Não tem Religião? 7 tipos de Descrentes

Tradução José Filardo

 Por Valerie Tarico

Rótulos religiosos ajudar a reforçar a identidade. Então, quais são algumas das coisas que os não-crentes podem se chamar?

3 Junho 2012  |

Católico, Renascido, Reformado, Judeu, Muçulmano, Xiita, Sunita, Hindu, Sikh, Budista. . . .  As religiões dão rótulos às pessoas. A desvantagem pode ser o tribalismo, uma suposição que os que pertencem são melhores do que os que estão fora, que eles merecem mais compaixão, integridade e generosidade ou mesmo que a violência contra “infiéis” é aceitável. Mas, a vantagem é que os rótulos religiosos ou espirituais oferecem uma maneira de definir quem somos.  Eles lembram os adeptos que nosso senso moral e a busca por sentido são partes essenciais do que significa ser humano.  Eles tornam mais fácil transmitir um subconjunto de nossos valores mais profundos às outras pessoas, e até mesmo para nós mesmos.

Para aqueles que perderam a sua religião ou nunca tiveram uma, encontrar um rótulo pode parecer importante.  Pode ser parte de um processo de cura ou, alternativamente, uma forma de declarar a resistência a um paradigma dominante e opressivo.  Mas, encontrar a combinação certa de palavras pode ser um desafio.  Para que um rótulo se ajuste, ele precisa ressoar pessoalmente e também comunicar o que você quer dizer ao mundo.  As palavras têm conotações, definições e história, e como as pessoas reagem ao seu rótulo será afetado por todos os três.  O que isso significa? Quais as emoções ela evoca? Quem você está identificando como seus antepassados intelectuais e espirituais e sua comunidade? As diferenças podem ser sutis, mas são importantes.

Se, de um jeito ou de outro, você deixou a religião para trás, e se você estiver sem saber o que se chamar, você pode experimentar um destes:

1. Ateu.

O termo ateu pode ser definido literalmente como falta de um conceito de deus humanoide, mas historicamente isso significa uma de duas coisas. Ateísmo Positivo afirma que um ser supremo pessoal não existe. Ateísmo negativo simplesmente afirma a falta de crença em tal divindade.  É possível ser um ateu positivo sobre o Deus cristão, por exemplo, mantendo uma postura de ateísmo negativo ou até mesmo a incerteza sobre a questão de uma divindade mais abstrata como uma “força motriz”. Nos Estados Unidos, é importante saber que ateu pode ser o rótulo mais vilipendiado por uma pessoa descrente.  Crentes devotos usam isso como um insulto e muitos presumem que um ateu não tem moral.  Até recentemente, chamar a si mesmo um ateu era um ato de desafio.  Isso parece estar mudando.  Com a ascensão dos “Novos Ateus” e do recente movimento de visibilidade dos ateus, o termo está perdendo sua agressividade.

2. Antiteísta.

Quando ateu constantemente evocava imagens de Madeline Murray O’Hare, hostilidade em relação à religião era assumida.  Agora que isso pode evocar uma vovó de cabelos brancos na Igreja Unitária ou o garoto gay de Glee, algumas pessoas querem um termo que transmita mais claramente a sua oposição a todo o establishment religioso.  O termo antiteísta diz: “Eu acho que a religião é prejudicial.” Isso também implica alguma forma de ativismo que vai além da mera defesa da separação Igreja-Estado ou da educação científica.  O Antiteísmo desafia a legitimidade da fé como uma autoridade moral ou maneira de conhecimento.  Os Antiteistas muitas vezes trabalham para expor os males causados em nome de Deus, tais como apedrejamentos, agressões aos gays, maus tratos religiosos, mutilação genital, filhos indesejados ou crimes de colarinho clerical.  Os escritores Novos Ateus, incluindo Christopher Hitchens e Richard Dawkins podem ser mais bem descritos como antiteistas.

3. Agnóstico.

Alguns ateus pensam dos agnósticos como um termo acovardado, porque ele é usado por pessoas que não possuem um conceito de deus, mas não querem ofender os membros da família ou colegas.  Agnóstico não transmite a mesma sensação de confronto ou desafio que Ateu, e por isso é usado como uma ponte. Mas, na realidade, o termo agnóstico representa um série de posições intelectuais que têm substância importante no seu próprio direito e podem ser independentes do ateísmo. Agnosticismo forte vê a existência de deus como incognoscível, de forma permanente e para todas as pessoas. Agnosticismo fraco pode significar simplesmente “Eu não sei se existe um deus”, ou “Nós coletivamente não sabemos se existe um deus, mas podemos descobrir no futuro.” Alternativamente, o termo agnosticismo pode ser usado para descrever uma abordagem do conhecimento, um pouco como o ceticismo (que vem a seguir na lista). O filósofo Thomas Huxley ilustra essa posição:

O Agnosticismo não é um credo, mas um método, cuja essência reside na aplicação vigorosa de um princípio único … Positivamente o princípio pode ser expresso como “em matéria de intelecto, não finja que conclusões são certas que não estão demonstradas ou sejam demonstráveis.

Essas três definições de agnosticismo, embora diferentes, enfocam todas o que fazemos ou podemos saber, em vez de enfocar a própria existência de um deus.  Isto significa que é possível ser, ao mesmo tempo, ateu e agnóstico.  O Autor Phillip Pullman descreveu-se como ambos.

A questão de qual termo utilizar é uma tarefa difícil; em termos estritos, eu suponho que sou um agnóstico, porque, claro, o círculo das coisas que eu sei é muito menor do que as coisas que eu não sei, e lá fora, na escuridão, em algum lugar, talvez exista um deus. Mas, entre todas as coisas que eu sei neste mundo não vejo nenhuma evidência de qualquer deus e todo mundo que afirma saber que existe um deus parece usar isso como desculpa para exercer poder sobre outras pessoas e, historicamente, como sabemos de olhar a história só na Europa, isso envolve perseguição, massacre, o abate em escala industrial, é uma perspectiva chocante.

4. Cético.

Tradicionalmente, cético tem sido usado para descrever uma pessoa que duvida de dogmas religiosos recebidos.  No entanto, embora o agnóstico enfoque questões de deus em particular, o termo cético expressa uma abordagem mais ampla da vida.  Alguém que chama a si próprio um cético colocou o pensamento crítico no cerne da questão.  Céticos bem conhecidos, como Michael Shermer, Penn e Teller, ou James Randi  dedicaram a maior parte de seu esforço a desmascarar a pseudociência, medicina alternativa, astrologia e assim por diante.  Eles amplamente desafiam a tendência humana de acreditar em coisas com base em provas insuficientes.  O comediante britânico Tim Minchen é um ateu declarado que ganha a vida em parte cutucando a religião.  Mas seu poema mais amado e hilariante, Tempestade, ataca a homeopatia e a atitude hippie.

5. Livre pensador.  

Livre-pensador é um termo que remonta ao final do século XVII, quando foi usado pela primeira vez na Inglaterra para descrever aqueles que se opunham a Igreja e à crença literal na Bíblia.  O livre pensamento é uma postura intelectual que diz que as opiniões devem ser baseadas na lógica e em provas ao invés de autoridades e tradições.  Filósofos bem conhecidos, incluindo John Lock e Voltaire eram chamados de livres-pensadores em sua época, e uma revista, O Freethinker, foi publicada na Grã-Bretanha continuamente de 1881 até hoje. O termo ficou popular recentemente, em parte porque é afirmativo.  Diferentemente do ateísmo, que se define em contraste com a religião, o livre-pensamento se identifica com um processo ativo para decidir o que é real e importante.

6. Humanista.

Enquanto termos como ateu ou antiteista enfocam a falta de crença em deus e agnóstico, cético e livre-pensador todos enfocam formas de conhecimento – humanista concentra-se em um conjunto de valores éticos. Humanismo visa promover o bem-estar amplo com o avanço da compaixão, igualdade, autodeterminação, e outros valores que permitem aos indivíduos desenvolver-se e viver em comunidade uns com os outros.  Estes valores não se originam de revelação, mas da experiência humana.  Como pode ser visto em dois manifestos publicados em 1933 e 1973, respectivamente, os líderes humanistas não se furtam a conceitos como alegria e paz interior que tenham conotações espirituais. Na verdade, alguns pensam que a própria religião deve ser recuperada por aqueles que foram além sobrenaturalismo, mas reconhecem os benefícios da comunidade espiritual e ritual.  O Capelão de Harvard, Greg Epstein sonha incubar uma próspera rede de congregações seculares.

7. Panteísta.

Enquanto os autointitulados humanistas procuram recuperar os aspectos éticos e comunitários da religião, os panteístas concentram-se no coração espiritual da fé – a experiência de humildade, admiração e transcendência.  Eles veem os seres humanos como uma parte pequena de uma vasta ordem natural, com o Cosmos tornado consciente em nós.  Os Panteístas rejeitam a ideia de uma pessoa-deus, mas acreditam que o santo se manifesta em tudo que existe.  Consequentemente, eles muitas vezes têm um forte compromisso em proteger a rede sagrada da vida na qual e da qual temos a nossa existência.  Os escritos de Carl Sagan refletem esse sentimento e, muitas vezes, são citados por panteístas, por exemplo, em uma série de vídeos “Symphony of Science” que mistura imagens evocativas do mundo natural, música atonal, e as vozes dos cientistas, e que recebeu 30 milhões de visitas.

Se nenhum destes servir. . . .

Continue procurando.  Muitos dos fundadores dos Estados Unidos eram deístas que não acreditavam em milagres ou revelação especial através de textos sagrados, mas pensavam que o mundo natural revelava um criador que poderia ser descoberto através da razão e da investigação. Os Naturalistas assumem uma posição filosófica de que as leis que operam dentro do reino natural são as únicas leis que regem o universo e nenhum reino sobrenatural existe além dele. Os Secularistas argumentam que os padrões morais e as leis devem basear-se em fazer o bem ou mal neste mundo e que a religião deve ser mantido fora do governo. Os Pastafarians divertidamente afirmam adorar o Monstro Voador de Espaguete, e sua religião é uma paródia bem-humorada das crenças e rituais abraâmicos.

Recentemente houve aumento acentuado nas pessoas que se identificam como descrentes e um aumento simultâneo dos esforços de visibilidade de ateu e humanistas.  Muita pessoas descrentes estão recentemente fora da religião (ou assumiram sua descrença recentemente).  Apesar dos melhores esforços de, digamos, o Projeto Comunidade Humanista ou a Fundação Além da Crença, comunidades estáveis organizada em torno de partilha de valores seculares e práticas espirituais ainda precisam surgir.  Isso significa que nossos rótulos são em grande parte individuais e, por vezes experimentais.  Podemos tentar um para ver se serve, viver com ele por um tempo, então tentar outra coisa.

Como um movimento, minorias sexuais e de gênero enfrentaram um desafio semelhante.  GLB começou a substituir o termo “comunidade gay” na década de 1980. Tornou-se então GLBT, e depois GLBTQ (para reconhecer aqueles que estavam questionando) ou GLBTIT (para incluir as pessoas transexuais).  Na Índia, foi adicionado um H ao final para a subcultura Hijra.  Para adolescentes urbanos, o termo geral bicha já foi substituiu pela sigla complicada.  Bicha abraça a ideia de que a identidade sexual e de gênero é biologicamente e psicologicamente multifacetada.  Ele inclui todos os que não pensam em si como heterossexuais.  Ativistas de direitos seculares podem, eventualmente, evoluir para um termo abrangente semelhante, mas neste meio tempo, as organizações que querem ser abrangentes, acabam com longas listas em suas páginas ‘Sobre…’ : ateu, agnóstico, humanista, livre-pensador, cético, panteísta e outros mais.  Então, junte-se a experiência de escolher um que se encaixe e use-o por um tempo.  Ou crie o seu próprio.  Eu, muitas vezes, me chamo de “não-teísta espiritual.” É um bocado, mas obriga as pessoas a perguntar, que é isso? e, então, ao invés de tê-los fazendo suposições, tenho que lhes dizer onde estou: Eu não tenho qualquer tipo de conceito de deus humanoide, e eu acho que as questões de moralidade e significado estão no cerne do que que significa ser humano. Talvez no próximo ano eu encontre algo que se encaixe ainda melhor.

Valerie Tarico é psicóloga e escritora em Seattle, EUA e fundadora da Wisdom Common. Ela é a autora de “Trusting Doubt: A Former Evangelical Looks at Old Beliefs in a New Light” e de “Deas and Other Imaginings”. Seus artigos podem ser encontrados em Awaypoint.Wordpress.com.

Publicado em AlterNet

Publicado on junho 4, 2012 at 9:54 am  Comments (3)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/nao-tem-religiao-7-tipos-de-descrentes/trackback/

RSS feed for comments on this post.

3 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Não me encaixo em nenhuma delas. A mais próxima continua sendo a evangélica. Creio em Jesus Cristo e nas revelações da bíblia, porém a forma como a palavra é conduzida pelos religiosos é que acabam afastando as pessoas de Deus.

  2. Boa Noite!

    Acredito em um Deus que não está em nenhuma religião, mas esta dentro de cada um de nós, e faz parte de nossa constituição espiritual, independe de ser ou não religioso. Acredito em um Deus de amor que fez tudo aquilo que o homem jamais pode ou poderá fazer que é a semente germinar, o sol aquecer, a lua da o seu brilho, o mar, enfim a natureza.
    Não precisamos de religião, precisamos de Deus.

  3. Unico comentario ?!?Bom…sou agnostico.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: