Alain Bernheim – Uma Certa Idéia de Maçonaria

UMA CERTA IDÉIA DA MAÇONARIA

Alain Bernheim 33°

Traduzido por José Antonio de Souza Filardo  M .´. I .´.

Um conhecimento incomparável das fontes obscuras da maçonaria faz do trabalho de Alain Bernheim uma referência indispensável para os historiadores. Ele faz suas as palavras de Pierre Chevalier: “O papel do historiador não é nem de condenar uns nem de absolver os outros. O historiador, ao contrário de uma opinião corrente, não tem que julgar, mas explicar e fazer compreender».

A MAÇONARIA, A INGLATERRA E OS MITOS

A excelente publicação da Grande Loja Regular da Bélgica, Acta Macionica, publicou em 1998 um artigo intitulado ‘O Convento do Grande Oriente de França de 1877’ cujo tema deu ao seu autor a oportunidade de expor sob a forma de axiomas, as idéias fixas que lhe são caras: A maçonaria inglesa, a fonte e referência de base de todas as lojas maçônicas do mundo, […].

A maçonaria é importada da Inglaterra entre 1730 e 1760 em quase todos os países da Europa (onde) as modificações e a reformulação dos textos contribuem para a introdução de alterações essenciais

Na Inglaterra, na mesma época, constatam-se as alterações estruturais e administrativas, assim com uma lenta evolução dos rituais sem modificar o essencial. [1]

1. O MITO DA « MAÇONARIA INGLESA »

Na Inglaterra do século XVIII, não existia uma única maçonaria, “a” maçonaria inglesa evocada neste artigo, mas Grandes Lojas rivais.

1. A Grande loja de 1717, a dos “Modernos” que não pode ser considerada como “a fonte” de todas as lojas maçônicas do mundo, porque ela não teve parte na criação das Grandes Lojas da Escócia e da Irlanda, e na criação de suas respectivas lojas.[2]

2. Aquela que apareceu em Londres em meados do século, cujos membros se intitulavam genialmente Antigos Maçons [3] cujo ritual e recrutamento social era muito diferente da anterior.

3. A Grande Loja de York, a Grande Loja ao Sul do Rio Trent e algumas outras de existência efêmera que não merecem menção aqui.

RELAÇÕES ENTRE AS GRANDES LOJAS INGLESAS E AS DA IRLANDA E ESCÓCIA

Para as Grandes Lojas da Irlanda e da Escócia, durante a segunda metade do século XVIII, a Grande Loja da Inglaterra e não a Grande Loja de 1717, que eles não reconheciam e com a qual eles não tinha relações: [4] […] graças a esta iniciativa [de Dermott] no ano de 1758, a Grande Loja da Irlanda reconheceu a Grande Loja dos Antigos como o único e exclusivo Grande Corpo na Inglaterra, com quem ela manteria comunicação fraternal. […] Uma vez que pelo menos em 1757, a Grande Loja da Irlanda tinha estado em estreita comunicação fraternal com a Grande Loja dos Antigos, e nenhum maçom Moderno podia ingressar em uma loja Irlandesa sem repetir o compromisso e ser instruído nos trabalhos Antigos. Mas, quando a Grande Loja dos Modernos reverteu a estes trabalhos de sua própria iniciativa, o caso pareceu ter-se alterado e em 3 de Maio de 1810, a Grande Loja da Irlanda nomeou um Comitê para considerar a possibilidade de admitir maçons ingleses Modernos em Lojas Irlandesas. [5]

[Grande Loja da Escócia. Grande Eleição. 30 de Novembro de 1772] Foi informado aos irmãos, que a Grande Loja da Inglaterra, de acordo com a constituição antiga tinha, em 2 de Setembro passado, exarado uma resolução e ordem relativa a uma constante correspondência entre ela e a Grande Loja da Escócia […] Ordenado, “que o Grande Secretário deverá transmitir à Grande Loja da Inglaterra, os nomes dos oficiais da Grande Loja da Escócia, eleitos neste dia: […]” [6]

Até o ano de 1804 a lista publicada da primeira Grande Loja cessou de citar ou de alegar reconhecimento fraternal por qualquer Grande Loja de língua inglesa no país e no estrangeiro. […] Muito provavelmente, a Grande Loja da Irlanda não reconheceu oficialmente, em 1772, ou a qualquer tempo, a reivindicação de Grande Loja da Inglaterra pela Grande Loja dos Modernos .[7]

RELACIONAMENTOS DAS GRANDES LOJAS INGLESAS ENTRE SI

A Grande Loja de 1717 proibia aos seus membros todo contato com a Grande Loja dos Antigos, segundo o Grande Secretário James Heseltine [8], “esta gente lá, não é reconhecida como maçons”:

O que causa a interrupção de todo o relacionamento entre as Grandes Lojas da Inglaterra e da Escócia, estou igualmente perdido para determinar com precisão. Mas, estou inclinado a pensar que ela foi ocasionada pelo patrocínio dado pela Grande Loja da Escócia (depois que o Conde de Morton, então Lord Aberdour, tinha deixado o ofício de Grão Mestre aqui [9]) a uma pretensa Grande Loja estabelecida na Inglaterra sob o título de Maçons Antigos; que a Grande Loja real aqui sempre recusou o patrocínio e nunca admitiu em suas Lojas como maçons; e que as leis da Grande Loja excluíram de toda a questão de relacionamento conosco. – A Grande Loja da Escócia recebia os Maçons deste pretenso Estabelecimento e o mantinha correspondência com eles; o que criou um resfriamento entre nós e a Escócia, que finalmente quebrou todas as conexões entre eles. […]

Por volta do ano de 1745, ou 1746, este Estabelecimento foi formado pela primeira vez. – Um certo Turner, Sargento rebaixado dos Guardas foi seu primeiro Grão-Mestre; e todo o resto de seus Oficiais (com cujos nomes não incomodarei vocês) eram pessoas de igual nível e formação, e continuaram em seus cargos por alguns anos. – Eles eram vistos de maneira tão desprezível, que a Grande Loja nunca tomou conhecimento deles – até o ano de 1755 […]

Nesta época, um regulamento foi publicado na Grande Loja, proibindo todo o relacionamento com estas pessoas [sic]; que tem sido regularmente observado em nossa Sociedade desde então – e não admitimos ou os reconhecemos como Maçons, ou qualquer um deles pode entrar para nosso grupo sem ser re-iniciado. [10]

A LOJA DE PROMULGAÇÃO E OS LANDMARKS [11] EM 1809

A Grande Loja de 1717 não era reconhecida por suas duas irmãs da Escócia e da Irlanda [12] porque ela tinha modificado os landmarks dos rituais tradicionais.

Os Antigos afirmavam:

As Inovações que ultimamente se insinuaram na Maçonaria neste Reino… como elas tendem a afetar a integridade do sistema, é dever da Irmandade retirar o apoio. Confiamos que o tempo não esteja longe quando, sensíveis às inconveniências e também à falha do Desvio, eles retornarão aos Landmarks da Ordem.[13]

A Grande Loja dos “Modernos” reconheceu em 12 de Abril de 1809 que “esta Grande loja concorda com a opinião do Comitê de Caridade que não é mais necessário continuar com estas Medidas a que se recorreu em ou cerca do ano de 1739 com relação a Maçons irregulares, e portanto ordena às diversas Lojas que retorne aos Antigos Landmarks da Sociedade”.[14]

E constitui seis meses mais tarde uma nova loja, The Special Lodge of Promulgation, cuja patente especificava o objetivo que consistia na aplicação de resolução precedente, a dar conhecimento e tornar executivos os antigos landmarks aos quais lhe convinha retornar:

Com a finalidade de Promulgar os Antigos Landmarks da Sociedade e instruir a Ordem em todos tais assuntos e formas que possam ser necessário que eles conheçam, em Conseqüência e Obediências à referida Resolução [aquela de 12 de abril de 1809, citada acima] e Ordem.[15]

A ata da Loja de Promulgação, que se reuniu de 21 de Novembro de 1809 até 5 de Março de 1811 foram parcialmente conservadas (aquelas de seis reuniões realizadas no curso do primeiro semestre de 1810 não existem mais, ou jamais foram redigidas) mas não foram objeto a não ser de publicações parciais [16] graças a Gould, Sadler, Chetwode Crawley e Hextall.

A ata de 19 de outubro de 1810, citada sem comentários por Gould e Sadler [17], constatava que a cerimônia de instalação de um Mestre de loja era um dos dois landmarks do ofício e que ela devia ser praticada: Resolveu que parece a esta Loja que a cerimônia de Instalação de Mestres de Lojas é um dos dois landmarks da Ordem que devem ser observados.

Porem, quando Hextal se dedica em 1910 a um estudo do conjunto destas atas, ele exprimiu sua convicção de que ele podia existir somente dois landmarks e, concluiu que a palavra “dois” era necessariamente um erro de cópia.[18]

Em seus comentários, Hughan escreveu que seria curioso saber o que Chetwode Crawley pensaria da hipótese de Hextall.[19] Com um imenso bom-senso, o irlandês responderia cinco anos mais tarde que em função dos fatos conhecidos com total notoriedade, o texto não deixava subsistir o menor equívoco. Dois landmarks, não mais, estavam envolvidos:

Nosso W. M. [Hextall] sustentou a hipótese [de um erro burocrático] com grande habilidade e engenhosidade, mas a explicação parece supérflua, em vista dos fatos conhecidos. […] A linguagem é inequívoca. Somente dois Landmarks estavam em questão. O primeiro […] reconhecendo e corrigindo as “Variações” nos graus de AM e CM preparatórios.[20]

Da ata de 28 de dezembro de 1810, Hextall fornece o seguinte extrato:

O VM, então, fez uma retrospectiva dos procedimentos da loja nos três graus… e prosseguiu, destacando as partes materiais em e entre os diferentes graus aos quais a atenção [deles] deveria ser dirigida, na preservação dos Antigos Landmarks da Ordem, tais como a forma da Loja, o número e situação dos Oficiais, suas diferentes distinções nos diferentes Graus, a restauração das senhas de cada Grau e a constituição de senhas entre um grau e outro, ao invés de no interior do Grau. [21]

Ninguém parece ter observado que sua transcrição diferia em um ponto essencial do mesmo fragmento publicado por Sadler:

O VM fez uma retrospectiva dos procedimentos da Loja de Promulgação … O VM, portanto, prosseguiu destacando as partes materiais e entre os diferentes Graus para os quais se pedia a atenção dos Mestres de Lojas para preservar os Antigos Landmarks da Ordem – tais como a forma da Loja, o número e situação dos Oficiais – suas diferentes distinções nos diferentes Graus, a restauração das palavras adequadas [!] para cada Grau, e a criação de senhas entre um Grau e outro, ao invés de no interior do Grau. [22]

Depois de longas negociações cuja abertura tinha sido possibilitada pela resolução de 12 de Abril de 1809, a Grande Loja Unida da Inglaterra foi criada em 1813 – os Antigos e os “Modernos” ratificaram separadamente os Artigos da União em 1º de Dezembro, a Grande Loja Unida se formaria em 27, e o ajuste de seu novo ritual foi terminado em 1816 [23]

A INSPEÇÃO DOS GRÃOS-MESTRES DA ESCÓCIA E IRLANDA

Neste meio tempo, em 27 de Junho e 2 de Julho de 1814, uma Conferência tinha reunido em Londres os mais altos dignitários das três grandes lojas Britânicas. Seus participantes elaboram um documento intitulado Pacto Internacional between the Grand Lodges of England, Ireland, and Scotland. Concluído em Julho de 1814, raramente mencionado e, até onde sei, jamais integralmente citado pelos historiadores ingleses.[24] Gould não o menciona nem em seu History of Freemasonry (1882-1887), nem em seu Concise History (1910).[25]

O texto foi encontrado na ata da Grande Loja da Irlanda em 1897 por Chetwode Crawley que o publicaria naquele mesmo ano em The Freemason, e o republicaria integralmente em 1915 no volume 28 do Ars Quatuor Coronatorum, acompanhado de comentários saborosos, dos quais vai aqui uma amostra:

O Ato de União […] é notável ao conceder todos os pontos pelos quais a Grande Loja dos Antigos tinha lutado. Foi através de uma rendição inequívoca da parte dos Modernos que a relação fraternal entre eles e as outras Grandes Lojas do Reino Unido foi restabelecida após uma interrupção de muitos anos. […] As Grandes Lojas aliadas que se alinharam em causa comum com os Antigos, não baixou sua guarda até que eles todos tivessem sido confirmados, através de inspeção efetiva, quanto à completitude da rendição. Os detalhes desta inspeção efetiva são comemorados no Pacto Internacional .[26]

O Pacto começava assim:

Sua Graça, o Duque de Leinster, Lord Kinnaird, o Barão de Donoughmore e o Barão de Rosslyn, [27] tendo sido nomeados pelas Grandes Lojas da Irlanda e Escócia à Grande Loja da Inglaterra, para acertar os pontos de comunhão, relação e confraternização entre as três Grandes Lojas do Reino Unido, para confirmar a identidade da Obrigação, Descrição e Prática, e para formar tais Regulamentos para a manutenção, segurança e promoção da Ordem, como deve lhes parecer aconselhável, […]

Durante um exame maçônico estrito sobre assuntos que não podem nem escritos nem descritos, ficou determinado que as Três Grandes Lojas estavam perfeitamente em uníssono em todos os grandes e essenciais pontos do Mistério e do Ofício, de acordo com as tradições imemoriais e uso ininterrupto de Maçons Antigos, e elas reconheceram esta unidade de maneira fraternal.

Após o que, elas chegaram unanimemente à seguinte Resolução:— […]

2nd. Que uma relação, correspondência e comunhão fraternal constantes seja mantida para sempre com base nos princípios que foram reconhecidos em 1772 entre as três grandes Lojas da Inglaterra, Irlanda e Escócia. […] A referência ao ano de 1772 e à Grande Loja dos Antigos, denominada aqui Grande Loja da Inglaterra vão além de comentários.

GOULD E SADLER

Setenta anos mais tarde, no capítulo XIX de sua History of Freemasonry, Gould afirmava ao contrário que a Grande Loja dos Antigos tinha sido criada pelos maçons ‘cismáticos’, que se tinham separado da Grande Loja da Inglaterra, a qual era para ele aquela de 1717.

O último volume da História da Maçonaria acabara de ser publicado quando Henry Sadler demonstraria em 1887 em Masonic Facts and Fictions que a Grande Loja dos Antigos tinha sido fundada por maçons irlandeses independentes e provaria suas afirmações citando o Registro de Morgan e as primeiras atas da Grande Loja dos Antigos.[28] Gould se recusaria mudar de opinião [29], a publicação do livro de Sadler não foi mencionada no Ars Quatuor Coronatorum [30] e o historiador da maçonaria inglesa que mereceria mais o qualificativo de autêntico esperaria dezesseis anos antes de ser convidado a se tornar membro da loja Quatuor Coronati.

HISTORIADORES INGLESES REVISIONISTAS

Se ninguém sonha hoje retornar à demonstração de Sadler, alguns membros ingleses da loja Quatuor Coronati recentemente tentaram recolocar em discussão as implicações da declaração de 12 de Abril de 1809: a responsabilidade incumbirá aos Antigos, que teriam vindo a convencer a Grande Loja de 1717 que ela havia cometido um erro, e que este não era o caso.[31] Diante da unanimidade dos textos ingleses, irlandeses e escoceses citados acima, a enormidade da proposta salta aos olhos.

Esta linha dos historiadores revisionistas tem em comum com Gould identificar os princípios da Grande Loja de 1717 com os da Grande Loja Unida de 1813. O corolário implícito deste sofisma: impossível ver que a Grande Loja de 1717 não podia jamais ter mal-interpretado os landmarks porque a regularidade da Grande Loja Unida não seria colocada em dúvida. Daí a necessidade de imaginar diversas interpretações, também pouco plausíveis, tanto umas quanto as outras, para a admissão feita com todas as letras em 1809. [32]

2. OS MITOS DA “LENTA EVOLUÇÃO DOS RITUAIS” INGLESES E DA “INTRODUÇÃO DE ALTERAÇÕES ESSENCIAIS”

AS DIVULGAÇÕES FRANCESAS

Knoop, Jones e Hamer tinham renunciado a estabelecer uma classificação das primeiras divulgações em língua inglesa.[33] Harry Carr fez o mesmo para seus equivalentes franceses [34] devido a diversos elementos que ele ignorou ou dos quais não tomou consciência: [35]

A edição de 1742 do Secret des Francs-Maçons do Abade Pérau nunca existiu.

Entre as divulgações francesas, algumas reproduzem rituais autênticos e outras se destinam a induzir os profanos.

Por falta de coordenação entre os diferentes colaboradores, aos quais Carr recorreu, as traduções inglesas reunidas em The Early French Exposures (1971) não permitem reconhecer a paternidade existente entre as divulgações francesas autênticas, pois as mesmas palavras e as mesmas frases encontradas nestas divulgações não foram traduzidas em inglês de maneira idêntica.[36]

AS DIVULGAÇÕES INGLESAS

Segundo Harry Carr, nenhuma divulgação descreve o ritual inglês praticado entre 1730 e 1760. Embora ele se recuse a admitir que Le Maçon Démasqué, cuja página de título indica Em Londres, no Owen Temple Bar, 1751 O preço é um Shilling, pudesse refletir um ritual inglês, porque ele escreve, as cerimônias que este caderno descreve são incompatíveis com aquilo que se conhece das práticas rituais das lojas inglesas da época.

Ora, se se postula a ausência de qualquer elemento de informação sobre os rituais ingleses entre 1731 e 1760, deve-se logicamente evitar todo comentário a seu respeito durante este mesmo período:

A abordagem de Harry Carr ao desenvolvimento do ritual da Ordem na Inglaterra entre 1730 e 1760 influenciou seu julgamento das exposições francesas e seu raciocínio é difícil de seguir.

Em suas próprias palavras, « Durante os próximos 30 anos [após a primeira edição de Masonry Dissected de Prichard]… nada de importante neste campo foi publicado na Inglaterra; durante todo aquele período, não existe evidência inglesa a ser encontrado de desenvolvimento de ritual que possa ter ocorrido lado-a-lado com o crescimento das lojas. » (Early French Exposures, p. XI).

Entretanto, em seus comentários sobre o Démasqué (Londres, 1751), Harry Carr escreve: “…a descrição das cerimônias, os títulos de alguns dos Oficiais… e muitos outros detalhes dos procedimentos descritos por Wolson… não podem ser reconciliados com o que é conhecido das práticas de Loja Inglesa naquele período

Por estes motivos, parece provável que o trabalho [o Démasqué] representava a Maçonaria Francesa e não a Inglesa…” (Early French Exposures, p. 419; itálicos adicionados pelo presente autor).[37]

Além disso, a análise de que os historiadores Ingleses, principalmente Harry Carr, dão da segunda onda de divulgações Inglesas mostrou-se totalmente insuficiente, porque, ao não oferecer respostas às questões colocadas pelas diferenças mais importantes entre o texto de Three Distinct Knocks (1760) e aquele das revelações que se seguiram, ele leva a um impasse.

Comparando Jaquim e Boaz (1762) a Three Distinct Knocks (1760) em seu “Commentary” para reimpressões em fac-símile de ambas exposições (Masonic Book Club, 1981), […] a terceira pergunta de Harry Carr, “Por que ele [o compilador de J & B] usa a seção de narrativa de abertura contendo práticas que eram estranhas ao processo inglês? “(P. 181) é respondida assim: ” a motivação do compilador, para citar procedimentos desconhecidos na prática inglesa não são facilmente explicados “(p. 185) e, em seguida, Harry Carr enumera em mais de duas páginas (pp. 186-7) “aqueles detalhes e procedimentos que eram desconhecidos na prática inglesa” (o grifo é do escritor atual nas três últimas citações). [38]

Se Three Distinct Knocks (1760) reproduziu o ritual irlandês dialogado utilizado pelos antigos, ao contrário, os compiladores de divulgações posteriores (Jachin e Boaz em 1762, Shibboleth em 1765) reuniram duas fontes distintas justapostas, sem preocupação com a coerência interna , os diálogos irlandeses e elementos de narrativa encontrados descritos na divulgação publicado em Paris por Hérault em Dezembro de 1737.

O enigma constituído pelos elementos descritos por Carr como “a seção de narrativa de abertura contendo práticas que eram estranhas ao procedimento inglês” é esclarecida se assumirmos que elas representam o ritual de Inglês dos “Modernos” no estágio de desenvolvimento a que chegou à Inglaterra por volta de 1762.

AS “ALTERAÇÕES ESSENCIAIS”

Se se pretende evocar “alterações essenciais” [39], este conceito parece mais adequadamente aplicado ao ritual introduzido na Inglaterra na década de 1750 pelos irlandeses (que tivesse sido praticado pela Grande Loja dos Antigos e, em seguida, em sua maioria adotado pela Grande Loja Unida de 1813, não altera em nada esta conclusão). Ou às conclusões do relatório da comissão da qual Gould era membro, adotadas em Março de 1878 pela Grande Loja Unida da Inglaterra, onde o principal e mais importante landmark é formulado como sendo a crença no Grande Arquiteto do Universo:

Que a Grande Loja, embora sempre ansiosa em receber no mais fraternal espírito os Irmãos de qualquer Grande Loja Estrangeira cujos procedimentos são conduzidos de acordo com os Antigos Landmarks da ordem, dos quais a crença no GADU.

O. T. V. [sic] é o primeiro e mais importante, não pode reconhecer como ‘verdadeiros e genuínos’ quaisquer irmãos que tenham sido iniciados em Lojas que ou neguem ou ignorem aquela crença.[40]

Pois, à luz da ata da Loja da Promulgação, não poderíamos mencionar com todo o direito aqui, “a introdução de alterações essenciais” senão em espírito, pelo menos ao pé da letra?

3. A MAÇONARIA FRANCESA

A história da Maçonaria francesa, seus catecismos e rituais indicam uma dupla paternidade: a dos primeiros fundadores britânicos Darwentwater, McLean e O’Heguerty e os da Grande Loja dos “Modernos” importados em 1734 a Paris por Richmond e Desaguliers e, em seguida, dois anos depois, por Coustos. [41] O autor do artigo não leva em conta e também comete vários erros em relação à França.

A Constituição em uso na Inglaterra não é conhecida nem importada. Aquelas promulgadas em França são modeladas sobre a realidade social da época. [42]

E as Regras e Deveres aprovados em Paris, pelo Grão-Mestre McLean, em 27 de Dezembro de 1735? E o texto muito próximo acompanhado de um Poder fornecido pelo Grão-Mestre Darwentwater ao Barão Carl Fredrik Scheffer, em 25 de Novembro de 1737? E a História da Maçonaria publicada por La Tierce em 1742 e 1745? E as Normas Gerais para o uso de lojas da França, votadas pela Grande Loja em 11 de dezembro de 1743? Basta colocar esses documentos, tendo em conta os Encargos e os Regulamentos Gerais ingleses de 1723 e 1738 para constatar que os textos franceses são a tradução quase sem modificações.

Relativamente à evolução destes textos na França no século 19, não vou discutir se é necessário qualificar como alteração essencial para evitar ter de produzir, por uma questão de justiça, a comparação das Constituição de inglesas 1815 com as de Anderson.

Ao estabelecer o cargo de deputado junto ao Grande Oriente, em 1773, foi decidido que os Deputados de Lojas Provinciais deviam ser maçons residentes em Paris. [43]

Tal disposição não é encontrada nos Estatutos da Ordem real da Maçonaria na França, votados na Grande Loge Nationale, em 26 de Junho de 1773.[44]

O artigo 31 da Constituição de 1854 foi copiado incorretamente. O texto indica que o Grão-Mestre é “o poder executivo, administrativo e dirigente.” E não, é claro, “o poder legislativo, administrativo e dirigente.” [45]

Mais grave, este que segue:

Como, em sã consciência o Pastor Frédéric Desmons poderia exclamar: “Exigimos a supressão desta fórmula (a referência ao Grande Arquiteto do Universo), pois ela nos parece totalmente desnecessária e não-relacionada com os objetivos da Maçonaria” [46]

O uso de parênteses sugere que as palavras que contêm pertencem ao texto citado. Mas, veremos, trata-se de um comentário do autor do artigo. As palavras que o compõem correspondem à intenção de Desmons? Reportemo-nos aos três parágrafos anteriores à citação: [47]

Exigimos a supressão do segundo parágrafo do artigo I da nossa Constituição, porque parece contraditório com o parágrafo seguinte da mesma seção.

Chamamos a isso exclusão, porque esta fórmula nos parece muitas vezes criar embaraço para muitos veneráveis e também lojas que, em determinadas circunstâncias, são obrigadas, quer para fugir à lei, ou para violá-la. – No entanto, não deve a Maçonaria sempre dar o exemplo da observação e respeito à lei? Exigimos a supressão desta fórmula, por ser embaraçosa para os veneráveis e as lojas; ela não é, pelo menos para muitos profanos que, animados por um sincero desejo de fazer parte da nossa grande e bela instituição que a tenham retratado, com toda razão, como uma instituição grande e progressiva, de repente se vejam tolhidos por esta barreira dogmática que suas consciências não lhes permitem superar.

Exigimos a supressão desta fórmula porque ela nos parece totalmente desnecessária e completamente inútil e estranha à finalidade da Maçonaria. Sem sombra de dúvida, a leitura do texto de Desmons demonstra que “esta fórmula” duas palavras repetidas três vezes, significa “o segundo parágrafo do artigo I da nossa Constituição” onde se lê: Ela tem por princípio a existência de Deus, a imortalidade da alma e da solidariedade humana.

Não só as palavras “a referência ao Grande Arquiteto do Universo”, acrescentadas entre parênteses não se encontram lá onde o autor do artigo as interpolou, mas o Grande Arquiteto do Universo não é mencionado uma única vez no relatório de Desmons.

Este erro, que eu me recuso a imaginar deliberado, remonta há muito tempo atrás, conforme ilustrado pelas palavras pronunciadas em 6 de março de 1878 em Londres por Lorde Carnarvon:

A Grande Loja lamenta profundamente constatar as providências do Grande Oriente de França para eliminar de sua Constituição os [sic] parágrafos que afirmam a crença no [sic] Grande Arquiteto do Universo […] [48]

Não nos cansamos de repetir: em 1877, o Grande Oriente de França alterou o texto do artigo I da Constituição que tinha sido adotada em 1865. Ele então não apagou nem suprimiu qualquer referência que seja ao Grande Arquiteto do Universo. Essa decisão será tomada só dez anos depois, em 1887.

CONCLUSÃO

O artigo não parece prestar um bom serviço àqueles que amam a história, e que a estudam em uma tentativa de compreender o passado e não para julgá-lo, para aqueles que confiam na Ars Macionica para orientar esta pesquisa . Aos jovens irmãos que lêem nossa revista para se instruir. Ela traça da história da Maçonaria Inglesa um panorama idílico tão impreciso e deformado de maneira simetricamente oposta ao da Maçonaria na França.[49] Nesse sentido, está próxima de uma tentativa de desinformação.

Ela também não ajuda a construir o templo, que é a razão de ser da Ordem Maçônica, atacada desde mais de dois séculos sob o pretexto de ser religiosa demais pelos ateus, secular demais pelos crentes, progressiva demais pelos reacionários, conservadora demais pelos revolucionários.

Para seus detratores ou inimigos, a Ordem é una, homogênea, em geral, rejeitada em bloco. Assim, a Igreja de Roma recentemente se recusou mais uma vez a levar em considerar as distinções entre regulares e irregulares, reconhecidas e não reconhecidas, como alguns maçons lhe solicitavam. [50] São talvez estes maçons, os piores inimigos da Ordem Os cortesãos Anglófilos dos quais os exclusivos fazem eco aos erros das Grandes Lojas britânicas do passado e tornam odiosa a Ordem na qual eles foram admitidos.

“Essas pessoas não são reconhecidos como maçons”, escreveu o Grande Secretário Heseltine sobre os Antigos. “A diferença fundamental e essencial entre a Maçonaria inglesa e a Maçonaria continental é que os últimos ignoram o que é ser um maçom”, pode-se ler no artigo de Ars Macionica [51]. As palavras que não merecem mais que o silêncio do esquecimento.

NOTAS:

[1]        Michael Brodsky, Acta Macionica 8: 328, para as três citações.

[2]        O que tem sido freqüentemente citado no Ars Quatuor Coronatorum. Por exemplo: “Nem toda a Maçonaria regular é a prole da Inglaterra, a nossa Grande Loja não é mais a “Grande Loja Mãe do Mundo” do que são as da Irlanda ou da Escócia. Mesmo que ela tenha sido a primeira, ela não criou as outras duas”, Christopher Haffner, AQC 96 (1983): 138.

[3]        Para a grafia Ancient ou Antient, consulte Ivor Grantham, AQC 64 (1953): 76-78.

[4]        Para evitar mal-entendidos e contestações que possam resultar de traduções, as citações são reproduzidas a partir de seu texto original em Inglês.

[5]        Lepper and Crossle, 1925. History of the Grand Lodge of Free and Accepted Masons of Ireland, I: 231 et 416. No entanto, nenhuma decisão foi adotada antes que a união fosse realizada em Londres, como mostrado na proposta aprovada pela Grande Loja da Irlanda, em Abril 1, 1813: “Que eles não se sentem que seja possível fazer qualquer ordem para a admissão de Maçons Modernos em Lojas Antigas até que uma decisão final seja tomada entre as Grandes Lojas da Inglaterra sob o Duque de Atholl & Prince Regal que são informados, está atualmente suspensa- confirmado. “(Ibid.: 418).

[6]        Alexander Lawrie, 1804. The History of Free Masonry, retirada de fontes autênticas de informação; com um relato da Grande Loja de Escócia, desde a sua Instituição em 1736 até o presente momento, compilada a partir dos registros, e um Apêndice dos Trabalhos Originais: 207-208. Ver também David Murray Lyon, 1900. History of the Lodge of Edinburgh (Mary’s Chapel), No. 1: 471.

[7]        Chetwode Crawley AQC 28 (1915): 144 e 153.

[8]        Heseltine James (1745-1804), nomeado Grande Secretário dos “Modernos” aos vinte e quatro anos em 5 de Maio de 1769, foi o sucessor de Thomas French que tinha ido à falência. William Preston foi o assistente de French e continuou como de Heseltine por um salário de £ 20 por ano. Em 1887, Sadler reproduziu o texto de uma carta, onde ele destaca os erros, escrita por Heseltine em 8 de agosto de 1769, três meses depois de tomar posse (Masonic Facts and Fictions: 178-184). Ela contém uma primeira versão fantasiosa da aparição dos Antigos, anteriores àquela que Preston viria a publicar no Calendário dos Maçons de 1776.

[9]        Lord Aberdour tinha sido Grão-Mestre da Grande Loja da Escócia de 1º de Dezembro de 1755 a 30 de Novembro de 1757 e Grão-Mestre da Grande Loja dos “Modernos”, de 18 de Maio de 1757 a 3 de Maio de 1762.

[10]      Carta de James Heseltine ao Venerável da Loja St Luke Edinburgh, 2 de Setembro de 1780 (Robert Strathern Lindsay 1935. História da Lodge Maçônica de Holyrood House (St Luke’s) n º 44: 197-198. Itálicos por Lindsay).

[11]      Sobre estas meta-regras ou landkmarks, Bernard Jones escreveu páginas excelentes no Guia e Compêndio dos Maçons (1950, Numerosas reedições): 334-337, traduzido em parte por Marius Lepage em L’ORDRE e les Obédiences (1956): 94-95. Lepage concluiu assim: “Vamos ser sérios! Uma mera afirmação histórica e tradicionalmente possível: Ninguém jamais viu um landmark porque, na realidade, um landmark não passa de um mito inventado por um poeta … » (p. 96). Isto é seguido de uma citação que não é de Gould, conforme escreve Lepage. Nós encontraremos a fonte (Revista dos Maçons de 25 de Fevereiro de, 1865) e o texto original ( “Ninguém sabe o que eles incluem ou omitem; eles não são de qualquer autoridade terrena, porque tudo é um landmark quando um adversário deseja calar você, mas nada é um landmark que se coloque em seu próprio caminho” )indicado em nota por Gould em História da Maçonaria, I: 439, que a precedeu com a observação: “Dos Landmarks Antigos, foi observado, com mais ou menos fundamentos de verdade: ».

[12]      Até 1805 para a Escócia até a União de 1813 para a Irlanda. “A aliança fraterna” celebrada com a Irlanda em 1808, indicada por Gould (História II: 498) é imprecisa.

[13]      Carta enviada em 1788 pelo Grande Secretário dos Antigos a Lord Elcho, Grão Mestre da Grande Loja da Escócia (Charles Bolton 1897 Grand Master’s Lodge No. 1: 22, citado por Hextall, AQC 23: 48).

[14]      Gould História II: 498. Hextall, AQC 23 (1910): 37. Knoop, AQC 56 (1945): 30. Clarke, Grand Lodge (1967): 124 etc.

[15]      AQC 23 (1910): 37-38.

[16]      Pelas razões expostas por Hextall, AQC 23 (1910): 50.

[17]      Gould, História II: 500. Sadler 1887, Masonic Facts and fictions: 159.

[18]      AQC 23 (1910): 50-55. Hextall teve de invocar as Enciclopédias Mackenzie (1877) e de Woodford (1878) para justificar sua crença de que existiam mais que dois landmarks.

[19]      AQC 23 (1910): 59. No primeiro volume da Cæmentaria Hibernica publicado em 1895, Chetwode Crawley tomou o termo dois em sua acepção Literal.

[20]      AQC 28 (1915): 141 e 144, o segundo landmark é aquele da cerimônia de instalação.

[21]      AQC 23 (1910): 46.

[22]      Masonic Facts and fictions: 161-162.

[23]      Ver Hextal ‘A Loja Especial de Promulgação 1809-1811’ e Wonnacott, ‘A Loja de Reconciliação 1813-1816’ em AQC 23 (1910).

Wonnacott e Hextall pensam que a Loja da Reconciliação adotou, essencialmente, as conclusões da Loja de Promulgação (AQC 23: 60, 71, 304). Gould admite que os “Modernos”, adotariam o ritual dos Antigos: “No fundo, no entanto, o método de trabalho entre os “Antigos ” — para usar o chavão – foi adotado pelos “Modernos” (História II: 500), o mesmo que Crowe ” os Antigos” […] sempre parecem ter ganho seus pontos” (AQC 23: 302) e ACF Jackson “é evidente que a influência Antiga sobre os trabalhos da Loja da Reconciliação, deve ter sido muito poderosos” (AQC 87: 194). A opinião deles é compartilhada por John Hamill (AQC 93, 1980: 35-36). Ver documentos recentemente descobertos e analisados por Colin Dyer: 1974 ‘William Shadbolt’ e ‘The Williams-Arden Manuscript (AQC 87), 1975’ “The Official 1816 Ritual ‘ (AQC 88: 211-214), sua Introdução à terceira edição (1985) de Cartwright, Masonic Ritual, e seus comentários sobre a Loja de Promulgação em William Preston e seu Trabalho (1897): 136-140.

[24]      O texto do Pacto Internacional foi reproduzido na íntegra em 1957 por R. E. Parkinson, History of the Grand Lodge of Free and Accepted Masons of Ireland, II: 21-23. Dez anos mais tarde, Percival R. James dedicaria apenas algumas linhas a ele em Grand Lodge (1967): 132. Veja também Colin Dyer 1974, ‘The Williams-Arden Manuscript’ (AQC 87: 175).

[25]      O que salientaria Begemann em 1910 em Vorgeschichte und der Anfänge Freimaurerei in England (II: 532) indicando em uma nota que o texto do Pacto Internacional tinha sido publicado pela primeira vez em The Freemason, datado de 3 de julho de 1897. Ver também Wonnacott, AQC 23 (1910): 229.

[26]      AQC 28 (1915): 145.

[27]      Respectivamente Grão-Mestre dos Maçons na Irlanda, Grão-Mestre dos Maçons na Escócia, Past Grão-Mestre de Maçons na Irlanda, Past Grão-Mestre Adjunto da Escócia.

[28]      Estes documentos, ainda inéditos, foram transcritos por João Rawdon Dashwood e publicados em 1958 pela loja Quatuor Coronati (Volume XI do Quatuor Coronatorum Antigrapha). A transcrição das atas dos Antigos infelizmente termina em 27 de dezembro de 1760.

[29]      O livro de Sadler’s não tinha feito David Murray Lyon mudar de idéia: Em 1900, ele continuaria a chamar a Grande Loja dos Antigos de “dissidentes da Grande Loja de Inglaterra em 1739” (History of the Lodge of Edinburgh (Mary’s Chapel), No. 1: 297).

[30]      Masonic Facts and Fictions foi mencionado onze anos mais tarde AQC 11(1898) após a publicação do segundo livro de Sadler, Reproduções Maçônica e Revelações Históricas. Speth escreveria honestamente: “A nova teoria [sic] foi, ao aparecer, tudo menos bem-vinda. É sempre um incômodo intolerável ter de reformular opiniões mantidas por anos […] ».

[31]      A última dessas tentativas é devida a Douglas Vieler em 1993, ‘O Poder da Persuasão’ (AQC 106: 56). Em William Preston e Sua Obra, Dyer descreve o ritual dos Antigos « as práticas ligeiramente diferentes da organização mais nova» (p. 8).

[32]      Isto lembra aquela dos fundadores da Loja Quatuor Coronati sobre as quais John Hamill escreveu lucidamente em 1986: “eles estavam se comportando muito pouco cientificamente, buscando evidências para provar sua teoria, em vez de procurar provas e analisá-la para ver o que poderia ser deduzido a partir delas” (AQC 99: 4).

[33]      « No presente momento não há material suficiente para formular uma classificação satisfatória” , The Early Masonic Catechisms (1943), Introdução: 19.

[34]      « há pouca necessidade de classificação dos textos, e nenhuma tentativa foi feita de fazê-lo ” The Early French Exposures (1971), Introdução: XV.

[35]      O que segue resume alguns dos artigos de Henri Amblaine [pseudônimo anagramático de Alain Bernheim], ‘Masonic Catechisms and Exposures’ (Norman B. Spencer Prize Essay 1993), AQC 106.

[36]      Por exemplo: ‘Pergunte se ele tem a vocação’ é traduzido por ‘Pergunte a ele se ele tem o chamado’ na Recepção (p. 6) e “Pergunte se ele tem a Vocação’ em o Segredo (p. 67).

[37]      AQC 106 (1993): 150.

[38]      Ibidem.

[39]      Acta Macionica 8: 328. E como considerar a cerimônia de consagração de uma nova loja? Como uma mudança ou como uma inovação? O autor do artigo escrito sobre isso: “Na Inglaterra, na fundação de uma Loja, esta é consagrada. […] a Loja para funcionar [sic] deve ser consagrada» (Acta Macionica 8: 329). Mas, em 1970, Terence Haunch demonstrou que a cerimônia de consagração fora introduzida por volta de 1772 por Preston: “A ‘Maneira de Constituir uma Loja’ conforme impresso no Apêndice da 1ª Edição das Ilustrações (1772) inclui a primeira menção de uma cerimônia de Consagração e uma descrição de sua estrutura. […] Esta é a mais antiga referência a qualquer cerimônia deste tipo, ligada à constituição de uma nova loja” (“A Constituição e Consagração de Lojas sob a Grande Loja da Inglaterra”, AQC 83: 8 e 9). Colin Dyer escreve bem : “Preston adicionou uma cerimônia formal de consagração” (grifos meus nas citações acima). A palavra “deve” exprime uma condição necessária, pode-se apenas se perguntar como as lojas Inglesas “Modernas” ou Antigas, podiam muito bem “funcionar” antes de 1772.

[40]      Gould, História III: 26.

[41]      AQC 106 (1993): 153.

[42]      Acta Macionica 8: 329.

[43]      Acta Macionica 8: 339.

[44]      « O Grande Oriente de França será composto da Grande Loja e de todos os Veneráveis em exercício, ou Deputados das lojas, tanto de Paris, quanto da Província, que pudessem estar presentes quando de suas Assembléias. “(Capítulo I, Seção II, artigo I).

[45]      Acta Macionica 8: 343. O autor qualifica o texto que ele cita incorretamente como “cômico”. Neste caso, ele tem razão involuntariamente.

[46]      Acta Macionica 8: 349.

[47]      O relatório de Desmons foi publicado (com algumas imprecisões) por Adrian Juvanon em Vers la Lumière (1926), no Boletim do Centro de Documentação do Grande Oriente de França n º 11-12 (1958) e por Daniel Ligou em ‘Frederick Desmons e a Maçonaria na 3ª República’ (1966). Veja também Alain Bernheim 1989, ‘1877 e o Grande Oriente de França’, Trabalho da Loja nacional de Pesquisas Villard de Honnecourt No. 19: 113- 147.

[48]      Acta Macionica 8: 353. Não dispondo do texto original diante dos olhos, não sou capaz de garantir que esta tradução, acompanhado por alguns solecismos seja fiel.

[49]      Por exemplo: “A decisão de abandonar qualquer referência à divindade foi tomada muito antes do debate [em 1877]. Esta decisão é, de fato, o cumprimento de uma evolução que começa desde 1740 […] » (Acta Macionica 8: 350). O ano de 1740 apresentado arbitrariamente como ponto de partida de um desvio da maçonaria francesa, retorna em várias ocasiões (pp. 327, 328 e 354). Por que 1740? A escolha desta data não é justificada em parte alguma.

[50]      Veja o conjunto da documentação publicada pela Loja de pesquisas Quatuor Coronati de Bayreuth (Quellenkundliche Arbeit der Freimaurerischen Quatuor Coronati Forschungsgesellschaft e. V. Bayreuth Nr. 9, 1976, e Nr. 14, 1980) e, por exemplo, a ata da reunião realizada em Innsbruck, em 27 e 28 de dezembro de 1968 no Nr. 9: 29-30, ou a carta enviada em 17 de março seguinte ao Cardeal König elo antigo Grão Mestre Vogel, ibid. :33- 35.

[51]      Acta Macionica 8: 330.

POR QUE RAZÃO O DOCUMENTO ANTERIOR É TÃO IMPORTANTE?

A Grande Loja Unida da Inglaterra foi criada em 1813.A Grande Loja dos Modernos (1717) e a dos Antigos (1751) ratificaram separadamente os Artigos de União em 1 de Dezembro. A Grande Loja Unida foi formada em 27 e o ajuste de seu novo ritual foi terminado em 1816. Gould reconhecia que A maneira de trabalhar [ritualmente] dos “Antigos” — como se costuma dizer – foi adotada pelos Modernos ” (History of Freemasonry 1882-1887, vol. II, p. 500), mas ele teve o cuidado de dar detalhes a seguir.

Em 27 de junho e 2 de julho de 1814, uma conferência foi realizada em Londres, reunindo os mais altos dignitários das três Grandes Lojas Britânicas. Seus participantes elaboraram um documento intitulado Pacto Internacional entre as Grandes Lojas de Inglaterra, Irlanda e Escócia. Concluído em julho de 1814, raramente mencionado e, até onde sei, nunca totalmente citado pelos historiadores Ingleses. O texto foi encontrado na ata da Grande Loja da Irlanda em 1897 por C hetwode Crawley. Ele o publicou no mesmo ano em O Maçom e o reproduziu na íntegra em 1915, acompanhado de comentários, no vol. 28 de Ars Quatuor Coronatorum (pp. 141-155) dos quais alguns trechos são reproduzidos a seguir. Para Chetwode Crawley, o Pacto Internacional foi o mais importante documento oficial emitido entre maçons de língua ingleses no século 19.

É somente graças a uma rendição incondicional por parte dos Modernos que as relações fraternas entre eles e as outras Grandes Lojas do Reino Unido puderam ser restabelecidas após um hiato de muitos anos. […] As Grandes Lojas aliadas tinham se juntado aos Antigos não baixaria a guarda antes que fosse assegurado por meio de uma verdadeira inspeção que a rendição fora total. Os detalhes desta verdadeira inspeção são comemorados no Pacto Internacional. Devido à alienação precedente, um Pacto Internacional em boa e devida forma foi considerado necessário para admitir a Grande Loja Unida da Inglaterra recentemente formada no seio [da Maçonaria]. Este Pacto Internacional pode ser considerado o documento oficial mais importante celebrado entre os maçons de língua inglesa durante o século [19]. Nada é mais revelador na cláusula segunda, que a admissão implícita, ou melhor, a afirmação da legitimidade da reivindicação dos Antigos de serem considerados como a Grande Loja da Inglaterra. Esta cláusula estipula expressamente que o reconhecimento fraterno ocorrido em 1772, teve lugar “entre as três Grandes Lojas da Inglaterra, Escócia e Irlanda”. Ou seja, o único reconhecimento que ocorreu naquele ano estava relacionado exclusivamente com os Antigos. Parece até que a restrição expressa pelo número “três” foi usada pelos autores desta cláusula para pôr fim a qualquer alegação que pudesse ser formulada pela Grande Loja não-reconhecida em 1772 de ser chamada de Grande Loja da Inglaterra. É positivamente certo que a Grande Loja da Irlanda não reconheceu em 1772 ou não importa quando, a pretensão da Grande Loja dos Modernos de ser chamada de Grande Loja da Inglaterra (p. 153).

(Trabalho publicado originalmente no site Pietrestones, o melhor site de cultura maçônica do mundo: http://www.freemasons-freemasonry.com/une_certaine_idee_de_la_Franc-Maconnerie.html editado pelo irmão Bruno Gazzo)

—————————————

QUEM É O IR.´. BERNHEIM

Alain Bernheim, nasceu em Paris em 1931, reside na Suíça, em Montreux. Aos doze anos, foi internado em um campo de concentração; aos quinze anos ele representou o liceu Janson-de-Sailly no Concurso Geral de Filosofia e entrou, em seguida, para o Conservatório Nacional de Música de Paris. Primeiro bolsista Fullbright francês enviado aos Estados Unidos, ele estudou em Boston, no New England Conservatory of Music, e deu mais ou menos 2000 concertos e recitais de piano até 1980. Ele interrompeu sua carreira devido a problemas de saúde, e se consagrou inteiramente à história da maçonaria.

Suas pesquisas são coroadas em 1986 e em 1993 pelo Prêmio Norman Spencer que lhe foi concedido pela mais antiga loja de pesquisas do mundo, a Quatuor Coronati nº 2076; em 1997 pelo Certificate of Literature da Philalethes Society (USA); em 2001 pelo Prêmio Albert Gallatin Mackey da Scottish Rite Research Society (Washington , D.C.) que lhe concede o título de Fellow, e em 2007 por sua eleição como Blue Friar.

Maçom desde 1963, ele pertence à Grande Loja Suíça Alpina. Ele é 33°do Supremo Conselho da Jurisdição Sul dos Estados Unidos, Grande Capitular do Grão Priorado da Bélgica e membro da Ordem Real da Escócia.

Ele é autor de « Les Débuts de la Franc-Maçonnerie à Genève et en Suisse » (Slatkine 1994) e numerosos verbetes na Enciclopédia da Maçonaria ( (Pochotèque 2000), da Réalité Maçonnique (Groupe de Recerche Alpina, Lausanne 2007) e cerca de 150 artigos de pesquisa publicados em francês, inglês e alemão.

Publicado on março 22, 2011 at 5:07 pm  Comments (2)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/alain-bernheim-uma-certa-ideia-de-maconaria/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Merci. Many thanks !
    alainbernheim@gmail.com

    • It is an honor to have you visiting our humble magazine, Master…

      Cheers


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: