aquilo que é dito ou imaginado até agora. Este é o caso do conflito fundamental que abalou a Maçonaria do outro lado do Canal durante quase 60 anos: a disputa entre os “Antigos” e “Modernos” (1751/1753-1813).

Sobretudo estudado como um assunto interno na Inglaterra, ao que parece, hoje, se você quer renovar e aprofundar a questão é preciso levar em conta o ambiente britânico, especialmente Irlandês, incluindo a Maçonaria continental e principalmente a Maçonaria francesa.

Assim é que desde 1928, Philipp Crossle, grande historiador da Maçonaria irlandesa, chamou a atenção para as especificidades desta Maçonaria, em particular para a existência de um sistema de 3 graus ou etapas, anterior ao sistema revelado por Samuel Prichard em 1730, dotado de um conteúdo diferente do que compreendia o Real Arco. Ao fazer isso, Crossle propunha implicitamente a questão do aparecimento e da influência dos altos graus na história geral da Maçonaria.

Por outro lado, se, conforme mostrou Alain Bernheim, as Maçonarias britânica e francesa eram para os graus azuis, substancialmente idênticas até cerca de 1750 (até o aparecimento dos “Antigos”), é verdade que o afloramento dos altos graus na França a partir dos anos de 1740 terá um impacto sobre a Maçonaria Inglesa a partir do fim do século.

Isso quer dizer que a maneira usual de olhar para este conflito como uma disputa entre um Inglês perfeitamente definido e imutável representado pela GL de 1717 e chamada “Modernos ” e um sistema importado da Irlanda pelos “Antigos” , sem dúvida tem de ser renovado.

Para tomar só um problema, por exemplo, o Real Arco que se considera ter sido importado da Irlanda para a Inglaterra pelos “Antigos”, como explicar o fato de que a lenda deste grau que em breve seria conhecido na Inglaterra é diferente da que foi desenvolvida na versão irlandesa, mas muito próxima da lenda contida nos rituais franceses do chamado “Royale Arch”?

Está claro que a história da Maçonaria Inglesa não se resume na história da Maçonaria na Inglaterra no “sentido estrito”. É, na verdade, a história da Maçonaria sofreu todos os tipos de influências, internas e Inglesas, é claro, mas também externas, irlandesas e francesas. No segundo terço do século XVIII, foi criado portanto na Inglaterra um sistema maçônico que é o produto de todas estas influências e, que evidentemente, também influenciou, por sua vez, outras Maçonarias , particularmente na França. Aparece assim uma história franco-britânica que tenta cercar todas essas influências e reler uma série de problemas relacionados com as origens da Maçonaria: Instalação do Mestre da Loja, o Real Arco, etc.

A disputa entre “Modernos” e “Antigos” é uma disputa fundamental da maçonaria Inglesa. Classicamente, ela é enunciada assim: até 1750, a Maçonaria Inglês está unida e uniforme. Em 1751, aparece uma nova organização maçônica que vai se chamar “GL dos FM segundo as antigas instituições” ou mais simplesmente “GL of the Antients”. A GL de 1717 será chamada, impensadamente “GL dos Modernos” (e hoje “Primeira Grande Loja”). Esta GL dos Antigos foi principalmente fundada por maçons irlandeses que viviam em Londres, mas que negavam os usos da GL de 1717, que em 1750, já estava amplamente difundida por toda a Inglaterra.

Até o final do século XIX, a teoria segundo a qual a GL dos “Antigos” era uma divisão ou cisma da GL dos Modernos era comumente aceita. De acordo com esta tese, certo número de lojas teria deixado a GL em Londres e criado uma nova obediência com forma de negar as inovações negativas que tinham sido trazidas ao Craft pela referida GL. Essas inovações, entre as quais a famosa história da inversão das palavras sagradas (J-B ou B-J), tinham aparecido na década de 1730, e logo elas teriam se tornado muito numerosas (até ao ponto de se tornar inaceitável) que certas Lojas teriam decidido na década de 1750, voltar aos antigos usos e deixar a GL de 1717. Esta tese foi, evidentemente, defendida pelos mesmos “Antigos” e desde 1756 com a publicação do livro das Constituições Aimã Rezom de Laurence Dermott. Henry Sadler (em Fatos Maçônicos e Ficções) mostrou definitivamente em 1887 que a fundação de 1751 não era o resultado de um cisma, mas que era “algo novo” e, portanto, tem uma origem diferente da GL de 1717.

Na verdade, é uma Grande Comissão que aparece em 1751 e leva o título de GL a partir de 1753, quando teve um irmão de nascimento nobre a presidi-la como Grão-Mestre. Os primeiros membros eram irlandeses emigrados para a Inglaterra. Eles provavelmente teriam tido dificuldade em se tornar maçons em Lojas Inglesas. Além disso, estas Lojas praticavam uma Maçonaria demasiadamente diferente da sua, o que tornava quase impossível uma integração na GL de 1717. Então, teriam fundado sua própria GL onde pudessem praticar os usos que tinham trazido da Irlanda e teriam proclamado sua antiguidade com relação à Maçonaria Inglesa.

A classificação de “Antigos” atribuída a uma GL, que tem 30 anos menos que aquela mais vela pode parecer estranho, polêmico e injusto. Certamente, mas além dessa disputa de palavras, não devemos esquecer as questões fundamentais:

  1. Quais são as diferenças efetivas entre ambas GG LL?
  2. Entre os diferentes usos, quais verdadeiramente eram os mais antigos, e, nesta perspectiva, quando, onde, como, por que teria sido dado a passagem dos usos antigos para os usos modernos?

Estas duas questões apenas têm, até hoje, respostas satisfatórias.

Parece que se pode renovar esta problemática estudando a Maçonaria na Irlanda.

O conhecimento da Maçonaria irlandesa necessariamente envolve o estudo de uma obra seminal de John Herron Lepper e Philipp Crossle, História da GL dos maçons Antigos e Aceitos da Irlanda, Dublin, 1925, reimpresso em 1987.

Nesta obra, os autores mostram que existem provas documentais da existência de uma Maçonaria especulativa na Irlanda, antes que também se tivesse a certeza documental na Inglaterra. Assim, nos arquivos do Trinity College de Dublin, um documento menciona a existência de uma Loja da Maçonaria (essencialmente reunindo alunos) em 1688. Outro manuscrito do Trinity College, que é datado de 1711, descreve um sistema em 3 etapas. Em 1725, a recitação de uma procissão público testemunha a existência de uma GL na Irlanda. Em 1730, finalmente, são publicadas as Constituições chamadas de Pennel, próximas do texto de Anderson, com a diferença importante de que o grau de Mestre, que não é o caso no texto Inglês de 1723, que terá de esperar pela edição de 1738.

Assim, descobrimos que todas as manifestações conhecidas da primeira Maçonaria irlandesa são notáveis ou por sua data ou pro seu conteúdo. À vista destes documentos, resulta que a Maçonaria irlandesa é antiga e diferente da primeira Maçonaria Inglesa.

Sobre a origem sociológica desta maçonaria irlandesa, podemos emitir duas hipóteses. Seria uma Maçonaria puramente irlandesa ou celta ou (A Irlanda que foi de fato ocupada pela Inglaterra) uma Maçonaria de colonos ingleses instalados na Irlanda (os Anglo – Irlandeses). Estes últimos compunham a aristocracia do país e estavam, essencialmente, agrupados em torno de Dublin. Esta hipótese parece ser a mais crível e a primeira Maçonaria irlandesa aparece cada vez mais como uma Maçonaria Anglo-Irlandesa. No entanto, nem todos os colonos faziam parte da aristocracia. Constitui-se assim uma imigração anglo-irlandesa pobre e muito próxima da população nativa da Irlanda, de modo que a emigração irlandesa para a Inglaterra desta vez no século XVIII, é essencialmente toda ela uma emigração de anglo-Irlandeses. Podemos então imaginar, por que nenhum documento confirma isso efetivamente; por que esses emigrantes anglo-irlandeses, de baixa classe, com a sua própria Maçonaria tiveram uma recepção pouco entusiástica nas Lojas inglesas, ainda mais que elas tinham um grau – e é na perspectiva que se pode rever a questão do Real Arco – superior ao grau de Mestre e desconhecido pelos ingleses (o Real Arco atual foi profundamente modificado em 1835), que consideram, conforme descreveu Laurence Dermott nas Constituições dos Antigos, “como a raiz, o coração, a medula óssea da Maçonaria” e que conseguiram por outro lado, impor, definitivamente, sobre a prática maçônica Inglesa.

Em 1778, em uma edição das Constituições, Laurence Dermott elabora uma lista de queixas que os “Antigos” lançam contra os “Modernos”. O abandono ou a ignorância da instalação secreta dos VV MM, instalação essencial, já que no sistema dos “Antigos” abre o caminho para o Arco Real, é crível. De fato, a instalação é desconhecida na Inglaterra – pelo menos não há qualquer comprovação documental – antes de 1760 e a divulgação dos “Três batidas distintas”. Mas, além desta acusação, as outras queixas são carente de fundamentos documentais e até mesmo são contrárias a todos os documentos conhecidos. Isto é:

  1. O abandono das orações durante as cerimônias maçônicas.
  2. O abandono da celebração das Festas de São João.
  3. A inversão da ordem das palavras sagradas.

Em suma, se você toma o que é testemunhado, dois dados principais podem efetivamente definir a originalidade dos “Antigos” em relação aos “Modernos”

  1. Sua antiguidade.
  2. A contribuição da instalação secreta e do Real Arco.

Phillip Crossle, em um famoso artigo, “O Rito Irlandês”, propõe uma interpretação sutil da hierarquia dos graus na Irlanda por volta de 1730. Nas Constituições de Pennel, existem 3 fases, Aprendiz, Companheiro, Mestre, mas elas não correspondem aos três graus homônimos da Maçonaria inglesa conforme eles são definidos na divulgação de Prichard (1730). Segundo a teoria de Crossle, podemos estabelecer o seguinte quadro:

Irlanda      Inglaterra
Aprendiz     Aprendiz e Companheiro
Companheiro     Mestre
Mestre = Instalação e Real Arco

Estudando este artigo, tentaremos reler a disputada dos “Modernos” e dos “Antigos” e faremos as perguntas sobre a origem e a antiguidade provável da Maçonaria dos “Antigos” assim como as fontes dessa Maçonaria.

Pode-se parecer que os “Antigos ” eram muito mais pessoas simples praticantes de uma “técnica ritual” mais rigorosa que a dos “Moderno”, a uniformização das duas Grandes Lojas teria sido muito rápida e já estava bem avançada no início de século XIX, até incluir o nível de Grande Mestre, o que explica o União de 1813. Naquela época, a origem irlandesa dos “Antigos” tinha praticamente desaparecido.

As relações entre a Irlanda e a Escócia são antigas. A tribo primitiva da Irlanda, são os “Scots”. Por outro lado, na época das 2 GG LL rivais inglesas, a GL da Escócia mantinha relações amistosas com os “Antigos” e o Real Arco seria fácil e rapidamente implantado na Escócia.

Vimos que o entendimento da disputa entre “Antigos” e “Modernos” (1751-3/1813) precisa considerar a história da Maçonaria irlandesa. Dois autores importantes, Heron Lepper e Crossle nos ajudar a fazer isso. Assim é como pudemos determinar que, de todas as queixas criticadas aos Modernos pelos Antigos, duas realmente precisam ser examinadas: a antiguidade efetiva dos usos destas duas GGLL, e a questão da instalação secreta e do Real Arco, este último ponto que propõe implicitamente a questão dos graus maçônicos. De fato, se em 1730 existem na Inglaterra e também na Irlanda, sistemas maçônicos de 3 graus, parece que estes sistemas não tiveram a mesma antiguidade e não se referem à mesma realidade. Como, então, foi estabelecido o sistema dos graus na Irlanda? Isto é o que vamos estudar através de um notável artigo de Phillip Crossle, “O Rito irlandês”.

Vamos primeiro lembrar que as “ilhas britânicas” são formadas por três países muito diferentes e, muitas vezes conflitantes: Inglaterra, Escócia e Irlanda. O mesmo acontece quando se tenta estabelecer uma distinção as Maçonarias desses países. A história da maçonaria irlandesa é completamente diferente da história da Maçonaria Inglesa. Pillip Crossle ilustra a profunda originalidade do sistema maçônico irlandês antes de 1750.

As origens da Maçonaria na Irlanda são muito obscuras. Poderia ter sido importada da Inglaterra (no final do século XVII, nos anos 1680)?, A Irlanda era nessa época uma colônia britânica. Esta Maçonaria irlandesa seria, portanto, aquela dos anglo-irlandeses, que teriam formado uma espécie de aristocracia que dominaria a Irlanda? Além disso, essa aristocracia também está separada do país, não só no econômico e social, mas também no plano religioso: é anglicana, enquanto os nativos irlandeses são católicos.

No início do século XVIII, a “maçons obediencial” aparece na Inglaterra por volta de 1717-23, e em seguida, na Irlanda em 1725, mas, aparentemente, de modo completamente diferente. Lembremos, com efeito, que esta Maçonaria irlandesa, embora provavelmente de origem Inglesa, é atestada desde 1688 e, após cerca de 40 anos, evoluiu por própria conta, independentemente da Inglaterra. Na década de 1720, é, portanto, muito provável que as Maçonarias inglesa e irlandesa eram muito diferentes, embora de antiguidade igual, e até se poderia formular a hipótese de que os irlandeses terem conservado usos que os próprios ingleses teriam alterado ou perdido, o que teria constituído de fato um tipo de maçonaria Inglesa antiga (convertida em irlandesa). É aqui onde se poderia a ancorar a alegação de antiguidade sempre proclamada pela GL de 1751-3.

Em 1730, a GL da Irlanda publicou seu livro das Constituições chamadas de Pennell. É descrito ali pela primeira vez, oficialmente, um sistema em 3 graus: aprendiz, companheiro e mestre. Recordemos que as Constituições de 1723, em Londres, havia estabelecido uma maçonaria de 2 graus, o que é atestado em 1730, por uma divulgação e pela primeira vez na Inglaterra, o grau de Mestre, divulgação que será condenada pela GL de Londres, e só em 1738 o grau de Mestre será oficializado na 2 ª edição das Constituições inglesas.

Phillip Crossle observa, assim, que o texto de Pennel descreve explicitamente 3 graus. Além disso, diz-se que um diácono, um vigilante, um mestre eleito, um GM adjunto que já tenha sido “companheiro” pode receber o grau de “Mestre” após sua instalação. Para explicar essas esquisitices, e é toda a tese de Philipp Crossle, é preciso entender que as palavras “aprendiz”, “companheiro” e “Mestre” não tinham, naquela época, o mesmo sentido e não designavam a mesma coisa na Irlanda e na Inglaterra. Crossle nos explica que não se pode colocar no mesmo plano o texto oficial das Constituições de Pennell e a divulgação de Prichard reconhecida em sua época pela GL de Londres. Na Irlanda, em 1730, o grau de aprendiz corresponderia ao conteúdo dos graus de aprendiz e de companheiro na Inglaterra; o grau de companheiro corresponderia a um conteúdo próximo (mas possivelmente sem lenda) do que seria no futuro o grau de Mestre na Inglaterra; e o grau de Mestre, sempre na Irlanda, descreve em essência o que será conhecido mais tarde sob o nome de “Royal Arch”. Isso justificaria a principal queixa dos Antigos (irlandeses) contra os Modernos (ingleses), ou seja, que estes últimos ignoravam o Real Arco, e explicaria também que a introdução do Real Arco na Inglaterra tenha aparecido como um quarto grau.

A tese de Crossle se encaixa perfeitamente, pois até onde conhecemos a origem dos graus (no final do século XVII na Inglaterra, na Escócia, na Irlanda, o conteúdo dos graus de aprendiz e companheiro – anos 1730 – estava reunido somente no grau de aprendiz, enquanto o grau de parceiro continha o essencial do que será o grau de Mestre), adicionando a este um novo elemento: o grau de Mestre na Irlanda, ou Real Arco.

E quando a Laurence Dermott, uma figura de proa dos Antigos, personagem pouco conhecido, que alguns pensam que teria sido um católico, já é maçom quando chega à Inglaterra. É provavelmente que sua acolhida nas lojas inglesas fosse, enquanto irlandês, difícil, ainda mais quando os usos e conteúdos dos graus eram muito diferentes graus ou distribuído de outra forma em relação ao que havia conhecido e havia recebido na Irlanda. E, especialmente, faltava ali o Real Arco. Este grau, portanto, será introduzido na Inglaterra, mas no sistema existente anteriormente, e se fará como uma espécie de quarto grau inglês.

Isto causará problemas – a disputa entre os Antigos e os Modernos demonstra isso – porque o Real Arco não é para os Antigos, um alto grau, mas plenamente integrados aos graus do Craft. Até é, de acordo com a famosa fórmula de Dermott, “a raiz, o coração e a medula da Maçonaria.” A hipótese de Crossle vai nessa direção: o primeiro em Sistema maçônico em 3 graus é irlandês e contém o Real Arco.

A querela entre os Antigos e os Modernos aparece, além dos problemas de pessoas como o choque de duas culturas e de duas concepções diferentes de Maçonaria.

Irmãos R. Dachez  e J. Villalta

CÍRCULO DE ESTUDOS DO RITO FRANCÊS “ROËTTIERS DE MONTALEAU”

info@ritofrances.es                                              secretaria@ritofrances.es

APARTADO 107 . 33300 VILLAVICIOSA

ASTURIAS-ESPAÑA

Publicado on julho 9, 2012 at 2:34 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/a-disputa-entre-antigos-e-modernos/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: