A Lenda dos Quatro Santos Coroados

Tradução do Inglês por José Filardo

(Baseada no Manuscrito Arundel – Publicada no AQC Vol 1 – p 60)

quator coronatum

Aqui começa a paixão dos Santos Mártires Cláudio, Nicóstrato, Sinfronio, Castório e Simplício[i], aos VI dias dos idos de Novembro.

Nos dias em que Diocleciano foi à Panônia, onde ele devia estar presente na coleta de vários metais das montanhas, aconteceu que, quando ele se reuniu com os trabalhadores de metal, ele encontrou entre eles alguns homens, por nome Cláudio, Castório, Sinfronio e Nicóstrato, dotado de grande habilidade artística — trabalhadores maravilhosos na arte da escultura. Eles eram cristãos em segredo, guardavam os mandamentos de Deus, e qualquer trabalho que eles fizessem na arte da escultura, eles o faziam em nome de nosso Senhor Jesus Cristo.

Isso aconteceu em um determinado dia, quando Diocleciano estava dando ordens aos trabalhadores de esculpir uma imagem do sol, com sua carruagem, cavalos e tudo a partir de uma única pedra, que, naquela época todos os trabalhadores deliberando com os filósofos começaram a lustrar sua conversa sobre esta arte; e quando eles tinham chegado a uma enorme pedra do metal de Thasos, sua arte de escultura não tinha utilidade, de acordo com o comando de Diocleciano Augusto.

E por muitos dias, houve uma disputa entre os operários e os filósofos. Mas em um determinado dia, todos os trabalhadores reuniram-se em um só lugar, setecentos e vinte e dois, com os cinco filósofos, à superfície da pedra e começaram a examinar os veios da pedra, e houve um efeito maravilhoso entre os trabalhadores e os filósofos. Ao mesmo tempo Sinfrônio, confiando na fé que ele tinha, disse ao seus companheiros: Peço-vos, a todos, que confiem em mim, e eu descobrirei, com meus discípulos, Cláudio, Simplício, Nicóstrato e Castório. E, examinando as veias do metal, eles começaram sua arte da escultura em nome de nosso Senhor Jesus Cristo. E seu trabalho teve sucesso, de acordo com os comandos de Augusto.

Ao mesmo tempo, Diocleciano Augusto se deliciava com a arte e tomado com um amor excessivo por ela, deu ordens que colunas ou capitéis das colunas, deveriam ser cortados do pórfiro pelos operários. Ele chamou Cláudio, Sinfrônio, Nicóstrato, Castório e Simplício e, recebendo-os com alegria, disse-lhes: Eu desejo que os capitéis das colunas possam ser talhados do pórfiro. E por sua ordem, partiram com a multidão de operários e os filósofos, e quando eles chegaram à montanha de pórfiro, que é chamada ardente, eles começaram a cortar a pedra em quarenta e um pés.

Cláudio fazia tudo em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, e sua arte lhe servia em boas condições. Mas Simplício, que era um gentio, tudo o que ele fazia era inútil. Mas, certo dia, Nicostratus disse a Simplício: Meu irmão, como é que sua ferramenta se quebrou? Simplício disse: Peço que você a tempere para mim, para que ela não se quebre. Cláudio respondeu e disse: Dá-me todos os utensílios de sua arte. E quando ele lhe havia dado suas ferramentas de escultura, Cláudio disse: Em nome do Senhor Jesus Cristo que este ferro seja forte e apto para trabalhar. E a partir daquela hora Simplício começou sua escultura com sua própria ferramenta, como Sinfrônio, bem e corretamente.

E assim, eles se esforçaram para esculpir objetos de variada obra de talha e sua arte os serviu adequadamente, no plano de quem nada fazia senão pela habilidade da arte da filosofia, mas realizava um trabalho requintado em nome de Cristo. Quando os filósofos viram isso, fizeram uma sugestão a Diocleciano Augusto, dizendo: Poderoso Príncipe, adorno dessa época, grande é a sagacidade de seu comando e a clemência neste trabalho de escultura da montanha, que a pedra preciosa deve ser talhada para o adorno maravilhoso do seu Reino; e muitas belas obras foram feitas em metal das colunas e com o trabalho maravilhoso de sua Alteza. Diocleciano Augusto disse: Estou verdadeiramente encantado com a habilidade desses homens. E ele determinou que todos os cinco fossem trazidos à sua presença, a quem, em sua alegria ele falou: Pelo poder dos deuses, vou elevar vocês com riquezas e presentes; apenas esculpam, primeiro, imagens desta montanha de pórfiro. E ele pediu que fizessem imagens de Vitória, Cupidos e mais conchas, mas especialmente uma imagem de – Esculápio.

E eles esculpiram conchas, vitórias e cupidos, mas não fizeram uma imagem de Esculápio. E depois de alguns dias eles ofereceram o seu trabalho de imagens com sua ornamentação variada. Diocleciano Augusto estava igualmente satisfeito com a sua habilidade no trabalho de cantaria. Ele disse a Cláudio, Sinfrônio, Nicóstrato, Castório e Simplício: Alegro-me muito na habilidade da sua arte, no entanto, por que vocês não mostraram seu amor esculpindo uma imagem de Esculápio, o deus da saúde? Agora vão em paz e deem sua atenção a esta imagem e esculpam leões derramando água e águias e veados e semelhantes de muitas nações.

Então, eles foram embora e fizeram de acordo com seus costumes e realizaram todo o trabalho, exceto a imagem de Esculápio.

Mas depois de alguns meses, os filósofos sugeriram a Diocleciano Augusto que ele deveria ver o trabalho dos operários. E ele ordenou que tudo fosse trazido a um lugar público; e quando eles trouxeram, a imagem de Esculápio que Diocleciano Augusto tinha ordenado não foi exibida, e quando ele, em seu desejo excessivo a exigiu , os filósofos fizeram uma sugestão a Diocleciano Augusto, dizendo: Glorioso e augusto César, que ama todos homens e a arte, e um amigo da paz, deixe sua clemência saber que estes homens a quem você ama são cristãos e realizam tudo o que lhe é ordenado em nome de Cristo. Diocleciano Augusto respondeu e disse: Se é sabido que todas as suas obras são magníficas pelo nome de Cristo, não é uma questão de reprovação, mas sim de admiração. Os filósofos responderam e disseram: Não sabeis, altíssimo imperador, que eles não obedecem aos seus gentis comandos devido a um conhecimento repreensível e portanto não exibiriam o esplendor da sua arte na construção de uma imagem do Deus Esculápio. Diocleciano Augusto disse: Tragam estes homens à minha presença.

E quando Cláudio, Sinfrônio, Castório, Nicóstrato e Simplício tinham sido convocados, Diocleciano Augusto lhes disse: Sabeis com que carinho e favor nossa graça os ama, e como eu vos incentivei com uma consideração amorosa? Por que não obedeceis nossos comandos de que deveis esculpir uma imagem do deus Esculápio em pórfiro? Cláudio respondeu: Generosíssimo Augusto, nós obedecemos vossa graça e fomos subservientes ao seu poder, mas uma imagem daquele mais miserável homem nós jamais faremos, pois está escrito, “aqueles que a fizerem são como eles, e assim são todos aqueles que depositam sua confiança neles.”

Então, os filósofos ficaram enfurecidos contra eles, dizendo a Diocleciano: Reverendíssimo Augusto, vês a sua perfídia, como eles responde a vossa graça com palavras arrogantes. Diocleciano Augusto disse: Artífices qualificados não devem ser odiados, mas, ao invés, honrados. Mas os filósofos disseram: Portanto fazei com que eles obedeçam vosso comando ou encontramos outros fazer de acordo com vossos desejos. Diocleciano Augusto disse: Homens mais habilidosos nesta arte podem ser encontrados ? Os filósofos disseram: Nós procuramos homens suportados pelo amor dos deuses. Diocleciano Augusto diz: Se vocês obtiveram homens para realizar a imagem do deus Esculápio deste metal (e ele os constrange com a punição de sacrilégio), eles também serão grandes através de nossa generosidade.

Então, os filósofos começaram a discutir com Cláudio, Sinfrônio, Nicóstrato, Castório e Simplício, dizendo: Por que vocês não obedecem aos comandos do nosso venerabilíssimo mestre e fazem a sua vontade? Cláudio respondeu e disse: Não blasfemamos contra nosso Criador e nos confundimos, para que não sejamos considerados culpados aos seus olhos. Os filósofos disseram: É evidente vocês são cristãos ? Castório disse: Verdadeiramente, somos cristãos.

Então, os filósofos escolheram outros trabalhadores em cantaria e eles esculpiram Esculápio diante de seus olhos. E quando eles viram a imagem do mármore Preconisso e a trouxeram aos filósofos, depois de trinta e um dias os filósofos anunciaram a Diocleciano Augusto que a imagem de Esculápio estava terminada.

E Diocleciano ordenou que a imagem lhe fosse apresentada. E ele maravilhou-se e disse: Este é o gênio dos homens que nos agradaram com sua arte da escultura. Os filósofos disseram: Sacratíssimo e sempre augusto príncipe, seja conhecido por vossa clemência que estes homens quem vossa graça declara ser os mais hábeis na arte da cantaria, ou seja, Cláudio, Sinfrônio, Nicóstrato, Castório e Simplício são hereges cristãos, e pelos encantos de encantamentos, toda a raça humana se humilhada para eles. Diocleciano disse: Se eles não obedecem aos comandos da justiça, e a palavra de sua acusação é verdadeira, falam com que suportem o julgamento do herege.

E ele ordenou a um certo tribuno de nome Lampadius, que os ouvisse, juntamente com os filósofos, com palavras temperadas, dizendo: Julgai-nos com um exame justo. E em quem for descoberta denúncia de falso testemunho, deixai-os ser ferido com a punição da culpa.

Ao mesmo tempo, Lampadius, o tribuno, ordenou que um tribunal fosse preparado no mesmo lugar, diante do templo do Sol e fossem reunidos todos os trabalhadores, Sinfrônio, Cláudio, Nicóstrato, Castório Simplício e os filósofos. A quem, publicamente e com uma voz forte, Lampadius, o tribuno, disse: Nossos reverendíssimos senhores e príncipes deram este comando, para que a verdade entre os filósofos e mestres, Cláudio, Sinfrônio, Castório, Nicóstrato e Simplício possa tornar-se conhecida, e esteja claro se esta acusação é verdadeira.

Então, todos os trabalhadores, instruídos pelos filósofos através de inveja, gritaram: Pela segurança de nosso reverendíssimo César, fora com os hereges, fora com os Magos. Mas, Lampadius, o tribuno, vendo que os trabalhadores estavam clamando devido à inveja, disse: O julgamento ainda não está concluído; como posso dar uma sentença. Os filósofos disseram: Se eles não são magos, deixe-os adorar a deus de César. Imediatamente, Lampadius, o tribuno, ordenou que Sinfrônio, Cláudio, Castório, Nicóstrato e Simplício adorassem o Deus Sol e assim destruíssem o propósito dos filósofos. Eles, respondendo, disseram: Nunca adoramos o trabalho de nossas mãos, mas adoramos o Deus do céu e da terra, que é o eterno soberano e eterno Deus, o Senhor Jesus Cristo. Os filósofos disseram: Assim, tu aprendeste a verdade. Diga-a a Ceesar. Então Lampadius, o tribuno, ordenou que eles fossem arrastados para a prisão comum.

Mas, depois de nove dias, a tranquilidade tendo sida restaurada, eles levaram o assunto a Diocleciano Augusto; no mesmo dia, também, os filósofos os acusaram, por inveja, ao Príncipe, dizendo: Se estes homens escaparem, o culto aos deuses está destruído. Diocleciano Augusto, irado, disse; Pelo próprio sol, mas se eles nãos sacrificarem ao Deus Sol de acordo com o costume e não obedecer às minhas instruções, eu os consumirei com várias torturas requintadas.*

Então, Lampadius levantou-se do seu lugar de julgamento, considerando o comando de Diocleciano e novamente levou o assunto a Diocleciano Augusto. Então, Diocleciano Augusto, considerando a arte deles, ordenou a Lampadius, o tribuno, dizendo: A partir de agora, se eles não sacrificarem e consentirem em adorar o Deus Sol, flagele-os com o açoite. Mas se eles consentirem, traga-os à nossa graça.

Mas, depois de cinco dias, ele novamente sentou-se no mesmo lugar em frente ao templo do Sol e ordenou que fossem conduzidos pela voz do arauto. E mostrou-lhes os terrores e os diferentes tipos de tortura. A quem Lampadius falou assim, dizendo: Escutem-me e escapem da tortura, sejam caros e amigos de nobres e príncipes e sacrifiquem ao Deus Sol. Porque agora devo falar a vocês em palavras suaves. Cláudio respondeu, com seus companheiros, com grande confiança: Não tememos terrores, nem é nosso objetivo sermos quebrados por palavras suaves, mas tememos os tormentos eternos. Assim, faça Diocleciano Augusto saber que somos cristãos e que nunca abandonaremos Seu culto.

Lampadius, o tribuno, enfurecida, ordenou que fossem despidos e açoitados, por proclamação do arauto, dizendo: Não desprezem os comandos dos nossos príncipes.

Naquela mesma hora, Lampadius, o tribuno, foi tomado por um espírito maligno e rasgando suas roupas, expirou sentado em sua cadeira. Quando sua esposa e família ouviram isso, eles correram até os filósofos com grande pranto, para que isso fosse informado a Diocleciano Augusto. Quando Diocleciano Augusto ouviu isso, ficou violentamente furioso e disse com fúria excessiva: Que sejam feitos caixões de chumbo, sejam eles encerrados vivos dentro deles e lançados no rio.

Então, Nicetius, um certo cidadão, que se sentava ao lado de Lampadius executou a ordem de Diocleciano Augusto e fez caixões de chumbo e encerrou-os todos, vivos, neles e ordenou que fossem lançados no rio. Mas o santo Quirillus, o Bispo, quando ouviu falar sobre isso na prisão, ficou profundamente entristecido e passou ao Senhor, os quais sofreram no sexto dia dos idos de novembro.

Naqueles mesmos dias Diocleciano Augusto partiu dali para Syrme. Mas depois de quarenta e dois dias, um certo Nicodemos, um cristão, levantou os caixões com os corpos dos Santos e os colocou em sua própria casa. Mas, Diocleciano Augusto vindo de Syrme, depois de onze meses entrou em Roma e imediatamente ordenou que um templo de Esculápio fosse construído nos banhos de Trajano, e uma imagem fosse feita a partir da pedra quadrada de preconisso.

Quando isto tinha sido feito, ele ordenou que todos os soldados que viessem até a imagem de Esculápio fossem obrigados a oferecer incenso com sacrifícios, especialmente a milícia da cidade. E quando todos foram obrigados a sacrificar, certos quatro oficiais corniculários de ala foram obrigados, mas quando eles resistiram, isso foi comunicado a Diocleciano Augusto. E ele então ordenou que fossem condenados à morte diante da própria imagem a golpes de plumbata.[ii] E quando eles foram espancados por um longo tempo, eles entregaram os espíritos, cujos corpos Diocleciano ordenou fossem lançados na rua para os cães. E seus corpos lá permaneceram por cinco dias.

Então, o abençoado Sebastião, com o santo Bispo Melchiades, recolheram seus corpos durante a noite e os enterraram na estrada para Lavica, a três milhas da cidade, com os outros homens santos no cemitério. Embora isso tinha acontecido ao mesmo tempo, ou seja, no dia 6 dos idos de novembro, mas dois anos mais tarde: e seus nomes puderam ser encontrados com dificuldade. O abençoado Melchiades, o Bispo, ordenou que seus aniversários devessem ser observados sob os nomes de Santos Mártires, Cláudio, Nicóstrato, Sinfrônio, Simplício e Castório, nosso Senhor Jesus Cristo reinando, que com o Pai e o Santo Espírito vive e reina, Deus através de toda a eternidade. Amém.

Para baixar o PDF contendo o original em Latim e a tradução em Português, clique em A LENDA DOS QUATRO SANTOS COROADOS


[i] Mas a Igreja comemora não 4, mas 5 mártires . A explicação mais convincente é que os 5 homens que foram martirizados em Pannonia um dos quais era Simplicio e este teria sido foi omitido na contagem.

[ii] Tiras de couro com bolas de chumbo nas pontas

Publicado on dezembro 28, 2012 at 2:47 pm  Comments (5)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/a-lenda-dos-quatro-santos-coroados/trackback/

RSS feed for comments on this post.

5 ComentáriosDeixe um comentário

  1. […] Fonte: A Lenda dos Quatro Santos Coroados […]

  2. […] A Lenda dos Quatro Santos Coroados […]

  3. Irmão Filardo;
    das diversas versões da lenda esta é a que mais detalhes contém. Por certo, desconhecidos de muitos. Li muitas delas, mas, esta me surpreendeu. Tenho na lembrança uma imagem, de um dos textos garimpados na internet, de uma coroa, um esquadro, um compasso, um serrote, um martelo e um cão como símbolos de cosporações de ofício que escolhiam os quatro santos como patronos.
    A lenda vem sendo publicada da net a bastante tempo, mas, como esta é novidade. Muito obrigado.
    paulo Marinho

    • Publiquei um complemento com explicações.

      taf


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: