Sobre Saber que se tem Câncer Terminal

Tradução José Filardo

 Por Oliver Sacks

Um mês atrás, eu sentia que estava bem de saúde, até mesmo uma saúde robusta. Aos 81 anos, eu ainda nado um quilômetro e meio por dia. Mas minha sorte acabou – algumas semanas atrás, eu soube que eu tenho múltiplas metástases no fígado. Há nove anos, foi descoberto que eu tinha um tumor raro do olho, um melanoma ocular. Embora a radiação e cirurgia a laser para remover o tumor, em última análise me deixaram cego daquele olho, só em casos muito raros fazer tais tumores provocam metástases. Eu estou entre os dois por cento azarados.

Sinto-me grato por ter-me sido concedido nove anos de boa saúde e produtividade desde o diagnóstico original, mas agora estou cara a cara com a morte. O câncer ocupa um terço do meu fígado, e apesar de seu avanço poder ser retardado, este tipo particular de câncer não pode ser interrompido.

Cabe a mim, agora, escolher como viver os meses que me restam. Tenho que viver da maneira mais rica, mais profunda, mais produtiva que puder. Nisso sou incentivado pelas palavras de um dos meus filósofos favoritos, David Hume, que, ao saber que estava mortalmente doente, aos 65 anos, escreveu uma curta autobiografia em um único dia, em abril de 1776. Ele a intitulou “Minha Própria Vida.”

“Eu agora enfrento uma dissolução rápida”, escreveu ele. “Sofri muito pouca dor com minha doença; e o que é mais estranho, não obstante o grande declínio da minha pessoa; nunca sofri um abatimento de ânimo do meu espírito. Eu possuo o mesmo ardor de sempre no estudo e ao mesma alegria em companhia de outras pessoas.”

Eu tive sorte o suficiente para passar dos 80, e os 15 anos que me foram reservados além das seis décadas e meia de Hume, igualmente ricos em trabalho e amor. Nesse tempo, eu publiquei cinco livros e completei uma autobiografia (bem mais longa do que as poucas páginas de Hume), a ser publicada nesta Primavera; tenho vários outros livros quase concluídos.

Hume continuou: “Eu sou … um homem de disposições leves, de temperamento controlado, de humor aberto, social e alegre; capaz de apegos, mas pouco suscetível à inimizade, e de grande moderação em todas as minhas paixões.”

Aqui eu me afasto de Hume. Embora eu tenha apreciado relacionamentos amorosos e amizades, e não ter verdadeiras inimizades, não posso dizer (nem ninguém que me conhece diz) que eu sou um homem de disposições leves. Pelo contrário, eu sou um homem de disposições veementes, com entusiasmos violentos, e extrema falta de moderação em todas as minhas paixões.

E, ainda assim, uma linha do ensaio de Hume me parece especialmente verdadeira: “É difícil”, ele escreveu, “estar mais desapegado da vida do que estou no momento.”

Nos últimos dias, fui capaz de ver a minha vida de uma grande altitude, como uma espécie de paisagem, e com um profundo senso de conexão de todas as suas partes. Isso não significa que eu estou acabado.

Pelo contrário, eu me sinto intensamente vivo, e eu quero e espero que no tempo que me sobra aprofundar minhas amizades, dizer adeus àqueles que eu amo, escrever mais, viajar, se tiver forças, alcançar novos níveis de compreensão e percepção.

Eu sinto em mim um foco e perspectiva claros e súbitos. Não há tempo para nada que não seja essencial. Tenho de me concentrar em mim mesmo, no meu trabalho e em meus amigos. Eu não assisto mais ao “NewsHour” todas as noites. Eu não prestaria mais qualquer atenção à política ou argumentos sobre o aquecimento global.

Isso não é indiferença, mas desapego – eu ainda me importo profundamente com o Oriente Médio, o aquecimento global, a crescente desigualdade, mas estes não são mais meu problema; eles pertencem ao futuro. Eu me alegro quando encontro jovens superdotados – até mesmo aquele que fez a biópsia e diagnosticou minhas metástases. Eu sinto que o futuro está em boas mãos.

Tenho estado cada vez mais consciente, nos últimos 10 anos mais ou menos, das mortes entre os meus contemporâneos. Minha geração está de saída, e cada morte eu senti como um descolamento, um rasgar de parte de mim. Não haverá ninguém como nós quando nos tivermos ido, mas, então, não há ninguém como qualquer outra pessoa, nunca. Quando as pessoas morrem, elas não podem ser substituídas. Eles deixam lacunas que não podem ser preenchidas, pois este é o destino – o destino genético e neural – de cada ser humano ser um indivíduo único, encontrar o seu próprio caminho, viver sua própria vida, morrer a sua própria morte.

Eu não posso fingir que não tenho medo. Mas o meu sentimento predominante é de gratidão. Eu amei e fui amado; eu recebi muito e dei alguma coisa em troca; eu li e viajei e pensei e escrevi. Eu tive uma relação com o mundo, a relação especial entre escritores e leitores.

Acima de tudo, eu fui ser sensível, um animal pensante neste belo planeta, o que em si mesmo foi um enorme privilégio e aventura.

Oliver Sacks, professor de neurologia da Escola de Medicina da Universidade de Nova York é o autor de muitos livros, incluindo “Awakenings” e “The Man Who Mistook His Wife for a Hat.”

 

Publicado em http://www.nytimes.com/2015/02/19/opinion/oliver-sacks-on-learning-he-has-terminal-cancer.html?_r=2

19-2-2015

Publicado on fevereiro 21, 2015 at 9:37 am  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/sobre-saber-que-se-tem-cancer-terminal/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário

  1. Belo texto
    Quando se tem a certeza que esta muito perto da morte o melhor ditado seria, bom todo mundo vai morrer um dia mesmo,mas
    eu sou adepto do espiritismo e como tal penso que a vida e uma fonte eterna.
    TFA.`.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: