O Ritual Maçônico nos Estados Unidos: História vs. Tradição

Tradução José Filardo

 

Por Ir.´. AL Kress, Pensilvânia

Há muito tempo, o Ir.´. Kress vem recolhendo dados sobre a história do nosso ritual, especialmente como ele vem sendo praticado nos Estados Unidos. É um trabalho pioneiro e muito difícil, especialmente devido à falta de escritos impressos confiáveis, muitos dos quais foram publicados por autores desinformados simplesmente crédulos demais em boatos e tradição. Este trabalho desafiador é apenas o primeiro de diverso que o irmão Kress escreverá com vistas à publicação, em última análise, de uma História do Ritual baseada em fatos conhecidos e métodos científicos. Cada leitor que possa contribuir com fatos, sugestões ou críticas é instado a se comunicar com THE BUILDER, ou com o próprio irmão Kress no endereço 330 Center Street, Williamspert, PA. (O artigo é de 1923, portanto não ha garantia de que ele responderá. N. do T.)

A história da Maçonaria foi efetivamente removida do reino da tradição e da imaginação, devido aos trabalhos notáveis ​​de Gould, Hughan, Woodford, Lyon e seus colegas de trabalho. Mas, o desenvolvimento do Ritual maçônico nunca foi historicamente abordado. Tais artigos conforme apareceram no passado nas nossas publicações podem, na melhor das hipóteses, ser caracterizados somente como pseudo-história. Um excelente exemplo desses relatos acríticos, a partir dos quais aceitos como verdade, pode ser encontrado em THE BUILDER, vol. I, página 291. Há, naturalmente, dificuldades em lidar de forma livre e abertamente com um tema tão importante, como seria possível ao se escrever sobre jurisprudência, Simbolismo, ou a História da Ordem, mas elas não são insuperáveis. Extremistas do “boca-a-boca” podem ate supor que a história do ritual nunca poderá ser escrita, porque falta a prova documental. Mas existe uma ampla oferta de tais evidências. Na verdade, por mais que prezemos a tradição de um ritual transmitido pela língua instrutiva ao ouvido atento conforme visto no passado, algumas dúvidas surgirão sobre se ele poderia ter sido mantido por 200 anos, a menos que alguns registros fossem mantidos.

TRADIÇÃO DAS PALESTRAS WEBB-PRESTON

Talvez eu devesse dar a este trabalho um subtítulo “As assim chamadas Palestras Webb-Preston”, pois é esta fase específica do ritual que pretendo discutir. Há uma tradição persistente e geralmente aceita nos Estados Unidos que Thomas Smith Webb de uma forma ou outra modificou, abreviou, alterou, ou reorganizou as Palestras de Preston, e que esta foi a gênese de nosso atual ritual. No princípio, eu mesmo aceitei a história, mas não foi preciso muita pesquisa para convencer-me de que em algum lugar ao longo da linha a tradição e o fato se contradizem.

Primeiro, examinarei, a origem da própria tradição. Não foi senão por volta de 1860 que nossas Grandes Lojas demonstraram qualquer grande interesse no ritual e em sua gênese, interesse que foi em grande parte estimulado por Rob Morris. Como já disse antes, o ritual estava em uma condição um pouco caótica de 1840 a 1860. Maçons inteligentes em todos os lugares estavam buscando o “antigo ritual.” Rob Morris era o líder nesta pesquisa. Durante suas viagens em 1857 ele visitou Philip C. Tucker de Vergennes, Vermont, que tinha sido feito Maçom por volta de 1824. Morris adotou uma prática de conferir com os maçons mais velhos – aqueles feitos antes de 1830 – verificando e comparando suas versões em um esforço para montar o “antigo ritual”. Tucker informou-lhe que Samuel Willson, também de Vergennes, tinha em sua posse uma antiga cifra manuscrita, que Willson tinha feito em novembro de 1817 das palestras Webb como ele os tinha recebido de John Barney na época. Barney, por sua vez os tinha recebido de um dos “discípulos diretos” de Webb em Boston, e alegavam tê-los ensaiado diante do próprio Webb. Morris ficou entusiasmado com esta boa sorte, examinou a cifra e aceito as Notas Barney-Willson – agora na posse da Grande Loja de Vermont – como incorporando a versão mais autêntica do antigo ritual então existente.

Como resultado da associação de Tucker com Morris e o esforço insistente em reviver as velhas Palestras Webb, Tucker fez três conferências diante da Grande Loja de Vermont, em 1859, 1860 e 1861, respectivamente, que eram amplamente citadaso por outros escritores. Em seu discurso em 1859, Tucker procurou apresentar uma narração completa da história do ritual. Ele disse, em parte:

“Por volta do ano de 1800 – doze anos após a publicação das Ilustrações de Preston – um irmão inglês cujo nome eu não consegui obter veio a Boston e ensinou as palestras inglesas conforme elas haviam sido organizadas por Preston. A Grande Loja de Massachusetts as aprovou, e elas foram ensinadas a Thos. S. Webb, e Henry Fowle de Boston, e ao irmão Snow de Rhode Island, por volta do ano 1801… Eu acho que, sobre estes fatos, posso dizer, que as palestras que usamos são as verdadeiras palestras de Preston. Webb mudou a disposição das seções fixadas por Preston, para uma que ele pensava ser mais simples e conveniente, mas conforme eu entendo, deixou o corpo das palestras em si como Preston as tinha estabelecido”. (1)

Estas partes do seu discurso foram evidentemente contestadas por um membro da Ordem – que acredito ter sido Mackey, embora eu ainda não tenha localizado seu artigo – o que levou Tucker a novamente discutir o assunto em seu discurso de 1860. Ele qualificou de certa forma as suas afirmações anteriores. Cito este discurso mais longamente:

“No meu discurso do ano passado, eu me esforcei para condensar as poucas informações de que eu dispunha sobre as palestras maçônicas, e essa tentativa foi, em geral, bastante favoravelmente notada pela Maçonaria. Em certa área maçônica distinta, no entanto, algumas partes do meu discurso sobre este assunto parecem ter enfrentado contestação. Uma coisa em particular achada falha é, que eu pensava ter razão em dizer que as palestras em uso, recuperadas através de Webb e Gleason eram as verdadeiras palestras de Preston. Eu certamente não quis dizer que elas eram idênticas em comprimento às de Preston. Eu já havia dito que Webb alterou a disposição das seções de Preston, mas que ele havia deixado o corpo das palestras conforme Preston as havia estabelecido. Talvez eu devesse ter dito a substância ao invés do “corpo” dessas palestras. Eu agora afirma, o que supunha que tivesse sido entendido antes por todos os maçons toleravelmente bem informados nos Estados Unidos, que Webb resumiu, assim como alterou a disposição das palestras de Preston. Eu acreditava que eu sabia então, e eu acredito que eu sei agora que Webb aprendeu e ensinou as palestras Preston na íntegra, bem como que ele preparou e ensinou seu próprio resumo delas. Eu tenho uma cópia tanto do resumo de Webb quanto de Preston, na íntegra, que tenho razões totalmente satisfatórios para mim mesmo para acreditar que são verdadeiras transcrições de ambos os conjuntos de palestras conforme Gleason as ensinava …….. Mais uma vez eu sou criticado por dizer que Gleason visitou a Inglaterra e exemplificou as palestras Preston, como se ele as tivesse recebido de Webb, diante da Grande Loja da Inglaterra, cujas autoridades as pronunciaram como corretas, e eu estou encarregado de tirar isso de ‘ouvir dizer’, e meu crítico não coloca “fé nela”. Eu recebi aquela declaração da mais alta autoridade – de alguém que conhecia – e eu escrevi isso naquela época. Existem razões pelas quais eu escolho não satisfazer meu crítico dando o nome daquela autoridade neste momento, e eu deixo ao Craft julgar se minha declaração do fato na autoridade inquestionável não é digno de tanto crédito quando a dúvida de qualquer Revisor sobre isso . Eu nada possuo por escrito ou publicado de Gleason, quanto à sua palestra diante da Grande Loja de Inglaterra, mas que a Maçonaria no exterior não ignora as palestras, conforme Gleason as ensinou, temos sua própria carta publicada para provar.” (2)

Tucker em seguida, reproduz uma carta de Gleason a C.W. Moore, que foi publicada na segunda edição de Trestleboard Maçônico de Moore, que não tem valor como prova.

Morris, da mesma forma, estava difundindo uma lenda semelhante em seus escritos e discursos. Em outubro de 1858, em Louisville, Kentucky, por exemplo, ele disse: “As palestras que vou ensinar são aquelas que Thomas Smith Webb preparou cerca de sessenta anos atrás, a partir do Ritual de William Preston. Não há outros nos Estados Unidos que tenham qualquer pretensão de seu respeito “. (3)

C.W. Moore de Boston foi outro a passar adiante a tradição. Em dezembro de 1858, em um discurso em Boston, ele observou em parte, o seguinte:

“Entre os Past Masters desta loja notamos o nome do falecido Benjamin Gleason, Esq., que foi associado e colaborador do falecido Thomas Smith Webb, na introdução nas lojas da Nova Inglaterra, e posteriormente em outras partes do país, do que é conhecido como o sistema Prestoniano de trabalho e palestras … Foi o “trabalho” de Maçonaria conforme revisado por Preston e aprovado e sancionado pela Grande Loja da Inglaterra, perto do fim do século passado… O ritual verbal, como revista pelo Preston, foi trazido a este país sobre o ano de 1803 – não por Webb, como temos visto recentemente afirmou, nunca foi para o exterior -, mas por dois irmãos ingleses, um dos que pensamos, tinha sido aluno de Preston, e ambos os quais tinham sido membros de uma das principais Lojas de Instrução, em Londres. Ela foi o primeiro comunicada a Webb, e por dele compartilhada com Gleason ……. O sistema passou por algumas modificações (que foram, sem dúvida, melhorias) em seu arranjo geral e adaptações – seu mecanismo – logo de sua introdução no país; mas em todos os outros aspectos foi recebido, e vem sendo preservado, especialmente nas lojas de jurisdições mais antigas, essencialmente, como ele veio a partir de fonte original da nossa Maçonaria”. (4)

Até onde eu pude descobrir, esses são os primeiros relatos que temos desta tradição. Se algum irmão conhece uma referência anterior, ou pode apontar o uso do termo “Palestras Webb-Preston” em qualquer lugar antes de 1858, eu espero que ele chame minha atenção. A tradição repousa sobre as afirmações sem suporte de Tucker, Morris e Moore. Nenhum deles possuía qualquer informação de primeira mão, nem produziram quaisquer fatos para confirmar suas afirmações. Tucker tentou, mas suas provas são baseadas apenas em inferência. Parece nem valer a pena refutar qualquer parte de suas declarações, conforme mostrarei mais tarde, sobre o fato de que o Palestra Webb não poderia ser uma adaptação das Palestras Preston.

OS “ANTIGOS” E OS “MODERNOS” SÃO CONFRONTADOS

Nenhuma discussão inteligente do ritual pode existir sem referência às Grandes Lojas rivais citadas acima, que existiram na Inglaterra de 1752 a 1813. Embora as pesquisas de Sadler nos tenham dado uma ideia melhor das causas que levaram à formação da Grande Loja dos “Antigos”, parece que, um estudo comparativo dos rituais dos dois corpos ofereceria ainda mais luz sobre este episodio pouco compreendido.

Já em 1760 descobrimos que o ritual dos “Antigos” tinha assumido a forma exata e arranjo preservado hoje nos Estados Unidos. Sob este tipo, o ritual foi dividido em três graus e cada grau em seções. Por exemplo, havia três seções no Primeiro Grau. A primeira seção, de cerca de 60 perguntas e respostas, compreendia a “Palestra do Aprendiz”; a segunda, de cerca de 15 perguntas e respostas, os “Motivos do Aprendiz”, e a terceira, de cerca de 40 perguntas e respostas, recitava certos assuntos explicativos, alguns dos quais são agora encontrados na segunda seção da Palestra do Companheiro. Este arranjo era mais lógico. A primeira seção ensaiava a cerimônia de iniciação, a segunda, as razões para os diferentes atos, e a terceira desenvolvia a explicação deles. Cada irmão neste país, exceto nossos irmãos da Pensilvânia reconhecerá imediatamente esse arranjo.

Por outro lado, o ritual dos “Modernos” na segunda metade do século 18, exibe uma forma e arranjo totalmente diferentes, que por sua vez foi preservado na Inglaterra. Sob este tipo, o ritual foi dividido em três palestras e essas palestras em seções arbitrárias. A divisão de suas palestras em seções, conforme explicarei mais plenamente ao discutir as Palestras Preston, não foi de forma alguma para facilitar a memorização e não tinha a menor relação com as seções dos “Antigos”.

Ao se referir ao ritual dos “Modernos”, eu intencionalmente disse que era dividido em três palestras, pois era claramente verdade a respeito dos “modernos” que o “trabalho real” de suas lojas não consistia em fazer maçons, mas em ensaiar essas palestras com o acompanhamento de comida e bebida. Parece que o iniciação de candidatos era muitas vezes uma espécie de intrusão e às vezes era confiada a alguns irmãos, que levavam o candidato em um quarto ao lado, pois o “trabalho real” do loja não podia ser interrompido. O termo francês “lojas de mesa” as descreveria adequadamente. Para estar de acordo com esta prática no ritual dos “Modernos ‘”, a cerimônia de iniciação, os motivos e a matéria explicativa eram todos mesclados em uma só palestra, cada seção (como conhecemos o termo) perdendo sua identidade. A palestra inteira era então intercalada com “Cargas” ou brindes muito frequentes. No Primeiro Grau, em uma versão “Moderna”, há 219 perguntas e respostas, enquanto nos “Antigos”, encontramos apenas cerca de 120. Por mais interessante que isso seja, não posso desenvolver essa comparação no espaço colocado à minha disposição. Vamos manter em mente, então, que, nos Estados Unidos nós preservamos essencialmente o ritual dos “Antigos”, enquanto na Inglaterra o ritual é essencialmente o dos “Modernos”.

AS PALESTRAS PRESTON SÃO EXAMINADAS

As Palestras Preston têm sido amplamente descritas, muito elogiadas, e ainda assim nunca entendidas neste país. Não estou agora preparado para dizer quanta originalidade e invenção, se existe alguma, mostrou Preston. A menos que fosse eventualmente descoberto que ele próprio foi responsável pela organização do ritual dos “Modernos”, podemos questionar se a sua influência sobre o ritual não foi exagerada. Nossos irmãos ingleses mantêm uma indiferença estudada em relação a qualquer tentativa de “exumar” as Palestras Preston. Eu acredito que a última vez que uma Palestra Preston foi feita de acordo com o legado em seu testamento foi em 1857. No entanto, presume-se que o fundo de 300 libras, legadas por Preston para essa finalidade, tenha “desaparecido” misteriosamente. Certamente tudo isto é muito estranho se ele fosse, nas palavras de Mackey, “o fundador de um sistema de palestras que ainda mantêm sua influência.” Ninguém, nos últimos tempos, parece saber exatamente o que eram exatamente as Palestras Preston.

Diz-se que Preston foi feito maçom em 1762 em uma Loja de “Antigos”, que mais tarde passou para os “Modernos”. Ele parece ter-se muito cedo interessado no ritual e até 1774 tinha aperfeiçoado tanto suas palestras que mantinha um instituto para a sua difusão geral em Londres. Em 1772, ele publicou a primeira edição de suas Ilustrações, que passaram por muitas edições. Neste trabalho ele descrevia brevemente o seu sistema de palestras e descrevia sua divisão em seções. Em 1787, organizou a “Grande Capítulo de Harodim”, que se reunia “na taverna dos maçons na terceira segunda-feira de janeiro, fevereiro, março, abril, outubro, novembro e dezembro”. Este era o mecanismo através do qual ele difundia suas palestras. Ele é melhor descrito em suas próprias palavras:

“Diferentes classes são estabelecidas, e certs palestras restritas a cada classe. As palestras são divididas em seções e as seções em cláusulas. As seções são anualmente atribuídas pelo Chefe Harod a um certo número de companheiros habilidosos em cada classe, que são denominados: SECTIONISTS e eles têm o poder de distribuir as cláusulas de suas respectivas seções, com a aprovação do Chefe Harod e do Diretor Geral , entre certos companheiros privados do capítulo que são denominados CLAUSEHOLDERS. Tais companheiros que por assiduidade tornam-se possuidores de todas as seções da palestra são chamados PALESTRANTES: e, entre estes é escolhido o diretor-geral”. (5)

A partir desta explicação, a finalidade de Preston ao dividir as palestras em seções e cláusulas fica imediatamente evidente. Como eu disse acima, era para facilitar a memorização e essas divisões são totalmente arbitrárias.

As palestras Preston, devemos lembrar, são uma versão do Ritual dos “Modernos”. Ele dividiu a primeira palestra em seis seções, a segunda em quatro, e a terceira em doze. Tomando a primeira palestra para comparação (como eu fiz em todas) havia:

  • 5 cláusulas na primeira seção.
  • 5 cláusulas na segunda seção.
  • 5 cláusulas na terceira seção.
  • 5 cláusulas na quarta seção.
  • 5 cláusulas na quinta seção.
  • 5 cláusulas na sexta seção.

Como um exemplo típico de uma cláusula, reproduzo aqui as perguntas na cláusula quarta da primeira seção da primeira palestra, tanto quanto eu as posso reconstruir:

  • De onde veio você, principalmente?
  • Que recomendação você traz?
  • Que outra recomendação?
  • Qual é o propósito da sua visita?
  • Como você espera conseguir isso?
  • Qual foi o primeiro grande objeto natural que você viu?
  • Através de que meio?
  • Qual foi o segundo grande objeto natural que você viu?
  • Através de que meio?
  • Qual foi o terceiro grande objeto natural que você viu?
  • Através de que meio?

Não é preciso dizer que nada existe nas Palestras Webb mesmo remotamente parecido com isto.

Em 1797, Webb publicou a primeira edição do seu Monitor do Maçom, enquanto ele estava em Albany. No seu prefácio, ele disse:

“As observações sobre os três primeiros graus, são principalmente retiradas das Ilustrações da Maçonaria de Preston, com algumas alterações necessárias; não sendo a distribuição do Sr. Preston da primeira palestra em seis, a segunda em quatro, e a terceira em doze seções agradável para o modo atual de trabalhar, elas são organizadas neste trabalho de acordo com a prática geral “.

Na edição de 1802, ele trocou as palavras “modo atual de trabalhar” para o “modo de trabalhar na América.”

Agora, Webb queria dizer exatamente o que ele disse ali. O arranjo de Preston por seções não era “agradável para o modo de trabalhar na América”, porque Webb se referia ao ritual dos “Antigos”, enquanto Preston se referia ao ritual dos “Modernos”. Webb encontrou três seções lógicas bem definidas no primeiro grau, por exemplo, então por que tentar transforma-las em seis? Aqui reside a dificuldade. Webb copiou a maior parte de sua matéria nos três graus de Preston, mas cada um deles se referindo a algo completamente diferente. Isso até mesmo levou a críticas, sessenta anos atrás, de que o Monitor de Webb não se encaixava nas Palestras Webb. Pessoalmente, duvido que Webb sequer conhecia as Palestras Preston.

Procurei estabelecer que:

  • As Palestras Webb têm sua contrapartida exata no ritual dos Antigos, e a prova disso existe já em 1760, ou antes mesmo que Preston fosse feito maçom.
  • Webb nunca reorganizou as Palestras Preston.
  • As Palestras Webb nem de longe lembram as Palestras Preston.
  • A tradição surgiu por volta de 1858, e não tem nenhuma base em fato.
  • O termo “Palestras Webb-Preston” é errado, enganoso, e deve ser abandonado.

Só o que as contribuições de Webb foram, juntamente com uma citação de todas as provas documentais é um assunto que terei o prazer de discutir em alguma data posterior.

Referências:

  • Procedimentos da Grande Loja Vermont – 1859 pp 35-42.
  • Procedimentos da Grande Loja Vermont – 1860 pp 23-32.
  • Procedimentos da Grande Loja Vermont – 1859 pp 42.
  • Procedimentos da Grande Loja Vermont – 1860 pp 23-32.
  • Preston – Ilustrações da Maçonaria -. 1804, American Portsmouth ed, pp 234-35.

– Source: The Builder – Outubro de 1923

 Publicado em http://www.masonicdictionary.com/american.html

Publicado on dezembro 11, 2012 at 4:10 pm  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/o-ritual-maconico-nos-estados-unidos-historia-vs-tradicao/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: