A EVOLUÇÃO DA LENDA HIRÂMICA NA INGLATERRA E FRANÇA. (Parte 2)

Tradução José Filardo

Palestra ditada pelo próprio Ir.’. Snoek no Freemason’s Hall patrocinada pela Cornerstone Society em 13 de maio de 2001.

  1. O DESCOBRIMENTO DE HIRAM

Passemos agora para a terceira parte da Lenda de Hiram, a descoberta do corpo de Hiram.

Pritchard disse que quinze amados irmãos, por ordem do Rei Salomão, saíram pelo portão Oeste do Templo (em busca de Hiram), e que se separaram da direita para a esquerda dentro do alcance um do outro; e que concordaram que se não se achasse a Palavra nele ou sobre ele, a primeira palavra seria a Palavra do Mestre.

Diante dos recentes desenvolvimentos, devemos notar duas coisas: em primeiro lugar, não é especificado quem são esses quinze irmãos, e, em segundo lugar, que eles que decidem mudar a Palavra do Mestre não tinham nenhuma razão para suspeitar que Hiram tinha morrido e, menos ainda que ele fora assassinado e por quê.

Leia mais em: A Evolução da Lenda de Hiram (parte 2)

Published in: on junho 10, 2017 at 1:52 pm  Comments (1)  
Tags: , ,

Correção

O link da matéria

A EVOLUÇÃO DA LENDA HIRÂMICA NA INGLATERRA E FRANÇA. (Parte I)

estava quebrado.  Segue o link correto:

https://bibliot3ca.wordpress.com/%20a-evolucao-da-lenda-hiramica-na-inglaterra-e-franca-parte-i/

 

Published in: on maio 19, 2017 at 9:35 am  Deixe um comentário  
Tags: , ,

A EVOLUÇÃO DA LENDA HIRÂMICA NA INGLATERRA E FRANÇA. (Parte I)

Tradução José Filardo

Por Joannes Snoek.

(Palestra ditada pelo próprio Ir.’. Snoek no Freemason’s Hall patrocinada pela Sociedade Cornerstone em 13 de maio de 2001.)

O Mistério de Hiram Abiff. (Resumo)

Seguindo uma veia revisionista, o próximo a falar foi o Irmão Dr. Jan Snoek das Universidades de Heidelberg e Leyden, que é um especialista em história das religiões e rituais maçônicos. Em um trabalho profundo e provocativo intitulado “O que se perdeu no Terceiro Grau?

O Dr. Snoek afirmou que os ritos maçônicos que conhecemos hoje sofreram muitas mudanças. A primeira delas foi a ampliação de dois para três graus na década de 1720, e em segundo lugar a introdução da Lenda de Hiram, exposta pela primeira vez por Samuel Pritchard em outubro de 1730.

Em seguida, ele se referiu a algo muito curioso: Pritchard e todas as Divulgações subsequentes do século XVIII, declaravam que Hiram foi enterrado no Sanctum Santorum do Templo de Jerusalém. No entanto, tal coisa teria sido proibida por contaminar o Santuário.

O Dr. Snoek explicou que os maçons do século XVIII identificavam Hiram com o próprio Yahveh que teria ditado as dimensões do Templo ao Rei David antes que o trabalho fosse realizado por seu filho Salomão.

Ele apresentou uma série de ilustrações que mostram como as Divulgações continentais tinham o nome de Yahveh sobre o ataúde de Hiram no Terceiro Grau.

Segundo o Dr. Snoek, esta identificação do candidato com o Construtor do Templo e, portanto, por analogia com Yahveh é familiar aos historiadores da religião como uma “união mística“, onde o praticante tenta se unir misticamente à divindade. Em seguida passou à revista dos acontecimentos de 1813, quando o nosso ritual atual foi criado, e concluiu que as práticas modernas romperam o funcionamento dos trabalhos das duas Grandes Lojas, Antiga e Moderna.

Esta alteração fundamental para os três graus, removeu os aspectos místicos da Maçonaria do século XVIII, em uma aparente tentativa de tornar as cerimonias mais aceitáveis aos membros não-cristãos e um sabor mais adequado ao gosto do século XIX.

Leia mais em  https://bibliot3ca.wordpress.com/ a-evolucao-da-lenda-hiramica-na-inglaterra-e-franca-parte-i

Em busca de um Hiram de mil facetas

 Tradução José Filardo

por Francis Moray

Na nebulosa que muitas vezes pode ser a Maçonaria, principalmente a francesa, com sua profusão de potências, ritos, rituais e diante da dificuldade de lhe dar uma definição holística, há pelo menos um tema que, em primeiro lugar, parece aparecer como uma constante: a construção do templo de Salomão e o mito de Hiram. Mas as coisas são tão claras desse lado? A personagem icônica de Hiram e seu correspondente assassinato podem se posicionar como o componente intangível, homogêneo e irredutível da Maçonaria desde a sua origem?

Segundo os ritos, Hiram é uma “personagem ilustre e justamente reverenciada entre os maçons”, “pai, o modelo” da Maçonaria, o “mestre”, o “maçom por excelência”, até se tornar o ” homem perfeito “,” o arquétipo da perfectibilidade humana “. De fato, ele passa pelo mito absoluto da maçonaria, ou o seu mito fundador. Por isso, presumimos que ele deva estar bem presentes desde o nascimento da Maçonaria obediencial em 1717 e até mesmo, logicamente, muito antes, quando a maçonaria especulativa começa a amadurecer. De fato, Jules Boucher nos explica que teria sido Elias Ashmole – um dos primeiros maçons ingleses, iniciado em 1641 – quem teria introduzido este mito da morte de Hiram por volta de 1646.

Leia mais em: https://bibliot3ca.wordpress.com/em-busca-de-um-hiram-de-mil-facetas/

Published in: on fevereiro 28, 2017 at 3:02 pm  Deixe um comentário  
Tags: , , ,

Maçonaria Adonhiramita

Tradução José Filardo

Das inúmeras controvérsias que surgiram de meados até perto do final do século XVIII no continente da Europa, e especialmente na França, entre os estudantes de filosofia maçônica, e que tão frequentemente resultaram na invenção de novos Graus e no estabelecimento de novos Ritos, não menos importante foi aquele relacionado com a pessoa e caráter do Construtor do Templo. A pergunta: “Quem foi o arquiteto do Templo do Rei Salomão?” foi respondida de forma diferente por diferentes teóricos, e cada resposta deu origem a um novo sistema, um fato de nenhuma maneira surpreendente naqueles tempos, tão férteis na produção de novos sistemas maçônicos. A teoria geral era então, como é agora, que este arquiteto foi Hiram Abif, o filho da viúva, que tinha sido enviado ao rei Salomão por Hiram, rei de Tiro, como um presente precioso e, como um operário curioso e astuto.

Esta teoria era sustentada pelas declarações das escrituras judaicas, na medida em que jogavam alguma luz sobre a lenda maçônica.

Ler mais: https://bibliot3ca.wordpress.com/?page_id=5282