Zero hora no Vaticano: Uma Luta Ferrenha Pelo Controle Da Igreja Católica

Tradução José Filardo

 zero hora

Com a renúncia do Papa Benedito XVI se aproximando, a luta pelo poder no Vaticano fica realmente fora de controle. A própria igreja precisa desesperadamente de se reformar, mas com Ratzinger à espreita nas sombras, ela será capaz? Pela equipe da SPIEGEL

Nu e picado violentamente por marimbondos e vespas, seu sangue sugado por vermes repugnantes. Tal era o destino de um Papa em a “Divina Comédia” de Dante quem “por sua covardia fez a grande recusa.”

Benedito XVI, em suma, sabia o que poderia acontecer a quem se rebelou contra uma tradição de séculos de idade em uma igreja em que o sofrimento está longe de ser estranho. Mas ele também sabia que não era apenas uma questão de seu próprio sofrimento — era uma questão do esgotamento, fraqueza e doença da Igreja em geral.

O Papa da Baviera desistiu. No entanto, quando ele anunciou sua demissão na segunda-feira, às pressas e quase casualmente murmurando palavras como se estivesse rezando um Rosário, como se estivesse devolvendo as chaves de um carro alugado, ao invés das chaves de São Pedro, havia ainda uma noção de quão profundamente seu ato abalou o Império católico.

O Arcebispo de Berlim, Rainer Maria Woelki chama isso de “desmistificação do instituto Pontifício”. A renúncia do Papa já mudou a Igreja, diz ele.

Então, foi um ato de libertação? Um punhado de Bispos, cautelosamente, fez ouvir a sua voz. Gebhard Fürst, Bispo de Rottenburg-Stuttgart, no sudoeste da Alemanha, clamou por reformas visando promover o avanço das mulheres. Embora não exija que as mulheres possam tornar-se sacerdotes, Fürst sugeriu que mais mulheres assumam posições de liderança na Igreja.

Os bispos alemães se reunirão para seu conclave de Primavera na cidade do sudoeste, Trier, esta semana. Grupos conflitantes já estão tomando forma dentro da Igreja alemã, com os fundamentalistas lutando contra os reformadores e com todos ansiosamente, determinados a preservar ou ampliar seus direitos adquiridos ao abrigo de um novo Pontífice.

E o desejo de mudança é palpável. “Um Papa pode ser um teólogo, um ministro, ou um general,” diz um cardeal alemão proeminente, e ele deixa claro que viu o suficiente de filósofo-papas por ora. “Um general é necessário para conduzir a Igreja universal.”

Batalha Silenciosa

Uma mudança está ocorrendo na outrora imutável Igreja Católica. Um luta global começou sobre a prerrogativa de interpretação, oportunidades, legado e posições – uma batalha silenciosa por Roma.

Em última análise, os efeitos da renúncia do Papa são até agora impossíveis de prever. Mas, é claro que as certezas anteriores estarão agora sujeitas a debate – certezas que antes eram apenas tão firme quanto o entendimento de que a posição do Papa era para toda a vida.

Na idade moderna, um papa nunca nunca renunciou ao ofício, algo que alguns acreditam ser o mais importante na terra. Não existiu um ex-Pontífice desde os últimos anos do Cisma, depois que Gregory XII e o Papa de Avignon concordaram em renunciar para reunificar a Igreja. Esta foi a última vez que um ex-Papa passou o resto de seus dias passeando pelos jardins do Vaticano como nada além de um simples irmão. Nunca antes a decisão de um único Papa apresentou tamanho desafio para a Igreja Católica quanto o presente. A hora Zero iniciou-se no Vaticano. A renúncia do Papa foi certamente “grande” na acepção de Dante. Mas ela não ocorreu por covardia. Ao contrário, ela foi provavelmente o passo mais corajoso em um papado que derivava por um longo tempo, marcado por escândalos e mal-entendidos.

Com sua revolta contra a tradição e a máquina da Igreja, Benedito XVI pode ter trazido mais mudança à Igreja do que ele o fez nos sete anos e 10 meses do seu reinado papal.

Benedito repetidamente se enfureceu contra a “ditadura do relativismo, que não reconhece qualquer coisa como certa e que tem como seu maior objetivo o próprio ego e os próprios desejos de cada um.” E este é o homem que agora está enfraquecendo o ofício de Papa, tornando-o dependente de eficiência e deficiência humanas?

Se, conforme Benedito implica em sua declaração de renúncia, o ofício é difícil demais para um homem no mundo moderno, poder então deve ser cedido aos bispos e a regiões do mundo. Se o ofício petrino pode ser desocupado como um assento no Parlamento, então é hora de pôr fim à postura rígida da Igreja em outras questões da doutrina. Por que exatamente os cônjuges devem permanecem juntos até a morte se o Papa pode simplesmente demitir-se do seu cargo?

Mais Sujeira

E se Benedito agora assume o direito de renúncia, não deveria cada futuro Papa esperar enfrentar demandas por sua renúncia, não muito diferente de um político, quando ele se torna enfermo ou é deficiente no exercício de seu cargo?

Não é nenhuma surpresa que alguns no Vaticano têm um mau pressentimento sobre as perguntas que Roma enfrentará nas próximas semanas. A decisão do Papa de elevar sua pessoa acima de sua posição representa um desafio para todo o sistema Vaticano. Na semana passada, um prelado sugeriu mandar o ex-Papa para um mosteiro na Alemanha; em outras palavras, tão longe de Roma quanto possível.

O Papa Benedito XVI tinha a esperança de trazer o navio adernado da Igreja Católica de volta para uma quilha equilibrada com diretivas claras, mesmo que isso significasse um encolhimento da tripulação. Ele tentou neutralizar a dissolução geral da Igreja, centrando-se sobre questões fundamentais. Ele esperava reavivar a fé com a razão ou, para usar o termo grego, logos.

Em vez disso, mais e mais a sujeira veio à tona, e Benedito foi confrontado com uma crescente falta de compreensão. Depois de uma série interminável de escândalos, ele deve ter percebido que o cargo era demais para ele.

“Era”, o italiano agraciado com o Prêmio Nobel de literatura, Dario Fo disse na quinta-feira, “o atrito na Cúria, o Vatileaks e todos os tubarões que cercavam o Papa, o espionavam e o traíram. A idade certamente não é a única coisa que lhe pesa.”

Na quarta-feira de cinzas, quando tudo estava quase acabado, Benedito XVI está sentado, curvado, na Basílica de São Pedro, vestido inteiramente de roxo, a cor litúrgica da expiação. Ele parece pequeno sob o dossel de bronze de Bernini. Cantos gregorianos misturam-se com chamados da nave. “Viva il Papa,” dizem os fiéis, quando se levantam e aplaudem durante vários minutos. Eles formam um cordão, através do qual ele é levado em direção a saída, na plataforma sobre rodas que ele usa devido à dor no joelho. Ele parece estar calmo e cansado, mas também aliviado. Ele pede desculpas por seus erros. Ele pode fazer isso agora, porque nada tem mais a perder. Ao se demitir de seu cargo, o Papa parece forte, quase moderno. Benedito também aliviou a carga para seus sucessores. Agora, futuras Papas não terão de enfrentar ser arrastado para fora de seu escritório Vaticano em uma maca, como alguém morrendo em um hospital.

Há algo de rebelião na ação de Benedito XVI. Se é Deus quem chama alguém para o trono, abandonar o cargo voluntariamente pode ser visto como agir contra a vontade de Deus.

Uma Série de Últimas Palavras

O Papa Paulo VI certa vez comparou seu trabalho à paternidade – algo que era impossível de desistir. “Ninguém desce da Cruz,” João Paulo II teria dito. A visão tradicional é que o corpo do Papa não é só dele. Como acontece com um monarca absoluto, o ofício e o corpo são inseparáveis.

Havia indícios, mas poucos deles interpretados como tal. Durante uma visita à região italiana de Abruzzo, porque Bento deposita o pálio, o manto papal de lã em frente ao altar contendo as relíquias de São Celestino? Celestino foi o único de seus antecessores, que havia renunciado voluntariamente, um ato pelo qual Dante o tinha aparentemente baniu para o inferno. Bento viu o Papa eremita como uma alma gêmea?

Mas ninguém estava prestando atenção, assim como ninguém tinha prestado atenção ao Papa à luz a comoção em torno da Igreja. Benedito falou calma e suavemente, e ainda assim suas palavras foram escolhidas tão cuidadosamente como se devessem ser gravadas em pedra. Para quem ouviu, sua mensagem era clara: Foi uma série de últimas palavras

Isto ficou especialmente evidente na forma como ele se dirigiu aos católicos alemães. Em sua visita à Alemanha, ele alertou para a necessidade de se ter o maior cuidado com a criação de Deus, uma das das diversas incursões em ecologia. Em Freiburg, ele defendeu a “dessecularização” e conclamou os católicos não a aderir a estruturas. Mas não houve qualquer resposta a seus esforços. O episcopado alemão também ignorou o “Ano de Fé” que ele proclamou para marcar o cinquentenário do Concílio Vaticano II.

Cansado e desgastado, ele completou suas tarefas finais. Ele fez de seu velho e fiel amigo e confidente Georg Gänswein um arcebispo, e ele garantiu que um conservador dogmatista, o bispo Gerhard Ludwig Müller da cidade bávara de Regensburg assumisse a chefia do escritório de doutrina da fé do Vaticano.

Bem no início de seu mandato no cargo, Benedito falou do “jugo de Cristo” que ele estava agora assumindo e sobre a disposição para sofrer. Mas, mesmo então, em sua Missa inaugural, ele disse ameaçadoramente: “Rezai por mim, para que eu não fuja por medo dos lobos.”

Agora, parece necessário especular se não foi, talvez, alguns lobos em pele de cordeiro que dificultaram a vida de Benedito. Ele estava familiarizado demais com as maquinações dos membros da Cúria. Mas só o próprio Benedito pode julgar o quanto ele desprezou essa realidade e quão estranha deve ter sido para ele.

Os grupos estão começando a se fundir. O tempo é curto até o próximo conclave papal do mês que vem, mas a luta é árdua em todas as frentes. Reformadores (alguns) enfrentam adversários da reforma (mais do que alguns poucos), cardeais curiais contra aqueles que chegam a Roma vindos de todo o mundo, incorrigíveis europeus contra frescos não-europeus, africanos conservadores contra os sul-americanos de mente aberta. Quatro rodadas de votação em 26 horas, como foi o caso na eleição de Ratzinger dificilmente serão suficientes dessa vez.

“Deus já decidiu,”, diz o arcebispo de Viena, Christoph Schönborn, como se quisesse consolar-se. No entanto, os príncipes da Igreja estão se posicionando para tomar essa decisão conhecida do público em geral, bem como fazê-la prevalecer contra os colegas surdos e ignorantes.

O resmungado anúncio de Benedito, de sua renúncia foi o tiro de partida para preparações antes do pré-conclave. Esta é uma época em que cardeais se juntam – puramente por acaso, naturalmente, por razões que nada têm a ver com a renúncia de Benedito XVI. Eles conversam tranquilamente em pequenos restaurantes de frutos do mar fora do Vaticano; eles oram – e eles examinam coalizões e subversões.

Isto já estava evidente em Roma na quarta-feira de cinzas, dois dias após o anúncio de Benedito XVI. Enquanto a linha de peregrinos dava a volta em torno da Praça de São Pedro e o Cardeal Secretário de estado Tarcisio Bertone rapidamente revia seu discurso de despedida, um livro foi sendo apresentado em uma livraria brilhantemente iluminada perto da Estação Ferroviária Roma Termini, um em que fatos e ficção rapidamente tornaram-se entrelaçados.

O livro é sobre a “guerra sangrenta dos cardeais antes do conclave,” sobre o banco do Vaticano, o IOR, a sociedade da Opus Dei e um dossiê secreto sobre abuso sexual e ele descreve como dois favoritos para o papado eliminam-se e outros dois morrem. Há um novo Papa no final – um Papa chinês.

Um Frenesi de Interpretação

É apenas um romance, naturalmente, mas “Le mani sul Vaticano” é certamente inspirado em realidades que existem dentro da Cúria. Por vários anos, o autor Carlo Marroni tem sido um dos mais influentes Vaticanisti, os correspondentes no Vaticano e o correspondente diplomático do jornal de negócios Il Sole 24 Ore. Seu livro agora contem algo de uma previsão do conclave.

Os correspondentes vaticanos concordam que haverá uma batalha pelo controle. O foco já é sobre apegar-se ao poder, a ameaça de que cabeças rolarão e sobre a rede de relacionamentos dentro da Cúria após a partida de Ratzinger.

Apenas um dia após o anúncio de Benedito XVI, dois antigos inimigos aparecem juntos em público, aparentemente em boas relações, com os jornais lançando-se em um frenesi de interpretação. Era o Cardeal Secretário de Estado Bertone, o homem que exerce mais poder no Vaticano depois do Papa, e Angelo Bagnasco, Presidente da Conferência Episcopal de Bispos italiana. Bertone tem sido criticado fortemente por seu papel duvidoso no caso do Vatileaks, enquanto Bagnasco era seu sutil adversário. Ambos são “papabile”, ou possíveis sucessores de Benedito.

O homem cuja ascensão ambos estão tentando evitar, de acordo com rumores espalhados por jornais italianos, é Angelo Scola, de 72 anos, arcebispo de Milão. Scola, um aluno de Ratzinger, é o candidato preferido do grupo fundamentalista dentro da Cúria Romana e está alinhado com o movimento conservador leigo Comunione e liberazione, que, por sua vez, está associado com o antigo primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi. O conservador Scola é atualmente considerado a vanguarda italiana para a eleição papal.

A batalha entre o Secretário de Estado Bertone e seu antecessor, Angelo Sodano, também está esquentando. Sodano considera Bertone responsável por “depravação” no “governo mal conduzido do estado Vaticano”, diz Marco Ansaldo do diário italiano LaRepubblica. De acordo com Ansaldo, ambos ganharão mais poder após a renúncia de Benedito XVI, e eles também entrarão em conflito entre si. Sodano chefiará o conclave e começou a mobilizar seus partidários. Bertone, que, como “Camerlengo” administra a propriedade e as receitas da Santa Sé, está fazendo a mesma coisa.

Há um ditado na Roma secular: “morto un papa se ne fa un altro”, ou “se um Papa morre, simplesmente faz-se outro.” Mas não é assim tão fácil desta vez. O Papa ainda está vivo e Cúria está dividida, o que torna tudo tão difícil de prever.

Influenciando a votação?

Joseph Ratzinger, Bispo emérito de Roma não estará presente no conclave. Ele já ultrapassou em cinco anos a idade limite. Durante dias, o porta-voz papal Federico Lombardi negou que papa que logo iria ser um ex-papa pudesse, mesmo assim, influenciar a decisão do conclave, dizendo que Benedito é muito modesto. Mas ninguém acredita em Lombardi.

Cada palavra que Benedito disser nos próximos dias será cuidadosamente analisada e possivelmente até mesmo interpretada como uma mensagem ao conclave. Isso já ficou evidente na Missa de quarta feira de cinzas, na qual Bendito falou sobre “hipocrisia religiosa”, de “indivíduos e rivalidades” e de “pecados contra a unidade da Igreja e divisões no corpo da Igreja.” Tudo isso é crítica inequívoca, um acerto de contas, bem como uma alusão ao conclave e uma prévia do que poderia acontecer nas próximas semanas.

Benedito está desistindo do poder e, ao mesmo tempo, acusando seus subordinados de serem obcecados com o poder e de se apegarem ao poder e serem assim incapazes de acompanhar os seus corações, assim como ele fez. Uma constelação comparavelmente explosiva não tem sido vista no Vaticano há muito tempo.

Corretores do poder e lobistas já estão nervosamente testando as águas para determinar quais armadilhas podem prender o próximo Papa. Acima de tudo, o que significará para ele se seu antecessor ainda não estiver no seu túmulo, mas ainda está no comando completo de suas faculdades e residindo a apenas uns poucos passos do Palácio Apostólico?

Benedito tem tido o cuidado de salientar que ele pretende “esconder-se do mundo.” No entanto, ele será uma fonte de conflito enquanto viver. Como se comportarão os cardeais quando um novo Papa cometer erros, quando ele arruinar sua relação com as principais facções da Cúria, ou quando ele iniciar reformas bloqueadas pelo seu antecessor? O próprio Benedito não vai nem mesmo ter de comentar, uma vez que confidentes reais ou supostos sussurrem alguma coisa sobre como o homem velho sente a respeito da mudança de direção – e a posição do seu sucessor já será enfraquecida.

As tensões já estão aparecendo. O confidente mais próximo de Benedito XVI, Gänswein, estará talvez servindo a dois mestres no futuro. O arcebispo curial de 56 anos de idade “continuará a ser prefeito da Casa Pontifícia e também será secretário de Benedito”, disse o porta-voz do Vaticano Federico Lombardi.

‘Uma Papa da Sombra’

Como resultado, Gänswein é susceptível de se tornar um dos Bispos mais influentes na corte romana. Ao mesmo tempo, ele viverá perto de nova residência de Benedito XVI no mosteiro em frente à Basílica de São Pedro, onde eles poderão receber visitantes juntos e discutir as condições da Igreja. Gänswein também desempenhará um papel importante como prefeito da Casa Pontifícia.

“Benedito ameaça tornar-se uma Papa da sombra,”, diz o teólogo suíço Hans Küng. Não se pode simplesmente deixar de ser Papa, diz o biógrafo de Benedito, Andreas Englisch. “No pior dos casos, uma parte da Igreja se separaria, talvez porque Ratzinger acreditasse que seu sucessor estava fazendo um grande dano à Igreja.”

O especialista vaticano John L. Allen, por outro lado, acredita que o radicalismo do gesto de Benedito XVI poderia incentivar os cardeais a “pensar fora da caixa e assumir o risco de dar um novo passo”. O sinal, murmurado em latim, na segunda-feira, não poderia ter sido mais claro: Não se pode continuar assim.

Em outras palavras, é bem possível que o conclave trará uma mudança de direção, mesmo que o atual Papa tenha nomeado 67 dos 117 membros eleitores. Talvez isso signifique que um não-Europeu será eleitos pela primeira vez, ou alguém que não seja tão fixado na suposta decadência cultural quanto Benedito. Ou talvez conduzirá a um Papa McKinsey, um homem dotado de qualidades gerenciais suficientes para trazer o vento de mudança para a administração do Império católico.

A sombra do “bom” Papa João XXIII também paira sobre o conclave — como uma esperança para alguns e um aviso para outros. Ele foi um Papa surpresa, em grande parte desconhecido, que de repente teve a coragem de abrir a Igreja. Com o Concílio da reforma de 1962 a 1965, João XXIII levou sua igreja ao século XX.

Um novo João teria que fazer o mesmo para o século XXI. Ele terá que transformar a Igreja globalizada de um Império em uma comunidade, em que as diferenças regionais sejam possíveis, e nem todo teólogo cujas opiniões são consideradas censuráveis possa ser silenciado por um pronunciamento papal a partir de Roma.

Thomas von Mitschke-Collande, o ex-assessor da Conferência Episcopal Alemã, lamenta a necessidade de harmonia do Papa. “Ser católico também significa a unidade na diversidade. Bispos e o Papa devem aprender a conviver com essa relação tensa. A Igreja universal precisa agora um Papa que esteja disposto a abdicar a maior parte de seu poder.” Não há qualquer alternativa, diz Mitschke-Collande, à luz da globalização, da diversidade das regiões e das diferenças na natureza dos católicos em nível mundial. Ele acredita que a suposição de que apenas uma igreja monolítica é uma igreja forte está fundamentalmente errada. “Com essa abordagem, nenhuma corporação hoje seria capaz de comercializar seus produtos em nível mundial,” diz Mitschke-Collande, que fez sua carreira como consultor na McKinsey.

Por outro lado, Ratzinger, antigo teólogo do concilio tentou neutralizar as correntes centrífugas. Ele foi um Papa da restauração e muitos sacerdotes e membros de suas congregações ainda mais esperam que esses dias são tenham agora desaparecidos.

Não foi um feliz pontificado para Benedito XVI, mas sim um pontificado de sofrimento. O mundo testemunhou uma pessoa tímida, que considera o presente com pessimismo profundo, e, não importa o quão duro ele tentasse, não conseguia esconder seus sentimentos.

No ano passado, Benedito experimentou várias vezes como cada passo à frente era sufocado por sombras do passado, incluindo acusações de abuso e traição. Além disso, suas declarações muitas vezes eram distorcidas, principalmente na sua Alemanha natal. Na verdade, a frequência à Igreja em sua terra natal diminuiu para 12 por cento da população e crenças religiosas elementares – a do credo e a crença na ressurreição e na Santíssima Trindade – agora são aceitas por apenas uma minoria da população.

Se já se sentia desgastado por estas batalhas sobre fé, os anos em que mordomo Paolo Gabriele traiu sua confiança devem ter finalmente puxado o tapete debaixo de seus pés. Quando o Secretário Gänswein assumiu toda a culpa e ofereceu sua demissão, o Santo Padre não aceitou isso. Com um suspiro, ele disse: “Mas temos de confiar uns aos outros aqui. Isso não funciona sem confiança.”

Presente de Despedida de Benedito XVI

Mas, a traição tinha encontrado seu caminho até os seus próprios aposentos. De acordo com um relatório na semana passada, da revista milanesa Panorama, do dia 17 de dezembro, o dia em que três cardeais entregaram ao Papa o relatório secreto, descrevendo os antecedentes do Vatileaks, completo com declarações de testemunhas, foi aparentemente o momento que ele decidiu renunciar. Antes disso, Benedito tinha “ficado sabendo de condições da Cúria que ele nunca teria pensado serem possíveis.”

Ele era, afinal, um Papa professor e não um Papa governador. Bento procurava usar a palavra para exercer influência. Seus discursos em Regensburg e em Paris e diante dos parlamentos em Berlim e Londres, eram convites para o mundo não-católico a se juntar aos católicos na reflexão sobre a base ética da política e considerar outras coisas também, como a lei da natureza e um conceito ampliado da razão.

“A coragem para envolver toda a razão e não a negação de sua grandeza – este é o programa”, disse o Papa em sua palestra de Regensburg. E citando o imperador bizantino Manuel II, acrescentou: “Não agir razoavelmente, não agir com logos é contrário a natureza de Deus.”

Com sua decisão de renunciar, Benedito deu à sua igreja um presente final: a chance de um novo começo. E isso é exatamente o que os católicos na sua Alemanha natal almejam. A renúncia de Benedito XVI surge num momento em que a posição da Igreja Católica na Alemanha chegou a uma nova baixa.

A doutrina da Igreja e a realidade social já se afastaram tanto em muitas áreas que mesmo católicos devotos acreditam que chegou a hora de mudar. Karl-Josef Kuschel, um erudito religioso na cidade alemã de Tübingen, diz que a Igreja está agora confrontada com “desconfiança fundamental.”

Por isso não se pode responsabilizar inteiramente o Papa que agora deixa, e mesmo assim, Benedito não conseguiu parar a tendência, pelo menos não nos países do Norte. Em 2010, o número de pessoas que deixaram a Igreja na Alemanha, mais de 180.000, foi pela primeira vez substancialmente maior que o número de batismos. Hoje, mais de um terço dos alemães simplesmente não são membros de qualquer igreja cristã. O número de batismos, casamentos e até mesmo funerais da Igreja está caindo rapidamente. Há também uma colossal falta de sacerdotes.

Atmosfera de Medo e Desconfiança

No total, a Igreja perdeu cerca de 3,8 milhões de católicos na Alemanha, entre 1990 e 2011, um número quase duas vezes o tamanho da Arquidiocese de Colônia. E a tendência não tem mostrado sinais de reversão.

Como resultado, a Igreja está perdendo importância na Alemanha. Sua influência sobre a legislação, debates nacionais importantes ou sobre a cultura hoje é limitada. “A Igreja está em crise de fé, confiança, autoridade, liderança e comunicação,” escreve Mitschke-Collande, um católico ativo, em uma análise.

E, então, há os devastadores resultados de um estudo recente realizado pelo Instituto Sinus, baseado na cidade do sudoeste alemão, Heidelberg, sobre o crescente isolamento da Igreja Católica na maioria dos ambientes sociais. O estudo deixa claro que não é apenas crítica externa, dos chamados inimigos da Igreja, mas também o núcleo e mesmo a substância de católicos leais na Igreja que não mais têm qualquer confiança no Papa e nos Bispos.

A crise atingiu o centro da Igreja, e os Bispos estão um ponto de viragem. Negócios como de costume não é uma opção, e ainda assim os Bispos estão apenas sabotando uns aos outros. “Ninguém quer ser o primeiro a sair do armário”, diz o assessor de um bispo. “Ninguém se atreve a sair sozinho, porque todo mundo teme que os outros vão atacá-lo e que, ao final, só haverá problemas com Roma.”

Esta cultura de fazer declarações silenciosamente é uma reminiscência da fase final na Alemanha Oriental, quando uma atmosfera de medo e suspeita tinha se instalado. Mas, como pode uma igreja ser atraente quando está internamente dividida, desunida e desmoralizada? O Papa Benedito XVI e seus representantes mais fiéis na Alemanha, seja em Colônia, Limburgo ou Regensburg, permitiram que esta desunião se desenvolvesse, ou eles até mesmo a promoveram.

Referindo-se a esta questão, o porta-voz de um cardeal diz: “Você deve poder dizer algo sem ser imediatamente assaltado e sem denúncia a Roma ou na Internet. Se este clima de desconfiança mútua não chegar a um fim agora, nós falharemos em nossos esforços para lançar um novo começo. A Igreja deve ser capaz de tolerar mais críticas, mais diversidade e mais liberdade em suas fileiras.” O papel dos Bispos, ele acrescenta, será mais importante do que o do Papa no futuro, e o clima local será crucial para as pessoas, seja na Alemanha, Ásia, África ou América Latina.

Prazo final da Páscoa

Grupos de jovens católicos pedem a seus bispos que tratem de debates atuais a partir do centro da Igreja e não deixem o campo para os católicos ultraconservadores. Isso, dizem, também inclui uma discussão sobre o que “pode ser deixada para a consciência do indivíduo,” quando se trata de moralidade sexual. Helmut Schüller, co-fundador da iniciativa de pastores, diz que o Vaticano não pode mais ser o centro de uma Igreja universal que “emana medo e terror, onde as pessoas são perseguidas, afastadas de cargos e têm negado o direito de ensinar.”

Por ora, tal crítica tem sido apenas um murmúrio. Mas ela está rapidamente ficando mais alta.

Sob as regras papais atuais, a eleição secreta do 266o. Papa, o conclave deve começar entre 15 e 20 dias após a renúncia de Benedito XVI. Dessa forma, em meados de março, 117 cardeais serão trancados em reclusão “cum clave” na Capela Sistina. Ali, eles rezarão, carregarão suas cédulas dobradas até o altar, as contarão, as queimarão e começarão tudo de novo.

Dias – no passado, até mesmo semanas e meses — podem se passar antes que uma maioria de dois terços se materialize. Mas, desta vez o eleitorado não terá muito tempo. Espera-se que o novo Papa complete a cerimônia tradicional de lavapés na quinta-feira Santa, presida as estações da cruz no Coliseu na sexta-feira santa, e no domingo de Páscoa pronuncie a benção Urbi et orbi da varanda da Basílica de São Pedro para a cidade de Roma e o resto do mundo.

Será a sucessão decidida entre os europeus, ou eles conseguirão construir a ponte com as igrejas não-europeias? O Papa continuará a ser um homem da Restauração, como foi Ratzinger, ou ele será um reformador, como o arcebispo de Viena, Christoph Schönborn ou Gianfranco Ravasi, 70, o notório e progressista Presidente do Conselho Pontifício para a Cultura?

Pode até mesmo existir uma linha na combalida Igreja católica – uma única linha, unindo os 30 cardeais da Cúria e o maior número de cardeais viajando a Roma a partir de todo o mundo?

A Igreja enfrenta problemas enormes e fundamentais: conectar-se à era moderna e as decisões sobre questões fundamentais, tais como o celibato, a ordenação de mulheres, o Ecumenismo e o grande número de fiéis que deixam a Igreja em algumas regiões.

Ela precisa de um gestor de crises contemporâneo, alguém que possa dominar os conflitos dentro da Igreja com uma mão forte e possa resistir ou, melhor ainda, evitar escândalos. Ele deveria ser apenas tão intelectualmente dotado quanto Ratzinger, tão espiritualmente firme quanto Jesus Cristo, tão carismático quanto Karol Wojtyla e, naturalmente, apenas tão jovem quanto ele. Wojtyla tinha 58 anos de idade, quando foi eleito. Em poucas palavras, a Igreja está buscando um mediador, um homem de limpeza e um homem duro, e ainda assim, alguém, no entanto, suave em sua fé.

O que ela procura é um milagre.

Os Vaticanisti concordam que, dada esta descrição de cargo, nenhum dos seis cardeais alemães (Paul Josef Cordes, Walter Kasper, Karl Lehmann, Reinhard Marx, Joachim Meisner, Rainer Maria Woelki) é uma possibilidade. Se o novo Papa deve ser um europeu, ele provavelmente será um italiano.

Depois de quase 35 anos de governo estrangeiro, primeiro por um polonês e depois por um alemão, um Pontífice italiano certamente seria desejável. O problema é que os italianos da Cúria estão divididos, tanto em grupos territoriais quanto facções teológicas. Sua vantagem, por outro lado, é que eles não seriam incomodados pelas condições da Cúria. Eles estão acostumados à confusão, intrigas, vaidades e com uma falta meticulosamente praticada de interesse na reforma. É a única realidade que eles conhecem, tanto na Cúria quanto na política.

Poucos dias antes de Benedito deixar a Sé Apostólica em 28 de fevereiro, um novo Parlamento será eleito na Roma secular. A notícia da renúncia de Benedito XVI já está afetando, hoje, a campanha eleitoral. Ela ficou mais calma e mais objetiva — por uma razão muito simples: O ex-primeiro ministro Silvio Berlusconi, que depende tanto de atenção da mídia está ficando muito menos exposição agora que todos os olhos estão voltados para o Vaticano. Segundo rumores nos corredores do Parlamento, Berlusconi está lívido como resultado, enquanto Mario Monti e os esquerdistas estão muito felizes.

A questão fundamental é como a composição global do Colégio dos cardeais afetará a eleição papal. O conclave ainda é apenas tão colorido quanto era antes da eleição de Benedito XVI. Ele incluirá cardeais de 50 países, 61 europeus, dos quais seis serão alemães e 28 italianos, 11 cardeais dos Estados Unidos, cinco Indianos, 19 latino-americanos, 11 da África e Ásia, e um da Austrália.

Missas em massa

Os latino-americanos, entre outros, têm grandes expectativas. Eles esperam ver o fim do “Vaticano eurocêntrico”, escreve o respeitado colunista Elio Gaspari. Ele acredita que o Benedito “teólogo e burocrata” será seguido por um “Pastor” do terceiro mundo. “Ele combinaria o útil ao agradável.”

Os membros da Cúria estão preocupados sobre os desenvolvimentos mais recentes na América Latina, onde há uma escassez de dezenas de milhares de sacerdotes, e onde muitas igrejas rurais estão abandonadas. Milhões estão desertando para a igrejas protestantes pentecostais. Os pastores protestantes são verdadeiras artistas, seus serviços são shows para dezenas de milhares de pessoas, eles cantam e dançam e muitos vendem CDs aos milhões.

A Igreja Católica não encontrou ainda uma resposta eficaz, embora ela tenha feito algumas tentativas bastante impotentes. Alguns padres católicos, conhecidos como padres pop, agora estão celebrando seus serviços em sedes gigantes, e suas missas passaram a assemelhar-se a concertos pop. Ainda assim, isso não impediu o crescimento das igrejas protestantes.

A África também está esperando por uma mudança de direção. Em 2010, 15,5%, ou cerca de 180 milhões de católicos de um universo de 1,2 bilhões eram africanos. Graças às mudanças demográficas, seu continente, junto com a Ásia, está entre as regiões de maior crescimento no mercado global da fé. Dezenas de milhares de instituições da Igreja construídas por missionários nos últimos 150 anos, tais como escolas, hospitais, orfanatos e enfermarias de AIDS, são percebidas como ilhas de esperança em um continente flagelado pela pobreza generalizada. A Igreja exerce considerável influência política nos países que são incapazes de executar suas funções sociais. A Igreja Católica é considerada a única instituição nacional funcionando na República Democrática do Congo, por exemplo.

Mas a popularidade de igrejas pentecostais e seitas protestantes também está em ascensão. Ambas proclamam um evangelho simples de bem estar, uma mensagem muito mais atraente para muitos dos pobres do que as doutrinas dos católicos, anglicanos e protestantes tradicionais. Um Papa africano poderia estar mais apto a enfrentar este desafio; pelo menos é o que muitos africanos pensam.

As igrejas na África ainda estão lotadas aos domingos. Missionários brancos entusiasmam-se com a profunda religiosidade e forte fé dos africanos e com sua liturgia colorida e experiência de espiritualidade. Alguns acreditam que a África exala a força rejuvenescedora que poderia fazer reviver a Igreja oficial sem liderança do Norte. A Igreja faz muito bem na África, e ainda assim é também controversa. Pregadores católicos estão entre aqueles em Uganda que estão fomentando o ódio aos gays em Uganda. E sobre o tema da AIDS, a maior parte dos dignitários católicos na África cumpre as recomendações dos velhos homens do Vaticano, demonizando o uso de preservativos. Quando se trata de controle de natalidade, casamento homossexual, homossexualidade ou suicídio assistido, eles são frequentemente mais dogmáticos que o Vaticano.

‘Obama do Vaticano’

“Pelo amor de Deus, vamos esperar que ele não seja um Africano!” Stefan Hippler, um padre estrangeiro na África do Sul disse em abril de 2005 antes que a fumaça branca subisse da Capela Sistina, marcando o início do Papado de Benedito XVI. O cardeal ultra-conservador da Nigéria, Francis Arinze, agora com 80 anos, estava entre os favoritos do momento.

Desta vez, porém, Hippler consideraria Peter Kodwo Appiah Turkson, de 64 anos, uma boa escolha. O ganês, já apelidado “Obama do Vaticano,” é multilingue e tem sido um membro da Cúria Romana, há mais de três anos. Ele também está bem cotado em sites de apostas. Turkson é relativamente jovem e de mente aberta sobre questões sociais. Ele representa posições da teologia da libertação e defende uma correção cautelosa de direção sobre a questão dos preservativos.

Um brasileiro de 63 anos com ancestrais do estado alemão de Sarre, Odilo Pedro Scherer está também na lista de prováveis possibilidades, assim como está o franco-canadense Marc Ouellet, amigo íntimo de Ratzinger, que poderia angariar os votos de americanos do Norte e do sul, e desse modo fazer a ponte entre o velho e o novo mundo.

O Arcebispo de New York, Timothy Dolan, 63, um representante da rica Igreja dos Estados Unidos, é frequentemente mencionado como um possível candidato.

E depois há um outro candidato, o “Wojtyla do Extremo Oriente, Luis Antonio Tagle, Arcebispo de Manila, nas Filipinas. Diz-se que ele possui o cérebro de um teólogo e o coração de um pastor, bem como é mais carismático do que a maioria no Colégio dos cardeais. Mas, aos 55 anos de idade, ele também é o segundo mais jovem no Colégio dos cardeais, praticamente um bebê pelos padrões do Vaticano.

Aproveitando-se da Hora Zero

Em suma, o resultado do conclave é tão difícil de prever quanto foi em 1978, quando, após várias rodadas de votação, um polonês em grande parte desconhecido pisou no balcão da Basílica de São Pedro. O próximo Papa poderia ser de um negro, um Africano. Ele poderia ser um carismático sul-americano ou um apparatchik italiano ou um reformista Europeu. Ele poderia ser alguém que continua o curso de Ratzinger ou alguém que se aproveita da hora zero.

Só uma coisa é certa: Na próxima quinta-feira, por volta de 17 horas, um helicóptero Sikorsky Sea King branco vai levantar voo do heliponto na cidade do Vaticano para os céus de Roma. O Papa estará a bordo e sentado ao lado dele, com toda a probabilidade, estará seu secretário particular, Georg Gänswein. Seu destino fica a menos de 25 quilômetros de distância: Castel Gandolfo, a amada residência papal de verão, com sua bela vista do Lago Albano verde garrafa.

Três horas mais tarde, precisamente às 20 horas, o Papa não será mais um Papa. Seu trono estará então “vago”, como é a sede vacante . Haverá um jantar simples em Castel Gandolfo. O novo Papa assumirá seu cargo até a Páscoa. Angelo Sodano, decano do Colégio Cardinalício, exercerá suas funções até então.

Joseph Ratzinger se mudará do Palácio papal para sua nova casa no antigo Convento de Mater Ecclesiae, um edifício simples, cor ocre de 450 m2 nos jardins do Vaticano, com 12 quartos, tão pequenos e esparsos quanto cabines de oração. Até novembro, o prédio era ocupado por 11 monjas das Irmãs Salesianas, que colhiam limões e plantavam tomates, abobrinhas e a rosa amarelo-esbranquiçada “João Paulo II”. Agora, o prédio está sendo renovado às pressas, conforme os restos de construção são levados embora e a biblioteca ampliada para acomodar livros de Benedito XVI– e os dois Georgs, Gänswein e o irmão mais velho de Benedito, de 89 anos de idade. Ambos provavelmente visitarão a nova casa do ex-Papa para uma sessão ora et labora.

Georg Ratzinger lembra-se de um dia, há alguns meses, quando eles estavam sentados juntos no quarto que o Papa tinha prepardo para seu irmão mais velho em Roma. Eles falavam sobre todos os tipos de coisas. Então, Benedito disse que tinha a intenção de renunciar ao cargo. De acordo com o seu irmão, ele fez o anúncio de maneira muito direta e sem emoção e parecia nem aliviado, nem triste.

“Eu tinha mais algumas perguntas relativas à implementação, mas isso também foi discutido com naturalidade, e a questão foi resolvida. Isso não teve um papel importante em nossa conversa. Temos muito a discutir quando nos vemos, e que aquele era apenas um problema”, diz Georg Ratzinger.

Benedito XVI, agora Joseph Ratzinger novamente, permanecerá no Vaticano, no meio de sua Igreja, mas não mais em seu centro. Ele orará e escreverá e falará e discutira com os dois Georgs.

É bastante provável que ele estará feliz. Será uma regresso à casa, depois de sete anos e 10 meses em um gabinete e um mundo que não eram os seus.

POR FIONA EHLERS, JENS GLÜSING, BARTOLOMÄUS GRILL, FRANK HORNIG, MATTHIAS MATUSSEK, CONNY NEUMANN, ALEXANDER SMOLTCZYK e PETER WENSIERSKI

Traduzido do alemão por Christopher Sultan

http://www.spiegel.de/international/world/catholic-church-searches-for-renewal-and-a-new-pope-a-884043-4.html

 

Publicado on fevereiro 18, 2013 at 7:06 pm  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/zero-hora-no-vaticano-uma-luta-ferrenha-pelo-controle-da-igreja-catolica/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: