Maçonaria e Poder (II)

(publicado em http://a-partir-pedra.blogspot.com/ )

Antes de se avançar, importa estabelecer bem o significado das palavras, para que não se estabeleçam confusões.

Maçonaria e Poder – que significado neste conjunto de textos se atribui a Maçonaria? E qual o alcance do termo Poder?

Neste conjunto de textos, sempre que utilizar simplesmente a palavra Maçonaria, estarei a utilizá-la no sentido mais amplo possível, tanto quanto possível procurando abarcar o conceito tal como o entende o comum cidadão, de fora, sem grandes precisões ou distinções.

Precisamente porque o objetivo deste conjunto de textos é proporcionar ao cidadão comum, sem grandes conhecimentos ou noções precisas sobre a Maçonaria informação que lhe possibilite assentar as suas ideias sobre o tema com algum fundamento, não faria sentido utilizar a palavra senão no sentido amplo que o cidadão comum lhe atribui.
Assim, neste conjunto de textos, a palavra Maçonaria respeita tanto à Maçonaria Regular como à Liberal, masculina como feminina ou mista, de corrente mais esotérica ou de índole mais social. Quando houver necessidade de precisar, precisar-se-á o conceito. Basicamente, utiliza-se a palavra segundo o significado que ela tem para quem está de fora.

Também será útil deixar uma advertência: procurar-se-á elaborar uma exposição e fazer uma análise tão objetiva quanto a subjetividade de quem escreve for capaz – e sobretudo limitando os juízos de valor ao mínimo possível. Quem frequenta este blogue sabe que os que aqui escrevem se integram na Maçonaria Regular, que é distinta da Maçonaria Liberal. Mas o propósito não é – nem neste espaço nunca foi, pois aqui procura-se respeitar sempre as opções individuais de cada um! – argumentar com uma qualquer superioridade de uma orientação em relação à outra. Tenho a minha opinião sobre o diferente efeito potencial que as diferenças entre a Maçonaria Regular e a Maçonaria Liberal pode ter no relacionamento de uma e de outra com o Poder. Mas restam-me muito poucas dúvidas de que as diferenças efetivas nesses relacionamento decorrem muito mais de razões e percursos históricos e de pontuais tendências subjetivas do que de eventuais inevitabilidades sistémicas.

Não se procura, assim, direta ou indiretamente, afirmar que uma corrente é melhor do que a outra, mais “pura”, com ideias “que lavam mais branco”. Sempre aqui afirmei – e mantenho e insisto – que considero que, na comparação entre Maçonaria Regular e Liberal, o juízo correto não é declarar ou pretender que uma seja melhor ou pior do que a outra, antes reconhecer que são diferentes – nem muito, nem pouco, diferentes em dois ou três pontos que bastam para que as vejamos como instituições diferentes, sem perder de vista o muito em que são semelhantes. Tão só. E o facto de me integrar na Maçonaria Regular e não na Liberal não tem nada a ver com um eventual juízo meu de pretensa superioridade daquela em relação a esta, apenas e tão só do facto de eu ter procurado integrar-me na tendência que considerei mais afim ao meu pensamento e à minha crença, sem juízos de valor em relação ao pensamento e crença, ou falta dela, alheios.

Também em relação ao segundo termo da equação em análise – o Poder – se justifica uma breve advertência. Neste conjunto de textos, o termo será utilizado igualmente na sua aceção mais ampla, abrangendo não só o Poder Político – que é a noção natural e correntemente utilizada -, mas também o Poder Económico, a Influência Social, o Poder Religioso, a Influência do Saber , enfim tudo o que, sempre na perspetiva do homem comum permite equacionar que alguém se superiorize a outrem, que lhe imponha regras ou comportamentos, que obtenha ou possibilite vantagens. Mais uma vez, sempre que por necessário ou conveniente precisar, precisar-se-á.

Uma última nota: gosto muito de enquadrar o meu pensamento com a perspetiva histórica. entendo que as coisas são o que são, não por acaso, não por voluntarismos, mas porque foram de determinada maneira e tiveram uma específica evolução, que necessariamente condicionam o que são hoje. Não me faz, consequentemente, sentido, procurar dissertar sobre as relações, ou falta delas, entre a Maçonaria e Poder aqui e agora, sem previamente procurar entender como foram, ao longo do tempo e em diversos lugares e circunstâncias, essas relações, buscando entrever sequências, influências, causas e efeitos, que, tanto quanto possível, ajudem a compreender não só as coisas como elas são, mas o como e o porquê de serem como são..
Esclarecido isto, posso então começar a análise do tema no próximo texto.

Rui Bandeira

Continua em https://bibliot3ca.wordpress.com/maconaria-e-poder-iii/

Publicado on setembro 22, 2011 at 8:46 am  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/maconaria-e-poder-ii/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: