Yakin e Boaz – Luzes na Árvore da Vida

Tradução J. Filardo

Por Solange Sudarskis

 

 

O texto conta que havia uma árvore de vida onde os nossos primeiros antepassados ​​se tornaram humanos. Tornando-se demasiado humanos e muito gananciosos, eles tiveram que deixar o que parecia ser um paraíso; e devia ser o final de março, quando eles foram expulsos. Guardas sem carne foram contratados para negar-lhes acesso; vamos chamá-los Gabriel e Rafael. Depois de uma investigação, descobrimos essas duas personagens, escondidas sob o nome de Yakin e Boaz [i] as duas colunas na entrada de um edifício, o Templo de Salomão, um outro tipo de paraíso, mais conhecido sob o nome de “pardes”, ou jardim. Ali, os sábios em misticismo consideraram por meio de elaborações espirituais que se poderia conceituar que havia ali uma outra árvore da vida, a árvore das Sephiroth.

Posando como uma constante fundamental, tanto em rituais quanto em lojas, embora muitas vezes tratados em papelão, Yakin e Boaz nos interrogam sobre a sua relação com essa metáfora de árvore. Justificadamente, temos o direito de buscar sua conivência especulativa, porque a famosa árvore da Cabala, a árvore das Sephiroth, se apresenta, de fato, também sob a forma de pilares de onde a comparação com nossas duas colunas, aliás nossos dois pilares, pode parecer evidente para muitos. Por contágio semântico que representa cada um desses dois lados?

Leia mais em: Yakin e Boaz – Luzes na Árvore da Vida

Anúncios

O que é a palavra perdida?

Tradução J. Filardo
Contribuição do Ir.’. J.M. Batalla

Por Solange Sudarskis

 

A expressão palavra perdida aparece nos rituais do Terceiro grau, onde também se fala da perda dos verdadeiros segredos do mestre maçom. No entanto, parece que as duas expressões são relativamente intercambiáveis; assim o documento Prichard de 1743 e a instrução do Terceiro grau no Rito Escocês escocês da Loja-Mãe Escocesa do Oriente de Avignon de 1774 o dizem:

P: Por que fizeram você viajar?
R: para encontrar o que foi perdido.

P: o que foi perdido?
R: a palavra do Mestre.

P: Como foi perdida a palavra?
R: pela morte de nosso respeitável mestre Hiram.

Um homem morre, recusando-se a entregar uma senha trivial para receber o salário, conhecida por todos os mestres, e um segredo que ele detinha, também desaparece. O segredo não é, portanto, a senha. Então, é um conhecimento que só ele possui? É uma parte de uma palavra a ser pronunciada com outras para torná-la completa e eficiente? A palavra de Hiram seria outra coisa diferente daquela de um só homem? O que pode ser esta palavra para o maçom de hoje? Não nos esqueçamos que a palavra Hiram traz, em si mesma, mistérios e entre suas muitas traduções do hebraico, ela também pode ser lida como HaReM que significa a coisa escondida.

 

Leia mais em A PALAVRA PERDIDA

Como doar seu corpo para a Ciência

O Homem Vitruviano de Leonardo

O ato da doação é considerado um gesto nobre. Há quem doe, por exemplo, roupas e alimentos para pessoas necessitadas ou brinquedos para crianças carentes. Mas você já considerou doar seu corpo para a Ciência? Não estamos nos referindo aqui a doações de órgãos, um gesto também reconhecidamente nobre e necessário para o bem de muitas pessoas que aguardam por um transplante. Doar o corpo é diferente. É manifestar, em vida, o seu desejo de contribuir para o avanço da ciência, de forma a beneficiar pesquisadores e alunos em seus estudos na área da saúde.

Embora a doação de corpos para pesquisa já ocorra no Brasil, com todos os procedimentos legais e necessários, a prática ainda é pouco expressiva quando comparada à de países como os Estados Unidos, onde quase todos os corpos usados para fins de estudos médicos em faculdades e universidades são provenientes da cultura de doação já estabelecida ao longo de décadas.

Os procedimentos para que a doação de corpo seja feita são mais simples do que se imagina, segundo a Dra. Mirna Duarte Barros, chefe do Departamento de Morfologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Aqueles que queiram manifestar sua vontade precisam elaborar um documento expressando o desejo de doar o seu corpo após a morte. “Com essa iniciativa, obtém-se o consentimento do doador para que seu corpo seja doado a uma instituição de ensino específica na área de saúde, indicada pela pessoa para fins de ensino e/ou pesquisa”, explica.

A doação, de acordo com a Dra. Mirna, pode ser feita por qualquer pessoa dentro das suas condições normais de saúde, que esteja apta a manifestar seu desejo e que tenha mais de 21 anos: “É necessário também assinar o documento e reconhecer firma”, acrescenta a Dra. Mirna. Além disso, recomenda-se que os familiares estejam cientes da decisão do doador. “Esses familiares precisam ter em mãos uma cópia desse documento. Após o falecimento, o velório pode ser realizado normalmente. O que muda é que ao invés de se dirigir para um cemitério ou crematório, o corpo vai para a instituição de ensino escolhida pelo doador”, conta a chefe do Departamento de Morfologia da FCMSCSP.

Apesar de ser um procedimento bastante simples, a professora esclarece que muitas vezes pela falta de conhecimento ou até por uma questão cultural, grande parte das universidades da área de saúde do Brasil ainda utiliza cadáveres sem identificação ou não reclamados para a realização de estudos, seguindo, claro, os procedimentos legais para esses casos.

A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo possui um processo já estabelecido para que as doações de corpos sejam realizadas. “Existe uma legislação, que é seguida pela Instituição, e temos um protocolo. Ao recebermos a documentação necessária do doador, o processo é levado para um cartório, onde o juiz dá ciência que o corpo daquele indivíduo está depositado aqui na FCMSCSP e para um determinado fim: de ensino e/ou pesquisa. Assim, tudo fica muito bem documentado e a responsabilidade de uso e guarda passa a ser da Instituição que responde legalmente”, complementa a Dra. Mirna Barros.

Para formalizar a doação, é necessário baixar os dois modelos de Declaração de Doação de Corpo a seguir:

• Modelo 1
• Modelo 2

Em caso de dúvidas, entre em contato com André Augusto pelo e-mail andre.augusto@fcmsantacasasp.edu.br ou pelo telefone (11) 3367-7818.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 88, em 17/5/2016. Assine nossa newsletter: www.fcmsantacasasp.edu.br.

Published in: on novembro 6, 2017 at 8:34 am  Comments (1)  
Tags: , ,

O Graal, busca cristã e templária, o Enigma a decifrar


Tradução José Filardo

 

Publicado 31 de outubro de 2017-porJean Poyard

 

Poucos símbolos tiveram tanto apelo sobre o homem quanto o Santo Graal que não cessou de solicitar as melhores mentes durante séculos. E ainda hoje ele interroga o homem do nosso tempo. Isso se explica na medida em que ele se refere a uma realidade espiritual que constitui o fundamento do universo e do homem e que pode ser rastreada em todas as tradições. Assim, o Graal é uma palavra conhecida de todos. Mas a palavra não é a coisa. Até onde ela é realmente conhecida?

 

O Graal, um tesouro a descobrir

Textos que nos falam do Graal e da espiritualidade templária existem em número considerável. No entanto, uma impressão estranha permanece, de que nem tudo foi dito sobre estas duas questões que constituem os dois lados de uma mesma moeda. É em torno desta palavra templária do Graal a ser decifrada que dedicamos um livro, não para esgotar o assunto, mas para nos aproximar de sua realidade secreta de uma perspectiva cristã e templária que relatamos neste artigo.

Pela própria natureza das coisas, as representações simbólicas em que se baseia o Graal são múltiplas e sempre significativas, quer se tratando de um cálice, de uma pedra preciosa de extrema pureza, ou ainda de um livro. As virtudes atribuídas ao Graal são frequentemente aquelas atribuídas à Pedra Filosofal. O Graal é alimento para o corpo e a alma, força de regeneração e de metamorfose através da palavra, enfim, experiência iluminadora. Descobri-la é uma façanha. Em todo caso, trata-se de um tesouro que se descobre em um local reservado, ao final de uma pesquisa exigente e que se diz perigosa, depois de um processo de auto-transformação. Entendamos como uma iniciação.

Leia mais em: https://bibliot3ca.wordpress.com/o-graal-busca-crista-e-templaria-o-enigma-a-decifrar/

Gambito de Franklin: Como (Não) Tomar uma decisão como Benjamin Franklin

Tradução José Filardo

Por Charles Chu

 

Em 1772, quase 4 anos antes da Declaração de Independência dos Estados Unidos, Benjamin Franklin escreveu uma Carta a Joseph Priestley com conselhos sobre como tomar uma decisão difícil:

Gráfico Pró-Con de William Patton (1835-1889)

“Quando esses casos difíceis ocorrem, eles são difíceis principalmente porque, enquanto os examinamos, todos os motivos pró e contra não estão presentes na mente ao mesmo tempo; mas às vezes um conjunto se apresenta, e em outros momentos outro, o primeiro ficando fora da vista. Daí os vários propósitos ou inclinações que prevalecem alternadamente, e a incerteza que nos deixa perplexos.

Gráfico Prós-Contras de William Patton (1835-1889)

“Para superar isso, minha maneira é dividir uma folha de papel na metade por uma linha em duas colunas; escrevendo no topo de uma coluna Pró e na outra Contra. Então, durante uma análise de três ou quatro dias, coloco sob os diferentes cabeçalhos pistas resumidas dos diferentes motivos, que em diferentes momentos me ocorreram, a favor ou contra a medida. Quando eu assim as tenho completamente em uma única visão, eu me esforço para estimar seus respectivos pesos; e onde eu acho dois, um de cada lado, que pareçam iguais, eu os risco. Se eu julgar que duas razões contra correspondem a de três razões a favor, eu risco as cinco; e, assim, procedendo, encontro onde está o equilíbrio; e se depois de um dia ou dois de mais consideração, nada de novo que seja importante me ocorre em ambos os lados, eu chego a uma conclusão adequada”.

Essencialmente, Franklin recomenda que elaboremos um gráfico pré e contra: (1) anote os prós e os contras, (2) risque resultados opostos que se equilibram mutuamente e (3) escolha o lado que vencer.

A técnica tem sido tremendamente popular, com blogues notáveis ​​como A arte da masculinidade “melhorando” a técnica, adicionando pesos numéricos, probabilidades, etc.

Há apenas um problema aqui.

Não é assim que nós realmente tomamos decisões.

 

Gambito de Franklin

Em Obliquidade: Por que nossos objetivos são melhor alcançados indiretamente O economista e consultor John Kay nos conta sobre a década que passou em uma consultoria econômica, vendendo modelos matemáticos caros a grandes corporações.

O que Kay descobriu foi que, em muitos casos, os modelos não estavam sendo utilizados para tomar decisões:

“Um dia, fiz-me uma pergunta: se esses modelos eram úteis, por que não construímos modelos semelhantes para nossa própria tomada de decisão? A resposta, percebi, era que nossos clientes também não usaram realmente esses modelos para a tomada de decisão. Eles os usaram interna ou externamente para justificar decisões que eles já haviam tomado “.

Muitos de nós, especialmente aqueles com diplomas extravagantes, acreditamos que pensamos racionalmente e depois tomamos decisões. Mas o que muitas vezes fazemos é tomar uma decisão (de forma complexa, que não entendemos bem) e depois racionalizar.

Isto é o que Kay chama Gambito de Franklin,citando uma linha daAutobiografia de Franklin:

“… uma coisa tão conveniente é ser uma criatura razoável, uma vez que isso permite encontrar ou fazer uma razão para tudo o que se tem a fazer”.

Seres humanos abominam a incerteza e, em um mundo muito complexo e impossível para qualquer um de nós compreender plenamente, muitos de nós nos agarramos a explicações simples (ideologias) ou tentamos nos proteger com a falsa segurança de números em uma planilha.

Embora as recomendações de Franklin tenham sido tomadas fora do contexto (quem realmente acha que se pode ensinar a tomada de decisões com uma única postagem de blogue?), Kay argumenta que Franklin entendeu bem os limites de seu conselho:

“Franklin também sabia que a álgebra moral era geralmente uma racionalização para uma decisão tomada de forma mais oblíqua. … O relatório da entrevista, a proposta de empréstimo, a avaliação de impacto, a avaliação de risco geralmente são exemplos do Gambito de Franklin … Eles são escritos para racionalizar a decisão que já foi tomada “.

Na verdade, vemos um tom cautelar no último parágrafo da carta de Franklin, alertando contra a excessiva dependência de quantificação:

E embora o peso de motivos não possa ser tomado com a precisão de quantidades algébricas, ainda assim, quando cada um é considerado de forma separada e comparativa, e o todo está diante de mim, acho que posso julgar melhor e tenho menos chances de dar um passo precipitado; e, na verdade, encontrei grande vantagem nesse tipo de equação, no que pode ser chamado de álgebra moral ou prudencial “.

Qualquer um que tenha estado em um relacionamento romântico sabe o quão difícil é listar os prós e contras de qualquer decisão difícil.

Como podemos saber se ainda amaremos alguém quarenta anos no futuro, ou se nossa escolha de se casar ou não se casar era a correta? Qualquer caminho que escolhermos pode nos deixar profundamente arrependidos, e nunca saberemos se a alternativa era melhor.

Então, como nós realmente tomamos decisões? Devemos simplesmente escolher irracionalmente qualquer coisa que nossas emoções nos dizem e esperar pelo melhor?

 

Icaro

Se todos os modelos estiverem errados - se todas as tentativas de entender o mundo serão necessariamente insuficientes, alguns de nós podem fazer uma pausa e dizer: “Bem, então, para que tentar? Por que não rolar os dados, tomar decisões ao acaso e viver com o que vier?”

Este pensamento é infundado. Embora nunca possamos tomar uma decisão perfeita, isso não nos impede de tomar decisões melhores. Em vez de descartar o pensamento crítico e a racionalidade, o que devemos fazer é continuar a melhorar nossos métodos:

“Certamente, devemos fazer o nosso melhor em álgebra moral. Devemos aprender tanto quanto pudermos sobre a estrutura das relações entre objetivos, estados e ações, mesmo que não possamos descrever todas as opções possíveis. Nosso conhecimento do mundo pode ser limitado, mas devemos reunir todas as informações disponíveis e fazer estimativas dos fatores que não conhecemos. Devemos usar os computadores e recursos analíticos mais poderosos para lidar com a complexidade. Devemos definir nossos objetivos, nos concentrar neles e nos recompensarmos e aos outros pelo progresso em relação a eles “.

Mas não podemos melhorar nossos métodos sem primeiro admitir para nós mesmos que os que usamos agora são defeituosos. O ego é o inimigo.

Devemos reconhecer que muitas vezes estamos jogando o Gambito de Franklin, que os seres humanos são criaturas fracas que navegam a modernidade com máquinas evolutivas mal construídas e que muitas vezes somos propensos a um excesso de confiança - em outras palavras, o que precisamos é de humildade.

A Queda de Ícaro – Rubens

Lembro-me de Ícaro a quem, na mitologia grega, foi concedida uma poderosa ferramenta por seu pai - asas de penas e cera. Com essas asas, um Ícaro excessivamente confiante voou até muito perto do sol. As asas derreteram, e Ícaro caiu do céu até sua morte.

Num momento em que as fronteiras entre países e povos estão menos definidas do que nunca, meu grande medo é que todos voemos e caiamos juntos.

 

Publicado em: https://betterhumans.coach.me/franklins-gambit-how-to-not-make-a-decision-like-benjamin-franklin-21dcdf181f71

 

Published in: on outubro 4, 2017 at 3:57 pm  Comments (1)  
Tags: , ,

Maçonaria na Literatura: O “Ulisses” de James Joyce

José Filardo, M .´. I .´.

james joyce

James Joyce ( * 2/2/82 + 13/01/41)

Em Maçonaria, o ritual é o esqueleto, a simbologia é a carne e a fraternidade é a alma. Tudo isso para desfrutar a liberdade e promover a igualdade.

Respiramos simbologia, e o maçom precisa desenvolver a capacidade de interpretar o que lê ou visualiza em termos do código que aprendemos em nosso dia-a-dia nas lojas.

Aprendemos, desde o momento de nossa iniciação, que tudo à nossa volta está envolto pelo véu do simbolismo, que tudo tem um significado, que tudo é passível de interpretação. Pouco a pouco, o pesado véu vai sendo afastado e adentramos um mundo totalmente diferente daquela rotina a que estamos habituados.

Naturalmente, novos véus, mais diáfanos se apresentam diante de nós em nossa senda, mas, aparelhados com o ferramental adequado, progredimos e refinamos nossa capacidade de interpretação.

Temos que a interpretação da simbologia deve ser uma segunda natureza do maçom. E considerando a presença dos símbolos em todas as manifestações culturais e em seus “produtos”, realizamos um exercício de análise literária com enfoque maçônico.

Leia mais em: O “Ulisses” de James Joyce

Published in: on agosto 24, 2017 at 9:57 am  Comments (1)  
Tags: ,

Maçonaria na Literatura: “O Cemitério de Praga”

Umberto Eco

“Um dos problemas que enfrentamos foi como caracterizar o general Pike, o grão-mestre da Maçonaria Universal que, de Charleston, dirigia o destino do mundo. Porém, não existe nada mais inédito do que aquilo que já foi publicado.

Assim que iniciamos a publicação de Le Diable, saiu o esperado volume do monsenhor Meurin, arcebispo de Port-Louis – onde diabos ficava isso? – La Franc-Maçonnerie Synagogue de Satan; e o doutor Bataille, que mastigava o inglês, havia encontrado durante suas viagens The Secret Societies, um livro publicado em Chicago em 1873, de autoria do general John Phelps, inimigo declarado das lojas maçônicas.

Leia mais em: Cemitério de Praga

Auto sinalização:  como nossas ações podem mudar quem somos

Tradução J. Filardo

por Charles Chu  (Ensaísta e japanófilo seminômade  https://www.patreon.com/charleschu )

O ladrão astuto (Wikimedia Commons)

 

A maioria de nós pensa que fazemos escolhas por causa de quem somos.

Mas poucos de nós entendemos que o contrário também é o caso - nós somos quem somos, em parte, devido às escolhas que fazemos.

Em Isso Explica Tudo, o psicólogo Timothy Wilson faz uma pergunta:

“As pessoas agem do jeito que elas fazem por causa de seus traços de personalidade e atitudes, certo?  Eles devolvem uma carteira perdida porque são honestos, reciclam seu lixo porque se preocupam com o meio ambiente e pagam R$ 15 por um café com caramelo brulée porque eles gostam de beber cafés caros”.

Isso parece sensato, mas o que “parece” certo ou faz sentido não é necessariamente a verdade. Somos criaturas sociais, e muitas vezes o contexto (e não a personalidade) pode desempenhar um papel importante nas nossas decisões.

“Muitas vezes, nosso comportamento é moldado por pressões sutis à nossa volta, mas não conseguimos reconhecer essas pressões.  Assim, acreditamos erroneamente que nosso comportamento emanava de alguma disposição interior. … inúmeros estudos mostraram que as pessoas são altamente suscetíveis à influência social, mas raramente reconhecem toda a extensão dessa suscetibilidade, devendo assim atribuir sua conformidade aos seus verdadeiros desejos “.

Agora, é aqui que as coisas ficam interessantes.

Não é só que o ambiente afeta nossas ações. Nossas ações, por sua vez, também afetam como nos vemos.

“Talvez não sejamos particularmente confiáveis e, em vez disso, devolvemos a carteira para impressionar as pessoas que nos rodeiam. Mas, ao não perceber isso, inferimos que somos limpos e honestos. Talvez nós reciclemos porque a cidade facilitou isso (dando-nos uma lixeira e recolhendo todas as terças-feiras) e nosso cônjuge e vizinhos desaprovariam se não o fizéssemos. …É evidente que o comportamento emana de nossas disposições internas, mas … o contrário também é válido. Se devolvemos uma carteira perdida, há um tique ascendente em nosso medidor de honestidade. Depois de arrastar a lixeira de reciclagem para a calçada, nós inferimos que nos preocupamos realmente com o meio ambiente. E depois de comprar o café, assumimos que somos apreciadores de café”.

Isso é uma coisa poderosa.

Uma grande parte do bem-estar é como nós nos percebemos e o mundo que nos rodeia. Se minhas ações mudam a forma como eu me vejo então, bem, como eu ajo pode ter tremendo efeito sobre a minha qualidade de vida.

As ações podem literalmente mudar quem somos.

Auto sinalização

Em seu livro A verdade honesta sobre a desonestidade, o autor e psicólogo australiano Dan Ariely apresenta o que os cientistas sociais chamam de “auto sinalização”:

A ideia básica por trás da auto sinalização é que, apesar do que tendemos a pensar, não temos uma noção muito clara de quem somos.  Nós geralmente acreditamos que temos uma visão privilegiada de nossas próprias preferências e caráter, mas, na realidade, não nos conhecemos tão bem (e definitivamente não tão bem como pensamos que conhecemos). Em vez disso, nos observamos da mesma forma que observamos e julgamos as ações de outras pessoasinferindo quem somos e o que gostamos de nossas ações.

Embora a introspecção seja uma ferramenta poderosa, parece que a maioria de nós não é tão bom nisso.

O livro contém todo tipo de experiências fascinantes, mas uma série em particular se destacou para mim.  As pessoas a quem se pediu que usassem uma bolsa Prada falsificada foram então convidadas a fazer um teste. As pessoas que usavam bolsas falsificadas (em média) na verdade trapaceavam mais:

“… uma vez que, conscientemente, usamos um produto falsificado, as restrições morais se afrouxam até certo ponto, tornando mais fácil para nós dar mais passos no caminho da desonestidade”.

Então, essa sensação de que somos desonestos, realmente nos leva a fazer coisas mais desonestas no futuro.

Mas ainda há mais. Tome passos suficientes na direção errada, e (como todos nós já fizemos antes), encolhemos os ombros e dizemos: “Ah, foda-se”. Simplesmente paramos de nos preocupar.

Ariely chama isso de efeito foda-se:

“… para muitas pessoas houve uma transição muito acentuada onde, em algum momento do experimento, eles gradualmente evoluíram de um pouco de trapaça para trapacear em todas as oportunidades que eles tivessem. … quando se trata de trapacear, nós nos comportamos praticamente da mesma forma que fazemos nas dietas. Uma vez que começamos a violar nossos próprios padrões (digamos, com trapaças em dietas ou por incentivos monetários), ficamos muito mais propensos a abandonar novas tentativas de controlar nosso comportamentoe, a partir desse ponto, há uma boa chance de sucumbir à tentação de se comportar ainda pior”.

Eu senti isso muitas vezes. Na academia, se eu trapacear uma vez em repetições (“Bem, eu perdi a conta em três, mas senti como se eu fizesse oito, então digamos que eram oito …”), é mais fácil ser preguiçoso no dia seguinte também. Em breve, começo a pular exercícios inteiros. E, logo em seguida, eu simplesmente deixo de ir à academia.

Há aqui um círculo vicioso - quando trapaceamos, nos vemos como trapaceiros. E, depois de trapacear o suficiente, existe o risco de desistir de nossas regras e padrões. Uma única trapaça na refeição pode afetar hoje, amanhã, a próxima semana e até mesmo como quem você se vê para o resto de sua vida.

Agora, a boa notícia. Funciona na outra direção.

Uma única ação desonesta pode nos tornar mais desonesto, mas uma única ação positiva também pode nos tornar melhores.

Nós sabemos que apenas fingir um sorriso nos faz sentir melhor. E fazer uma melhor escolha hoje - seja se nós escolhemos comer uma refeição saudável, telefonar para um amigo apenas para dizer olá, ou doar dinheiro para uma causa em que acreditamos - afeta o nosso amanhã tanto no que nós fazemos quando na maneira como nos vemos.

Às vezes, fingir é a forma de fazê-lo.

 

 

Https://medium.com/the-polymath-project/self-signaling-how-our-actions-can-change-who-we-are-d7ab9ef6bc45

A Natureza da Maçonaria

esq comp

José A. Filardo M.´. I.´.

Em nossa série de artigos e pesquisas publicadas na Revista, procuramos esclarecer as influências e antecedentes da formação da Instituição que conhecemos hoje como Maçonaria.

Primeiro, em https://bibliot3ca.wordpress.com/a-verdadeira-primeira-grande-loja/ procuramos mostrar o que era a Maçonaria Operativa na Europa, como o principal elemento que informa nossa estrutura e simbologia.

Depois, mostramos o que eram as Guildas inglesashttps://bibliot3ca.wordpress.com/607-2/ também chamadas Companhias de Libré.

Depois, particularizamos uma das guildas – A guilda dos Stonemasonshttps://bibliot3ca.wordpress.com/o-dna-da-maconaria-a-companhia-dos-macons/ vez que tudo indica ter sido nela que nossos fundadores se basearam para estruturar a nova instituição.

Em nossas pesquisas, entretanto, topamos com uma informação crucial sobre o ambiente político da época que pode ter determinado a constituição da primeira grande loja e sua difusão a partir dai – O Riot Act de 1715. https://bibliot3ca.wordpress.com/dna-da-maconaria-por-que/

LEI MAIS EM:

Clique nos links abaixo:

A Natureza da Maçonaria

Rito Escocês nos Estados Unidos

pelo irmão S. BRENT MORRIS 33° G.C.

Tradução José Filardo

OS ALTOS GRAUS NOS ESTADOS UNIDOS: 1730–1830

A Maçonaria nos Estados Unidos da América teve uma história inicial fora do comum. Importada da Europa – Inglaterra, Escócia, Irlanda, França e Alemanha – tornou-se rapidamente uma das mais importantes organizações coloniais. “Na geração da revolução [americana], a capacidade da Maçonaria de encarnar as diferentes demandas culturais do período deu-lhe um enorme poder.” (1) Ela tornou-se uma organização exclusiva durante a revolução e, em seguida começou a expandir sua base de filiação entre a classe média. É irônico que a Maçonaria Simbólica fosse atacada por sua perceptível influência de elite à medida que começou a aumentar os seus quadros.

Em 1826, em Nova York, William Morgan publicou uma exposição pública de rituais maçônicos. (2) Mais tarde, ele foi raptado por maçons em Canandaigua, Nova Iorque, e em seguida desapareceu. Acreditava-se amplamente que ele tinha sido assassinado como parte de uma conspiração maçônica. O clamor público levou à criação do primeiro “terceiro partido” mais importante na política americana, o Partido Antimaçônico. Em 1830, a Maçonaria estava morta ou adormecida na maior parte dos Estados Unidos. Como Pompéia após o Vesúvio, quase tudo relacionado com maçonaria foi destruído pela erupção da antimaçonaria. Só em 1840 que a fraternidade começou a se recuperar daquele golpe quase fatal.

Assim, podemos perfeitamente enquadrar a época inicial da Maçonaria norte-americana entre dois eventos: a abertura da primeira loja, cerca de 1730 e a quase destruição da Maçonaria cerca de 1830. A Maçonaria cresceu e se desenvolveu nos Estados Unidos durante este período, principalmente através da importação de ritos e graus. As inovações que ocorreram foram refinamentos, não fabricação de graus no atacado. Os maçons americanos pareciam bem conscientes de que sua fraternidade era uma criação europeia e olhavam para aquele continente como a fonte e a origem de tudo o que era “regular” em Maçonaria. Há pouca evidência de criatividade ritual americana naquela época.

Ler mais: O Rito Escocês nos Estados Unidos