Um Breve Histórico da Maçonaria no Japão

 Tradução José Filardo

GRANDE LOJA JAPÃO2

A ERA PRÉ-MODERNA

Sendo o Japão separado do continente asiático por água, sua civilização se desenvolveu em relativo isolamento em dias pré-modernos. A influência cultural do exterior gradualmente atingiu o país, principalmente através dos países vizinhos, China e Coreia. Os primeiros ocidentais a chegar ao Japão eram comerciantes portugueses que desembarcaram em Tanegashima, uma pequena ilha ao sul do Japão em 1543. Posteriormente, pessoas de outras nacionalidades chegaram. Como o xogunato então governante ficou preocupado com a crescente influência estrangeira sobre o seu povo. Em 1639 ele praticamente isolou o país do resto do mundo, condição esta que durou mais de dois séculos, até 1854. Nestas circunstâncias só protestantes holandeses e chineses não-cristãos estavam autorizados a fazer negócios com o Japão.

O PRIMEIRO MAÇOM A VISITAR O JAPÃO

Entre esses comerciantes holandeses que vieram ao Japão durante esse período estava Isaac Titsingh. Acredita-se ser ele o primeiro maçom a visitar o Japão. Ele fora iniciado na Batavia em 1772, quando estava a serviço da Companhia das Índias Orientais Holandesa. Ele foi ao Japão três vezes – 1779 a 1780, 1781 a 1783 e 1784 – e chefiou o posto de comércio holandês em Nagasaki. O Ir.´. Titsingh fez amizade com muitos japoneses em altos postos e com japoneses estudiosos do conhecimento ocidental. Seus livros, cerimônias usadas no Japão para casamentos e funerais (1819), Memórias e anedotas sobre a dinastia reinante dos xoguns, soberanos do Japão (1820) e Ilustrações do Japão (1822) são fontes valiosas de informações sobre o Japão e seu povo e  costumes na segunda metade do século 18.

O FIM DO ISOLAMENTO

Embora o Japão estivesse em um estado de isolamento, embarcações estrangeiras frequentavam suas costas periodicamente. Na primeira metade do século 19, sua invasão tornou-se particularmente perceptível. Eles insistiam em que Japão abrisse seus portos. Com o tempo, o governo abriu o país e celebrou tratados com potências estrangeiras. Os tratados incluíam extra-territorialidade pelas quais estrangeiros residentes no Japão ficavam sob a jurisdição legal dos cônsules de seus próprios países. A abolição da política de separação precipitou o país em tumulto. Tratados desiguais com aqueles países,  inflação galopante, em grande parte, devido ao início do comércio exterior e outros fatores desfavoráveis ​​resultantes da abertura do país fizeram com que alguns japoneses, especialmente os samurais (guerreiros profissionais), cultivassem a ideia de “Sonno Joi” (unificar o país sob o governo imperial e repelir as incursões causados ​​por estrangeiros). Insatisfeito com a política do governo em relação aos países estrangeiros, alguns samurais se aproveitaram da situação e agrediram estrangeiros para assediar o governo agora enfraquecido. Tais ataques tornaram-se frequentes no final dos anos 1850 e início dos anos 1860. Como resultado, as potências estrangeiras apresentaram fortes protestos. Em 1863, o governo japonês concordou em ter tropas britânicas e francesas estacionadas em Yokohama.

A PRIMEIRA LOJA NO JAPÃO

Foi durante esse período que a primeira loja maçônica foi introduzida no Japão. A loja militar chamada Loja Esfinge No. 263, de Constituição irlandesa, veio ao Japão com um destacamento do 20º regimento britânico que chegou a Yokohama em 1864. Enquanto em Yokohama, a loja realizou reuniões e admitiu membros civis. Sendo uma loja militar, no entanto, ela não podia operar no Japão por muito tempo. Ela realizou a sua última reunião em março de 1866.

A FORMAÇÃO DE LOJAS LOCAIS

Enquanto isso, aqueles irmãos que viviam em Yokohama sentiram que era desejável  formar sua própria loja e pediram autorização para a formação de tal alojamento à Grande Loja Unida da Inglaterra. Assim, a primeira loja local, Loja Yokohama No. 1092, surgiu, realizando a primeira sessão ordinária em 26 de junho de 1866. Um total de seis lojas inglesas e três lojas escocesas foram formadas no Japão antes da última guerra. Com a abolição da extraterritorialidade em 1899, os irmãos realizavam suas reuniões de acordo com um acordo de cavalheiros com o governo japonês de que o governo não  interferiria com as atividades da fraternidade, enquanto a adesão fosse limitada a estrangeiros e que as reuniões fossem realizadas sem ostentação. Os membros incluindo aqueles que contribuíram para a modernização do Japão, por exemplo, Ir.´. E. Fischer, um comerciante alemão envolvido no desenvolvimento de Kobe; Ir.´. William G. Aston, um diplomata inglês estudioso da literatura japonesa, cujas obras introduziram o Japão e sua civilização ao mundo de língua inglesa; Ir.´. A. Kirby que construiu o primeiro navio de guerra blindado no Japão; Ir.´. Thomas W. Kinder, um britânico que estava no comando do Escritório do Mint em Osaka; Ir.´. John R. Black, um jornalista britânico que publicava um jornal em língua Inglês – o Japan Gazette – e os jornais japoneses Nisshin Shinjishi e Bankoku Shimbun, e quem escreveu um livro importante – Young Japan; Ir.´. William H. Stone, engenheiro de telecomunicações britânico; Ir.´. Paul Sarda, um arquiteto francês, Ir.´. Edward H. Hunter, um engenheiro naval britânico; Ir.´. John Marshall, um capitão de porto britânico; Ir.´. Felix Beato, um fotógrafo britânico nascido em Veneza e Ir.´. Stuart Eldridge, um médico americano. De toda forma, todos os membros das lojas no Japão naquela época eram estrangeiros.

MAÇONS JAPONESES ANTES DA GUERRA

No entanto, alguns japoneses ingressaram na Ordem no exterior antes da última guerra. Entre eles estavam dois estudiosos japoneses – Amane Nishi (1829-1897) e Mamichi Tsuda (1829-1903) – que estudavam na Universidade de Leyden, na Holanda de 1862 a 1865 com o Prof Simon Vissering que era maçom. Nishi foi iniciado na loja  La Vertu No. 7 em Leyden em outubro de 1864, e Tsuda em novembro de 1864. O conde Tadasu Hayashi (1850-1913), um diplomata de carreira e, posteriormente, um estadista, estava estacionado na Inglaterra de 1900 a 1906, e tornou-se membro da Ordem enquanto esteve na Inglaterra. A Aliança Anglo-Japonesa foi celebrada em 1902 e ele assinou esse tratado em nome do Japão. Ele foi iniciado na Loja Empire No. 2108 em fevereiro de 1903, elevado ao Segundo Grau em março e exaltado ao terceiro grau em maio. O Ir.´. Hayashi tornou-se Venerável da Loja em janeiro de 1904. Seu rápido progresso até esse cargo foi devido à vontade dos membros da Loja de reconhecer a sua alta posição oficial e sua possível partida da Inglaterra em futuro próximo para nomeação para algum outro posto. Como a missão japonesa em Londres foi promovida de legação a embaixada, ele  tornou-se o primeiro embaixador japonês na Grã-Bretanha. Cidadãos japoneses também foram iniciados em alguns outros países, por exemplo, nos Estados Unidos e nas Filipinas.

A ECLOSÃO DA GUERRA

A situação começou a deteriorar-se para os maçons no Japão ao final de 1930, quando as autoridades do governo começaram a reprimir a fraternidade, especialmente após a eclosão da guerra com a China em 1937. No início dos anos 1940 os movimentos anti-maçônicos se intensificaram e todas as lojas tiveram que cessar suas atividades.

DEPOIS DA GUERRA

Após a guerra, as atividades maçônicas foram retomadas. Uma loja inglesa e duas  escocesas sobreviveram. A Grande Loja das Filipinas começou a fundar lojas no Japão. Durante um período de 10 anos, de 1947 a 1956, foram fundadas 16 lojas. O general Douglas McArthur, que era o comandante supremo dos aliados que ocuparam o Japão depois da guerra e ele próprio um maçom era muito favorável às atividades maçônicas no Japão. Gradualmente o ingresso na maçonaria tornou-se disponível para cidadãos japoneses. Sete homens japoneses, incluindo cinco membros da Dieta foram iniciados em 1950, pela primeira vez no Japão. Em março de 1956, 15 lojas Filipinas operando no Japão formaram a Grande Loja do Japão. O número de seus membros aumentou continuamente, atingindo 4.786 em 1972. Desde então, no entanto, o número de membros tem diminuído e agora é de pouco mais de 2.000. A lista atual de lojas e suas localizações pode ser encontrada no site da Grande Loja do Japão. Hoje, a Grande Loja do Japão mantém tratados de amizade com mais de 150 Grandes Lojas em todo o mundo.

Além daquelas lojas que operam sob a Grande Loja do Japão, existem várias outras lojas no Japão que existiam no momento da sua formação em 1957 – uma loja inglesa, duas lojas escocesas, duas lojas filipinas e uma loja americana (Massachusetts ) que, tendo sido originalmente fundada em Xangai, na China, foi reativada em Tóquio em 1952. Há várias outras lojas que se reúnem no Japão sob Carta constitutiva da Grande Loja Prince Hall de Washington, com a qual a Grande Loja do Japão estabeleceu relações fraternais em 1998.

GRANDE LOJA DO JAPÃO

Em 16 de janeiro de 1957, a Loja Moriahyama nº 134 aprovou uma resolução convocando uma convenção para considerar a formação de uma Grande Loja do Japão. Uma reunião da Grande Loja Distrital foi realizada em 26 de janeiro de 1957. Devido à resolução aprovada pela Loja Moriahyama, e a convocação da convenção emitida pelo Venerável daquela Loja, esse foi o principal tema de discussão. A convenção foi convocada para 16 de fevereiro, 1957, a ser realizada no Tokyo Masonic Building. Cada Loja foi convidada a enviar quatro delegados, com autoridade para agir em nome de suas Lojas. Além disso, cada Loja devia discutir a resolução em sua próxima reunião e votar favorável ou desfavoravelmente, conforme fosse o caso.

A Grande Loja das Filipinas foi notificada imediatamente sobre cada evento à medida que eram realizados e foi informada de que uma convenção deveria ser realizada em 16 de fevereiro de 1957 em Tóquio. Na Convenção, dezesseis lojas estavam representadas, das quais onze lojas informaram que seus membros tinham aprovado por unanimidade a resolução. Na convenção realizada em 16 de março, mais quatro lojas aprovaram a resolução por unanimidade; portanto, quinze das dezesseis lojas foram a favor da formação imediata da Grande Loja do Japão. A Grande Loja das Filipinas foi efetivamente informada sobre todas as transações por escrito, para impedir que recebesse  quaisquer dados imprecisos através de canais não oficiais.

Na Comunicação Anual da Grande Loja das Filipinas em Abril de 1957, foi apresentada uma moção ao Grande Secretário, de que (1) a Grande Loja das Filipinas estendia o reconhecimento à Grande Loja do Japão, (2) a Grande Loja de Filipinas ajudaria a Grande Loja do Japão a obter o reconhecimento das Grandes Lojas com as quais ela estava em Comunicação Fraternal, e (3) o Grão-Mestre das Filipinas com tais Grandes Oficiais que ela considerasse necessários, iria ao Japão para instalar os Oficiais da Grande Loja do Japão.

A delegação do Japão foi recebida e reconhecida como delegados das lojas subordinadas na Convenção; no entanto, quando chegou o momento da votação dos Oficiais da Grande Loja para o ano seguinte, foi determinado pela Grande Loja, que, como eles eram membros da Grande Loja do Japão, não poderiam qualificar-se para votar. Isso, na opinião deles era o mesmo que o reconhecimento informal da Grande Loja do Japão.

A Grande Loja do Japão foi instituída em 1o. de Maio de 1957. Até o final daquele ano, sete Grandes Lojas reconheceram a Grande Loja do Japão e pelo menos outras dez Grandes Lojas estavam em comunicação fraternal com a Grande Loja do Japão. O Rito Escocês e Corpos do Rito de York estavam aceitando Mestres Maçons das lojas subordinados sob a jurisdição da Grande Loja do Japão. Como a Grande Loja do Japão estava prestes a ser instituída, em 16 de março de 1957, a Loja Far East No. 124 devolveu sua carta constitutiva à Grande Loja das Filipinas e recebeu sua nova carta constitutiva naquela data.

(source:  http://www.grandlodgeofjapan.org/)

Publicado on dezembro 31, 2013 at 1:37 pm  Comments (6)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/um-breve-historico-da-maconaria-no-japao/trackback/

RSS feed for comments on this post.

6 ComentáriosDeixe um comentário

  1. otima historia e q grande desafio para os maçons do japao.eu gostaria de me tornar um maçom para realizar o desejo de meu bisavo alves veiga q quando morre-se os homens da familia desem condinuidade na pratica da maçonaria sou muito novo tenho apenas 19 anos e nao sei c omo me tornar um membro mateus.

    • Aquele que busca será encontrado.

  2. É interessante o que se escreve sobre a maçonaria. Dizem que os seus textos não prestam; são lixo, retrógrado, etc. Mas quando se le a história da maçonaria desde 1717, vê-se que ela consegue se implantar em quase todos os lugares, como se fosse água pura ofertada a quem tem sede. Isso me fazr acreditar que aqueles que escrevem contra ela não sabem realmente o que seja a maçonaria.

    • Deveras desconhecem o conteúdo filosófico e provocador.

  3. Excelente texto, faz um ótimo painel histórico, mesclando a história do Japão, com a da maçonaria. É uma ótima fonte de referências.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: