Consultório Maçônico: «Qual é a origem do lema Liberdade – Igualdade – Fraternidade ?»

PERGUNTA: «Qual é a origem do lema Liberdade – Igualdade – Fraternidade ?»

Tradução José Filardo

A Maçonaria teve, historicamente, por lema Liberdade, Igualdade, Fraternidade Esta mentira … deve ser “contraditada” de uma vez por todas. Não! Maçonaria francesa, bem entendido, não impôs esse lema; ela pediu emprestado à República. Vamos explicar os detalhes.

Tradicionalmente, a Maçonaria não tem lema, mas máximas e aclamações. No século XVIII, os documentos maçônicos oficiais, as pranchas traçadas dos últimos trabalho são, geralmente, precedidas pela fórmula simples ” Saúde, Força, União

A ideia de combinar Liberdade, Igualdade e Fraternidade se origina, aparentemente de um dos principais atores da revolução, a saber, Maximilien de Robespierre (1758-1794), que propôs em 27 de abril de 1791 à Assembleia Constituinte inscrever três palavras na bandeira e botões das Guardas nacionais; com o único propósito de prestar homenagem ao seu civismo e sua coragem.

A proposta de Robespierre não foi aprovada, bem como foi em vão a iniciativa tomada por Jean-Nicolas Pache, prefeito de Paris, em 21 de junho de 1793, de colocar de cartazes na cidade com a inscrição ” Unidade e indivisibilidade da República, Liberdade, Igualdade, Fraternidade ou a Morte “.

Também sem sucesso foi a inclusão das três palavras anteriormente citadas pelo redator da ata dos trabalhos de retomada das atividades da Grande Loja da França, em 24 de junho 1795, depois de um sono forçado de vários anos.

Voltemos a julho de 1791 para extrair de uma circular da Loja Mãe do Rito Escocês filosófico, São João do Contrato Social, essa afirmação “Muitos séculos antes que Rousseau, Mably, Raynal tivessem escrito sobre os direitos humanos e tivessem jogado na Europa a massa de Iluminismo que caracteriza o seu trabalho, nós praticávamos em nossas Lojas todos os princípios de uma verdadeira sociabilidade. A igualdade, a liberdade, a fraternidade eram para nós os deveres mais fáceis de cumprir que nós afastamos cuidadosamente para longe de nós os erros e preconceitos que, por tanto tempo, trouxeram a infelicidade às nações. ”

Será preciso, de qualquer maneira, esperar até 25 de fevereiro de 1848 até que Louis Blanc (1811-1882), então membro de um governo republicano provisório – e futuro maçom – fizesse inscrever a tríade Liberdade, Igualdade, Fraternidade como divisa nacional na Constituição da Segunda República.

E não será até 10 de agosto do ano seguinte, ou seja, 1849, que ele será adotado como lema maçônico pelo Grande Oriente, antes de todas as potências francesas viesse a reclamá-lo por sua vez. Portanto, a César o que é de César; Reddite quae sunt Caesaris, Caesari .

Supondo, no entanto, que se, oficialmente, os maçons não podem contar com o fato de que eles foram os primeiros a fazer uso de um lema de renome internacional, eles eles podem, mesmo assim, afirmar que o inspiraram para a nação … Lembrando-se, principalmente que um secretário de Loja, em 07 agosto de 1793, em Lille, rubricou um diploma “ em nome e sob os auspícios da Liberdade, Igualdade e Fraternidade “; diploma sobre o qual ele havia apagado a menção maçônica impressa: “em nome e sob os auspícios do Sereníssimo Grão-Mestre “. Isso cerca de 56 anos antes do advento da Segunda República.

✦ Para mais informações, consulte: Os Anais da Maçonaria (Guy Chassagnard, Edições Alphee, 2009) para os anos de 1791, 1793, 1795, 1848, 1849.

© 2014 Guy Chassagnard – chassagnard@orange.fr- Todos os direitos reservados

– Veja mais em: http://www.gadlu.info/miscellanea-macionica-quelle-est-lorigine-de-la-devise-liberte-egalite-fraternite.html#sthash.pEiYcLXp.92arK900.dpuf

Publicado on janeiro 20, 2014 at 9:33 am  Comments (6)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/consultorio-maconico-qual-e-a-origem-do-lema-liberdade-igualdade-fraternidade/trackback/

RSS feed for comments on this post.

6 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Se libertar da liberdade, igualdade e fraternidade é atentar contra o espírito humano , claro esses ideais não pertence a maçonaria, mas sim a defesa deles ainda que utópica é necessária tendo em vista que a humanidade caminha para o suicídio. Não existe fraternidade sem igualdade e não existe igualdade sem liberdade , a liberdade é a base da existência sem ela padeceremos certamente.

  2. orimoroso, aproveitável e bem articula. Parabens!!!!

  3. A verdade global gera a IGUALDADE dos pensares e a IGUALDADE SOCIAL no assegurar do nivelado comportamento de base constante em fim de si mesmo, como a 1ª instância de base do pensar.

    A LIBERDADE GLOBAL é de 2ª instância do pensar com os carnais filhos de identidades e forças irracional em fins e racional no visível meio exterior composto do invisível meio interior de atmosférica baixa (limitada) coluna social pensante na diversidade de oficinas comuns da cidade. Também é de 3ª instância do pensar com os pós-mortes desencarnados e encarnados em comuns ondas de pensamentos inspiradoras e intuitivas do invisível meio interior da alta coluna social pensante da cidade (ilimitada terrena e interplanetária). Veja o desenho da alma da cidade nos meu Facebook.

    A verdade é a LUZ que emana do homem no assegurar da FRATERNIDADE em parte e ou global.

  4. Como autor e escritor da moderna Maçonaria afirmo que trabalho em aprendizagem e prática com esta tríade igualdade, liberdade e fraternidade como fundamental verdade para se pensar, o que é socialização.

    Afirmo que a Loja Mãe do Rito Escocês filosófico, São João do Contrato Social, está certíssima com a sua afirmação de que a tríade IGUALDADE, LIBERDADE E FRATERNIDADE é a verdadeira sociabilidade.

  5. Um autor político norte-americano do séc. XIX, diante da afirmação de que todos os homens são criados livres e iguais, perguntava se não seria mais correto dizer que nenhum homem jamais foi criado livre e que nunca dois homens sequer foram criados iguais.

    Esse igualitarismo é nocivo porque ele sempre se apresenta como um reparador da injustiça, quando na verdade se trata justamente do contrário. A “igualdade” é frequentemente encontrada na boca daqueles que estão comprometidos com uma engenhosa autopromoção.

    A harmonia entre os homens não depende da quimérica ideia de igualdade, mas da fraternidade. O antigo sentimento de fraternidade traz consigo obrigações que a igualdade desconhece. Ele demanda respeito e proteção. A fraternidade exige que tenhamos paciência com o irmão mais novo e pode exigir duramente que o irmão mais velho cumpra seu dever. A fraternidade colaca as pessoas em uma rede de sentimentos, e não de direitos – esse HORTUS SICCUS vaidade moderna.

    A fraternidade nos faz direcionar nossa atenção aos outros, enquanto a igualdade nos faz direcioná-la a nós mesmos. Ademais, a paixão pela igualdade coincide com o crescimento do egoísmo. A base de uma ordem social orgânica é a fraternidade, e não a igualdade. A fraternidade uni as partes separadas, enquanto a igualdade gera dissenções e ressentimentos.

    Faria muito bem a Ordem Maçônica em dispensar a tríade liberdade, igualdade e fraternidade. Até porque, pouco se experimenta da liberdade, igualdade e fraternidade dentro de muitas da Oficinas!!!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: