O mundo secreto da Maçonaria Feminina

Publicado na BBC, este curto documentário sobre a maçonaria mostra que até mesmo nossos irmãos e IRMÃS ingleses conseguem viver em paz e civilizadamente desde 1908.

Vejam no link abaixo

O mundo Secreto da Maçonaria Feminina

Anúncios
Published in: on novembro 9, 2017 at 8:51 am  Comments (2)  
Tags:

Os arquivos de vieram do frio

Tradução J. Filardo

 

porPierre Mollier

Aqueles não familiarizados com elas, muitas vezes pensam que as bibliotecas são lugares entediantes e empoeirados. Eles ignoram quanto a história de alguns livros ou manuscritos pode, às vezes, ser extraordinária. Assim, entre 1940 e 1945, os arquivos maçônicos franceses vão conhecer uma verdadeira epopeia. Uma epopeia que vai levar uma parte deles a atravessar a Europa no meio de bombas, e a desaparecer no turbilhão da história. Depois de serem considerado, por muito tempo, perdidos para sempre, meio século mais tarde, para a surpresa de arquivistas e historiadores, os redescobrimos conservados cuidadosamente em um edifício do antigo da KGB em Moscou. Depois de negociações arriscadas, eles finalmente voltariam para a França no início dos anos 2000. Hoje, depois de anos de investigação, conhece-se melhor a saga dos “Arquivos russos”.

Na véspera da II Guerra Mundial, tudo indica que os arquivos da Maçonaria desde o século XVIII estavam quase completos faltando apenas serem bem inventariados ou explorados. A derrota da França, que colocou o país sob o jugo nazista e permitiu aos seguidores de Maurras liquidar a República e tomar as rédeas do poder abre um período de perseguição à Maçonaria. Desde o Segundo Império e especialmente a partir dos anos 1880, a Maçonaria aparece aos olhos do público francês como “a igreja da República,” a ponta de lança da democracia e dos direitos humanos. Ela é considerada por todos os opositores do regime – esta extrema direita que assume o poder em Vichy – como o inimigo a ser derrotado. Da mesma forma, para Alfred Rosenberg e os teóricos do nacional-socialismo alemão, a Maçonaria é o poder oculto que dirige nos bastidores a vida política das democracias europeias.

 

leia mais em  Arquivos Russos

Published in: on novembro 8, 2017 at 12:21 pm  Deixe um comentário  
Tags:

O Brazil e a Invasão Clerical

Capturar

As Vidas Secretas de Leonardo da Vinci

 Tradução José Filardo

Por Claudia Roth Pierpont

A biografia de Walter Isaacson retrata um homem obcecado com o conhecimento e quase impossível de conhecer.

Ilustração de Tamara Shopsin; Gravura de Hulton Archive / Getty

Na Florença renascentista, várias caixas identificadas colocadas por toda a cidade permitiam que os cidadãos fizessem denúncias anônimas de vários crimes morais – em 1461, por exemplo, o monge artista, Filippo Lippi, foi acusado de ter um filho com uma freira. Mas o crime que o governo estava realmente tentando controlar era a sodomia, tão notoriamente prevalecente que a gíria alemã contemporânea para um homossexual era Florenzer. A natureza comum da infração não apagava a ameaça de graves consequências. Em 1476, Leonardo da Vinci, à beira de seu vigésimo quarto aniversário, foi nomeado como um dos quatro homens que haviam praticado “tal maldade” com o aprendiz de dezessete anos de um ourives local. Resta pouca dúvida de que Leonardo tenha sido preso. Embora qualquer tempo que ele tenha passado na prisão tenha sido breve, e o caso foi encerrado dois meses depois, por falta de testemunhas corroborantes, ele teve muito tempo para refletir sobre as possíveis penas legais: uma grande multa, humilhação pública, exílio, suplício na fogueira. É impossível saber se essa experiência afetou o hábito do artista, mais tarde citado como uma marca de seu caráter, de comprar pássaros engaiolados do mercado apenas para libertá-los. Mas parece estar relacionado com os desenhos que ele fez, nos anos seguintes, de duas invenções fantásticas: uma máquina que ele explicou significar “abrir uma prisão de dentro para fora” e outra para romper barras de janelas.

Leia mais em: As Vidas Secretas de Leonardo da Vinci

Published in: on outubro 13, 2017 at 12:57 pm  Deixe um comentário  
Tags: , ,

Gambito de Franklin: Como (Não) Tomar uma decisão como Benjamin Franklin

Tradução José Filardo

Por Charles Chu

 

Em 1772, quase 4 anos antes da Declaração de Independência dos Estados Unidos, Benjamin Franklin escreveu uma Carta a Joseph Priestley com conselhos sobre como tomar uma decisão difícil:

Gráfico Pró-Con de William Patton (1835-1889)

“Quando esses casos difíceis ocorrem, eles são difíceis principalmente porque, enquanto os examinamos, todos os motivos pró e contra não estão presentes na mente ao mesmo tempo; mas às vezes um conjunto se apresenta, e em outros momentos outro, o primeiro ficando fora da vista. Daí os vários propósitos ou inclinações que prevalecem alternadamente, e a incerteza que nos deixa perplexos.

Gráfico Prós-Contras de William Patton (1835-1889)

“Para superar isso, minha maneira é dividir uma folha de papel na metade por uma linha em duas colunas; escrevendo no topo de uma coluna Pró e na outra Contra. Então, durante uma análise de três ou quatro dias, coloco sob os diferentes cabeçalhos pistas resumidas dos diferentes motivos, que em diferentes momentos me ocorreram, a favor ou contra a medida. Quando eu assim as tenho completamente em uma única visão, eu me esforço para estimar seus respectivos pesos; e onde eu acho dois, um de cada lado, que pareçam iguais, eu os risco. Se eu julgar que duas razões contra correspondem a de três razões a favor, eu risco as cinco; e, assim, procedendo, encontro onde está o equilíbrio; e se depois de um dia ou dois de mais consideração, nada de novo que seja importante me ocorre em ambos os lados, eu chego a uma conclusão adequada”.

Essencialmente, Franklin recomenda que elaboremos um gráfico pré e contra: (1) anote os prós e os contras, (2) risque resultados opostos que se equilibram mutuamente e (3) escolha o lado que vencer.

A técnica tem sido tremendamente popular, com blogues notáveis ​​como A arte da masculinidade “melhorando” a técnica, adicionando pesos numéricos, probabilidades, etc.

Há apenas um problema aqui.

Não é assim que nós realmente tomamos decisões.

 

Gambito de Franklin

Em Obliquidade: Por que nossos objetivos são melhor alcançados indiretamente O economista e consultor John Kay nos conta sobre a década que passou em uma consultoria econômica, vendendo modelos matemáticos caros a grandes corporações.

O que Kay descobriu foi que, em muitos casos, os modelos não estavam sendo utilizados para tomar decisões:

“Um dia, fiz-me uma pergunta: se esses modelos eram úteis, por que não construímos modelos semelhantes para nossa própria tomada de decisão? A resposta, percebi, era que nossos clientes também não usaram realmente esses modelos para a tomada de decisão. Eles os usaram interna ou externamente para justificar decisões que eles já haviam tomado “.

Muitos de nós, especialmente aqueles com diplomas extravagantes, acreditamos que pensamos racionalmente e depois tomamos decisões. Mas o que muitas vezes fazemos é tomar uma decisão (de forma complexa, que não entendemos bem) e depois racionalizar.

Isto é o que Kay chama Gambito de Franklin,citando uma linha daAutobiografia de Franklin:

“… uma coisa tão conveniente é ser uma criatura razoável, uma vez que isso permite encontrar ou fazer uma razão para tudo o que se tem a fazer”.

Seres humanos abominam a incerteza e, em um mundo muito complexo e impossível para qualquer um de nós compreender plenamente, muitos de nós nos agarramos a explicações simples (ideologias) ou tentamos nos proteger com a falsa segurança de números em uma planilha.

Embora as recomendações de Franklin tenham sido tomadas fora do contexto (quem realmente acha que se pode ensinar a tomada de decisões com uma única postagem de blogue?), Kay argumenta que Franklin entendeu bem os limites de seu conselho:

“Franklin também sabia que a álgebra moral era geralmente uma racionalização para uma decisão tomada de forma mais oblíqua. … O relatório da entrevista, a proposta de empréstimo, a avaliação de impacto, a avaliação de risco geralmente são exemplos do Gambito de Franklin … Eles são escritos para racionalizar a decisão que já foi tomada “.

Na verdade, vemos um tom cautelar no último parágrafo da carta de Franklin, alertando contra a excessiva dependência de quantificação:

E embora o peso de motivos não possa ser tomado com a precisão de quantidades algébricas, ainda assim, quando cada um é considerado de forma separada e comparativa, e o todo está diante de mim, acho que posso julgar melhor e tenho menos chances de dar um passo precipitado; e, na verdade, encontrei grande vantagem nesse tipo de equação, no que pode ser chamado de álgebra moral ou prudencial “.

Qualquer um que tenha estado em um relacionamento romântico sabe o quão difícil é listar os prós e contras de qualquer decisão difícil.

Como podemos saber se ainda amaremos alguém quarenta anos no futuro, ou se nossa escolha de se casar ou não se casar era a correta? Qualquer caminho que escolhermos pode nos deixar profundamente arrependidos, e nunca saberemos se a alternativa era melhor.

Então, como nós realmente tomamos decisões? Devemos simplesmente escolher irracionalmente qualquer coisa que nossas emoções nos dizem e esperar pelo melhor?

 

Icaro

Se todos os modelos estiverem errados - se todas as tentativas de entender o mundo serão necessariamente insuficientes, alguns de nós podem fazer uma pausa e dizer: “Bem, então, para que tentar? Por que não rolar os dados, tomar decisões ao acaso e viver com o que vier?”

Este pensamento é infundado. Embora nunca possamos tomar uma decisão perfeita, isso não nos impede de tomar decisões melhores. Em vez de descartar o pensamento crítico e a racionalidade, o que devemos fazer é continuar a melhorar nossos métodos:

“Certamente, devemos fazer o nosso melhor em álgebra moral. Devemos aprender tanto quanto pudermos sobre a estrutura das relações entre objetivos, estados e ações, mesmo que não possamos descrever todas as opções possíveis. Nosso conhecimento do mundo pode ser limitado, mas devemos reunir todas as informações disponíveis e fazer estimativas dos fatores que não conhecemos. Devemos usar os computadores e recursos analíticos mais poderosos para lidar com a complexidade. Devemos definir nossos objetivos, nos concentrar neles e nos recompensarmos e aos outros pelo progresso em relação a eles “.

Mas não podemos melhorar nossos métodos sem primeiro admitir para nós mesmos que os que usamos agora são defeituosos. O ego é o inimigo.

Devemos reconhecer que muitas vezes estamos jogando o Gambito de Franklin, que os seres humanos são criaturas fracas que navegam a modernidade com máquinas evolutivas mal construídas e que muitas vezes somos propensos a um excesso de confiança - em outras palavras, o que precisamos é de humildade.

A Queda de Ícaro – Rubens

Lembro-me de Ícaro a quem, na mitologia grega, foi concedida uma poderosa ferramenta por seu pai - asas de penas e cera. Com essas asas, um Ícaro excessivamente confiante voou até muito perto do sol. As asas derreteram, e Ícaro caiu do céu até sua morte.

Num momento em que as fronteiras entre países e povos estão menos definidas do que nunca, meu grande medo é que todos voemos e caiamos juntos.

 

Publicado em: https://betterhumans.coach.me/franklins-gambit-how-to-not-make-a-decision-like-benjamin-franklin-21dcdf181f71

 

Published in: on outubro 4, 2017 at 3:57 pm  Comments (1)  
Tags: , ,

Mozart, Maçonaria e Viena

Por Vitor Manuel Adrião

PARAMENTOS MAÇÓNICOS DE MOZART

Na Rua Domgasse, n.º 5, encontra-se a casa em Viena de Mozart, a única que se conserva da dezena que possuiu nesta cidade austríaca. Esta casa (Mozarthaus) onde o compositor residiu com a sua família de 1784 a 1787, consta de seis salas, sendo na terceira que se podem ver objectos maçónicos comprovando a ligação profunda de Mozart à Maçonaria.

Vê-se exposta uma bonita faixa de fundo azul decorada com fios de ouro onde se bordou um triângulo com o Nome de Deus em hebraico, como seja, Yod – He – Vau – Heth = Jehovah, o Grande Arquitecto do Universo. Da faixa pende uma jóia constituída de um pelicano alimentando os seus sete filhotes. São as insígnias do Grau 18 de Cavaleiro do Pelicano ou Príncipe Rosacruz na Maçonaria Escocesa, sendo que o pelicano é a representação simbólica do sacrifício piedoso a favor do próximo em Humanidade, o que confere com a natureza mística deste Grau maçónico de característica essencialmente cristã, onde a mesma ave também aparece na simbologia eclesiástica como indicativa da Paixão de Cristo e da Eucaristia. É, em suma, o símbolo heráldico da piedade. Sob a faixa paramental aparece o avental maçónico do Grau Rosacruz de Mozart, obra bordada à mão com grande mestria onde se vê a Rosa no centro da Cruz, esta expressiva da personalidade e da matéria abrilhantada, iluminada pela flor da individualidade e do Espírito, conferindo a Paz corporal e espiritual que é o que representam os ramos de oliva em volta.

Continuar a ler em : Mozart, Maçonaria e Viena

Published in: on outubro 1, 2017 at 9:57 am  Comments (2)  
Tags: ,

Hyram, de Fernando Pessoa

João Marcos dos Santos Varella

“As Associações Secretas — Análise Serena e Minuciosa a um Projeto de Lei apresentado ao Parlamento” é um texto de Fernando Pessoa sobre a Maçonaria, publicado em 4/02/35. Esse texto tem recebido diversas divulgações recentes, quer através de livros, artigos ou também através da Internet [i]. Nesse artigo Fernando faz a defesa da liberdade de pensamento, de expressão e de livre reunião. Destaca a perseguição à Maçonaria na Alemanha nazista, na Itália e na Espanha sob as ditaduras fascistas e combate o projeto de lei que objetiva fazer o mesmo em Portugal

O nosso objetivo é trazer algumas informações sobre as interessantes circunstâncias em que esse artigo foi escrito, sobre suas posteriores edições, assim como as reações causadas.

Vamos ao contexto histórico [ii]

Os principais fatos que antecederam o artigo de 1935:

Continue a ler em: Hyram, de Fernando Pessoa

Published in: on setembro 25, 2017 at 10:24 am  Deixe um comentário  
Tags:

Maçonaria na Literatura: “O Homem que queria ser Rei”, de Rudyard Kipling

Por Edgard Costa Freitas Neto

Resumo

O presente trabalho busca demonstrar a influência da filosofia e do simbolismo maçônico presentes no conto “O homem que queria ser Rei”, de Rudyard Kipling, ressaltando as lições maçônicas que se podem extrair daquela obra.

Introdução

A literatura, arte milenar, oferece ao autor múltiplas oportunidades de se fazer entender e ao leitor, múltiplas vias de entendimento. São exemplos dessas obras “A Divina Comédia”, de Dante Alighieri, “O Livro de Jó”, de William Blake, “Paraíso Perdido” de John Milton e a presente obra, o conto “O Homem que queria ser Rei”, de Rudyard Kipling.

Lei mais em: O Homem que queria ser rei

Maçonaria na Literatura: O “Ulisses” de James Joyce

José Filardo, M .´. I .´.

james joyce

James Joyce ( * 2/2/82 + 13/01/41)

Em Maçonaria, o ritual é o esqueleto, a simbologia é a carne e a fraternidade é a alma. Tudo isso para desfrutar a liberdade e promover a igualdade.

Respiramos simbologia, e o maçom precisa desenvolver a capacidade de interpretar o que lê ou visualiza em termos do código que aprendemos em nosso dia-a-dia nas lojas.

Aprendemos, desde o momento de nossa iniciação, que tudo à nossa volta está envolto pelo véu do simbolismo, que tudo tem um significado, que tudo é passível de interpretação. Pouco a pouco, o pesado véu vai sendo afastado e adentramos um mundo totalmente diferente daquela rotina a que estamos habituados.

Naturalmente, novos véus, mais diáfanos se apresentam diante de nós em nossa senda, mas, aparelhados com o ferramental adequado, progredimos e refinamos nossa capacidade de interpretação.

Temos que a interpretação da simbologia deve ser uma segunda natureza do maçom. E considerando a presença dos símbolos em todas as manifestações culturais e em seus “produtos”, realizamos um exercício de análise literária com enfoque maçônico.

Leia mais em: O “Ulisses” de James Joyce

Published in: on agosto 24, 2017 at 9:57 am  Comments (1)  
Tags: ,

Maçonaria na Literatura: “O Cemitério de Praga”

Umberto Eco

“Um dos problemas que enfrentamos foi como caracterizar o general Pike, o grão-mestre da Maçonaria Universal que, de Charleston, dirigia o destino do mundo. Porém, não existe nada mais inédito do que aquilo que já foi publicado.

Assim que iniciamos a publicação de Le Diable, saiu o esperado volume do monsenhor Meurin, arcebispo de Port-Louis – onde diabos ficava isso? – La Franc-Maçonnerie Synagogue de Satan; e o doutor Bataille, que mastigava o inglês, havia encontrado durante suas viagens The Secret Societies, um livro publicado em Chicago em 1873, de autoria do general John Phelps, inimigo declarado das lojas maçônicas.

Leia mais em: Cemitério de Praga