Hollywood Babilônia: o Lado Negro da Indústria do Entretenimento

Tradução José Filardo

Por Victor Thorn

Como co-fundadora da revista Paranoia em 1992 e, atualmente seu editor associado, sem mencionar autora da antologia recentemente lançada Conspiracy Geek, Joan d’Arc tem visto o seu quinhão justo de alta estranheza ao longo das décadas.

Durante uma entrevista em 1 de novembro, a AMERICAN FREE PRESS perguntou a d’Arc sobre o lado escuro da indústria do entretenimento. Ela respondeu, “a atriz Anna Nicole Smith, assim como Marilyn Monroe antes dela, era um símbolo sexual cuja mente era controlada. Seu manipulador, Howard K. Stern, fez um vídeo bizarro mostrando uma Anna Nicola drogada em uma personalidade alternativa. Usando maquiagem de palhaço espalhafatosa e brincando com uma boneca que ela pensava estar viva, Smith também falava com uma voz de bebê”.

Embora este vídeo nunca fosse destinado ao consumo público, ele retrata Smith regredindo até um nível dissociativo de nove anos ao receber instruções e palavras de código cuidadosamente interpretadas do seu manipulador. Alimentada por uma fonte interminável de produtos farmacêuticos por aqueles que controlavam sua vida, Smith sofreu trauma psicológico extremo quando seu filho de 20 anos sofreu uma overdose em seu quarto de hospital, três dias após ela ter dados à luz a um bebê. Menos de cinco meses mais tarde, em 8 de fevereiro de 2007, a propria Smith pereceu devido ao abuso de substância.

Continuando com este tema, d’Arc comentou, “Outra atriz famosa, Britney Spears, pareceu se transformar em uma personalidade alternativa durante uma entrevista com Diane Sawyer da ABC. Ao ser-lhe feita uma pergunta emocionalmente difícil, Spears repentinamente começou a falar em muita voz diferente, muito mais alta, dizendo: ‘Olá, eu sou como… puxa… olá.’ ”

Na verdade, esta entrevista televisiva de 2003 revelou Spears inexplicavelmente alternando para uma outra personalidade e conversando com pessoas inexistentes, como se uma “falha de controle da mente” temporariamente interrompesse sua corrente normal de pensamento. Como uma das estrelas mais infames a sair da fábrica de crianças Mouseketeer de Walt Disney, Spears sofreu o que parecia ser um ataque de nervos quando ela estranhamente cortou quase todo o cabelo de sua cabeça. Alguns pesquisadores caracterizaram esses episódios como apelos desesperados por ajuda para escapar aos seus manipuladores.

Outro breve vislumbre do lado negro da indústria do entretenimento ocorreu quando famosa lenda do rock Bob Dylan contou a Ed Bradley de 60 minutos, “eu fiz um trato com o [ele para e resmunga esta palavra] há muito tempo e eu estou garantindo minha parte no trato.”

Fazendo referência a esse momento peculiar, d’Arc interpretou sobre exatamente com quem ele fez este acordo. “Dylan disse em 60 minutos que ele vendeu sua alma ao Comandante em Chefe da Terra e o mundo que não podemos ver. Ele pareceu estar em um momento de verdade e não parecia estar divagando poesia”.

Talvez mais perigoso de todas, d’Arc em seguida investigou a vida excêntrica e a morte do cineasta Stanley Kubrick, que muitos têm especulado que pertencia a algum tipo de sociedade secreta Illuminati. “Um exemplo de um filme de ocultismo é o lançamento de Kubrick em 1999 Eyes Wide Shutestrelado por Nicole Kidman e seu marido cientologista naquela época, Tom Cruise. Diz-se que o ritual mágico de sexo do filme é a reconstituição de festas de orgias a que Kubrick comparecia na Villa da família Aldobrandini, um dos 13 na linha de sangue da Nobreza Negra de Roma, conhecidos como os Illuminati. Essas famílias estão muito acima até mesmo do Vaticano, Cavaleiros Templários, Maçonaria, Opus Dei e todas as de famílias mais ricas do mundo. Após Kubrick ter terminado este filme, ele teve um súbito ataque de coração durante o sono.”

Como uma das mortes mais atormentadoras na história de Hollywood, d’Arc falou sobre a possibilidade de crime. “Este foi um ataque de coração natural ou ele foi induzido? Não é estranho supor que a morte de Kubrick fosse instigada por alguém como punição por expor rituais secretos das famílias que governam o mundo. Na década de 1950 a CIA estudou formas de imitar a morte por causas naturais, tais como ataques cardíacos e câncer. Verificou-se que o uso de cloreto de potássio ou gluconato de cálcio para causar um ataque cardíaco não levantaria suspeita, uma vez que estes produtos químicos estão naturalmente presentes no corpo humano. Outra maneira de induzir ataques cardíacos é através de armas de rádio-frequência.”

As estrelas abrem o bico

Ao contrário do antigo sistema de estúdio de Hollywood onde os atores eram pouco mais que pedaços de carne passando através de uma máquina de moer, as estrelas de hoje — pelo menos ocasionalmente — estão se manifestando contra os abusos da Tinseltown.

Resumindo uma cultura que se alimenta de desespero, a modelo e atriz Melyssa Ford contou a repórteres, “Se o seu objetivo final é ser famoso, então você vai fazer muita coisa para chegar lá, como assinar seu nome no sangue em um contrato com o diabo.”

O comediante Dave Chappelle, que reconhecidamente professa um interesse em teorias da conspiração, tais como a AIDS tendo sido criada pelo homem, ficou tão cheio da indústria que fugiu para a África. Ao retornar, ele disse sobre Hollywood, “o ambiente é doentio.”

O ator Randy Quaid, enquanto fugia das autoridades, deu uma entrevistas em 29 de outubro de 2010, onde ele deixou cair uma bomba. “Nós acreditamos que haja um tumor maligno de assassinos de estrelas em Hollywood… Quantas pessoas você conhece pessoalmente que morreram repentina e misteriosamente nos últimos cinco anos? Eu conheço pessoalmente oito atores, Heath Ledger, Chris Penn e David Carradine entre eles… Eu acho que estes atores foram assassinados, e creio que muitos outros, tais como Britney Spears, Lindsay Lohan e Mel Gibson estão sendo manipulados para chegar ao seu dinheiro”.

Em 16 de maio, senhora Sean Young, que estrelou em Blade Runner e Wall Street, apareceu na Rádio Red Ice onde ela expôs o que muitos leitores da AFP já sabem, a cerca de 13 minutos da transmissão: “A humanidade está sendo predada, como espécie, não apenas por antigas famílias satânicas como os Rothschilds e Rockefellers, Collins, Dupont, Warner, Russell, [mais] as monarquias do mundo e o Vaticano, mas eles também são predadas por governos, as forças armadas, instituições bancárias e a academia.”

O cantor pop Michael Jackson, que muitos sentem que caiu sob a ira destas fontes potentes, enfrentou a Sony Music e seu Presidente em junho de 2002. “Tommy Mattola é o diabo,” ele disse a uma plateia delirante. “Temos de continuar nosso movimento, até que ele seja liquidado.” Uma sequência interminável de escândalos e processos judiciais atormentaram Jackson até sua morte suspeita pela droga de nocaute Propofol em 2009.

A estrela infantil Corey Feldman, quem viu numerosos atores cair no esquecimento, disse à ABC News em 10 de agosto de 2011, “Eu era literalmente famoso antes eu soubesse meu nome.” Mais drasticamente, ele apontou um dedo de culpa para executivos pela morte de seus amigos. “O problema número um em Hollywood era, é e sempre será a pedofilia. Tudo é feito sob o radar, mas é o grande segredo… Eles cercam estrelas infantis como abutres.”

Linha do Tempo Cultural

O lado negro da indústria do entretenimento se estende bem além de vidas destruídas e carreiras comprometidas. Ele também afeta diretamente o curso que nossa sociedade toma.

Começando na década de 1920 com os Marxistas Culturais da Escola de Frankfurt, o advento dos meios de comunicação de massa e o uso de propaganda de Edward Bernays para estimular o consumismo desenfreado, os romances de F. Scott Fitzgerald introduziram a América do pós guerra na Era do Jazz onde Flappers vestidos formalmente fumavam cigarros e se envolviam em “carinhos”. Naquela época, tais atividades femininas eram consideradas escandalosas. Os livros de Fitzgerald espelhavam os Alegres Anos Vinte de excesso, viver além dos próprios meios e, finalmente, um crash econômico.

Com um período de calmaria na década de 1930 devido a uma depressão de décadas, seguida pela segunda Guerra Mundial, na década de 1940, a América emergiu nos anos 1950 como a indiscutível super-potência mundial. A Elite da Nova Ordem Mundial percebeu que não poderiam derrubar os EUA militarmente, assim a erosão de dentro para fora tornou-se seu foco.

Usando técnicas da escola de Frankfurt de enfraquecimento da estrutura familiar e desafiando a autoridade patriarcal, Hollywood apresentou Marlon Brando como um motociclista bandido em The Wild One, enquanto que em Rebel Without a Cause, o pai de James Dean sofria horríveis quantidades de castração, vestindo o avental da esposa. No mundo da arte, Jackson Pollock, apelidado “Jack the Dripper” — levou o expressionismo abstrato a novos níveis respingando tinta sobre telas. Musicalmente, Elvis Presley trouxe o rhythm-and-blues “dos negros” para os quartos de adolescentes brancos, enquanto os tradicionalistas culpavam a revista Mad e livros de historias em quadrinhos por glorificar a delinquência juvenil.

Muito possivelmente a melhor ilustração de como várias agendas foram conduzidas chegou via On the Road de Jack Kerouac. Originalmente escrito em 1950, este romance boêmio que narrava o uso recreativo de drogas e sexo fora do casamento estava até então tão à frente de seu tempo, que os editores não iria liberá-lo até 1957. Usados como um trampolim para acolher no movimento hippie crescente, os empreendimentos literários de Kerouac eram criticados por críticos judeus como Norman Podhoretz por criar “Beatniks subversivos.”

Na década de 1960, as canções de protesto de Bob Dylan acenderam o pavio para ativistas antiguerra e a queima de cartões de convocação. Uma vez que os Beatles lideraram uma invasão britânica às praias da América, uma contracultura inteira ouvia músicas defendendo o LSD, o amor livre e revolução política. Em Tinseltown (Róliudi), estimulado por estudos de comportamento sexual falsificados de Alfred Kinsey, os espectadores viram pela primeira a nudez e vulgaridades na tela que tinham até então sido proibidas sob o código Hays[ou seja, o principal aparato de auto-censura de Hollywood].

Como uma geração das crianças da flor tropeçou na década de 1970, elas foram preenchidas com a desilusão com uma série de assassinatos (JFK, RFK, etc.), Estado de Kent, mentiras sobre a guerra do Vietnã e o futuro escândalo de Watergate. Não mais divulgando a paz e amor, os Baby Boomers evoluíram para a “Geração Eu” — um termo cunhado pelo escritor Tom Wolfe. Cansado e cínico, o cinema na década de 1970 refletia temas mais relacionados com a conspiração do que em qualquer outro período da história americana. Enquanto filmes como Network expunham a hipocrisia de notícias corporativas, outros como The Parallax View e Executive Action expunham completamente a falsidade do relatório Warren.

Hoje, com o advento da televisão a cabo e estações Pay Per View, telespectadores habituados a assistir Papai Sabe Tudo ou Leave it to Beaver não reconheceriam o que eles estariam vendo. Embora baseando-se em conceitos como “politicamente correto” e “tolerância”, os Marxistas Culturais fizeram de rap de gangster e programas de TV como Queer Eye for the Straight Guycomumente aceitos, especialmente entre os grupos de população mais jovens de hoje.

Victor Thorn é um pesquisador categórico, jornalista e autor de mais de 30 livros.

 

Publicado 7/1/2013 em http://americanfreepress.net/?p=7927

 

Publicado on janeiro 8, 2013 at 5:24 pm  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/hollywood-babilonia-o-lado-negro-da-industria-do-entretenimento/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: