Isaac Newton, o herege – Última Parte

Tradução – José Antonio de Souza Filardo

AS ESTRATÉGIAS DE UM NICODEMITA

Conduitt afirmou que ‘Sir I. teve a felicidade de ter nascido em uma terra de liberdade, em uma época onde ele [podia] dizer o que pensava – sem medo de [a] Inquisição como era Galileu’. Isso não era inteiramente correta da filosofia natural de Newton; era manifestamente falso sobre sua fé religiosa. Conforme escreveu Mark Goldie, ‘A Inglaterra da Restauração era uma sociedade perseguidora’. Embora a tolerância aumentasse durante início do o século XVIII, Newton ainda tinha razão para temer a poderosa inquisição social. Impedido de manifestações públicas de sua heresia, e em resposta a estas estruturas restritivas, Newton acessou ​​e desenvolveu uma série de estratégias Nicodemitas e, com poucas exceções, voltou-se para dentro e conteve sua religião na esfera privada. Recuperar essas estratégias é fundamental para dar sentido às suas manobras públicas e privadas.

Tentativas para alinhar Newton a qualquer única tradição teológica terminará em fracasso. Newton era um teólogo eclético, abeberando-se do anglicanismo, calvinismo, judaísmo, seitas arianas do século IV, teologias radicais do século XVII e sua própria inovação exegética. As últimas três vertentes eram heréticas e sua consciência disso trouxe as exigências de isolamento. Mas, homem nenhum é uma ilha – nem mesmo Newton. A euforia da descoberta religiosa e a necessidade de companheirismo o induziram a buscar a comunhão espiritual com Locke, Fatio, Haynes, Whiston, Clarke e – talvez o mais antigo de todos – nos livros de Sand e dos Irmãos Poloneses. Quando Newton planejava publicar o seu ‘Duas corrupções notáveis’ em 1690, e quando o fez publicar seu Scholium Geral em 1713, seus argumentos e intenções o alinhavam com estes e outros inimigos antitrinitários da Igreja. Aqui está o imperativo que nós entendemos como meio teológico de Newton. Devemos abandonar metáforas da verticalidade – em que a ortodoxia é colocada na parte superior e a infidelidade na parte inferior – e reposicionar a escala horizontalmente. Newton tinha um claro sentido de onde ele se encontrava: à sua direita estavam os ortodoxos (que acrescentavam à verdade) e à sua esquerda os infiéis (que o levavam para longe dela). O mundo ao redor dele era corrupto e em seu idealismo, ele decidiu separar-se dele. Para reforçar sua posição, ele se apropriou de teologias não corrompidas pelo homoousianismo – antigo e moderno – e que enfatizava seu Criador Deus de domínio. Que o próprio Newton não era deísta, não pode haver dúvida; Deístas não acreditam em profecia ou no poder salvador do sangue de Cristo, nem eles doam secretamente cópias da Palavra de Deus aos pobres. A incapacidade da maioria dos observadores contemporâneos de compreender o meio de Newton levou a uma grande dose de interpretação equivocada. Visto ao longo do eixo x do biblicismo e da piedade, Newton parecia ortodoxo; ainda ao longo do eixo y da doutrina, ele parecia herético – até mesmo perigosamente. Assim, a partir das ações do mesmo homem surgiram os dois retratos conflitantes (e incorretos) de Anglicano dedicado e de radical infiel.

A utilidade dos rumores como um dispositivo explicativo deve agora ser aparente. Mais importante ainda, eles agiram como ainda mais uma estrutura limitadora dentro da qual Newton tinha que operar. Para um homem que odiava disputas, os rumores eram a confirmação de quão controversa a pregação aberta teria sido. Os relatórios de não ortodoxia também fornecem um cenário ilustrativo do incitamento insistente de Kneller e pergunta provocativa de Debi. Trabalhando sob um cerco de insinuações, Newton foi ainda mais se entrincheirando em sua política de silêncio. Um homem que acreditava que a filosofia era uma ‘Senhora impertinentemente briguenta’ muito improvavelmente submeteria a sua teologia herética ao turbilhão da opinião pública. Após sua morte, a existência de calúnia contra Newton também motivou criação de imagem reativa e tentativas de controlar a jurisdição do Newton público. Percebendo que os rumores de infidelidade eram em um nível subprodutos de Newton posicionar sua fé na esfera privada; aqueles com conhecimento privilegiado da sua piedade quiseram compensar empurrando isso para o domínio público. Craig pediu que Conduitt publicasse os manuscritos de Newton, de modo que ‘o mundo possa ver que Sir Isaac Newton era tão bom cristão quanto ele era um matemático e filósofo’, o que impediria ‘os infiéis’ de fingir ‘que sua aplicação ao estudo da religião era efeito da velhice’. Whiston tinha suas próprias razões partidárias para pedir a publicação e os apologistas Unitarianos mais tarde assumem seu chamado.

A heresia e o Nicodemismo de Newton também são úteis para explicar vários aspectos de sua carreira. As pressões associadas à sua heresia e maneiras nicodemicas secretas forneceram um contexto adicional para o colapso nervoso de 1693. A peregrinação de Cambridge a Londres em 1696, que Newton tinha procurado por vários anos, também pode ser visto pelo menos parcialmente, à luz da sua heresia. Conforme Whiston descobriria 14 anos mais tarde, Londres oferecia um mundo sem juramentos ou testes religiosos. Newton cultiva uma imagem de respeitabilidade lá e também desenvolveu para si mesmo a poderosa proteção de conexões sociais e patrocínio. É digno de nota, portanto, que a evidência clara de dos relacionamentos heréticos de Newton e o proselitismo só começaram no final da década de 1680 e início dos anos 1690s. A confidência posterior aos Principia e a relativa segurança de seu período em Londres ajudam a explicar este início ou aumento da pregação clandestina. Mas, a segurança também veio através do calmante da consciência, e um grau de reflexividade podem ser evidentes nas funções equívocas de sua teologia remanescente e cronologia apocalíptica como prescritiva ou justificadora de seu posicionamento religioso e alta posição na vida. Ironicamente, apesar de uma prémilenário ardente na escatologia, sua confiança em retardar o fim para bem além de sua vida significou que sua atitude em sua própria época tinha uma semelhança perturbadora com a posição amilenária agostiniana. A queda dos reinos dos homens era remota o suficiente para encorajar o seu enraizamento nos assuntos deste mundo, e permitir-lhe o luxo de viver um pouco menos como um residente temporário que seu homônimo patriarcal. O manto confortável da ortodoxia pode facilmente demais iludir e corromper um Nicodemita. É também digno de nota que a mesma dinâmica que Rob Iliffe admiravelmente mostrou aplicada às negociações filosóficas naturais de Newton também operava em suas estratégias teológicas. Newton cercou-se de um círculo de discípulos que tiveram acesso especial ao significado de sua teologia e que, por sua vez, agiram como seus agentes. Na verdade, muitos destes homens também foram seus mais extrovertidos partidários da filosofia natural. Como em sua filosofia natural, a teologia de Newton era destinada unicamente aos adeptos.

Newton via seus Principia como um grande esforço na reforma e restauração da prisca theologia. Betty Jo Dobbs sugeriu que Newton acreditava que o sucesso deste trabalho em restaurar a verdadeira filosofia natural também fez progredir a restauração da verdadeira religião. Este sucesso, ela argumentava, pode ter levado Newton a redobrar seus esforços ‘para mais estudo da filosofia natural como a melhor maneira de restaurar a verdadeira religião’. Por mais valiosa quanto esta sugestão possa ser, ela é pouco útil para explicar por que Newton continuou depois de os Principia a planejar uma publicação sobre a crítica textual antitrinitária, nem iluminou sua introdução da hermenêutica Sociniana no Scholium Geral. Newton acreditava que a corrupção da religião e da filosofia natural (incluindo a alquimia) estavam relacionados, e o trabalho de sua vida mostrou que ele pensava que sua recuperação eram duas partes da mesma reforma. Whiston acreditava nisso também e expressou esse esforço duplo em termos apocalípticos, sustentando que os Principia preludiava ‘aqueles tempos felizes de restituição’ de que falava os profetas que, juntamente com o seu próprio trabalho em reviver o cristianismo primitivo, ajudam a introduzir o Milênio. Crucialmente, Whiston acrescenta que os ‘corolários de Newton relativos à religião’ nos Principia e Opticks tinham esta finalidade. De forma semelhante, escreveu Conduitt sobre Newton:

A única coisa que ele dizia com prazer de sua obra: era que quando ele morresse, teria tido a satisfação de deixar a Filosofia [quando ele morresse] menos irritante do que ele a encontrou – Aqueles que considerarão seu Irenicum & Creed poderão dizer que isso lhe permitiu ter dito o mesmo sobre a religião revelada.

O ataque ousado de Newton, embora codificado à hermenêutica corrupta dos Trinitários no Scholium Geral abriu uma janela em sua agenda dupla para os Principia. Aqui a filosofia natural se mistura à heresia e à cruzada de meio século de Newton contra a idolatria em filosofia natural e teologia vêm juntas. Seja cartesiana ou homoousiana, a imposição injustificada de hipóteses sobre a verdade eram igualmente pecadoras. Este impulso radical nos Principia ressalta uma dimensão anti-establishment problemática do programa de Newton que desafiava tanto a alegação de Westfall de que Newton se aproximou do protestantismo dominante nos anos 1680s quanto adiciona uma camada de ironia ao fato de que a ‘hegemonia Anglicana após 1689 devia muito à ciência newtoniana’. Em suma, a heresia de Newton não pode ser tratada como uma mera curiosidade ou apêndice irrelevante; ela estava com ele todos os dias e todas as horas, influenciando seus relacionamentos pessoais, afetando sua carreira, orientando suas práticas de leitura, moldando sua visão profética da história e até mesmo informando o conteúdo cognitivo de sua filosofia natural.

A filosofia natural de Newton se agiganta pelo menos de outra maneira, porque não só alguns reconheceram heresia no Scholium, mas também seu Principia foi atacado por supostos traços latentes de materialismo. Radicais como Toland estavam até mesmo usando o Principia para reforçar o materialismo. Outros tinham denunciado o Opticks. Insinuações sobre Socinianismo tinha aparecido até mesmo na imprensa, e rumores de sua heresia pessoal e infidelidade eram parte dos bate-papos nos cafés. Newton também estava bem consciente de que ele tinha inimigos suficientes, que teriam atacado qualquer revelação de obstinação doutrinária. Newton conhecia o grande dano que a mancha de heresia faria à causa de sua reforma na filosofia natural. Medo desse tipo de desastre de relações públicas deve ter sido um dos maiores impedimentos de Newton à pregação aberta. Ele sabia que viria um tempo em que isso não seria assim; ele era muito um homem do mundo suficiente para não perceber que naquele dia ainda não havia chegado.

 

Publicado on setembro 2, 2011 at 4:39 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/isaac-newton-o-herege-ultima-parte/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: