Leprecum

Tradução José Filardo

Leprecum, leprecaun, lepracaun, leipreachán 

[Cf. MidIr. luchorpán, Corpo pequeno; irlandês moderno leipreachán, luprachán ];

Formas paralelas regionais e arcaicas: lochramán, loimreachán, loragádán,  lubrican , luchragán, luchramán,  luprecan , lúracán, lurgadán, lurikeen. Entidade masculina, guardião de tesouros escondidos, da tradição literária oral  Irlandesa  cuja identidade original é agora irremediavelmente obscurecida por dois séculos de  transmogrificação  comercial e artística, longe das raízes da cultura  Gaélica . Ao contrário da percepção popular, o leprecum de forma nenhum representa todo o reino das fadas irlandesas nem ele é seu exemplo mais impressionante na tradição irlandesa. Também obscurecidas são as variações regionais agora arcaicas, a maior parte delas anteriores a meados do século 19. O dominação do leprecum, segundo a percepção de fora da tradição irlandesa deriva da grande recepção popular das obras de T. Crofton Croker, especialmente Lendas e Tradições de fadas do Sul da Irlanda (1825), e adaptações literárias de prestígio, nomeadamente o poema ‘Leprecaum’ de  William Allingham  ( c. 1870), Lendas antigas… da Irlanda de Lady Wilde (1887), Crock of Gold de James Stephens (1912), e o musical americano parcialmente baseado em O Arco-íris do Finian de Stephens (1947).

A primeira antecipação do leprecum vem na representação dos elfos da água, luchoirp ou luchorpán, descritos no texto do oitavo século Echtra Fergusa Maic Leti [A Aventura de Fergus, filho de Lete]. Na narrativa, Fergus está dormindo em sua carruagem à beira-mar quando os elfos o levantam, separado de sua espada, e o carregam sobre a água. Quando ele prende três deles, eles prometem compartilhar suas habilidades na natação, como condição de sua libertação. Este retrato, juntamente com glossários anteriores salientando as grafias do norte  Leinster , sugere que, inicialmente, o leprecum era uma criatura aquática ou, pelo menos, anfíbia. Mas, vários termos comparáveis de diferentes partes da  Irlanda  sugerem outras associações. De outro lugar em Leinster: loimreachán, lúracán. De  Connacht : lúracán. De  Munster : luchragán, lurgadán. De  Úlster : luchramán. Talvez contribuindo para essas concepções são os monstruosos lupracánaig da pseudo-história  Lebor Gabála  [Livro das Invasões],  gerado  pelo Cam bíblico como resultado da maldição colocada sobre ele por seu pai  Noé .

Desde o tempo das Lendas de Fadas de Crofton Croker (1825) o leprecum tem sido frequentemente confundida com outras duas fadas solitárias conhecidas por nomes  Hiberno-Ingleses , o  cluricaune , que bebe, fuma e adegas, e assombra os travessos  far darrig . Abundante evidência existe agora para demonstrar que o leprecum floresceu na tradição oral antes do século 19. Existem alusões à figura na toponímia Knocknalooricaun [morro dos duendes] perto de  Lismore , Condado de Waterford, e Poulaluppercadaun [piscina do leprecum] perto de  Killorglin , Condado de  Kerry . A anglicização lubrican apareceu em 1604. Ao leprecum recuperado da tradição irlandesa falta o humor e despreocupação de seu simulacro literário e comercial. Em vez disso, ele (não existem fêmeas) é muitas vezes melancólico e, até mesmo  triste . Feio e atrofiado com uma cara de maçã seca, o leprecum pode ser ranzinza,  ébrio  e boca suja. Em sua única e  mais conhecida  história, conhecida em muitas variações, o leprecum enquanto ocupado fazendo sapatos é capturado por um mortal comum, que exige saber onde o pote de ouro é mantido. Se o mortal puder manter os olhos sobre o leprecum, sem se distrair, o ouro será dele. O astuto leprechaun, no entanto, pode sempre distrair o mortal, muitas vezes apelando para sua  cupidez  ou credulidade, para que o perdedor se culpe. Outros motivos, como o leprecum sentado em um cogumelo, barba vermelha no estilo  Galway , chapéu verde, etc, são claramente invenções, mas alguns são empréstimos do folclore europeu, especialmente do espírito familiar alemã, o  kobold. Alguns retratos das aventuras do leprecum no domicílio podem ter entrado no folclore do Ulster vindo da  fadinha  dos colonos  Escoceses. Ver também  GANCONER.

Bibliografia

  • D. A. Binchy, ‘The Saga of Fergus, Son of Léti’Ériu, 16 (1952), 33–48
  • ‘Echtra Fergusa maic Léti’, in Irish Sagas, ed. Myles Dillon (Cork, 1968), 40–52
  • James Carney, Studies in Irish Literature and History (Dublin, 1955), 103–10
  • Diarmaid Ó Giollán, ‘An Leipreachán San Ainmníocht’, Béaloideas, 50 (1982), 126–50
  • ‘The Leipreachán and Fairies, Dwarfs and the Household Familiar: A Comparative Study’, Béaloideas, 52 (1984), 75–150

 

(A Dictionary of Celtic Mythology, by James MacKillop, Oxford University Press)


Publicado on junho 21, 2012 at 10:44 am  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/leprecum/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: