Igrejas sem religião – a nova tendência mundial?

Tradução José Filardo

Por que as pessoas estão migrando para uma nova onda de Comunidades Seculares: Igrejas ateias

bancos

 Crédito da foto: Shutterstock.com / Tony Marinella Fotografia

27 de novembro de 2013 |

Nos últimos 30 anos, o ateísmo e o secularismo vêm crescendo na América. Um em cada quatro membros  da geração do milênio agora dizem que não ter religião. Dado o grande tamanho dos Milenares-78 milhões de pessoas, um pouco mais do que a Baby Boomers, isso se acrescenta aos quase 20 milhões de livres-pensadores americanos. E ao que tudo indica, as gerações vindouras serão ainda mais seculares.

À medida que a comunidade ateia mais ampla torna-se maior e melhor organizada, secularistas e livres-pensadores demonstraram cada vez maior interesse em reunir pessoas de pensamento semelhante. A comunidade ateia não é um fenômeno novo em folha; têm havido encontros locais, assim como convenções regionais e nacionais, tais como a Skepticon, a conferência livre gigante que acontece todos os anos em Springfield, Missouri, ou o Reason Rally, o encontro nacional de ateus e humanistas no National Mall, em março de 2012. Mas muitas dessas conferências estão focadas em ativismo e mobilização política, e por mais necessárias que sejam, elas não agradam a todos.

É por isso que, apenas nos últimos meses e anos, estamos presenciando uma nova onda de comunidades seculares – igrejas ateias, se você insiste -, cujo foco está em fazer o bem, viver bem e apreciar a maravilha e a beleza do mundo sem recorrer a qualquer mitologia arcaica.

A mais proeminente delas é a Assembleia de domingo. Fundada no norte de Londres em janeiro de 2013 por dois comediantes, Pippa Evans e Sanderson Jones, a Assembléia de domingo é uma, congregação sem deuses – todas as melhores partes da igreja, mas sem a religião, nas palavras de seus fundadores, cujo lema é “Viver melhor . Ajuda com frequência. Maravilhar-se mais. ” Ela foi quase imediatamente um enorme sucesso, atraindo centenas de pessoas, e espalhou-se por outras cidades britânicas, incluindo Brighton, Bristol e Oxford.

Mas a Assembleia do Domingo tem ambições muito maiores. Seus fundadores ajudaram a organizar os serviços em Nova York durante o verão, e, recentemente, lançaram uma turnê americana “40 Encontros e 40 Noites”, viajando por áreas rurais de todo o país para realizar serviços com boa frequência em Boston, Washington, DC ,San Jose, San Diego, Los Angeles, e mais (até mesmo Nashville!), com o objetivo de angariar apoio para as congregações satélites norte-americanas. Reuniões da Assembleia do Domingo também foram realizadas na Austrália, incluindo Sydney, Adelaide e Melbourne.

Apesar de ter atraído a atenção da maior parte da mídia, a Assembléia de Domingo não é o único encontro ateu surgindo dessa comunidade secular em processo de cristalização. Em Houston, Texas, o ex-pastor que virou ateu, Mike Aus fundou o Houston Oasis, “uma comunidade baseada na razão, celebrando a experiência humana.” Seus encontros de domingo sediam música ao vivo de bandas locais, sermões seculares de tema humanista, projetos de serviços à comunidade, tais como campanhas de doação de sangue. Mesa, Arizona, agora tem um Centro Comunitário Humanista, graças à Sociedade Humanista da Grande Phoenix, e a Comunidade Humanista de Harvard oferece uma rede de apoio não-teísta aos alunos.

No Canadá, há a Igreja Secular de Calgary, fundada por Korey Peters e outro ativista local. Ela se reúne duas vezes por mês: uma vez para uma conversa casual, outra para um serviço mais estruturado que incorpora uma liturgia humanista e uma apresentação de uma lista de conferencistas, sobre temas tais como direitos das crianças versus direitos dos pais; aborto; livre-arbítrio, ou até mesmo o existência de vida extraterrestre inteligente. As reuniões dominicais incluem creche gratuita e um bufê de café da manhã. Como Peters diz: “Para alguns, as nossas reuniões são o único lugar em que eles estão autorizados a dizer que não têm fé, e isso tem-se mostrado bastante valioso. Nós também fornecemos comunidade, assim essas pessoas agora estão construindo amizades não-religiosas … nosso principal valor para ateus é que estamos construindo um mundo que é seguro para que eles vivam nele.”

Nem todos esses esforços são novos em folha. Por exemplo, há Cultura Ética, um movimento humanista fundado na década de 1870 pelo reformador Felix Adler, com foco em “ações, não credos”. Sociedades de Cultura Ética existem ainda hoje, a maioria concentrada na região metropolitana de Nova Iorque (incluindo a sua localização principal em Manhattan), mas podem ser encontradas em outras grandes cidades em todos os EUA, tais como Austin, Baltimore, Boston, St. Louis, Filadélfia e Washington, DC

Há também Universalismo Unitário, uma religião não-teísta que surgiu em 1961 a partir da fusão do Unitarismo e o Universalismo, duas denominações cristãs liberais. Mas ela evoluiu além de suas origens cristãs, para se tornar uma igreja verdadeiramente sem crença. Ela não tem qualquer dogma oficial ou declaração de fé, apenas sete princípios fundamentais que dizem respeito à vida moral, e não à crença. Pesquisas sugerem que muitos UUs são ateus (embora deva-se dizer que a Associação Unitária Universalista também tem pelo menos alguns fanáticos anti-ateus altamente colocados).

Então o que acontece nessas igrejas ateias? Como os próprios ateus, essas congregações são livres, diversificadas e democráticas, não respondendo a qualquer autoridade superior e, por isso, é perigoso generalizar de maneira demasiado restritiva. Mas há algumas semelhanças gerais.

Quase todas elas contêm algum elemento de exortação moral e celebração, ensinamento e pregação sobre os valores éticos praticados pelos humanistas. A Assembleia de Domingo promove sermões humanistas sobre temas tais como o valor da gratidão, ou a importância de maravilhar-se. Geralmente, há também música – para a Assembleia de Domingo é músicas de rock clássico com um tema humanista positivo, como, por exemplo, “Apoie-se em Mim” ou “Com uma pequena ajuda de meus amigos”, que o público é convidado a cantar e bater palmas em conjunto. AJ Johnson, um dos principais organizadores e patrocinadores da Assembléia de Domingo de NYC chama isso de “uma celebração familiar radicalmente inclusiva de vida. Nós cantamos canções populares positivas como “Help!” dos Beatles. Nós ouvimos palestras curtas interessantes. Nós conhecemos novas pessoas “. A maioria deles também organiza serviços comunitários e projetos de extensão.

A grande pergunta que precisa ser respondida – inevitavelmente a pergunta é feita sempre que estes grupos são discutidos – é, por que os ateus precisam desses encontros? São eles apenas uma falsificação desnecessária e equivocada da religião? É o caso de que ” igrejas e culto ritualizado … são melhor deixadas para as pessoas que sentem a necessidade de ter uma figura de Deus em suas vidas?” Devem os não crentes ser organizados exclusivamente para “o propósito de repelir as interferências religiosos na sociedade secular” e nada mais?

A melhor resposta para isso é que as necessidades que essas congregações visam cumprir não são religiosas, mas humanas. Eu admito que o termo “igreja ateia” soa desajeitado e autocontraditório, pois essas áreas de interação humana têm, historicamente, sido reivindicadas pela religião e nosso idioma não tem boas palavras não-religiosas para eles.

Mas seja ateu ou teísta, todos os seres humanos se beneficiam de pertencer a uma comunidade acolhedora e solidária. Através de congregações como estas, podemos ajudar uns aos outros em tempos de necessidade ou crise: quando alguém morre, podemos nos reunir para consolar os enlutados e partilhar memórias de sua vida. Podemos nos reunir para celebrar passagens importantes da vida: para pessoas não religiosas que desejam se casar, por exemplo, podemos oferecer um celebrante humanista para solenizar o casamento. Também podemos nos reunir para fazer o bem na comunidade em geral, com campanhas de beneficência e voluntariado (particularmente importantes uma vez que  organizações religiosas têm o péssimo hábito de afastar os ateus que desejam ajudar). A pesquisa vem repetidamente afirmando os benefícios da conexão social, mostrando que pertencer a uma comunidade contribui para levar vidas mais longas saudáveis e felizes.

Tudo isso vale em dobro para os não crentes que vivem em comunidades fortemente religiosas. Em locais onde há poucas oportunidades de amizade e de encontro social fora de uma igreja, a vida como um ateu pode ser solitária e isolada. Congregações não-religiosas restauram esse equilíbrio, oferecendo um lugar onde podemos falar livremente, onde podemos encontrar amigos que pensam como nós, e onde podemos ter revigorantes conversas que não têm de começar por derrubar os mesmos estereótipos irritantes a cada vez. Por todos os benefícios de discussão online, uma comunidade meramente virtual nunca pode substituir completamente aquele tipo de contato humano e conexão alegres.

Além dos benefícios tangíveis imediatos, também nos reunimos para afirmar uma identidade comum. Em uma sociedade que ainda é de maioria religiosa, os não crentes são frequentemente alvos de preconceito e incompreensão (como na história da distribuição de sopa aos pobres que recusava voluntários ateus). Ao nos organizamos e nos tornarmos visíveis, procuramos mostrar ao mundo quem somos e o que valorizamos, e esse é sempre o primeiro passo na luta contra este tipo de fanatismo. Ele cria uma imagem positiva e acolhedora do ateísmo que as pessoas terão em mente quando os fundamentalistas religiosos tentarem nos pintar com estereótipos negativos sobre como nos falta moral.

Como diz AJ Johnson: “Eu acho que o maior valor da Assembléia de Domingo é o seu apelo às pessoas que não podem se dizer ateus. Menos de 3% da população identifica-se como “ateus”. No entanto, cerca de 14% da população diz que “nada em particular.” Esse grupo não está recebendo as opções atuais. Ajudar essas pessoas a encontrar um sentido de “pertença” deve ser uma meta importante para toda a comunidade não-teísta, incluindo ateus auto-identificados, agnósticos e Nenhums. A sua aceitação ajuda a alimentar a nossa própria. ”

A experiência pessoal confirma isso. Eu fui a várias Assembleias de Domingo da Cidade de New York, e todas elas atraíram uma multidão jovem e diversificada – pais e famílias, pessoas de cor, uma mistura quase igual de homens e mulheres, uma ampla gama de idades – que é muito diferente da imagem de grupo-de-velhos-excêntricos-brancos que é muitas vezes (e nem sempre de forma imprecisa) considerada típica do ateísmo. É claro que comunidades como essa atraem pessoas que têm pouco interesse em ativismo ateu no sentido estritamente político; pessoas que querem apenas continuar com suas vidas e viver de acordo com os valores humanistas. A medida que o número de americanos não-religiosos continua a crescer, podemos ter a certeza de que essas congregações seculares crescerão com eles.

Adam Lee é um escritor e ativista ateu que vive em Nova York. Siga-o no Twitter, ou assine o seu blog, Daylight Atheism.

Publicado em Alternet

Publicado on dezembro 4, 2013 at 4:29 pm  Comments (3)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/igrejas-sem-religiao-a-nova-tendencia-mundial/trackback/

RSS feed for comments on this post.

3 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Estimado Ir.·. Filardo,

    Bom dia.

    Tomo a liberdade de enviar para você essa sugestão audição:

    – Olavo de Carvalho e a fé dos ateus, IN:

    E uma “definição” escrita por Augustus Nicodemus Lopes sobre o “livre pensador”.

    Como assim, “livre pensador”?

    Se com isto você quer dizer que quer “pensar” sem levar em conta pressupostos teológicos como Deus, as Escrituras e a teologia cristã, tudo bem. Mas se com isto você quer dizer que consegue pensar livre de qualquer pressuposto ou de maneira isenta ou neutra, é a maior bobagem que já vi. Todos, sem exceção, pensam a partir de referenciais. Se não for o Cristianismo histórico, será o liberalismo teológico, o naturalismo filosófico, o existencialismo, ou qualquer outra cosmovisão. Portanto, tire este arzinho se superioridade da cara, como se um “livre pensador” fosse alguém superior, mais inteligente ou liberto das peias do obscurantismo, ao qual todos os que confessam a fé cristã estão presos.

    Tenha uma jornada de paz.

    Com respeito,

    Ir.·. Luiz Couri

    Blog NOTAS IMPERTINENTES

    http://oreacionario2011.blogspot.com.br/


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: