Maçonaria e Poder (IX)

(publicado em http://a-partir-pedra.blogspot.com/ )

A introdução da Maçonaria em França correu através da classe nobre e contemporaneamente à Guerra Civil em Inglaterra. Os apoiantes dos Stuarts exilaram-se em França e aí organizavam-se procurando recolocar no trono o rei deposto ou os seus descendentes. Conforme já referi em Origem e primórdios do Rito Escocês Antigo e Aceite – o Discurso do Chevalier Ramsay, a própria génese do Rito Escocês Antigo e Aceite ocorre em França e no ambiente privilegiado da nobreza, isto é, no âmago do Poder, no tempo do Ancien Régime.

Devido à clivagem entre Antigos e Modernos, em Inglaterra, às rivalidades políticas resultantes da Guerra Civil inglesa e suas sequelas e à diferente vivência ritual existente nos dois países – em Inglaterra, praticando-se apenas o ritual da Craft, que ainda hoje permanece, designadamente no rito de Emulação; em França, criando-se e desenvolvendo-se outros rituais, designadamente o que viria a fixar-se como o do Rito Escocês Antigo e Aceite -, desde cedo existiu alguma rivalidade e alguns desencontros entre a Maçonaria inglesa, então Premier Grand Lodge, a Grande Loja dos Modernos, e a Maçonaria francesa (primeiro numa espúria Grande Loja de França, depois com o Grand Orient de France.

Os tempos da Revolução Francesa encontraram a Maçonaria desse país fortemente dividida, em termos de classes. Segundo um estudo de Estêvão de Rezende Martins (Quem Fez a Revolução Francesa, Revista Humanitas, vol. 7, n.º 2, p. 168), em maio de 1789 havia 200 deputados maçons nos Estados Gerais, pertencendo 79 destes à nobreza e distribuindo-se os restantes 121 pelo clero (sim, pelo clero católico!) e pela alta e média burguesia.

Napoleão Bonaparte utilizou conscientemente a maçonaria como instrumento político. Embora se tenha afirmado que ele próprio foi iniciado maçom em 1798, na ilha de Malta, não existem provas conclusivas de tal. No entanto, não existe dúvida de que quatro dos seus irmãos (José, que viria a ser rei de Espanha, Luís, que reinou na Holanda, Luciano, príncipe de Cannino e Jerónimo, rei da Westfalia) foram maçons. Também o foram o cunhado de Napoleão, Murat, e o enteado, Eugène de Beauharnais. E igualmente foram maçons 22 dos seus Marechais. José Bonaparte assumiu as funções de Grão-Mestre doGrand Orient, enquanto que Luís Bonaparte dirigiu a estrutura do Rito Escocês. Em dezembro de 1804, o Grand Orient anexou o Rito Escocês e a maçonaria francesa ficou sob a direção de José Bonaparte.

A invasão napoleónica da Península Ibérica foi efetuada com muitos militares maçons integrando as forças invasoras. A primeira loja maçónica criada pelos invasores napoleónicos na Península Ibérica foi a de San Sebastián, em 18 de julho de 1809. Seguiram-se outras em Vitória, Saragoça, Barcelona, Girona, Figueras, Talavera de la Reina, Santoñas, Santander, Salamanca, Sevilha e, naturalmente, Madrid, onde se instalou (em local que fora da Inquisição…) a Grande Loja Nacional de Espanha.
Em Portugal, e a título de exemplo, Gomes Freire de Andrade, que integrou o exército napoleónico em campanhas um pouco por toda a Europa, foi maçom e viria a ser Grão-Mestre do Grande Oriente de Portugal.

A Maçonaria francesa comprometeu-se fortemente na Revolução, adotando a sua divisa Liberdade-Igualdade-Fraternidade – que, ainda hoje, permanece, e justamente, como uma das divisas da Maçonaria.

Porém, em França, a Maçonaria não se limitou a ver elementos seus intervirem politicamente. Como um todo, enquanto instituição, a Maçonaria comprometeu-se com a Revolução, em prol dos ideais de Liberdade, de Igualdade, de Fraternidade, lema que a II República Francesa consagrou, em substituição do original revolucionário Liberdade, Igualdade ou Morte. Ao contrário da Maçonaria inglesa – e de todas as Obediências que hoje integram o universo da Maçonaria Regular, o Grand Orient não se limitou a criar as condições para que os seus membros individualmente se aperfeiçoassem e, assim, por essa via do aperfeiçoamento individual de cada vez mais, se lograsse o aperfeiçoamento da sociedade. Empenhou-se diretamente na transformação da Sociedade. Embora o empenhamento dos maçons franceses tivesse como escopo ideais nobres, como indubitavelmente são os da Liberdade, da Igualdade, da Fraternidade, da Democracia, o método, a forma, de proceder era já diferente do método e do procedimento ancestral maçónico.

Não admira, assim, que as divergências entre a Premier Grand Lodge e o Grand Orient se acentuassem. Até que uma decisão da Obediência francesa, a aceitação de ateus como maçons, veio a ditar a inevitável separação, pois a Maçonaria de tipo inglês não concebe que a qualidade de crente não seja condição necessária para se ser admitido maçom.

Consumou-se assim a separação em dois ramos daquilo que ainda hoje é, genericamente, conhecido apenas por Maçonaria: a Maçonaria Regular, de orientação inglesa, crente, que trabalha à Glória do Grande Arquiteto do Universo e sem intervenção institucional na Política, deixando ao critério de cada um dos seus membros a decisão de intervir, ou não, politicamente, pela forma que entender e inserindo-se na organização política que escolher, sendo proibida qualquer controvérsia política ou religiosa no seu seio; e a Maçonaria seguidora do percurso do Grand Orient de France, dita irregular, ou liberal, que não exige que os seus membros sejam crentes e que admite a intervenção política organizada dos maçons, em prol dos ideais de melhoria da sociedade que defende.

É esta dicotomia que a maior parte das pessoas que não conhecem a história e a evolução da Maçonaria não entende. Não há hoje uma Maçonaria, mas duas. Do antigo tronco comum, existe agora a Maçonaria Regular, crente e não interventiva politicamente, e a Maçonaria Liberal, que admite não crentes e a intervenção política enquanto instituição.

A Maçonaria Regular reconhece o Poder político vigente em cada sociedade e insere-se na mesma de acordo com a legislação vigente: onde legalmente for proibida a Maçonaria, a Maçonaria Regular não está presente. Destina-se a, dentro da legalidade, proporcionar aos seus elementos um meio, um método, um ambiente, uma cultura, que possibilite o aperfeiçoamento de cada um, para que cada qual, melhor, atue na sociedade e, por essa via, gradualmente, esta melhore também.

A Maçonaria Liberal procura estabelecer e garantir os ideiais que professa (e que são indubitavelmente corretos: Liberdade, Igualdade, Fraternidade, Democracia) nas sociedades onde atua. Se possível, agindo e inserindo-se legalmente nesta, e nela intervindo politicamente, para além do mais; mas, onde e quando necessário, lutando pela instauração dos valores que defende.

Nenhuma destas Maçonarias é, intrinsecamente, melhor ou pior do que a outra. São, apenas, diferentes. Uns – como os maçons da Loja Mestre Affonso Domingues – inserir-se-ão naturalmente na Maçonaria Regular, por entenderem ser a que melhor lhes convém. Outros preferirão juntar-se à Maçonaria Liberal.

Em termos de relacionamento com o Poder, naturalmente que a Maçonaria Regular tem um posicionamento mais distante, como qualquer outra instituição de cariz não político, enquanto que a Maçonaria Liberal assume a sua vocação de lutadora por valores essenciais e abertura à intervenção política.

Pode haver elementos do Poder tanto na Maçonaria Regular como na Maçonaria Liberal. Mas só os elementos da Maçonaria Liberal podem ser elementos da Maçonaria no seio do Poder. Esta distinção é essencial que seja feita.

Fontes:
http://www.samauma.biz/site/portal/conteudo/opiniao/ap00208revolucaofranc.htm

http://blogdamaconaria.blogspot.com/2008/05/liberdade-igualdade-fraternidade.html

Rui Bandeira

Continua em https://bibliot3ca.wordpress.com/maconaria-e-poder-x/

Publicado on setembro 22, 2011 at 8:56 am  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/maconaria-e-poder-ix-2/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: