Descobrindo o segredo de “M”, o Adepto por trás da Tradição Ocidental

Tradução J. Filardo


Por Richard Cloud

 

Muitas especulações foram gastas para descobrir a verdadeira identidade de M de Steiner De acordo com uma Ordem Rosacruz na Alemanha, eles conhecem a identidade deste “Mestre” desconhecido.

Por que isso é tão significativo? De acordo com os ensinamentos de Steiner, “o M” deve ter sido a atual encarnação de Christian Rosenkreutz durante aquela época. Aqui eu revelo o nome dessa pessoa e compartilho a jornada do que encontrei. Essas descobertas foram surpreendentes para dizer o mínimo.

Rudolf Steiner

Em primeiro lugar, deve ser dito que recorreremos a materiais publicados para avaliar essa alegação. Qualquer um pode cruzar referências a estas declarações e observar os fatos. Como estudante de Rudolf Steiner, sempre fui fascinado pela identidade de quem era o Mestre e queria saber mais. Minha pesquisa aqui, de forma alguma, tenta diminuir o trabalho do Dr. Steiner. Pelo contrário, é meu amor por este grande professor de humanidade que me levou a realizar essa tentativa de esclarecimento.

Em 1907, Rudolf Steiner escreveu um breve esboço autobiográfico conhecido como “Documento Barr”. Neste famoso documento, Steiner menciona seu primeiro encontro com “o M”. Desde então, a especulação girou em torno da identidade desse indivíduo, o que não é de se admirar. Ao contrário de outros fundadores rosacruzes como Harvey Spencer Lewis ou Max Heindel, que fizeram alegações de herdar a tradição Rosicruciana, os seguidores da Antroposofia realmente acreditam que Steiner encontrou C.R.C. face a face!

O próprio Steiner nunca identificou essa pessoa. Ele escreveu e falou extensivamente sobre a lenda de Christian Rosenkreutz, mas nunca mais abordou especificamente o M. Nós sabemos apenas que um agente de M encontrou-se e fez amizade com o jovem Steiner antes que sua reunião em pessoa pudesse ocorrer. Ele diz, “Eu não conheci o M. imediatamente, mas primeiro um emissário que era completamente iniciado nos segredos das plantas e seus efeitos, e em sua conexão com o cosmos e a natureza humana”.[1]

FELIX KOGUZKI

Devido ao inestimável trabalho de Emil Bock, foi determinado com certeza que a identidade deste mensageiro de M era um coletor de ervas da Suábia chamado Felix Koguzki (1833-1909).

Este humilde coletor de ervas medicinais de Viena desempenhou um papel tão importante na vida de Steiner que ele foi posteriormente imortalizado por Steiner nos quatro Dramas de Mistério como a personagem “Felix Balde”. Qual relação teve Koguzki com o M? Há uma pista escondida na descrição dele sendo “iniciado nos segredos das plantas e seus efeitos, e em sua conexão com o cosmos e a natureza humana”. Isso é importante, como você verá abaixo.

Ao considerar a identidade do M, devemos ter em mente o que Steiner disse sobre o momento de tais coisas: “A tentação de as pessoas idealizarem fanaticamente uma pessoa com tal autoridade é muito grande, o que é o pior que pode acontecer – seria muito parecido com a idolatria. Este silêncio, no entanto, é essencial se desejamos não apenas evitar as tentações egoístas da ambição e do orgulho (o que provavelmente poderíamos superar), mas sobretudo evitar os ataques astrais ocultos que seriam dirigidos constantemente a um indivíduo daquele nível. É por isso que é essencial que um fato como este não seja mencionado até depois de cem anos“.[2]

Steiner acreditava que CRC se encarnaria fisicamente durante seu tempo[3]e que a identidade deste indivíduo só poderia ser conhecida depois de decorridos cem anos, o que nos coloca precisamente dentro do prazo em que sua identidade pode ser divulgada publicamente.

Ao compartilhar esses pensamentos com um amigo, ele me informou de uma tradição oral mantida entre um pequeno Círculo Pansófico ainda ativo na Alemanha, que conhecia o nome do Irmão Ancião de Rudolf Steiner. Ele consultou seu próprio iniciador, que aprovou o compartilhamento deste nome. O momento era estranho.

Meu amigo então disse-me que Alois Mailander era “não só o Irmão Ancião de Steiner, mas era conhecido como” O Irmão Ancião” durante aquele tempo,” a maioria reconhecendo-o como o Grande Adepto.[4]

Isso despertou minha curiosidade, então eu decidi olhar mais profundamente, sem saber o que eu encontraria.

Acontece que: Eu realmente encontrei referência a:

  1. Alois Mailander sendo chamado de “M” naquele período.
  2. Uma indicação extremamente forte de que ele era, de fato CRC redivivo.

Tudo a partir daí é minha própria pesquisa, encontrada após a dica ter sido fornecida por meu amigo.

ALOIS MAILANDER

Alois Mailander (1843-1905) era um trabalhador de fábrica analfabeto da virada do século 19, em Kempten. No entanto, apesar de sua incapacidade de ler, não só ele foi tratado como uma pessoa muito importante em Kempten, mas muitos se reuniram de todos os lados para ouvir seus sermões boêmios, de que se dizia terem sido feitos sob a forma de misticismo cristão-sofiânico. Além disso, ele ensinava “exercícios de Kerning, pelos quais Mailander conseguia se comunicar com animais”.[5]

Seu próprio mentor era um Rosacruz chamado Prestel, que chegaremos depois.

Uma fácil pesquisa na Wikipedia mostrou que muitos líderes ocultistas e teosofistas fizeram peregrinações até Mailander e seu Círculo de Pansofistas, conhecido como “Associação de Promessa”, que ele mais tarde abriu em Dreieichenhain, perto de Frankfurt.[6]

Entre os membros mais conhecidos estão Gustav Meyrink, Franz Hartmann, Wilhelm Hübbe-Schleiden, Franz Gustav Gebhard e Karl Weinfurter. Muitas influências poderosas vieram de Mailander. Isso poderia ser a fonte do avivamento oculto?

Mesmo Madame Helena Blavatsky disse uma vez sobre Mailander que havia apenas um iniciado na Alemanha e que ele morava em Kempten, mas que ele não pertencia à escola dela.[7]Segundo Willy Schroedter, no entanto, Madame Blavatsky pertencia, na verdade, à escola de Mailander.[8]Steiner realmente afirmou que foi Blavatsky quem se separou do Mestre Rosacruz a que estava associada.[9]

É preciso perguntar, como é possível que Blavatsky proclamasse tanto louvor pelo “único iniciado na Alemanha” e, ainda assim, Steiner permanecesse completamente silencioso? Isso aconteceu, apesar do fato de que os próprios amigos de Steiner estivessem estudando com Mailander. Este silêncio em si é muito eloquente, a menos que Steiner se referisse a Alois Mailander de alguma outra maneira ou outro nome? Na verdade, parece que ele fez isso –

Mailander também era conhecido como “Irmão João” entre os iniciados do Círculo Pansófico. Acreditava-se que João Evangelista falava através dele, ou mais precisamente, que “ele falava como João. ‘[10]Mas por que isso é tão importante? Alguns de vocês saberão imediatamente.

Estudantes de Antroposofia sabem muito bem que Rudolf Steiner ensinava que Lázaro e João eram o mesmo indivíduo e que encarnou continuamente ao longo da história. Uma das mais significativas de suas encarnações ocorreu quando João encarnou como Christian Rosenkreutz no século XIV.[11]

Essa conexão é tão importante que forneci a citação original aqui:

“Sie sind die Überzeugung, das durch Mailänder von Zeit zu Zeit Johannes selbst spräche. Mailänder Können den Zustand bewusst herbeiführen. Er wurde, Bruder Johannes ‘genannt.”(See Friedrich Eckstein als Okkultist; Rolf Speckner).[12]/[13]

Esta peça impressionante de informação trouxe imediatamente à mente o Documento Barr e o encontro entre Steiner e “o M”. Se Mailander era conhecido como “O Irmão Ancião” e “Irmão João” entre os Pansofistas, é possível que o “M” de Steiner fosse de fato de Mailander?

Na verdade, encontrei prova disso. Contudo, nomeá-lo “o M” era apenas natural. Seu próprio iniciador, Prestel, também era chamado de “o P” pelos Pansofistas.[14]“o M” mostra apenas a continuação daquela tradição.

Mas antes de colocar o prego final no caixão, vamos examinar alguns tópicos curiosos que conectam Steiner e Mailander para aqueles que querem conhecer a história completa.

Primeiro, há Felix Koguzki, o mensageiro do M. Sabemos que Koguzki estava especialmente interessado nos escritos do místico alemão Joseph Ennemoser. Ele era um médico e místico do sul do Tirol, e um defensor do magnetismo animal de Franz Anton Mesmer. Steiner nos diz que Ennemoser era a “leitura mais querida” de Koguzki.[15]O fato de que Ennemoser era do sul do Tirol ganha significância quando descobrimos que Anna Mailander (mãe de Alois Mailander) vem da mesma província.[16]

Conforme mencionado, Steiner retrata Koguzki como conhecendo os segredos das plantas. Isso teria sentido, porque no círculo de Mailander havia um ensino conhecido como “Formenlehre” (Morfologia), que era uma doutrina de formas em que “cada letra do alfabeto, planta ou animal tinha um certo valor simbólico” e foi descrito como “uma espécie de derivação primitiva da teosofia de Jakob Bohme”.[17]

Outro vínculo entre Rudolf Steiner e Alois Mailander é o ensinamento de que o retorno de Cristo ocorreria etérea e não fisicamente. As cartas de Mailander-João (geralmente ditadas por ele a seguidores) são cheias de reverência pelo Cristo e falam frequentemente de seu retorno ser uma manifestação etérica.[18]

Esta delicada conexão continua a se fortalecer quando aprendemos de outros ocultistas conhecidos que estavam intimamente familiarizados com Steiner e Mailander ao mesmo tempo. Uma dessas pessoas era Friedrich Eckstein. Steiner escreveu uma vez a Eckstein que havia dois eventos em sua vida que “eu contei muito como sendo o mais importante da minha existência, e eu seria completamente diferente se eles não tivessem acontecido. Eu devo ficar em silêncio sobre esse, mas o outro é o fato de que eu conheci você. O que você é para mim, você sabe melhor que eu mesmo; mas eu sei que devo agradecer infinitamente a você. “[19]

A chave essencial aqui é que Eckstein era, de fato, aluno do próprio Mailander.[20]/[21]Temos que perguntar, o outro grande evento da vida de Steiner foi o encontro de CRC em Mailander?

Os exercícios ensinados por Mailander a partir das operações de Kerning realmente fornecem uma fonte para as práticas ocultas do próprio Steiner. Mailander prescrevia exercícios usando formulações da palavra IAO com outras letras do alfabeto, aplicadas com o objetivo de permear e transformar o corpo.[22]

O proeminente teosofista e ocultista Wilhelm Hubbe-Schleiden foi outro indivíduo familiarizado tanto com Steiner quanto Mailander. Hubbe-Schleiden era o presidente do ramo alemão da Sociedade Teosófica, da qual Steiner se tornaria Secretário Geral e, em 1902, entregou a Presidência do ramo a Steiner. Hubbe-Schleiden mais tarde brigou com os Pansofistas alemães, uma razão sendo porque ele não faria o trabalho prescrito para ele pelo “Irmão João”.

Mailander tentou muitas vezes que Hubbe-Schleiden realizasse os exercícios mentais necessários para seu avanço, mas Hubbe-Schleiden não os executaria conforme prescrito. Isso resultou em Mailander eventualmente dizer a ele:

“Eu dei uma olhada em sua condição corporal de acordo com seu desejo, mas recebi um resultado completamente diferente da sua visão … o fato de que seu trabalho não é um sucesso espiritual ou que a força para ele desapareceu não é verdade e repousa mais sobre uma imaginação mórbida “.[23]

Finalmente, a descoberta mais reveladora é a entrada no diário do teosofista Clemens Driessen em 26 de setembro de 1891. Nesta entrada, Driessen está falando do progresso de Hubbe-Schleiden com Mailander, e menciona que Hubbe-Schleiden não estava satisfeito, mas “Isso também me parece que ele está em oposição à abordagem de M (ailander), que é crítico com ele, mas talvez apenas no que diz respeito aos ensinamentos intelectuais da imaginação criativa.

Quando vi isso, fiquei impressionado. Aqui está a citação original:

“Dies tritt, scheint mir, auch darin zu Tage, dass er sich mit dem M.[ailänder] in Widerspruch setzt, zu ihm sich kritisch verhält – vielleicht allerdings nur was die intellektuellen Vorstellungsbilder angeht”. [24]

Aqui temos uma prova de Mailander sendo especificamente referido como “o M” por ocultistas ao seu redor.

Mas ele não era apenas chamado o M ‘- ele falava como João,
que era CRC de acordo com Steiner.

À luz de todos esses fatos, sou obrigado a pensar que a tradição oral do meu amigo está correta e que o “M” de Steiner pode muito bem ter sido Alois Mailander. Passaram-se mais de cem anos desde a sua morte, por isso acredito que não há dano na especulação sobre estes assuntos, e, afinal, a revelação dos Pansofistas é bastante oportuna.[25]

Que as Rosas floresçam em sua Cruz.

 

NOTAS:

[1]GA 262, Rudolf Steiner e Marie Steiner-von Sivers: Correspondência e documentos 1901-1925

[2]A Corrente Secreta, Rudolf Steiner, pág. 135

[3]“Christian Rosenkreutz está encarnado novamente hoje”. IBID

[4]Mailander era o discípulo de Prestel, um Rosacruz de notável habilidade psíquica. Os Pansofistas da Alemanha hoje afirmam ser o último fio sobrevivente da linhagem Prestel-Mailander. Meu amigo, muitos de vocês conhecem bem.

[5]‘Caderno Rosacruz’ de Willy Schroedter pág. 132. Tenha em mente que, se Mailander era analfabeto, então, quando ele conhecia os exercícios de Kerning, se não fosse por uma forte tradição oral e período de instrução, ou a menos que ele os fornecesse em sua encarnação anterior 100 anos antes.

[6]Bund der Verheisung

[7]Friedrich Eckstein como Ocultista, por Rolf Speckner, pág. 10.

[8] in ‘Caderno Rosacruz’ por Willy Schroedter pág. 131-132 que Blavatsky era membro de sua escola.

[9]“O fato é que Blavatsky foi induzida de uma determinada direção e, como resultado, ela produziu todas as coisas que estão escritas em Isis Desvendada. Mas por várias maquinações, Blavatsky por uma segunda vez caiu sob influência externa, a saber de professores esotéricos orientais impulsionados por tendências culturais de natureza egoísta. Desde o início, uma política tendenciosa estava na base das coisas que eles queriam alcançar através de Blavatsky. Ela incluía o desejo de criar uma espécie de esfera de influência – primeiramente de natureza espiritual, mas depois em um sentido mais geral – do Oriente sobre o Ocidente, fornecendo a espiritualidade do Ocidente ou a falta dela se quiserem, com a sabedoria oriental. Foi assim que aconteceu a transformação da natureza rigorosamente europeia de Isis Desvendada para a natureza rigorosamente oriental de “A Doutrina Secreta” de Blavatsky. De “História do Movimento Antroposófico” Steiner 1923 http://southerncrossreview.org/88/steiner-movement-5.html

[10]Vida e tempos de Rudolf Steiner, Emil Bock, Vol. 1, págs. 202 – 211.

[11]Veja ‘Lenda do Templo’ de Rudolf Steiner, também ensinada por Heindel.

[12]Meyrink também menciona que ele era chamado ‘Johannes’ Gustav Meyrink: Fledermäuse. München 1981, S. 241f u. 410

[13]Você também tem que considerar que a atividade I-Am fundada por Guy Ballard, sob seu pseudônimo Godre Ray King na década de 1930 era realmente um plágio de ideias ensinadas por Mailander. A fonte real para dessas afirmações I-Am eram originalmente de Kerning, e vários teosofistas as encontraram através de Mailander que ensinava o trabalho de Kerning. Outra encarnação de João-CRC foi também Saint Germaine de acordo com Steiner, e é por isso que Guy Ballard as atribuiu a Germaine, ao confundir suas fontes, tendo acreditado que elas de fato vieram de Mailander, que era a última encarnação.

[14]“No entanto, estamos interessados ​​em outra pessoa que pertenceu a este grupo, um P., um Rosacruz. Ele era chamado Prestel e tinha a capacidade de converter metais básicos em metais nobres. Um Caderno Rosacruz, Willy Schreodter, pág. 132, aqui se baseando nas cartas de Meyrink.

[15] Rudolf Steiner, GA 192

[16] Alois Mailander, Wikipedia

[17] Vida e Tempos de Rudolf Steiner, Emil Bock, Vol. 1, págs. 202 – 211

[18] IBID

[19] Rudolf Steiner a Friedrich Eckstein. Novembro 1890. In: Rudolf Steiner. Cartas Vol. II. G.A.39. Dornach, 1987, pág. 50

[20]Eckstein também teve contato com outro professor espiritual, que talvez o tenha apontado para Kerning. É o Weaver Alois Mailänder (1844-1905), que originalmente era baseado em Kempten. Rudolf Steiner e Friedrich Eckstein. [Ende] novembro de 1890. In: Rudolf Steiner. Cartas Bd. II. G.A.39. Dornach 1987. S. 50-51.

[21] Bock escreve: “Friedrich Eckstein sempre estava com ele”. [1] Emil Bock. Rudolf Steiner. Estudos sobre sua vida e trabalho. Stuttgart 1961, p.180-186. “Além dos alunos de longa data ou temporários de Wilhelm, Wilhelm Hübbe Schleiden (Munique), Franz Gustav Gebhard (Elberfeld), Bernhard Hubo (Hamburgo), Franz Hartmann (Viena / Kempten), Gustav Meyrink (Praga), Günter Karl Wagner (Hanover), Paula Stryczek (Hanover), Carl Count zu Leiningen-Billigheim (Viena). Bock escreve; “Um pequeno grupo de seguidores se reuniu ao seu redor. Eles estavam convencidos de que através de Milan, de tempos em tempos, o próprio João estava falando. Milão conseguia deliberar conscientemente o estado. Ele era chamado de “Irmão João”. Como ele não podia escrever, alguém precisava escrever suas cartas, muitas vezes seu cunhado Nikolaus Gabele. Uma grande parte da proeminência da Sociedade Teosófica pilotada para Kempten e se tornou uma estudante desse vidente cristão. Helena Blavatsky também disse que, na Alemanha, há apenas um iniciado e ele mora em Kempten. Mas ele não pertence à escola dela.

[22]Curiosamente, o fundador da OTO, Carl Kellner, também utilizava essas operações, já que Mailander foi seu professor. É certo que Steiner não as tirou de Kellner, que passou a desenvolvê-las e Kremmerz continuou o trabalho. Mailander parece ser uma fonte oculta para o avivamento oculto.

[23]Vida e tempos de Rudolf Steiner, Emil Bock

[24]Veja os Diários Indianos de Hubbe-Schleiden 1894/1896, página 17, em que uma nota de rodapé é inserida com a entrada do diário de Clements Dreissen.

[25]Deve-se mencionar que, se eu não tivesse dito que Mailander era o Irmão Ancião, eu não saberia onde procurar. No futuro, este grupo revelará mais informações de acordo com meu amigo. É uma questão de fato que meu contato não conhecia esses detalhes extraídos de materiais relacionados. Meu próprio informante Rosacruz realmente conhece muito pouco de Steiner, apesar de conhecer essa peça incrível sobre Mailander. Os Pansofistas hoje incorporam uma linhagem de representação pré-Steiner desta corrente, e consideram seu ensinamento original que Blavatsky e Steiner encontraram. Ainda hoje eles não se misturam com a Antroposofia, mantendo o ensino na sua forma original na Ordem Pansófica.

NOTA FINAL: Para mais provas do envolvimento de Steiner com o círculo Pansófico de Mailander, veja o livro Hypostasierung – die Logik mythischen Denkens im Werk Gustav Meyrinks nach 1907: Eine Studie zur erkenntnistheoretischen Problematik eines phantastischen Oeuvres (Hamburger Beiträge zur Germanistik) – Citado por Helmut Zander na nota de rodapé 203 na página 840 em seu livro informativo ‘Anthroposophie in Deutschland: Theosophische Weltanschauung Und Gesellschaftliche Praxis 1884-1945 (“Blavatsky habe sich zeitweise als Rosenkreuzerin verstanden, Hartmann und Gustav Meyrink sollen in die »rosenkreuzerischen Schulee von Johannes [i.ee. Alois] Mailänder (die Steiner gekannt habe), gegangen sein”).

 

Publicado em:  http://mystica-aeterna.com/dem-m-revealed/

Anúncios
Publicado on julho 11, 2017 at 2:08 pm  Comentários desativados em Descobrindo o segredo de “M”, o Adepto por trás da Tradição Ocidental  
%d blogueiros gostam disto: