Teria Jesus apoiado o vale-refeição?

Tradução José Filardo

 AlterNet  / Por  CJ Werleman

A direita está cheia de analfabetos bíblicos: Eles ficaria chocados pelos ensinamentos de Jesus se alguma vez pusessem a mão em uma Bíblia

Bill O’Reilly da Fox News defendeu os cortes de gastos do Partido Republicano para o NAP declarando efetivamente que Jesus não apoiaria o vale-refeição para os pobres, porque a maioria deles é viciada em drogas. Se sua observação insensível é inconsistente com as Escrituras, e ela é, então, a questão torna-se, por que as cabeças falantes da direita se saem bem mesmo proclamando o que Jesus apoiaria ou não?

A resposta é simples: Conservadores não leem a Bíblia.

O Direito transformou com sucesso o judeu liberal de pele morena que dava assistência médica gratuita e era favorável à redistribuição da riqueza, em um conservador de pele branca, anti-impostos, anti-sindical, pelo fato de que um número esmagador de americanos são surpreendentemente analfabetos quando se trata de compreender a Bíblia. Em questões sociais polêmicas, desde o casamento do mesmo sexo ao aborto, passagens bíblicas são invocadas sem qualquer compreensão real do contexto ou do verdadeiro significado. É surpreendente como os cristãos sabem pouco do que ainda é o livro mais popular que jamais surgiu no continente americano.

Mais de 95 por cento dos lares americanos possuem pelo menos um exemplar da Bíblia. Então, quanto os americanos sabem do livro que um terço do país acredita ser literalmente verdade? Aparentemente, muito pouco, de acordo com dados do grupo Barna Research. Pesquisas mostram que 60 por cento não consegue nomear mais do que cinco dos Dez Mandamentos; 12 por cento dos adultos acha que Joana D’Arc era a esposa de Noé, e quase 50 por cento dos alunos do colegial pensam que Sodoma e Gomorra eram casados. Uma pesquisa do Gallup mostra que 50 por cento dos norte-americanos não consegue dar o nome do primeiro livro da Bíblia, enquanto cerca de 82 por cento acredita que “Deus ajuda quem se ajuda” é um versículo bíblico.

Assim, se os americanos recebem nota zero em fundamentos básicos da Bíblia, que esperança eles têm em saber o que Jesus diria sobre os sindicatos, os impostos sobre os mais ricos, assistência médica universal e vale-refeição? Fica fácil espalhar uma mentira quando ninguém sabe o que é a verdade.

A verdade, se os republicanos gostam ou não, não só é que Jesus era um judeu liberal manso e suave, que falava baixinho em parábolas e metáforas, mas que os conservadores foram aqueles que mandaram matá-lo. Os conservadores americanos, no entanto, transformaram Jesus em um guerreiro masculino musculoso, da mesma forma que os nazistas fizeram, como um meio de combater o que eles veem como a modernização da sociedade.

O autor Thom Hartmann escreve: “Um impulso significativo por trás do ataque às mulheres e à modernidade era o sentimento de que as mulheres tinham invadido esferas masculinas tradicionais, como o local de trabalho e faculdades. Além disso, a liderança das mulheres nas igrejas tinha prejudicado o cristianismo através da criação de um clero afeminado e um fraco sentido de si mesmo. Tudo isso foi associado ao liberalismo, feminismo, mulheres e à modernidade “.

É quase absurdo especular qual seriam as posições de Jesus sobre qualquer questão, dado que sabemos tão pouco sobre quem Jesus era. Conhecer o Novo Testamento não é simplesmente uma questão de ler a Bíblia de uma capa à outra, ou memorizar um punhado de versículos. Conhecer a Bíblia exige uma compreensão contextual acadêmica de autoria, história e interpretação.

Por exemplo, quando os Republicanos estavam justificando seus cortes no programa de vale-refeição, eles citavam 2 Tessalonicenses: “Qualquer pessoa não disposta a trabalhar não deve comer”. Uma pesquisa mostrou que mais de 90 por cento de cristãos acreditam que essa citação do Novo Testamento é atribuída a Jesus. Não é. Ela foi retirada de uma carta escrita por Paulo à sua igreja em Tessalônica. Paulo escreveu a essa congregação específica para lembrá-los de que, se eles não ajudassem a construir a igreja em Tessalônica, eles não seriam pagos. E a carta também não passa de uma fraude. Surpresa! Os estudiosos da Bíblia concordam que é uma falsificação escrita por alguém fingindo ser Paulo.

O que muitas vezes vem como uma surpresa para o cristão médio consumidor de vinho e hóstia é que o Novo Testamento não caiu do céu no dia em que se diz ter o fantasma de Jesus ascendido ao céu. O Novo Testamento é uma coleção de escritos, 27 no total, dos quais 12 são creditados à autoria de Paulo, cinco aos Evangelhos (quem quer que escreveu Lucas também escreveu Atos), e o saldo permanece aberto para debate ou seja, autoria desconhecida. O próprio Jesus jamais escreveu uma única palavra do Novo Testamento. Nem um único poema, muito menos um artigo de opinião sobre o por quê de, após reflexão, matar sua filha por uma resposta malcriada, provavelmente, não soa boa paternidade.
O melhor argumento contra um Jesus histórico é o fato de que nenhum de seus discípulos nos deixou um único registro ou documento sobre Jesus ou seus ensinamentos. Então, quem eram os autores dos evangelhos? A resposta curta é que não sabemos. O que sabemos é que não só nenhum deles jamais se encontrou com Jesus, mas também que eles nunca encontraram as pessoas que supostamente encontraram Jesus. Tudo o que temos é um monte de histórias ao redor de fogueiras contadas por pessoas que nasceram gerações depois da suposta crucificação de Jesus. Em outras palavras, vários autores não identificados, cada um com seus próprios motivos teológicos e ideológicos para escrever o que escreveram. Assim, não temos um único testemunho ocular independentemente verificável ​​de Jesus – mas isso não impede os Republicanos de falar em seu nome.

O que sabemos sobre Jesus, pelo menos de acordo com os respectivos evangelhos, é que sentimentos de Jesus ecoavam de perto as políticas sociais e econômicas da esquerda política. As bem-aventuranças do Sermão da Montanha soam como declaração de missão da ACLU: “Bem-aventurados os pobres, porque deles é o reino dos céus”, “Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra” e “Bem-aventurados os pacificadores”. Jesus também disse:” Não julgueis aquele que não será julgado” e “Vende o que tens e dá-o aos pobres”.

Assim, quando os Republicanos acusam Obama de ser um socialista de pele escura que quer redistribuir a riqueza, eles estão pensando em Jesus. Stephen Colbert brincou: “Jesus estava sempre batendo boca sobre os pobres, mas nunca ele clamou por um corte de impostos para os dois por cento dos romanos mais ricos.”

O analfabetismo bíblico é o que tem permitido que o Partido Republicano se saia bem ao forjar Jesus à sua imagem. É por isso que os políticos da direita podem se safar dizendo que o Senhor ordena que nosso sistema de saúde, prisões, escolas, aposentadoria, transporte, e todo o resto deve ser administrado por empresas com fins lucrativos. Ironicamente, o Jesus republicano era realmente um ateu devotado – Ayn Rand, que chamou a religião cristã de “monstruosa”. Rand defendia o egoísmo em detrimento da caridade, e ela dividia o mundo em realizadores contra usurpadores. Ela também declarou que os seguidores de sua filosofia tinham que escolher entre Jesus e seus ensinamentos. Quando a direita cristã acredita que está canalizando Jesus quando dizem que é imoral para o governo tributar bilionários para ajudar a pagar os cuidados de saúde, a educação e os pobres, eles estão, na verdade, canalizando Ayn ​​Rand. Quando Bill O’Reilly afirma que os pobres são imorais e preguiçosos, isso não é Jesus, é Ayn Rand.

O preço que este país pagou pelo analfabetismo bíblico é medido por quão longe nós nos movemos em direção à utopia de Ayn Rand. Nas últimas três décadas, reduzimos os impostos sobre as grandes empresas e os ricos, destruímos os sindicatos, desregulamentamos os mercados financeiros, corroemos as redes públicas de segurança e comprometemo-nos com uma acordo de livre comércio corporativo globalista atrás do outro. Rand estaria sorrindo para nós do céu em que ela não acreditava.

Com a extrema-direita, a maior parte das decisões do Supremo nomeado por Republicanos decidindo a favor da Citizens United dos irmãos Koch, o fluxo de bilhões de dólares de doadores anônimos para o bloco eleitoral mais confiável do Partido Republicano – a Direita Cristã – a versão anti-governo, biblicamente incompatível, pró-desregulamentação de negócios, anti-saúde-para-todos americano de cristianismo do Tea-party continuará a se perpetuar.

CJ Werleman é o autor de  Crucifying America  e  God Hates You, Hate Him Back . Siga-o no Twitter  @cjwerleman .

Publicado on dezembro 28, 2013 at 12:47 pm  Comments (2)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/jesus-nao-teria-apoiado-o-vale-refeicao/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Entre o que diz Werleman e Rand, fico com a última. Usar frases soltas, fora de contexto, daquilo que é atribuído a jesus, só porque se enquadra a um tipo de pensamento que o autor defende, é simplista demais. A bíblia é um livro, tipo roupa tamanho único, que serve, agrada e desagrada qualquer um, aos analfabetos e letrados. Os randianos, talvez, prefiram: “a cada um será dado, segundo suas obras”.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: