Genética: A descoberta do Gene Cohen

por Rabino Yaakov Kleiman

Tradução José Antonio de Souza Filardo M .´. I.´.

Introdução

De acordo com a tradição judaica, o status de cohen foi primeiro conferido à Aarão, irmão de Moisés, e seus descendentes em perpetuidade (Êxodo 28:1, 2–4). Durante os quarenta anos em que os israelitas até a construção do Templo, os cohanim serviram como sacerdotes no tabernáculo, oferecendo sacríficios e fazendo as bençãos sobre o povo, tendo os levitas como seus auxiliares. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Cohen )

A tradição judaica baseada na Torah é de que todos os cohanim são descendentes de Aarão, o Cohen original. A linha de cohanim é patrilinear: foi passada de pai para filho sem interrupção desde Aarão, por 3300 anos, ou seja, mais de 100 gerações.

O Dr. Karl Skorecki estava assistindo às cerimônias certa manhã. A Torah foi removida da arca e um Cohen foi chamado para a primeira leitura. O Cohen chamado naquela manhã, em particular, era um visitante: um judeu de origem Sefardita. Seus pais eram do Marrocos. Skorecki também tinha uma tradição de ser um Cohen, embora de origem Ashkenazi. Seus pais eram nascidos na Europa Oriental. Karl (Kalman) Skorecki olhou para as características físicas do Cohen sefardita e analisou suas próprias características físicas. Eles eram significativamente diferentes em estatura, cor de pele e cor de cabelo e olhos. Ainda assim, ambos tinham uma tradição de serem Cohanim – descendentes diretos de um homem – Aarão HaCohen.

O Dr. Skorecki pensou, “De acordo com a tradição, este Sefardita e eu temos um ancestral comum. Esta linha poderia ter sido mantida desde o Sinai, e durante o longo exílio do povo judeu? “ Como cientista, ele pensou, esta alegação poderia ser testada?

Sendo um nefrologista e pesquisador do mais alto nível na Universidade de Toronto e no Rambam-Technion Medical Center em Haifa, ele estava envolvido nas descobertas em genética molecular que estão revolucionando a medicina e as aplicações recém desenvolvidas de análise de DNA aplicada ao estudo de história e diversidade de população.

Ele considerou uma hipótese: se os Cohanim são descendentes de um homem, eles deveriam ter um conjunto comum de marcadores genéticos – um haplótipo comum – com o de seu ancestral comum. Em nosso caso, Aarão HaCohen.

Um marcador genético é uma variação na seqüência de nucleotídeos do DNA, conhecida como mutação. As mutações que ocorrem dentro de genes – uma parte do DNA que codifica uma proteína – geralmente causam um mau-funcionamento ou doença, e é perdido devido a seleção em gerações sucessivas. Entretanto, mutações encontradas nas chamadas “regiões não-codificadas” do DNA tendem a persistir.

Uma vez que o cromossomo Y, além dos genes que determinam a masculinidade, consiste quase inteiramente de DNA não-codificado, ele tenderia a acumular mutações. Uma vez que ele é passado de pai para filho sem recombinação, a informação genética em um cromossomo Y de um homem que vive hoje é basicamente a mesma que seus ancestrais masculinos antigos, exceto quanto às raras mutações que ocorrem ao longo da linha hereditária. Uma combinação destas mutações neutras, conhecidas como haplótipo, pode servir como assinatura genética da ancestralidade masculina de um homem. As genealogias maternas também estão sendo estudadas por meio do m-DNA (DNA mitocondrial) que é herdado somente da mãe.

O Dr. Skorecki fez então contato com o Professor Michael Hammer da Universidade de Arizona, um pesquisador-líder em genética molecular e pioneiro em pesquisa de cromossomo Y. O Professor Hammer utiliza análise de DNA para estudar a história de populações, suas origens e migrações. Sua pesquisa anterior inclui trabalho sobre as origens dos Índios Nativos Americanos e o desenvolvimento do povo japonês.

Foi realizado um estudo para testar a hipótese. Se havia um ancestral comum, os Cohanim deveriam ter marcadores genéticos em freqüência mais alta que a população judaica em geral.

No primeiro estudo, conforme relatado no conhecido jornal de ciência britânico, Nature (Janeiro 2, 1997), foi solicitado a 188 judeus do sexo masculino que contribuíssem com algumas células da bochecha de onde foi extraído o DNA para o estudo. Foi solicitado a participantes de Israel, Inglaterra e América do Norte que identificassem se eles eram Cohen, Levitas ou Israelitas, e que identificassem seus antecedentes familiares.

Os resultados da análise dos marcadores de cromossomo Y dos Cohanim e não-Cohanim foram realmente significativos. Um marcador particular (YAP-) foi detectado em 98.5% dos Cohanim, e em uma porcentagem significativamente mais baixa em não-Cohanims.

Em um Segundo  estudo, o Dr. Skorecki e associados reuniram mais amostras de DNA e expandiram sua seleção de marcadores de cromossomo Y. Solidificando suas hipóteses do ancestral comum dos Cohen, eles descobriram que uma seqüência particular de seis marcadores cromossomais foi encontrada em 97 de 106 Cohens testados. Esta coleção de marcadores veio a ser conhecida como Haplótipo Modal Cohen (ou CMH, em inglês) – a assinatura genética padrão da família de sacerdotes judeus. As chances de estas descobertas ocorrerem por acaso é maior que uma em 10.000.

A descoberta de um conjunto comum de marcadores genéticos tanto em Cohanim Ashkenazi e Sefarditas no mundo inteiro, indica uma origem anterior aos desenvolvimentos separados das duas comunidades ao redor do ano 1000 da Era Cristã. O cálculo de data baseado na variação das mutações entre Cohanim hoje, produz um período de 106 gerações desde o ancestral fundador, cerca de 3.300 anos, o tempo aproximado do êxodo do Egito, a época em que viveu Aarão HaCohen.

O Professor Hammer  esteve recentemente em Israel para a Conferência Judaica do Genoma. Ele confirmou que suas descobertas são consistentes de que mais de 80 por cento de Cohanin auto-identificados têm um conjunto comum de marcadores. A descoberta de que menos de um terço de judeus não-Cohen que foram testados possuem estes marcadores não é surpresa para os geneticistas. O judaísmo não é definido geneticamente. Outros cromossomos-Y podem entrar no pool genético judeu através de conversão ou através de um pai não-judeu. O status de judeu é determinado pela mãe. A condição de membro da tribo segue a linha paterna.

Cálculos baseados na alta taxa de semelhança genética dos Cohanim atuais resultaram na mais alta taxa de “certeza de paternidade” jamais registrada em estudos genéticos de população – um testemunho científico de fidelidade familiar.

Estudos genéticos mais amplos de diversas comunidades judaicas atuais mostram uma notável coesão genética. Os judeus do Irã, Iraque, Yemen, África do Norte e Ashkenazim Europeus todos se agrupam a outros grupos Semitas, com sua origem no Oriente Médio. Uma origem geográfica comum pode ser vista para todos os grupos judeus mais comuns estudados.

Esta pesquisa genética refutou claramente a acusação que já foi atual de que os judeus Ashkenazi não estão relacionados com os antigos Hebreus, mas que seriam descendentes da tribo Kuzar – um império Turco-Asiático anterior ao 10º Século que se teria convertido em massa ao judaísmo. Os pesquisadores compararam a assinatura de DNA dos judeus Ashkenazi à assinatura de DNA de povos de origem turca, e não descobriram qualquer correspondência.

Em seu Segundo trabalho publicado na revista Nature (Julho 9, 1998), os pesquisadores incluíram uma descoberta inesperada. Aqueles judeus do estudo que se identificavam como Levitas não demonstraram um conjunto comum de marcadores como ocorreu com os Cohanim. Os levitas se agruparam em três agrupamentos, um deles com o CMH. De acordo com a tradição, os Levitas também deveriam mostrar uma assinatura genética de um ancestral comum patrilinear.

É interessante notar que a tribo de Levi tem uma história de falta de quantidade. O censo de BaMidbar mostra ser Levi uma das menores tribos. Após o exílio babilônico, os Levitas deixaram de retornar em massa a Jerusalém, embora fossem instados por Ezra HaSofer a fazê-lo. Eles foram, portanto, multados por perder seus direitos exclusivos ao maaser (espécie de dízimo). Embora estatisticamente os Levitas devessem ser mais numerosos que os Cohanim, hoje na sinagoga é comum ter um minyam (mínimo de dez homens para celebração) com um excesso de Cohanim, e ainda faltar um levita. Os pesquisadores estão agora concentrando os esforços no estudo da composição genética dos Levitas para aprender mais sobre sua história durante a Diáspora.

Usando o CMH como assinatura de DNA  dos antigos Hebreus, os pesquisadores estão realizando uma caça de genes judeus ao redor do mundo. A busca das tribos perdidas, seja as 10 tribos perdidas bíblicas que foram expulsas de Eretz Yisrael pelos Assírios, ou outros judeus, hebreus ou “povos escolhidos” não é nova. Usando os marcadores genéticos dos Cohanim como medida, estes arqueólogos genéticos estão usando pesquisa de DNA para descobrir vínculos históricos ao povo judeu.

Muitos Cohanim individuais e outros se aproximaram dos pesquisadores para serem testados. A política dos pesquisadores é que a pesquisa não é um teste de indivíduos, mas um exame da família ampliada. Ter o CMH não é prova de que alguém é um Cohen, porque o lado da mãe também é significativo para determinar o status de Cohen. No momento, não existem ramificações halakitas desta descoberta. Ninguém é certificado ou desqualificado devido a seus marcadores de cromossomo Y.

A pesquisa, que começou com uma idéia na sinagoga, mostrou um claro relacionamento genético entre Cohanim e sua linhagem direta a partir de um ancestral comum. As descobertas da pesquisa suportam as afirmações da Torah de que a linha de Aarão passaria para a história. Que nossa tradição da Torah é apoiada por estas descobertas deve ser um reforço para os Cohanim e para todos aqueles que sabem que a Torah é a verdade e que Deus certamente mantém suas promessas.

Que possamos logo ver os Cohanim em sua celebração, os Levitas em sua plataforma no templo e os Israelitas em seus lugares.

 

Publicado on março 27, 2011 at 1:05 pm  Comments (13)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/genetica-a-descoberta-do-gene-cohen/trackback/

RSS feed for comments on this post.

13 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Meu teste foi feito em Houston e deu J2a4b sefardita fiz todas as marcações . Interessante!!

  2. Ajuda! Fiz meu teste e recebi o resultado da family Tree DNA porém não consigo entender nada!. De acordo a região de meus ancestrais e minha origem são do Oriente Médio. Porém não consigo compreender mais nada. Onde posso encontrar quem possa me ajudar?

    • No Google. Você encontra todo tipo de esclarecimento.

      Basta inserir o seu Haplogroup – Alguma coisa como L1C3, ou R1a1a e você obtem os mapas de distribuição.

      A maior parte do material está em inglês, mas existem sites em italiano, portugues, etc.

  3. Meu sobrenome é Alves Pacheco. Suely meu primeiro nome. Meu pai colocou em todos os filhos o sobrenome do Pai dele. Ele dava muita importancia ao Alves, não sei bem porquê. Eu os perdi no tempo e espaço. Mas algo me instiga em saber qual minha a descendencia. Como fazer um estudo genético para descobrir? Tenho pele branca, cabelos pretos anelados, 1m70cm altura, saúde e resistência fortes. Como saber?

  4. Quero saber onde fazer um exame de dna para saber de que povo está minha raiz.

    • João Carlos,

      O National Geographic tem um projeto chamado Genographics (veja no site deles Projeto Genographics), em que você pode mandar uma amostra de saliva e eles fazem o teste do genoma. Não chega a definir o povo em particular, mas dá uma ideia da região de onde vieram seus ancestrais.

  5. Bom seria q esses estudos de arquiologia genética abrangesse a população mundial e os testes, averiguações no DNA fossem rotineiros. Quem sabe assim esses q ai estão adulterando RG [cart identidade minha mae foi solicitada p copia e voltou alterada, fato verificado a posterori…o nome de minha avó materna Elza (Koth) Rossini no RG passou a Elza Pereira], seriam impedidos de fazerem o inverso do bem às pessoas.

  6. Muito interessante.

  7. olá fiz meu teste de dna e sou tanto safaradita e azquenazita e COHEN MACHADO pelo family tree em 44% alem de outros marcadores em um total de 65% de sangue judaico por parte de pai e mãe !!!tenho todos os resultados desde á russia polonia alemanha e portugal e espanha !!
    j1c3 j2 k1a9 esse ultimo comum em mulheres judias da europa alguem pode me responder se é algo significativo pq aqui no brasil é tudo complicado
    Luciano Machado

    • oS isrealitas eram semitas, hebreus, pos eram descendentes de abrao , descendete de Sgehm, portanto semita.

      Se es judeu azquenazita, nao és israelita.

      Quando edom invadiu israle com os romanos, israel foi ocupada por judeus azquenitas.

    • Pode dizer como vem o resultado do teste da Family Tree. Ele é claro para leigos? Dá para entender?

      • Olá; Fiz o teste mas praticamente não entendi quase nada, a unica coisa q entendi é que minha origem é do Oriente Médio. Muito dificil para leigos sim.

  8. http://www.familytreedna.com-plubic-cohenbrazil. this are the dna zadok cohen gadol .zacre cohen m da silva j2a4


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: