No mundo anglo-saxão: Uma Maçonaria entre o declínio e a renovação

Tradução José Filardo

 

por  Michel Jaccard

 

Foto: Michel Jacquard

Foto: Michel Jaccard

 

Os britânicos que colocaram os pés na Austrália e Nova Zelândia nos momentos fortes da colonização ali implantaram o conteúdo social e cultural do país de sua Graciosa Majestade. Eles fundaram as primeiras lojas desde o início do século XIX. Essas oficinas estavam primeiro ligadas às Grandes Lojas Provinciais ou Distritais das três Grandes Lojas Britânicas. Mas a partir do final do século XIX, começaram a criar uma Grande Loja cobrindo o território nacional. Hoje ainda da maçonaria “lá de baixo ” ainda é muito marcada pelo espírito da Grande Loja Unida da Inglaterra. Refere-se a uma instituição com costumes muito diferentes da maçonaria dita “continental” e que deve enfrentar uma série de desafios para garantir o seu futuro.

 

Potências muito presentes

As potências dispõem de uma estrutura administrativa consistente e extensos poderes. O número de Grandes Oficiais é alto, contando, por exemplo, mais de 150 no seio de uma das Grandes Lojas Australianas. Tal estrutura pode parecer desproporcional, se olharmos os efetivos atuais mais reduzidos que pelo passado. Pode-se subir gradualmente na hierarquia da Grande Loja e os membros do Grande colégio dispõem de uma experiência de gerenciamento consistente. A desvantagem, de acordo com certas línguas afiadas, é a existência de uma um grupo privilegiado, uma “nomenklatura” pouco disposta a introduzir mudanças ou reformas. Esta maçonaria tem o senso de decoro: a visita do Grão-Mestre, ladeado por mais de uma dúzia de Grandes oficiais, de um porta-espada, um porta-estandarte e um trompetista pode impressionar… As Grandes lojas têm impressionantes edifícios em estilo neoclássico localizados principalmente na capital, compreendendo templos grandes e pequenos, salas de reuniões e de banquetes, escritórios administrativos, bibliotecas (geralmente pouco frequentadas) e museus, cujos custos operacionais tornaram-se proibitivos. Sinal dos tempos, essas instalações são agora disponibilizadas para cursos universitários, seminários ou congressos não-maçônicos.

O rito: uma variante do Emulação com uma conotação religiosa

As Grandes Lojas editam e impõem os rituais; as lojas os devem aplicar à risca. O ritual é uma forma do Emulação, muito semelhante de uma Grande Loja para outra. As sessões têm um desenrolar puro, o foco está na memorização das cerimônias, mesmo que esse objetivo esteja longe de ser, sempre, alcançado. O maçom neste sistema não é, portanto, apreciado em termos de sua reflexão ou de sua conduta moral, mas sua capacidade de decorar as falas. Esta memorização de textos codificados em estilo vitoriano pode não ter relevância em nossa sociedade pós-moderna.

Todos os irmãos gostam de recordar que a Maçonaria não é uma religião, é verdade, os graus da maçonaria azul são muito aberto aos não-cristãos. No entanto, um maçom do continente europeu não deixaria de notar que não há Orador, mas um capelão recita uma oração no início e no final da cerimônia; além disso, a abertura da sessão da loja é acompanhada pela leitura de um versículo da Bíblia. Em algumas Grandes Lojas, se o Grande Capelão não é um padre anglicano ou um pastor, ele tem outro nome. Durante as sessões, cantam-se hinos acompanhados, não de um piano, mas sempre de um órgão, que evoca imediatamente um culto religioso. A marca cristã aparece, assim, muito presente.

O Maçom coloca a sua confiança em Deus, que é frequentemente evocado na cerimônia, particularmente durante o juramento, durante o qual o candidato deve beijar três vezes o Livro da Lei Sagrado. Este aqui não é apenas um símbolo; o beijo ilustra a plena adesão à religião revelada do futuro iniciado. O novo Mestre recebe depois de sua cerimônia de elevação uma cópia pessoal da lei sagrada de sua religião. Essa maçonaria é, portanto, dirigida aos fiéis mais ou menos convencidos de uma das religiões reveladas. Pode parecer preso aosm costumes e tradições de uma época em que as pessoas tinham que mostrar o seu apego à religião. É verdade que quando se tem um patrocínio vindo do círculo direto da Coroa, é melhor não expressar convicções que violariam o “politicamente correto”.

Esta atenção respeitosa não oferece qualquer proteção à ordem, e encontramos os mesmos preconceitos que nos países de tradição católica. Quanto ao clero, Anglicano e Presbiteriano, a sua posição é muito dependente do julgamento que tenha o seu chefe. Ele pode variar, dependendo da personagem, de uma certa simpatia à rejeição pura e simples, alguns deles proibiram maçons para ocupar cargos dentro de suas igrejas.

Vários tipos de loja e funcionamento por vezes monótono

Como nos EUA, a redução do número de membros causou a venda de templos do centro da cidade, muito grandes e muito caros, substituídos por outros, na periferia, dispondo de estabelecimentos comerciais.

Há muitos tipos de loja, incluindo lojas de instrução que ensinam como realizar as cerimônias e não fazem nenhuma iniciação; que agrupam irmãos que têm a mesma profissão e lojas diurnas para os Idosos que se reúnem durante o dia. As oficinas se reúnem 10 vezes por ano ou menos; muitos irmãos gastam várias horas de carro para participar delas. As reuniões incluem apenas cerimônias e nenhuma conferência, a sala úmida sendo reservada para banquetes. Quando não é possível, for falta de candidatos, realizar uma iniciação, a cerimônia é repetida na presença de todos os irmãos, sem iniciandos. A atividade das lojas é, então, bastante monótona. As sessões terminam com um ágape na sala úmida, muitas vezes frugal e os irmãos se vão rapidamente.

Uma progressão Maçônica pouco exigente

A admissão de candidatos é menos rigorosa do que no continente europeu. O tempo de mudar do status de profano para o de mestre é da ordem de 10 a 12 meses. Muitas lojas encurtam esse período; não menos que 10% exaltariam o candidato ao grau de mestre depois de quatro meses após a sua iniciação no primeiro grau. Esta última prática também é adotada … na Grã-Bretanha.

O novo irmão não recebe qualquer instrução além da explicação do painel da loja. É solicitado ao candidato que aspira ao grau superior apenas responder a três a quatro perguntas cujas respostas se encontram em um livreto. Nenhuma prancha é apresentada para o aumento de salário. Dispondo de um pequeno conhecimento maçônico, embora o ritual de companheiro preconize o estudo, o irmão ocupa, uma vez mestre, os diferentes cargos de oficial e acessa o veneralato, em princípio, de 5 a 6 anos após ter sido exaltado Mestre. Certamente, maçonaria faz o melhor o Homem. Mas o que estamos falando aqui? As respostas são muito diferentes: para alguns, a Maçonaria ensina boas maneiras, para outros ela permite uma boa introdução à gestão de empresas e grupos ou ainda, ela ensina os irmãos a falar em público ou melhorar a sua memória.

As lojas de pesquisa à procura de mais visibilidade

As lojas de pesquise, por suas aspirações, destacam-se neste universo focado em decoro. A primeira Loja de pesquisa foi fundada em Christchurch, Nova Zelândia, no final do século XIX, segundo o modelo da Quatuor Coronati em Londres. Existem hoje 11 lojas de pesquisa na Nova Zelândia e 7 na Austrália. A sua atividade depende, como é o caso em outros locais, da produtividade de alguns irmãos. Se eles vêm a faltar, toda a atividade pára. As lojas de pesquisa podem se envolver na instrução dos irmãos, mas os pesquisadores, por seu espírito crítico e muitas vezes sarcástico, perturbam a hierarquia que por desconfiança, as mantém longe de certas iniciativas.

Incluamos a loja de pesquisa do estado de Victoria, que além de artigos do mais alto nível, organiza conferências. Ela também oferece programa de treinamento opcional e forma a pesquisa maçônica por meio de um curriculum ad hoc que integra um projeto dirigido e que resulta em uma publicação. Ambos os cursos ainda são pouco seguidos e não têm a atenção que merecem da parte da Grande Loja.

A queda do ingresso de novos membros e o envelhecimento

O desafio para todas as Grandes Lojas é uma redução de cerca de 85% no número de membros desde os anos 60, embora ainda hoje os efetivos de maçons ainda representem uma parte da população bem superior à maioria dos países do continente Europeia. Essa erosão lenta continua ano após ano; as mesmas causas produzem os mesmos efeitos nos Estados Unidos, Grã-Bretanha e Canadá. Ela é acompanhada por um envelhecimento preocupante dos membros, cuja idade média é de mais de 71 anos. Essa queda é explicada por uma falha de recrutamento e demissões que ocorrem após atingir o grau de mestre. Entre as prováveis causas, o irmãos evocam a diminuição da disponibilidade dos membros ocupados com seus trabalhos e famílias, a falta de interesse por atividades comunitárias, e o individualismo crescente de nossa sociedade. Os idosos, apegados à memorização, veem ainda, o resultado de má comunicação. O número de maçons mais jovens e os membros de lojas da pesquisa apontam para a monotonia das cerimônias, a falta de interesse pelo simbolismo, a falta de pesquisa pessoal e de esforço intelectual.

Uma resposta centrada na filantropia e comunicação

Diante de tal constatação, as Grandes Lojas reagiram. Elas aumentaram as suas atividades de beneficência para aumentar a visibilidade da ordem. Se há de fato um ponto onde os maçons da região da Austrália se distinguem de seus homólogos europeus é na prática dessas iniciativas voltadas para a beneficência, geridas mais frequentemente por fundações maçônicos que acumularam ao longo do tempo dezenas de milhões de dólares. Retiros para idosos, cátedras universitárias, bolsas de estudo para estudantes são financiadas por tais fundações. O outro aspecto dessa reação é o desenvolvimento da comunicação institucional, com apoio profissional, incluindo as novas mídias e redes sociais, ainda pouco utilizados no continente: quantos vídeos inteligentes são feitos por nossas Grandes Lojas, em comparação àqueles, numerosos, que “surfam” sobre a teoria da conspiração maçônica?

Estas medidas são suficientes para inverter a tendência de baixa no número de candidatos? As opiniões estão divididas. Os membros veteranos e os executivos das Grandes Lojas estão convencidos de sua eficácia. Os membros das lojas de pesquisa e muitos Irmãos jovens têm uma opinião mais reservada: na sua opinião, deve haver, antes de mais nada, o fortalecimento do trabalho simbólico e pedir aos membros contribuições intelectuais e morais além da memorização de rituais. Mas, modificar o funcionamento das oficinas supõe uma grande mudança política que as Grandes Lojas não pretendem fazer. No entanto, a implementação de duas oficinas-piloto operando segundo o modelo continental (no Rito Escocês Antigo e Aceito) está em andamento em pelo menos duas Grandes Lojas australianas,

Perspectivas

Originalmente, a Grande Loja de Londres de Desaguliers procurava desenvolver as virtudes morais enfatizaando a filantropia e virtudes intelectuais por meio de conferências principalmente sobre ciência e tecnologia. Parece que a maçonaria Anglo-Saxã reteve apenas o primeiro e a maçonaria continental a segunda parte desse legado.

A Maçonaria da região australiana, bem como a Maçonaria Anglo-Saxã conseguirão interromper seu declínio? Esperar para ver … Essa viagem me sugere que a FM deve tratar a comunicação, utilizando a experiência de profissionais, mas também para aumentar a compreensão do público e de candidatos potenciais de seus valores, sua utilidade e combater sua reputação de sociedade secreta. Ela deve continuar a sua abertura em direção à Maçonaria mista porque as questões de “gênero” se tornarão inevitáveis. Ela também deve ser mais ativa no campo da filantropia, o que lhe daria mais visibilidade, melhorarando o seu orgulho e seu propósito.

Ela deve manter-se uma sociedade de pensamento, na qual não só a prática das virtudes morais, mas também as virtudes intelectuais estejam em primeiro plano. Seus valores próprios são a aplicação do pensamento simbólico e mítico, combinados com a análise e a razão, todos eles filhos do Iluminismo.

Quadros:

Numerosos graus superiores

Os maçons ativos geralmente fazem parte de vários sistemas de altos graus, numerosos e difundidos. Os mais comuns são a Marca, o grau de Excelente Mestre e o Real Arco. Mas há também os Cripticos, graus de Cavaleiros Templários, graus de padres Cavaleiros Templários, os Rosacruzes do REAA (que, salvo exceção, aceitam apenas MM que professam a religião cristã), o Monitor Secreto e … a muitorecente Ordem de Athelstan. Os irmãos estudiosos que aderem a organizações Rosacruzes e Martinistas, como a paramaçônica muito cristã, Societas Rosicruciana em Anglia, que promove a apresentação de trabalhos espiritualistas.

O ciclo de palestras

O Grupo de Pesquisa da Grande Loja Suíça Alpina (GRA  www.masonica-gra.ch  ) está em contato com a Associação das Lojas de pesquisa da Austrália e Nova Zelândia. Esta associação, a ANZMRC (Australia and New Zealand Masonic Research Council,  http://www.anzmrc.org/  ), além de uma revista eletrônica de qualidade, a Harashim e simpósios anuais, convida um conferencista a cada dois anos por três meses. O GRA em 2012 recebeu o convite para participar dela para 2015. Foi um dos seus ex-presidentes e editor Michel Jaccard, quem escreveu 16 palestras em Inglês, publicadas em Continental Freemasonry: Desenvolvimentos de Filosofia e impacto mundial, um livro de 330 páginas publicado pela ANZMRC (2015). A jornada aconteceu de agosto a novembro de 2015. Além da Nova Zelândia e Austrália, conferências foram realizadas na África do Sul, Singapura e Hong Kong. Através desse intercâmbio, os irmãos “lá de baixo” puderam se familiarizar com a maçonaria continental europeia.

Publicado 17 de maio de 2016  em  REVISTA FRANC-MAÇONNERIE

 

 

Publicado on maio 25, 2016 at 10:21 am  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/no-mundo-anglo-saxao-uma-maconaria-entre-o-declinio-e-a-renovacao/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário

  1. […] Fonte: No mundo anglo-saxão: Uma Maçonaria entre o declínio e a renovação […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: