Considerando a média de idade dos maçons…

7 fatos sobre a próstata que todos os homens (e as mulheres que os amam) precisam saber

Todos os homens terão, mais cedo ou mais tarde, que lidar com esta glândula traquinas

 

Por Larry Schwartz / AlterNet

Tradução José Filardo

ai meu saco

Crédito da foto: Shutterstock.com

Se existe um órgão que provoca críticas mistas de homens em todos os lugares, é a próstata. A próstata é a glândula que produz o sémen, o meio fluido que protege e nutre as células de esperma. De um lado, a próstata pode ser uma parte integrante de qualquer orgasmo  intensamente prazeroso . Por outro lado, diferente do câncer de pele, nenhum outro câncer é tão presente em homens que o câncer de próstata, que atinge 1 em 7 homens em suas vidas. Se você é Afro descendente, suas chances são ainda maiores de que você sofrerá (e 2,5 vezes mais provável que você vá morrer dele). Em geral,  mais de 180 mil  homens desenvolverão esse tipo de câncer em 2016, e desses, mais de 25 mil morrerão da doença. A má notícia para os homens sobre o câncer de próstata é que quanto mais você envelhece, mais provável é que você vá desenvolvê-lo. A boa notícia é que suas chances de sobrevivência são realmente bastante decentes.

Mesmo para aqueles homens que não sofrem de câncer de próstata, muitos vão se encontrar lidando com a HBP ou hiperplasia benigna da próstata, também conhecida como hiperplasia prostática. Embora as causas do aumento da próstata não sejam totalmente compreendidas, um dos suspeitos é a testosterona. À medida que o hormônio se decompõe no corpo, um subproduto, a di-hidrotestosterona é produzido que pode contribuir para o crescimento da próstata. Até o momento em que atingir 55 anos de idade, metade da população masculina terá HBP. Até 65, esse número é de 75 por cento, e com a idade de 80 anos, 90 por cento. Se você é um homem, quase certamente desenvolverá alguns sintomas da HBP com a idade. Esses sintomas incluirão dificuldade em urinar, alguns “pingos” depois, incapacidade de esvaziar completamente a bexiga, micção noturna frequente, assim como a possibilidade de um pouco de sangue na urina ou ITUs recorrentes (infecções do trato urinário).

A razão pela qual um aumento da próstata é problema é quase inteiramente devido à sua localização. O órgão está localizado sob a bexiga e envolve a uretra. À medida que aumenta o tamanho, ele comprime a uretra, contraindo os músculos, e bloqueia parcialmente a saída, por assim dizer. Aqueles que têm isso descobrem que suas vidas giram em torno de idas ao banheiro, sono interrompido e o medo de algo pior, câncer de próstata. O resultado é uma indústria que tem evoluído, tanto na área médica geral, como na comunidade médica alternativa, visando aliviar os sintomas e os medos de doença da próstata, para não mencionar o lucro. Em ambos os campos da medicina, tratamentos legítimos e ilegítimos floresceram.

Aqui estão sete fatos sobre o tratamento de doenças da próstata.

  1. HBP pode levar a complicações graves.

Um aumento de tamanho da próstata nem sempre é apenas uma inconveniência irritante. Embora seja verdade que muitos homens sofrem sintomas relativamente leves que garantem somente um acompanhamento atento, outros têm problemas significativos ao urinar. Bloqueio significativo da uretra pode levar a aumento das infecções do trato urinário, pedras na bexiga, sangue na urina, e pior, danos efetivos aos rins. Para reduzir os efeitos da HBP, algumas dicas incluem dupla-micção (urinar, relaxar os músculos, urinar novamente), gastar tempo ao urinar, tentar sentado em vez de de pé, espaçar seu consumo diário de fluidos (e reduzi-lo à noite) e estar consciente de medicamentos que irritam a próstata, tais como remédios para gripe e alergia. Se os sintomas da HBP são suficientemente graves, um urologista pode recomendar medicamentos que podem relaxar os músculos da próstata ou diminuir o tamanho da própria glândula. Alternativamente, pode ser interessante realizar terapia de microondas transuretral ou a ablação por agulha transuretral, ambos procedimentos minimamente invasivos que removem partes da próstata, a fim de relaxar o aperto da glândula sobre a uretra.

  1. Sabal (Serenoa repens ou Saw Palmetto), provavelmente, não funciona.

Um dos tratamentos alternativos mais populares para HBP é o Sabal, ou Saw Palmetto, usado desde o início do século 20 como um remédio para problemas urinários e prostáticos. Derivado de uma planta do tipo palmeira, suas bagas eram uma fonte de alimentos e medicamentos para os indios americanos. A indústria de suplemento de saúde há bastante tempo vem empurrando o Sabal ou Saw Palmetto como um tratamento natural seguro e eficaz para os problemas da próstata. Embora os resultados de alguns estudos tenham sido mistos, a  os mais extensos  indicaram que o Sabal ou Saw Palmetto, mesmo em doses elevadas, não é mais eficaz do que um placebo. Houve estudos feitos em outros tratamentos “naturais” para HBP, incluindo  urtiga  e casca de pygeum, ou cereja africana. Estes têm mostrado alguma melhora nos sintomas da HBP, mas os estudos são em escala demasiado pequena para se tirar resultados conclusivos. Se você decidir tentar qualquer suplemento de ervas, certifique-se que vem de uma marca respeitável. Embora existam poucos efeitos colaterais destes remédios, descobriu-se que muitas marcas têr menos do ingrediente do que afirmado na  embalagem  .

  1. O câncer de próstata é diagnosticado e tratado em excesso.

Na década de 80, foi desenvolvido um teste para detectar câncer de próstata. Amplamente disponível, o teste do antigeno específico da próstata, ou PSA, detecta o nível de uma determinada proteína no sangue que é produzida pela próstata. Se o nível de proteína detectada estiver acima do que é considerado normal, uma biópsia é realizada para determinar se o câncer está presente. O teste foi saudado como um método para detectar precocemente o câncer de próstata, potencialmente salvando inúmeras vidas. Existem alguns problemas, no entanto; o principal deles que a taxa de mortes por câncer não diminuiu nos EUA. Além disso, o PSA não é totalmente confiável, produzindo falsos positivos (apenas cerca de 25 por cento dos homens com um PSA elevado realmente têm câncer), que resultou em biópsias invasivas desnecessárias, ou falsos negativos que deram um sentido equivocado de segurança. As biópsias em si muitas vezes causam desconforto e, ocasionalmente, podem levar a infecções graves. E mesmo que pacientes que têm câncer de próstata, estatisticamente provavelmente não desenvolverão a forma agressiva da doença, e não há nenhuma forma de saber isso, a não ser com um teste de PSA. O resultado foi uma avalanche de excesso de diagnóstico resultando em pacientes preocupados e médicos, por garantia, removendo a glândula desnecessariamente, com os efeitos colaterais que a acompanham.

Em 2012, a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos, um grupo independente de especialistas que avaliam serviços preventivos e fazem recomendações com base em conhecimentos científicos mais recentes, recomendou fortemente contra o teste de PSA. “Muitos homens são prejudicados como resultado do rastreamento do câncer de próstata e poucos, se houver algum, se beneficiam”.

  1. A cirurgia para câncer da próstata pode não ser necessária.

Os tratamentos médicos padrão para o câncer da próstata é um procedimento chamado prostatectomia radical, a remoção cirúrgica da glândula prostática, e radiação externa ou interna dirigida à próstata. Embora tanto a remoção da próstata quanto a irradiação da glândula possam ser geralmente eficazes no tratamento do câncer, pode haver consequências preocupantes. Ambas podem deixar o paciente impotente (que ocorre em até metade dos pacientes) ou incontinentes (10 por cento dos pacientes). Embora aperfeiçoamentos dos processos tenham reduzido a incidência de efeitos colaterais, eles não foram eliminados.

Mas aqui a coisa fica interessante. Na maioria dos casos de câncer de próstata, o câncer tem crescimento lento. Se não tratado, a maioria dos pacientes de “crescimento lento” provavelmente morrerão de outra coisa que não o câncer de próstata. Na verdade, um respeitado  estudo  indicou que nestes casos de crescimento lento, não fazer nada estatisticamente rendeu aproximadamente a mesma expectativa de vida que a remoção da próstata. A implicação óbvia é que um acompanhamento regular do câncer, ou “espera vigilante” é tão eficaz quanto a cirurgia invasiva ou a radioterapia. (A espera vigilante não é uma opção para a 10-15 por cento dos pacientes que têm um câncer agressivo; nesses casos, tratamentos ativos são necessários.) O número de pacientes que optam pela espera vigilante tem subido bastante nos últimos anos, passando de 7 por cento dos pacientes na década de 90 e início dos anos 2000, para 40 por cento desde 2010, e entre os homens de 75 anos e mais velhos, esse número é mais de 75 por cento. “Um dos argumentos contra a triagem é que estamos detectando e tratando excessivamente o câncer de próstata, e porque estamos tratando em excesso homens que não precisam de tratamento, ou seja, estamos fazendo mais mal do que bem. Ao reduzir as taxas de tratamento excessivo, estamos provavelmente aumentando o benefício da triagem”, David Penson do Centro Médico da Universidade de Vanderbilt, em Nashville, Tennessee disse a Fundação do Câncer de Próstata.

  1. Alguns médicos não acham que isso deveria ser chamado de câncer.

Porque a palavra câncer pode causar tanto pânico em pacientes (um  estudo realizado na Suécia  descobriu que a taxa de suicídio entre os pacientes que receberam o diagnóstico de câncer foi seis vezes maior do que o resto da população),  alguns médicos  acreditam que o câncer da próstata de crescimento lento não deve ser rotulado como tal. Para eles, o rótulo preferido é neoplasia epitelial prostática (ou NEP). O câncer de próstata, eles acreditam, deve limitar-se apenas às lesões da próstata ou tumores que são susceptíveis de levar à forma agressiva da doença.

  1. Existem maneiras que podem ajudar a minimizar a chance de desenvolver câncer de próstata.

Estudos  na Escola de Saúde Pública de Harvard identificaram mudanças de estilo de vida que podem minimizar o risco de desenvolver a forma agressiva do câncer de próstata. Sem surpresa, são muitas das mesmas coisas que afastam o diabetes, doenças cardíacas, derrames e muitas outras doenças: Parar de fumar. Fazer exercícios. Alilmentação saudável. E nessa dieta, certifique-se incluir duas coisas: molho de tomate e café. Os homens que consumiram pelo menos duas porções de molho de tomate por semana tiveram 20 por cento menos probabilidade de desenvolver câncer de próstata e 35 por cento menos probabilidade de morrer disso (mesmo tendo a doença, eles eram mais propensos a ter a forma de crescimento lento) . Para os consumidores de café, homens que bebiam 6 ou mais xícaras por dia tiveram 20 por cento menos probabilidade de desenvolver a doença, e se a tivessem, 60 por cento menos probabilidade de morrer disso. Mesmo os homens que bebiam apenas 1 a 3 xícaras por dia se beneficiaram. Embora a menor quantidade de café não teve para eles nenhum benefício no risco de contrair a doença vs. não-consumidores de café, os consumidores de café tiveram 30 por cento menos probabilidade de morrer disso.

  1. Faça sexo e se masturbe.

Os estudos  foram mistos, mas tem havido algumas indicações de que ejaculações frequentes ajudar a minimizar o risco de contrair câncer de próstata. Mas, de qualquer forma. Não há de fazer mal, e é divertido. Comece agora.

Larry Schwartz é um escritor freelancer baseado em Brooklyn com foco em saúde, ciência e história americana.

Publicado em: http://www.alternet.org/personal-health/7-facts-about-prostate-all-men-and-women-who-love-them-need-know?akid=14514.253365.ZWdWy3&rd=1&src=newsletter1061487&t=14

Publicado on agosto 8, 2016 at 11:21 am  Comentários desativados em Considerando a média de idade dos maçons…  
%d blogueiros gostam disto: