Rito Moderno ou Francês, Rito de Fundação (Ampliação)

Tradução José Filardo

Ir.’. Joaquim Villalta

A falta original de distinção entre fato histórico e lenda incorporada aos primeiros documentos maçônicos permaneceu em vigor para muitos maçons, apesar da passagem dos séculos. Grande parte dessa “distorção” foi responsabilidade do próprio Anderson ao tentar “legitimar” a nova estrutura obediencial nas Constituições de 1723 com uma História da Maçonaria, que data desde Adão até essa data do início do século XVIII.

A Maçonaria, a nossa Maçonaria é uma ordem iniciática tradicional e simbólica que é apenas uma herdeira indireta daqueles construtores de catedrais. A Maçonaria contemporânea nasce no final do XVII e início do século XVIII em torno da Royal Society, em um país que emergia de guerras de religiões horríveis. Estes homens de ciência e ilustrados que não querem desistir de suas aspirações espirituais inspiram-se nos ritos e símbolos destes construtores de catedrais de quem não são herdeiros diretos, criando uma Maçonaria especulativa moderna com base em alguns mitos importados com esta finalidade. Seja como for, o que é inquestionável é como o suporte veicular era e deve ser simples e direto. A utilização simbólica e alegórica clara que deve finalmente mostrar uma mensagem próxima e simples. Um conteúdo que estimule no homem o seu potencial através da ortopraxia moral, apreciar sua liberdade bem como o uso dela; encontrar essa felicidade na busca autocrítica das respostas perenes compartilhadas com um sentimento de pertença e interação universal e despertar sua responsabilidade em relação a um conjunto – a humanidade – libertada de todos os tipos de imposição irracional ou avassaladora.

Falando de “nossa Maçonaria”, daquela de que na realidade somos descendentes, admiramos sua metodologia que visa unir o disperso e libertar-se do jugo discriminatório, dando entrada a todo ser humano, à margem de sua religião e ideologia política. Esse espírito universal e ecumênico foi o gatilho da ideia de Desaguliers e seu entorno, podendo acomodar todo ser humano com princípios éticos e morais fundamentais, fazendo com que se mantenha a salvo das forças de tensão geradas pela diversidade religiosa, sempre fonte de confronto, bem como dissidência de tipo político fora da Loja. Neste sentido, é curioso comprovar como essa alegação na opinião política e religiosa é regulada nos deveres do Maçom na seção dedicada à conduta, quando a Loja está fechada e os irmãos ainda reunidos, que não explica a impossibilidade de tratar estas questões em Loja aberta seguindo a ordem estabelecida ritualmente e coerente com os compromissos assumidos como membros da Ordem em relação à tolerância, respeito e amor.

A Maçonaria tal como a entendemos hoje tem origem, portanto, na Grande Loja de Londres e de todo o ambiente que deu lugar à sua gênese, apesar de outras teses fantasiosas e sem fundamento histórico e maçônico.

Sem dúvida alguma, a Maçonaria Inglesa que elaborou os Antigos Deveres desde 1390 era uma corporação profissional cristã do tipo religioso. Primeiro Católica até converter-se em Anglicana em 1534. O conteúdo essencialmente bíblico desta maçonaria operativa assim o atesta. No entanto, com o passar dos séculos, a Maçonaria sofreu várias metamorfoses que, diversificando sua identidade primitiva, terminaram por fazer dessa antiga corporação profissional cristã uma expressão moderna da tradição do ecletismo.

Em 1637 a Maçonaria escocesa, de confissão calvinista elaborou o rito do Mason Word que contribuiu para transformar a antiga maçonaria operativa em maçonaria especulativa. Em 1723, Desaguliers e Anderson apresentaram como fundamento moral da Ordem a religião natural que se torna nesse ambiente especulativo, uma porta que leva ao pensamento filosófico aberto e diversas formas de deísmo, incluindo o ateísmo teórico e, naturalmente ao livre pensamento nas lojas. A penetração sucessiva desses diferentes pontos de vista na Maçonaria, além de explicar a gênese do ecletismo, deve nos convidar a refletir sobre as consequências e a coexistência pacífica dessas diversas visões dentro da mesma Ordem Maçônica.

O rito calvinista do Mason Word (Palavra de Maçom), criado por volta de 1628/1637 pelos maçons escoceses de Kilwinning para substituir os Antigos Deveres operativos da Idade Média e do Renascimento, foi anglicizado e catolizado antes de ser transmutado pela Grande Loja de Londres de 1717 em rito filosófico universal. E é aqui que reside a autêntica grandeza deste princípio ecumênico ao qual, entre outras formas rituais, o Rito Moderno ou Francês, por exemplo, tem sido fiel apesar da passagem do tempo e da história. Em sua expressão natural, a Maçonaria, consistente e herdeira dessa abordagem ilustrada tende e deve tender para essa universalidade não exclusiva, não restrita a critérios formais ou discriminatórios de ordem interna particular e religiosos, desde o respeito e a tolerância, unindo desde a diversidade onde o elo comum é a prática e o desenvolvimento da virtude, fazendo o bem prevalecer sobre o mal. São os britânicos, ou seja, ingleses, escoceses e irlandeses, que instalaram a maçonaria na França. Sua motivação não é o desejo de transmitir a Maçonaria na França, mas que eles foram forçados a fugir da Inglaterra devido ao conflito dinástico e religioso que aconteceu naquela época, e isso é o que faz da maioria deles jacobitas ou hanoverianos; durante cerca de 40 anos não param de ir e vir pelo Canal da Mancha com seus rituais em uso, em particular da Grande Loja de Londres e Westminster criada em 1717, como é o caso da filiação “Moderna” transferida para a Bélgica, país com lojas estabelecido desde 1721, ou Holanda um pouco mais tarde.

As lojas criadas na França eram filhas da Grande Loja de Londres, portanto, uma maçonaria antiga qualificada com de tipo “Moderno” para seus detratores que se autodenominavam “Antigos”. Todo um paradoxo no uso dos adjetivos.

O cristianismo de tipo confessional e religioso retorna na França em 1735, quando traduzindo os “Deveres de um Maçom” inseridos por Desaguliers nas Constituições de 1723, o abade Moret, Grande Secretário da Grande Loja da França, cristianizou o texto de Desaguliers, cuja versão datada de 1737 serviu de constituição para as primeiras lojas da Suécia mais tarde convertidas em Lojas confessionais. Este ato no referido contexto geográfico obedecia, sem dúvida, à realidade histórica e social que tinha seus dias contados.

Não se pode, portanto, mostrar nenhuma contradição quando o rito dos Modernos retoma durante o Iluminismo continental que desemboca no “Régulateur du Maçon”, sua forma básica proposta por Desaguliers através da exigência do simples dever da prática espontânea da lei moral universal inscrita no coração de cada ser humano e em todas as épocas. Essa atitude pessoal não inclui, mas também não exclui a instituição de comunidades como as Igrejas. Mas, a comunidade não se torna um grupo social instituído pelas igrejas, mas por comunidades naturais, ou seja, a família, os amigos, o Estado secular (laico) e a partir daí toda a humanidade.

O Estado secular não é privado de valores éticos e espirituais. Este estado secular liberal é, inevitavelmente, uma consequência do pluralismo religioso, em vez de mestiçagem cultural e particular de valores religiosos.

A humanidade constitui uma comunidade, uma unidade que não pode existir sem o respeito prático à ética e o amor ao próximo.

O Rito dos chamados “Modernos” é traduzido para o francês e é praticado por quase todas as lojas criadas no reino e não parece ter nome. É simplesmente maçonaria. Uma alvenaria que herda tradições maçônicas, as mais antigas, que não está fixado palavra por palavra, embora por razões administrativas, tenda-se a ser cada vez mais escrito, mas tem uma estrutura simbólica fundamental.

O aparecimento destes outros sistemas maçônicos, quase sempre “escoceses” onde o nome não tem relacionamento real com o seu verdadeiro lugar de origem, e muito ligados à proliferação dos chamados Altos Graus além do Terceiro Grau simbólico, faz com que o Grande Oriente de França proponha organizar e controlar a Maçonaria francesa e o desejo de muitas lojas de ter uma versão universal dos rituais, seja a causa da definição de um rito “Moderno” entre 1783-1786, um regulamento de referência, que tem suas vantagens e desvantagens que serão abordadas em outro momento, e que no futuro será conhecido pela alcunha de “Francês”. Para os Altos Graus, este mesmo trabalho será realizado dentro do Grande Capítulo Geral da França fundado em 1784 e, posteriormente, vinculado a esta Obediência em 1786, adicionando quatro ordens superiores mais uma Quinta Ordem de natureza Acadêmica e administrativa: Eleito Secreto, Grande Eleito Escocês, Cavaleiro do Oriente e Soberano Príncipe Rosa-Cruz, mais uma Quinta Ordem. Sobre esta questão, Pierre Mollier aponta em sua contribuição na Introdução do livro dedicado aos rituais de Soberano Capítulo Metropolitano de 1786: Ressaltemos, no entanto, que seria um erro considerar o Grande Capítulo Geral da França como o autor do Rito Francês. Esta assembleia de estudiosos maçons somente fixou seu uso, conservando os altos graus mais tradicionais em suas versões mais sóbrias. Assim, vinte anos antes da criação do Grande Capítulo, um sistema próximo do que terá o Rito Francês já era praticado. Na década de 1760, a Loja Mãe Escocesa de Marselha. Inclusive com anterioridade, este desejo de ordenação e redução na Maçonaria de Altos Graus é constatado pela relação porosa e interação franco-belga. Lembremo-nos que a Maçonaria dos Modernos é implantado por diversas vias naqueles orientes, diretamente via Londres ou via França através da Grande Loja liderada pelo Conde de Clermont. Assim, o Marquês de Gages (cuja loja “La vraie et parfaite harmonie” de Mons é da correspondência da GLdF) aparece nomeado por Luis de Bourbon em 1766 como “Grand Maître provincial et Inspecteur des Loges Général pour les loges rouges et bleues pour les provinces de Flandres, Brabante et de Hainaut”. Aproveitando a situação e dificuldades que atravessa a Maçonaria francesa e o distanciamento que isso implica para os vínculos de Gages com a GLF, o pretendido agrupamento de lojas zonais emanadas diretamente da GL de Londres levará, entre outros casuísmos bem curiosos, à criação sob carta constitutiva de Londres de uma obediência “belga” genuína e seriamente estruturada, tendo o Marquês de Gages como Grão-Mestre Provincial – a Grande Loja Provincial dos Países Baixos Austríacos – que regulará essa certa desordem (própria, por outro lado, em termos de descentralização ) e aglutinará as Lojas em torno dela.. Conforme observamos, através das cartas entre o conde de Clermont e o Marquês de Gages, o primeiro expressa seu trabalho de estruturação em 15 graus em 1767. Segundo Adolphe Cordier, dos rituais elaborados pela Grande Loja Provincial dos Países Baixos Austríacos, que excediam amplamente os vinte graus, finalmente, eles foram reduzidos a quinze em 1776. Nesse sentido, cabe ressaltar que já em 1772, é o Marquês de Gages quem exterioriza seu projeto de uma Maçonaria em 7 Graus ao Venerável da Loja de Alost dentro de um contexto de contenção das recepções de Graus indicando que a conferência de alguns poderia se tornar inútil no futuro. Trata-se de uma estruturação em três Graus e Quatro Ordens, além de uma Quinta Ordem contendo todos os Graus Físicos e Metafísicos e todos os sistemas/Ritos, a que o Grande Capítulo Geral de France de 1784 prepara. Em 1786, o Grande Oriente de França propõe um texto de referência para os três Graus Azuis, difundido sob a forma de cópias manuscritas, e adota as Ordens de Sabedoria com a criação / integração do Soberano Capítulo Metropolitano.

Sobre a continuidade do Rito Moderno em sete graus nos Países Baixos denominado também nesses Vales com os nomes de Escocês Reformado e também Antigo Reformado, já que consideravam a estruturação de 1784 como uma “reforma” dos graus Escoceses, ou Antigos (por antiguidade não por ser descendentes dos Antigos), há que se salientar umas questões transcendentais que serão abordadas na íntegra em uma próxima obra que dirigiremos àqueles que procuram (ou tentam fazer isso) conhecer certas verdades mediante estudo e acompanhamento histórico.

Isto é:

a) A criação em 1803 do Hoofdkapittel der Hoge Graden in Nederland (Supremo capítulo dos Altos Graus) na Holanda por Capítulos Independentes seguindo um sistema de Graus criado por analogia com o Grand Chapitre Général de France, embora a origem e o tipo de seus rituais sejam de procedência diferente (elemento surpresa ainda desconhecido por muitos).

b) em terras belgas, e seguindo a tradição que proliferou nos Países Baixos meridionais durante o século XVIII, o que hoje conhecemos como Capítulos, desenvolvem-se livres e soberanamente como extensão de uma Loja Azul a quem correspondem e se vinculam, também chamados de Capítulos Soberanos como Grand-Atelier (Grande Oficina). Após a retirada francesa, os capítulos existentes e os criados durante a ocupação permanecerão depois dela, este procedimento organizacional, independentemente de qualquer Câmara de Administração pertencente a um Grande Capítulo ou Obediência (ver arquivos da R.’. ‘. da Esperança para o Oriente de Bruxelas ou a dos Amigos Filantropos desse mesmo Or.’.).

c) esse procedimento de trabalho nos Capítulos Independentes e Soberanos também é retomado com a criação do Soberano Colégio do Rito Escocês para a Bélgica (ainda hoje em vigor) na sequência da rejeição da estrutura hierárquica do Supremo Conselho do REAA em 1962, que não agregou qualquer inovação organizacional na história maçônica deste país e que reúne alguns dos mais históricos Capítulos e Areópagos, impondo-se à corrente da Maçonaria Liberal nesses Orientes.

No século XIX, o Rito Moderno torna-se o equivalente ao Rito Francês. Por isso, Vuillaume emprega os dois termos, já que se aplica tanto aos três primeiros graus quanto às ordens superiores. Este termo, Rito Francês, prevalecerá, enquanto o de Rito Moderno vai caindo em desuso no último terço do século XIX. Não obstante, tenhamos em conta que na Bélgica, os problemas linguísticos e nacionais não impuseram o adjetivo “Francês” e se utilizou sempre o adjetivo “Moderno”. Em todo caso, durante o século XIX, a diferenciação entre Regime Francês e Escocista vai crescer. Em 1858, publica-se uma nova redação do Rito francês denominada Murat, que foi Grão-Mestre. O texto só é diferente do Régulateur “ideologicamente”. O novo modelo continua a definir a Maçonaria de maneira “clássica”. Depois do Convento de 1877, suas resoluções levam a retoques mais ousados ​​e é quando, em 1879, o Grande Colégio de Ritos encarregado pelo Conselho da Ordem do Grande Oriente da França faz desaparecer as fórmulas rituais aparentemente religiosas, tais como a referência ao Grande Arquiteto do Universo, cuja obrigatoriedade o Grande Oriente da Bélgica já tinha abolido em 1872. Em 1886, uma comissão de 12 membros, presidido pelo advogado Louis Amiable (1837-1897), procede uma nova revisão. O novo ritual francês assumirá o nome de seu principal redator, e será acompanhado por um “relatório sobre os novos rituais para as lojas”, escrito pelo mesmo Amiable. Este explica que o novo texto, inspirado em parte pelos rituais do Grande Oriente da Bélgica, estão relacionados em grande medida com o positivismo. Sua filosofia geral é a de “neutralidade entre as diferentes crenças” e que “os dados evidentes fornecidos pelo estado atual da ciência devem ser explorados”. Durante esse meio século, a prática de todas as ordens de sabedoria caiu em desuso no continente europeu. O Ritual Amiable, um pouco modificado em 1907, sob a autoridade do Grande Comendador Juan-Bautista Blatin permanecerá nessas condições até 1938, data em que a iniciativa de Arthur Groussier, então Grão-Mestre do GODF adota um novo modelo do Rito Francês. A nova versão é uma tentativa de tentar um retorno às fontes simbólicas do sistema francês, e não uma nova redação ainda mais ultra positivista. Em 1955, difunde-se a versão final do Ritual Groussier, ligeiramente ajustada na forma e sob a autoridade de Paul Chevalier, ela é impressa e distribuída. No longo trabalho de reconstrução das obediências no pós-guerra, os estudiosos maçons voltaram-se para as investigações iniciáticas ou simbólicas na esperança de encontrar ou reviver o potencial da tradição maçônica francesa do século XVIII, herdada dos Modernos.

Em Portugal, a prática de Rito Moderno existe desde 1802. Enquanto que, na França, por outras razões dignas de análise aprofundada, as Ordens de Sabedoria deixaram de ser praticadas durante cerca de 170 anos (aproximadamente de 1830-1999); em Portugal, enquanto isso, o trabalho do Soberano Grande Capítulo de Cavaleiros Rosa-Cruz continuou durante este longo período, apesar das inúmeras perseguições e proibições de que foi alvo a Maçonaria, trabalhado continuamente desde 1804 até 1939, ou seja, cerca de 140 anos. Depois de Salazar proibir a Maçonaria em 1935, de forma totalmente subterrânea, os últimos sobreviventes do “Soberano Grande Capítulo de Cavaleiros Rosa-cruzes” incorporaram-se ao Supremo Conselho de Grandes Inspetores Gerais do Grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceito para Portugal e sua jurisdição, através do Acordo de 1939 e, a partir desta data, o Rito Francês ou Moderno deixou de ser praticado em Portugal. A reativação de novo em todas as suas Ordens datar do ano de 2003 graças ao Soberano Grande Capítulo de Cavaleiros Rosa Cruzes – Grande Capítulo Geral do Rito Francês de Portugal

O Rito Moderno ou Francês no Brasil exige uma menção especial porque o Supremo Conselho do Rito Moderno neste país é a Potência Filosófica de Rito Francês ou Moderno mais antiga do mundo, em relação à prática ininterrupta de todas as Ordens de Sabedoria, e único a manter o seu legado até a “reativação europeia” do final dos anos 90, trabalhando com o Rito mãe nesses orientes desde 1822, o que lhe confere a inquestionável condição de Chef d’Ordre (Rito Primaz) em todo o mundo.

Em relação ao Régulateur du Macon, embora não deva ser considerado a fonte do Rito Francês ou Moderno, pretende historicamente estabelecer-se como o único modelo, cotejando e unificando tradições orais e manuscritas anteriores para os graus simbólicos, após um período de certa desordem no qual a Maçonaria sofreu uma falha de organização central, cuja ausência de unidade ritual dava origem a excessos apócrifos na maioria dos casos, cuja réplica de contenção para os chamados Altos Graus se forma no Régulateur des Chevaliers Maçons que abordaremos em um futuro próximo .

A peculiaridade do ritual maçônico do Rito Moderno ou Francês é que ele se baseia principalmente na universalidade, nos elementos visíveis da Luz (o Sol e a Lua são duas das três grandes luzes), sem se referir diretamente a um poder divino. O homem é, assim, o centro dos mistérios da natureza e trata de entender os sinais através do estudo dos símbolos que o rodeiam. A crença em Deus não está excluída, mas fica no âmbito pessoal dos irmãos e irmãs, viver essa compreensão da natureza, deixando aos demais plena liberdade na busca da verdade, longe de todo dogma ou imposição, de qualquer tipo que seja.

A forma ritual do “Régulateur du Maçon” nos mostra sua atemporalidade através de sua plena riqueza simbólica e a validade de sua mensagem estruturada onde a tradição e a modernidade coexistem. O Rito Francês é essencialmente mítico. Ele transmite três mitos fundamentais: O mito da passagem das trevas para a luz O mito da construção do templo de Salomão O mito hirâmico.

Não se pretende encontrar nele: Nem o pensamento religioso que implica total submissão a uma realidade absoluta. O Rito Moderno ou Francês não contém nada religioso ou “sagrado” ou oração, ou qualquer ato relativo a um caráter religioso em particular.

Nem o pensamento esotérico entendido como uma revelação transmitida somente a alguns eleitos. Esta tendência que pode se tornar sectária introduz uma clivagem entre os irmãos que separa entre eleitos e condenados, pensamento que vai contra a universalidade da Maçonaria. O Rito Moderno ou Francês defende o universalismo e a possibilidade de que todos os seres humanos desenvolvam seu potencial.

Nem o pensamento místico que busca a imersão total do indivíduo no que o supera. A mitologia maçônica apoia-se na ideia de um projeto de construção; lida com o aqui e agora; coloca o Homem no centro do universo, onde ele é material e trabalhador ao invés de seu Templo interior, mas de exteriorização compartilhada e projeção universal e responsável necessária.

Nem o pensamento mágico que tenta controlar a realidade por operações mentais profundamente irracionais entregues à teurgia, a alquimia ou a magia.

Nem o pensamento ocultista que privilegia as superstições mais perigosas creditando à influência dos “espíritos” sobre os humanos e que acredita, firmemente, em atos de caráter mágico.

Seja qual for a sua forma de ritual utilizado, o Rito Moderno ou Francês, se atém às suas características originais; se impõe, hoje e amanhã, como uma expressão ordenada e completa dos valores maçônicos “permanentes”: a busca da verdade, a perfectibilidade para quem deseja progredir, a liberação para permitir o avanço da mulher e do homem comprometidos como um elo na cadeia social.

separador

Dados do post:

Estruturas simbólicas fundamentais do Rito Francês ou Moderno

Três candelabros colocados a NE, SE, SW

Representam as Três Grandes Luzes: Sol, Lua, Mestre da Loja

Os Pilares da Loja: Sabedoria, Força e Beleza

Beleza e Força coincidem com as colunas J e B, e a Sabedoria está localizada em uma coluna imaginária situada no Oriente, no lugar do Venerável.

É por isso que esses Pilares estão diretamente ligados ao Venerável e aos dois Vigilantes

A ordem J e B das palavras e a disposição das colunas seguem a da Grande Loja de Londres.

Joias móveis

O Esquadro que porta o Venerável. O Nível que porta o Primeiro Vigilante a o Prumo que porta o Segundo Vigilante.

Joias fixas

A Prancha de Traçar, a Pedra Cúbica e a Pedra Bruta.

Mobiliário da Loja

O Livro (ou Regulamentos), o Compasso e o Malhete.

Material ritual consultado:

  • Divulgação 1724
  • Prichard 1730
  • Prichard 1730 (em espanhol)
  • Berne 1740
  • Le Parfait Maçon 1744
  • Luquet ca. 1745
  • Le Sceau rompu 1745
  • Le Maçon Démasqué 1751
  • Three Distinct Knocks “Palestra” ca. 1760
  • Marquis de Gages 1763
  • Le Corps Complet de maçonnerie RGL de France ca. 1765
  • Manuscritos Régulateur du Maçon 1783 e 1786
  • Duc de Chartres 1784
  • Recueil Précieux 1785
  • Edição publicada do Régulateur du Maçon 1801
  • Vocabulaire des Francs-Maçons 1810 (Bazot)
  • Nécessaire maçonnique 1812
  • Manuel du Franc-Macon 1817
  • Manuel maçonnique 1820 Le Tuileur-Expert 1828 (Compêndio de várias análises e pesquisas de H. ·. Pierre Noël)
 Logia
Planta da Loja do Rito Moderno ou Francês e Distribuição dos Oficiais

O Autor:

Joaquim Villalta, Vª Ordem, Gr. ·. 9
Grande Orador do Sublime Conselho do Rito Moderno para o Equador
Membro do Supremo Conselho do Rito Moderno – Brasil
Grande orador da Grande Loja Mista dos Andes Equatoriais
Diretor da Academia Internacional da Va. Ordem do Rito Moderno
União Maçônica Universal do Rito Moderno UMURM
Co-fundador do Círculo de Estudos do Rito Francês “Roëttiers de Montaleau”
Membro da Loja de Pesquisas “Marques de Gages”

Publicado em: Blog “Racó de la Llum”

Publicado on dezembro 19, 2015 at 9:53 am  Comentários desativados em Rito Moderno ou Francês, Rito de Fundação (Ampliação)  
%d blogueiros gostam disto: