A introdução da Maçonaria do Real Arco na América

Albert Gallatin Mackey

Tradução José Antonio de Souza Filardo

O grau Arco Real foi introduzido nas colônias norte-americanas, não muito tempo depois de sua invenção ou adoção, na Inglaterra.

A Grande Loja dos Antigos concedeu sua primeira carta constitutiva nas colônias em 1758.[1] (1) No mesmo ano, como veremos a seguir, foi fundado um capítulo ligado a uma loja Atholl. Isso por si só provaria, se tal prova fosse necessária, que a Maçonaria do Real Arco da Pensilvânia, onde apareceu pela primeira vez no continente, originou-se da “Grande Loja de Inglaterra, de acordo com as Antigas Instituições,” e que o grau que então se trabalhava era o que é comumente conhecido como Arco Real de Dermott.

Naturalmente, o grau deve ter sido conferido em um capítulo trabalhando sobre Carta Constitutiva de Mestre, já que na época nenhum Grande Capítulo tinha sido organizado.

A Grande Loja dos Antigos sempre tinha concedido esse privilégio às suas lojas, e isso foi mantido até os primeiros anos do presente século por muitas lojas americanas. Assim, já em Janeiro de 1803, a Orange Lodge of Ancient York maçons, uma loja Atholl em Charleston, Carolina do Sul, concedeu o privilégio do sua Carta Constitutiva para o uso do Capítulo do Real Arco da Carolina do Sul. [2]

O primeiro Capítulo do Arco Real na América de que podemos encontrar menção foi realizado em Filadélfia, no ano de 1758. O autor da Perspectiva Histórica no prefácio do Ahiman Rezon da Pensilvânia, diz que ele foi realizado “antes” daquele ano. Este é claramente um erro, pois a data da Carta Constitutiva da primeira loja dos “Antigos” naquela cidade, e de fato no país, foi realizada em 7 de junho de 1758, e é evidente que nenhum capítulo poderia ter precedido a loja em data de nascimento, uma vez que derivava sua autoridade dessa última e funcionava sob sua Carta Constitutiva.

O autor da Perspectiva Histórica, a que nos referimos acima, declarou que ele funcionava sob o número de Carta Constitutiva de Mestre e que era reconhecido por e tinha comunhão com um Capítulo militar que trabalhava sob um número de Carta Constitutiva 351, concedida pela Grande Loja da Inglaterra, ou seja, como o contexto mostra claramente, a Grande Loja Atholl ou a Grande Loja dos Antigos. [3]

Não pode haver dúvida quanto à verdade da afirmação de que um capítulo de Maçons do Arco Real foi criado na Filadélfia, por volta do ano 1758 e que ele trabalhava sob a Carta Constitutiva de Loja de Mestres número 3. O Irmão Clifford MacCalla, que é a maior autoridade sobre o início da história da Maçonaria, na Pensilvânia, diz que as atas deste Capítulo, que ele chama de Capítulo Jerusalém o número 3, existiam já em 1767, e que elas mencionam atas anteriores . [4]

Mas, não é fácil conciliar a afirmação de que ela mantinha comunhão com uma loja militar de número 351, com Carta concedida pela Grande Loja Atholl, com os fatos da história.

Até 1756 a Grande Loja Atholl tinha concedido apenas duas cartas constitutivas militares, de número 41 e 52, uma em 1755 e a outra em 1756. De fato, ao final do ano de 1757 os números no rol daquela Grande Loja, conforme compilado com precisão pelo irmão Gould era de apenas 68. [5]

Havia uma Carta militar numerada 351, mas ela não foi concedida antes de Outubro de 1810. [6]

De fato, o número 351 é alto demais para o rol de 1.758 tanto da Grande Loja da Inglaterra, quanto das Grandes Lojas da Irlanda ou da Escócia. Mesmo na Inglaterra, o mais antigo dos quatro corpos, os números não tinham, naquele período inicial, ido muito além de duas centenas.

Que era então essa Loja militar, numerada como 351, em um tempo em que tais números não poderiam ter sido atingido pelos registros existentes, e qual foi esta Loja número 3 no rol da Pensilvânia, que mantinha comunhão com ela, e ambas estavam assim empenhadas na propagação do grau do Arco Real na América?

O Irmão MacCalla, referindo-se a lojas militares na Pensilvânia, antes e durante a guerra da Revolução, diz que “a loja número 18 estava no 17º regimento do Exército britânico”. Consultando a primeira lista oficial das lojas Atholl dada no Ahiman Rezon para 1807, encontramos a “18, 17 Regimento de Infantaria”, como a terceira das lojas militares. Nenhuma data é fornecida para sua Carta Constitutiva, mas a partir de sua posição na lista, podemos presumir que ela era uma das mais antigas lojas. Gould diz que foi concedida a ela a carta constitutiva número 237, e ele dá a 18 original como tendo sido constituída como uma loja civil em Londres em 1753. Esta loja tornou-se extinta, e o número parece, segundo um sistema de registro peculiar dos Maçons Atholl ter sido tomado pela loja militar, ao invés de seu número original, 237.

Novamente, esta Loja militar número aparece em outro quartel oficial.

C. Downes, Past Master da Loja número 141, no registro da Irlanda, publicado em Dublin em 1804, lista as lojas “segundo as ‘Antigas Constituições’ do reino da Grã-Bretanha, e também da América, Oriente e Índias Ocidentais, etc.” Downes foi o impressor para a Grande Loja da Irlanda e com a sua permissão editava o Ahiman Rezon irlandês. Suas listas são, portanto, dotadas de alguma autoridade.

Em sua lista de lojas militares, ele também dá a Loja número 18, no 17º Regimento como a terceira loja na ordem de sequência como tendo recebido carta constitutiva da Grande Loja Atholl da Inglaterra.

Mas ele também dá uma lista das lojas que tinham recebido cartas até o ano de 1804, totalizando 65. Quantas destas interromperam suas atividades, e qual era a data de qualquer dessas Cartas Constitutivas, não podemos aprender a partir da lista, o que dá apenas os números, locais e horários de reunião. [7]

A Loja Pensilvânia 8 na lista Downes é marcada como número 18, 17º Regimento de Infantaria Britânica. ” A coincidência aqui aparente indicaria que esta era a mesma loja que aquela marcada na lista de Downes, de Harper e de Gould de lojas militares que receberam cartas constitutivas da Grande Loja Atholl da Inglaterra. Através de que processo ela mudou a sua obediência de sua Grande Loja-mãe para a Grande Loja da Pensilvânia, Downes não nos informa.

Temos um registro autêntico que em 1767 tinha existido e era uma loja militar em um regimento irlandês estacionado na Filadélfia.

Os registros da Loja número 3, que foram copiados em Início da História e Constituição da Grande Loja da Pensilvânia [8], continham o seguinte item:

“Dez. 9, 1767. A maioria do corpo foi de opinião que não seria adequado admitir o Irmão Hoodless como membro desta, ou iniciar, elevar, ou exaltar qualquer pessoa pertencente ao Exército nesta, pois existe um Corpo legalmente constituído de bons e aptos Maçons no regimento Real Irlandês”. [9]

Já chega sobre a loja militar que se diz ter introduzido a Maçonaria do Real Arco nas colônias americanas, e por intermédio da qual o grau foi conferido pela primeira vez na Loja número 3.

Nossa próxima pesquisa deve ser dirigida ao caráter e posição desta loja, que, sem exagero retórico, pode ser assim chamada de Mãe de Maçonaria do Arco Real na América.

As listas das lojas Atholl mostram que a Grande Loja dos Antigos concedeu uma carta constitutiva a uma loja na Filadélfia, no ano 1758. No rol da Pensilvânia, esta loja ficou conhecida como número 2, mas na lista de Gould ela é assinalada como “Nº 69, Filadélfia, 7 de junho de 1758. ” Em 13 de junho de 1761, a Grande Loja dos Antigos concedeu uma Carta Constitutiva a outra loja, que Gould registrou como 89, a número 1 da Filadélfia “. Esta Carta foi, entretanto, perdida e outra foi emitida em 20 de junho de 1764.

É a partir da data desta Carta Constitutiva que a organização da Grande Loja Provincial da Pensilvânia é contada.

Por que a loja que recebeu a Carta em 1758 deve ser designada como número 2, enquanto que aquelas que receberam Cartas três anos depois, deve ser designada como número 1, só pode ser explicado de uma única forma. Havia provavelmente uma delegação acompanhando a Carta Constitutiva para a número 2, delegação esta que deve ter organizado uma Grande Loja Provincial que assumiu o número 1. O Ahiman Rezon de Pensilvânia para 1825, referindo-se à loja nº 2, diz que “as patentes para Grão-Mestres Provinciais ficavam geralmente em vigor por um ano, no termo do qual, se uma Grande Loja fosse formada, ela elegeria o seu Grão-Mestre, Vigilantes, Secretário e Tesoureiro… Se nenhuma Grande Loja fosse constituída usando uma carta-patente, ela expirava, e outra carta-patente era emitida conforme fosse necessário”. [10]

O autor então conclui que “é provável que nenhuma Grande Loja tivesse sido organizada com base na primeira patente emitida para a Pensilvânia, pois uma segunda foi emitida em 20 de junho de 1764, pela Grande Loja da Inglaterra a William Ball, Esq. e outros, autorizando-os a formar e manter uma Grande Loja, para a então província”. [11]

Esta conjectura é muito plausível. A delegação que acompanhava a Carta Constitutiva para a número 69 na Filadélfia pode ter sido destinada a um órgão provincial, que não foi, contudo, totalmente organizado, mas que, todavia, assumiu o número 1, enquanto a loja que no registro da Grande Loja Atholl da Inglaterra levava o número 69 foi alterada no rol da Pensilvânia para número 2. A Delegação Provincial, que tinha sido nomeada em 1758, não tendo cumpriu integralmente suas funções através do estabelecimento permanente de uma Grande Loja Provincial, outra Carta Constitutiva para aquela finalidade foi emitida em 1761, e que tendo sido perdida no caminho, uma segunda foi emitida em 1764 e a Grande Loja Provincial foi formada. Na verdade, isto deve ter sido apenas uma continuação da primeira loja ou delegação, e a loja número 69, que havia sido originalmente transmutada em número 2, manteve aquele número, e, com exceção da Grande Loja Provincial, não encontramos qualquer número 1 na Registro da Pensilvânia.

Mas, embora esta delegação de 1758, não tenha formal e permanentemente organizado uma Grande Loja Provincial, ou se o fez, não deixou qualquer registro da transação, ele executou as funções de uma ao conceder carta a outra loja que recebeu o número 3.

Desse fato, temos a seguinte prova. Quando a Grande Loja dos Antigos concedeu sua Carta Constitutiva para uma loja em 1758, nenhuma outra observação da Pensilvânia foi feita por ela até que concedeu a Carta número 89 em seu registo em 1761, que se perdeu e foi substituída por outra do mesmo teor emitida em 1764, e que Gould chama de número 1 na Filadélfia.

Entre 1758 e 1764, ela não concedeu qualquer outra carta constitutiva para a criação de lojas na Pensilvânia, nem nunca mais o fez depois disso. Com exceção da Carta emitida primeiro em 1761 e renovada, ou melhor, substituída em 1764, a Maçonaria na Pensilvânia parece, a partir do ano de 1758, ter sido controlado apenas por alguma autoridade na província, e a partir desse número autoridade, a Loja Nº 3 deve ter recebido sua Carta Constitutiva.

O primeiro ato da Delegação Provincial, ou Grande Loja Provincial, ou qualquer que possa ter sido o caráter e a designação da autoridade existente na Filadélfia em 1758 foi conceder uma carta constitutiva para o estabelecimento de outra loja como número 3.

Não há qualquer registro sobrevivente registro desta Carta Constitutiva, mas o autor da História Inicial da Primeira Grande Loja da Pensilvânia, diz que na Loja número 3 de Filadélfia por tradição, data sua carta constitutiva da mesma época que a de número 2. “[12] (1)

Esta Loja número 3 é a mesma que em 1758, com a anuência e sob a instrução da loja militar no 17 º Regimento Real Irlandês, introduziu a grau do Arco Real na Pensilvânia e o trabalhou, como todas as Lojas “Antigas” da época faziam, sob a autoridade do sua Carta Constitutiva de Mestre.

A ausência dos registros dos tempos iniciais da Maçonaria na Pensilvânia, que foram perdidos ou destruídos durante a revolução, nos obriga a confiar, mais do que seria desejável ao se escrever a história, em conclusões baseadas principalmente em conjecturas; mas, as conjecturas são razoáveis, sustentadas por fortes provas e totalmente coerentes com os fatos derivados dos poucos documentos autênticos que ainda restam.

Somos informados no Ahiman Rezon da Pensilvânia que outros capítulos foram posteriormente estabelecidos “com base em princípios semelhantes”. Isto é, eles foram estabelecidos ao abrigo das Cartas Constitutivas de Mestre.

O escritor de A Perspectiva Histórica da Maçonaria, contida na edição de 1825 do Ahiman Rezon da Pensilvânia conta a história do progresso ulterior da Maçonaria do Real Arco naquele Estado, com os seguintes termos:

“Em novembro de 1795, uma tentativa irregular foi feita, a pedido de um certo Molan, de introduzir inovações no grau do Arco e formar um Grande Capítulo do Arco Real independente, sob as Cartas Constitutivas de número 19, 52 e 67, realizada na cidade de Filadélfia, e uma loja constituída sob autoridade da Grande Loja de Maryland, e uma outra sob a Grande Loja da Geórgia. O Capítulo número 3 instituiu um inquérito sobre esses processos, o que eles declararam, após investigação, serem contrários à uniformidade estabelecida da Maçonaria Especulativa. A Grande Loja, diante da denúncia, suspendeu sem hesitar as Cartas Constitutivas 19, 52 e 67, e tendo recebido o relatório da comissão criada para esta finalidade, resolveu que Molan não deveria ser reconhecido como maçom pelas Lojas ou irmãos sob sua jurisdição. As lojas irregulares, através de intervenção leve, porém firme das Grandes Lojas foram convencidas de seus erros, e foram recebidas de volta, com suas Cartas Constitutivas restauradas.

“Durante esta controvérsia, a Grande Loja reconheceu o direito de todas as lojas regulares, na medida de suas capacidades e número de obreiros, de iniciar maçons nos graus mais elevados, a menos que possam existir diferenças, ou inovações sejam tentadas em tais graus mais elevados, e que por falta de algum lugar adequado para apelação, poderia criar cisma entre os irmãos, eles resolveram que a Grande Capítulo do Arco Real devesse ser aberto, sob a sanção imediata da Grande Loja da Pensilvânia; e que todos os oficiais atuais e anteriores da Grande Loja, depois de ter devidamente obtido o grau do Arco Real, e todos os oficiais atuais e anteriores de Capítulos do Arco Real, devida e regularmente convocados sob a sanção de uma Carta Constitutiva da Grande Loja da Pensilvânia, sejam considerados membros do Grande Capítulo do Arco Real; e que todos os membros dos Capítulos regulares serão admitidos às suas reuniões, mas sem direito a voto ou a falar nelas, a menos que lhes seja solicitado”.[13]

Tem sido, a partir deste registro, sustentado que este era o primeiro Grande Capítulo estabelecido na América, e que Webb errou ao dar prioridade àquele organizado em Hartford, em 1798.

Mas, a verdade é que o Grande Capítulo estabelecido na Filadélfia em 1795 não foi um Grande Capítulo, no sentido ligado a esse corpo por aqueles que organizaram Grande Capítulo dos Estados do Norte em Hartford.

O Grande Capítulo da Pensilvânia era apenas um instrumento da Grande Loja. Somente esse corpo poderia conceder a permissão para manter um Capítulo, e nenhum Capítulo poderia ser realizado a menos que tivesse a aprovação de uma Carta Constitutiva de Loja, e foi expressamente declarado que o Grande Capítulo deveria ser aberto “sob a aprovação imediata da Grande Loja”.

Agora, todos estes princípios de dependência foram repudiados por Webb e seus associados. Eles expressamente declararam bem no início dos seus trabalhos de organização – não importa se a declaração era historicamente precisa ou não – que nenhuma Grande Loja podia “reivindicar ou exercitar autoridade sobre qualquer convenção ou Capítulo de Maçons do Real Arco”. Na primeira constituição que escreveram, eles colocaram os Capítulos exclusivamente sob o controle dos Grandes Capítulos e, por implicação aboliram toda a autoridade das Grandes Lojas sobre eles e, ao mesmo tempo, negaram o direito de qualquer Capítulo de trabalhar sob a Carta Constitutiva de uma loja de Mestre.

Desde então, este sistema prevaleceu nos Estados Unidos. Ele foi posteriormente adotado pelo próprio Grande Capítulo da Pensilvânia.

O Grande Capítulo estabelecido na Filadélfia em 1795 era apenas uma organização para a administração mais conveniente da Maçonaria do Real Arco no seio e sob a superintendência da Grande Loja.

O Grande Capítulo estabelecida em 1798 em Hartford era, como foi demonstrado, de uma construção muito diferente, e com base em princípios muito diferentes da lei maçônica.

Ao Grande Capítulo formado em Hartford, em 1798, deve, portanto, com toda a justiça, deve ser dada a precedência de data como sendo o primeiro Grande Capítulo independente com sede nos Estados Unidos – na verdade, podemos dizer que foi o primeiro no mundo, pois os Grandes Capítulos anteriormente estabelecidos na Inglaterra eram como aquele da Pensilvânia, instrumentos dependentes da Grande Loja.

O crédito, entretanto, deve ser dado à Filadélfia de ter introduzido a Maçonaria do Arco Real nas colônias britânicas. Não temos qualquer registro do estabelecimento de um Capítulo em qualquer outra das Províncias antes do ano 1758, altura em que, como vimos, o grau era conferido em um Capítulo anexado à Loja número 3.

Mas, durante os anos subsequentes do século XVIII, o grau, sob diversas modificações, foi introduzido em outros Estados, principalmente por Atholl, ou como eles preferiam ser chamados, ainda que incorretamente, de “Antigos Maçons de York”.

O sistema original inaugurado pelos “Antigos” foi rigorosamente seguido, e como Thomas Smith Webb, o fundador do sistema norte-americano disse, durante todo aquele período em que “um número competentes de companheiros, dotados de capacidades suficientes, sob a sanção de uma Carta Constitutiva de Mestre passaram a exercer os direitos e privilégios dos Capítulos do Arco Real, sempre que eles acham conveniente e adequado, embora na maioria dos casos, a aprovação de um Capítulo vizinho fosse considerada útil, se não apropriada”. [14]

O grau praticado era aquele da Grande Loja dos Antigos da qual ele era originário. Virgínia foi, no entanto, uma exceção. Não se sabe se o Arco Real Inglês Royal era trabalhado no início do período da Maçonaria naquele Estado. O Dr. Dove, o autor do texto do Catecismo da Maçonaria do Arco Real da Virgínia, nossa maior autoridade no assunto, não nos informa.

Joseph Myers era um dos delegados e M.M. Hayes, que tinha, sob a autoridade do Stephen Morin se empenhado na divulgação dos 25 graus do Rito de Perfeição, que foi posteriormente desenvolvido nos trinta e três graus do Rito Escocês Antigo e Aceito.

Logo após 1783, Myers mudou-se para Richmond na Virgínia, onde, diz o irmão Dove, ele dispensou os graus do Rito Escocês a muitos Mestres Maçons. [15]

Entre esses graus foi o Arco de Enoque, que era na verdade o Arco Real de Ramsay. Este grau, diz Dove, foi ensinado na Virgínia até o ano de 1820, quando foi abandonado e o grau de Webb, que era a modificação do sistema inglês, e que é hoje universalmente praticado nos Estados Unidos foi adotado.

Durante a última parte do século XVIII, vários Capítulos foram organizados na Virginia, cada qual trabalhando sob a autoridade de Carta Constitutiva de Mestre. Esses eram os capítulos em Norfolk, Richmond, Staunton, e Dumfries. Em 1808, os três primeiros se uniram na organização de um “Supremo Grande Capítulo do Arco Real”, que imediatamente assumiu a jurisdição sobre o grau no Estado.

O grau Arco Real foi introduzido em Nova Iorque, não muito tempo após a sua introdução na Pensilvânia, e muito provavelmente por algumas lojas militares inglesas, muitas das quais estavam na época na Província.[16]

A Loja Independente do Arco Real foi autorizada em dezembro de 1760. O Irmão John G. Barker, autor da História do Início da Maçonaria em Nova York, diz que “a história desta loja antes do ano 1784 está envolvida na obscuridade, como também é a origem de seu nome”.[17]

Mas, é evidente que a peculiaridade do nome se refere ao fato de ter estado envolvida em trabalhos do grau Arco Real. Portanto, eu não hesito em colocar, hipoteticamente, a introdução desse grau na Província em um momento contemporâneo ao da organização da loja.

A partir de Nova York, a Maçonaria do Arco Real estendeu-se para outras províncias do Norte, e Capítulos independentes foram estabelecidos que eventualmente deram origem ao Grande Capítulo Geral.

Os capítulos foram sucessivamente formados em diferentes partes da Província, cada um deles agindo sob a autoridade de uma Carta Constitutiva de Mestre. Um dos mais importantes deles era o Capítulo Washington na Cidade de Nova York, que, aparecerá a partir de agora, concedeu Cartas Constitutivas para o estabelecimento de outros capítulos.

Em 1798, um Grande Capítulo Adjunto foi formado sob a Constituição recém-aprovada do Grande Capítulo do Arco Real dos Estados do Norte e, quando em 1799 aquele corpo mudou seu título para Grande Capítulo Geral, o Grande Capítulo Adjunto de Nova York assumiu posto e nome como um “Grande Capítulo.”

Na província de Massachusetts, a Maçonaria do Arco Real foi introduzida por volta do ano 1769, provavelmente um ou dois anos mais tarde.

Naquele ano, a Grande Loja da Escócia, concedeu uma Carta Constitutiva a uma loja sob o título de “St. Andrew’s Lodge nº 82. ” No mesmo ano, pode-se creditar a declaração do irmão C. W. Moore, [18] “o grau foi conferido em Boston, em uma loja Arco Real , que ele “acha” que era vinculada à loja St. Andrew’s. Pesquisas posteriores removeram todas as incertezas quanto a esse ponto.

Não há informações positivas quanto à fonte de onde se originou o ritual do grau como ele era praticado pelo capítulo St. Andrew. Sua introdução foi atribuída a Moses Michael Hayes, que se diz tê-lo introduzido a partir da França, sob a autoridade de uma carta-patente datada de 06 de dezembro de 1778. Esta declaração, o irmão Moore declara não ser verdade, [19] e sua relação oficial próxima por uma longa série de anos com a Maçonaria de Massachusetts, certamente faz dele um juiz competente.

Mas, além disso Hayes era um dos inspetores nomeados por Stephen Morin para a propagação do Rito de Perfeição, que posteriormente tornou-se o Rito Antigo e Aceito, e se o grau havia sido instituído por ele, teria que se presumir, o que não aconteceu, a forma de Arco Real de Ramsay, ou o décimo terceiro grau daquele Rito, como se fez na Virgínia, onde a Maçonaria do Arco Real foi introduzida por Myers, que era um dos colaboradores da Hayes.

Mas, segundo Moore, os graus conferidos pelo capítulo de St. Andrew’s correspondiam em número e nome aos graus que eram então conferidos na Escócia, e, portanto, ele afirma com grande plausibilidade que o sistema foi trazido da Escócia, talvez, ao mesmo tempo em que a Carta Constitutiva para a Loja St. Andrew’s fora emitida.

O grau não teve um rápido crescimento em Massachusetts. Em 1798, havia apenas dois capítulos no Estado. St. Andrew’s em Boston, e King Cyrus em Newburyport. Esses dois se uniram para formar um Grande Capítulo Adjunto, e em 1799 tornou-se o Grande Capítulo de Massachusetts, sob a nova Constituição do Grande Capítulo Geral.

A história da introdução da Maçonaria do Arco Real em Rhode Island apresenta alguns fatos interessantes em referência aos graus que eram, naquela época conferidos em preparação ao Arco Real. [20](2)

No ano de 1793, um certo número de membros da Loja St. John nº 1, na cidade de Providence, reuniram-se para consultar sobre as etapas adequadas a serem executadas para a criação de um Capítulo do Arco Real, após consulta com aqueles irmãos que já estavam em posse do grau.

Um agente foi, dessa forma, enviados a Nova York, que, em 05 de outubro de 1793 voltou com uma Autorização emitida pelo Capítulo de Washington na cidade de Nova York.

Embora chamado nos registros oficiais uma Autorização, as palavras no instrumento mostram que ele era realmente uma Carta Constitutiva. Sua data é 3 de setembro de 1793.

Os irmãos prosseguiram ao abrigo desta Carta Constitutiva com a organização do Capítulo Providence número 2. Isso foi feito em 23 de novembro de 1793, com a ajuda de alguns Maçons do Arco Real, que tinham sido convidados de Newport, e que eram membros de um Capítulo.

Conforme constatamos nos registros deste Capítulo, os principais oficiais, um Sumo Sacerdote, Rei, Escriba, o capitão do Arco Real e Zorobabel, este último oficial, evidentemente, sendo aquele agora conhecido como Principal Sojourner. O fato de que cargo inferior fosse atribuído a Zorobabel, ao invés de um status mais exaltado de Rei, como é o caso agora, mostra que o ritual usado em Nova York e em Rhode Island era diferente do atual.

Tal posição para o “Príncipe do Cativeiro” está mais de acordo com o ritual do grau XVI ou Príncipe de Jerusalém no Rito de Perfeição, que depois se tornou Rito Escocês, mas totalmente incompatível com as funções atribuídas a ele no Arco Real hoje.

Esta circunstância parece indicar que há algum fundamento para a hipótese de que, na sua introdução precoce nas colônias americanas, a Maçonaria do Arco Real foi em grande medida afetada pelos rituais dos Altos Graus trazidos da França em 1761 por Stephen Morin como o agente dos “Delegados Gerais da Arte Real”, com o objetivo de “multiplicar os graus sublimes de Alta Perfeição.” [21]

Morin nomeou seus Delegados, que se espalharam pelas ilhas das Índias Ocidentais e do continente da América do Norte, e há fortes indícios de eles ou alguns deles, exerceram uma influência na organização da Maçonaria do Arco Real em várias partes do país. Cartas de Lojas de Marca eram originalmente emitidas pelos Grandes Conselhos de Príncipe de Jerusalém. O grau Seleto foi um dos títulos honoríficos conferidos pelos Inspetores – vimos que Myers, um dos inspetores de Morin organizou a Maçonaria do Arco Real da Virgínia de acordo com o ritual do grau 13 – Moses Michael Hayes, que também era Inspetor do novo rito era, ao mesmo tempo, Grão-Mestre da Grande Loja de Massachusetts, e como ele era um maçom muito zeloso e um oficial muito enérgico, pode-se duvidar muito pouco de que ele exerceu uma conexão influência junto ao Capítulo de St. Andrew’s, o primeiro Capítulo estabelecido naquele Estado – e, finalmente, temos um fato significativo registrado nos registros da organização do Capítulo, em Providence, o que mostra a íntima relação que existia naquela época entre Maçons do Arco Real, que fundaram o capítulo e certos possuidores de certos Altos Graus importados para este país pelos delegados e agentes de Stephen Morin.

Quando a Autorização ou Carta Constitutiva foi emitida pelo Capítulo Washington para a criação de um Capítulo em Providence, os irmãos a quem ela tinha sido concedida, sentindo-se talvez incompetentes por sua falta de habilidade e experiência para realizar sozinhos a tarefa de organização, convidaram para ajuda os Maçons do Arco Real que residiam em Newport para lhes dar sua assistência na cerimônia. O convite tendo sido aceito, a loja reuniu-se na terça-feira à noite, 29 de outubro. Mas, “necessidade incontornável tendo impedido a presença dos irmãos de Newport, os irmãos que se tinham reunido, decidiram adiar qualquer nova reunião até que eles pudessem vir.” Quase um mês se passou antes que quaisquer outras medidas fossem tomadas para a organização, e foi somente em23 de Novembro que os Maçons do Arco Real de Newport, tendo então comparecido, a organização foi concluída.

A evidência da ligação desses irmãos de Newport com os “Altos Graus” pode ser encontrada no seguinte excerto do registro dos procedimentos:

“Nossos dignos e respeitáveis irmãos de Newport, a saber: R. W. Moses Seixas, grau 45 ou Vice-inspetor Geral da Maçonaria em e por todo o Estado, e Mestre da loja St. John’s nº 1, em Newport; o Venerável Peleg Clark, Grau 28 ou Cavaleiro do Sol e Primeiro Vigilante da Grande Loja neste Estado, e o Exmo. Thomas W. Moore, Grau 28 ou Cavaleiro do Sol e Cônsul de Sua Majestade Britânica neste Estado, tendo neste dia alegremente comparecido à Câmara do Conselho nesta cidade, aceitando o convite, com a expressa finalidade de contribuir para a Formação de um Capítulo do Arco Real, os irmãos do Arco Real aqui, com os irmãos acima referidos e nosso digno irmão Samuel Sterns, grau 7, R.A. (que também aceito o convite), prosseguiram, em conformidade com as Diretivas, nesse caso fornecidas para a abertura e consagração de um Capítulo do Arco Real, de nome ‘Capítulo Providence dos Maçons do Arco Real’ sob a autorização do M.W. Maçons do Capítulo Washington do Arco Real de Nova York, etc.”.[22]

O número “45” é evidentemente um erro de grafia no registro manuscrito ou de impressão na cópia impressa no The Warden. Ele deveria ser “43”. No Breve Histórico de Maçonaria de David Vinton anexado ao seu Menestrel Maçônico publicado em Dedham, Massachusetts, no ano de 1816, será encontrada uma lista dos graus que se diz terem sido conferidos em Charleston, Nova York e Newport. O número é 43, e o último, ou 43d, é Soberano Grande Inspetor-Geral. O número é formado por adição aos trinta e três graus do Rito Escocês, outros dez, abrangendo os graus do Rito americano e diversas ordens de Cavalaria. Nesta enumeração, o Cavaleiro do Sol é conferido como 38 e, portanto, suponho que o número “28” prefixado a este grau no trecho acima citado também é um erro. Esta enumeração de 43 graus nunca foi aceite nem utilizados pelos corpos legítimos do Rito Escocês, mas apenas por algumas associações espúrias que então existiam. Newport foi a localização de uma dessas associações, e Moses Seixas era seu chefe. Isto não afeta, contudo, a verdade da afirmação de que os possuidores dos “Altos Graus”, seja legalmente ou ilegalmente obtidos, procuravam, na infância da Maçonaria do Arco Real neste país, participar na sua instituição e dar uma aparência ao seu ritual.

Há um outro registro nestas atas dos trabalhos do Capítulo Providence que é de muito maior importância, pois mostra, oficialmente, o número, nomes e a sequência dos graus, que no ano de 1793 e durante algum tempo antes eram considerados essencialmente preliminares para o recebimento do Arco Real.

Na reunião de 05 de outubro de 1793, quando a Autorização foi recebida de Nova York, encontramos os seguintes procedimentos registrados:

“Nosso VM tendo sugerido que, para conferir a Grau R. A. seria necessário que os irmãos que eram candidatos ao mesmo fossem previamente iniciados nos Três Graus, que estavam entre o de Mestre Maçom e o de R.A. e para realizar isso o mais rapidamente possível, propôs a abertura imediata de uma loja para aquela finalidade, o que foi feito nesse sentido.

“Presentes, M.W. DANIEL STILLWELL, M.W. JONA. DONNISON, S. W. W. JACOB SMITH, J. W. BR. WILLIAM MAGEE.

“E os Irmãos, cujos nomes seguem abaixo após a devida preparação foram regularmente iniciados nos graus de Mestre de Marca, Past Master e Excelentíssimo Mestre”.

Este registo prova conclusivamente que Thomas Smith Webb não foi o inventor dos graus de Marca e Excelentíssimo, uma opinião que era sustentada por vários escritores maçônicos. Webb não foi iniciado nos graus simbólicos, até cerca de 1792; certamente não antes, por ter nascido em outubro de 1771, ele não estava qualificado pela idade a receber graus em um período anterior. O grau Arco Real ele naturalmente obteve em uma data ainda mais tardia, e é certo que, em Outubro de 1793, ele não poderia ser competente por habilidade ou experiência a inventar um ritual, nem poderia ter tido influente o suficiente para estabelecê-lo.

Tudo o que pode ser justamente atribuído a ele é que, em 1798, e nos anos seguintes em que ele esteve envolvido em ensinar um ritual, ele modificou os graus do Capítulo, assim como os de loja, de modo a lhes dar aquela forma permanente, que desde então eles mantiveram.

Mas, embora pareça muito satisfatório a partir deste registro que cerca do ano de 1793, o sistema de graus conferidos em um Capítulo do Arco Real estava bem estabelecido nos Estados do Norte, pelo menos em Nova York e na Nova Inglaterra, ainda em outras partes dos Estados Unidos e no Canadá, ali permaneceu por um longo tempo, até os primeiros anos do século 19, uma grande diversidade de nomes e números dos seus graus de preparação.

Na Filadélfia, onde a Maçonaria do Arco Real fez sua primeira aparição, tendo sido oriunda da Inglaterra através de uma loja militar com carta concedida pelos Maçons Antigos, o sistema seguido pela Grande Loja Atholl parece ter sido adotado, e o Arco Real seguia imediatamente o grau de Mestre. Tal era o caso na Loja Arco Real número 3, cujas atas, já em 1767 foram preservadas. [23]

Esta loja era assim denominada porque conferia o grau do Arco Real, bem como os três graus simbólicos. Na suas atas, até onde foram publicadas, não encontraremos alusão a qualquer etapa preparatória. Na verdade, a única referência ao grau nas ata anteriores foi em 3 de dezembro de 1767, quando a admissão importante é feita que a iniciação nos graus simbólicos de um candidato que tinha sido Iniciado, Elevado e Exaltado por três Maçons do Arco Real agindo sem uma carta constitutiva era legal. [24] Não há evidência em qualquer outro lugar, tanto na Inglaterra quanto na América, de que essa prerrogativa tenha sido jamais reclamada ou admitidos para os possuidores do grau do Arco Real.

Foi, no entanto, desde cedo feita a qualificação do grau do Arco Real de que o candidato devesse ter sido venerável, quer por eleição ou por dispensa do Grão Mestre.

Constatamos, a partir de atas do Capítulo Jerusalém nº 3 que em 1783 o Arco Real, tal como consta na Pensilvânia diferia tanto daquele conferido na Escócia, que o irmão George Read, provenientes deste último país, onde tinha sido feito Maçom do Arco Real, “não sendo capaz de identificar alguns dos pontos mais interessantes, foi-lhe concedido (em consequência de seu certificado) o privilégio de uma segunda iniciação”. O Irmão Charles E. Meyer, ao citar esse extrato da ata, em sua História da Maçonaria do Arco Real e do Capítulo de Jerusalém número 3, como prova de que os rituais da Escócia e da Pensilvânia não eram semelhantes, diz: “Seria interessante saber quais são esses pontos que o irmão Read não possuía.”

Penso ser muito provável que havia uma diferença nos rituais dos dois países na época, como existe ainda nos dias de hoje. Mas, a prova disso a partir deste registo não é positiva, já que a questão pode, muito naturalmente, surgir, se a dificuldade neste caso, surgiu da diferença de ritual ou da ignorância ou esquecimento do candidato, que possivelmente não se recordava totalmente da lição que lhe fora ensinada.

Em maio de 1795, temos o primeiro registro da adoção da Marca como um grau de preparação, embora o irmão Myers acredite que este fosse, sem dúvida, conferido anteriormente como um grau lateral.

O primeiro registro do grau de Excelentíssimo Mestre nas atas do Capítulo Jerusalém é de 05 de novembro de 1796, e desde então os três graus preparatórios têm sido conferidos na Pensilvânia, como são nos outros Estados.

Na Virgínia, o Arco Real foi introduzido conforme já vimos por Myers, e não era o grau praticado tanto pelos Maçons Antigos da Inglaterra quando pelos Capítulos deste país. Ele era o grau 13 ou Arco Real de Salomão, contido na série de graus do Rito de Perfeição. Deslocado de seu lugar correto no Rito original a que pertencia, fez-se que acompanhasse o Terceiro grau, sem a interpolação de qualquer etapa preparatória.

Posteriormente, os Capítulos da Virginia introduziram graus preliminares, provenientes de outras fontes. Nas atas Grande Capítulo, já em 1808, encontramos referências aos graus de “Excelentíssimo Mestre” e de maçons Excelentes e Super-Excelentes do Arco Real e do Arco”. [25]

Em Connecticut, todos os Capítulos, com exceção de um tinham derivado suas Cartas Constitutivas do Capítulo Washington de Nova York, e, necessariamente, adotaram o sistema de graus que era praticado por ele e pelos Capítulos que ele estabeleceu. Estes graus, conforme já vimos no caso do Capítulo Providence em Rhode Island, eram Mestre de Marca, Past Master e Excelentíssimo Mestre como preliminares para o Arco Real. [26]

Mas, no Capítulo Vanden Broeck em Colchester, que recebera Carta Constitutiva em 1796 do Grande Capítulo de Nova York, os nomes e a sequência dos graus preparatórios eram os seguintes: Mestre de Marca, Excelente Mestre e Super-Excelente Mestre. Em 1800, ele estava de acordo com o sistema tinha sido estabelecido pelo Grande Capítulo Geral. Excelente Mestre foi trocado por Past Master e Super-Excelente por Excelentíssimo. [27] É provável que a mudança tenha sido mais na nomenclatura do que no ritual.

Já vimos que os nomes e as patentes dos oficiais dos Capítulos do século 18 eram diferentes daqueles usados ​hoje. Por exemplo, Zorobabel, que agora ocupa um dos lugares de maior destaque em nosso ritual moderno, antigamente era colocado no final da lista.

Os estatutos do Capítulo Hiram em Newtown, que foram adotados em 03 março de 1792, dão o seguinte relato sucinto dos deveres desses oficiais, e lança considerável luz sobre a história da ritualística da época:

“Será dever do Sumo Sacerdote presidir cada reunião, dirigir os trabalhos e ocasionalmente fazer uma palestra; o Rei deve presidir, na ausência do Sumo Sacerdote, e auxiliá-lo no seus deveres; o Escriba, presidir, na ausência de ambos, fazer com que o Secretário redija de forma justa e regular os procedimentos do Capítulo em um livro adrede preparado, convocar os membros para comparecimento a todas as reuniões ordinárias e extraordinárias e também administrar a obrigação; o Zorobabel, supervisionar as regras do Capítulo; o Capitão do Arco Real manter vigília no Santuário; os três Grão-Mestres, observar os Véus; o Tesoureiro, receber o dinheiro, manter uma conta dos mesmos e nada pagara não ser autorizado pelo Sumo Sacerdote, e prestar contas na reunião anterior à eleição anual; o Secretário, manter as atas, sob a direção do Escriba, receber as taxas de admissão, e paga-las ao Tesoureiro; do Roupeiro, fornecer e cuidar das roupas; o Arquiteto, fornecer e cuidar do mobiliário”.[28]

O Arco Real foi provavelmente introduzido em muitos dos Estados do Sul, como tinha sido no Norte, tanto por portadores do grau vindos diretamente da Inglaterra, ou por lojas militares no exército britânico, e que recebiam suas Cartas Constitutivas da Grande Loja dos Antigos.

Os capítulos não eram, no entanto, organizados como entidades independentes, mas o grau, até algum tempo após o início do século 19, era conferido tanto na Carolina do Sul quanto na Geórgia, e, penso eu, também na Carolina do Norte [29], em Capítulos dependentes de e ou com autoridade derivada de Cartas Constitutivas de Mestre.

Muitos anos atrás, enquanto investigava a história da Maçonaria do Arco Real na Carolina do Sul, fui levado a fazer as seguintes declarações, cuja exatidão eu desde então não tenho motivo para duvidar. [30]

Nos últimos anos, conheci vários Maçons do Arco Real na parte superior da Carolina do Sul, que haviam recebido seus graus em lojas de Mestre. O longo período decorrido desde a sua retirada das atividades da Maçonaria, e as imperfeições de memória devido à sua idade provecta, os impedia de me fornecer todas as informações particulares em relação ao ritual que eu desejava, mas eu soube o suficiente a partir de minhas conversas frequentes com estes Patriarcas da Ordem (todos eles há muito tempo já conseguiram sua herança na Loja Celestial) para permitir-me afirmar, positivamente, que nos condados do norte do Estado, e já em 1813, o grau Arco Real já era conferido em lojas de Mestre. O mesmo estado de coisas existia no Estado vizinho da Geórgia.

O manuscrito Atas do Capítulo do Arco Real número 1, sob a sanção da Loja Forsyth nº 14 estão, ou estavam, até alguns anos atrás, no Arquivo do Grande Capítulo da Geórgia. Para um exame desses registros interessantes que eu estava em débito com a gentileza do Grande Secretário, Comp. B. B. Russell.

O Capítulo reunia-se na cidade de Augusta, e as atas, a que terei a oportunidade novamente de me referir, restringem-se ao ano de 1796.

Estes registros indicam que o Capítulo em Savannah, tendo anunciado sua intenção de pedir à Grande Loja da Geórgia uma autorização ou carta constitutiva, uma carta foi escrita aos irmãos em Savannah pelo capítulo de Augusta em 27 maio de 1796, na qual aparece a seguinte declaração:

“Se existe alguma regra ou estatuto que exige que um Capítulo do Arco Real solicite uma autorização especial ou Carta Constitutiva, não é de nosso conhecimento. Entendemos que a Carta Constitutiva concedida à Loja Forsyth era suficiente para que seus membros conferissem qualquer grau na Maçonaria de acordo com os antigos usos e costumes “. [31]

O mesmo uso foi adotado ao mesmo tempo, na Carolina do Sul, onde, conforme já foi afirmado anteriormente, a Loja Orange número 14 em 1796 adotou uma resolução para “sancionar a abertura de um Capítulo do Arco Real sob sua jurisdição”, e novamente em Janeiro de 1803, resolveu “que o privilégio da Carta Constitutiva dessa loja seja concedido para uso do Capítulo do Arco Real de Charleston”. [32]

Que esse uso não se limitava exclusivamente às lojas Atholl é indicado pelo fato de que embora a Loja Orange na Carolina do Sul fosse uma loja de “Maçons Antigos”, todas as lojas na Geórgia eram “Modernas”; a Grande Loja Atholl da Inglaterra nunca tendo estendido sua jurisdição sobre o Estado, nem organizado qualquer loja nele.

Os primeiros capítulos nesses Estados, segundo a Constituição do Grande Capítulo Geral foram estabelecidos em 1805 em Beaufort na Carolina do Sul e em Savannah na Geórgia.

O Grande Capítulo do primeiro Estado foi formado em 1812; o do segundo em 1816.

Mas voltando ao assunto do ritual inicial da Maçonaria do Arco Real e às diferenças que prevaleceram até o final do século 18 nos nomes e caráter dos graus, encontraremos algumas informações interessantes nas atas do Capítulo do Arco Real de Augusta.

O negócio de eleger candidatos para o Arco Real foi realizado em uma reunião informal dos Maçons do Arco Real. Uma Loja de Mestres foi aberta, quando, a qualificação para exaltação era “passar pela cadeira”; eles foram feitos o que agora é chamado de “Past Master Virtual”.

Encontramos isso nos registros da primeira reunião do Capítulo do qual foi retirada uma transcrição exata feita por mim a partir do manuscrito original.

“Em uma reunião dos signatários, Maçons do Arco Real na Loja Forsyth em 29 de fevereiro, 1796.

“Lida uma petição de irmãos Joseph Hutchinson, William DeArmond e John McGowan, Mestres Maçons da Loja Forsyth, pedindo para se tornarem companheiros do Arco Real; e o mesmo sendo aceito, uma Loja de Mestres foi então aberta.

“Presentes: Thomas Bray, Mestre; Thomas Davis, 1º Vig.; D.B. Butler, 2º Vig.; Joseph Hutchinson, Cobridor; Willian DeArmond, John McGowan.

“Os Irmãos Hutchinson, DeArmond e McGowan foram regularmente passou pela cadeira e obtiveram o grau de Past Master, e agradeceram por isso. A loja foi fechada.

“Um Capítulo do Arco Real foi então aberto segundo o costume antigo.

“Presentes: Thomas Bray, S.S; Thomas Davis, CA; Butler DB, R.

“O Irmão Hutchinson (comparecendo) recebeu o grau preparatório; também os Irmãos Past Masters DeArmond e McGowan. Eles foram, então, em rotação elevada para o grau de super-excelente de Maçons do Real Arco, e voltou graças para o mesmo.”

As atas subsequentes são da mesma natureza, exceto que a eleição dos candidatos ocorreu em uma loja do Mestre, e não como na primeira, em uma reunião informal de Maçons do Arco Real. Mas, é claro, é de se supor que todos os Mestres Maçons presentes não só eram Past Masters, mas também eram Maçons do Arco Real.

Mas quais eram os graus preparatórios? Essa pergunta é respondida pela Ata de 29 de novembro de 1796, estes graus são conferidos pela primeira. O registro é o seguinte:

“Em uma reunião extraordinária da Loja Forsyth, convocada por ordem do V.M. e realizada no tribunal em 29 de novembro de 1796, Terça-Feira.

“Presentes: Thomas Bray, Mestre; Thomas Davis, 1º Vig.; William DeArmond, 2º Vig. pro tempore.

“Uma loja de Mestre de Marca foi aberta com a finalidade de conferir os graus de companheiros de ofício e Mestre de Marca aos irmãos John McGowan, Lawrence Trotti e John B. Wilkinson, quando, eles comparecendo, receberam os mesmos e agradeceram à loja; que foi então fechada. Uma loja de Past Masters foi então aberta.

“Presentes: Thomas Bray, Mestre; Thomas Davis, 1º Vig.; William DeArmond, 2º Vig. pro tempore; John McGowan.

“A loja foi aberta com a finalidade de conferir o grau de Past Master aos Irmãos Lawrence Trotti e John B. Wilkinson, quando, comparecendo eles foram regularmente passados pela cadeira e obtiveram o grau de Past Master, e agradeceram pelo mesmo. A Loja foi fechada então fechada segundo o costume antigo. O Capítulo do Arco Real foi então aberto.

“Presentes: Thomas Bray, SS; Thomas Davis, CA; John McGowan, R.; DeArmond William, CAR

“A ata do último Capítulo foi lida. O E.S.S. informou aos companheiros presentes que o Capítulo havia sido convocado com o objetivo de conferir o grau Super-excelente aos irmãos Lawrence Trotti e John B. Wilkinson, que estavam então presentes. O Irmão Trotti, em seguida, foi devidamente preparado e recebeu o grau preparatório de MR e AR, e também o irmão Wilkinson. Eles foram, então, exaltados ao grau de Maçom Super-excelente do Arco Real, e agradeceram. O Capítulo foi então fechado por ordem do E.S.S.”

Esses registros nos fornecem vários fatos interessantes e importantes relacionados com o ritual e a organização da Maçonaria do Arco Real na América por volta do final do século 18.

Os graus de Capítulo eram, então, como já foi demonstrado em outras fontes, atribuídos sob a sanção da Carta Constitutiva de uma loja de mestre, mas o corpo em que o grau de Arco Real era conferido era chamado de Capítulo.

Nove Maçons do Arco Real não eram considerados necessários na época para a abertura de um Capítulo ou a conferência do grau.

Os únicos oficiais mencionados são o Sumo Sacerdote, o Chefe Escriba, Rei, Capitão do Arco Real, Tesoureiro e Secretário, e o Escriba parecendo ter tomado a precedência do Rei. O oficial chamado “Zorobabel” nos capítulos do Norte não é mencionado no sul. Neste último, é provável que o mesmo oficial fosse chamado de “Arco Real”. O Capitão do Arco Real não poderia ter suprido seu lugar, porque ambos oficiais são registados na ata do Capítulo Providence, em Rhode Island. A ausência de um oficial chamado “Zorobabel” nos capítulos do Sul, embora seja encontrado em todos os do norte, evidentemente, indicaria alguma diferença nos rituais das duas seções do país. Também é significativa a este respeito, que nos registros dos Capítulos em Augusta, nenhuma menção seja feita aos três Grão-Mestres dos Véus. Eles são incluídos na lista de oficiais de todos os Capítulos em Connecticut, que obteve suas Cartas Constitutivas e, podemos supor, seus rituais do Capítulo Washington em Nova York.

Sempre foi considerada uma qualificação indispensável para a recepção no grau do Arco Real que o candidato fosse um Past Master. Esta prática, estabelecida na Inglaterra na origem do grau, era seguido por todos os Capítulos nos Estados Unidos. Como à restrição do grau somente àqueles que tivessem presidido durante doze meses uma Loja Simbólica e assim se tornado “Verdadeiros Past Masters” teria circunscrito o número de candidatos dentro de um limite muito estreito e inconveniente, a cerimónia da passagem pela cadeira foi inventada , através da qual o candidato se tornava um “Past Master Virtual”. Esse uso, que foi a origem real do que é agora chamado grau de Past Master foi adotada por todos os Capítulos americano e, assim, os primeiros registros do Capítulo Augusta mostram que cada pessoa, antes de ser exaltada ao grau de Arco Real “passava pela cadeira.”

Primeiro, como monstra a ata de 29 de fevereiro de 1796, a cerimônia era realizada em uma loja de Mestre. O mesmo uso foi observado em várias reuniões subsequentes, mas em 26 de dezembro de 1796, pela primeira vez, está registrado que a Loja de Mestre foi fechada e uma de Past Master foi aberta com a finalidade de conferir o que viria a se tornar, não uma mera qualificação, mas um grau preparatório.

Outros graus preparatórios são mencionados nos mais antigas atas, mas seus nomes não são apresentados, até um período posterior. A partir das atas mais recentes, constatamos o eram estes graus. Eles estão registrados na ata de Novembro, com os seguintes nomes e sendo dados na seguinte ordem:

Past Master, Companheiro de Ofício de Marca, Mestre de Marca, MR, e AR. Estes dois últimos graus nunca são registrados de outra forma que não fossem suas iniciais, mas temos toda razão para acreditar, a partir de outras autoridades, que eram Mestre Real e Arco Real, ou Mestre Arco Real.

Samuel Cole, escrevendo em 1826, diz a respeito desses dois graus que “eles são considerados como meramente preparatórios e são geralmente conferidos imediatamente antes da cerimônia solene de exaltação”. O trabalho de Cole recebeu a sanção da Grande Loja de Maryland, e é, portanto, evidente que esses dois graus eram conferidos ao mesmo tempo nos Capítulos do Estado. Eles não eram conhecidos ou praticados nos capítulos dos Estados do Norte.

Deve-se notar, também, como mais uma evidência da falta de uniformidade nos rituais do século 18, que a ata do Capítulo em Augusta não faz qualquer referência ao grau Excelentíssimo Mestre, que a partir de um período anterior sempre fora conferido como uma etapa preparatória para o Arco Real dos Estados do Norte.

Passando dos Estados Unidos para o Canadá, encontraremos o ritual do Arco Real ao final do século 18, em outra condição, mas ainda confuso.

No ano de 1856, os membros do Capítulo Antigo Frontenac, anexo à Loja de São João 491, registro inglês, situada em Kingston, no Canadá, publicou uma história do Capítulo desde sua organização. A partir deste pequeno, mas interessante trabalho, pode-se ter uma declaração muito satisfatória do caráter e da condição da Maçonaria do Arco Real no final dos 18 e início do século 19.

O Capítulo Antigo Frontenac que é ou era o antigo capítulo no Canadá Ocidental, foi criado na Taverna Freemasons, na cidade de Kingston, em 07 de junho de 1797, sob a sanção de uma Carta Constitutiva que tinha sido concedida à Loja número 6 em 20 de novembro de 1795, pelo VM William Jarvis, naquela época Grão-Mestre Provincial do Canadá, sob a Grande Loja Atholl da Inglaterra.

As lojas de Mestre no Canadá, como nos vizinhos Estados Unidos, assumiu o direito de realizar Capítulos para conferir o grau do Arco Real. Foi um direito sempre sancionado pelo usos dos “Antigos” e tolerado pelos “Modernos”, nem nunca negado até depois da organização do Grande Capítulo Geral em Hartford. No fim de fevereiro de 1806, em uma convocação realizada em Kingston, uma acusação foi proferida contra um membro do Capítulo Frontenac de “conduta não maçônica, na tentativa de separar o Capítulo do Santo Arco Real do corpo número 6.”

Até o ano de 1809, os três principais oficiais do Capítulo eram designados como “1, Sumo Sacerdote, 2, Salomão, Rei de Israel; e 3, Hiram, rei de Tiro” A julgar por isso, temos de concluir que o ritual usado no Capítulo Frontenac diferia muito materialmente de todos os diversos sistemas que prevaleciam na época em outras partes da América.

Os primeiros registros do Capítulo não mostram qualquer tipo de reconhecimento de graus preparatórios. O “Excelentíssimo” foi conferido pela primeira vez em 17 de abril de 1807, e “Marca” em 20 de julho de 1818. Estes graus não eram, entretanto, nem mesmo obrigatórios, mas parecem ter sido assumidos ou não, dependendo do candidato; e como havia uma despesa de comparecimento, poucos irmãos se valeram da oportunidade de os receber. O Past Master, entretanto, era uma qualificação pré-requisito para a exaltação e, como em outros lugares, sempre era conferida na loja de Mestre à qual o capítulo estava vinculado.

Até o final do século passado, muitos candidatos eram exaltados somente quando sete Maçons do Arco Real estivessem presentes, o número místico nove não sendo então necessário para constituir o quórum para outorga do grau.

A Maçonaria Capitular parece ter sido separada no Canadá da maçonaria de Loja em 1806, pois em 18 de janeiro daquele ano uma decisão foi recebida do Grande Mestre Provincial para realizar um Capítulo em Kingston, que, diz o panfleto do qual eu estou citando, era “o primeiro passo na direção desse capítulo trabalhar sob uma Carta separada da loja da maçonaria.”

Em 10 de fevereiro de 1818, o Grande Capítulo do Arco Real do Canadá Superior foi criado, e em 25 de março do ano seguinte o Capítulo Frontenac nº 1 recebeu sua Carta como um de seus constituintes.

Os extratos de atas nas páginas anteriores, retirados dos registros de Capítulos trabalhando no final do último e no início do presente século, foram suficientes para mostrar que então prevalecia naquela época, nas diferentes partes do continente americano, um variedade muito confusa no ritual do Arco Real e do número de graus preparatório, o que demonstra claramente que sistemas conflitantes devem ter-se derivados de fontes diferentes.

Quais foram essas fontes, é impossível dizer com precisão, pelo menos, em cada caso, em consequência da escassez inevitável de registros. A tendência geral da história nos leva a crer que entre essas fontes estavam a Grande Loja dos Antigos, na Inglaterra, e em um período posterior a Grande Loja dos Modernos, ambas divulgaram o grau através de suas lojas militares; a Grande Loja da Escócia , ou melhor, os Maçons do Arco Real daquele reino, que praticavam o grau sem o reconhecimento da sua Grande Loja, e como na Virgínia e Estados do Sul os possuidores dos “Graus Sublime”, como eram chamados, que havia sido introduzido em neste país vindos da França por Stephen Morin e seus emissários ou delegados.

O resultado de se emprestar rituais de muitas fontes diferentes conduziu inevitavelmente a uma diversidade deplorável ​​nas cerimônias, que levou os Maçons do Arco Real, em alguns Estados do Norte a tentar lançar uma base sólida sobre a qual um sistema uniforme pudesse ser estabelecido, e a constituição de uma entidade superintende que deveria manter essa uniformidade, e dar à Maçonaria Capitular uma simetria e forma que garantisse a ela a permanência e sucesso, como havia sido dado à Maçonaria Simbólica pelos trabalhos ritualísticos de Desaguliers e seus associados na segunda e terceira décadas do século 18.

Este trabalho de reforma e de purificação, em que a escória foi rejeitada e somente o minério puro retido, foi finalmente realizado pela instituição do Grande Capítulo Geral dos Estados Unidos, que foi um dos eventos mais importantes na história maçônica dos Estados Unidos.

Para este evento, portanto, devemos a seguir dedicar nossa atenção. Mas a extensão e o interesse do assunto exige um capítulo separado para seu exame.

Fonte:

http://www.masonicsecrets.org/history-of-freemasonry/part2/introduction-of-royal-arch-masonry-into-america.html


[1] Assim é afirmado no “Registo das Lojas Atholl” de Gould, p. 16, e o fato é confirmado por pesquisas mais recentes da Grande Loja da Pensilvânia.

[2] “Esboço Histórico da Loja Orange”. Ver “História da Maçonaria na Carolina do Sul” de Mackey, p. 471.

[3] “Ahiman Rezon da Pensilvânia,” edição de 1825, p. 79.

[4] “Filadélfia, a cidade-mãe da Maçonaria na América”, p. 99.

[5] “Lojas Atholl”, Gould p. 16.

[6] Ibid., p. 102. Devido a um erro de digitação do número aparece como 361 ao invés de 351 como deveria, evidentemente, ter sido.

[7] Em um artigo sobre “Lojas Militares”, publicado pelo irmão Gould em “Freemasons’ Chronicle”, e copiado para o “Keystone” (31 de julho de 1880), ele descobre após muita pesquisa, muita dificuldade em” desembaraçar a história da Loja número 18.” A única explicação totalmente satisfatória, e que tem sentido, é aquela dada no texto

[8] Compilados e publicados com autorização da Grande Loja, 177

[9] “História Antiga”, etc., p. 11. A “Regimento Real Irlandês” mais tarde tornou-se o oitavo nos Rols do exército britânico. ver “Calendário Imperial Britânico para 1819” de Debrett, p. 137

[10] “Ahiman Rezon da Pensilvânia,” edição de 1825, p. 67

[11] Ibid., p. 68.

[12] “História Antiga e Constituição da Grande Loja da Pensilvânia”. p. 35

[13] “Ahiman Rezon da Pensilvânia,” edição de 1825, p. 79.

[14] “Freemason’s Monitor,” p. 155.

[15] “Virginia Text Book,” p. 91.

[16] Das nove lojas envolvidas em 1782 na organização da Grande Loja Provincial de Nova York, seis eram lojas militares, vinculadas a diferentes regimentos do Exército Britânico.

[17] “História Antiga e Transações da Grande Loja do Estado de Nova York”, publicado pela Loja Kane, 1876, p. 17.

[18] “Freemasons’ Monthly Magazine,” vol. xii., p. 165.

[19] “Freemasons’ Monthly Magazine,” vol. xii., p.

[20] Os fatos expostos nessa narrativa são derivadas dos registros da Loja St. John’s, cujas atas foram publicadas em “O Vigilante”, uma revista maçônica, impressa em Providence, nº IV., Setembro, 1879, p. 23 e segs.

[21] A linguagem da Patente emitida para Morin.

[22] Procedimentos do Capítulo Providence, publicados em “O Vigilante”, n º IV, p. 24.

[23] Ver “História Antiga e Constituição da Grande Loja da Pensilvânia”, Parte 1, p. 11

[24] “Parece ser por boa autoridade que o irmão John Hoodless tenha sido devida e legalmente iniciado, elevado e exaltado em Fort Pitt no ano de 1759 pelos nossos irmãos, John Maine, James Woodward e Richard Sully, todos Maçons do Arco Real”. Minutos da Loja do Arco Real, n. º 3.

[25] Dove, ” Royal Arch Text Book,” p. 132.

[26] Não havia, entretanto, uniformidade absoluta. Segundo Wheeler (“Registros da Maçonaria Capitular em Connecticut”, p. 21), as atas do Capítulo Salomon n º 5 em Derby não contêm qualquer registro do grau de Past Master até janeiro de 1796, e Marca e Excelentíssimo Mestre não são mencionados até um período posterior.

[27]  “Registros da Maçonaria Capitular em Connecticut”, p. 24.

[28] Estatutos do Capítulo Hiram , Artigo VIII. Ver Wheeler “Registros Iniciais.” D. 10.

[29] A primeira Carta Patente para um capítulo independente na Carolina do Norte foi concedida em 1808 pelo Grande Capítulo da Virgínia para “diversos Maçons do Arco Real” no Condado de Bertie. Mas o pedido foi recomendado pela Loja em Windsor, e pelo Venerável Mestre da Loja em Winston. Os Maçons do Arco Real que assinaram a petição já tinham, é de se supor, recebido o grau nestas lojas. Dove, ” Royal Arch Text Book,” p. 122.

[30] “História da Maçonaria na Carolina do Sul” de Mackey, 1861, p. 471.

[31] “MS. Atas do Capítulo Arco Real de Forsyth”.

[32] “Esboço Histórico” anexado aos Estatutos da Loja Orange, p. 4


Publicado on junho 2, 2011 at 5:26 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/a-introducao-da-maconaria-do-real-arco-na-america/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: