Maria Deraismes e o direito de as mulheres praticar maçonaria

Tradução José Filardo

Por  PIERRE INVERNIZZI

asolidariedade

Sábado, 14 de janeiro, 1882, eles fizeram! São quase 8 da noite e a primeira aprendiz da França vai entregar sua primeira prancha, instantes depois de sua cerimônia de iniciação (1)…

400 pessoas são convidadas para esta festa transformada de certa forma em Sessão Branca Aberta (2).

Este discurso é um apelo ao “direito de a mulher praticar maçonaria” e se torna, ipso facto, um texto fundador da maçonaria mista ou feminina, que alguns anos mais tarde levará à criação do Droit Humain … Algumas passagens são de uma notavelmente atemporalidade e não pegaram uma carona neste debate ainda está vivo na paisagem maçônica francesa:

Com base em quê, a Maçonaria nos eliminou? Tem ela o monopólio sobre as verdades superiores acessíveis apenas às inteligências de elite? Não. Tem ela questões abstratas, transcendentes, que exigem previamente estudos preparatórios? Não. É-se recebido sem patente. Abriga ela segredos, arcanos, mistérios que só devem ser divulgados a alguns poucos eleitos? Não, porque o tempo dos arcanos, segredos e segredos já passou.

Então você acertaram um grande golpe, meus Irmãos, ao romper com as tradições sancionadas pela ignorância. Vocês tiveram a coragem de enfrentar os rigores da ortodoxia maçônica. Vocês colherão os frutos. Vocês são, hoje, considerados hereges, porque são reformadores. Mas, como em toda parte, a necessidade de reformas se impõe, vocês não tardarão em triunfar.

E a defesa continua, o texto é construído: documentado, fundamentado, com finesse e elegância, verve e um pouco de cinismo comedido e, portanto, não tem nada a invejar aos de nossos melhores oradores atuais … mas vamos nos focar no argumento “atemporal”

A natureza criou as raças, as espécies, os gêneros e ela fixou seus destinos. Por isso, é ela que deve ser consultada, que deve ser seguida. Quando ela gratifica os indivíduos com habilidades, é para que eles as desenvolvam. À capacidade pertence a função. A mulher tem um cérebro, ele deve ser cultivado; ninguém no mundo tem o direito de limitar o exercício de suas faculdades. Há mulheres que têm bastante espírito, e há até mesmo homens que não têm, e esse último fato não é incomum. Cabe a cada um para buscar sua voz.

Na verdade, a mulher é uma força. Metade da humanidade, se ela se confunde com a outra pelas características gerais e comuns, ela se destaca por atitudes especiais de um poder irresistível que constitui uma contribuição especial, essencial e indispensável para o pleno desenvolvimento da humanidade.

Ora, já dissemos e repetimos: a mulher é uma força. Toda força natural não se reduz nem se destrói, pode-se desviá-la, pervertê-la, mas comprimida sobre um ponto, ela se volta contra a outra com mais intensidade e violência.

O que acontece, então, com essas forças desempregadas, essas faculdades amplas, essa atividade cerebral? Por falta de problemas, elas se exasperam, se decompõem, é um transbordar de excessos.

Mudança de velocidade! Chegamos neste momento preciso do discurso, a um tanto de bravura que não poderia ser dito hoje, com estas mesmas palavras francas e diretas que o século permitia e que são de um escopo reflexivo particularmente profundo…

Dois caminhos se lhe oferecem: são dois extremos, dois polos: o fanatismo ou a licença. Em outras palavras, a igreja ou a prostituição. Eu tomo esta última palavra em seu sentido mais amplo e mais abrangente. Não me refiro apenas àquela fração que cai sob os regulamentos da polícia, mas esta inumerável legião que de forma metódica e de uma forma oculta e latente, trafega ela mesmo em todos os níveis da sociedade, especialmente nos mais altos, e de onde ele faz seus estragos em todos os departamentos do sistema social.

Misticismo e deboche têm mais de um ponto de contato.

Por um efeito de estilo sutil, Maria Deraisme passa do condicional ao passado.

A mulher maçom transmitia também as impressões recebidas nas lojas, ela inoculava em seus filhos um sentimento de vida coletiva, porque a família é o grupo inicial, o princípio da sociedade, o elemento de cidade. É na família que o indivíduo reconhece sua incapacidade de ficar por sua própria conta. É ali que ele aprende a esquecer um pouco e pensar nos outros e a eles se vincular. Mas é preciso que esses sentimentos de fraternidade não parem na soleira da casa. É preciso fazê-lo entender que os interesses da família estão relacionados aos interesses comuns; que os interesses comuns estão relacionados com os interesses da cidade, e que estes últimos coincidem com os do país, e o conjunto está contido nesta grande síntese chamada humanidade.

A hora chegou de fazer o balanço factual, onde a sociedade maçônica é comparada em seus erros à sociedade católica, o momento exige que o esclarecimento seja focado na educação e na capacidade das mulheres de restaurar a arte da educação, o sentido de interesse coletivo em trazê-la ao nível de interesse nacional!

Permitam-me acrescentar uma palavra final.

Supôs-se que ortodoxia maçônica nos impedirá ainda por algum tempo de entrar em seus templos, e que ela continue a nos considerar como profanos. Isso não nos irá demover. Vocês trabalharão ativamente para fazê-la voltar atrás em seu erro. Em suma, que se diz dentro dela, dizemos agora aqui: “Nós estamos bem aqui, nós aqui ficaremos.”.

Notas:

1 : Maria Deraisme foi iniciada em uma Loja da Grande Loja Simbólica Escocesa, obediência masculina, que pode ser comparada com precaução a uma espécie de precursor do que seria mais tarde, em 1894, a Grande Loja da França …

2 : O caráter excepcional desta simples iniciação empurrou os “organizadores”, considerando suas implicações para o debate da sociedade, transformando simples refeições fraternas após a loja maçônica realizada em grande banquete. Além disso, não sendo uso comum até a segunda metade do século XX realizar exposições em loja, o discurso de Maria Deraisme a este público mais amplo pode ser comparada ao que se faz em “sessões brancas abertas” onde não se faz uma pseudo-cerimônia, mas simplesmente um banquete para servir de estrutura para o discurso.

Fontes da internet:

Obras Completas de Maria Deraismes

Internet : http://visualiseur.bnf.fr/Visualiseur?Destination=Gallica&O=NUMM-99841

Loge Symbolique Ecossaise mixte Les libres-penseurs Or…Du Pecq (compte rendu de la Ten. Macon. et du Banquet du 14 janvier 1882)

http://books.google.fr/books/about/Loge_Symbolique_Ecossaise_mixte_Les_Libr.html?id=a3qWQwAACAAJ&redir_esc=y

Outras fontes:

Maria DERAISMES, Ève dans l’humanité de Jean-Claude Caron, préface d’Yvette Roudy, Angoulême, Éditions Abeille et Castor, 2008 (1868). ISBN : 978-2-917715-00-0.

Sobre o autor

Pierre Invernizzi

Autor

Publicado originalmente em:

http://www.fm-mag.fr/article/588/maria-deraismes-et-le-droit-de-ma%C3%A7onner-des-femmes

Publicado on julho 18, 2013 at 7:35 pm  Comments (2)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/maria-deraismes-e-o-direito-de-as-mulheres-praticar-maconaria/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. […] Maria Deraismes e o direito de as mulheres praticar maçonaria […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: