A maçonaria Prince Hall e a luta pelo reconhecimento

 

Tradução José Filardo

Por V.´. Irmão Jack Buta MPS

PM Paradise Valley Silver Trowel Lodge #29
Arizona Grand Lodge, EUA
Maçom Grau 32 do Rito Escocês

Extrato do Artigo “A CONSPIRAÇÃO DE DEUS”

 As Grandes Lojas Prince Hall lutaram nos últimos 230 anos para ser reconhecidas pela Maçonaria predominantemente branca nos EUA. No entanto, aqui ninguém tirou da manga um volume da Lei Sagrada e invocou qualquer profissão de fé maçônica. Os ataques contra a Maçonaria Prince Hall estavam enraizados em racismo. Este é um caso clássico de como um pequeno, talvez tão pouco quanto apenas 1 por cento de homens poderosos, muitos deles líderes em nossa Fraternidade criaram uma ferida na psique da nação que nunca foi totalmente curado.

Um exemplo clássico das estratégias utilizadas por Grandes Lojas predominantemente brancas contra a Maçonaria Prince Hall pode ser visto no discurso de 1990 do PGM Allen G. de Tidwell à Slidell Lodge No. 311 em Alexandria, Louisiana, alertando para os efeitos do reconhecimento dos maçons Prince Hall “clandestinos”.

O discurso não foi realmente escrito pelo irmão Tidwell, mas composto por uma comissão a ser apresentado na reunião anual de Grãos Mestres. Ele lembra a todos eles o destino que aguarda qualquer Grande Loja tola o suficiente para reconhecer uma Grande Loja Prince Hall. Ele começa com o destino da Grande Loja de Washington depois de seus membros votaram pelo reconhecimento da Grande Loja Negra em 1898.

“Dezessete Grandes Lojas americanas cortaram relações com a Grande Loja do Estado de Washington. No ano seguinte, em 1899, a Grande Loja do Estado de Washington revogou sua ação.

“Em 1947, a Grande Loja de Massachusetts reconheceu a Maçonaria Prince Hall. Pelo menos onze Grandes Lojas americanas os repreenderam e as Grandes Lojas da Flórida e Texas romperam relações com a Grande Loja de Massachusetts. Dois anos depois, em 1949, a Grande Loja de Massachusetts revogou sua ação. ”

As implicações eram claras, reconheça Prince Hall e sua Grande Loja perderá seu próprio status como Grande Loja regular e reconhecida. O argumento tinha provado seu valor em 1898, 1947 e tinha sido usado em meados da década de 1960 para trazer as Grandes Lojas dos Estados Unidos de volta na linha e suspender as relações com a Grande Loja da França. A tática era simples e eficaz. Tudo o que ela tinha a fazer era insinuar sem oferecer qualquer prova de que a iniciação de Prince Hall era uma farsa. Que era um truque de confiança desempenhado por um oficial do Exército inescrupuloso e traiçoeiro e continuava afirmando “Qualquer grupo de homens, independentemente da cor, tentando reivindicar qualquer legitimidade ou regularidades desde 1813, em virtude de possuir a carta constitutiva física inglesa de 1784 de Loja Africana de Boston é simplesmente praticar o autoengano.”

Este é realmente apenas uma versão modificada do argumento usado cem anos atrás: “Esta Loja (Africana), tem, sem dúvida, uma Carta Constitutiva de algum tipo. Vinte anos atrás, eu a vi, e minha impressão é que se trata de uma Carta Constitutiva de Loja normal, mas se verdadeira ou não, eu não sou capaz de dizer. Fiquei sabendo que foi sub-repticiamente obtido, (através da agência de um capitão de mar), a partir de uma das duas Grandes Lojas então na Inglaterra, mas não posso encontrar qualquer registro nos Anais de qualquer um desses corpos. ”

A Grande Loja Unida da Inglaterra, como o sucessor legal da Grande Loja de Inglaterra (Modernos), em 1813, ELIMINOU a Loja Africana de Boston de seu registro de Lojas. Isso provocou a cassação da carta constitutiva inglesa de 1784 que se tornou nula e sem efeito. Como prova de sua intenção e propósito, a Grande Loja da Inglaterra atribuiu os números de Loja “370” e “459” a outras Lojas. Assim, desde 1813 a Carta Constitutiva inglesa de 1784 da Loja Africana de Boston tem sido um pedaço de papel sem valor desprovido de qualquer autoridade maçônica, validade, força, ou efeito”.

A GLUI finalmente esclareceria e provaria ser falso este argumento em sua declaração de 1994, que reconhece a Maçonaria Prince Hall. “Na fusão dos dois Registros após a União das duas Grandes Lojas na Inglaterra em 1813, a Loja Africana (e muitas outras no país e no exterior) foram omitidas do registo, não tendo havido qualquer contato por muitos anos. A loja Africana não foi, entretanto, formalmente apagada.“

 

Publicado on agosto 30, 2013 at 8:46 am  Comments (2)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/a-maconaria-prince-hall-e-a-luta-pelo-reconhecimento/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. […] A maçonaria Prince Hall e a luta pelo reconhecimento […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: