Novo Desafio da Maçonaria

Fabio Pedro-Cyrino, M.I., 33REAA, 9RM

Ao longo de sua história, a Maçonaria, não aquela das lendas e tradições românticas, de tempos imemoriais, das guildas de ofício que pretendiam manter uma reserva intelectual de mercado, mas sim a Maçonaria como Instituição, fruto de um momento social iluminista nascido nos últimos instantes do século 17 e primeiras décadas do século seguinte, sempre enfrentou oposição do chamado “mundo profano”, principalmente por seu caráter sigiloso, reservado e secreto.

Nestes quase 300 anos de existência oficial a ser completada agora em 2017, a Maçonaria se deparou com fortes movimentos que pretenderam controlá-la e até mesmo suprimi-la, com a eliminação de suas estruturas, a prisão e mesmo a condenação à morte de seus integrantes. A Maçonaria tem enfrentado inúmeras tentativas de sua supressão, desde a emissão da primeira Bula papal, a In Eminenti, por parte de Clemente XII, em 28 de abril de 1738, até os fortes ataques sofridos ao longo do século 20 por nações totalitárias de caráter fascista. Mesmo assim a Maçonaria sempre representou ao mesmo tempo um farol de conquistas sociais, de Liberdade e de Igualdade entre os Homens, e uma ameaça àqueles que pretendiam a perpetuação de um status quo baseado no controle do Estado e da Sociedade por poucos, uma elite perversa que visava ao controle do conhecimento, dos meios de produção e das liberdades individuais.

Nestes últimos 300 anos, em suas fileiras, a Maçonaria abrigou líderes políticos, libertadores, intelectuais, filósofos, cientistas e artistas: de Saint-Martin, Washington, José Bonifácio e Bento Gonçalves; de Voltaire e Franklin; de Mozart e Puccini a Montaigne e Fleming. A Maçonaria sofreu e sobreviveu, sempre permanecendo imune aos ataques externos e internos à sua estrutura globalizada, em uma época em que o termo ainda nem sequer havia sido cunhado.

Nestes 300 anos, lutou-se pela Liberdade social, pelo acesso universal à instrução, pelo direito de acesso aos meios de produção, pela liberdade política, pela defesa dos Estados laicos e pela comunhão entre os povos. Lutou-se pelo fim do Absolutismo; pelo fim da Escravidão; pela eliminação das oligarquias na sociedade; pela eliminação do totalitarismo de Hitler, Mussolini e Franco, exemplos de Estados onde a Maçonaria foi perseguida e praticamente eliminada, com a morte de aproximadamente 400.000 maçons em campos de extermínio, conforme os registros oficiais apontam; lutou-se pelo fim da Ditadura do Proletariado nas quatro décadas após o término da Segunda Guerra Mundial e tem se lutado ainda pela supressão das injustiças sociais e econômicas.

Embora, no passado, sempre se apresentando de modo unificado junto a sociedade profana, a Maçonaria Universal internamente sempre teve que conviver com certa partidarização.

Em sua origem etimológica latina, um partido é um grupo de seguidores de uma ideia, de uma doutrina ou de uma pessoa. Na acepção moderna e estrita da palavra, um partido significa uma “união voluntária de cidadãos com afinidades ideológicas e políticas, organizada e com disciplina, visando uma disputa do poder político”, o que pode ser verificado através da definição dada por dois grandes pensadores modernos: para o filósofo alemão Friedrich Hegel (1770-1831), um partido seria uma esfera constitutiva da vida social, caracterizada pelos conflitos de interesses e pela competição de indivíduos e corporações, que somente supera suas contradições com a ação universalista do Estado; já para filósofo italiano Antonio Gramsci (1891-1937), seria a esfera social de organizações privadas, associações e instituições de natureza econômica e/ou política, caracterizada pela produção espontânea de idéias, pactos e acordos capazes de consolidar ou contestar a sociedade através da busca pelo poder.

Deste modo, a Maçonaria estaria mais associada à origem antiga da palavra, por serem os seus membros ou integrantes seguidores de uma ideia e de uma doutrina, do que a disputa exata por um poder político.

A Maçonaria Simbólica inglesa, nesse sentido, reafirmou desde 1717 esse posicionamento ao proibir a discussão política-partidária durante as reuniões maçônicas, assegurando com isso certa independência filosófica e garantindo um posicionamento acima de correntes ou grupos partidários; na grande maioria das Obediências maçônicas mundiais tal posicionamento foi mantido, ressalvadas as exceções devidamente reconhecidas, principalmente as oriundas da Maçonaria francesa.

Historicamente, os integrantes desta segunda corrente, de origem francesa, sempre defenderam e assumiram, expressa e publicamente, que a natureza da Maçonaria seria superior à soma dos indivíduos que a compõe e que os seus Obreiros existem para servir a Maçonaria, ao invés da Maçonaria existir para servi-los, transformando os assuntos particulares em “assuntos de Estado”, restritos a uma esfera superior e por vezes ignorando-se por completo os fundamentos de nossa Instituição.

Valendo-se desta ótica, essas correntes sempre buscaram com tais atitudes construir um “culto ao personalismo”, com a constituição de uma pseudo-liderança carismática. Valem-se de teorias filosóficas políticas que afirmam que caberia à Maçonaria dar aos seus membros uma unidade moral e vontade únicas, com uma efetiva existência, desde que os interesses democráticos estabelecidos sejam plenamente controlados. Estes valem-se de um posicionamento político existente desde a década de 1920: “Tudo no Estado, nada fora do Estado, nada contra o Estado”, ou por silogismo, “Tudo na Maçonaria, nada fora da Maçonaria, nada contra a Maçonaria”, desde que a “Maçonaria” se restrinja a uma concepção muito particular sobre o que é certo e o que é errado. Os recentes acontecimentos envolvendo a Grande Loja Nacional Francesa é o extremo desta situação, onde a crise interna acabou levando à suspensão do reconhecimento internacional daquela Instituição.

No caso brasileiro, esta tal “partidarização” maçônica interna sempre foi algo inerente à própria natureza de nossa Instituição: desde a fundação do Grande Oriente Brazílico em 1822 e sua “refundação”, em 1832, grupos distintos têm coexistido internamente de certa forma harmoniosa. Claro que em determinados momentos, posicionamentos extremos levaram às conhecidas cisões dos séculos 19 e 20. Apesar disto, a Maçonaria Universal, sobretudo a brasileira, sempre se manteve “democrática” e tem sobrevivido às crises, reconstruindo-se e se fortalecendo novamente

A Maçonaria Simbólica, internacional e particularmente a brasileira, vive de sua pluralidade, pluralidade esta de ideias e de posturas, não sendo cabível qualquer forma de comportamento contrário a este direito inalienável em nossas fileiras.

Mas quais desafios a Maçonaria deve vencer?

Que importância a Maçonaria hoje em dia representa para a sociedade profana, como um todo? Não estaríamos vivendo numa suave indolência, um dolce far niente, na pior interpretação da expressão, vivendo dentro da ilusão de que representamos algo de importante na constituição de nosso meio?

Podemos, para iniciar um estudo mais aprofundado posterior, analisar alguns conceitos e alguns dados estatísticos proporcionais e absolutos referentes à Maçonaria mundial.

Sabemos que a questão da regularidade é algo complexo. Por tradição a questão da regularidade é ligada ao chamado Grupo Principal, do qual fazem parte a GLUI, o GOB, parte da CMSB e as Grandes Lojas dos EUA. Sabemos que uma Obediência para ser regular possui uma gama de procedimentos para ser aceita por este grupo principal, sejam os procedimentos de fundação, estrutura organizacional e administrativa, bem como os valores para filiação e iniciação. Esses procedimentos também demandam muito jogo político e acordos entre os já existentes, como foi o caso dos tratados de reconhecimento e amizade firmados entre o GOB e algumas Grandes Lojas Estaduais na década de 1990.

O total de Obediências espalhadas pelo mundo e não ligadas ao Grupo Principal é difícil de se determinar, mas há inúmeras Obediências para todo gosto e preferência, inclusive nos países mais tradicionais como a Inglaterra e França. Para se ter uma ideia, só na Inglaterra, além da Grande Loja Unida da Inglaterra (oficial) há ainda mais 2 outras “obediências” (Grand Lodge of All England at York e a Regular Grand Lodge of England, ligada ao Masonic High Council), num total de 3 corpos ligados à Maçonaria, independente de sua regularidade ou não. O caso específico do Brasil a nosso ver é o mais “preocupante”, uma vez que há Obediências de todo tipo e denominação.

Navegando pela internet e tomados por curiosidade resolvemos empreender uma breve pesquisa de quantas “maçonarias” existem atualmente no Brasil e o número é assustador:

Tirando-se o Grande Oriente do Brasil e seus 27 federados e 4 das 27 Grandes Lojas Estaduais, ligadas à CMSB, as únicas Obediências ligadas ao Grupo Principal no Brasil, ainda existem inúmeras outras obediências que se autoproclamam regulares ou que fazem parte de outras associações internacionais como a CLIPSAS – Centro de Ligação e de Informação das Potências Signatárias do Apelo de Estrasburgo ou a CIMAS – Confederação Interamericana de Maçonaria Simbólica e que aceitam todo tipo de orientação maçônica sejam elas mistas, exclusivamente masculinas ou femininas e que são associações independentes do Grupo Principal. Os Grandes Orientes Independentes, congregados na COMAB, apesar do bom relacionamento pontual com os Grandes Orientes Estaduais ligados ao GOB não são internacionalmente reconhecidos pelo chamado Grupo Principal. Pelas somas, temos 116 “maçonarias” no país, destas 112 não-reconhecidas pelo Grupo Principal. Deve ser um recorde mundial de associações maçônicas, e isso sem considerarmos todas as obediências filosóficas de todos os ritos existentes no país.

Hoje há em torno de 190 Obediências espalhadas pelo mundo que fazem parte do grupo denominado “reconhecido”, grupo este encabeçado pela Grande Loja Unida da Inglaterra e do qual o Grande Oriente do Brasil e as Grandes Lojas dos Estados de São Paulo, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro fazem parte. As demais Grandes Lojas Estaduais brasileiras não possuem o amplo reconhecimento mundial, muito menos os Grandes Orientes Independentes.

Deste modo, podemos analisar os seguintes dados:

Das 190 Obediências regulares espalhadas pelo mundo, 172 delas possuem publicamente divulgados os números que as compõem com relação ao número de Lojas e de Obreiros. Essas 172 são as principais em números de obreiros e lojas; as 18 restantes são Obediências de pouca representatividade localizadas principalmente no continente africano e as recém fundadas Obediências do Leste Europeu que a partir da queda dos governos socialistas estão tentando se reorganizar naqueles países.

A Obediência com o maior número de Lojas e Obreiros é a Grande Loja Unida da Inglaterra (237.923 Obreiros e 7.945 Lojas, com uma média de 30 Obreiros por Loja); seguida pela Grande Loja da Pensilvânia (EUA) (114.447 Obreiros e 432 Lojas, com média de 265 Obreiros por Loja); Grande Loja de Ohio (EUA) (106.870 Obreiros, 512 Lojas, média de 209 Obreiros por Loja); Grande Loja do Texas (EUA) (92.420 Obreiros, 873 Lojas, média de 106 Obreiros por Loja) e em 5ª posição, o Grande Oriente do Brasil (71.577 Obreiros, 2.605 Lojas e média de 27 Obreiros por Loja).

As três últimas da relação são a Grande Loja da Eslováquia, a Grande Loja da Ucrânia e a Grande Loja do Congo, cada uma delas com pouco mais de 50 Obreiros no total.

Os Estados Unidos da América é o país com o maior número absoluto de maçons regulares, com 0,478% da população do país sendo maçons regulares, com 1.476.341 maçons dentro de uma população de 308.745.538 habitantes, organizados nas diversas Obediências em cada um dos estados daquele país.

Essa é uma análise realizada sobre os números absolutos encontrados, uma simples listagem de quantos somos, e que produzem na verdade uma falsa ideia de que somos grandes pela quantidade de pessoas que se encontram em nossas Colunas. Mas há outra forma de se analisar esses dados que é o de

se verificar a % de Maçons que há em cada país ou região em função do número de habitantes que neles existem. Será que a estatística se repetiria?

A Obediência com o maior representatividade frente à população de sua região ou país é a Grande Loja do Maine (EUA), pois os seus 19.968 Obreiros representam aproximadamente 1,503% da população daquele estado norte-americano; seguida pela Grande Loja da Virginia Ocidental (EUA), com 22.078 Obreiros e representando 1,187% da população; e pela Grande Loja de Vermont (EUA) com 6.685 Obreiros e 1,075% da população. As Obediências menos representativas são a Grande Loja da Rússia com 418 Obreiros e 22 Lojas, representando 0,0003% da população do país; a Grande Loja do Reino do Marrocos, com 80 Obreiros, 5 Lojas e 0,0002% da população; e a Grande Loja da Ucrânia, com 57 Obreiros e 3 Lojas, representando 0,0001% da população do país.

As primeiras cinco Obediências do critério anterior ocupam as seguintes posições: a Grande Loja Unida da Inglaterra ocupa a 40ª posição, com 0,44% da população do país; a Grande Loja da Pensilvânia (EUA) ocupa a 7ª posição, com 0,921% da população; a Grande Loja de Ohio (EUA) ocupa a 6ª posição, com 0,932% da população; a Grande Loja do Texas (EUA) ocupa a 46ª posição, com 0,368% da população; e o Grande Oriente do Brasil ocupa a 109ª posição, com 0,038% da população do nosso país.

fabio2

Em números relativos às quatro Grandes Lojas Estaduais Brasileiras reconhecidas ocupariam uma posição de maior relevância em suas regiões que o GOB frente à totalidade do país: a Grande Loja do Espírito Santo está na 70ª posição, com 0,195% da população do estado; a Grande Loja do Mato Grosso do Sul na 83ª posição, representando 0,097% da população; a Grande Loja de São Paulo na 97ª posição, com 0,051% da população; e a Grande Loja do Rio de Janeiro na 100ª posição, representando 0,046% da população.

Se analisarmos o número de maçons por país e sua porcentagem com relação à sua população, encontramos os seguintes números:

O país com maior número relativo de maçons é a Islândia com 0,845% da população do país sendo maçons regulares, com 3.409 maçons dentro de uma população de 403.367 habitantes; seguida pela Irlanda com 0,665% da população do país sendo maçons regulares, com 41.239 maçons dentro de uma população de 6.197.100 habitantes; pela Escócia com 0,632% da população do país sendo maçons regulares, com 32.984 maçons dentro de uma população de 5.222.100 habitantes.

As quinze maiores Obediências do mundo, em números relativos, seriam:

Se fossemos considerar a somatória do número de maçons das três principais organizações maçônicas brasileiras – o GOB, a CMSB e a COMAB – representaríamos 0,1101% da população brasileira e passaríamos da 21ª posição no ranking de Obediências para a 15ª posição, mesmo assim ainda atrás de Austrália, Dinamarca, Uruguai, Finlândia e Cuba. Em números absolutos seríamos a 2ª Obediência Maçônica do mundo atrás somente da Grande Loja Unida da Inglaterra.

Os 10 primeiros países em números relativos de maçons em função de sua população coincidentemente são os países que apresentam excelentes posições no índice de IDH (índice de desenvolvimento humano) adotado pelas Nações Unidas.

Fica então a questão:

O grau de desenvolvimento nos campos educacional, cultural, econômico, político e social refletiria também a participação da Maçonaria na organização da sociedade profana desses países? Ou estes números seriam apenas uma coincidência estatística? O Brasil e os países com baixo IDH são os que estão na outra ponta desta relação. Também seria apenas uma coincidência estatística?

É algo que precisamos analisar com grande reflexão e clareza para definirmos o grau de atuação de nossa Instituição dentro de um plano maior pelo bem de nossa sociedade e de nossas nações.

Mas antes de qualquer ação concreta, antes de se voltar à sociedade profana, a Maçonaria deve se reinventar, não no sentido de se criar um novo padrão de atuação, mas sim de se retornar aos princípios defendidos e elaborados por aqueles que “inventaram” a Instituição; uma reformulação da “ética maçônica” com vias ao re-exame dos hábitos dos maçons e do seu caráter em geral, de modo a se evitar o desmoronamento dos pilares de sustentação da Instituição; um re-exame das reais necessidades da Maçonaria, principalmente com relação àqueles que pretendem ocupar a liderança e a representação de nossa Ordem, guindando-se aos seus maiores postos, não só o mais carismático, mas também aquele que seja mais preparado do ponto de vista ético, intelectual e moral.

Agora nestas primeiras décadas do século 21, a Maçonaria, de uma maneira geral, enfrenta um inimigo maior que todos aqueles que já a confrontaram: a indiferença. A indiferença por parte de seus integrantes de que não há mais batalhas a serem vencidas; a indiferença e a acomodação por parte de seus integrantes de que as grandes causas se resumem a encontros sociais e a discursos vazios desassociados da realidade prática de um mundo em transformação, um mundo que exige respostas rápidas para questões cada vez mais complexas; a indiferença por parte de seus integrantes com relação aos equívocos internos e à luta insana por um poder sem poder algum; a indiferença diante de grupos que simplesmente se esquecem dos compromissos assumidos no instante de suas iniciações.

Portanto, o maior inimigo da Maçonaria Universal não está somente no crescimento de movimentos antimaçônicos, no crescimento de teorias de conspirações, nos ataques de grupos extremistas que tem se infiltrado dentro da Ordem, com o intuito de se valer da “proteção” de seus templos para fins menores e escusos. O maior inimigo da Maçonaria está na constituição, internamente, em nossas fileiras, de grupos de interesses particulares, na construção de uma oligarquia, de um governo de poucos, por si só perverso, com pretensões de se perpetuar no poder da Instituição, transformando-se numa autocracia (uma forma de governo na qual um único homem detém o poder e o controle absoluto em todos os níveis de governo sem o consentimento dos governados) ou mesmo numa plutocracia, onde os mais ricos governam independentes da capacidade que estes possam ter. O que se tem visto de uma forma generalizada é que os interesses maiores, os interesses sociais e culturais de grande parte da sociedade profana e maçônica, foram deixados de lado, em troca de uma política feita para se garantir regalias efêmeras e reuniões festivas sem significados maiores.

Necessitamos de um novo padrão de comportamento voltado para se vencer os desafios referentes à construção de uma sociedade profana baseada nos princípios fundamentais defendidos pela Ordem, ou seja a formação de Homens preparados para a diminuição das diferenças existentes entre as classes, não somente sob a ótica econômica, mas também do ponto de vista cultural e educacional, sobretudo em função da “concorrência” existente pelas inúmeras ONGs, OSCIPs e Associações de Voluntariado que atuam em toda parte do mundo e que se especializaram em pontos específicos necessários à evolução da Humanidade. Hoje, essas associações sem fins lucrativos tratam de inúmeras questões que vão desde a

Liberdade Política, de Imprensa e de Expressão, as questões ambientais, questões raciais, educacionais e culturais. Isso em uma análise bem ampla poderia ser um dos motivos que justificaria a dimininuição significativa do número de maçons na maioria dos países. Apenas para ilustrar, durante a década de 1960 o número de maçons nos EUA girava em torno de 6 milhões de maçons; hoje se restringe a pouco mais de 1,5 milhão de maçons. Não podemos também deixar de notar que essa diminuição é inversamente proporcional ao crescimento populacional daquele país e do mundo como um todo. Certamente há aqueles mais responsáveis do que outros, mas a verdade seja dita outra vez, se procurarmos um culpado da situação atual mundial da Maçonaria, basta que olhemos para um espelho.

A Maçonaria, que deve ser com seus nobres princípios o meio refletivo para a Sociedade e não a Sociedade inspirar com seus defeitos a condução e a ação da Maçonaria Universal, tem sido vítima daquilo que ela própria combate, distorcendo nossos princípios fundamentais em prol de comportamentos incompatíveis com o que a sociedade espera de nós mesmos.

A Maçonaria Universal prega a Tolerância, mas infelizmente o termo está sendo corrompido pela vaidade de alguns poucos que enxergam a Ordem como um palanque de suas frustrações e incapacidades pessoais. A Tolerância deve servir como um parâmetro de conduta e não como meio de omissão diante dos problemas da Sociedade e de nossa própria Sublime Ordem. A Tolerância não deve ser, portanto encarada como uma desculpa, como um ato de omissão e de concessão de privilégios, mas sim seguir como uma das Virtudes cardeais do Maçom, sendo o princípio auxiliar de difusão da Justiça e o meio norteador de nossas ações. A Tolerância deve, principalmente dentro de nossa Sublime Ordem, não ser transformada em excessiva Condescendência, e com isso permitir que a Liberdade seja transformada em Liberalidade. Os erros, as falhas, os defeitos de cada um de nós devem ser apontados sem temor, mas sempre com Justiça e embasados em fatos verdadeiros e não em fatos fabricados, para que a Maçonaria não venha a ser um espelho das faltas do mundo profano; para não permitirmos que os vícios do mundo encontrem guarida entre as nossas Colunas.

Devemos ser vaidosos não por aquilo que pretendemos ser, mas sim, orgulhosos por toda ação e comportamento que nos identifiquem e reconheçam como Homens preparados para transformar o Mundo. Devemos lutar para que os exemplos de valorização do Homem, da História e da Cultura que sempre foram os grandes pilares da Maçonaria iluminem o mundo de trevas profano a partir de nossas fileiras e não o oposto, pois não podemos permitir que as trevas desse mesmo mundo obscureçam as Colunas de nossa Instituição. A Maçonaria já trabalha e muito, mas ainda há muito a ser feito, uma vez que os desafios do mundo não deixaram de existir, mas sim tomaram outra forma. Nesse ponto que acreditamos que a Maçonaria não pode ser uma Instituição de nobres ações isoladas, ações estas empreendidas principalmente pelas Lojas individualmente. Não temos a manifestação da Maçonaria como INSTITUIÇÃO, pois é isso o que realmente vale para o mundo profano na atualidade.

Devemos ter em mente que nossa Instituição é singular, tanto por sua estrutura e seu alcance internacional, e um dos pontos que nos unem é a Tradição e o conhecimento a fundo de nossa evolução e história particular.

Há uma máxima no estudo da História que é mais ou menos assim: É preciso estudar a História para não cometermos, no futuro, os erros do passado e ao mesmo tempo não pode deixar de cometer

erros, pois são com os erros que os homens de bom senso aprendem a sabedoria para o futuro. Pois bem, acreditamos nisso e nisso nos baseamos ao defender um retorno à tradição das estruturas da Maçonaria – a prática original da Maçonaria Simbólica e a essência de seus ritos em sua consolidação não impedem que uma organização seja evolucionista ou progressista, uma vez que os objetivos de nossa sublime Ordem apenas nos organizam em torno de objetivos maiores e comuns. Nisso a Maçonaria muito acertadamente, como toda organização digna de nota, instituiu e tem pregado desde sua fundação oficial há quase 300 anos.

Mas precisamos ter em mente também que Tradição não significa retrocesso.

Evolução e tradição são duas vias que caminham e devem seguir juntas, não somente em Maçonaria, mas em diversas Instituições seculares ainda existentes. Afirmamos que precisamos parar de discutir banalidades dentro da Ordem, que os nossos trabalhos devem ser revistos, no sentido de se propiciar uma verdadeira evolução de seus membros e consequentemente da sociedade, contudo a revisão deve ser mais voltada ao comportamento dos Obreiros que uma revisão na essência da Instituição. Nós podemos “modernizar” os nossos rituais e os procedimentos internos (o que particularmente entendo como sendo o primeiro passo para o fim definitivo de nossa Instituição, a pá de cal que falta), mas se não adotarmos uma revisão do comportamento e da postura da Ordem como um todo, de nada adiantará vivermos apenas das glórias do passado de nossa Sublime Instituição.

Os objetivos de nossa Sublime Ordem existem e são claros: basta lermos os rituais do grau de Aprendiz de qualquer rito, e encontraremos claramente lá o que deve ser realizado.

Apenas precisamos colocá-los em prática, pois não podemos nos esquecer que a Liberdade, a Igualdade e a Fraternidade não são meras palavras vazias, mas sim, perspectivas de um mundo melhor.

fabio3

Julho/2015

O Ir.'. Fabio Pedro-Cyrino, M.I., 33REAA, 9RM  é 
Grande Secretário Estadual de Orientação Ritualística 
do Grande Oriente do Brasil / Grande Oriente de São Paulo
Publicado on julho 20, 2015 at 10:06 am  Comments (6)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/novo-desafio-da-maconaria/trackback/

RSS feed for comments on this post.

6 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Caros Ir .´.

    Caro J. Filardo por este texto que acompanhei e de alguns outros retro, a Maçonaria me parece que ficou no passado, e só olhar um grande ponto de perca citado neste texto que na decada de 1960 os maçons nos Estado Unidos giravam em torno de 6 milhões e hoje se restringe a 1,5 milhão. ou seja, não fizeram antecessores a arvore não cresceu faltou adubo, se os 6 milhões da decada de 60 não tiveram ou sucesso em encontrar pessoas livre e de bom costumes para as colunas na minha opinião foi uma falta de animo dos participantes ou ate mesmo um desleixo,… bom me desculpa se eu estiver errado tentarei entender a lógica que me explicarem.

    Outra parte do texto que se diz que no Brasil temos 116 maçonarias e destas 112 não são reconhecida pelo grupo principal. Ai eu me recordo de um texto anterior onde e abordado o assunto de aproximação de dialogo e assim se pode fazer um estudo mais profundo de cada potencia maçonica, que seja as 112 não reconhecida e assim dialogar para que se chegue e se reconheça a verdadeira moral de um maçom que não e tão difícil, ou seja o corpo e feito de carne e osso e o espirito e feito do que?
    Acho que também que a grande Loja da Inglaterra que e a herdeira dos antigos maços pedreiro da idade media, acho que o umbigo deve olhar para o corpo.
    Acho que a boa educação e uma sinceridade expressada com cautela para se dialogar e não ferir o próximo diretamente.

    Te agradeço pelo texto que para mim e uma oportunidade de crescimento, gostaria que continuasse sempre assim meu irmão se for da tua vontade.

    Tfa Ir.´.

    Rogério

  2. Parabéns pelo texto que remete a reflexão – para reeducação, revitalização, readequação, e entendimento da resiliência/Maçonaria.
    Sugiro a criação de um FÓRUM de debate para entendimento do impacto do “mundo contemporâneo” no meio ambiente interno da maçonaria.

    Att

    • O fórum já existe, brother Vagner. Chama-se Loja Maçônica.

  3. […] Novo Desafio da Maçonaria. […]

  4. Excelente.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: