Mas quem é o Grande Arquiteto do Universo?

 

Tradução José Filardo

 

por  Ronan Loaëc

 

The Ancient Days – William Blake

The Ancient Days – William Blake

 

A moderna maçonaria “especulativa” nascida na Grã-Bretanha não inventou o Grande Arquiteto, mas ela o institucionalizou como o menor denominador comum da crença em um Deus revelado para permitir que seus membros acabassem, em loja, com os conflitos religiosos que rasgavam a sociedade Inglesa no final do século XVII e início do XVIII. O projeto em geral teria fracassado diante da exigência crescente de liberdade de consciência? Hoje, o GADU divide o universo discreto da Ordem como um bisturi, revelando profundas divisões dogmáticas enquanto ele ambicionava apenas “reunir o que está esparso”! No entanto, assistimos a um momento decisivo: de uma e outra parte o diálogo parece se renovar e pontes são novamente estabelecidas.

 

O Grande Arquiteto que nos vem de longe…
O conceito de Grande Arquiteto é muito anterior à maçonaria especulativa que só o pediu emprestado. A ideia geral que encontramos em muitos escritores, de Cícero a Rousseau, de Descartes a Voltaire, é a de uma ordem mundial de tal complexidade que não pode ser concebida sem um pensamento externo e criativo estruturado, o de um “arquiteto” ou “relojoeiro” que ajusta finamente o funcionamento do universo e lhe dá o impulso necessário para seu movimento eterno e infinito. É a visão dos defensores da Religião Natural. Esta ideia pode parecer estranha ao pensamento científico contemporâneo formado por que o acaso faria perfeitamente funcionar desde que lhe seja dado o tempo: 14 bilhões de anos, quase uma eternidade, e uma realidade desconhecida no século XVIII (a Bíblia é, então, a única medida do universo e o tempo da criação não excede 6000 anos). Graças ao longo tempo, ela acontece plano: ela não tem nenhum plano, nenhum arquiteto e nenhuma necessidade de transcendência. Assim, o ateísmo é representado no Século do Iluminismo por um punhado de filósofos “radicais”, tais como Meslier (um… abade!), La Mettrie, Maupertuis, Helvétius, D’Holbach, Sade … e nem sequer aparece no espírito da Enciclopédia onde o artigo ateísmo, muito focado, é elaborado pelo abade Yvon (1).
Estamos no final do século XVII. A sociedade inglesa onde vai nascer a Maçonaria especulativa está profundamente dividida no plano político e religioso (partidários dos Stuarts, cuja dinastia termina com a Revolução Gloriosa de 1688, se opõem aos da família de Orange; os Anglicanos – católicos sem o Vaticano – e os protestantes tratar com desprezo os católicos, os “papistas”). No entanto, além da violência das oposições entre facções religiosas, o consenso é unânime sobre a necessidade de um deus. O ateísmo, e mesmo o agnosticismo permanecem uma atitude marginal sem afetar a doxa ambiental (2). Para os fundadores da Maçonaria, trata-se, assim, de restaurar a unidade política e religiosa da Inglaterra, construindo uma ponte entre essas comunidades opostas. Para fazer isso, um local: a loja, onde não se fala sobre política nem religião.
Em relação à política, o bom maçom é aquele que respeita as leis e o monarca de seu país. O Artigo II das Constituições de 1723 estipulam: “O Maçom em um súdito pacífica em relação às autoridades civis […] e ele nunca vai se misturar com complôs e conspirações […].”
Sobre Deus, todos concordam com o fato de que ele é o criador e organizador de mundos, dos quais ele vela pelo funcionamento harmonioso graças às leis que ele instaurou : a figura reconciliadora do Grande Arquiteto se impões, portanto, naturalmente na redação das Constituições da jovem maçonaria especulativa, publicadas em 1723 sob a pena de um polivalente “redator profissional”, o pastor Anderson. A inspiração vem provavelmente do pastor Desaguliers que se tornou Grão-Mestre em 1719, dando assim os retoques finais à captura de legado operativo, antes de entregar ao Duque de Montagu, também membro da Royal Society …, que ancora a instituição no coração da alta sociedade inglesa.
Neste contexto, o GADLU não pode significar algo diferente da imagem arquetípica de um deus criador e organizador de todas as coisas. Ele também pretende ser o garante da tolerância ao qual estão ligados os fundadores, ciosos em acabar com os conflitos na sociedade inglesa.
A partir de meados do século, no entanto, explode a discussão entre Antigos e Modernos: os “Antigos” se constituem como Grande Loja rival da dos “Modernos”, em 1751. Seu fundador, Laurence Dermott, um simples artesão pintor de edifícios, católico de origem irlandesa, respondia ao ostracismo de seus compatriotas e correligionários por uma maçonaria inglesa protestante e anglicana, mais aristocrática e burguesa.
No Ahiman Rezon, obra que ele fez editar em resposta às Constituições andersonianas, o Artigo primeiro soa de forma bem diferente: “Um maçom é obrigado pelo seu Estado, a acreditar firmemente e adorar fielmente o Deus eterno, bem como os ensinamentos sagrados que os dignitários e Padres da Igreja escreveram e publicaram para o uso do homem sábio […] “. E, mais adiante ele fustiga em termos próprios, o “deísmo” que ele coloca no mesmo plano que o ateísmo. Finalmente, a sexta obrigação afirma inequivocamente que “como maçons, somos a mais antiga religião católica até agora ensinada” … Um recuo substancial! É esta tendência que prevalece em 1813, quando da unificação das duas correntes que verá o nascimento da Grande Loja Unida da Inglaterra.

O GADU, figura da transcendência, é compatível com um mundo sem deus?
No século XVIII e parte do XIX, deus ainda é visto como uma evidência inevitável, mesmo se o progresso da tolerância religiosa fez admitir que ele pudesse haver representações humanas diversificadas. Tanto em lojas quanto na sociedade, essas correntes coexistem: ao lado das religiões dominantes originárias do Cristianismo, encontram-se agora judeus e muçulmanos. Além disso – e o que se segue diz respeito sobretudo à França – a leitura marxista da sociedade fará com que a religião apareça como um fator poderoso de conservação de uma ordem social desequilibrada: a religião “ópio do povo” perde gradualmente sua aura e sua necessidade entre os intelectuais, artistas, classe média educada e, é claro, a classe operária explorada. Assim, as lutas sociais contribuirão a partir de meados do século XIX para substituir a busca de salvação religiosa através de um ideal humanista de igualdade e fraternidade. O apoio do clero aos poderes conservadores ( “espada e aspersor”) desacredita ainda mais as religiões estabelecidas: agora, há menos preocupação com a bem-aventurança eterna do que com a justiça aqui na terra. Em que se torna o nosso GADLU neste contexto? Apelar para a transcendência é admitir que há algo fora do mundo da matéria, algo que lhe é infinitamente superior. No sentido religioso do termo, a transcendência refere-se à presença de um “mundo oculto” por um véu que esconde um “outro lugar”, um “além”. O GADU, criador do plano inicial e causa primeira está, por natureza, fora do edifício. Ele não pode, portanto, ser concebido, a não ser como transcendente. Ainda assim, alguns chegam até mesmo a retomar as palavras do livro do prêmio Nobel de biologia, Jacques Monod, O Acaso e A Necessidade, publicado em 1970, para afirmar que ele pode traduzir uma concepção puramente imanente do GADU: as leis da matéria e mesmo a física quântica são regularmente convocadas para serem aplicacos a uma algaravia New Age sobre a figura do arquiteto… Este plano também envolve uma orientação da Evolução. O padre Teilhard de Chardin, em particular, tenta conciliar paleontologia e o dogma cristão … o plano de deus implica uma complexidade progressiva (seres vivos matéria, consciência …) em direção a ponto Omega: o homem se fundirá então com seu criador na plenitude reencontrada.
Não podemos deixar de mencionar a avidez com que o Vaticano se apossou da ideia, no princípio puramente científica do Abade Lemaître (a expansão do universo, descoberta por Hubble, leva, quando se volta no tempo pelo pensamento, em um “momento de origem”, onde o universo é condensado em um ponto). Para a Igreja, esse tempo inicial, o “Big Bang” ressoa em perfeita harmonia com o “Fiat Lux” do Gênesis.
Os Criacionistas tiram proveito dessas metáforas e espalham hoje a ideia do “design inteligente”. Eles tiram daí uma evidência indireta da existência de Deus, porque um plnao não pode ser concebido sem um planejador, colocando assim os proponentes de um GADU imanente em muito má companhia, ao lado de seitas religiosas ultra-reacionárias e diante de uma posição filosófica contraditória.

O GADU na paisagem contemporânea
E hoje? Longe de apaziguar as tensões religiosas dentro das lojas, o GADU tornou-se um desafio de uma nova divisão por mais de um século, a da “Regularidade” que separa as religiões reconhecidas pela esfera inglesa daquelas pessoas reivindicando liberdade de consciência religiosa e, portanto, rejeitando a obrigação de acreditar em um deus criador transcendente.
No entanto, sem que as barreiras do direito de visita entre potências pareçam jamais poder cair entre as potências “Regulares” e as outras, estes últimos anos mostraram um compromisso claro de abertura fraterna: assim, os primeiros Encontros Lafayette permitiram em 28 Maio de 2015, uma reunião oficial entre o Grande Oriente de França, campeão da liberdade absoluta de consciência confome proclama o Artigo I de sua Constituição, e a Grande Loja Nacional Francesa, a única reconhecida por Londres na França e impondo tanto o GADU quanto a crença em Deus aos seus membros.
Para complicar ainda mais um pouco uma situação já complicada, muitas potências “liberais” aplicando escrupulosamente a liberdade de consciência opõem, no entanto, a necessidade de  colocar o trabalho sob os auspícios do Grande Arquiteto. Outras deixam às suas lojas a liberdade de escolher entre o GADU e o humanismo: é o caso do Grande Oriente de França (3). Esse é também o caso do Droit Humain: número de lojas da Federação Internacional trabalham hoje pelo progresso da humanidade.
Difícil de associar em um só pensamento a absoluta liberdade de consciência e o uso da figura transcendente do Grande Arquiteto … Uma das soluções reside – pelo menos transitoriamente – na delegação às lojas da preocupacão em decidir por si mesmas sobre o destino do GADU.
Em todo caso, o que é notável é a amizade fraterna verdadeira e profunda que nos une a todos os irmãos e irmãs de maçonaria, independentemente das suas opções filosóficas e religiosas: o coração ardente da mensagem da alvenaria pode se referir ao Artigo Primeiro das Constituições: “Ela foi criada para ser o Centro de União”. Essa união exige que nos sintamos acima de tudo irmãos e irmãs, além das nossas divergências ideológicas ou filosóficas … seria talves sábio nomeá-las agora “diversidade”: a diversidade é sempre uma riqueza …

Box – O Artigo primeiro das Constituições de 1723
” Um Maçom é obrigado, por dever de ofício, a obedecer a Lei Moral; e se ele compreende corretamente a Arte, nunca será um estúpido ateu nem um libertino irreligioso. Muito embora em tempos antigos os Maçons fossem obrigados em cada país a adotar a religião daquele país ou nação, qualquer que ela fosse, hoje pensa-se mais acertado somente obrigá-los a adotar aquela religião com a qual todos os homens concordam, guardando suas opiniões particulares para si próprio, isto é, serem homens bons e leais, ou homens de honra e honestidade, qualquer que seja a denominação ou convicção que os possam distinguir; por isso a Maçonaria se torna um centro da união e um meio de conciliar uma verdadeira amizade entre pessoas que de outra forma permaneceriam em perpétua distância”.

O objetivo dos fundadores é fazer da maçonaria um” centro de união” para aproximar os homens que seriam ignorados ou combativos devido às suas divergências religiosas. O que conta é apenas a lei moral. Com isso, todos podem se considerar irmãos e irmãs, e cadaum deve reservar para si as suas ideias religiosas particulares para permitir o desenvolvimento da amizade fraternal doce entre os maçons.
Deus cria e controla o movimento dos mundos. Esse deus é necessariamente o mesmo para todos. Portanto, as modalidades particulares de sua apreensão e de sua descrição pelas diferentes religiões são irrelevantes.
O GADU é mencionado nas primeiras linhas das Constituições de Anderson de 1723 na primeira seção dedicada à “história […] dos maçons aceitos”: “Adão, nosso primeiro antepassado, criado à imagem de Deus, o Grande Arquiteto do Universo, deve ter tido as ciências liberais, especialmente a Geometria, escritas em seu Coração …”. Nós o encontramos citado no Artigo Primeiro das Obrigações “Quanto a Deus e a Religião” “[…] uoje, pareceu mais interessante apenas forçá-los à Religião com a qual todos os homens concordam […]. “.

Publicado 25 de novembro de 2015 na REVISTA FRANC-MAÇONNERIE

 

 

 

Publicado on maio 27, 2016 at 12:55 pm  Comentários desativados em Mas quem é o Grande Arquiteto do Universo?  
%d blogueiros gostam disto: