Como o poderoso mundo da inteligência está à beira da capacidade de fazer as pessoas desaparecer digitalmente

Tradução José Filardo

cameraCrédito da foto: Shutterstock.com / Africa Rising

 TomDispatch.com  / Por  Peter Van Buren

O “buraco da memória” distópico de George Orwell não é apenas material de romances de ficção científica.

E se Edward Snowden fosse “desaparecido”? Não, eu não estou sugerindo algum futuro sequestro da CIA ou uma teoria da conspiração quem matou Snowden de um desaparecimento, mas um tipo mais sinistro.

E se tudo o que um denunciante jamais expôs pudesse simplesmente ser “desaparecido”? E se cada documento da Agência de Segurança Nacional (NSA) revelado por Snowden, todas as entrevistas que ele deu, todos os vestígios documentados de um estado de segurança nacional saindo de controle pudesse desaparecer em tempo real? E se a própria publicação de tais revelações pudesse ser transformada em um esforço infrutífero sem registro?

Será que estou sugerindo o enredo para algum romance de George Orwell no século XXI? Dificilmente. À medida que nos aproximamos de um mundo totalmente digital, tais coisas em breve poderão ser possíveis, não na ficção científica, mas em nosso mundo – e bastando apertar um botão. Na verdade, os primeiros protótipos de um novo tipo de “desaparecimento” já estão sendo testados. Estamos mais perto de uma realidade chocante, distópica que já pode ter sido material de romances futuristas do que imaginamos. Bem-vindos ao buraco da memória.

Mesmo se algum futuro governo passasse por cima de uma das últimas linhas vermelhas restantes em nosso mundo, e simplesmente assassinasse denunciantes à medida que surgissem, outros sempre surgiriam. De volta a 1948, em seu romance assustador –  1984 – no entanto, Orwell sugeriu uma solução muito mais diabólica para o problema. Ele conjurou um dispositivo tecnológico para o mundo do Big Brother a que ele chamou “o buraco da memória“. Em seu futuro sombrio, exércitos de burocratas, trabalhando no que ele ironicamente apelidou Ministério da Verdade, passavam suas vidas apagando ou alterando documentos, jornais, livros, etc., a fim de criar uma versão aceitável da história. Quando uma pessoa caia em desgraça, o Ministério da Verdade enviava toda a documentação relativa a ele pelo buraco da memória. Cada história ou relatório em que a sua vida estava de alguma forma anotada ou registrada seria editada para erradicar todos os seus vestígios.

No mundo pré-digital de Orwell, o buraco da memória era um tubo a vácuo em que documentos antigos eram fisicamente “desaparecidos” para sempre. Alterações aos documentos existentes e o descarte de outros assegurava que mesmo a mudança repentina de inimigos e alianças globais nunca revelaria um problema para os guardiões do Big Brother. No mundo que ele imaginou, graças a esses exércitos de burocratas, o presente era o que sempre tinha sido – e havia aqueles documentos alterados para provar isso, e nada, a não ser memórias vacilante para dizer o contrário. Qualquer pessoa que expressasse dúvidas sobre a verdade do presente seria, sob a rubrica de “thoughtcrime“, marginalizada ou eliminada.

Censura Digital de Governo e Corporativa

Cada vez mais, a maioria de nós agora obtém notícias, livros, música, TV, filmes e comunicações de toda espécie eletronicamente. Hoje em dia, o Google ganha mais receitas de publicidade que toda a mídia americana impressa combinada. Mesmo a venerável Newsweek já não publica uma edição em papel. E nesse mundo digital, um certo tipo de “simplificação” está sendo explorado. Os Chineses, Iranianos e outros estão, por exemplo, já implementando estratégias de filtragem da Internet para bloquear o acesso a sites e material online que seus governos não aprovam. O governo dos EUA, da mesma forma (mesmo que um pouco inutilmente) bloqueia seus funcionários de visualizar material do Wikileaks e de Edward Snowden (bem como sites tais como TomDispatch  ) em seus computadores de trabalho – embora, naturalmente, não em casa. Ainda.

A Grã-Bretanha, no entanto, em breve dará um passo significativo em direção a decidir o que um cidadão comum pode ver na web, mesmo estando em casa. Antes do final do ano, quase todos os usuários de Internet terão “optado” por um sistema projetado para filtrar pornografia. Por padrão, os controles também bloquearão o acesso a “material violento”, “conteúdo extremista e relacionados com terrorismo”, “sites de anorexia e desordem alimentares” e “sites relacionados com suicídio”. Além disso, as novas configurações censurarão sites mencionando álcool ou fumo. O filtro também bloqueará “material esotérico,” apesar de um grupo de direitos humanos do Reino Unido dizer que o governo ainda tem que deixar claro o que aquela categoria incluirá.

E formas de censura da Internet patrocinadas pelo governo estão sendo privatizadas. Novos produtos comerciais em pacotes garantem que uma organização não precisa ser a NSA para bloquear conteúdo. Por exemplo, a empresa de segurança de Internet Blue Coat  é um líder nacional no campo, e um grande exportador de tal tecnologia. Ela pode facilmente configurar um sistema para monitorar e filtrar todo o uso da Internet, bloquear sites por seu endereço, por palavras-chave, ou até mesmo por conteúdo. Entre outras coisas, o software Blue Coat é usado pelo Exército dos EUA para controlar o que seus soldados veem enquanto destacados no exterior, e pelos governos repressivos da  Síria,  Arábia Saudita e Birmânia  para bloquear a entrada de ideias políticas.

O Google busca …

Em certo sentido, o Google Search já “desaparece” com material. Nesse exato momento, o Google é o mocinho em relação aos denunciantes. Uma rápida pesquisa no Google (0.22 segundos) revela mais de 48 milhões de resultados sobre Edward Snowden, a maioria deles fazendo referência aos documentos que ele vazou da NSA. Alguns dos sites apresentam os próprios documentos, ainda rotulado “Top Secret”. Menos de metade de um ano atrás, você tinha que ser parte de um grupo muito limitado no governo ou contratualmente ligado a ele para ver essas coisas. Agora, eles estão espalhados por toda a web.

O Google – e uma vez que o Google é o motor de busca número um do planeta, eu vou usá-lo aqui como um atalho para todos os motores de busca, mesmo aqueles ainda a ser inventados – é dessa forma incrível e parece ser uma máquina enorme para espalhar, não suprimir, notícias. Coloque qualquer coisa na web e o Google provavelmente o encontrará rapidamente e o adicionará a resultados de busca em todo o mundo, às vezes em questão de segundos. Como a maioria das pessoas raramente rola após os primeiros resultados de pesquisa apresentados, no entanto, ser “desaparecido” já tem um novo significado online. Não é mais suficiente apenas conseguir que o Google note você. Conseguir que ele coloque o que você posta alto o suficiente em sua página de resultados de pesquisa para ser notado é o que importa agora. Se o seu trabalho é o número 47.999.999 nos resultados de Snowden, é o mesmo que estar morto, o mesmo que estar desaparecido. Pense nisso como um ponto de partida para as formas mais significativas de desaparecimento que, sem dúvida, se encontram em nosso futuro.

Esconder algo de usuários através da reprogramação de motores de busca é um dos passo sombrios por vir. Outro é realmente apagar conteúdo, um processo tão simples quanto transformar o código de computador por trás do processo de pesquisa em algo predatório. E se o Google se recusa a implementar a transição para “pesquisas negativas”, a NSA, que já parece ser capaz de entrar dentro do Google, pode implantar a sua própria versão de código malicioso, como já fez em pelo menos 50.000 outros casos.

Mas não importa o futuro: é aqui que uma estratégia de busca negativa já está funcionando, mesmo que hoje o seu foco – em grande parte em pedófilos – seja bastante fácil de aceitar. O Google introduziu recentemente um software que torna mais difícil para os usuários localizar material de abuso infantil. Como colocou o chefe da empresa, Eric Schmidt, o Google Search foi “afinado” para limpar resultados para mais de 100.000 termos utilizados por pedófilos para procurar pornografia infantil. Agora, por exemplo, quando os usuários digitam consultas que podem estar relacionadas com o abuso sexual de crianças, eles não encontrarão resultados que levem a conteúdo ilegal. Em vez disso, o Google os redirecionará para sites de ajuda e de aconselhamento. “Em breve lançaremos essas mudanças em mais de 150 idiomas, de modo que o impacto será verdadeiramente global”, escreveu Schmidt.

Embora o Google esteja redirecionando as pesquisas por pornografia infantil aos sites de aconselhamento, a ANS desenvolveu uma habilidade semelhante. A agência já controla um conjunto de servidores de codinome Quantum que se localizam na espinha dorsal da Internet. Seu trabalho é redirecionar “alvos” para longe de seus destinos pretendidos, até sites escolhidos pela NSA. A ideia é: você digita o site que você deseja e acabar em algum lugar menos perturbador para a agência. Embora atualmente essa tecnologia possa ser destinada a envio pretensos jihadistas online até material islâmico mais moderado, no futuro, ela poderia, por exemplo, ser reaproveitada para redirecionar as pessoas que procuram notícias para um site sósia da Al-Jazeera com conteúdo alterado que se encaixaria na versão dos acontecimentos criada pelo governo.

… e Destrói

No entanto, tecnologias de bloqueio e redirecionamento, que devem se tornar mais sofisticadas, serão sem dúvida o que menos importa no futuro. O Google já está levando as coisas até o próximo nível a serviço de uma causa que todos aplaudirão. Eles estão implementando a tecnologia de detecção de imagem para identificar fotografias de abuso infantil sempre que elas aparecerem em seus sistemas, bem como estão testando tecnologia que removeria vídeos ilegais. As ações do Google contra a pornografia infantil pode ser, de fato, bem intencionada, mas a tecnologia que está sendo desenvolvida a serviço de tais ações anti-pornografia infantil devem nos arrepiar a espinha. Imagine se, lá atrás, em 1971, os Pentagon Papers, o primeiro vislumbre que a maioria dos americanos teve das mentiras por trás da Guerra do Vietnã tivessem sido apagáveis. Quem acredita que a Casa Branca de Nixon não teria feito desaparecer aqueles documentos e que a história não teria tomado um rumo diferente, muito mais sombrio?

Ou veja esse exemplo que já está entre nós. Em 2009, muitos proprietários do Kindle descobriram que a Amazon tinha acessado seus dispositivos durante a noite e apagado remotamente cópias das obras de Orwell, Animal Farm e 1984 (sem ironia). A empresa explicou que os livros, “publicados” por engano em suas máquinas, eram realmente cópias piratas dos romances. Da mesma forma, em 2012, a Amazon apagou os conteúdos do Kindle de um cliente sem aviso prévio, alegando sua conta estava “diretamente relacionada com outra que tinha sido anteriormente fechada por abuso de nossas políticas.” Utilizando a mesma tecnologia, a Amazon agora tem a capacidade de substituir livros no seu dispositivo por versões “atualizadas”, com o conteúdo alterado. Se você é notificado ou não, é a Amazon quem decide.

Além de seu Kindle, controle remoto de seus outros dispositivos já é uma realidade. Grande parte do software em seu computador se comunica em segundo plano com seus servidores domésticos, e assim estão abertos a “atualizações” que podem alterar conteúdo. A NSA usa software malware malicioso – software implantado remotamente em um computador – para mudar a maneira como a máquina funciona. O código Stuxnet que provavelmente danificou 1.000 centrífugas que os iranianos estavam usando para enriquecer urânio é um exemplo de como esse tipo de coisa pode funcionar.

Nesses dias, cada iPhone verifica com a sede para anunciar quais aplicativos você comprou; nas letrinhas miudas do contrato rotineiramente ignorado com um clique de mouse, a Apple reserva-se o direito de fazer desaparecer qualquer aplicativo por qualquer motivo. Em 2004, a TiVo processou a Dish Network por oferecer aos clientes caixas de gravador que a TiVo alegava infringir suas patentes de software. Embora o caso fosse resolvido em troca de um grande pagamento, como uma solução inicial, o juiz ordenou à Dish desativar eletronicamente os 192 mil dispositivos já instalados nas casas das pessoas. No futuro, haverá cada vez mais maneiras de invadir e controlar computadores, alterar ou fazer desaparecer o que você está lendo, e desviar você para sites que você não estava procurando.

As revelações de Snowden do que a NSA faz para coletar informações e controlar tecnologia que pipocaram por todo o planeta desde junho, são apenas uma parte da equação. Como o governo aperfeiçoará seus poderes de vigilância e controle, no futuro, é uma história ainda a ser contada. Imaginem combinar ferramentas para esconder, alterar ou excluir conteúdo com campanhas de difamação para desacreditar ou dissuadir denunciantes, e o poder potencialmente disponível tanto para governos quanto empresas se torna mais claro.

A capacidade de ir além de alterar conteúdo para alterar o modo como as pessoas agem também está, obviamente, nas agendas governamentais e corporativas. A NSA já reuniu dados de chantagem a partir de hábitos de assistir pornografia digital de muçulmanos “radicais”. A NSA procurou grampear um congressista sem um mandado. A capacidade de coletar informações sobre juízes federais, líderes do governo e candidatos à presidência faz os esquemas de chantagem de J. Edgar Hoover na década de 50 parecer tão pitorescos quando as meias soquete e saias poodle da época. As maravilhas da Internet nos atordoam regularmente. As possibilidades distópicas orwellianos da Internet não têm, até recentemente, chamado a nossa atenção da mesma forma. E elas deveriam.

Leia isso agora, antes que seja excluído

O futuro para os denunciantes é sombrio. Em um tempo não muito distante, quando quase tudo é digital, quando grande parte do tráfego de Internet do mundo flui diretamente através dos Estados Unidos ou de países aliados, ou por meio da infraestrutura das empresas americanas no exterior, quando os motores de busca podem encontrar praticamente qualquer coisa online em frações de segundo, quando o Patriot Act e decisões secretas do Foreign Intelligence Surveillance Court  fazem do Google e tecnologia semelhante ferramentas gigantes do estado de segurança nacional (presumindo-se que organizações como a NSA não assumam simplesmente o negócio de busca diretamente), e quando a tecnologia sofisticada puder bloquear, alterar ou excluir material digital apertando um botão, o buraco da memória não será mais ficção.

Revelações vazadas serão tão inúteis quanto velhos livros empoeirados em algum sótão se ninguém souber sobre eles. Vá em frente e publique o que quiser. A Primeira Emenda permite que você faça isso. Mas qual é o ponto se ninguém será capaz de lê-lo? Com muito mais vangagens, você pode ficar em uma esquina e gritar para quem passa. Em pelo menos um futuro suficientemente fácil de imaginar, um conjunto de revelações do tipo Snowden será bloqueada ou eliminada mais rápido do que qualquer um pode (re) publicá-las.

A tecnologia de busca em constante desenvolvimento deu um giro de 180 graus e será capaz de fazer desaparecer coisas de uma maneira importante. A Internet é um lugar vasto, mas não infinito. Ela é cada vez mais centralizada nas mãos de poucas empresas sob o controle de alguns governos, com os EUA sentados sobre as principais rotas de trânsito em toda a espinha dorsal da Internet.

Agora você deve sentir um calafrio. Estamos assistindo, em tempo real, como 1984 se transforma de uma fantasia futurista passada em um manual de instruções. Não haverá necessidade de matar um futuro Edward Snowden. Ele já estará morto.

Siga TomDispatch no Twitter e junte-se a nós em Facebook  ou Tumblr. Confira o mais novo Dispatch Book,  Eles eram soldados: Como os feridos retornam de Guerras da América – A História Não Contada  de Ann Jones.

Peter Van Buren alertou sobre desperdício e má gestão do Departamento de Estado, em seu livro Temos boas intenções: Como eu ajudei perder a batalha pelos corações e mentes do povo iraquiano  . Um frequentador regular do TomDispatch, ele escreve sobre acontecimentos atuais em seu blog, We Meant Well . O próximo livro de Van Buren, Ghosts of Tom Joad, A Story of the # 99 percent  será lançado em março de 2014.

 

Publicado em Alternet

 

Publicado on dezembro 10, 2013 at 4:59 pm  Comments (4)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/como-o-poderoso-mundo-da-inteligencia-esta-a-beira-da-capacidade-de-fazer-as-pessoas-desaparecer-digitalmente/trackback/

RSS feed for comments on this post.

4 ComentáriosDeixe um comentário

  1. […] Mas não se preocupe apenas com o futuro: uma estratégia de busca negativa já funciona, mesmo que seu objetivo atual, agir contra os pedófilos, seja fácil de aceitar. O Google introduziu recententemente um software que dificulta a busca de material relacionado a abuso infantil. Como disse o chefe da empresa, Eric Schmidt, o buscador foi programado para limpar mais de 100 mil palavras-chaves usadas por pedófilos para buscar pornografia infantil. Agora, por exemplo, quando os usuários fizerem pesquisas que possam estar relacionadas com abuso sexual, não encontrarão resultados que levem a conteúdo ilegal. Em seu lugar, o Google orienta para sites de ajuda e conselhos. Em breve presenciaremos essas mudanças em mais de 150 idiomas, de modo que o impacto seja verdadeiramente global, escreveu Schmidt. […]

  2. […] Mas não se preocupe apenas com o futuro: uma estratégia de busca negativa já funciona, mesmo que seu objetivo atual, agir contra os pedófilos, seja fácil de aceitar. O Google introduziu recententemente um software que dificulta a busca de material relacionado a abuso infantil. Como disse o chefe da empresa, Eric Schmidt, o buscador foi programado para limpar mais de 100 mil palavras-chaves usadas por pedófilos para buscar pornografia infantil. Agora, por exemplo, quando os usuários fizerem pesquisas que possam estar relacionadas com abuso sexual, não encontrarão resultados que levem a conteúdo ilegal. Em seu lugar, o Google orienta para sites de ajuda e conselhos. Em breve presenciaremos essas mudanças em mais de 150 idiomas, de modo que o impacto seja verdadeiramente global, escreveu Schmidt. […]

  3. […] Mas não se preocupe apenas com o futuro: uma estratégia de busca negativa já funciona, mesmo que seu objetivo atual, agir contra os pedófilos, seja fácil de aceitar. O Google introduziu recententemente um software que dificulta a busca de material relacionado a abuso infantil. Como disse o chefe da empresa, Eric Schmidt, o buscador foi programado para limpar mais de 100 mil palavras-chaves usadas por pedófilos para buscar pornografia infantil. Agora, por exemplo, quando os usuários fizerem pesquisas que possam estar relacionadas com abuso sexual, não encontrarão resultados que levem a conteúdo ilegal. Em seu lugar, o Google orienta para sites de ajuda e conselhos. Em breve presenciaremos essas mudanças em mais de 150 idiomas, de modo que o impacto seja verdadeiramente global, escreveu Schmidt. […]

  4. […] Como o poderoso mundo da inteligência está à beira da capacidade de fazer as pes… […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: