Os Pais do Rito Moderno Francês

Tradução J.Filardo

Em 1786, o Grande Oriente propõe um texto de referência para os três graus azuis, transmitido em forma de cópias manuscritas.

Passada a Revolução, em 1801, os Rituais são impressos sob o título de Regulador do Maçom.

Em 1858, uma nova versão do Rito Francês, dita de Murat, em homenagem ao Grão-Mestre, é publicada. “Ideologicamente”, o texto não é muito diferente do texto do Regulador.


O pós-Convento de 1877 levou a retoques mais ousados. Em 1879, o Grande Colégio dos Ritos, encarregado pelo Conselho da Ordem do Grande Oriente, faz desaparecer dos rituais as fórmulas abertamente religiosas em excesso.

Leia mais em: Os Pais do Rito Francês

Anúncios

Amiable e Wirth diante da reforma dos rituais do GOdF

Tradução José Filardo

O trabalho de Amiable e oposição de Wirth diante da tendência dominante.

Oswald Wirth é um dos opositores claros à tendência dominante do Grande Oriente de França. Ele aborda a preparação de um relatório que foi levado ao GODF, no qual propõe um retorno ao termo e ao conceito do Grande Arquiteto do Universo (GADU) que para ele é a parte central de todo o edifício maçônico, sendo o pilar que sustenta, inclusive dentro da renovação do simbolismo tradicional que se propunha.

Nessa época, Wirth começa a se interessar pelo ocultismo; ainda não é o ocultista em que se transformará depois de 1890. Em todo caso, seu relatório, finalmente bastante moderado, foi aprovado por sua loja, embora isso não pareça preocupar muito o Grande Oriente, já que ele deve passar por outros filtros.

Em 1887, Wirth novamente aborda a questão de simbolismo em uma palestra feita na loja parisiense “Les Amis Triomphants” sob o título “Estudos sobre o simbolismo” que o irmão Hubert publicou na Revista A Cadeia de União. Um pouco mais tarde ocorreria o rompimento entre os dois estudiosos maçons.

Hubert, que em 1877 não tinha desaprovado o desaparecimento do Grande Arquiteto da terminologia maçônica, agora havia se tornado hostil, pelo menos diante dos inovadores (que o haviam eliminado do Grande Colégio) e escreveu: “Acreditamos que é preferível melhorar, e não sob pretexto de melhorá-lo, destrui-lo completamente. Para aqueles que sabem incluir os símbolos maçônicos e explica-los criteriosamente, têm eles uma fonte de ensinamentos e evolução útil e interessante”.

Leia mais em: Amiable e Wirth diante da reforma dos rituais do GOdF

Published in: on junho 14, 2017 at 10:48 am  Comments (2)  
Tags: , ,