O Rito Francês, oficial em 1802, depois combatido e desaparecido renasce em Portugal

Tradução do Espanhol – José Filardo

Filipe Frade

Primeiramente adotado pelo jovem Obediência Portuguesa, o Rito Francês foi vítima das rivalidades políticas que marcaram o REAA e assim começou o adormecimento do RF. A obstinação dos seus defensores, fieis aos valores adogmáticos e republicanos, e o apoio do Grande Oriente da França (GODF) garantiram seu renascimento.

As primeiras lojas maçônicas apareceram em Portugal por volta de 1735 e imediatamente foram ameaçados pela Inquisição. Em 1801-1802 o Irmão Hipólito da Costa Furtado de Mendonça foi para Londres e obteve uma Patente da Grande Loja. Em seu retorno ele passa por Paris, e também obtém uma patente do Grande Oriente de França (GODF). E foi assim que o Grande Oriente Lusitano (GOL) foi fundado em Portugal em maio de 1802, com um primeiro rito oficial que seria o Rito Francês ou Moderno. Infelizmente sabemos que em julho de 1802, o Irmão Costa foi preso pela Inquisição, da qual fugiria em 1805) e supõe-se que as referidas Patentes foram destruídas.

 

 

Em 1804 foi assinado um tratado de amizade entre a GOL e o GODF e ao nosso conhecimento esse é o mais antigo tratado maçônico existente entre as duas Obediências. A Constituição do GOL de 1806 reconhece o Rito Francês como Rito Oficial. E nos capítulos III e XIII fala-se claramente da formação de diferentes Capítulos e Ordens de Sabedoria do Rito Francês. Uma nova Constituição do GOL reafirma isso em 1821 no mesmo sentido. O REAA somente foi introduzido no GOL em 1837 e o Conselho Superior do REAA em 1844.

Leia mais: https://bibliot3ca.wordpress.com/o-rito-frances-oficial-em-1802-depois-combatido-e-desaparecido-renasce-em-portugal/

Regulares Ingleses contra Liberais Franceses – Um panorama atualizado da Maçonaria Mundial em 2016

Tradução José Filardo

por Jean-Moïse Braitberg

A Maçonaria pretende ser o “Centro de União”. Mas onde se encontra esse famoso centro? Em Londres ou Paris? As duas principais tendências da maçonaria mundial, que se divide entre “regulares” e “liberais” somam verdadeiras rivalidades históricas, diferenças reais de abordagem espiritual, social, simbólica, que, seja o que for que se pense, não estão perto de desaparecer. Especialmente se os liberais parecem agora segurar a corda, é muitas vezes uma reação contra uma maçonaria “inglesa” considerada dogmática, separada do mundo, envelhecida.

Os Maçons acreditam em Deus? A Maçonaria é mista? Os Maçons fazem política? Eles são progressistas ou conservadores? Os membros de muitas potências francesas geralmente têm pouca dificuldade em responder a estas perguntas básicas que parecem lógicas na paisagem maçônica francesa. Mas, suponhamos que você seja membro de uma loja Inglesa ou afiliada à Grande Loja Unida da Inglaterra. Estas perguntas parecerão absurdas a você, ou deslocadas na medida em que elas são estranhas à visão de Maçonaria que ainda prevalece em grande parte do mundo. Porque no seio da Maçonaria Mundial, não é um estreito Pas-de-Calais que separa ingleses e franceses, mas um oceano de incompreensão que, se raramente se tinge de hostilidade aberta, banhada de arrogância mútua de dois continentes soberbamente isolados entre si.

Continue a ler: https://bibliot3ca.wordpress.com/regulares-ingleses-contra-liberais-franceses-um-panorama-atualizado-da-maconaria-mundial-em-2016/

Enquanto por aqui as picuinhas impedem a união…

Tratado de reconhecimento entre a GLNF & GODF

Tradução J. Filardo

De http://www.ritofrances.net :

Quem teria pensado em dizer a um jovem Grão-Mestre do GODF como Alain Bauer, que tinha tanto lidado com as questões de reconhecimento quando de “regularidade” que a sede do Grande Oriente da França seria um dia ser invadida pelo que Alec Mellor chama de “irmãos separados”, mas no sentido inverso. Bem, 15 anos depois, Alain Bauer deve ter ficado impressionado com a aterrissagem que a Grande Loja Nacional Francesa (GLNF) fez na Rue Cadet, a sede do Grande Oriente de França (GODF). Incrível!

Leia mais em: https://bibliot3ca.wordpress.com/tratado-de-reconhecimento-entre-a-glnf-godf/

Published in: on julho 8, 2015 at 4:41 pm  Comments (1)  
Tags: , ,

Comunicado do Grande Oriente de França

 

selo godfO Grande Oriente da França não pode deixar de expressar a sua profunda indignação e forte emoção diante do atentato covarde que foram vítimas os trabalhadores do Charlie Hebdo.

O desaparecimento trágico de muitos deles representa um crime contra a liberdade de imprensa, liberdade de expressão e contra os princípios de uma sociedade livre e aberta, que tem no direito de caricaturar um dos seus direitos fundamentais.

O Grande Oriente da França volta para destacar que se mobilizará sem desfalecer contra todos os ataques contra a imprensa, da qual Charlie Hebdo é um pilar, e contra todas as instituições que garantem uma sociedade democrática.

Nas próximas horas muitas manifestações espontâneas ocorrerão.

Os maçons do Grande Oriente da França são chamados a participar usando seus distintivos, se desejarem.

O Grão-Mestre e os membros do Conselho da Ordem, a partir deste momento convidam os Irmãos e Irmãs da Obediência a unirem-se à manifestação marcada para esta tarde, às 19:00 na Praça da República.

Nessas circunstâncias trágicas, o Grande Oriente de França também quer expressar seu enorme sentimento de pesar às famílias das vítimas, tanto dos membros do Charlie Hebdo quanto das forças da ordem mortos no cumprimento de seu dever.

Daniel Keller, Grão-Mestre do Grande Oriente da França.

 

Paris, 7 de janeiro de 2015


SABORES DE MAÇONARIA

Ir. J. Filardo, M. ‘. I.’.

 

A Escócia deu ao mundo mais do que bom uísque e música de gaitas de fole. Deu-nos a Maçonaria …

Já em 1250, a primeira Grande Loja de Franco Maçons foi criada em Köln, Alemanha. Mas estes eram os construtores, como empresas empregadas pela Igreja Católica e as cabeças coroadas da época.

Mas estamos, na verdade, falando sobre a instituição que hoje conhecemos como a Maçonaria.

Em última análise, tudo se resume a política e religião.

Leia mais em https://bibliot3ca.wordpress.com/sabores-de-maconaria/

Freemasonry Flavours

Bro. J. Filardo, P.´.M.´.

sept pratiques

Scotland has given the world more than good usquebaugh and uilleann music. It has given us Freemasonry…

And as early as 1250, the first Grand Lodge of Freemasons was established in Köln, Germany. But these were builders, like companies employed by the Catholic Church and the Crowned heads of the time.

However, we are, in fact, talking about the institution that we know today as Freemasonry.

Ultimately, everything boils down to Politics and Religion.

Read further 

ANAIS DO COLÉGIO INVISÍVEL-II

JOSCELYN GODWIN

Tradução: S.K.Jerez

IV

Pitágoras

Podemos duvidar que Pitágoras tinha uma coxa de ouro e que podia ouvir a música das esferas. Mas, contrariamente aos nossos temas anteriores – Hermes Trismegisto, Zoroastro e Orfeu – não podemos questionar sua existência. Nasceu no princípio do século sexto a. C. na ilha Egéia de Samos; passou anos no Egito e na Caldéia e a última parte de sua vida em Crotona, na costa sul da Itália. Ali tinha sua família e fundou uma escola de filosofia, morrendo em idade avançada.

Com a chegada de Pitágoras, aquilo que é místico e misterioso em Orfeu se aproxima mais da realidade concreta, e o Colégio Invisível começa a tomar forma. A lira de Orfeu, que encantava tudo, desde as pedras até os deuses, se converteu nas mãos de Pitágoras em um instrumento científico utilizado para atuar sobre as emoções humanas.

Leia mais em https://bibliot3ca.wordpress.com/anais-do-colegio-invisivel-ii/

A Letra G Maçônica, uma interpretação

Paul Foster Case

Tradução de S. K. Jerez

 

Introdução

Paul Foster Case (1884-1954), autor deste tratado, é conhecido por estudantes de ocultismo como uma proeminente autoridade de Tarot, Cabala, Alquimia e assuntos relacionados da Tradição Oculta Ocidental. Suas outras publicações, incluindo a Ordem Rosacruz Verdadeira e Invisível; Tarot, chave para a sabedoria dos tempos; O grande selo dos Estados Unidos, a linguagem mágica; O Livro de Tokens, testemunham a sua profunda visão e sua abordagem maravilhosamente compreensível para esses assuntos.

O presente trabalho deixa claro que seus conhecimentos incluiam um domínio profundo da tradição maçônica. Nele, ele desenvolve a ligação inconfundível que existe entre os graus e rituais maçônicos e a tradição cabalística. Mostra que a Maçonaria não pode ser plenamente apreciada ou compreendida sem o conhecimento da Árvore da Vida cabalística e sua visão sobre a verdadeira natureza do homem e do cosmos. Um dos notáveis conceitos que ele explora é a relação entre a geometria, na qual o edifício e o simbolismo arquitetônico da Maçonaria estão baseados, e a Gematria dos cabalistas, que é um sistema de correspondências numéricas para palavras e frases que revela os significados subjacentes aos números, medidas e proporções geométricas que ocorrem tanto no Antigo como no Novo Testamento.

As contribuições de Paul Case para os estudantes da espiritualidade vai além das obras mencionadas acima. Ele fundou a Builders of the Adytum[1], uma organização religiosa sem fins lucrativos, que divulga um sistema de formação espiritual com base em suas obras, sob a forma de lições graduais por correspondência. É um sistema que permite aos aspirantes sinceros dos dias de hoje receberem treinamentos que em épocas passadas estavam disponíveis apenas para os poucos que podiam entrar em uma escola de mistério e se retirar, pelo menos temporariamente, da sociedade e das preocupações do mundo exterior.

Um Mestre da Escola Oculta deu a Paul Case a incumbência de preservar, ampliar e atualizar a Sabedoria Antiga que existe desde o início do mundo. Sua notável contribuição é ter-nos deixado um sistema claro e gradual para desenvolvimento espiritual, que nos permite manter totalmente nossas relações e responsabilidades no mundo moderno, enquanto gradativamente nos revela uma visão sobre o que há de mais elevado.

Leia mais: https://bibliot3ca.wordpress.com/a-letra-g-maconica/

As Quatro Borlas

Tradução: S.K.Jerez

As Quatro Borlas pendentes nos cantos da loja são símbolos operativos importantes raramente explicados adequadamente na maçonaria especulativa.

Um antigo símbolo operativo

Os Quatro Borlas, que são mencionadas perto do final da instrução sobre o painel do primeiro grau em vários rituais, são ornamentos importantes do loja. Eles são de grande antiguidade e seu simbolismo merece mais explicações. Na verdade, o simbolismo das Quatro Borlas, que tem suas origens na maçonaria operativa, é de grande importância e sua omissão de muitos rituais, ou apenas uma breve referência a ele em outros rituais, é surpreendente. Em épocas anteriores, freqüentemente eram dadas explicações sobre a origem e o significado simbólico profundo dos Quatro Borlas, mas hoje em dia elas são mencionadas tão raramente que muitos maçons, se não a maioria, não têm conhecimento de seu significado.

 

 

Leia mais em: https://bibliot3ca.wordpress.com/as-quatro-borlas/

Por que a Maçonaria nada faz?

Por José Filardo, Mestre Maçom

Invariavelmente, um irmão pede a palavra durante a sessão para dizer que as coisas estão indo cada vez pior e que “alguém precisa fazer alguma coisa”, implicando que a maçonaria precisa fazer alguma coisa. Essa manifestação, contudo, revela o desconhecimento dos irmãos sobre a instituição a que pertencemos, a Maçonaria.

Seu nascimento, em 1717, respondeu a uma necessidade de fundo político, é verdade, mas não havia proposta de intervenção direta na sociedade.

Leia mais: https://bibliot3ca.wordpress.com/por-que-a-maconaria-nada-faz/