Jesuítas Bretões na fonte da Maçonaria Francesa?

Tradução José Filardo
por  Francis Moray

Um dos “quadros de missão” jesuítas usados no final do século XVII – Antes do advento da Maçonaria Moderna

 

Jesuíta! Maçom! Dois termos raramente associados – exceto pelos adeptos das fantasias complotistas ou um Umberto Eco no Cemitério de Praga. Duas palavras raramente associadas, certamente, mas a quantidade de elementos que sugerem que seria preciso – e até provável – desenterrar a questão das ligações – reais ou imaginárias – entre a Maçonaria e Companhia de Jesus.

Com frequência, nos recantos mais obscuros da Maçonaria – obscuros porque menos explorados – não é incomum ver a sombra dos jesuítas. Jesuítas que, antes de serem rebatizados com esse nome, chamavam-se entre si de “companheiros” …

Certamente, a eventualidade de conexões reais entre jesuítas e maçons seria suficiente para irritar ambos os lados, que em parte esse site de busca quase deixa abandonada e esta história ainda está largamente por escrever. Deste ponto de vista, o estudo particular do eventual impacto que puderam ter os missionários da Companhia na Grã-Bretanha, nos séculos XVII e XVIII sobre a futura maçonaria em gestação, principalmente sobre a metodologia dos painéis de loja que não deixa de ressoar com nosso assunto.

Formar a sociedade de amanhã

Não é o caso de se concentrar aqui especificamente nos primórdios da maçonaria na Bretanha a partir do final do século XVII, que as obras de André Kervella em particular, puderam vir à luz (1). No entanto, para a pergunta diante de nós, já podemos destacar que um grande número de maçons ou seus filhos foram alunos de escolas jesuítas em Quimper, a primeira (inaugurada em 1621) e em Brest, aberta um pouco mais tarde (1686). No contexto particular desse balbucio da maçonaria, na virada dos séculos XVII e XVIII e nos primeiros anos deste último, a pedagogia e a metodologia (muito teatralizada) inacianas, pelo menos – se não a doutrina – não tiveram alguma influência sobre esses homens que estarão começando na sociedade de seu tempo? Certamente, nessa época, a Companhia de Jesus administrava uma parte considerável dos colégios e, assim, formou uma certa elite burguesa em toda a França (a nobreza se reservava mais à viril carreira das armas que aos jogos “amolecedores” do espírito). Mas é inegável que esta formação jesuíta se revestia de uma dimensão considerável na Bretanha e tanto mais, quanto à maçonaria, que esta pequena burguesia comerciante exercerá um poder significativo em torno do armamento dos portos e, portanto, no seio das primeiras lojas de Ponant.

Jesuítas de choque

Sem que eles a tenham realmente inventado em sua prática, os jesuítas elevaram especificamente a aculturação em princípio da ação e a estruturaram. A aculturação é a ideia de introduzir suas próprias filosofias em uma determinada terceira cultura, fingindo adotar essa última, de viver com as pessoas o mais próximo delas. Em suma, pode-se dizer que os asiáticos estarão entre os primeiros alvos desta aculturação, montar o tigre, esposar mais de perto as práticas de um povo para melhor o transformar.

No espírito da transformação e da aculturação, a Grande Obra dos jesuítas será a educação. Os jesuítas revelar-se-ão mestres em matéria de inovação e engenharia pedagógica. Para atingir os seus fins – o fim justifica os meios, diz o conhecido ditado jesuíta – eles se mostraram muito inovadores, mesmo revolucionários: por exemplo, grande novidade na época, as escolas jesuítas serão gratuitas e assim permanecerão até a supressão temporária da ordem em 1763.

Somente se os jesuítas proporcionavam uma atenção especial a esta população educada, potencialmente influente um dia, certamente entre eles, mesmo que não fossem a maioria, não se esqueciam das “pessoas pequenas”. Isso será especificamente o caso na Bretanha, que, como sabemos, tinha uma relação especial com a religião. “No século XVII, nossa Bretanha francesa foi completamente conquistada pelos hábitos jesuítas e o tipo de piedade do resto do mundo. Até então, a religião tinha tido um caráter absolutamente à parte “, escreveu Ernest Renan (2).

No centro deste dispositivo, encontramos uma personagem particularmente incomum, o padre jesuíta Julian Maunoir (1606-1683). Ar Tad Mad! O Bom padre! Maunoir, o Bendito (3)! Maunoir o exagerado. O homem do “Sempre mais! “. Um homem paradoxal, em todo caso, que é aquele a quem se odeia ou a quem se incensa, sem nuance. Mas não teria havido Maunoir sem seu mestre, Michel o Nobletz (1577-1652). Este tem um certo lado de João Batista, aquele do eremita exaltado pregando no deserto às multidões mais surpresas que fascinadas. Parafraseando João, 3: 30, existe no relacionamento Nobletz-Maunoir um eco da exclamação de Batista: “Era necessário que ele [Maunoir] crescesse e que ele [Nobletz] diminuisse. No binômio Nobletz-Maunoir, o primeiro será sem dúvida o inspirador enquanto o segundo será o mestre de obra. Esse último somente dará, ao todo, apenas uma magnitude especial para a “obra” nascida na mente de seu mestre. Nobletz havia limpado e arado; Maunoir semeará e colherá.

Os Taolennoù, ancestrais dos painéis de loja?

Há pouca informação sobre a vida de Michel Nobletz fora do âmbito da hagiografia de Maunoir, seu biógrafo. Mas o que vai especialmente chamar nossa atenção é sua “invenção” de um processo pedagógico original: o Taolennoù (4). Para edificar e atingir o espírito de uma população totalmente ignorante e propensa ao medo irracional, ele desenvolve, de fato estas ferramentas pedagógicas inovadoras com base em ilustrações, esses quadros de missão, um tipo de revista em quadrinhos próprios para impressionar da maneira certa de um “bom cristão”. Existem algumas dezenas desses quadros que ele criou e que podem ser divididos em duas categorias: a primeira declinava os temas mais facilmente compreensíveis: sobre o bem e o mal, os meios a encontrar e ganhar o Paraíso (ar Baradoz), as ameaças infernais … com nomes tais como a Vida de Nosso Senhor, quadros do Padre Nosso, do inferno, dos sete pecados capitais, da Paixão … A segunda categoria era de uma abordagem mais difícil com conteúdo muito mais esotérico, para não dizer herméticos como aqueles intitulados as Três árvores, o Cavaleiro errante, as Seis Cidades de Refúgio …

Não se pode deixar de notar uma semelhança real, tanto formal e gráfica quanto metodológica, entre estes “quadros de missão” pintado em couro, telas ou placas de madeira e os futuros painéis (ou tapetes) de Loja da maçonaria. Quase se poderia chegar a ver um paralelo entre o mais simples Taolennoù, da primeira categoria, e os painéis de lojas simbólicas (três primeiros graus da Maçonaria), e de outro lado, entre os mais complexos da segunda categoria e os altos graus da maçonaria na dimensão cavalheiresca. Além disso, tantos uns e quanto os outros estavam associados a catecismos elementares de perguntas e respostas. Seria fácil ver uma relação entre estes Talennouù e os painéis de lojas maçônicas. Especialmente considerando que a utilização destes últimos será primeiro uma prática continental mais que Anglo-Saxã (a Inglaterra não adotara verdadeiros painéis de loja a não ser muito mais tarde e ainda assim eles terão uma forma um pouco diferente).

Evangelização através de grandes espetáculos

Escarnecido, o idealista Nobletz, ar bellec for, o “padre louco” vai transformar o mundo todo. Maunoir, pragmático e estrategista, rapidamente compreendeu que os métodos de “ourives” de seu mentor o condenavam a um público limitado e que, se ele queria tocar o maior número, ele deveria passar a uma produção mais intensiva (em termos cinéfilos modernos, poderíamos dizer que de cinema de autor, ele optou pela realização de filmes de sucesso, e isso é exatamente o que ele vai fazer com suas encenações grandiosas). À “qualidade” de seu mestre, ele prefere a “quantidade”.

Foi a partir de 1640 que realmente vai começar o trabalho missionário de Maunoir. Ele cai na estrada. Nobletz legou-lhe seus Taolennoùs, seus cadernos “manuais”, seus livros, sua varinha (que Maunoir sabe como usar este instrumento cheio de poderes ‘mágicos’), seu sininho … Nobletz caminhava quase sozinho; Maunoir coloca-se à frente de um pequeno exército de sacerdotes (e até mesmo mulheres catequistas) dedicados à sua causa, tais como “cavaleiros errantes” (para citar o título de um dos Taolennoù mais enigmáticos quanto ao seu significado mais profundo). Por mais de 42 anos, o homem de “sempre mais” (segundo um de seus apelidos), não vai parar de evangelizar. Maunoir estrutura suas missões, que duram de três a quatro semanas, de maneira muito militar. Muito rapidamente, ele adquiriu um senso de encenação. Ele era cheio de achados litúrgicos, sabia usar e abusar de artifícios … E funcionava: ele atraía multidões, tanto como espectadores quanto colaboradores. Vinha-se tremer, se extasiar, cantar … e acessoriamente, orar. Mas o que se deve orar? O maravilhoso está em todos os lugares. Como no culto de antanho. Há aparições e milagres, mais ou menos encenados, doentes curados, surdos recobrando a audição, cegos a visão, mudos a fala, coxos o movimento … Tudo é feito para amortecer os espíritos, de forma rápida e forte, usando todos os truques da encenação emocional. Pierre-Jakez Helias, em seu famoso livro, O Cavalo do Orgulho descreveu o efeito dramático que os “quadros” [Taolennoù] do Padre Maunoir ainda produziam sobre uma criança do início do século 20.

No final de sua vida, quase mil sacerdotes o seguiam e em suas missões, ele é sempre acompanhado por vinte a quarenta assistentes. Com Maunoir, os números são na verdade muito rapidamente impressionantes. Em apenas um ano (1641), ele conta, teria realizado 3.000 conversões (ainda havia a quem converter em um país considerado católico a 99%?) e 40.000 pessoas educadas (e 1641 é apenas o começo de suas missões). No final de sua vida, em 1683, ele teria completado 439 missões, afetando mais de 400.000 pessoas. Se os números estão corretos, ele não podia deixar de ter um impacto sobre as populações bretãs – de influência ou rejeição, de admiração ou repulsa.

Embora muitas vezes o associemos a isso, Maunoir acabará por não ter usado muito os Taolennoùs exceto em um sentido de filiação emocional com Nobletz (5). Para Maunoir, os quadros permitiam metodologicamente apenas uma transmissão de informação a muitas poucas pessoas a cada vez. Mas ele reconhecia completamente o valor pedagógico, e de alguma forma, seus shows e encenações grandiosas são verdadeiros Taolennoùs ao vivo. Ele também deixou traços na paisagem Bretã, que também retomam o processo pedagógico dos “quadros”. Podemos pensar, assim, das esculturas do menir de Saint Uzec em Pleumeur-Baudou, cristianizado em 1674, durante uma missão de Maunoir, que são autênticos Taolennoùs de pedra … e que, mais uma vez, lembram surpreendentemente, incluindo os símbolos utilizados, os futuros painéis de loja.

Obviamente, na realidade, não é novamento possível estabelecer a filiação certa entre os “quadros de missão” e os painéis de loja. É possível apenas notar uma semelhança surpreendente de uso e forma. E há que se lembrar (especialmente se os jesuítas puderam integrar as fileiras da Maçonaria) de uma possível conexão entre os futuros utilizadores (ou designers) dos painéis de loja e sua educação jesuítica na Bretanha no auge da utilização maciça e espetacular dos Taolennoùs.

Notas:

1: em particular, estão nas origens da Maçonaria francesa: exilados britânicos e cavalheiros Bretões, 1680-1750, Edições do Priorado, 1996. A obra está prestes a ser relançada em uma versão revisada, ampliada e corrigida com o título, Maçonaria Francesa. Os precursores jacobitas na Bretanha (1689-1750), publicado pela Editora Pedra Filosofal.

2: Memórias da infância e juventude.

3: Declarado beatificado em 1951, depois de quase três séculos de lobby eclesiástico bretão para esta beatificação, tornando-o o apóstolo da Bretanha.

4: Em Bretão simplesmente “quadro”.

5: É principalmente outro jesuíta Vicente Huby (1608-1693), que vai usá-lo em sua casa de repouso em Vannes, mais para a formação de uma elite (não só religiosa).

Publicado 11 de janeiro de 2017  em http://www.fm-mag.fr/article/societe/des-jesuites-bretons-1419

Publicado on fevereiro 21, 2017 at 5:49 pm  Comentários desativados em Jesuítas Bretões na fonte da Maçonaria Francesa?  
%d blogueiros gostam disto: