Maçonaria: Landmarks e Antigas Obrigações

Por Ir.´. Daniel Doron 33 °

PM da Loja Reuven No. 1 de Maçons Antigos e Aceitos – Grande Loja do Estado de Israel

Tradução: José Antonio de Souza Filardo, M.´. I.´.

O termo “Landmark” é conhecido por todos os irmãos, mas sua definição nem sempre é tão clara. Além disso, esses Landmarks estão muitas vezes ligados às Antigas Obrigações. Meu objetivo aqui é esclarecer esses termos e traçar linhas distintas entre três termos.

  1. “Antigas Obrigações” é o nome dado a certos manuscritos que têm mais ou menos o mesmo conteúdo. É um termo que é usado para caracterizar 131 manuscritos, o mais velho dos quais é o “Regius” datado de 1390. Estes manuscritos contêm “Obrigações” no sentido de regras que todos os maçons são obrigados a seguir. A maioria destas Obrigações está relacionada com a arte operativa da construção e com sua regulamentação. A lenda de York é parte destes manuscritos.
  2. O Antigos Regulamentos & Encargos nda têm nada a ver com as Antigas Obrigações. Elas são um conjunto de 15 normas que aparecem nas primeiras páginas do Livro das Constituições da GLUI. Embora sejam considerados o “Resumo da …” eles são os únicos. Eles não são um resumo de qualquer outro conjunto.  Todo Mestre eleito precisa prometer mantê-los antes que de ser empossado como VM.
  3. Os Landmarks são princípios básicos da Maçonaria Especulativa semelhantes a axiomas em matemática. Basicamente, eles são linhas limítrofes ou marcas entre o que está dentro dos limites da Maçonaria Especulativa e o que está fora deles.

Deve ser salientado que as linhas limítrofes, ou marcas de fronteira, têm sido sempre consideradas pelos homens como as mais importantes e zelosamente guardadas. Na Bíblia elas são consideradas sagrados. Em Deuteronômio 27:17 encontramos: “Maldito aquele que remover os marcos do seu próximo”.  Referências semelhante pode ser encontrada em Provérbios 22:28 e em Jó 24:2.

Devemos lembrar que tais limites sempre implica em que todos os reconheçam como tal.

Na literatura maçônica, existem muitos esforços para lidar com os Landmarks de nosso Ofício, e é geralmente aceito que a definição do que seja um Landmark não é fácil. A fim de melhor compreender as dificuldades, vamos usar alguns exemplos: É obrigatório que cada Irmão acredite no Grande Arquiteto do Universo e que deva haver um Livro da Lei aberto sobre o Altar, quando uma loja está trabalhando. Estes são dois dos nossos Landmarks. Eles não estão incluídos nas Antigas Obrigações nem nos Antigos Regulamentos & Obrigações. Por outro lado, reconhecer “apenas três graus de AM, CM e MM e a cerimônia de instalação de um VM” não é um Landmark, mas faz parte dos Antigos Regulamentos & Obrigações.

De acordo com William Preston, os Landmarks são os limites estabelecidos para evitar todas as inovações. Isto é expresso muito bem no Regulamento 11, a saber:
“Você admite que não está no poder de qualquer homem ou grupo de homens fazer a inovação no corpo da Maçonaria.”

John S. Simons definiu Landmarks [1] de uma forma abrangente, como segue: “Presumimos que aqueles princípios de ação sejam Landmarks  que vêm existindo desde tempos imemoriais, seja na lei escrita ou não escrita: que são identificados com a forma e a essência da sociedade: com os quais a grande maioria concorda, não pode ser alterada, que todo maçom é obrigado a manter intacta sob as sanções mais solenes e invioláveis ​​”.

É bastante claro que esta definição inclui três elementos necessários que definem um Landmark como tal:

  1. Ele existe desde tempos imemoriais.
  2. Ele expressa a forma e essência da Maçonaria Especulativa.
  3. Fica acordado que ele nunca pode ser modificado.

Frequentemente, quando Landmarks são discutidos, apenas dois desses elementos são mencionados, ou seja, que eles são “desde tempos imemoriais” (antigos) e que não podem ser alterados. Muitas vezes, qualquer tentativa de mudar até mesmo um detalhe enfrenta críticas de que é contra nossos Landmarks. Na minha opinião, o elemento mais importante é que um Landmark deve expressar a forma e a essência do corpo maçônico. Além disso, o elemento mais fraco nesta definição é a terceira parte: o que significa “concordaram que ele nunca pode ser modificado”? Quem concordou? Quando? E, se ele for acordado mudar um Landmark, ele deixará de expressar a essência da Maçonaria? É quase como dizer: a Landmark é um Landmark porque nós dissemos que é. Isso é uma definição? Parece ser geralmente aceito que não só os Landmarks estabelecem limites, mas que eles foram reconhecidos como tal; eles eram considerados legítimos. Deve-se perceber que em tal caso, se houver um consenso geral de todos os interessados, esses limites podem ser alterados. Na verdade, a frase original dessa cláusula incluía: “… sem obter primeiro o consentimento da … Grande Loja”. Esta parte final foi omitida após a GLUI ter sido constituída [2]. Esta foi uma mudança significativa de um conjunto ajustável de Landmarks para uma canonização completa e final.

Em seu livro “A Maçonaria especulativa” [3], A.S. MacBride definiu nossos Landmarks como “certos usos e costumes estabelecidos, ocupando a posição que o uso e costume ocupam em uma comunidade”, ou seja, semelhante à “lei comum” em um sistema político. Estes Landmarks assemelham-se às leis civis, mas eles diferem em um aspecto: eles foram adotados por uma Grande Loja. Ao mesmo tempo, deve-se salientar que nem todo uso ou costume é um Landmark; deve existir uma condição adicional: ele tem de servir de fronteira entre o que está dentro dos limites da Maçonaria e o que está fora desses limites. Somente tais usos podem se tornar Landmarks. Em outras palavras: o Landmarks da Maçonaria são usos e costumes estabelecidos que servem como limites tanto para dentro quanto para fora de uma organização maçônica. Se examinarmos de perto esta definição, ficará evidente que ela contém um objetivo, não apenas as fronteiras, mas de tal forma que esteja em conformidade com os objetivos da Maçonaria especulativa.

Parece-me que a necessidade de estabelecer Landmarks suporta a “teoria da transição”, pelo menos parcialmente. Quando as lojas operativas começaram a aceitar maçons não-operativos, e a construção de um templo espiritual e moral tornou-se o objetivo central, surgiu a necessidade de estabelecer limites acordados. Em outras palavras: somente Landmarks que servem os objetivos dos maçons especulativos foram escolhidos entre os usos e costumes já existentes nas lojas (operativas). Assim como a necessidade de uma loja para os construtores, antes que o próprio edificio fosse iniciado, por isso precisamos de um conjunto de regras antes de um templo humano seja erguido para a construção de um templo espiritual; para moldar as pedras brutas humandas de acordo com princípios morais .

De acordo com MacBride, os Landmarks listados no ‘Aimã Rezon’ de Dermot (1756) cerca de cem anos antes que a Encyclopaedia de Mackey fosse publicada, incluem vários que não estão de acordo com os objetivos típicos de Landmarks, conforme definido por Simons acima. Assim o fizeram outros em suas listas de Landmarks, alguns dos quais eram novas invenções e não usos e costumes existentes.

Quando examinamos os vinte e cinco Landmarks de Mackey, torna-se claro, que os Landmarks expressam a quintessência da Maçonaria e que expressam somente aspectos estruturais. Se aceitarmos a definição de Simons para Landmarks, é bastante óbvio que aqueles Landmarks que se referem apenas ao Grão  Mestre e a Grande Loja não podem ser “desde tempos imemoriais”. Afinal, estes não poderiam existir antes de 1717.

Além disso, eles não têm nada a ver com “um sistema de moralidade”. O mesmo se aplica a qualquer Landmark relacionado com o terceiro grau. Embora a lenda de Hiram seja muito antiga, o sistema de três graus foi criado apenas por volta de 1730.

Conforme B.E. Jones justamente salientou em seu “Guia & Compêndio do Maçom” [4], embora todo maçom tenha que observar os Landmarks, não há definição oficial do que seja um Landmark, nem são eles nomeados em muitas Constituições de Grandes Lojas. Escritores maçônicos citam muitas vezes a lista de 25 Landmarks de Mackey, que são listados completos por Jones.

Quando examinamos os Landmarks de Mackey, podemos discernir quatro grupos:

  1. Aqueles relativos à fraternidade e à essência da Maçonaria: § §. 1-3, 9, 11, 18-24
  2. Aquels que se referem o Grão-Mestre e dos seus direitos: § §. 4-8
  3. Aqueles que dizem respeito os direitos de um irmão: § §. 12-15, 17
  4.  Aqueles que se referem os deveres de uma loja, incluindo interrelações entre lojas: § §. 10, 16.

Na minha opinião, o último Landmark dificilmente pode ser considerado como um Landmark, uma vez que estes Landmarks nunca podem ser modificados. Certamente não quando sabemos que este mesmo Landmark foi modificado em 1823.

Todos os Landmarks relacionados com o Grão-Mestre e a Grande Loja e não são, obviamente “desde tempos imemoriais” e nada têm a ver com a Maçonaria ser “um sistema peculiar de moralidade”. O mesmo vale para o último grupo acima, uma vez que ‘Lojas privadas’ existiram bem depois de 1717, então eles também não são antigos.

Roscoe Pound relacionou apenas sete Landmarks, que na minha opinião estão em plena conformidade com a definição de Landmark de Simons. São eles:

  1. A Crença no GADU.
  2. A Crença na ressurreição e na vida após a morte.
  3. A obrigação de ter um livro da lei aberto na loja durante os trabalhos.
  4. A lenda do terceiro grau.
  5. Obrigação de segredo. (Modos de reconhecimento)
  6. A fundação da nossa arte especulativa e seu uso “simbólico para fins de ensino religioso e moral.
  7. Um candidato deve ser do sexo masculino, livre por nascimento e maior de idade.

Sem dúvida, essa lista concisa de Landmarks melhor se relaciona com os limites absolutos necessária de nosso Oficio. Sendo um jurista por profissão, Pound incluiu como Landmarks apenas aqueles que realmente expressam a quintessência da Maçonaria e excluiu aqueles que são de natureza administrativa.

The Landmark 24 na lista de Mackey é quase idêntico ao Landmark 6 de Pound, que é a conexão entre  a Maçonaria operativa e nossa Maçonaria Especulativa. Deve-se notar, que ele não torna a Maçonaria especulativa um descendente direto da Maçonaria operativa; ele apenas estipula uma conexão entre as duas,  adicionando uma finalidade definida a nossas especulações morais.

Há várias listas de Landmarks, a mais curta, contendo apenas 7 (Pound) e a maior cerca de uma centena.

A mais conhecida é o de Mackey, contendo 25 Landmarks.

É minha esperança que eu tenha ajudado a compreender melhor o significado da nossos Landmarks.

LANDMARKS DE MACKEY

1) Os modos de reconhecimento.

2) A divisão da Maçonaria Simbólica em três graus.

3) A Lenda do Terceiro Grau.

4) O governo da Fraternidade por um presidente chamado Grão Mestre.

5) A prerrogativa do Grão-Mestre de presidir todas as assembléias da Maçonaria.

6) A prerrogativa do Grão-Mestre de conceder Autorizações para conferir graus em tempos anormais.

7) A prerrogativa do Grão-Mestre de conceder autorizações para a abertura e manutenção de Lojas.

8.) A prerrogativa do Grão-Mestre para iniciar maçons à vista.

9) A necessidade de os maçons se reunirem em lojas.

10) A condução dos trabalhos, quando congregados em uma loja por um Venerável e dois Vigilantes.

11) A necessidade de que cada loja, quando reunida, deva ser devidamente telhada.

12) O direito de cada maçom de se fazer representar em todas as assembleias gerais da Maçonaria e instruir seus representantes.

13) O direito de cada maçom de apelar da decisão de seus irmãos em Lodge reunida à Grande Loja ou Assembléia Geral dos maçons.

14) O direito de cada maçom de visitar e sentar-se em toda Loja regular.

15) Nenhum visitante, desconhecido como maçom, pode entrar em uma Loja sem primeiro passar um exame de acordo com os usos antigos.

16) Nenhuma Loja pode interferir nos negócios de outra Loja, nem atribuir graus a irmãos que são membros de outras Lojas.

17) Todo maçom está sujeito às Leis e Regulamentos da jurisdição maçônica em que reside.

18) Qualificações de um candidato: que ele seja homem, não tenha defeito físico, nascido livre, e de maior idade.

19) A crença na existência de Deus.

20) Subsidiária a esta crença em Deus, está a crença em uma ressurreição para uma vida futura.

21) Um “Livro da Lei” constituirá parte indispensável do mobiliário de cada Lodge.

22) A igualdade de todos os maçons.

23) O segredo da instituição.

24) A fundação de uma Ciência Especulativa, para fins de ensino religioso ou moral.

25) Estes Landmarks nunca podem ser modificados.

======================================

NOTAS

[1] J. W. Simons, The Principles of Masonic Jurisprudence”

[2] T. O Haunch, Conferência Prestoniana para 1972, que foi um estudo sobre a mudança.

[3] Publicado pela Southern Publishers Inc, Masonic Publications Division, 1924.

[4] Páginas 334-6.

================================================

Publicado originalmente em :  http://www.freemasons-freemasonry.com/doron.html

Publicado on julho 11, 2011 at 4:42 pm  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/maconaria-landmarks-e-antigas-obrigacoes/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário

  1. Parabenizo o Ir.’. Daniel pelo trabalho e principalmente o Ir.’. José Antonio pela tradução, diga-se, memorável. Sugiro apenas, caso seja possível, que seja acrescentada a pagina a opção para imprimir ou salvar os artigos postados, assim como, a mensagem de advertência de direitos autorais com os dados para citação. Um TFA.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: