A Aclamação Escocesa no Rito Escocês Primitivo

Tradução José Filardo

 

REI E O TEMPLO

Muitos são os maçons em cujos Trabalhos rituais se faz uso de uma Palavra em duas sílabas pronunciadas de diferentes maneiras de acordo com o Rito. Esta palavra sempre carrega uma Maiúscula e muitas vezes está escrita em letras maiúsculas. Além disso, a palavra é parte integrante de uma designação que inclui um atributo de identidade caro aos Maçons para formar uma expressão que acompanha:

  • A proclamação da abertura e a declaração de fechamento dos Trabalhos nos três primeiros graus em Loja Simbólica,
  • Igualmente nas Recepções desses três Graus,
  • Ou ainda nas Sessões particulares, tais como de Lembrança e Fúnebres, durante as quais será feito para adotar uma formulação incluída em um Ritual previsto para esta finalidade.

Prescrito nos atos rituais, o enunciado dessa palavra exige duas expressões, uma corporal e a outra sonora, precedida de Sinais, entre as quais a Bateria. São, assim, solicitados alternadamente os sentidos ligados à audição, visão, gestual, e finalmente vocal.

Quem sou eu?

Perfeitamente integrado no curso dos Trabalhos, revestido da especificidade comum aos vocábulos incluídos nas cerimônias, essa palavra está em linha com o ritualismo, por sua grafia (primeira letra maiúscula), sua adição de um valor qualitativo (adjetivo que a precede ou a segue) ou de uma medida quantitativa (simples ou tripla), que lhe dão uma marca conferida pelo Rito.

REI - ESQUEMAS

Pronunciada em muitas ocasiões e, invariavelmente, três vezes em seguida, nos encontramos pela primeira vez essa palavra na chamada geral do Mestre da Loja, imediatamente após a invocação ao Grande Arquiteto do Universo, como um apóstrofo indicando a passagem do mundo secular, a partir daí abandonado, ao espaço sagrado do Templo. Essa chamada sela a união e a adesão dos participantes aos Trabalhos, como um hino cujo acordo perfeito é dividido em três etapas:

  • Na primeira, corporal nos gestos correspondentes ao Sinal de Ordem do Grau dos Trabalhos em Loja,
  • Imediatamente encadeado em segunda etapa pela Bateria do Grau dos Trabalhos, chamada simples e, Loja de Aprendiz porque composta de três golpes, e dita ” tripla Aclamação na Câmara do Meio,
  • Finalmente, em terceira instância, o último elemento não corporal, mas sonoro que fecha a intervenção Assembleia que se cala sobre o Mestre da Loja.

Eu sou a Aclamação Escocesa.

Esta aclamação surge diretamente da tomada da palavra coletiva à altura de uma única palavra pronunciada, se não é gritada três vezes consecutivas, sabendo que ele mantém o seu desenvolvimento em três ações separadas em todos os Graus. Com efeito, é evidente constatar o fluxo dessa palavra cantada por todos, além de visitantes aceitos no Templo, e os Aprendizes normalmente sujeitos à regra do silêncio.

Esta aclamação em seu desenrolar é realmente bem pontuada, ou seja, sincronizada nessas três etapas, e ela é reproduzida em uma ordem idêntica no fechamento dos Trabalhos, segundo procedimento correspondente, ou seja, precedida pela invocação ao Grande Arquiteto do Universo renovada uma última vez antes que todos os participantes em Loja deixem o Templo sob a Lei do Segredo dos Trabalhos que acabam de ter lugar.

Essa Aclamação é expressa, como já dissemos, três vezes com uma única palavra: Huzza (pronuncia Huzzé).

Mas o que quer dizer Huzza?

Nosso Ritual estipula ” Aclamação Escocesa “. A lembrança do Iniciado dá uma precisão complementar quanto à sua interpretação esotérica traduzida da seguinte forma: ” Esta é minha força “, alusão ao Grande Arquiteto do Universo, que assenta perfeitamente este grito imediatamente dados após sua invocação pelo Mestre de Loja, como foi recordado acima.

Sabemos também que um grande número de vocábulos do ritualismo maçônico, e isso em vários ritos originam-se de línguas mais antigas, incluindo o latim, hebraico, grego, árabe e … Huzza não é uma exceção a esta regra.

Houzza seria assim derivado da interpretação fonética “Houzzé”. Na origem, trata-se de O’Z-ZE, composto pela raiz O’Z e do sufixo ZÉ que viria do hebraico ‘ Oza” significando ” força ” e ” poder ” e é dessa língua que foi tirada a origem da palavra ‘ Huzzé”, que significa “Vida”, com a introdução de uma outra palavra que tomaria, ela também lugar em certos ritos; trata-se de “Vivat”.

De acordo com Albert Lantoine, Huzzé pronunciado três vezes é uma velha aclamação escocesa, cuja origem inglesa significa “Viva o Rei”, por analogia com o termo “Vivat” mais comumente usado no sentido de “bravo”, enquanto que vivat tem, no entanto, o sentido de “vida “.

Os antigos árabes, que usavam esta palavra em suas ovações, tinham dado esse nome a Deus em sua língua. No antigo Egito, os sacerdotes e iniciados usava um ramo de acácia que haviam batizado “houzza”.

Uma outra explicação é revelada, notadamente a deformação de Houzzé em Hochée ou Hosana, grito de alegria que é encontrado nas narrativas da entrada de Jesus em Jerusalém, no Domingo de Ramos. Esse grito de júbilo encarna a vitória e ele se traduz por “assim salva”.

Após esse percurso intercontinental, voltemos à escritura dessa palavra inglesa em sua forma mais recuada através dos tempos. Segundo Vuillaume, é de se lembrar que Huzza com maior precisão em sua pronúncia como ” Houzzai ”, que difere de sua escrita.

Por quê? Porque esta escrita, não muito distante de fonética é a mais apropriada à personificação de uma alegria em resposta ao Vivat dos latinos, e encontramos a implicação dada a esta palavra pelos comentaristas da época que a associaram um fervor popular em favor do rei.

Em resumo, Huzza deve é só um símbolo da uma Aclamação, mas oferece nuances salvadoras que se relacionam não apenas com a força ou o poder, mas à vitória, e para os Ocidentais à alegria e à vida.

Enquanto que para:

  • Albert Lantoine a palavra Huzzé tem valor sinônimo de Hurra!

Parêntese: como tal, a palavra deve se aproximar do verbo ”Huzzar’ ‘ traduzido do inglês para o português pelo verbo aclamar. Ele produziu a Aclamação que conhecemos, que se inscreve no prolongamento da Bateria qualificada de Alegria. Esta Bateria se fazia sempre em honra de um evento feliz para uma Loja ou um irmão, e hoje é estabelecido o fato de que os Maçons Escoceses usam esta Aclamação, principalmente no momento da Recepção de um Candidato quando o Venerável pede uma Bateria de Alegria em sinal de júbilo por uma aquisição feliz que fez a Maçonaria em geral e a Loja em particular.

e para:

  • o autor do livro Telhador do Escocismo, Francois Henri Stanislas Delaunay, esta palavra expressa uma tradução melhorada da ”palavra de ordem ” mencionada acima: “Viva o rei!” com vocação para substituir o nosso Vivat (originário do latim). Delaunay confirma a afirmação de Vuillaume quanto à grafia dessa palavra e relatamos aqui sua proposta exata tal como ele a transmite na página 5 do seu livro supracitado:

A bateria se faz em três golpes iguais. Aqui se junta a tripla aclamação Huzé, que deve ser escrita H U Z Z A, palavra inglesas que significa: Viva o Rei, e que substitui o nosso Vivat.

Parêntese: esta interpretação tinha por objetivo lembrar que os Maçons, tão irritantemente denunciados como inimigos do trono, não escondem sua alegria muito perceptível em sua sessão, sua assembleia, seu banquete, através de um grito que não tem outra pretensão que não seja uma homenagem ao soberano reinante pela expressão: ” Viva o rei! ”.

Na verdade, esta segunda análise está em perfeita coesão com as obrigações de um Maçom estabelecidas pelas famosas Constituições de Anderson, que descrevem em seu Capítulo II – Do magistrado civil supremo e subordinado:

“Um maçom é um súdito pacífico do Poder Civil, onde quer que more ou trabalhe, nunca se envolverá em complôs ou conspirações contra a paz ou o bem-estar da nação e nem se comportará irresponsavelmente perante os magistrados…”

Para terminar, algumas linhas sobre o emprego da Aclamação Escocesa

Para nós, Maçons que trabalhamos segundo os rituais do Rito Escocês Primitivo, quaisquer que sejam nossos Graus e qualidade, incluindo os Aprendizes obrigados ao silêncio, todos em uníssono, gritamos três vezes Huzzé levantando o braço direito estendido horizontalmente, palma da mão voltada para o chão, em sinal de lembrança do juramento feito, porque, no momento dessa prestação tínhamos este mesmo braço direito estendido e a mão sobre a Bíblia. A cada Sessão, expressamos juntos a nossa alegria, certamente, mas confirmamos nossa vontade e nossa força na renovação das promessas que fizemos no primeiro dia, o dia de nossa Iniciação.

Vimos que essa palavra é declinada em diferentes escritas e fonéticas, sobre as quais vamos nos concentrar alguns minutos, porque somos chamados a ouvi-las em nossas Viagens.

Se esta palavra difere de um rito para outro, em alguns deles, ela é totalmente ausente, nomeadamente do Rito Escocês Retificado.

Em uso no REAA com a fonética Houzzé, a pronúncia e escrita de acordo com os Usos antigos são mantidos no Rito Escocês Primitivo em benefício de Huzza. Nos rituais da Maçonaria Escocesa em Sete Graus pela Loja Mãe Escocesa da França no Oriente de Marselha fez-se a adoção da Bateria seguida pela tripla Aclamação Huzzé. Quanto à Aclamação “Vivat ”, de acordo com as Lojas e Oficinas, ela é usada para o rito Francês em concorrência com o tríptico ”Liberdade, Igualdade, Fraternidade “. Por outro lado, e mais habitualmente, os Rituais para os Trabalhos de Mesa empregam para os cinco Brindes a Bateria tripla seguida por um triplo Vivat. Em caso de Banquete branco do qual participam profanos, não acontecem Bateria nem Aclamações rituais. No entanto, podem ser batidos os “bans”, seguidos da tripla Aclamação: “Vivat, Vivat, Vivat”.

Podemos, ainda, houver outra Aclamação: ” Vivat, Vivat, Semper Vivat ”, cuja tradução é: “Que ele viva, que ele viva, que ele viva sempre”‘, a respeito da qual Jules Boucher disse o seguinte: ” Esta aclamação foi utilizada por muito tempo nas Lojas, antes que fosse adotada a fórmula ” Liberdade, Igualdade, Fraternidade “. Contrariamente à opinião geral, achamos que esta última divisa foi adotada pela Maçonaria, na esteira da Revolução Francesa, e que não foi a Maçonaria quem deu esta divisa à Revolução. A Maçonaria manifestou, assim, uma espécie de oportunismo que, infelizmente, ela não esteve isenta durante a sua existência.

É por isso que essa divisa retomou seu nome de Aclamação dita maçônica em outros Ritos se articula, com frequência, em torno não da divisa da qual se apropriou a República (francesa), mas do ternário ”Liberdade, Igualdade, Fraternidade “, brandido por alguns Potência, e precisamente pelas mais importantes. Paradoxo sem surpresa, uma vez que são elas que reivindicam a igualdade e a fraternidade, enquanto se consideram as únicas mais regulares e autênticas, eles estão em plena faculdade de discriminação das Formações entre as quais elas não se reconhecem, de modo que algumas entre elas que rejeitam a validade da Iniciação de Maçons de Lojas não colocadas sob a sua tutela, mesmo se eles trabalham com os mesmos Rituais. No entanto, devemos bem admitir que a igualdade entre todos os homens nem sempre foi colocada no perímetro e na paisagem maçônica, uma vez que as antigas Lojas operavam uma distinção entre os homens originários da nobreza e os originários da burguesia.

Em conclusão, retomando dessa vez sobre a proposta de Jean-Pierre Bayard

Notemos que por engano escrevemos com frequência que Louis Claude de Saint-Martin era o autor desta fórmula do ternário sagrado. Não é assim: St. Martin nunca usou essa aclamação e as oficinas martinistas não conservaram dela qualquer traço. Não foi, portanto, a Maçonaria que inventou esse ternário, mas a República da 1792. A Maçonaria, respeitosa do poder estabelecido, retomou esta aclamação ”Liberdade, Igualdade, Fraternidade ”, que figurava como uma divisa nos papéis do novo Estado. Vamos nos lembrar do famoso estudo de Robert Amadou (um próximo de Robert Ambelain) publicado sob o título ” Liberdade, Igualdade, Fraternidade ” na revista Renaissance Traditionnelle a partir dos números 17-18 de janeiro de 1974.

 

Publicado aqui

 

 

Publicado on abril 28, 2016 at 3:25 pm  Deixe um comentário  

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: