Reflexão necessária diante dos golpes e ataques que a democracia vem sofrendo nesses tempos difíceis.

Precisamos reinventar a democracia, ou simplesmente tomar a palavra ao pé da letra?

Tradução José Filardo

por Henri Pena-Ruiz

A democracia é, literalmente, a soberania do povo, isto é, seu poder sobre si mesmo, sua autodeterminação. A etimologia grega é esclarecedora: considerada como conjunto humano organizado em comunidade política, em cidade (polis em grego), o povo se chama demos. E a capacidade que o povo tem de se organizar autonomamente se chama Kratos, termo que designa de maneira geral o poder de fazer. A democracia, o poder de auto regulação do povo se combina com a ideia de soberania popular consagrada por Rousseau: as pessoas dão-se sua própria lei em vez de a impor como um comando por uma instância superior.

Desconforto na democracia

Hoje, é questionável se a democracia ainda existe. Certamente, os encantos abundam. E referências aos direitos formais e a eterna invocação do Estado de direito. Mas quais são ainda os poderes efetivos do povo, quando se combinam desvios pouco inocentes que invalidam na prática uma democracia incessantemente exaltada em teoria? A soberania efetiva do povo ainda é respeitada? As liberdades formalmente reconhecidas não são esvaziadas de sua substância, devido a relações de poder econômicas e sociais? Margaret Thatcher, lançado certa vez, sobre o neoliberalismo “Não há alternativa”, não invalida ela a ideia de escolha democrática? A deliberação coletiva ainda faz algum sentido quando especialistas não eleitos, raramente neutros sugerem e, finalmente, impõem orientações coletivas, dando-as como absolutamente necessárias? A construção europeia, que deveria unir as nações em nome da democracia, não a desrespeita ao retirar dos povos as principais áreas de sua soberania? Estas questões controversas se colocam, confirmadas por uma crescente dúvida sobre o caráter democrático de nossas sociedades. É preciso pensá-las à luz da história passada e presente.

Leia mais em https://bibliot3ca.wordpress.com/reflexao-necessaria-diante-dos-golpes-e-ataques-que-a-democracia-vem-sofrendo-nesses-tempos-dificeis/

Anúncios

35 países onde os EUA apoiaram fascistas, chefões da droga e Terroristas

Tradução José Filardo

Aqui está um guia prático de A a Z do crime internacional apoiado pelos EUA.

Crédito da foto: Shutterstock.com

4 Março 2014 | – AlterNet

Os EUA estão apoiando o partido de extrema direita Svoboda da Ucrânia e violentos neonazistas cujo levante armado abriu o caminho para um golpe de Estado apoiado pelo Ocidente. Eventos na Ucrânia estão nos dando outra visão através do espelho das guerras de propaganda dos Estados Unidos contra o fascismo, as drogas e o terrorismo. A realidade feia por trás do espelho é que o governo dos EUA tem uma longa e ininterrupta história de trabalho com fascistas, ditadores, senhores da droga e países patrocinadores do terrorismo em todas as regiões do mundo em sua busca ilusória, mas implacável pelo poder mundial incontestado.

Por trás do muro de impunidade e proteção do Departamento de Estado e da CIA, os clientes e fantoches dos EUA envolvidos nos piores crimes que o homem conhece, desde assassinato e tortura a golpes e genocídio. O rastro de sangue desta carnificina e caos leva diretamente de volta para os degraus do Capitólio dos EUA e da Casa Branca. Como o historiador Gabriel Kolko observou em 1988, “A noção de um fantoche honesto é uma contradição que Washington não conseguiu resolver em nenhum lugar do mundo desde 1945.” O que se segue é um breve guia de A a Z da história daquele fracasso.

https://bibliot3ca.wordpress.com/35-paises-onde-os-eua-apoiaram-fascistas-chefoes-da-droga-e-terroristas/

Published in: on março 8, 2014 at 1:16 pm  Deixe um comentário  
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,