Pesquisa publicada no Washington Post revela Igreja Católica dividida – Janeiro 2014

Tradução José Filardo

Por  Michelle Boorstein  e  Peyton M. Craighill  , Atualizado: Domingo, Fevereiro 9, 03:01 AM  – Publicada no Washington Post

O Papa Francisco enfrenta uma igreja dividida em relação à doutrina, é o que descobre uma pesquisa entre os católicos

papachico

Alberto Pizzoli / AFP / Getty Images – Papa Francisco sorri para peregrinos em 13 de novembro na Praça de São Pedro, ao final de sua audiência semanal. Em uma pesquisa em 12 países com grandes populações católicas, 87 por cento aprovaramo o trabalho de Francisco como papa até o momento.

A maioria dos católicos em todo o mundo discorda dos ensinamentos da Igreja sobre o divórcio, o aborto e a contracepção, e estão divididos sobre se as mulheres e os homens casados devem tornar-se sacerdotes, de acordo com os resultados de  uma grande nova pesquisa  liberados domingo e encomendada pela rede americana de língua espanhola Univision. Sobre o tema do casamento gay, dois terços dos católicos entrevistados concordam com líderes da igreja.

Em geral, porém, a votação de mais de 12.000 católicos em 12 países revela uma igreja dramaticamente dividida entre os países em desenvolvimento na África e Ásia, que seguem de perto a doutrina sobre estas questões, e os países ocidentais da Europa, América do Norte e partes da América Latina América, que apoiam fortemente práticas que a Igreja ensina serem imorais.

Gráfico

papachico2

papachico3

Resultados: católicos em todo o mundo mais liberais que o Vaticano

 separador

Como esta pesquisa foi realizada

 Essa pesquisa global de católicos foi realizada por Bendixen & Amandi International para a Univison. As entrevistas foram realizadas no idioma nacional em cada um dos 12 países por telefone e celulares ou pessoalmente entre 18 de Dezembro e 15 de Janeiro de 2014. Pelo menos 1.000 entrevistas foram realizadas em cada país com os resultados da amostragem apresentando um erro de mais ou menos 3,5% para cada país

 

separador

O desacordo generalizado com a doutrina católica sobre aborto e contracepção e o abismo hemisférico desnudam o desafio para o papado de um ano do Papa Francisco e a unidade que ele gerou.

Entre os resultados:

● 19 por cento dos católicos nos países europeus e 30 por cento nos países latinoamericanos pesquisados ​​concordam com a doutrina da Igreja de que os divorciados que se casam novamente fora da Igreja não devem receber a comunhão, em comparação a 75 por cento na maioria dos países africanos católicos.

● 30 por cento dos católicos em países europeus e 36 por cento nos Estados Unidos concordam com a proibição da igreja de sacerdotes do sexo feminino, em comparação com 80 por cento na África e 76 por cento nas Filipinas, o país com a maior população católica na Ásia.

● 40 por cento dos católicos nos Estados Unidos se opõem ao casamento gay, em comparação com 99 por cento na África.

A pesquisa, que foi realizada por Bendixen & Amandi Internacional para a Univision não inclui os católicos de todos os lugares. Ela concentrou-se em 12 países em todos os continentes, com algumas das maiores populações católicas do mundo. Os países são o lar de mais de seis entre 10 católicos em nível mundial.

“Este é um ato de equilíbrio. Eles precisam manter juntos dois públicos cada vez mais divergentes. A igreja perdeu a sua capacidade de ditar o que as pessoas fazem”, disse Ronald Inglehart, presidente fundador da World Values ​​Survey, um projeto de pesquisa global em curso.

“Neste momento, o mundo menos desenvolvido permanece fiel aos valores do velho mundo, mas está gradualmente se erodindo, mesmo ali. [O Papa Francis] não quer perder a legitimidade das pessoas mais educadas “, acrescentou.

Depois de sua eleição ao papado 11 meses atrás, Francisco pareceu entender imediatamente o significado das divisões entre os 1,2 bilhão de católicos no mundo. Ele escolheu uma linguagem inclusiva; minimizou a importância de seguir a hierarquia e alertou contra a igreja fechar-se em “em regras mesquinhas.” A pesquisa reflete as anteriores, ao descobrir que a grande maioria dos católicos apreciar a sua abordagem.

Outras religiões têm visto muitas fissuras sobre questões semelhantes de doutrina, incluindo denominações protestantes e o judaísmo.

O Papa Francisco parece particularmente ansioso para enfrentar divisões em torno de sexo, casamento e gênero, e convocou um raro “sínodo extraordinário” neste outono sobre “Os Desafios Pastorais da Família.” Para isso, ele pediu aos bispos fazer um levantamento junto aos católicos sobre os seus pontos de vista de coabitação, pais do mesmo sexo e contracepção, entre outras coisas.

Áreas de similaridade

Das sete perguntas que os pesquisadores fizeram sobre questões polêmicas, parece haver maior acordo mundial sobre a contracepção (opondo-se aos ensinamentos da Igreja) e o casamento gay (apoiando a posição da igreja).

Setenta e oito por cento dos católicos em todos os países pesquisados ​​apoiam o uso de anticoncepcionais, o que viola o ensinamento da Igreja de que o sexo deve ter sempre uma abertura para a procriação. A Igreja ensina o planejamento familiar natural, que os católicos podem usar para planejar o sexo e a tentativa de evitar a gravidez.

Mais de 90 por cento dos católicos na Argentina, Colômbia, Brasil, Espanha e França apoiam o uso de anticoncepcionais. Os menos inclinado a apoiá-lo estavam nas Filipinas (68 por cento), Congo (44 por cento) e Uganda (43 por cento). Nos Estados Unidos, 79 por cento dos católicos apoiam o uso de anticoncepcionais.

O debate na igreja sobre as tecnologias reprodutivas não é nada novo, disse José Casanova, sociólogo de religião na Universidade de Georgetown. Ele observou que uma comissão papal em 1960 recomendou a aprovação do uso de pílulas anticoncepcionais (que mais tarde foi rejeitada) e disse que avanços médicos dramáticos recentes desafiaram os teólogos.

“Se você aceitar a contracepção, isso significa que você permite o aborto? Como distinguir quais aspectos do ensino andam juntos? Bioética é uma nova fronteira que obriga os pensadores morais e éticos para perguntar constantemente: O que é a humanidade? ”

Os católicos têm estado intensamente divididos ao longo dos séculos sobre outras questões, segundo ele, desde se estava tudo bem evangelizar povos nativos sobre como a igreja pode acumular riqueza, mantendo o valor da pobreza.

Entretanto, as divergências em torno de sexo e gravidez evoluíram para “uma crise na igreja com as mulheres”, disse Casanova. A igreja também não pode aceitar “a secularização radical da sexualidade” – ou a ideia de que o sexo nada tem a ver com religião – nem pode continuar insistindo em práticas que estão sendo completamente ignoradas. “A menos que as enfrente, a igreja vai estar em apuros.”

A pesquisa também mostrou que 66 por cento de católicos se opõem ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, com maiorias em oito dos 12 países pesquisados concordando com a doutrina da igreja.

A pesquisa sugere que em seu primeiro ano, o papa Francisco provou-se apto a navegar por este rebanho diversificado. Oitenta e sete por cento dos católicos em todo o mundo disseram ao pastor argentino ele está fazendo um excelente (41 por cento) ou bom (46 por cento) trabalho. Os católicos no México estavam menos propensos a aprovar o seu desempenho, em 70 por cento.

Áreas de Discordância

A pesquisa mostrou divisões profundas entre os católicos sobre os ensinamentos da Igreja sobre o aborto, o divórcio e novo casamento. Católicos que não conseguem uma anulação, ou que se casam de novo fora da Igreja Católica não têm direito à Comunhão e são considerados como fora da unidade com a fé.

Em geral, 65 por cento dos católicos disseram que o aborto deve ser permitido: 8 por cento em todos os casos e 57 por cento em alguns, tais como quando a vida da mãe está em perigo. Mas o maior apoio aos direitos de aborto está em países europeus, em seguida no Brasil e na Argentina, depois nos Estados Unidos, onde 76 por cento dos católicos disseram que deveria ser permitido em alguns ou em todos os casos. Nas Filipinas, 27 por cento dos católicos disseram que o aborto deve ser permitido em determinadas circunstâncias. Em Uganda, 35 por cento também disseram isso.

Os católicos estão divididos mais uniformemente sobre a questão de saber se as mulheres e se homens casados podem ser sacerdotes. A linha divisória, mais uma vez, recai sobre linhas do hemisfério, com os da África e da Ásia mais tradicionais e os outros nem tanto.

O que é distintivo, hoje, disse o teólogo católico Lawrence Cunningham, não é que existam divergências, mas que elas se concentram em temas semelhantes.

“Mesmo se você olhar a igreja norte-americana da minha juventude, os católicos poloneses, católicos irlandeses e católicos italianos não estavam focados sobre as mesmas questões. Eles tinham suas próprias opiniões sobre a família”, disse Cunningham. “Eu não acho que [hoje] seja uma questão de discordância. É mais que isso: ‘Uau! estamos encontrando uma grande quantidade de pessoas de todo o mundo católico falando sobre os mesmos tipos de problemas e é melhor enfrentá-los.’ ”

EUA e América Latina

Os católicos na América Latina em rápido desenvolvimento se encaixam em algum lugar no meio, mas não perfeitamente. Trinta e nove por cento dos católicos do mundo vivem na América Latina e no Caribe, a maior parte em qualquer região do mundo. Mas o relacionamento dos católicos latino-americano com a igreja institucional varia dependendo de muitos fatores, inclusive se seu governo esteve entrelaçada com oficiais da igreja, e se os protestantes evangélicos fizeram incursões recentes.

 Nos Estados Unidos, os católicos estão divididos sobre algumas questões, incluindo o casamento gay (54 por cento apoia; 40 por cento se opõem). Em comparação com os católicos em todo o mundo, eles são mais liberais que a África, Ásia e algumas partes da América Latina, mas não tão liberais quanto a Espanha. A pesquisa espelhou aquelas que mostram os católicos dos Estados Unidos apoiando padres casados, sacerdotes mulheres, aborto e contracepção.

Desde o liberalizador e divisionista Concílio Vaticano II, o Papa Bento XVI e o Papa João Paulo II pareceram diminuir a lacuna com um plano explícito: estreitá-la. Eles enfatizaram a doutrina e convocaram as instituições que queriam se dizer católicas a seguir as regras.  Bento provocou muito debate dizendo e escrevendo que um período de contração parecia inevitável, se a igreja devesse manter seus ensinamentos.

Francisco busca feedback

Então, qual é o plano do papa Francisco, se é que ele tem um?

Os críticos dizem que sua solicitação de opiniões dá erradamente a impressão de que o catolicismo é uma democracia. Outros – incluindo os autores dessa pesquisa – dizem que não há provas de que ele iria tocar a doutrina, e está buscando uma compreensão mais profunda das razões pelas quais tantos católicos rejeitam os ensinamentos da Igreja, a fim de melhor vendê-los.

Casanova disse que não está claro o que Francis planeja fazer com a pesquisa, mas a abordagem “se encaixa em sua ideia de a igreja sair para o mundo e encontrar o mundo como ele é, não esperando que o mundo venha a ela.”

Qualquer mudança seria uma tarefa complexa, pois os católicos estão indo em muitas direções, disse ele. Ele observou que os católicos no Brasil, o país católico mais populoso do mundo, rejeitam amplamente alguns ensinamentos essenciais da Igreja, mas estamos vendo uma onda de homens se tornando sacerdotes, pela primeira vez em décadas. Católicos filipinos, disse ele, apoiam os ensinamentos da Igreja sobre algumas questões sociais, mas têm uma fé poderosamente carismática que não está focada em estar em sintonia com os líderes da igreja.

A igreja “pode estar em um período de evolução moral”, disse ele. “Não se trata de ver para onde sopra o vent, mas quais são os sinais de Deus e quai são simplesmente uma moda? Este é um empreendimento teológico muito difícil, uma espécie de nova forma de tentar compreender a situação da Igreja no mundo. ”

Scott Clement contribuiu para este relatório.

Publicado on fevereiro 9, 2014 at 10:46 am  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/pesquisa-revela-igreja-catolica-dividida/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário

  1. […] Pesquisa publicada no Washington Post revela Igreja Católica dividida – Janeiro 2014 […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: