Egrégora Maçônica

QUEBRANDO A EGRÉGORA [1]

 

Ir Ubyrajara de Souza Filho

 

Pertenço ao grupo de irmãos que citou várias vezes “egrégora” em suas “Peças de Arquitetura”, inclusive em livro editado: em um tópico sobre a “Cadeia de União”. Os depoimentos de vários irmãos e as leituras de diversos textos destacando os benefícios daquela forma de energia e de seus efeitos sobrenaturais marcaram um significativo período de minha vida maçônica.

Entretanto, com o passar dos anos, persistindo em minha caminhada pela “busca da verdade‟, depararei com diversos textos, estudos e opiniões de outros pesquisadores maçônicos contestando o disseminado conceito de “egrégora‟. Diante de minha inquietude, resolvi arregaçar as mangas e realizar uma pesquisa pessoal sobre o tema. Debrucei-me sobre vários textos: artigos, livros, citações etc. (maçônicas e não maçônicas), e procurei o “confronto‟ entre os pensadores. Em nome da verdade, devo admitir que não encontrei absolutamente nada que comprove, justifique ou explique de forma coerente e racional a existência das “egrégoras”.

Inicialmente, vale o registro de que não encontrei o termo “egrégora” em nenhuma passagem nas versões na língua portuguesa de alguns principais Livros Sagrados que pesquisei: a Bíblia (católica e protestante), o Torá, o Bhagavad-Gita e o Alcorão; e nem em livros referentes ao kardecismo (“O Evangelho segundo Kardec”) e budismo (“A Bíblia do Budismo”). Nenhuma dessas obras relacionadas fazem qualquer citação ao termo “egrégora”. Da mesma forma, afirmo que nenhum dos rituais maçônicos que tive acesso, nos três graus simbólicos: Schröder, REAA, YORK, Brasileiro e Moderno, assim como os rituais dos Altos Graus do REAA e do Brasileiro, em nenhum deles, aparece a citação do termo “egrégora‟, muito menos de suas benesses.

Após complementar a pesquisa com diversas consultas à internet, conclui que existe um consenso entre os irmãos que questionam o uso do termo “egrégoras” na Maçonaria, de que o seu aparecimento no meio esotérico remonta a 1824 com o ocultista Eliphas Levi que a definiu como “capitães das almas”, e que, posteriormente, teve o seu sentido “adaptado‟ às diversas interpretações esotéricasmísticas-ocultistas que foram agregadas à Maçonaria ao longo dos anos por autores maçônicos franceses que, ao final do século XIX, insistiram em transformar a Maçonaria em um braço esotérico do espiritismo, tal como os seus antecessores ingleses insistiram em cristianizá-la.

As doutrinas que aceitam a existência das “egrégoras”, de diferentes formas, afirmam que elas estão presentes em todas as coletividades, sejam nas mais simples associações, ou mesmo nas assembléias religiosas,  “plasmada pelo  somatório de energias físicas, emocionais e mentais dos membros do grupo, na forma de uma poderosa entidade autônoma que adquire individualidade e interfere nas vidas e nos destinos das pessoas, sendo capaz de realizar no mundo visível as suas aspirações transmitidas ao mundo invisível pela coletividade geradora”.

Após ler e refletir bastante sobre o tema fiz algumas observações e alguns questionamentos que divido com os irmãos. Não considero nenhum absurdo aceitar que a reunião de várias pessoas, mentalizando e direcionando os seus pensamentos para o alcance de um objetivo comum possa gerar uma energia “positiva‟ que proporcionará “aos membros desse grupo‟ uma sensação de bem estar, de alívio de tensão ou algo similar; também aceito que o contato físico – como na Cadeia de União – amplie essas sensações, pois serve para renovar e fortalecer o companheirismo que deve existir entre os irmãos, relembrando-lhes sempre que o objetivo primário da Maçonaria é nos unir de modo que formemos um só corpo, uma só vontade e um só espírito. Mas, como aceitar, ou crer, que a “energia‟ emanada de nossas mentes possa plasmar uma “entidade‟ movida por vontade própria que irá interferir – para o bem ou para o mal – nas vidas e nos destinos das pessoas? Ou que seja capaz de realizar no mundo visível as suas aspirações transmitidas ao mundo invisível pela coletividade geradora. Como isso poderia acontecer sem considerarmos o fator “sobrenatural‟?

Aceitar tal fato, sem questionamento, é fugir do racional. É mais lógico fundamentar essa crença à interferências de conceitos superficiais ou subjetivos ligados a superstição, que não necessitam ser demonstrados, mas nos proporcionam uma falsa sensação de segurança. A maçonaria nos orienta a não nos entregarmos às superstições; logo, não podemos desprezar a lógica e a razão aceitando passivamente ilusórias promessas de felicidade e proteção advindas de “entidades‟ sobrenaturais plasmadas  em nossas sessões.

Concluindo, entendo que as chamadas “egrégoras” são quimeras sustentadas por forças motivadoras da superstição, e como tal se deve evitar a utilização dessa expressão na maçonaria, de modo a não contribuirmos à perpetuação e validação de uma falsa “entidade psíquica‟ gerada pela equivocada crença no desconhecido, que, na verdade, camufla a necessidade de mantermos um controle racional sobre os nossos temores. Mas essa decisão é pessoal e passa pela conscientização de cada um.

O maçom deve ser livre para investigar a verdade, crer naquilo que melhor lhe confortar, e deve utilizar as suas  “descobertas‟  para o seu próprio crescimento pessoal. As palavras, e até mesmo os equivocados conceitos por trás delas, se esvaecem ante o objetivo maior da maçonaria de formar livres pensadores.


[1] Extraído do Informativo Maçônico “JB News nº 482”.

 


Publicado on dezembro 23, 2011 at 7:38 am  Comments (5)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/egregora-maconica/trackback/

RSS feed for comments on this post.

5 ComentáriosDeixe um comentário

  1. É…. Mudou o título e palavras, copiou parágrafos, alterou outros, mas, não desconfigurou o plágio. “Egrégoras um Falso Culto” é de minha autoria escrito de 2008.
    http://www.revistauniversomaconico.com.br/esoterismo-e-astrologia/egregoras-um-falso-culto/
    https://br.groups.yahoo.com/neo/groups/Uniaoefidelidade/conversations/messages/156

    • Sem entrar no mérito, publiquei o seu artigo original e foi um sucesso!

  2. Queridos Ir.’. é a primeira vez que , percebo a idéia de egrégora como uma entidade ,e como entidade independente , sempre entendi , tanto no seio espirita como na maçonaria , como energia ,força transformadora , lembro também que o espiritismo não se reduz a obra de kardec , hoje muitos outros autores nos esclarecem e colaboram para o nosso conhecimento espiritual , evidentemente jamais diminuindo a importância do precursor . De qualquer forma , a ideia , aqui apresentada nos provoca ao estudo.T.’.F.’.A.’.
    Ivan M.’.M.’.

  3. Estudemos mais fisica quantica para entendermos a energia individual e coletiva cuja Egregora não a deixa ficar a deriva como um barco sem timoneiro ao solilóquio das ondas em mar bravio. Ela nada mais é que a bandeira da sinergia responsavel para empolgar a todo batalhão que marcha que é com a soma de cada um que o exercito nutre cada porção. A Egregora é como se fosse um motor de um enorme trem que passa por estações onde desce sobe adptos, que sabe bem que não é o apito do mesmo que o coloca em movimento, mas sim a ação individual e compartilhada bem silenciosa do motor elétrico onde o mundo do átomo responde, dita as regras pela ciência de que muita coisa se esclarece, muitos mistérios até hoje desvendados são resultados da união por ela A EGREGORA.

  4. Caro Ir :.
    Convém não confundir crença com superstição .
    Grande número dos autores ocultistas renomados, maçons ou não, concorda com a possibilidade da criação, consciente ou inconsciente, de seres psíquicos artificais .
    Estes são os seres egregoricos, em que cada um pode acreditar, ou não .
    Se seres egregoricos resultam da convergência mental em diversos ambientes, com maior razão poderão ocorrer nos da maçonaria . E se existe vida após a morte (no que nós, maçons, acreditamos), da formação da egregora de uma Loja podem participar tanto II:. vivos como os que passaram ao Oriente Eterno .
    Claro que ninguém é obrigado a acreditar em Egrégora, e que a referência a ela não faz parte dos rituais maçônicos. A base, para crer ou não, é necessariamente empírica. Se os trabalhos decorrem de melhor forma se os II :. mentalizam para o fortalecimento da egregora na sala dos P:.P:., então não há motivo para não faze-lo .
    Embora não fazendo parte dos rituais, a prática é majoritária. Parece-me que, se não houvesse egrégora, não faria sentido a C:.U:.
    T:.F:.A:.
    João Pedro , 33 REAA e 3 RY :.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: