Pode-se ser católico e maçom?

Tradução José Filardo

A chancelaria da diocese de Annecy explica as razões para a incompatibilidade entre a fé católica e a condição de membro de uma loja maçônica.

27 de maio de 2013

armas

O Código de Direito Canônico de 1983 não menciona explicitamente a Maçonaria, ao contrário daquele de 1917. Isto pode ter sido interpretado como uma mudança na posição da Igreja. Em nota datada 26 de novembro de 1983, a Congregação para a Doutrina da Fé (CDF) afirma que “o julgamento da Igreja sobre as associações maçônicas permanece inalterado … e a inscrição nelas permanece proibida pela Igreja”, isto precisamente devido à incompatibilidade entre os princípios da Maçonaria e os da fé cristã. A CDF se situa no plano da fé e suas exigências morais, uma vez que o fato de se inscrever na Maçonaria põe em causa os fundamentos da existência cristã.

O relativismo é o próprio fundamento da Maçonaria. Este é o próprio nó da incompatibilidade, devido às consequências sobre o conteúdo da fé, o ato de fé em si, a ação moral e a condição de membro da Igreja Corpo de Cristo.

Os maçons negam a possibilidade de um conhecimento objetivo da verdade. Pede-se a um maçom que seja um homem livre, quem não conheça qualquer submissão a um dogma, o que implica em rejeitar fundamentalmente todas as posições dogmáticas: “Todas as instituições que repousam sobre um fundamento dogmático, das quais a Igreja Católica pode ser considerada como a mais representativa, têm uma restrição à fé” (Lennhoff-Posner, Dicionário Maçônico Internacional , Viena, 1975, p. 374). Rejeitam-se todos os dogmas, sob o pretexto de “tolerância absoluta”.

Assim, o maçom sustenta a primazia e a autonomia da razão em relação a qualquer verdade revelada. Ele recusa até mesmo a ideia de uma revelação, as religiões sendo vistas como tentativas concorrentes para exprimir a verdade sobre Deus, que em última análise é inacessível e incognoscível. Cada um julga por si mesmo a verdade, e cabe a ele mesmo a sua própria norma. Deixada por si mesma, a razão não é mais finalizado pela busca da Verdade. Ela fica à mercê das ideologias ou de construções subjetivas. “Em tudo, é a razão humana e a natureza humana que permanecem soberanas”. Daí o argumento, tipicamente maçônico de “liberdade absoluta de consciência.”

Não há, portanto, de acordo com a Maçonaria, qualquer conhecimento objetivo de Deus, enquanto Ser pessoal. Isto é o oposto da concepção cristã de Deus que se revela, entra em diálogo com o homem, e da resposta do homem que se dirige a ele, chamando-o Pai e Senhor. O Concílio Vaticano II expressou-o nestes termos: “Aprouve a Deus, em sua sabedoria e bondade revelar-se e dar a conhecer o mistério da sua vontade graças à qual os homens, por meio de Cristo, o Verbo feito carne, o acesso ao Espírito Santo, junto ao Pai e somos feitos participantes da natureza divina. Nessa Revelação, o Deus invisível fala aos homens em seu imenso amor, bem como aos amigos, ele fala com eles para os convidar, os receber e compartilhar sua própria vida. » (D.V. 2)

Os dogmas da Igreja são expressões da fé recebida dos Apóstolos. Eles não são formulações arbitrárias, fechadas em si mesmas. Ao contrário, eles são balizas que indicam o mistério de Cristo, “o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jn 14:6). Essas “definições” de fé nos são dadas para iluminar nossas mentes e dar razão à nossa fé.

Ao sustentar o primado e a autonomia da razão em relação a qualquer verdade revelada, o homem tenta se aperfeiçoar constantemente com base em seu poder autocriador. Segundo a “filosofia” maçônica, o homem não tem necessidade de salvação. Mas, o Evangelho é o anúncio feliz da Salvação: o cristão espera e recebe a salvação através da graça misericordiosa de Deus, na pessoa de Jesus é precisamente o Salvador (Jesus = “Deus salva”). “É bem pela graça que sois salvos, por causa de sua fé. Esta não vem de vós, é o dom de Deus “(Ef 2, 8).

Eticamente, as diferenças também são também significativas. Para o maçom, as regras morais são instadas a evoluir constantemente sob a pressão da opinião pública e do progresso da ciência. A moralidade evolui ao sabor do consenso das sociedades. Se é exato que o homem se encontra sempre em uma determinada sociedade, é preciso, então, admitir que o homem não é definido totalmente por esta cultura; que ele não é o “produto” de uma cultura. Há algo no homem que transcende as culturas: o que a fé cristã expressa dizendo que “o homem é criado à imagem de Deus.”

A Maçonaria nega assim qualquer autoridade moral e doutrinária, contando com a autonomia individual, rejeitando os argumentos de autoridade, e exigindo a liberdade absoluta de consciência. É, finalmente, a regra do “Eu”! E o domínio do relativismo … As diferentes denominações religiosas a que pertencem os membros são consideradas secundárias em relação à condição de membro da Ordem, mais inclusiva e supra-confessional da fraternidade maçônica: o que inevitavelmente leva a apreciar e julgar tudo do ponto de vista maçônico … sem perceber.

O envolvimento no seio da Maçonaria transforma o ato de fé cristã. Ele não pode ser neutro: os ritos de iniciação no segredo das lojas, inevitavelmente, produzem os seus efeitos sobre os membros. A alegação de “liberdade absoluta de consciência” é o produto da “doutrina” relativista que se impõe gradualmente, mesmo à revelia dos interessados. A Maçonaria reivindicando para seus membros uma adesão plena, é óbvio que a “dupla filiação” é impossível para um cristão que “pertence a Cristo” (Rom. 14:08).

A Chancelaria

Diocese de Annecy

 

Referências:

– “A Igreja e Maçonaria. Declaração dos Bispos da Alemanha ” , La Documentation Catholique, N° 1807 – 3 Mai 1981, p.444-448.

– “A fé cristã e Maçonaria”. Osservatore Romano 26.11.83 – La Documentation Catholique, N° 1895 – 5 Mai 1985, p. 482-483.

 

O documento original pode ser encontrado no seguinte endereço : http://www.diocese-annecy.fr/rubriques/haut/diocese/leveque/textes-officiels/quelques-notes-sur-la-fm.pdf

 

Publicado on junho 27, 2013 at 3:20 pm  Comments (7)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/pode-se-ser-catolico-e-macom/trackback/

RSS feed for comments on this post.

7 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Ótimo texto

  2. […] Em uma carta explicando a decisão de Roma, a diocese de Annecy afirma que “o fato de aderir à Maçonaria coloca em questão os fundamentos da existência cristã. O relativismo é o fundamento efetivo da Maçonaria. Exige-se de um maçom que seja um homem livre, que não aceite qualquer submissão a um dogma. “ […]

  3. É evidente que também temos alguns “dogmas”, especialmente o que se refere á mulher. Eu nada tenho contra a que ela tenha acesso aos ensinamentos maçônicos, mas entendo que a presença feminina junto aos homens não é adequada, da mesma forma que a ICAR não aceita que mulheres sejam ordenadas. O assunto é complexo e enseja multiplas interpretações, inclusive sobre a possibilidade de aceite de irmãos de comportamento sexual heterodoxo. Para simplificar, em minha opinião, quando há possibilidade de atração fisica entre duas pessoas, devido aos instintos animais que todos nós temos, essas mesmas duas pessoas terão seu comportamento em templo comprometido. Portanto, isso deve ser evitado para que não corramos o risco de ser influenciados por instintos que remetem á nossa animalidade, por razões óbvias. Nesse ponto, acredito que somos iguais á ICAR, provavelmente pelas mesmas razões.
    Quanto á regularidade, ela não é espinhosa, mas sim busca listar uma série de requisitos mínimos para habilitar alguma organização dita “maçônica” ao reconhecimento por suas coirmãs. Ninguém pode impor qualquer comportamento a quem quer que seja, mas nós nos reservamos ao direito de apenas “reconhecer” como maçons aqueles que se comportam segundo um certo protocolo, ao qual chamamos de “regularidade”. Evidentemente, aqueles que não querem se submeter a protocolo algum reclamam da “regularidade” que estabelecemos.
    TFA
    JC Seixas

    • Brother Seixas, salve!

      Permita-me “disconcordar” de sua afirmação relativa à posição da ICAR em relação às mulheres. Segundo entendi de minhas leituras, existem duas interpretações da proibição pela ICAR: uma, defendida pelos papa-hostias que é a de que não existiam apóstolas, logo os sacerdotes só poderiam ser homens. Naturalmente eles se calam quanto ao fato de que no judaismo ocorre a mesma coisa. Não aceitam que o cristianismo seja chamado de “judaismo reformado”. A outra, defendida pelos cínicos como eu, é de que a Santa Madre impede os curas de se casarem para evitar reivindicações patrimoniais e direitos de herança que enfraqueceriam o pequeno patrimônio da Santa Madre, amealhado nestes milhares de anos de pilhagem…

  4. A Maconaria diz-se livre de dogmas, mas a realidade e outra. E os Landmarks de Mackay nao seriam dogmas? E a espinhosa questao da regularidade? E a situação da mulher?

    • Acho que precisamos primeiro, entender o que é dogma.
      A Maçônaria é adgomática. Regularidade, landmarks, presença de mulheres na maçonaria, longe de serem dogmas, são regras de conduta com suas devidas explicações e coerentes com a sociedade e o tempo em que foram criadas. Os dogmas são imposições ditadas pelas religiões e que só são confirmadas e aceitas pela fé. Ex.: a virgindade de Maria, a santíssima trindade,…e a propria existencia de deus, ou não?
      Vejamos o que diz a wikipédia:
      Dogma é uma crença ou doutrina estabelecida de uma religião, ideologia ou qualquer tipo de organização, considerada um ponto fundamental e indiscutível de uma crença. O termo deriva do grego δόγμα, que significa “aquilo que aparenta; opinião ou crença”1 , por sua vez derivada do verbo δοκέω (dokeo) que significa “pensar, supor, imaginar”…A rejeição do dogma é considerado heresia ou blasfêmia em determinadas religiões, e pode levar à expulsão do grupo religioso.
      Não é a toa que os maçons são conhecidos como livres pensadores…e definitivamente, a Maçonaria não é uma religião.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: