A Proclamação maçônica de Fé


Tradução José Filardo

Por V.´. Irmão Jack Buta MPS
PM Paradise Valley Silver Trowel Lodge #29
Arizona Grand Lodge, EUA
Maçom Grau 32 do Rito Escocês

Extrato do Artigo “A CONSPIRAÇÃO DE DEUS”
Publicado em: http://www.freemasons-freemasonry.com/masonic_foreign_recognitions.html

Em 1722, James Anderson, um ministro presbiteriano e maçom foi contratado pela nova grande loja de reescrever a sua constituição. Ele fez um movimento dramático e corajoso, a fim de perseguir a ideia de uma fraternidade universal. As duas primeiras obrigações em sua nova constituição foram pontos de partida radicalmente inovadores de conceitos previamente existentes e que permitiriam à Fraternidade alcançar homens de todas as fés. Sua primeira Obrigação, lidando com Deus e da religião causaria mais comentário e má interpretação do que qualquer outra nos últimos 285 anos, onde se lê:

“Um Maçom é obrigado em sua ação, a obedecer à lei moral, e se ele compreende corretamente a Arte, nunca será um ateu estúpido nem um libertino sem religião. Mas, embora em tempos antigos os maçons fossem obrigado em cada País a ter a Religião daquele país ou nação, qualquer que fosse ela, ainda assim pensa-se ser agora mais conveniente obrigá-los a ter apenas aquela religião na qual todos os homens concordam, deixando suas opiniões particulares para si ; isto é, serem homens bons e verdadeiros, ou Homens de Honra e Honestidade, quaisquer que sejam as Denominações ou Obediências que os possa distinguir; dessa forma a Maçonaria se torna o centro da União, e os meios de conciliar a verdadeira amizade entre pessoas que de outra forma permaneceriam perpetuamente separados.” [ii]

Anderson começa reafirmando a obrigação de um Mason de cumprir a lei moral. Para cada religião daqueles dias isso incorpora o conceito de não fazer aos outros aquilo que não se faria a si mesmo. Um Maçom que entende a arte da Maçonaria nunca poderia duvidar da existência da divindade ou ser um libertino moralmente desenfreado, deixando de lado a moral, a ética e a existência de um poder superior operando o universo. Tendo aberto totalmente a porta, ele rejeita o argumento de que em um país cristão, um maçom tinha que ser cristão e afirma que uma vez afirmada a existência de um Ser Supremo e concordando-se em cumprir a lei moral, suas crenças religiosas são de foro íntimo.

Não está na natureza dos homens aceitar nem mesmo as melhores leis, sem tentar mudá-las para sua própria vantagem. Um pouco mais de 30 anos se passariam até que uma nova Grande Loja escrevesse uma outra Constituição, desta vez por um autor católico, Laurence Dermott que tentou devolver a Maçonaria ao reino do cristianismo.

Um maçom é obrigado pelo seu Mandato a observar a lei moral como um verdadeiro NOACHITA; e se ele compreende corretamente a Arte, nunca será um ateu estúpido nem um libertino irreligioso, nem agirá contra a Consciência.

Em tempos antigos, os maçons cristãos eram acusados ​​em agir em conformidade com os usos cristãos de cada país em que eles viajavam ou trabalhavam; sendo encontrados em todas as Nações, inclusive de diversas religiões.

Eles eram geralmente obrigados a aderir àquela religião na qual todos os homens concordam (deixando a cada irmão a sua própria opinião particular); isto é, para ser homens bons e verdadeiros, Homens de honra e honestidade, não importando os nomes, religiões ou convicções pelos quais eles possam ser distinguidos, pois todos eles concordam em três grandes artigos de Noé, suficientes para preservar o Cimento da Loja. Assim, a Maçonaria é o Centro de sua União, e os Meios felizes de conciliar Pessoas que, caso contrário teriam permanecido em um perpétua Distância.” [iii]

Esta Constituição exige que os maçons devem crer firmemente, não só verdadeiramente adorar o Deus eterno da Igreja Católica, mas também nos registros sagrados, que os dignitários e os pais da Igreja cumpriram e publicaram para o uso de todos os homens de bem. E em relação aos ateus, os não-cristãos não precisavam solicitar o ingresso. Sessenta e seis anos depois, o pêndulo balançaria de volta. A Constituição Maçônica da Grande Loja Unida da Inglaterra, formada em 1813 pela fusão de Modernos e Antigos abriu a porta para homens de todos os credos e introduziu o conceito de Deus como o Grande Arquiteto do Universo.

Um Maçom é obrigado em sua ação, a obedecer à lei moral, e se ele compreende corretamente a Arte, nunca será um ateu estúpido nem um libertino sem religião. Ele, entre todos os homens, deve entender melhor que Deus não vê como o homem vê, pois o homem olha para a aparência externa, mas Deus olha para o coração. Um maçom é, portanto, particularmente obrigado a nunca agir contra os ditames de sua consciência. Deixe que a religião de um homem ou modo de adoração seja qual for, ele não é excluído da ordem, desde que ele acredite no glorioso arquiteto do céu e da terra, e pratique os sagrados deveres de moralidade. Maçons se unem aos virtuosos de toda religião no firme e agradável vínculo de amor fraterno; eles são ensinados a ver os erros da humanidade com compaixão, e esforçar-se, pela pureza de sua própria conduta para demonstrar a excelência superior da fé que eles possam professar. Assim, a maçonaria está no centro de união entre os homens bons e verdadeiros, e os meios felizes de conciliar amizade entre aqueles que de outra forma, manter-se-iam em distância perpétua. “[iv]

O conceito de Deus em relação à filosofia maçônica continuaria pelos próximos 200 anos, conforme ilustrado no seguinte diálogo entre Albert Pike e Henry Leeson.

Em 1861, Henry B. Leeson do Supremo Conselho da Inglaterra escreve: “Foi um privilégio coletar e preservar os disjecta membra do Rito Antigo espalhada neste e em outros países, os quais atestam a antiga base cristã da Ordem. ” [v]

No entanto, o sistema de 33 graus do Rito Escocês de graus traça as suas raízes somente até a Grande Constituição de 1785, supostamente sob a autoridade de Frederico II. Portanto, qualquer referência a uma antiga base cristã precisaria referir-se à Maçonaria em geral e não ao Rito Escocês, em particular.

Em resposta a esta carta, o Soberano Grande Comendador da REAA SJ, Albert Pike, escreve: “Eu não concordo com o Ilmo. Irmão Leeson, que a base antiga da Ordem era cristã. Se assim fosse, a Maçonaria prussiana teria estado certa ao excluir judeus da admissão às suas Lojas. Se assim fosse, seria uma fraude afirmar que a Maçonaria é universal. Nesse caso, como poderiam existir Lojas de hebreus e muçulmanos? E em relação ao Rito Antigo e Aceito, se ele tivesse uma base cristã, como é que a maioria daqueles que tiveram sua posse neste país de 1763 a 1800 eram hebreus? ” [vi]

Dez anos depois, o irmão Lindsay Mackersy 33°, o Delegado Escocês ao Congresso de Lausanne de 1875 iria protagonizar a maior jogada de desorientação da História Maçônica ao usar o conceito maçônico de crença em um Ser Supremo para anular e cancelar de forma cuidadosamente orquestrada os planos dos Supremos Conselhos Inglês e Francês, enquanto ao mesmo tempo, dava início a uma troca de tiros que ainda grassa nos dias atuais. John Mandelburg escreve: “Embora Pike desejasse ver o REAA como tão “Universal” quanto a Maçonaria Craft, ele sempre sustentou rigidamente o que era proclamado por todos os corpos maçônicos regulares desde tempos imemoriais, uma profissão de fé por cada candidato no Grande Arquiteto do Universo como um Ser pessoal, cuja vontade revelada está contida em qualquer Volume da Lei Sagrada reverenciado pelo Iniciado. Que o Conselho Supremo Inglês foi ainda mais longe na exigência dos irmãos sob sua jurisdição de uma crença explícita na fé trinitária cristã, reforçada, ao invés de removida dessa posição. Nem Pike, nem, na verdade, qualquer membro dos três Supremos Conselhos britânicos, poderia conceber uma Maçonaria regular, que não fosse baseada em uma crença em uma divindade pessoal. “[vii]

No entanto, os persas acreditavam na existência de um Deus invisível. Eles acreditavam que há uma guerra contínua entre as forças do bem (forças da luz) e as forças do mal (forças das trevas). As forças do bem ganharão se as pessoas fizerem boas ações, tiverem bons pensamentos e falar bem. Deus era representado em seus templos através do fogo. Pike devia ter uma crença semelhante, porque ele cita o seu catecismo em sua palestra sobre o grau 28: “Nós acreditamos em um só Deus, e não acreditamos em qualquer um além D’Ele; que criou os céus, a terra, os anjos. . . Nosso Deus não tem nem rosto, nem forma, nem cor, nem formato, nem lugar fixo. Não há outro como ele, nem pode a nossa mente compreendê-Lo”. [viii]

Por que então Pike contradiz-se após o Congresso de Lausanne de 1875?

 

 

———————–

[ii] Anderson’s Constitutions of 1723 – Masonic Service Association-1924 Page 80

[iii] Ahiman Rezon London 1756 – Laurence Dermott-The Old Charges page 25

[iv] The United Grand Lodge of England Book of Constitutions as published on their website in 2007

[v] Le Convent des Suprêmes Conseils du Rite Écossais Ancien et Accepté – Lausanne, 6-22 septembre 1875 –Alain Bernheim [vi]

[vi] Ibid

[vii] The Lausanne Congress of 1875- C. John Mandleberg, 32° (Heredom Vol. 6.)

[viii] Morals and Dogma – Albert Pike, 1856, P620

Publicado on agosto 29, 2013 at 4:03 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/a-proclamacao-maconica-de-fe/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: