O Rito Escocês Antigo e brasonado …

Tradução José Filardo

por  Pierre Mollier

 

Brasão do grau de "Príncipe do Tabernáculo," grau 24 do REAA, por Jean-Nicolas Bouilly, 1837 al. SC-GCREAA-GODF PM Foto P.M.

Brasão do grau de “Príncipe do Tabernáculo,” grau 24 do REAA, por Jean-Nicolas Bouilly, 1837 al. SC-GCREAA-GODF PM Foto P.M.

Da Idade Média até o século XIX, a heráldica – a “ciência das armas” – é um forte ramo da iconografia europeia. Além disso, ela não está alheia à questão do símbolo. Portanto, não é surpreendente encontrá-la muito presente na história da Maçonaria. No século XVIII, as lojas tomam as armas como emblemas distintivos e certos sistemas maçônicos, por exemplo, o Rito Escocês Retificado, dotam os titulares dos seus altos graus com brasões. No século XIX, o romantismo e seu gosto “trovador” suscitam a criação de uma heráldica maçônica neo-gótica das mais surpreendentes.

Aprendemos ainda na escola que o século XIX começa em 1815 e não vamos dizer nada – por enquanto! – armas maçônicas sob o Império … Em uma atmosfera cultural que não está livre de motivos políticos, a Restauração vê florescer o gosto “trovador”, que retrata em uma atmosfera Walter Scott e “St. Louis sob o seu carvalho” uma Idade Média idealizada que, naturalmente, nunca existiu. Sempre marcada pela evolução do “mundo profano” que a rodeia, a Maçonaria também é muito sensível a esta mania neo-gótica conforme evidenciado, por exemplo, pelo sucesso do “Cavaleiros Templários” de Fabre Palaprat. Esta invasão de torneios, estandartes e outros escudos também é encontrada nas Lojas e uma mistura singular de novas ideias e emblemas “trovadores” ainda aparece como bastante característicos na maçonaria dos anos 1830. Em 1837, a publicação do – então conhecido – Jean-Nicolas Bouilly, a explicação dos doze escudos que representam os emblemas e símbolos de doze graus filosóficos for Rito Escocês, dito Antigo e Aceito se inscreve nessa corrente. Os brasões de armas propostos pelo Irmão Bouilly tomam grandes liberdades em relação às regras clássicas. Mas, a colocação símbolos em brasões de armas tem como objetivo primeiro enfatizar a ligação entre os altos graus da Maçonaria e a cavalaria medieval trazida à moda da época pelo romantismo. Em uma decoração de paredes e sob a luz da lua, cada brasão proposto por Bouilly revela o “sentido místico” de um grau do Rito Escocês Antigo e Aceito. Em 1875, Loth retoma esse princípio em O Rito Escocês Antigo e Aceito – Ilustrações dos Emblemas dos trinta e três graus …, publicado simultaneamente em Edimburgo e Paris.

Mas a peça que descobrimos em um pacote esquecido de arquivo leva ainda mais longe esta heráldica iniciática sonhada pelos leitores de Notre Dame de Paris. Usando a antiga regra da partição do escudo, ela quer colocar todos os graus do Rito Escocês em um único e mesmo escudo para ali tornar os grandes brasões significativos. “Partido”, “cortado”, “esquartejado” … segundo o vocabulário da heráldica clássica, e se tem o escudo dividido em setores separados e justapostos. Em geral, trata-se de retratar graficamente a união de famílias e feudos. As “famílias reais” utilizaram muito esta técnica para demonstrar suas raízes na história e a importância de sua zona de influência dinástica. Assim, os Bourbons espanhóis e especialmente os Bourbon-Sicília exibem brasões extremamente carregados. O sol do Mediterrâneo também aumentou a “partição” na heráldica maçônica com estes extraordinários brasões da “Sapientissima Grande Logia del Grande Oriente Nacional de España”. Reunindo uma dezena de lojas, esta é uma das potências menores que compartilham a paisagem maçônica muito fragmentada do século XIX. Naturalmente, com a coroa e o “manto” de arminho, as 29 partes deste escudo apresentam os símbolos dos principais graus do REAA. Note-se também que as regras de partição do brasão são aqui aplicadas com alguma fantasia.

 

Publicado 22 de fevereiro de 2017 – http://www.fm-mag.fr/article/tradition/le-rite-ecossais-ancien-1474

Anúncios
Publicado on fevereiro 24, 2017 at 1:36 pm  Comentários desativados em O Rito Escocês Antigo e brasonado …  
%d blogueiros gostam disto: