Os “quatro elementos” …E se eles eram apenas dois?

Tradução José Filardo

Publicado 17 de maio de 2017 – por Ronan Loaëc

 


Os quatro elementos, fogo, ar, terra e água na ordem em que os nomeou Aristóteles partindo do mais sutil remontam à Grécia antiga: Empédocles os havia postulado como componentes básicos de todos os corpos cujas características dependiam da respectiva mistura de seus componentes. Aristóteles acrescentou a eles um quinto, o éter (a “quintessência”), que supostamente banhava o universo como um vapor tão sutil que ele permanece invisível e impalpável, e do qual não nos livramos realmente a não ser no século XX, com a relatividade de Einstein. Os outros quatro “elementos” perderão seu status como componentes básicos na segunda metade do século XVIII, com o trabalho de Lavoisier que conseguiu separar, identificar e pesar os dois principais constituintes do ar, o oxigênio e o nitrogênio ou azoto (assim nomeado a partir do grego porque não permitia a vida).
Com Lavoisier, que mostra, ao mesmo tempo que a combustão é devida ao oxigênio e não um hipotético “flogisto”, a alquimia vai rapidamente perder seu status em benefício da química moderna. Mas não se interrompe tão facilmente um sonho baseado em sentimentos profundamente enterrados no inconsciente, gerados pelas experiências experimentos da criança descobrindo o mundo à sua volta, como tão bem demonstrou Bachelar em seu estudo dos elementos … (1)

Amante de ópera diante do eterno, eu conhecia de cor a Flauta mágica de Mozart bem antes de ser iniciado. E seu caráter maçônico, sistematicamente enfatizado em todos os programas de todas as casas de ópera do mundo, obviamente, não me escapou. Eu não tinha lido voluntariamente nada específico sobre a iniciação maçônica para preservar o frescor da descoberta e não correr o risco de sucumbir às ideias preconcebidas, mas de toda forma cheguei à grande noite com a sensação de ser nada a menos que Tamino. Então esperava ser “purificado” pela água e pelo fogo como meu modelo.
Qual não foi minha surpresa ao sentir também uma corrente de ar (obviamente alimentada por um efeito chaminé) e descobrir através do texto um tanto moralizador que era lido à medida de meu deslocamento para explicar-me os passos que eu também havia sido submetido à prova da terra. É preciso dizer que, sem meu pleno conhecimento, visto que eu pensava apenas meditar na câmara de reflexão diante de um memento mori, uma clássica “vaidade” que apaixonava os séculos XVII e XVIII, ao redigir meu testamento filosófico diante de um crânio que me contemplava com suas órbitas vazias destacadas pela luz bruxuleante de uma vela.
Uma chave de compreensão, a alquimia
A presença de uma pegada alquímica através do “vitriol” (que eu viria a descobrir mais tarde que se trata de um acrônimo) e o enxofre deveria ter colocado uma pulga atrás da orelha: a iniciação por que eu passara não era a mesma da Flauta. De fato, eu descobriria mais tarde, graças a meus mestres que me deram a curiosidade histórica e me preservaram das besteiras da “história sagrada maçônica” que somente as provas da água e do fogo eram realizadas no século XVIII, como fizeram Tamino e Pamina. Querer fazer de “crianças” em sua máquina voadora o símbolo do ar e dos subterrâneo o teste da Terra, a exemplo da câmara de reflexão, constitui um flagrante contrassenso histórico de que Chailley foi o principal propagandista, equivocado que era por uma visão histórica baseada em trabalhos cujo rigor não é a principal qualidade (e eu penso aqui principalmente em Boucher que constituía, para sua infelicidade, a única fonte de informação de nome entre os muitos musicólogos em matéria maçônica (2)). Eu viria a descobrir na mesma ocasião que a câmara de reflexão era originalmente uma simples câmara de preparação, pouco ou nada decorada, onde se deixava o candidato antes de vir buscá-lo para as provas. De fato, o componente alquímico da câmara moderna apareceu tardiamente, e segundo o mesmo processo que levou para completar as provas com aquelas do ar e da terra (mais precisamente, adicionar à câmara de reflexão uma dimensão simbólica de ” prova da terra “, que originalmente lhe era completamente estranha, e isso tem apenas a finalidade de completar a tabela dos elementos tradicionais da alquimia). A chave é, claro, sobre alquimia. Como ela se instalou, como se desenvolveu nas lojas?
O século XVIII – Século das Luzes – é também o do mistério e da escuridão. À figura do já mencionado Lavoisier, protótipo do cientista “moderno” adepto de uma metodologia rigorosa, podemos opor o de uma personagem controversa, Mesmer, que usa a moda da eletricidade e do magnetismo para enganar os ingênuos. Mesmer era vienense, amigo do pai de Mozart; o compositor e seu libretista Da Ponte o evocou na figura de Cosi fan tutte através da empregada Despina que traz os dois galanteadores à vida após seu falso suicídio, usando um… ímã. A maçonaria original na Inglaterra tem pouca influência sobre o esoterismo. O conceito de iniciação está ausente ali: “faz-se” um maçom. É diferente no continente: o século XVIII, particularmente na França, verá nascer muitos altos graus com títulos floridos baseados em diferentes mitologias, incluindo a cavalaria (Pierre Mollier vê ali um ressurgimento dos mitos da Távola Redonda no imaginário da burguesia), bem como a alquimia. A separação administrativa, hoje corrente entre as lojas simbólicas e as oficinas de altos graus era desconhecida e os detentores desses títulos atraiam simultaneamente inveja e ciúme: é muito fácil imaginar como, ao longo dos anos, conceitos surgidos nos altos graus se transmitissem às Lojas. A decoração da câmara de reflexão constitui assim um bom marcador desta evolução.
Origens do sincretismo contemporâneo…
Os elementos alquímicos, assim, apareceram “em azul” desde a segunda metade do século (o enxofre e o vitriol …). Subsequentemente, no século XIX, é o grau frequentemente considerado o máximo, o da Rosa Cruz, que por sua vez será a força motriz para uma mistura através de um mecanismo semelhante: o novo rito, a Rito Escocês Antigo e Aceito (REAA), finalizado em 1806, vai gradualmente levar à extinção de fato do Rito Francês (RF) nos altos graus, oferecendo acesso direto ao grau 18, o da Rosa Cruz, ou seja, equivalente a Quarta Ordem do RF. Os hábitos de REAA adquiridos nos capítulos rosa-cruzes pelos irmãos mais tapados da loja, por sua vez, vão se introduzir gradualmente nas lojas que continuam esmagadoramente a praticar o RF. Inventa-se, particularmente, um acendimento de velas que era desconhecido no RF, nascido em um momento em que as velas serviam para… iluminar, na falta de gás ou de eletricidade. E se começa a “esquadrejar”, para marcar os cantos ao redor do tapete da loja. Ao mesmo tempo, sob a influência de mitologia ambiente favorável a uma sobrecarga simbólica, esforça-se para “completar” os rituais originais e é assim que os “quatro elementos” gradualmente substituem os dois originais, os únicos usados no tempo de Mozart: não, a Flauta Mágica não propunha em sua cena final uma iniciação figurada, mas uma descrição realista desta parte da cerimônia, as “purificações” pela água e pelo fogo.
O grande ordenador da implantação do hermetismo e da alquimia como princípio subjacente à Maçonaria é, certamente, Oswald Wirth: seu livro O Simbolismo Hermético em suas relações com a alquimia e a Maçonaria (1909) merece uma leitura ainda hoje. Todas essas evoluções muito sensíveis na segunda metade do século XIX, serão formalizadas através dos rituais de Groussier que se esforçou no período entre guerras, para trazer rigor ritualístico e dimensão simbólica a uma maçonaria que tinha perdido muito o interesse nas lutas políticas (para não mencionar o papel da vitória intelectual do racionalismo na virada do século).
No rito francês do século XVIII, do qual o Regulateur de 1801 dá uma ideia bastante precisa, substitui assim gradualmente no século XIX e depois no XX, um rito composto: os fundamentos do Rito Francês estão bem presentes (pé de partida na marcha, posição das colunas e vigilantes, bateria …), mas a muitos empréstimos do Rito Escocês Antigo e Aceito são adicionadas inovações muitas vezes felizes (aparição do espelho, posição respectiva do esquadro e do compasso segundo o grau, instalação do fio do prumo no templo) e, infelizmente, o abandono de elementos-chave do Rito (particularmente o tapete de loja que oficinas do Rito Francês recuperam cada vez mais frequentemente). Enquanto algumas inovações são mais interessantes e enriquecem o simbolismo das cerimônias , outros são mais questionáveis. Assim, o acendimento de velas acrescenta uma dimensão de mistério e beleza à abertura e ao fechamento dos trabalhos, independentemente dos fundamentos do Rito praticado. Além disso, se esta prática é ausente do RF original, é simplesmente que essa fase era tecnicamente impossível de implementar no século XVIII. É bastante diferente do habitual marcar os cantos: no RF, as grandes luzes não são força, sabedoria e beleza concentradas sobre as três colunas arquitetônicas que cercam o tapete da loja no REAA (e por um bom motivo: no RF, há apenas as luzes de iluminação e as três grandes luzes, o sol, a lua e o mestre da loja estão no Oriente). Não há, portanto, nenhuma razão para “saudar” uma virtude ausente marcando os cantos, mas sim seguir um orbe que lembra o movimento dos planetas …
O sincretismo é um processo natural de evolução de rituais. A busca obsessiva de uma “pureza original perdida” revela apenas a neurose de seus adeptos cujas abordagens geralmente conduzem a impasses fundamentalistas. As evoluções, os empréstimos, as invenções que enriquecem o significado e revelam a beleza são sempre positivas e devem ser considerado com simpatia … Nossas roupas, nossos rituais atuais já não têm mais muito a ver com os da origem, mas eles permitem alcançar os mesmos objetivos: a união de corações e mentes na fraternidade. No entanto, se ele é sincretismo feliz, outros contribuem apenas para obscurecer o significado mais profundo das fontes. Apenas o estudo histórico nos permite reencontrar o sentido original, encontrar a pedra escondida, a “occultam lapidem” do vitriol!

 

Notas:
1: Veja Revista Maçonaria No. 55
2: Jacques Chailley: A Flauta Mágica, ópera maçônica (Detrad). Para saber mais, leia as Crônicas da História Maçônica No. 64 de 2009, na qual dediquei um longo artigo aos erros de musicólogos relacionados com a sua ignorância da história real da Maçonaria no século XVIII (Conforme Editions).

Publicado em https://www.fm-mag.fr/article/tradition/les-quatre-zelements-1532

Publicado on maio 29, 2017 at 9:40 am  Comentários desativados em Os “quatro elementos” …E se eles eram apenas dois?  
%d blogueiros gostam disto: