O Rito Francês Moderno e os demais ritos praticados no Brasil

Ir.´. Marco Piva

Na maçonaria existem formas diferentes de se trabalhar (desenvolver as reuniões) em loja, e a isso chamamos de ritos. No Brasil o rito mais praticado é o chamado Rito Escocês Antigo e Aceito, se bem que está muito longe do seu original. O Rito Escocês foi totalmente alterado no Brasil, principalmente a partir da criação das Grandes Lojas em 1927. Agiram os maçons brasileiros na época, ao contrário das Grandes Lojas de outros países (Argentina, Chile), que adotaram o Rito York americano ou o Craft (Oficio) / Emulation, dos ingleses, resolveram manter o Rito Escocês mesmo, pois era o que mais crescia na época e fazer adaptações para associar com esses ritos (inglês e americano), para agradá-los e assim obter o tão almejado reconhecimento deles. Enumeramos algumas das modificações feitas para agradar aos americanos e ingleses:

  • Local do Segundo Vigilante que era junto à Coluna J, passou para o Meio Dia (meio da Coluna do Sul).

 

  • O avental de mestre, que era orlado na cor escarlate (vermelho) com as letras M e B destacadas, como usam hoje os Grandes Orientes ligados à COMAB, passou a ter a cor azul celeste com rosetas e sem as letras M e B, como no Rito Escocês Retificado e parecido com o Rito York.

 

  • Mudou-se a P. S. do M. M. e por isso saíram as letras do avental, passando a usar a que já era utilizada pela maçonaria anglo-americana. A maçonaria francesa sempre usou M. B. e não M. (só pode ser compreendido perfeitamente por mestres maçons).

Houve outras mudanças ritualísticas importantes, mas só essas já dão conta do que causou a primeira grande dissidência na maçonaria brasileira, em 1927. O Grande Oriente do Brasil, ferido com a cisão, ao invés de manter as tradições do ritual francês, que herdamos junto com nossas glórias, foi no rastro das Grandes Lojas e piorou tudo, mais ainda, copiando as modificações.

As lojas do GOB quase acabaram com o Rito Francês Moderno, racional e progressista e pularam para esse rito andrógeno criado no Brasil, teimosamente chamado de REAA. Incluíram nele várias passagens de outros ritos e algumas dessas práticas permanecem até hoje. Porém o mais importante para os irmãos, eram os graus. Tinham que ter os 33 graus, senão não tinha graça. Não tinha suntuosidade, não tinha glamour, como diriam os franceses.

O Rito Francês Moderno com seus 7 e mirrados graus na época (hoje são 9), quase se extinguiu com essa migração provocada, em grande parte pela disputa entre Grandes Lojas e GOB, pelo reconhecimento da Grande Loja Mãe do Mundo, ou seja, a Grande Loja Unida da Inglaterra. Hoje mal chegamos a 100 lojas do Rito Francês no GOB e algumas poucas nos Grandes Orientes Independentes (outra dissidência ocorrida em 1973), quando a maioria das lojas, no inicio do século XX, trabalhavam nesse rito. Havia o estimulo para serem lojas com perfil mais religioso, voltadas somente para a ritualística, abandonando as causas sociais e políticas que tornaram a maçonaria tão conhecida. Foi justamente aí que a maçonaria começou um período decadente no país.

Não é o perfil ideal para nosso povo e país, somos um país em constante transformação e com muitas ainda por vir. Não pode funcionar aqui uma maçonaria passiva, voltada para o seu lado interior e mística, esotérica e religiosa até.

Essa maçonaria é apropriada ao primeiro mundo, onde todas as conquistas foram feitas e nada mais resta a fazer. Não é o nosso caso, pois nem mesmo a democracia, a educação e a cidadania conquistamos de verdade.

O REAA à moda brasileira, como o Adonhiramita e o Brasileiro por serem teístas, quando deveriam ser somente deístas como o é na França, Portugal e outros países europeus, oferecem conforto espiritual e religioso aos irmãos, fazendo-os se sentirem desobrigados de irem à missa ou culto aos domingos, oferecendo a leitura de trechos da Bíblia na abertura dos trabalhos, o que se julga suficiente para substituir um culto longo e maçante.

E, por ter tantos graus, chamou a atenção, assim como aconteceu nos Estados Unidos no século XIX, e cresceu assustadoramente no país, evidenciando a preferência pela vaidade à simplicidade. Próprio do ser humano comum, não no iniciado.

Esse nosso rito conhecido como Moderno no Brasil, assim como o Rito Escocês Antigo e Aceito e o Adonhiramita, entre outros, foi criado na França em 1761 e reformulado finalmente em 1786, tornando-se assim, definitivamente racional, agnóstico, laico e isento de influências religiosas ou político-partidárias.

 O Rito Francês Moderno

O Rito Francês não utiliza fórmulas como “À Glória do Grande Arquiteto do Universo” ou outras que remetam a uma consciência de um Ser Supremo definido porque dá inteira liberdade de pensamento ao homem, uma vez que crença é fruto da intimidade do ser humano, resultado de seu conhecimento, de sua cultura e de seu desejo.

Ninguém pode ou deve lhe impor uma crença. Se quer ser católico, protestante ou mesmo não aceitar nenhuma religião, o problema é dele, desde que seja um homem virtuoso, não semeie o vício moral e conviva fraternalmente. Ninguém pode mudar a crença de um homem esclarecido.

Somente os ignorantes e mentalmente fracos, podem se tornar presas de sermões ou profecias, sem questionar, sem duvidar ou comparar.

Em nosso rito pratica-se, entretanto, o ritual mais antigo utilizado pelos maçons que fundaram a Grande Loja de Londres (chamados Modernos), quando a Instituição foi regulada pela Constituição (Old Charges) escrita pelo pastor anglicano (cristão) James Anderson e publicada em 1723, posteriormente alterada para, aí sim, incluir-se a obrigação da crença no “Grande Arquiteto do Universo, que é Deus” (segundo a nova redação em 1738), por influencia ou mesmo por determinação das autoridades cristãs e dos nobres que já abundavam na Ordem. Um ano antes de Anderson falecer, foi aprovada essa nova redação por 56 lojas que formavam a Grande Loja de Londres.

Ai já foi por terra o principio de liberdade de religião. Poderia ser qualquer uma, desde que se creia em Deus (o bíblico), em um país eminentemente anglicano e com uma pequena parcela de católicos e judeus.

A maçonaria francesa resgatou essa liberdade alguns anos depois, motivada pela influência do Iluminismo que lá ganhou terreno fértil, embora este movimento tenha nascido na Inglaterra (John Locke), onde pouco se desenvolveu, devido ao “progressismo” das idéias em um país excessivamente conservador.

O Rito Francês Moderno ainda guarda seus principais sustentáculos, que são a sua divisa: LiberdadeIgualdade e Fraternidade, tendo como objetivos das sociedades, das nações e países livres. Tem como princípios: A Tolerância, o Respeito Mutuo e a Liberdade Absoluta de Consciência e ensina que o maçom deva ser solidário com seus irmãos e familiares e com a sociedade em geral.

Trecho da Constituição de Anderson de 1723

I – Respeitando a Deus e à Religião

Um Pedreiro é obrigado, pela sua condição, a obedecer à lei moral. E, se compreende corretamente a Arte, nunca será um ateu estúpido nem um libertino irreligioso. Mas, embora, nos tempos antigos, os pedreiros fossem obrigados, em cada país, a ser da religião desse país ou nação, qualquer que ela fosse, julga-se agora mais adequado obrigá-los apenas àquela religião na qual todos os homens concordam, deixando a cada um as suas convicções próprias: isto é, a serem homens bons e leais ou homens honrados e honestos, quaisquer que sejam as denominações ou crenças que os possam distinguir. Por consequência, a maçonaria converte-se no Centro de União e no meio de conciliar uma amizade verdadeira entre pessoas que poderiam permanecer sempre distanciadas.

Voltando ao Rito Francês no Brasil, hoje ele é praticado em cerca de 100 lojas, geralmente em regiões ou cidades mais progressistas, como as capitais de estados e cidades litorâneas, destacando-se Santos, entre elas. O estado que nos chama a atenção, entretanto, é Rondônia, onde o rito floresce admiravelmente comparado a outros. Em Santa Catarina, em 2009, havia 7 lojas, sendo 4 delas Acadêmicas ( Universitárias ), o que promete um bom futuro ao rito e à maçonaria catarinense, presumindo-se a renovação de idéias.

O Rito Francês Moderno é praticado no simbolismo como os demais, com 3 graus simbólicos: Aprendiz, Companheiro e Mestre.

Nos Capítulos, que são lojas reservadas a graus superiores, pratica-se do grau 4 ao 7, onde realmente ainda se tem o que estudar em termos filosóficos, e os graus 8 e 9, administrativos e criados com a finalidade de administrar o rito, como nos demais ritos que possuem altos graus (graus 31 a 33 no REAA), onde um grupo determina quem é admitido nele ou não (Supremo Conselho), além do que, sendo administrativos, nada tem de simbolismo ou filosofia, apenas mais material (paramentos e medalhas, diplomas, etc.) para ser pago e tempo para deslocamentos em viagens. Mas quem tem desejo e curiosidade que vá em frente, afinal, opiniões são livres. Enfim, essa é uma vaidade da qual os maçons gostam. Graus, paramentos, comendas. Se esse for o preço de um bom desempenho social, tudo bem, vale a pena, senão, fica no vazio, no ridículo de pagarmos para nos fantasiarmos e não entendermos o que significa a própria roupa que usamos.

Muitos maçons não passam de números em nossas fileiras, não saberiam nem mesmo dizer porque foram iniciados, mas eles acabam sendo necessários para exercitarmos a tolerância e a fraternidade.

Esse é o fato que podemos lamentar de uma Instituição tão admirável, tão propícia ao ensinamento de chefes de família a utilizarem-se de uma ferramenta tão boa que é o bom exemplo, a pratica das virtudes e combate aos vícios morais, para educarem seus filhos e próximas gerações. Culpas? Não da instituição, mas nossa mesmo, somos muito normais, muito comuns.

Por isso, precisamos nos elitizar sim, mas no aspecto intelectual, moral e sermos os que indicam só caminhos às novas gerações e não seguir atrás dos demais movimentos que nascem sem rumo, como temos seguido.

O Rito Moderno tem uma outra grande virtude também: quem não estuda, não desenvolve trabalhos, ou seja, é preguiçoso, não dura muito tempo nele, nem na própria maçonaria, pois ficará entediado. Não valorizamos a estética ritualística e sim o que ela significa, ou seja, o simbolismo.

Outra coisa o Rito Francês nos ensina também, que braços cruzados não produzem. Se quisermos que ter algo, temos que conquistar com trabalho e não com milagres. Aliás, milagre é resultado de um mínimo esforço.

A espada que é um importante símbolo em nosso rito, simboliza as lutas que devemos travar em busca dessas conquistas, passando pelos obstáculos que se colocam à nossa frente. Ela simboliza também a igualdade, onde um nobre ou um operário tinham (e continuam tendo) o mesmo valor em loja, a mesma força e o mesmo respeito quando revestidos dessa autoridade que ela nos empresta (a força de vontade).

O Livro da Lei, nos ritos teístas, é a Bíblia Sagrada ou o livro da religião da maioria dos irmãos (judeus, muçulmanos e cristãos), enquanto no rito Francês é a Constituição do Grande Oriente do Brasil ou, em sua ausência, a Constituição de Anderson de 1723 ou ainda, a Constituição da República Federativa do Brasil de 1888, leis às quais a loja (seus membros) está subordinada. A Constituição nos mostra a lei dos homens, que nos rege em conjunto, às quais devemos obedecer racionalmente. Já as leis da divindade, cada um se sujeita à qual preferir. É de seu livre arbítrio.

Não podemos obrigar a um cidadão a seguir os 10 mandamentos se ele não quiser, mas às leis do país, da potência maçônica, ao regimento interno da loja, ou seja, às leis dos homens todos nós estamos sujeitos, independentemente da religião crença ou fé. Portanto, aqui no planeta Terra, seguimos leis escritas e as naturais, enquanto as leis “divinas” segue-se como cada um quiser. Isso não nos afasta de crenças e dogmas, somos livres. O rito é adogmático, o rito é laico, como deveria ser toda a maçonaria, não por ser contrário a qualquer crença, mas por admitir qualquer possibilidade sem impor nenhum dogma, nenhuma orientação

O rito tem essas características e, no mais, fica reservado a quem pretender conhecê-lo, só reforçando que ele é lastreado no Iluminismo, no Humanismo e na prática da Democracia, que formam a base de sustentação de sua existência, posto que nasceu em pleno século das luzes, no auge Iluminista. A maioria tem preferência. A razão sobrepõe a ignorância. O espírito (inteligência) sobrepõe o fanatismo. Eis uma explicação sobre o Rito Francês Moderno.

Publicado on outubro 5, 2012 at 8:53 am  Comments (6)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/o-rito-frances-moderno-e-os-demais-ritos-praticados-no-brasil/trackback/

RSS feed for comments on this post.

6 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Sou obreiro na A∴ R∴ L∴ S∴ de Amigos 3432 operando no rito moderno, antes de mais nada, parabéns à prancha, usei-a como base de pesquisa para outra prancha minha, exprime com firmeza e detalhamento, a essência do nosso Rito, afastando as nefastas comparações, da maçonaria com religião. Parabéns meu Irmão.

  2. Excelente texto,

    A metodologia adotada pelo Rito Moderno deveria ser a tônica de toda a Maçonaria, inclusive dos demais ritos.

    É muito incoerente que gritemos aos quatro cantos que Maçonaria não é religião e uma gama considerável de maçons veja a Loja como um “Templo religioso”.

    Pior é observar que, em cada vez mais, a liberdade de pensamento e de consciência tem sido tolhida em nossos Lojas, cresce a desconfiança para com aqueles que divergem do pensamento dominante, esvaziam-se os debates de natureza filosófica e a preocupação para com as questões sociais, políticas, econômicas e ambientais de nosso País.

    Espero que consigamos mudar essa nossa atual história, para que não sejamos lembrados como a geração maçônica que em nada contribuiu para o desenvolvimento de nossa sociedade e de nosso País, se é que seremos lembrados.

  3. S,´,S,´,S,´, Gostaria se fosse possivel, mandar um material para pesquiza, sou Mestre do 3g,´,, e simpatizei com o texto do Ir,´, Marco Piva. TFA,´,

    • Modestamente, acreditamos que este site contém material de pesquisa suficiente sobre maçonaria.

  4. Boa noite, gostaria de saber como eu poderia ingressar a uma loja que trabalhe com o Rito Francês Moderno. A anos venho estudando A grande Maçonaria e sinto de coração, que o Rito Francês Moderno é o que me mais chama a atenção de um dia poder praticá-lo.
    Muito obrigado.

  5. Espetacular.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: