Sir Christopher Wren, Arquiteto e Maçom

Tradução J. Filardo

de René Desagulier e Harold DORN & Robert MARK

 

Sir Christopher Wren

Se Isaac Newton é, sem dúvida, o mais famoso cientista da junção dos séculos XVII e XVIII, há um outro menos conhecido entre nós, mas que, no entanto, teve a honra de dois artigos na revista Renaissance tradicional, ele é Sir Christopher Wren.

Quem foi esse homem que o próprio Newton descrevia como “o maior geômetra do nosso tempo” e que Robert Hooke [i] colocava no mesmo nível de Arquimedes? Cientista de um lado, dissemos, pois era professor de astronomia e presidente da Royal Society [ii] e e geômetra, por outro, pois Arquiteto, e até mesmo: Arquiteto Geral da Inglaterra nomeado por Charles II. Ele faz parte dessa categoria de cientistas da segunda metade do século XVII que pensavam que a mecânica influenciava a arquitetura, e aos quais eram confiados grandes projetos que exigiam importante estrutura mecânica, uma lista onde encontramos entre outros Guarino Guarini [iii] na Itália, Claude Perrault [iv] na França e, é claro, Hooke, na Inglaterra.

Filho do reitor da Universidade de Windsor, Christopher Wren nasceu em 20 de outubro de 1632 [v] onde foi criado em uma tradição religiosa, e desde a idade de 17 anos (1649) estudou na Universidade de Oxford, já com uma atração para os sistemas mecânicos complexos, por um lado e, por outro lado, as matemáticas que o revelarão aos olhos de Isaac Newton. Aos 25 anos, foi nomeado professor de astronomia no Gresham College de Londres e aos 29 mudou-se, sempre na cadeira de astronomia, mas desta vez em Oxford e isso por 12 anos. É importante notar que depois de uma conferência de Wren no Gresham College, em 1660, vai surgir a ideia que dará origem à Royal Society, mais precisamente a Sociedade Real para a Melhoria do Conhecimento Natural e ele, ao lado de Robert Boyle, John Wilkins, William Visconde Brouncker (que será o primeiro presidente dela) e também de um certo Robert Moray. Será Wren quem redigirá os primeiros estatutos do que viria a ser chamado “o Colégio Invisível” enfatizando a experimentação e a prática, ele fala de “filosofia natural experimental” ou ainda de “aumento do comércio através de invenções úteis para o bem-estar, em benefício e à saúde dos nossos súditos”. Mas é a arquitetura que ocupará 50 anos da vida de Wren, e isso, a partir de 1662, com os planos do Sheldon Theatre em Oxford, para terminar em 1710 com a construção da Catedral de St. Paul de Londres. Harold Dorn [VI] e Robert Mark propõem-se a analisar o trabalho de Sir Christopher Wren através de sua primeira e sua última realização. Notemos finalmente, que embora Dorn & Mark sejam co-autores de um livro com o título deste artigo; é da revista “Pour la Science “, versão francesa da “Scientific American” chamada “a revista dos Nobels” que foi extraído esse artigo da Renaissance Traditionnelle.

Deixo para os amantes da arquitetura o prazer de ler este artigo que, eu diria muito sucintamente vou mostrar os limites da primeira realização de Wren e a evolução, após o grande incêndio de Londres em 1666 e, finalmente, a conclusão do plano final da Catedral de St. Paul. Este artigo mostra as dificuldades de um arquiteto precursor, embora fosse um um gênio do seu tempo, em aliar a teoria e a aplicação. É isso que lhe fará dizer em 1713 em seu relatório sobre a Abadia de Westminster: “Uma arquitetura de qualidade depende do estudo preliminar dos princípios da estática e do bom equilíbrio de peso dos pés-direitos.” Na verdade, através dessa teoria, ao que nos parece interessante, como o fez, sem dúvida antes de nós René Desaguliers, que a teoria de Christopher Wren determina que para consolidar uma coluna submetida às forças horizontais da abóbada, esta coluna deve ser mais alta e mais pesada … assim como Dorn e Mark, citaremos Wren para concluir esta primeira parte:

“As cinco ordens clássicas de colunas: Dórica, Jônica, Coríntia, Toscana e Compósita estão sujeitas a leis rígidas e impositivas que não se pode, aparentemente, transgredir sem cometer uma barbárie: quando no fundo elas são apenas um reflexo da tendências e modismos da época em que são usadas “.

“E ainda é surpreendente que uma grande maioria dos arquitetos de nossa época atribui muita importância ao decorativo e passem também rapidamente sobre a geometria que é o ponto essencial da arquitetura…”

E finalmente: ” A verdade será obtida somente a partir da pesquisa dos centros de projeto de gravidade dos elementos do projeto”.

Então, aqui estamos na segunda parte deste resumo, que se refere ao artigo de René Desaguliers. Este artigo pretende ser uma reparação e justificativa da presença de um artigo centrado apenas no aspecto arquitetônico, portanto operativo, da atuação de Wren, artigo no qual René Desaguliers vai estudar os vínculos de Wren com a Maçonaria. E é principalmente partindo das Constituições de 1723 que encontraremos os vínculos. 1723 é, paradoxalmente, o ano da morte [vii] de Christopher Wren, com 91 anos, mais exatamente 5 semanas após a publicação das Constituições [viii], e que nos diz James Anderson, ele situa Wren como um “arquiteto engenhoso”, e é tudo! René Desaguliers analisa simplesmente este elemento recordando que a redação das Constituições tinha sido lançada pelo Duque de Montagu em 1721 [ix], mas que materialmente entre a data da decisão da publicação e a morte de Wren, não se teve tempo para adicionar um epíteto mais glorioso e mais elogioso. A menos que, ainda mais perspicaz, a explicação política de Desaguliers não seja ainda mais justa. Eu a relato a vocês. Em 1718, Christopher Wren é Superintendente Geral dos Edifícios da Inglaterra, ele tem 86 anos de idade. Sua idade avançada e sua lealdade aos Stuarts fazem com que o rei da época o alemão Georges I o substitua por William Benson, levando à suspeita e questionamento quanto ao critério de Anderson …

Ao contrário, na segunda edição das Constituições, a de 1738, Wren passou de notícia para a história ou para a lenda. E lá desta vez, vamos rever o que Desaguliers descreve como um verdadeiro romance sobre um certo Sir Christopher Wren, o mesmo que segundo as Lojas de Londres em 1716, as teria negligenciado. Assim, encontramos ali um Christopher Wren sucessivamente Grande Vigilante em 1663 e 1666, Grão-Mestre Adjunto e depois Grão-Mestre, em 1685 e novamente em 1698. Na verdade, é o que diz Anderson, alguns anos após a conclusão da Catedral de St Paul em 1708, Wren negligencia o cargo de Grão-Mestre pelo menos até 1714. Notemos de nossa parte de passagem, que ele tem … então 76 a 82 anos.

Assim o que aprendemos neste artigo de 1982 sobre a adesão ou não de Christopher Wren à Maçonaria? René Desaguliers realmente escreve que se pode responder de forma positiva e isso porque ele encontrou alguns elementos, e para tal se baseia em Albert Mackey [X], Robert Freke Gould [xi] e Bryan Little [Xii].

Em primeiro lugar, em “A História Natural de Wiltshire” [Xiii], de John Aubrey; ele diz (tradução de René Desaguliers) “Hoje, segunda-feira a 18a. do ano de 1691, no dia após o domingo das Rogações [xiv], realizou-se na Igreja de Saint-Paul uma grande assembleia da Irmandade de maçons aceitos, na qual Sir Christopher Wren deve ser adotado Irmão (tradução voluntariamente literal de: is to be adopted a Brother), bem com Sir Henry Goodric de la Tour (de Londres) e alguns outros. Houve reis que pertenceram a essa confraria”. Além da probidade de Aubrey, Rene Desaguliers nota que no manuscrito, Aubrey riscou a palavra Maçom Franco e reescreveu em cima Aceito, permanecendo fiel à companhia dos maçons de Londres que haviam transformado o nome por volta de 1655-1656.

O segundo elemento quase indiscutível é o anúncio da morte de Wren por meio da imprensa em o Postboy [XV] e o British Journal [Xvi] que apresentam, ambos, “esse digno maçom” (franco maçom) isto é, esse maçom especulativo.

Finalmente, de maneira uma vez mais muito interessante, René Desaguliers nota primeiro a localização geográfica do túmulo de Wren na cripta de St. Paul, ou seja, no canto sudeste, isto é, o lugar do Mestre. Em seguida, e finalmente, ele também observa essa lenda que se deve sucessivamente e de maneira oposta a William Preston e ao Duque de Sussex, sobre esse presente dado por Wren à Loja Saint Paul (O Ganso e a Grelha), a saber, três castiçais em mogno representando as três ordens de arquitetura e um autêntico malhete operativo do século XVII, que serviria para a colocação da pedra fundamental da Catedral de St. Paul. [xvii]

Concluindo, é bastante claro que o nome de Wren está ligado à Maçonaria, em todo caso, por suas funções e seu perfil social, como diz René Desaguliers, e nestes tempos de transição, ele estava bem em relação com a Maçonaria como Maçom Aceito e não se tem como certo como operativo.

*

*       *

NOTAS

[I] Robert Hooke Nascido em 18 de julho de 1635, em Freshwater e morto em 03 de março de 1703, é um dos maiores cientistas experimentais do século XVII e, portanto, uma das figuras-chave da revolução científica da era moderna.
Em 1653, Hooke foi para Oxford, onde conheceu Robert Boyle de quem se tornou assistente. Em 1660, ele descobriu a lei da elasticidade e Hooke, que descreve a variação linear de tensão com a extensão. Em 1662, Hoole é nomeado demonstrador na Royal Society recém-fundada; ele é responsável por experimentos realizados durante reuniões. Em setembro de 1664, ele publica seu livro, Micrografia, que contém muitas observações realizadas usando microscópios e telescópios. A sua contribuição em biologia é muito importante. Atribui-se a ele a primeira descrição de uma célula biológica feita a partir da observação de plantas. Em 1665, ele foi nomeado professor de geometria na Universidade de Gresham.
Micrografia (Micrographia) torna-se imediatamente um best-seller. O livro apresenta suas observações realizadas com o auxílio de diversas lentes. Hooke descreve um olho de mosca e uma célula vegetal. Suas belas gravuras em cobre são particularmente espetaculares. Suas pranchas sobre os insetos, bem como o texto contribuem para promover as observações feitas usando o novo microscópio. As placas sobre insetos são dobráveis e em um formato maior que o livro, um in-fólio. Ainda que este livro seja mais conhecido por suas observações feitas com a ajuda do microscópio, a Micrografia também descreve corpos planetários distantes, esboça uma teoria sobre luz e mostra a extensão dos centros de interesse do autor.
Hooke é muitas vezes considerado como o inventor do microscópio composto, um conjunto de múltiplas lentes, geralmente em número de três: uma ocular, uma lente de campo e uma objetiva. Ele dá assim muitos conselhos para a fabricação de microscópios ao fabricante Christophe Cock. Mas esta atribuição parece inexata, pois Zacharias Janssen já havia construído microscópios semelhantes em 1590. Nesse meio tempo, os microscópios de Hooke alcançam uma ampliação de trinta vezes, que era amplamente superior em relação aos instrumentos anteriores.
Entre suas outras realizações, deve-se observar a construção do primeiro telescópio refletor Gregoriano e a descoberta da primeira estrela binária. É interessante notar que ele é o autor de uma das primeiras teorias ondulatórias da luz.

[ii] 1680-1682

[III] Camillo Guarino Guarini (1624 – 1683) é um sacerdote, matemático, escritor e arquiteto italiano. Ele nasceu em Modena. Ele foi ao mesmo tempo um brilhante matemático, professor de literatura e filosofia em Messina, e a partir de dezessete anos, arquiteto do duque Philibert de Savóia. Ele escreveu uma série de livros de matemática, em latim e em italiano, entre os quais Euclides adauctus.

Influenciado principalmente por Francesco Borromini, Guarini projetou um grande número de edifícios públicos e privados em Turim, incluindo o palácio do duque de Sabóia, a igreja de San Lorenzo (1666 – 1680), a capela Santissima Sindone (que abrigava o Sudário de Turim), o Palazzo Carignano (1679 – 1685), os conventos dos Teatinos de Modena, Messina e Paris, e muitos outros edifícios públicos e eclesiásticos em Verona, Viena, Praga e Lisboa. Ele morreu em Milão em 1683. A parte de suas obras realizadas na Sicília, especialmente em Messina, fazem dele um dos fundadores do barroco siciliano, ainda em sua infância na época. Em arquitetura, ele tem entre seus sucessores, seu aluno Filippo Juvarra bem como o próprio aluno desse último, Bernardo Vittone.

[iv] Claude Perrault Nascido em 25 de setembro de 1613 em Paris, onde morreu em 09 de outubro de 1688, é um médico e arquiteto francês. Ele é famoso por ter sido o arquiteto da fachada da ala leste do Louvre. Também é reconhecido por seus trabalhos em anatomia, física e história natural. Seu irmão é o escritor Charles Perrault (1628-1703). Ele morreu de uma infecção em 1688, depois de ter dissecado um camelo no Jardin des Plantes. Ele obteve seu doutorado em medicina em Paris. Tornou-se um dos primeiros membros da Academia Real de Ciências em 1666. Ele fez muitas observações sobre a anatomia dos animais. Ele estudou o fluxo de seiva e descobriu que ela circula em dois sentidos, ascendente e descendente. Mas, como outros estudiosos de seu tempo, ele tenta descobrir um funcionamento celular semelhante ao dos animais. Suas ideias são combatidas por Denis Dodart (1634-1707) e Samuel Cottereau du Clos (v. 1598-1685). Ele traduziu para o francês os textos do arquiteto romano Vitrúvio sob o título Dez Livros de Arquitetura de Vitruvio em 1673. Perrault realiza a fachada leste da colunada do Louvre, implementado por Louis Le Vau, entre 1667 e 1670, bem como partes da fachada sul. Ele projetou o observatório de Paris, entre 1667 e 1672. Ele construiu Arco do Triunfo do subúrbio Saint-Antoine em 1670.

[V] A East Knoyle em Wiltshire

[VI] Harold Dorn é professor emérito da Faculdade de Artes e Letras de Nova Jersey, pesquisador de história da ciência e da tecnologia.

[VII] 25 de fevereiro de 1723

[VIII] 17 de janeiro de 1723

[Ix] 29 de setembro de 1721

[X] Mackey A.G., Hughan W.J. Hawkins E.L. Uma enciclopédia da maçonaria e suas Ciências Afins compreendendo todo o escopo de artes, ciência e literatura conforme conectada com a instituição New York-Londres, The Masonic History Company, 2 volumes, 1913.

[Xi] Robert Freke Gould. História da Maçonaria (1883-1887) 3 volumes.

[Xii] Bryan Little. Sir Christopher Wren: uma Biografia Histórica (Londres, 1975).

[xiii] http://explorion.net/j.abrey-natural-history-wiltshire/index.html

[XIV] Os Dias de Rogação são os três dias imediatamente anteriores à Ascensão no calendário litúrgico cristão. Este termo é usado principalmente pelas igrejas Católica e Anglicana, mas agora caiu em desuso. A palavra “Rogação” vem do latim rogare que significa “pedir”. Este termo serve para qualificar esta época do ano porque o Evangelho do domingo anterior contém a passagem “Peça o que quiser e isso lhe será dado” (João 16:7). Este próprio domingo era chamado Rogações. Esse dia marcava, antes do concílio Vaticano II, o início de um período de três semanas durante o qual a celebração de casamentos era proibida pelas igrejas Católica e Anglicana. Os fiéis observavam tradicionalmente um jejum durante as Rogações para se preparar para a celebração da Ascensão e os sacerdotes abençoavam o culturas. Essa festa introduzida por São Mamert em 470 no Vale do Rhone, estendeu-se por toda a Gália, por ocasião do Concílio de Orleans (511). Naquela época, as rogações tomaram o lugar no calendário, da festa romana das robigalia, celebrações de adoração para a proteção dos cereais contra a ferrugem, que aconteciam no 6º dia antes das calendas de maio [] . A Igrejas Anglicanas suprimiram as Rogações em 1976. (fonte Wikipedia)

[xv] n° 5245 2-5 de março de 1723

[xvi] n° 25, 9 de março de 1723

[Xvii] Preservadas depois pela Loja Antiquité no. 2

 

Publicado em Renaissance tradicional N ° 52 – out 1982 p 275 – e N ° 49 – de janeiro de 1982. p XIII 27 Volume

Publicado on junho 20, 2017 at 11:11 am  Comentários desativados em Sir Christopher Wren, Arquiteto e Maçom  
%d blogueiros gostam disto: