Companheiros do Dever – A Compagnonnage na França

Tradução José Antonio de Souza Filardo  M.´. I.´.

de  http://fr.wikipedia.org/wiki/Compagnonnage ».


O termo compagnonage ou companheirismo refere-se principalmente a um ramo do movimento operário francês, famoso pelo seu Tour de France, que atingiu o auge de sua fama com Agricol Perdiguier em meados do século XIX antes de desaparecer quase inteiramente devido à industrialização, a transformação de aprendizagem e a autorização dos sindicatos 1. No entanto, ela escapou da extinção no início do século XX 2 antes de experimentar um período de renovação.

A guilda de Companheiros também tem sido praticada em menor escala na Bélgica, e sob uma forma ligeiramente diferente no Canadá e na Alemanha. Mas, ela nunca foi implementada na Grã-Bretanha, onde outra forma de organização, as “companhias de libré” sucederam às guildas e corporações da Idade Média.

As guildas francesas de companheiros foram incluídas no Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade em 2010 sob o título de “As Confrarias de Companheiros, rede de transmissão de conhecimento e de identidade através da profissão.” Um Comitê Intergovernamental da UNESCO, reunido em Nairobi viu nelas “uma forma única de transmitir conhecimentos e o know-how” 3.

Torre do Sino da Casa dos Companheiros de Nantes

 

História das Guildas de Companheiros

Origens lendárias

O termo “compagnonnage” aparece na língua francesa somente por volta de 1719, para designar o tempo do estágio profissional que um companheiro devia fazer com um mestre. “* Do latim popular *Companionem, propriamente ” aquele que partilha o pão com o outro” de cum “com”, e panis, “pão”. 4 “.

No plano geral e humano, ele evoca um companheiro de vida, um grupo de pessoas cuja finalidade é: apoio, proteção, educação, transferência de conhecimentos entre todos os seus membros.

Em um sentido similar, o movimento dos companheiros de Emaús criado pelo Abade Pierre, teve, por exemplo, como objetivo “agir para que cada homem, cada sociedade, cada nação possa viver, afirmar-se e realizar-se na troca e na partilha, bem como em igual dignidade o “Manifesto Universal” quer dizer ajudar a “partilhar o pão” 5.

Em um sentido metafórico, pode-se imaginar que existia antes da humanidade, a partir do aparecimento dos seres vivos.

As lendas dos companheiros fazem referência a três fundadores lendários: Salomão, Mestre Jacques e o padre Soubise que aparecem por ocasião da construção do Templo de Salomão, evento que teria testemunhado o nascimento da ordem dos companheiros, embora os textos bíblicos que descrevem não fazem menção dela 6 :

Lenda salomônica é particularmente importante nos mitos dos companheiros do “dever de liberdade”. Parece ser de origem mais tardia que os outros e parece ter sido introduzida a partir do mito maçônico de Hiram nas salas dos “gavots” e os Cayennes dos “índios” entre o final do século XVIII e início do século XIX século, antes de se expandir nos rituais de outras sociedades de companheiros 6 .

Segundo a lenda principal, Mestre Jacques teria aprendido a cortar a pedra quando criança, antes de viajar com a idade de 15 anos para chegar ao canteiro de obras da construção do Templo de Salomão com a idade de 36 anos. Tornando-se mestre dos talhadores de pedra, dos carpinteiros e pedreiros, ele teria retornado à França em companhia de outro mestre, chamado Soubise, com quem ele teria se desentendido durante a viagem. Desembarcando em Marselha (cidade que, na realidade, ainda não existia), ele teria se escondido na Sainte Baume para se proteger de seu rival e teria sido assassinado, traído por um de seus seguidores. Suas roupas, então, teriam sido compartilhadas entre os diferentes corpos profissionais. Outra versão da lenda, provavelmente mais tardia, identifica Mestre Jacques com Jacques de Molay, o último Grão-Mestre dos Cavaleiros Templários. Outra, ainda identifica Jacques Moler, que teria sido mestre de obras da catedral de Orleans em 1401 6 .

Representado em roupa de saco, o Pai Soubise teria sido, segundo a lenda, um arquiteto no canteiro de obra do Templo de Salomão, onde ele teria supervisionado os carpinteiros. Ele teria retornado à França via Bordeaux depois de sua briga com o Mestre Jacques de quem ele teria inveja da autoridade. De acordo com algumas lendas, ele teria sido responsável pelo assassinato do mesmo, enquanto que outras lendas o inocentam. Outra lenda ainda é de um monge beneditino que teria participado com Jacques Moler no canteiro de obras de Orleans 6 .

Outra lenda importante dos companheiros é a da separação dos ritos. O mito dos companheiros a situa em 1401, durante a construção das torres da Catedral de Sainte-Croix de Orleans. Os dois mestres de obra, Jacques Moler e Soubise de Nogent teriam enfrentado uma greve que teria degenerado em uma terrível batalha seguida por uma cisão. Parece que esta lenda se apoia em fatos históricos mais tardios, ou seja, a cisão entre os companheiros católicos e protestantes e a destruição por estes últimos da flecha da catedral de Orleans em 1568 7 .

Os símbolos e rituais da maçonaria e do companheirismo são muito diferentes, embora tenham alguns elementos comuns.

Origens históricas

Fixar uma data precisa para o nascimento de companheirismo exigiria dar-lhe uma definição precisa, que ele jamais teve, e os arquivos das guildas de companheiros não vão além do século XVIII 8 .

Havia provavelmente organizações de trabalhadores e artesãos desde o início dessas profissões. O estudo comparativo das religiões e tradições dos países ao redor do mundo sugere que esses artesãos receberam conhecimentos mais ou menos secretos de geração em geração desde os tempos mais antigos. Encontramos vestígios no antigo Egito e Roma antiga, por exemplo.

 

O museu do companheirismo de Nantes.

A guilda de companheiros já existia na época da construção das catedrais; os sinais particulares dos companheiros são reconhecíveis, 9 estes companheiros viajavam por todos os países da Europa e principalmente na França.

Na França, organização dos ofícios sob o Antigo Regime estava construído em torno de corporações e de três estados: aprendiz, companheiro e mestre. Para os companheiros, era extremamente difícil chegar a mestre, a menos que fosse o filho ou genro do mestre. Além disso, o “livro dos ofícios”, escrito em 1268 a pedido de Luís IX, proibia qualquer trabalhador de deixar seu mestre sem o seu consentimento8. E é como reação a estas medidas que nascem as primeiras sociedades de companheiros independentes das corporações. Eles não usam o nome de “companheirismo” a não ser no século XIX e chamavam-se até então de ‘deveres’.

A primeira menção indiscutível das práticas de companheirismo remonta ao ano 1420 quando o rei Charles VI escreveu um decreto para os sapateiros de Troyes, na qual ele afirmava que:

Vários companheiros e trabalhadores do dito ofício, de múltiplas línguas e nações, iam e vinham de cidade em cidade para aprender, conhecer, ver e saber uns dos outros 8 . ”

No século XVI , as condenações reais contra os deveres se multiplicam, sem conseguir fazê-los desaparecer. Em 1539, pelo Decreto de Villers-Cotterêts, Francisco I o retoma as proibições de muitos de seus antecessores:

De acordo com nossos antigos decretos e julgamentos de nossos governantes atuais, serão abatidos, interditadas e proibidas todas as confrarias de gente de ofício e artesãos em todo o reino 8 . […] proibição a todos os companheiros e trabalhadores de se reunir em corpos sob o pretexto de fraternidades ou de outra forma, de conspirar entre eles para coloca-los junto aos mestres ou dali sair, ou impedir de qualquer forma que tais mestres escolham eles mesmos os seus trabalhadores sejam eles franceses ou estrangeiros 10 . ”

Uma ata judicial datada de 1540 recolhe o testemunho de um companheiro sapateiro, natural de Tours, que reconhece ter comido na casa de uma mulher chamada “a Mãe”, em Dijon, e ter viajado por quatro anos através da França 8 .

Talvez seja desta época que datam as designações entre os companheiros de “País” (trabalhador praticando sua arte no chão na oficina) e “Coterie” (trabalhador praticando seu comércio nas alturas, em andaimes): As pessoas do país, não estavam dispostas a assumir riscos, e trouxeram pessoas da costa para realizar trabalhos perigosos nos andaimes.

A partir do século XVII , a Igreja acrescentou sua condenação à do rei: Em 1655, uma resolução dos médicos da Faculdade de Paris atesta a condenação existente nos deveres de práticas rituais não controladas pelas autoridades religiosas. Simultaneamente, a Igreja tenta estabelecer um contra-dever com a criação de uma ordem semireligiosa de irmãos sapateiros, que desaparecerá rapidamente por um completo fracasso 8 .

Em 1685, a revogação do Édito de Nantes levou a uma divisão na guilda dos companheiros. Os protestantes e não-crentes se agrupam em outro Dever que assumirá no momento da Revolução Francesa, o nome de “dever de liberdade” 8 .

O clímax do movimento de companheirismo

A partir do início do século XVIII, a guilda de companheiros apresenta duas fortes características: Seu poder como organização de trabalhadores torna-se considerável. Ela organizou greves por vezes longas, controla as contratações em uma cidade, estabelece a “interdição de lojas” contra os mestres recalcitrantes, chegando às vezes até a proibição de cidades inteiras, privando-os de qualquer possibilidade de contratação e ameaçando-as , assim, de falência generalizada. E, ao mesmo tempo, sua divisão é profunda e as brigas entre companheiros de dever rivais fazem muitas vítimas 8 .

Se a Revolução Francesa concretiza em abril 1791 uma reivindicação muito antiga dos companheiros pondo fim ao sistema de corporações, através do decreto de Allard, dois meses depois, o Le Chapelier proíbe as associações de trabalhadores.

Obra-prima de um companheiro chaveiro do século XIX , Museu do companheirismo de Tours.

1804 assiste a fundação do “dever de liberdade”, que agrupa todos os companheiros que não se identificam com o “Santo dever de Deus” Católico: Lobos , estrangeiro , Indiano , gavots . Nesta mesma época, o novo código penal pune a organização de uma greve com uma pena de dois a cinco anos de prisão 8 . Isso não impede que os companheiros continuem a crescer mais fortes tanto como organização de proteção e reivindicação, apesar da luta fratricida entre as duas tendências. Os historiadores estimam em pelo menos 200 mil o número de companheiros na França na primeira metade do século XIX . Foi quando Agricol Perdiguier conhecido como “Avignonese da Virtude ” a populariza por suas obras e tenta unifica-las 8 .

O declínio

A segunda metade do século XIX assistiu ao declínio do companheirismo sob o efeito combinado da revolução industrial que implementa processos de fabricação menos dependentes de segredos e truques do ofício, da organização do treinamento alternado, o fracasso da unificação das guildas de companheiros e da ferrovia que perturba a prática milenar do Tour de France a pé. A partir de 1884, os sindicatos, agora permitidos, sobem rapidamente em poder no mundo do trabalho e transformam em paródia as práticas tradicionais do companheirismo, que parece condenado a desaparecer rapidamente 2 . Lucien Blanc, chamado de “o Provençal resoluto”, cria em 1889 a “União dos companheiros do dever unidos”, mas este movimento não chega a reunir todos os deveres e a reavivar a guilda de companheiros.

A Renovação

Mesmo assim o companheirismo sobrevive. Confrontado com a industrialização, suas práticas e valores ancestrais, se eles são ridicularizados pelos modernistas, atrai entre as duas guerras mundiais a atenção dos tradicionalistas. Durante a última guerra, o companheirismo se reorganiza e os companheiros, incluindo Jean Bernard, criam a “Associação Operária dos Companheiros do Dever.” Após a libertação, a União dos Companheiros retoma suas atividades e os dois ritos de carpinteiros, índios e Soubise se fundem antes de dar à luz a “Federação de Companheiros do Ofício de construção” 8 .

Ao final do século XX finalmente, o companheirismo continua a atrair jovens recrutas, conciliando tradição e modernidade e buscando a excelência. Ele se abre para uma dimensão europeia mais global. Vários museus, incluindo o de Tours 11 lhes são dedicados.

A formação de um companheiro

O título de Companheiro é atribuído ao trabalhador que, depois de completar seu tempo de aprendizagem e de se aperfeiçoar no Tour de France, e produziu um trabalho comumente chamado de obra-prima. Diz-se do trabalho de “recepção” (a recepção é uma cerimônia que dará ao candidato o título de companheiro).

Ele continuará seu treinamento junto a vários padrões e “país” ou “coteries” que ele conhecerá no Tour de France. Durante sua jornada, ele encontrará por todos os lados uma casa de companheiros onde se situam “Cayennes” e “Salas“. Esta casa é administrada por uma mulher: “Senhora Ecônoma”, “Senhora Anfitriã” ou “Mãe” dependendo do grau de iniciação recebido por esta última. Salas e Cayennes referem-se, de acordo com os Ofícios, ao lugar onde se reúnem os Companheiros de cada Oficio. Dentro das casas, encontra-se o “primeiro aspirante” que ajuda a mãe e os pais na ausência dela e o “Rolador companheiro itinerante que já foi responsável pela contratação e que agora assiste o Prévost, ou diretor, embora muitas vezes sirva como mestre de cerimônias.

Associações atuais de Companheirismo

Association ouvrière des compagnons du devoir Union compagnonnique

Fédération compagnonnique des métiers du Bâtiment

Société des compagnons selliers tapissiers maroquiniers cordonniers-bottiers du devoir du Tour de France – Famille du cuir

Association de Compagnons Passants Tailleurs De Pierre

Ère Nouvelle des Compagnons et Aspirants Égalitaires (compagnonnage mixte)

Os Ofícios dos Companheiros

Padeiro

Carpinteiro

Construtor de Carrocerias

Construtor em madeira

Sapateiro / fabricante de botas

Telhadista

Carpinteiro

Eletricista

Ferreiro

Jardineiro-paisagista

Pedreiro

Ferreiro

Maroquineiro

Mecânico de carros

Mecânico de precisão

Marceneiro

Confeiteiro

Pintor

Gessista / Estuquista

Encanador

Seleiro

Metalurgico

Chaveiro

Canteiro

Tapeceiro

Tapeceiro de móveis

Tapeceiro decorador

Toneleiro

A lista aumenta, ver aqui (http://www.compagnons-du-devoir.com/main.php?rub=24 ) para uma lista atualizada.

Notas e referências

  1. (Bruhat 1992, p. 220a)
  2. (Icher 1994, p. 4)
  3. Le compagnonnage (http://www.unesco.org/culture/ich/fr/RL/00441 ) no site da Unesco
  4. Dicionário online da Academis Francesa (http://atilf.atilf.fr/academie9.htm )
  5. Manifesto Universal do Movimento Emaús (http://www.emmaus.asso.fr/publications/manifeste.html )
  6. (Icher 1994, p. 7-13)
  7. (Icher 1994, p. 18)
  8. (Icher 1994, p. 29-37)
  9. Artigo detalhado aqui (http://nonnobisdominenonnobissednominituodagloriam.unblog.fr/2007/04/05/521 )
  10. (Bruhat 1992, p. 219a)
  11. Museu do Companheirismo de Tours (http://www.tourisme.fr/musee-compagnonnage/ )

Bibliografia

Agricol Perdiguier, Le Livre du Compagnonnage, 1839 (1re édition). Texte intégral – Le livre du compagnonage 3e édition (http://www.compagnonnage.org/m_documents/Envoi.cfm?proj=Compagnonnage&fname=MediaNTL165_Le_livre_du_Compagnonage_AP.PDF ) [pdf]

Étienne Martin-Saint-Léon, Le Compagnonnage, son histoire, ses coutumes, ses règlements et ses rites, 1901 (1e édition)

Émile Coornaert, Les Compagnonnages en France, du Moyen Âge à nos jours, Les Éditions ouvrières, 1966

Pierre Barret et Jean-Noël Gurgand, Ils voyageaient la France. Vie et traditions des Compagnons du tour de France au XIXe siècle, Livre de Poche – Hachette, 1980

Jean Bruhat, « Mouvement ouvrier », in Encyclopædia Universalis, 1992, ad vocem

François Icher, Le Compagnonnage, l’amour de la belle ouvrage, Gallimard, collection « Découvertes », 1994 (1e édition)

François Icher, La France des compagnons, Éditions La Martinière, 1994

Fragments d’histoire du Compagnonnage, conférences données au Musée du Compagnonnage à Tours, 9 volumes publiés depuis 1998

François Icher, Les Compagnonnages et la Société française au XXe siècle, histoire, mémoire, représentations, Éditions Grancher, 2000

François Icher, Dicionário pouco de companheirismo Edições Desclée de Brouwer, 2000 Nicolas Adell-Gombert, Men of Duty. Les compagnons du Tour de France (XVIIIe-XXe siècle), Éditions de la Maison des sciences de l’Homme, 2008 (Sommaire en ligne (http://terrain.revues.org/sommaire9553.html ) )

JEAN MARTIN “mémoire d’un compagnon tailleur de pierre” de Alexandre GRIGORIANTZ

Dominique Naert, “La légende du Compagnonnage” Edition de la Maison de l’Outil et de la Pensée Ouvrière 2008

Artigos relacionados

Compagnons du Devoir

Tour de France du compagnonnage Association ouvrière des compagnons du devoir

Association de Compagnons Passants Tailleurs De Pierre Compagnonnage (botanique)

Éducation alternative

Institut européen de formation des compagnons

Links externos

L’Association Ouvrière des Compagnons du Devoir (http://www.compagnons-du-devoir.com )

La Fédération Compagnonnique des métiers du Bâtiment (http://www.compagnons.org )

L’Union compagnonnique des Compagnons du Tour de France des Devoirs unis (http://www.lecompagnonnage.com /)

Société des Compagnons, Selliers, Tapissiers, Maroquiniers, Cordonniers-Bottiers du Devoir — Famille du Cuir — (http://www.societedescompagnons.fr )

L’Institut Européen de formation des Compagnons du Bâtiment (http://institutdescompagnons.org) Un chant des Compagnons (http://cabinet.auriol.free.fr/Sons/secretdudevoir.mp3 )

Association de Compagnons Passants Tailleurs De Pierre (http://www.compagnons-pierre.org )

La Nef de Salomon | Centre d’étude des compagnonnages (http://www.compagnonnage.info )

Ère Nouvelle des Compagnons et Aspirants Égalitaires (compagnonnage mixte) (http://www.compagnonnage-egalitaire.fr )

O origem deste documento é http://fr.wikipedia.org/wiki/Compagnonnage ».

Publicado on julho 13, 2011 at 10:59 am  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/companheiros-do-dever-a-compagnonnage-na-franca/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: