Por que maçons mereceram a Cruz de Vitória por sua bravura na 1ª Guerra Mundial

Tradução José Filardo

Por Joe Shute

Brigadeiro Willie Shackell, Grande Secretário CRÉDITO: TELEGRAPH / DAVID ROSE

 

A manhã de 25 de abril de 1915 testemunhou uma das ações mais corajosas da Primeira Guerra Mundial. A campanha em Gallipoli tinha apenas alguns meses, quando um batalhão de Lancashire Fusiliers foi encarregado de capturar uma enseada de areia apelidada W Beach na Península Turca.

Com apenas 350 metros de comprimento e coberta por metralhadora e ninhos de franco atiradores, era considerada inexpugnável. Às 6 da manhã, os Fusiliers desembarcaram e imediatamente encontraram uma saraivada de balas. A maioria foi dizimada antes de chegar à costa.

Mesmo assim, um pequeno número avançou, cortando o arame farpado e atacando os penhascos que davam para a praia. Contra todas as probabilidades, tiveram sucesso.

Os Lancashire Fusiliers tinham começado o dia com 27 oficiais e 1.002 soldados rasos. Vinte e quatro horas depois, 16 oficiais e 304 homens sobreviveram. Seis receberam a Cruz de Vitória e garantiram seu lugar nos anais da história como os heróis das “seis antes do café da manhã”.

A sua é uma vitória duradoura de guerra, mas o que é muito menos conhecido é que três dos homens – Capitão Richard Willis, Major Cuthbert Bromley e Cabo John Grimshaw – eram maçons.

Eles estão entre os 64 condecorados da Cruz de Vitória durante a Primeira Guerra Mundial que, segundo novas pesquisas, eram maçons. No total, a condecoração foi concedida 628 vezes entre 1914 e 1918, o que significa que os maçons representam mais de um em cada 10 de todos os condecorados.

A CV foi criada em 1856 para premiar atos de valor após a Guerra da Criméia. Ela continua sendo a maior honra militar da Grã-Bretanha por bravura. Ao longo do último século e meio, houve 1.354 premiados – a maioria deles soldados da Grande Guerra.

A descoberta do número de Maçons condecorados exigiu anos para ser descoberto. Agora, em 25 de abril, um memorial será inaugurado para eles fora do Freemasons ‘Hall em Londres – a sede da Grande Loja Unida da Inglaterra – por seu Grande Mestre, o Duque de Kent.

Um trabalho em andamento: o memorial dedicado aos CVs caídos da Grande Loja será inaugurado no final deste mêsCRÉDITO: DAVID ROSE / THE TELEGRAPH

O impressionante salão art deco foi inaugurado em 1933 em homenagem aos caídos. Uma lista de honra com os nomes de cerca de 3.000 maçons que morreram durante o conflito já ocupa lugar de destaque. Mas a extensão total de sua bravura nunca foi revelada anteriormente.

“É muito fácil encontrar alguém que ganhou a CV e muito difícil descobrir se eles eram maçons”, diz o historiador Mark Smith, especialista em medalhas frequentador regular do Antiques Roadshow, que é maçom há 15 anos.

Ele acha que o fato de tantos maçons receberem a CV se resume ao “tipo de pessoa que quer se tornar um. Eles são pessoas amigáveis e generosas, que têm um senso de responsabilidade. ”

A sociedade notoriamente secreta está atualmente tendo um momento importante. 2017 marca o 300º aniversário da Grande Loja Unida da Inglaterra e, neste mês, uma nova série de documentários de cinco partes chamada, Inside the Freemasons, será exibida pela Sky.

Era 1717, quando um grupo de homens se reuniu na Taberna de Ganso e Grelha no Claustro de St. Paul e concordaram em estabelecer a primeira Grande Loja. Ela deveria ser não-sectária e socialmente igualitária. Eles tomaram como sua metáfora orientadora o ofício de canteiros, daí os símbolos da Maçonaria – o esquadro, o compasso e o avental.

Ao longo dos séculos, a popularidade da Maçonaria aumentou e diminuiu, atingindo o pico após as guerras mundiais. Nos três anos que se seguiram à Primeira Guerra Mundial, 350 lodges foram estabelecidos somente na Inglaterra.

Atualmente, a Grande Loja Unida da Inglaterra tem 200.000 membros, enquanto que na Escócia e na Irlanda existem cerca de 150.000 – com milhões em todo o mundo.

O motivo de tudo isso, no entanto, tem sido uma fonte de fascínio. Enquanto me sento com o brigadeiro Willie Shackell, 75, o atual Grande Secretário em um escritório revestido de painéis de madeira no Freemasons’ Hall, ele me assegura que nada há de estranho.

Sim, existem apertos de mão (diferentes, dependendo da antiguidade), calças enroladas e cerimônias de iniciação com os olhos vendados, mas ele insiste que o que eles fazem é tão normal quanto o que você encontraria no Clube Conservador local. Homens – e é principalmente homens, apesar de existirem duas Grandes Lojas para mulheres – ingressam na camaradagem, diz ele.

Segundo Shackell, que passou 34 anos no exército e é um maçom desde a idade de 21 anos, a nova pesquisa da CV exibe os melhores elementos da maçonaria: auto sacrifício e honra.

Mas há equívocos. “Ainda há pessoas que não admitem publicamente que são maçons porque estão preocupadas com seu emprego”, acrescenta ele. “E se alguém está contra nós, então é difícil convencê-los de outra forma.”

Shackell envolveu-se no projeto de CV em junho do ano passado. A história que deixou a maior marca nele, é a do carregador de macas Thomas Edward Rendle, que passou um dia inteiro resgatando camaradas caídos de uma trincheira explodida por obuses inimigos em 1915.

“Ele resgatou pessoas ao longo de 24 horas, deitado de costas, colocando seus pés debaixo dos braços e puxando-os para a segurança”, diz ele.

Tal auto sacrifício total, Shackell diz, agora resistirá através dos tempos. Um legado adequado dos 64 homens de apertos de mão e irmãos em armas.

Publicado em:

http://www.telegraph.co.uk/men/thinking-man/freemasons-deserved-victoria-cross-bravery-ww1/?WT.mc_id=tmgoff_fb_tmg

 

Anúncios
Publicado on abril 25, 2017 at 5:44 pm  Comentários desativados em Por que maçons mereceram a Cruz de Vitória por sua bravura na 1ª Guerra Mundial  
%d blogueiros gostam disto: