Rumo à renda universal: Como lidar com o desaparecimento programado do trabalho?

Tradução José Filardo

por Jean-Moïse Braitberg

A prodigiosa revolução da inteligência artificial está transtornando nossa relação com o mundo, bem como o significado que damos às nossas vidas. O emprego, que alguns acreditam ser a chave do bem-estar, assim como da dignidade, está em vias de se tornar um dado obsoleto. Convém se preparar seriamente, visando principalmente a possibilidade de uma renda universal de existência desconectada da atividade. É hoje é o maior desafio que a humanidade está enfrentando, ao mesmo tempo em que isso coloca em causa para os maçons a importância simbólica do trabalho.

Estamos à procura de um colaborador para um trabalho que exige inteligência superior, capacidade de trabalho a toda prova e grande precisão eliminando qualquer risco de fracasso. Os humanos devem se abster“.

Este é o tipo de oferta de emprego que é de se esperar nos próximos anos.

Leia mais em: https://bibliot3ca.wordpress.com/rumo-a-renda-universal-como-lidar-com-o-desparecimento-programado-do-trabalho/

Published in: on março 9, 2017 at 2:46 pm  Comments (1)  
Tags: ,

O enigma da pedra cúbica pontiaguda

Tradução José Filardo

por Ronan Loaëc

Painel de loja

O maçom deve talhar a pedra para que ela ocupe um lugar na construção do templo fraternal da humanidade. Ele deve, metaforicamente, passar do estágio de pedra bruta ao de pedra cúbica…, mas onde ele pode colocar uma pedra cúbica com uma ponta neste edifício simbólico? E a que poderia servir o machado que muitas vezes vemos plantado sobre antigos painéis de loja?

A pedra cúbica pontiaguda chamou minha atenção desde a minha admissão à loja. Depois de ter feito o juramento como todos os aprendizes, fui convidado a realizar meu primeiro trabalho sobre a pedra bruta. Nas mãos um malhete e um cinzel … de madeira, e como pedra bruta, um pedaço de pedra duas vezes menor que a pedra talhada posicionada próximo: a dimensão operativa sofreu um golpe!

Leia mais em: https://bibliot3ca.wordpress.com/o-enigma-da-pedra-cubica-pontiaguda/

Published in: on março 3, 2017 at 10:54 am  Deixe um comentário  
Tags: , ,

À sombra dos mitos – Sinais de reconhecimento, segredo, fraternidade…

Tradução José Filardo

por François Cavaignac

A Maçonaria, cuja originalidade consiste em misturar ritual e reflexão, tradição e modernidade, simbolismo e solidariedade, não escapou do mito. Ela tem uma dúzia de histórias ou referências míticas que ela emprestou do fundo cultural judaico-cristão e que lhe permitiu desenvolver uma visão particular do mundo.

Em relação à mitologia clássica, ela selecionou seus temas preferidos: ela não destaca Édipo, Sísifo ou Eros, Zeus ou os Titãs, Orfeu e o submundo, belas deusas e ninfas imprevisíveis, heróis metamorfoseados, monstros fabulosos ou histórias de amor e incesto. Mas encontramos o crime (assassinato de Hiram), tantas vezes presente nas relações entre os deuses pagãos; encontramos a questão da transmissão do conhecimento (as duas colunas) colocada por Prometeu ou Hermes; encontramos a culpa do homem envolvendo a vingança de Deus (o Dilúvio e a Torre de Babel).

Basta dizer que a mitologia maçônica, apesar de dimensões restritas, não pertence menos à mitologia universal. Ela pode se articular em torno de três eixos: primeiro, a construção do Templo, imagem fantasista do templo de Salomão. Este edifício é tanto o próprio templo interior de cada maçom que deve dominar sua natureza, e o templo exterior representado pela Cidade ideal; em todos os casos, assume-se que permanece inacabado. Em segundo lugar, a lenda de Hiram, transposição de múltiplos arquétipos, retomada parcial do mito de Ísis e Osíris, símbolo da transcendência diante da finitude humana, realização de um destino e esperança de uma ressurreição. Finalmente, o mito de cavalaria que não só penetrou o ritual desde o grau de aprendiz (cerimônia de iniciação), mas também promove os valores tradicionais atribuídos a esta instituição: honra, coragem, lealdade, generosidade, altruísmo. Tal como o conjunto da sociedade, o fascínio cavalheiresco também permeia a Maçonaria.

Leia mais em : https://bibliot3ca.wordpress.com/a-sombra-dos-mitos-sinais-de-reconhecimento-segredo-fraternidade/

FELIZ ANO NOVO MAÇÔNICO 6017!

O calendário maçônico é a maneira particular utilizada pelos maçons para numerar os anos e designar os meses.

O ano um do calendário maçônico é o Ano da Verdadeira Luz Anno Lucis em Latim. Ele marca o início da Era da Verdadeira Luz (VL). Antes que o Anno Lucis aparecesse a partir do século XVIIIe nos documentos ingleses, os temos Anno Masonry e depois Anno Latomorum , Anno Lithotomoru ou Anno Laotomiae (Era dos Cortadores de Pedra)1. A datação do Ano da Verdadeira Luz seria baseada nos cálculos de James Ussher, prelado anglicano nascido em 1580 em Dublin. Ele tinha desenvolvido uma cronologia começando com a criação do mundo segundo o Genesis que ele estimava em 4000 A.C. baseandose no texto Massorético ao invés da Septuaginta 2.

O Pastor Anderson a defendeu em suas Constituições de 1723 para afirmar simbolicamente a universalidade da Maçonaria através da adoção de uma cronologia supostamente independente de particularidades religiosas, pelo menos no contexto britânico da época . A data escolhida para o início da Era maçônica é 4000 antes da Era Comum.

O ano maçônico tem a mesma duração do ano gregoriano, mas começa em 1o de Março como o ano Juliano ainda em vigor na época da redação das Constituições de Anderson. Ela tomou o milésimo do ano gregoriano em andamento e aumentou 4000, os meses são designados apenas por seus números ordinais.

  • Exemplos:
    • 29 de Fevereiro de 2004 era o 29o dia do 12o mês do ano 6004 da Verdadeira Luz

O ano maçônico tem duas festas: São João de Verão (João Batista, comemorado em 24 de junho) e São João de Inverno (João Evangelista, comemorado em 27 de Dezembro), coincidindo simbolicamente com os solstícios.

(Wikipedia)

Published in: on fevereiro 28, 2017 at 4:55 pm  Comments (3)  

Em busca de um Hiram de mil facetas

 Tradução José Filardo

por Francis Moray

Na nebulosa que muitas vezes pode ser a Maçonaria, principalmente a francesa, com sua profusão de potências, ritos, rituais e diante da dificuldade de lhe dar uma definição holística, há pelo menos um tema que, em primeiro lugar, parece aparecer como uma constante: a construção do templo de Salomão e o mito de Hiram. Mas as coisas são tão claras desse lado? A personagem icônica de Hiram e seu correspondente assassinato podem se posicionar como o componente intangível, homogêneo e irredutível da Maçonaria desde a sua origem?

Segundo os ritos, Hiram é uma “personagem ilustre e justamente reverenciada entre os maçons”, “pai, o modelo” da Maçonaria, o “mestre”, o “maçom por excelência”, até se tornar o ” homem perfeito “,” o arquétipo da perfectibilidade humana “. De fato, ele passa pelo mito absoluto da maçonaria, ou o seu mito fundador. Por isso, presumimos que ele deva estar bem presentes desde o nascimento da Maçonaria obediencial em 1717 e até mesmo, logicamente, muito antes, quando a maçonaria especulativa começa a amadurecer. De fato, Jules Boucher nos explica que teria sido Elias Ashmole – um dos primeiros maçons ingleses, iniciado em 1641 – quem teria introduzido este mito da morte de Hiram por volta de 1646.

Leia mais em: https://bibliot3ca.wordpress.com/em-busca-de-um-hiram-de-mil-facetas/

Published in: on fevereiro 28, 2017 at 3:02 pm  Deixe um comentário  
Tags: , , ,

O Olho da Providência [1] no simbolismo maçônico

Sérgio Koury Jerez

Diferentemente de alguns dos símbolos adotados na maçonaria, como o compasso, o esquadro e outros que notadamente são artefatos criados pelo homem e de uso corrente na maçonaria operativa, o Olho da Providência contido dentro de um triângulo é, em si mesmo, um símbolo de símbolos, que procura, de um modo peculiar, nos transmitir a ideia de onisciência do Grande Arquiteto do Universo.
Para entendê-lo – e nesse particular ele se comporta como os demais símbolos – é preciso que empreendamos uma longa viagem ao passado, embora saibamos que sua origem real estará sempre além, nos confins do tempo, da capacidade humana de documentar ideias.
Egípcios, acádios, assírios e babilônios
Começamos, como qualquer pesquisador que queira entender a simbologia adotada pelas sociedades ocidentais, a procurar as raízes do Olho da Providência nas civilizações antigas, em especial na egípcia e suas contemporâneas da Mesopotâmia. E, na nossa caminhada, vamos acabar por constatar que em todas as culturas originárias daquela região, como as dos assírios, babilônios e acádios, além dos próprios egípcios, reverenciava-se um deus que era representado por um anel alado.

Anel alado Assírio (foto tirada no Museu Britânico por Robin Edgar)

Leia mais em : https://bibliot3ca.wordpress.com/o-olho-da-providencia-no-simbolismo-maconico/

Published in: on fevereiro 25, 2017 at 11:18 am  Deixe um comentário  
Tags: , ,

O Rito Escocês Antigo e brasonado …

Tradução José Filardo

por Pierre Mollier

Brasão do grau de “Príncipe do Tabernáculo,” grau 24 do REAA, por Jean-Nicolas Bouilly, 1837 al. SC-GCREAA-GODF PM Foto P.M.

Da Idade Média até o século XIX, a heráldica – a “ciência das armas” – é um forte ramo da iconografia europeia. Além disso, ela não está alheia à questão do símbolo. Portanto, não é surpreendente encontrá-la muito presente na história da Maçonaria. No século XVIII, as lojas tomam as armas como emblemas distintivos e certos sistemas maçônicos, por exemplo, o Rito Escocês Retificado, dotam os titulares dos seus altos graus com brasões. No século XIX, o romantismo e seu gosto “trovador” suscitam a criação de uma heráldica maçônica neo-gótica das mais surpreendentes.

Leia mais: https://bibliot3ca.wordpress.com/o-rito-escoces-antigo-e-brasonado/

Reflexão necessária diante dos golpes e ataques que a democracia vem sofrendo nesses tempos difíceis.

Precisamos reinventar a democracia, ou simplesmente tomar a palavra ao pé da letra?

Tradução José Filardo

por Henri Pena-Ruiz

A democracia é, literalmente, a soberania do povo, isto é, seu poder sobre si mesmo, sua autodeterminação. A etimologia grega é esclarecedora: considerada como conjunto humano organizado em comunidade política, em cidade (polis em grego), o povo se chama demos. E a capacidade que o povo tem de se organizar autonomamente se chama Kratos, termo que designa de maneira geral o poder de fazer. A democracia, o poder de auto regulação do povo se combina com a ideia de soberania popular consagrada por Rousseau: as pessoas dão-se sua própria lei em vez de a impor como um comando por uma instância superior.

Desconforto na democracia

Hoje, é questionável se a democracia ainda existe. Certamente, os encantos abundam. E referências aos direitos formais e a eterna invocação do Estado de direito. Mas quais são ainda os poderes efetivos do povo, quando se combinam desvios pouco inocentes que invalidam na prática uma democracia incessantemente exaltada em teoria? A soberania efetiva do povo ainda é respeitada? As liberdades formalmente reconhecidas não são esvaziadas de sua substância, devido a relações de poder econômicas e sociais? Margaret Thatcher, lançado certa vez, sobre o neoliberalismo “Não há alternativa”, não invalida ela a ideia de escolha democrática? A deliberação coletiva ainda faz algum sentido quando especialistas não eleitos, raramente neutros sugerem e, finalmente, impõem orientações coletivas, dando-as como absolutamente necessárias? A construção europeia, que deveria unir as nações em nome da democracia, não a desrespeita ao retirar dos povos as principais áreas de sua soberania? Estas questões controversas se colocam, confirmadas por uma crescente dúvida sobre o caráter democrático de nossas sociedades. É preciso pensá-las à luz da história passada e presente.

Leia mais em https://bibliot3ca.wordpress.com/reflexao-necessaria-diante-dos-golpes-e-ataques-que-a-democracia-vem-sofrendo-nesses-tempos-dificeis/

Jesuítas Bretões na fonte da Maçonaria Francesa?

Tradução José Filardo
por Francis Moray

Um dos “quadros de missão” jesuítas usados no final do século XVII – Antes do advento da Maçonaria Moderna

Jesuíta! Maçom! Dois termos raramente associados – exceto pelos adeptos das fantasias de teoria da conspiração ou um Umberto Eco no Cemitério de Praga. Duas palavras raramente associadas, certamente, mas a quantidade de elementos que sugerem que seria preciso – e até provável – desenterrar a questão das ligações – reais ou imaginárias – entre a Maçonaria e Companhia de Jesus.

Com frequência, nos recantos mais obscuros da Maçonaria – obscuros porque menos explorados – não é incomum ver a sombra dos jesuítas. Jesuítas que, antes de serem rebatizados com esse nome, chamavam-se entre si de “companheiros” …

Certamente, a eventualidade de conexões reais entre jesuítas e maçons seria suficiente para irritar ambos os lados, que em parte esse site de busca quase deixa abandonada e esta história ainda está largamente por escrever. Deste ponto de vista, o estudo particular do eventual impacto que puderam ter os missionários da Companhia na Grã-Bretanha, nos séculos XVII e XVIII sobre a futura maçonaria em gestação, principalmente sobre a metodologia dos painéis de loja que não deixa de ressoar com nosso assunto.

Continuar a ler: https://bibliot3ca.wordpress.com/jesuitas-bretoes-na-fonte-da-maconaria-francesa/

Briga do Papa com Cavaleiros de Malta revela a Posição do Papa Francisco contra a Maçonaria

Tradução José Filardo
Por Jason HOROWITZ

Janeiro 28, 2017

Papa Francisco durante sua reunião em junho com o líder dos Cavaleiros de Malta, Matthew Festing.
Credito Gabriel Bouys / Agence France-Presse, via Associated Press

ROMA – Começou como uma briga por recursos humanos. Então veio uma disputa sobre preservativos, seguida por preocupações papais sobre Maçonaria. Agora tornou-se uma guerra total por procuração entre Papa Francisco e os tradicionalistas do Vaticano que se opõem a ele, tendo como campo de batalha um palácio renascentista ladeado pelas vitrines de Jimmy Choo e Hermès na Via dei Condotti, a rua mais exclusiva de Roma.

O palácio é a sede dos Cavaleiros de Malta, a ordem medieval católica romana. Durante meses, um conflito feio, ainda que silencioso sobre recursos humanos, se desenrolou por trás dos muros da ordem antes de derramar do outro lado do rio Tibre…

Leia mais em: https://bibliot3ca.wordpress.com/briga-do-papa-com-cavaleiros-de-malta-revela-a-posicao-do-papa-francisco-contra-a-maconaria/