A Conspiração de Deus – A Política de Relações Exteriores de Grande Loja

Tradução José Filardo

Por V.´. Irmão Jack Buta MPS
PM Paradise Valley Silver Trowel Lodge #29
Arizona Grand Lodge, EUA
Maçom Grau 32 do Rito Escocês

Um olhar amplo sobre as relações exteriores de Grandes Lojas e suas políticas. Cobre o Pacto Internacional de 1814, o Congresso de Lausanne de 1875 e outros eventos, incluindo o “Caso Minnesota” de 2001-2002.

Hoje, por um par de notas de cem dólares você pode recolher material da bochecha, enviá-lo a um laboratório e em duas semanas você pode traçar a sua genealogia até 5.000 anos atrás. É muito ruim, que não possamos recolher material de nosso cérebro ou intelecto para ver o que os nossos antepassados estavam pensando naquela época, mas, para isso precisamos da palavra escrita. Felizmente, para os pesquisadores maçônicos temos mais que suficiente documentação ao longo de um par de séculos para nos permitir obter algum conhecimento das filosofias e crenças de nossos primeiros irmãos, ambas fortemente entrelaçadas com religião.

Embora a Maçonaria negue todas as alegações de que é uma religião, não pode haver dúvida de que ela tem sérias conotações religiosas e, embora a discussão sobre religião seja proibida nas lojas, ela permeia todos os aspectos da Maçonaria. E isso acontece desde o início. Nós vemos a forte temática religiosa em todos os manuscritos maçônicos iniciais. Alguns afirmam que o mais antigo manuscrito sobrevivente, o velho poema Regius do século XIV foi copiado das “Instruções a um Padre de Paróquia” por John Myrk. Embora o júri ainda não tenha decido sobre isso, fica claro que o poema pertence à classe de Inglês Médio, trinitário, literatura didática escrita para ensinar lições de moral e ética. Essas mesmas proclamações religiosas são repetidas nos (3848) manuscritos de Cooke, Lansdowne e Sloan. Na verdade, os aproximadamente 20 manuscritos reconhecidos escritos antes da Grande Loja quase todos eles começam com uma invocação à Santíssima Trindade. Por mais de 100 anos, a Europa havia sido dilacerada por guerras sangrentas à medida que reis e a igreja utilizavam igualmente Deus, ou melhor, a sua própria definição de Deus para denunciar seus inimigos. A religião tornou-se a bandeira sob a qual a guerra podia ser declarada para dimensionar poder e propriedade. Durante o início da década de 1600, homens que não eram pedreiros de profissão começaram a procurar santuário nas salas das Lojas onde eles podiam falar abertamente, sem medo de traição. [i] No momento em que a Grande Loja de Londres e Westminster foi fundada em 1717 a Inglaterra estava finalmente emergindo do rescaldo da Reforma. Novas denominações tinham criado raízes e se a Maçonaria quisesse espalhar-se fora dos limites da Inglaterra, a fraternidade teria de abrir suas portas aos crentes que não fossem cristãos trinitários.

A Proclamação maçônica de Fé

Em 1722, James Anderson, um ministro presbiteriano e maçom foi contratado pela nova grande loja de reescrever a sua constituição. Ele fez um movimento dramático e corajoso, a fim de perseguir a ideia de uma fraternidade universal. As duas primeiras obrigações em sua nova constituição foram pontos de partida radicalmente inovadores de conceitos previamente existentes e que permitiriam à Fraternidade alcançar homens de todas as fés. Sua primeira Obrigação, lidando com Deus e da religião causaria mais comentário e má interpretação do que qualquer outra nos últimos 285 anos, onde se lê:

“Um Maçom é obrigado em sua ação, a obedecer à lei moral, e se ele compreende corretamente a Arte, nunca será um ateu estúpido nem um libertino sem religião. Mas, embora em tempos antigos os maçons fossem obrigado em cada País a ter a Religião daquele país ou nação, qualquer que fosse ela, ainda assim pensa-se ser agora mais conveniente obrigá-los a ter apenas aquela religião na qual todos os homens concordam, deixando suas opiniões particulares para si ; isto é, serem homens bons e verdadeiros, ou Homens de Honra e Honestidade, quaisquer que sejam as Denominações ou Obediências que os possa distinguir; dessa forma a Maçonaria se torna o centro da União, e os meios de conciliar a verdadeira amizade entre pessoas que de outra forma permaneceriam perpetuamente separados.” [ii]

Anderson começa reafirmando a obrigação de um Mason de cumprir a lei moral. Para cada religião daqueles dias isso incorpora o conceito de não fazer aos outros aquilo que não se faria a si mesmo. Um Maçom que entende a arte da Maçonaria nunca poderia duvidar da existência da divindade ou ser um libertino moralmente desenfreado, deixando de lado a moral, a ética e a existência de um poder superior operando o universo. Tendo aberto totalmente a porta, ele rejeita o argumento de que em um país cristão, um maçom tinha que ser cristão e afirma que uma vez afirmada a existência de um Ser Supremo e concordando-se em cumprir a lei moral, suas crenças religiosas são de foro íntimo.

Não está na natureza dos homens aceitar nem mesmo as melhores leis, sem tentar mudá-las para sua própria vantagem. Um pouco mais de 30 anos se passariam até que uma nova Grande Loja escrevesse uma outra Constituição, desta vez por um autor católico, Laurence Dermott que tentou devolver a Maçonaria ao reino do cristianismo.

Um maçom é obrigado pelo seu Mandato a observar a lei moral como um verdadeiro NOACHITA; e se ele compreende corretamente a Arte, nunca será um ateu estúpido nem um libertino irreligioso, nem agirá contra a Consciência.

Em tempos antigos, os maçons cristãos eram acusados ​​em agir em conformidade com os usos cristãos de cada país em que eles viajavam ou trabalhavam; sendo encontrados em todas as Nações, inclusive de diversas religiões.

Eles eram geralmente obrigados a aderir àquela religião na qual todos os homens concordam (deixando a cada irmão a sua própria opinião particular); isto é, para ser homens bons e verdadeiros, Homens de honra e honestidade, não importando os nomes, religiões ou convicções pelos quais eles possam ser distinguidos, pois todos eles concordam em três grandes artigos de Noé, suficientes para preservar o Cimento da Loja. Assim, a Maçonaria é o Centro de sua União, e os Meios felizes de conciliar Pessoas que, caso contrário teriam permanecido em um perpétua Distância.” [iii]

Esta Constituição exige que os maçons devem crer firmemente, não só verdadeiramente adorar o Deus eterno da Igreja Católica, mas também nos registros sagrados, que os dignitários e os pais da Igreja cumpriram e publicaram para o uso de todos os homens de bem. E em relação aos ateus, os não-cristãos não precisavam solicitar o ingresso. Sessenta e seis anos depois, o pêndulo balançaria de volta. A Constituição Maçônica da Grande Loja Unida da Inglaterra, formada em 1813 pela fusão de Modernos e Antigos abriu a porta para homens de todos os credos e introduziu o conceito de Deus como o Grande Arquiteto do Universo.

Um Maçom é obrigado em sua ação, a obedecer à lei moral, e se ele compreende corretamente a Arte, nunca será um ateu estúpido nem um libertino sem religião. Ele, entre todos os homens, deve entender melhor que Deus não vê como o homem vê, pois o homem olha para a aparência externa, mas Deus olha para o coração. Um maçom é, portanto, particularmente obrigado a nunca agir contra os ditames de sua consciência. Deixe que a religião de um homem ou modo de adoração seja qual for, ele não é excluído da ordem, desde que ele acredite no glorioso arquiteto do céu e da terra, e pratique os sagrados deveres de moralidade. Maçons se unem aos virtuosos de toda religião no firme e agradável vínculo de amor fraterno; eles são ensinados a ver os erros da humanidade com compaixão, e esforçar-se, pela pureza de sua própria conduta para demonstrar a excelência superior da fé que eles possam professar. Assim, a maçonaria está no centro de união entre os homens bons e verdadeiros, e os meios felizes de conciliar amizade entre aqueles que de outra forma, manter-se-iam em distância perpétua. “[iv]

O conceito de Deus em relação à filosofia maçônica continuaria pelos próximos 200 anos, conforme ilustrado no seguinte diálogo entre Albert Pike e Henry Leeson.

Em 1861, Henry B. Leeson do Supremo Conselho da Inglaterra escreve: “Foi um privilégio coletar e preservar os disjecta membra do Rito Antigo espalhada neste e em outros países, os quais atestam a antiga base cristã da Ordem. ” [v]

No entanto, o sistema de 33 graus do Rito Escocês de graus traça as suas raízes somente até a Grande Constituição de 1785, supostamente sob a autoridade de Frederico II. Portanto, qualquer referência a uma antiga base cristã precisaria referir-se à Maçonaria em geral e não ao Rito Escocês, em particular.

Em resposta a esta carta, o Soberano Grande Comendador da REAA SJ, Albert Pike, escreve: “Eu não concordo com o Ilmo. Irmão Leeson, que a base antiga da Ordem era cristã. Se assim fosse, a Maçonaria prussiana teria estado certa ao excluir judeus da admissão às suas Lojas. Se assim fosse, seria uma fraude afirmar que a Maçonaria é universal. Nesse caso, como poderiam existir Lojas de hebreus e muçulmanos? E em relação ao Rito Antigo e Aceito, se ele tivesse uma base cristã, como é que a maioria daqueles que tiveram sua posse neste país de 1763 a 1800 eram hebreus? ” [vi]

Dez anos depois, o irmão Lindsay Mackersy 33°, o Delegado Escocês ao Congresso de Lausanne de 1875 iria protagonizar a maior jogada de desorientação da História Maçônica ao usar o conceito maçônico de crença em um Ser Supremo para anular e cancelar de forma cuidadosamente orquestrada os planos dos Supremos Conselhos Inglês e Francês, enquanto ao mesmo tempo, dava início a uma troca de tiros que ainda grassa nos dias atuais. John Mandelburg escreve: “Embora Pike desejasse ver o REAA como tão “Universal” quanto a Maçonaria Craft, ele sempre sustentou rigidamente o que era proclamado por todos os corpos maçônicos regulares desde tempos imemoriais, uma profissão de fé por cada candidato no Grande Arquiteto do Universo como um Ser pessoal, cuja vontade revelada está contida em qualquer Volume da Lei Sagrada reverenciado pelo Iniciado. Que o Conselho Supremo Inglês foi ainda mais longe na exigência dos irmãos sob sua jurisdição de uma crença explícita na fé trinitária cristã, reforçada, ao invés de removida dessa posição. Nem Pike, nem, na verdade, qualquer membro dos três Supremos Conselhos britânicos, poderia conceber uma Maçonaria regular, que não fosse baseada em uma crença em uma divindade pessoal. “[vii]

No entanto, os persas acreditavam na existência de um Deus invisível. Eles acreditavam que há uma guerra contínua entre as forças do bem (forças da luz) e as forças do mal (forças das trevas). As forças do bem ganharão se as pessoas fizerem boas ações, tiverem bons pensamentos e falar bem. Deus era representado em seus templos através do fogo. Pike devia ter uma crença semelhante, porque ele cita o seu catecismo em sua palestra sobre o grau 28: “Nós acreditamos em um só Deus, e não acreditamos em qualquer um além D’Ele; que criou os céus, a terra, os anjos. . . Nosso Deus não tem nem rosto, nem forma, nem cor, nem formato, nem lugar fixo. Não há outro como ele, nem pode a nossa mente compreendê-Lo”. [viii]

Por que então Pike contradiz-se após o Congresso de Lausanne de 1875?

Acontecimentos que levaram ao Congresso de Lausanne de 1875

Na segunda-feira, dia 27 de junho e continuando até sábado, 02 de julho de 1814 foi realizada uma conferência no Freemasons Hall, em Londres. Estiveram presentes o Grão-Mestre dos Maçons da Inglaterra (da recém-constituída Grande Loja Unida da Inglaterra “GLUI”), sua Alteza Real o duque de Sussex, o Grão-Mestre dos Maçons da Irlanda, Sua Graça o Duque de Leinster e o Grão-Mestre dos Maçons da Escócia, o Honorável Lord Kinnaird. Durante esta semana, foi alcançado um acordo exclusivo entre as Grandes Lojas. Pela primeira vez, um acordo formal foi assinado regendo as relações exteriores entre jurisdições irmãs. Ele tornou-se conhecido por nós como o Pacto Internacional de 1814. O acordo consistia em oito resoluções, a última das quais sendo o acordo a ‘ser relatado nos seus registros e impressos e distribuídos a todas as três Grandes Lojas, inseridos nos registros das mesmas e impresso e distribuído a todas as lojas por ele regidas.

Estes artigos são duplamente importantes. Por um lado, eles comemoram a reconciliação das duas Grandes Lojas inglesas que haviam brigado por mais de 50 anos.

Por outro, eles definiram as bases para cada acordo bem sucedido nas relações jurisdicionais maçônicas a partir desse ponto. Eu providenciei uma cópia completa deste documento no Apêndice A. O preâmbulo afirmava ‘Depois de exame Maçônico estrito sobre assuntos que não pode nem ser escritos nem descritos, foi apurado que as Três Grandes Lojas estavam perfeitamente em união em todos os grandes e essencial pontos do Mistério & Craft de acordo com a as tradições imemoriais e usos ininterruptos de antigos Maçons, e elas reconheceram esta unidade em uma maneira fraternal, unindo as Grandes Lojas Internas, conforme elas seriam chamadas, em uma só filosofia e ritual de maçonaria.

As primeiras duas resoluções tratam de um acordo sobre o que constitui a pura e antiga Maçonaria e sobre a necessidade de constante relação fraternal, correspondência e comunhão entre as três Grandes Lojas. A terceira pede uma adesão estrita e sagrada à simplicidade, pureza e ordem das antigas tradições e princípios, ou as “verdades eternas” sobre os quais a Maçonaria foi fundada originalmente. A quarta resolução será tratada separadamente. A quinta resolução lida com a necessidade de estabelecer que qualquer Irmão solicitando auxílio maçônico seja capaz de estabelecer, sem dúvida, que ele é um verdadeiro Irmão e não um impostor. A sexta resolução mostra que, mesmo em 1814, as Grandes Lojas estavam preocupadas ‘não só quanto ao caráter moral dos indivíduos a serem admitidos, mas quanto ao seu conhecimento em seu avanço gradual’. A sétima resolução lida com o caráter de maçons. “cuja importância deve ser evidente para a Fraternidade em geral, que por motivos de apego ao bem-estar da maçonaria em geral, bem como ao valor necessariamente tido por cada Irmão individualmente em relação ao interesse de seu próprio caráter privado, deveria ser conhecido por toda a superfície do globo habitado, que seus princípios absolutamente desaconselham em todas as suas Reuniões toda pergunta que poderia ter a mais remota tendência de excitar controvérsia em matéria de religião, ou qualquer discussão política o que não tenha outro objetivo em vista a não ser o encorajamento e aprofundamento de todo sentimento moral e virtuoso, bem como também de nutrir mais particularmente as mais calorosos chamadas de Benevolência Universal e Caridade de uns em relação aos outros.

Eu escolhi separar a quarta resolução devido à sua importância para a maneira pela qual as relações externas com jurisdições irmãs devia prosseguir. Em consequência disso, darei esta resolução na íntegra.

“4a. Que cada Grande Loja preservará os seus próprios limites, e nenhuma Carta Constitutiva será concedida ou revista por qualquer uma dessas partes para a realização de uma Loja no âmbito da jurisdição de cada uma das outras – Que no caso de qualquer uma de suas respectivas Lojas Militares, estando no decurso de serviço residente por um período dentro dos limites de qualquer uma das outras, ela continuará a efetuar seus pagamentos à sua própria Grande Loja, mas será reconhecida, visitada e terá o direito de visitação e as relações com as Lojas regulares onde elas possam estar. Ficando entendido e positivamente estipulado e promulgado que tal Loja Militar não iniciará, elevará ou exaltará qualquer pessoa ou Irmão que na não pertença efetivamente ao Batalhão ou Regimento ao qual a referida Loja está restrita, e ainda que a prática atual no que diz respeito a Lojas estabelecidas em partes distantes sob qualquer uma das Três Grandes Lojas continuarão na presente situação. ”

A primeira frase desta resolução apela ao respeito do princípio da jurisdição territorial exclusiva 138 anos antes de o Comitê de Informação para o Reconhecimento da Conferência dos Grandes Mestres Na América do Norte promulgasse uma orientação semelhante, em 1952. É interessante notar que, de acordo com o irmão R.E. Parkinson em sua História da Grande Loja da Irlanda, a tinta ainda nem estava seca neste pacto antes que a Grande Loja Provincial Inglesa no exterior começasse a reivindicar autoridade sobre Lojas irlandesas dentro de sua jurisdição. Isso resultou na necessidade, em 1821, de cada uma das Home Grand Lodges ter um representante das outras duas jurisdições irmãs instalado como Grande Oficial. [Ix] Também lança um pouco mais de luz sobre a possibilidade de que fosse mais do que apenas a redação no Congresso de Lausanne de 1875 sobre uma profissão maçônica da crença no Grande Arquiteto do Universo que levou a saída repentina do irmão Mackersy de Lausanne. Em 1859, o Grande Secretário da Grande Loja Unida da Inglaterra, William Gray Clarke, enviou uma carta a todos os Mestres das lojas da GLUI dizendo-lhes para não se reunir com corpos maçônicos irregulares. Foi a base para uma gritaria que se desenvolveu sobre o ‘Rito de Memphis “.

A carta do Grande Secretário começava: “Fui instruído a informá-los … que não existem atualmente em Londres e em outras partes deste país Lojas espúrias alegando ser Maçons. ” Ele alertava os Mestres a ter cuidado para não admitir quaisquer maçons ‘Memphis’ irregulares em suas próprias lojas e enfatizava que “os Irmãos do sua Loja … não podem manter qualquer comunicação com lojas irregulares, sem incorrer em pena de expulsão da Ordem, e a responsabilidade de ser processado nos termos da Lei 39 de George III, por tomar parte nas Reuniões de sociedades secretas ilegais “. [X] Esta carta veio à tona novamente em 1871, durante um confronto envolvendo Robert Wentworth Little e o Irmão John Montagu, Grande Secretário-Geral do Conselho Supremo do Grau 33.

O Congresso de Lausanne de 1875 e como os escoceses usaram Deus para destruí-lo.

Em 1854, a Grã-Bretanha e a França tinham ido à guerra contra a Rússia na Crimeia; embora tivessem parado o avanço russo, a campanha havia sido, por outro lado, um desastre simbolizado pela carga da Brigada Ligeira no vale errado. A vitória acendeu um novo espírito de nacionalismo e expansão colonial na França. Em 19 de julho de 1870, a França declarou oficialmente guerra ao Império prussiano, que terminou em uma derrota humilhante em 1871. Para piorar a situação, os atos de Napoleão III e seu governo tinham isolado a França das outras potências europeias. A Inglaterra sob Gladstone ficou de fora do conflito com seu recente aliado, como fez a outra grande potência europeia, a Rússia, que não estava disposta a ajudar a França após a participação francesa na humilhação da Rússia durante a Guerra da Crimeia.

Em 1875, catorze anos depois de Pike ter começado sua campanha para convocar uma Conferência Mundial dos Supremos Conselhos, ela finalmente aconteceu em Lausanne, na Suíça. Infelizmente, até agora, não só as políticas nacionais dos países representados pelos Conselhos Superiores estão em conflito, mas assim estão as política dos próprios Supremos Conselhos. O Supremo Conselho da França reconheceu recentemente o Supremo Conselho espúrio da Louisiana, apesar deste estar dentro da jurisdição territorial reclamada pelo Conselho Supremo S.J. Esta ação exasperou uma situação já hostil resultante da concessão de carta constitutiva em 1850 à loja Le Progres de l’Oceanie (Progresso da Oceania) no Haway pelo Conselho Supremo da França. [xi]

Essas ações enfureceram Albert Pike, a ponto de nem ele nem qualquer outro oficial de um dos Supremos Conselhos dos Estados Unidos participar da conferência. Era um presságio do que estava por vir.

Essa, então, era a atmosfera em que o Congresso de Lausanne foi convocado em 6 de setembro. Uma descrição dos eventos nesse primeiro dia é fornecida pelo irmão C. John Mandelberg.

“Montagu, em nome da Delegação Inglesa, evidentemente não queria que tanto tempo fosse gasto com o que ele aparentemente via como cabelo-em-ovo, que nada foi deixado para garantir um acordo sobre as propostas inglesas. Assim, no primeiro dia das reuniões, ele concordou com a fórmula, da qual ele pode até ter sido um dos autores, de que “a Maçonaria proclama, como tem proclamado desde a sua origem, a existência de um princípio criador (principe createur), sob o nome de Grande Arquiteto do Universo. ” [Xii] No entanto, é preciso lembrar que o Rito Escocês Inglês (comumente chamado de Rosa Cruz) era, e em grande medida ainda é, fortemente trinitário por natureza. Em essência, somente membros da Igreja da Inglaterra estabelecida podiam ingressar; metodistas, Unitários, etc. não precisavam se candidatar. Assim, qualquer tentativa da Inglaterra de relaxar a definição de Deus como um quid pro quo para o qual eu apontarei como uma clara violação das resoluções do Pacto Internacional de 1814 ilustra o quão longe princípios podem ser dobrados em favor do poder.

Com o que foi pensado como preliminares fora do caminho, o conselho estava pronto para chegar até o verdadeiro objetivo do Congresso. O primeiro deles era o “Tratado de Aliança”. Isso definiu em seus segundo e subsequentes artigos quase tudo o que Albert Pike havia proposto no projeto de agenda, que ele havia circulado antes do Congresso. Não havia, no entanto, a ser explícito um organismo supranacional, mas o mesmo objetivo devia ser alcançado por ter o que era, de fato, uma comissão permanente dos membros dos Conselhos Superiores que aderiram ao Tratado, juntamente com um tribunal internacional de S.G.I.G.’s, um “Supremo Tribunal”, por assim dizer, para resolver as diferenças, com relação à autoridade dos Conselhos Supremos dentro de suas próprias jurisdições nacionais. [xiii]

A única coisa que poderia ter sido adiantado contra o procedimento, é que era, provavelmente, demasiado pesado para ter funcionado satisfatoriamente se o seu julgamento alguma vez fosse solicitado.

O Primeiro Artigo do Tratado era uma questão diferente. Foi destinado a resolver a questão de disputa de jurisdição. Talvez fosse por se recusar a se opor ao ‘principe createur’ que a delegação inglesa tinha garantido a aceitação de seu segundo objetivo principal. Embora algumas das definições de jurisdição, por exemplo, a do Conselho Supremo da Itália, eram, talvez, questionável, os dois primeiros eram para provar algo parecido com uma bomba.

“Para a França, com seus três Departamentos da Argélia, Oran e Constantine e todas as suas dependências. Para a Inglaterra, País de Gales e as dependências da Coroa Britânica.”[Xiv] Confrontado com a segunda dessas definições, era inconcebível que o Supremo Conselho a Escócia humildemente ratificaria o Tratado. Mas a primeira cláusula, inócua como parecia se à primeira vista, acrescentaria mais lenha à disputa entre o Supremo Conselho, SJ, EUA e o do Grande Oriente de França motivada pelo reconhecimento deste último do Supremo Conselho espúrio da Louisiana; o Supremo Conselho SJ já tinha “ocupado” as “Ilhas Sandwich” (Hawaii), que os franceses haviam persuadido a Conferência de que estava sob sua proteção, e adotar esta cláusula seria tornar sua presença ilegal. [xv]

Era óbvio para Mackersy, o Representante escocês, que ele não podia aceitar as definições de jurisdição tal como propostas. Isso eliminaria a existência dos Ritos escocês e irlandês das colônias. Esta foi uma clara violação da resolução 4 do Pacto Internacional de 1814. Ele teve de encontrar uma maneira de evitar que ela se tornasse eficaz, mas ele não tinha os votos para derrubar a resolução Anglo-Francesa. Se ele não podia parar a resolução, então, ele tinha de parar o Congresso. Para isso, Mackersy escolheu a proclamação recém-definida de fé como forma de derrotar tanto a Inglaterra quanto a França, sem correr o risco de um grande confronto. Em seu artigo, “Le Convent des Supreêmes Conseils du Rite Ecossais Ancien et Accepté – Lausanne, 6-22 Septembre 1875”, Alain Bernheim, grau 33 inclui uma cópia da carta de Mackersy ao seu anfitrião datada 08 de setembro que eu incluo como Apêndice B.

Em uma jogada digna de Disraeli, Mackersy envolveu-se em sua própria proclamação de fé, colocando a si mesmo e seu Conselho Supremo em uma posição inatacável, que lhe permitiria desautorizar o Congresso e todas as suas descobertas, incluindo a definição odiosa de Jurisdição. Depois de ter jogado o seu trunfo, ele imediatamente retirou-se do Congresso antes que a Inglaterra ou a França pudesse reagir.

Pode-se apenas supor como a carta de Mackersy picou os membros representantes do Supremo Conselho Inglês. O Supremo Conselho da Suíça tinha circulado a agenda, incluindo a ideia proposta de expandir a definição de uma crença não-secular em um Ser Supremo que pudesse ser aceita pelos membros de qualquer religião. [Xvi] A questão tinha surgido não como uma questão importante, mas como mera ação rotineira interna, algo a ser tratado antes que o verdadeiro negócio do Congresso pudesse começar. Agora, eles seriam vistos como agentes da doutrina ateísta. Embora o Congresso continuasse, e os demais participantes assinassem as emendas, seus esforços estavam condenados ao fracasso.

No mês seguinte, a Inglaterra tentou avançar com os acordos através do envio de cartas para as colônias, proibindo o contato com os capítulos escoceses existentes. Entretanto, a bomba-relógio que a Escócia tinha deixado sobre a mesa estava a ponto de explodir causando enormes danos colaterais. A Irlanda imediatamente entendeu o perigo que a nova definição de Jurisdição traria para eles se fosse permitido que fosse aceita por todos os Supremos Conselhos e juntou-se à Escócia sobre a questão. As palavras “princípio criador” agora se tornaram sinônimo de “ateísmo”. A Inglaterra respondeu às acusações da Escócia em fevereiro de 1876, afirmando que seria difícil conceber como o nome Grande Arquiteto do Universo pode ser atribuído a qualquer coisa que não seja um Deus pessoal, mas agora a batalha sobre dogma religioso tinha chegado a um ritmo de febre. A Escócia tinha enviado cópias de suas objeções a outro Supremo Conselho, que seria prejudicado pela nova definição de Jurisdição.

Não só tinha Mackersy sozinho desfeito as ambições dos Supremos Conselhos inglês e francês de expandir seus domínios, sem uma briga séria, mas fê-lo, pelo simples mecanismo de manejar a semântica com uma declaração de fé. Nem mesmo ele poderia ter imaginado que, com uma letra, restabelecesse a manifestação de um Deus pessoal em Grandes Lojas Maçônicas regulares pelos próximos 125 anos.

Albert Pike passou vários meses escrevendo cartas indignadas, contestando a nova definição de jurisdição à Inglaterra e à França. Ele chegou à conclusão de que Mackersy tinha inventado a única maneira de lidar com o problema. Em abril de 1876, ele reverteu suas posições anteriores em relação ao conceito de Deus e juntou-se à Escócia e Irlanda. Pike escreveu ao Supremo Conselho da Escócia, afirmando que: “noções em relação ao Princípio Criador produzirão fermentação e efervescência.” e que “se fôssemos adotar a frase, os nossos santuários seriam abandonados e nossos rituais seriam aniquilados”. [xvii]

O Grande Oriente da França, vendo a batalha sobre a Proclamação da Fé Maçônica se desenvolver, tentou contornar toda a questão, fazendo uma interpretação de primeira obrigação de Anderson para significar que a crença em Deus não era necessária. Na sua Assembleia Geral realizada em 13 de setembro de 1877, ele proclamou que era desnecessário que um candidato para a Maçonaria dentro de sua jurisdição declarasse qualquer crença no Grande Arquiteto do Universo, ou em um Deus vivo e verdadeiro. Ao tomar essa decisão, o Grande Oriente da França atravessou o Rubicão. 120 anos depois, o Grande Oriente da França permanece em seu exílio auto imposto. [xviii]

O movimento de 1877 realizado pelo Grande Oriente da França, e a aparente proximidade daquele corpo com o Supremo Conselho da França levou ao crescimento da animosidade entre eles e a Grande Loja da Inglaterra. Quão amargos esses sentimentos se tornaram, ficaria evidente muito rapidamente.

Levaria mais um ano, enquanto a situação política na Europa começou a se deteriorar. Finalmente, o Supremo Conselho Inglês usaria a celebração realizada pelo Supremo Conselho da França em 1878 para reverter o curso e começar a lenta reconciliação com suas contrapartidas escocesas do EUA e da Irlanda. Ele escreveu ao Supremo Conselho suíço alegando que tinha sido enganado por alguns dos participantes do Congresso, e que não tinha tido conhecimento de que a proclamação de fé maçônica estava sendo usado para permitir que ateus ingressassem na Ordem. O Supremo Conselho da Inglaterra achou que não tinha escolha, a não ser se retirar da confederação. Nenhuma menção foi feita ao papel que eles tinham desempenhado na criação da proclamação. [Xix] A guerra pela jurisdição havia sido lutada e perdida no campo de batalha da fé.

O Congresso de Lausanne oferece algumas percepções sobre a política de regularidade e reconhecimento conforme elas existiam no final do século XIX. Ao mesmo tempo, ele levanta questões sobre as razões por trás das mudanças que ocorrerão no século 20. É razoável supor que em 1875, quando Montagu e Dr. Robert Hamilton participaram do Congresso de Lausanne eles fizeram isso porque a GLUI reconheceu todos os participantes ao Congresso como corpos maçônicos regulares. Na verdade, de acordo com o artigo de John Mandleberg sobre o Congresso de Lausanne (Vol. 6 de Heredom), os Past Grão-Mestre Provincial Hamilton também havia sido Grande Secretário-Geral do Supremo Conselho do Grau 33 em 1873. Mandleberg afirma que Hamilton tinha ajudado a elaborar as propostas para a Agenda do Congresso. Montagu, declara Mandleberg, escreveu mais tarde que a Delegação Inglesa, evidentemente não queria que tanto tempo fosse gasto com o que ele aparentemente via como pelo-em-ovo, que nenhum foi deixado para garantir um acordo sobre as principais propostas inglesas. Assim, no primeiro dia das reuniões, ele concordou com a fórmula, da qual ele pode até ter sido um dos autores, de que “a Maçonaria proclama, como tem proclamado desde a sua origem, a existência de um princípio criador (Principe Createur), sob o nome de Grande Arquiteto do Universo.

Quem eram esses corpos maçônicos regulares e reconhecidos que se sentaram juntos nas sessões telhadas do Congresso de Lausanne? Os participantes deste congresso incluíam os Supremos Conselhos da Inglaterra, Escócia, Bélgica, França, Peru, Portugal, Itália (Turim), Colon por Cuba, Hungria, e da Suíça. A Grécia também estava representada no congresso pelo irmão Mackersy. [Xx] Embora fossem corpos separados de suas Grandes Lojas, nenhum corpo maçônico pode reconhecer outro Corpo Maçônico de uma jurisdição estrangeira, que não seja reconhecido pela sua própria Grande Loja. Segue-se então que os Supremos Conselhos da França, Itália e Portugal eram considerados regulares e reconhecido pela GLUI em 1875. Isto é contrário às posições posteriores assumidas em relação a esses corpos pela GLUI. Segue-se então que os Supremos Conselhos da França, Itália e Portugal eram considerados regulares e reconhecido pela GLUI em 1875, o que é contrário às posições posteriores assumidas em relação a estes corpos pela GLUI.

A Nova Grande Loja da França e sua rejeição pela Grande Loja Unida da Inglaterra

Em 1879, várias Lojas do Craft com cartas constitutivas emitidas pelo Supremo Conselho do REAA para a França e suas Possessões separou-se para formar a Grande Loja Simbólica Escocesa (apenas 3 graus). [Xxi]Até 1893 surgiu então um movimento no Grande Loja Simbólica da França para permitir a admissão de mulheres na Maçonaria, e cinco lojas se separaram da Grande Loja Simbólica de França para formar a Droit Humain. [Xxii]

Em 1894, as restantes 25 lojas do Craft formaram uma nova Grande Loja, que assumiu o nome da Grande Loja original da França. Em 1899, esta Grande Loja de 5 anos de idade solicitou o reconhecimento da Grande Loja Unida da Inglaterra. A resposta voltou em apenas 3 dias. A resposta do Grande Secretário da GLUI, Letchworth em 9 de outubro de 1899 à GLdF recusou o pedido com base em que o Supremo Conselho da França, e não uma Grande Loja emitira as cartas constitutivas das lojas que constituíram a GLdF. Ele também fez alegações de que GLdF não exigia uma Bíblia sobre o altar. O impacto sobre o jovem Grande Loja foi devastador; a GLdF não o relatou até a Grande Comunicações de 1903. [Xxiii]

As relações entre a Grande Loja Unida da Inglaterra e a Grande Loja da França (GLdF)

Por que a GLUI respondeu tão rapidamente e de forma tão negativa à petição da GLdF? Em 1899, a GLUI estava em relações de amizade com o Supremo Conselho da França e há uma abundância de precedente para a regularidade das lojas do Craft cujas cartas constitutivas foram emitidas pelos Supremos Conselhos do REAA. Nos EUA, por exemplo, dez Lojas do Rito Escocês compõem o Distrito 16 da Grande Loja da Louisiana e ainda praticam aquele Rito histórico. Ainda mais intrigante são as declarações de posição publicadas por proeminentes membros da GLUI. Sir James Stubbs, KCVO, TD, Grande Secretário, Grande Loja Unida da Inglaterra entre 1958 e 1980 declarou: “As negociações para o estabelecimento de relações amistosas com outras Grandes Lojas foram no passado conduzidas com base em que o pedido de reconhecimento de um corpo menor era investigado pelo Conselho a pedido do Grão-Mestre. Isso foi feito por meio de uma troca de correspondência para estabelecer a natureza de seus princípios e práticas, mas sem que, até agora, como pode ser visto, qualquer regra rígida e rápida sobre o assunto. “[Xxiv]

Sua declaração não só contradiz o motivo dado pela GLUI para rejeitar a GLdF em 1899, mas ele se tornará a justificação no reconhecimento de outra Grande Loja pela GLUI, que se tornou conhecida como a Grande Loja Nationale de France em 1913.

Robert Freke Gould afirma que ele foi um dos onze membros do Comitê designado pela Grande Loja de Inglaterra, em dezembro de 1877, para considerar o curso de ação adequado em relação ao Grande Oriente da França retirar do seu Livro das Constituições os parágrafos afirmando a existência de um Grande Arquiteto do Universo. Dois meses mais tarde, a Comissão, em seu relatório, declarou que a “alteração” estava, na sua opinião, “em oposição às tradições, práticas e sentimentos de todos os maçons verdadeiros e genuínos desde o mais antigo até o tempo presente.” A Grande Loja, agindo com base nesse relatório, retirou o reconhecimento do Grande Oriente da França. No entanto, o que Gould afirma a seguir é surpreendente quando comparado às declarações posteriores feitas pela GLUI. “Diz-se que o Supremo Conselho da França não compartilha a doutrina ateísta do Grande Oriente. No rol do Grande Loja de França estão 128 Lojas, das quais 55 estão em Paris e seus arredores, e tem 7.600 membros.” [xxv]

Se examinarmos essa situação à luz das relações existentes entre Grã-Bretanha e a França, então as ações da GLUI tornam-se mais compreensíveis. Em 1875, Disraeli, o primeiro-ministro britânico organizou a compra secreta das ações do Canal de Suez de propriedade de Khedive Ismail. Em 24 de abril de 1877, a Rússia declarou guerra contra os otomanos e desesperado o sultão procurou um armistício flexível, assinado em Adrianópolis, em 31 de janeiro de 1878. Disraeli despachou uma frota de seis couraçados até Constantinopla, que chegou em 15 de fevereiro e a ameaça da Inglaterra de entrar no conflito salvou Constantinopla. Disraeli negociou com o Império Otomano em segredo, oferecendo ao sultão uma aliança defensiva com a Inglaterra; em contrapartida, o sultão cedeu Chipre à Inglaterra. Com Chipre no bolso, ele podia fazer concessões à Rússia e estabilizou a situação e uma grande guerra mundial foi evitada.

Em 1879, os Zulus derrotaram os ingleses na Batalha de Isandlwana em 22 de janeiro.

Em 1881, os britânicos sofreram uma derrota surpreendente na primeira Guerra dos Boers nas mãos dos Afrikaners sob o comando de Krueger.

Em 1884, Ansar atacou Cartum massacrando a guarnição, matando Gordon, e entregando sua cabeça à tenda do Mahdi. Gordon tinha sido enviado para ajudar a evacuar forças egípcias presas em Cartum pela revolta de Mahdi. O Império Britânico parecia vulnerável, a Europa era um barril de pólvora e de cada país parecia estar carregando fósforos.

O Incidente Fashoda

A Inglaterra precisava urgentemente de uma vitória e de um herói nacional. Conseguiu ambos na pessoa do irmão e general Kitchener. Ele foi nomeado governador dos territórios britânicos do Mar Vermelho em 1886, e lançou uma ofensiva contra as forças de Mahdi. Até 1892 ele tinha se tornado Comandante em Chefe do exército egípcio. Em 1898, ele esmagou as forças sudanesas separatistas de al-Mahdi na batalha de Omdurman e, em seguida, ocupou a cidade vizinha de Cartum, onde seu sucesso o transformou em um nobre em 1898. Na França, o governo viu a ocupação britânica do Egito como uma ameaça aos seus próprios planos para aquela área. Na esperança de cortar a rota britânica do Cabo ao Cairo, eles emitiram ordens em 24 de fevereiro de 1896 instruindo o Capitão Jean-Batiste Marchand a liderar uma expedição ao Alto Nilo e ocupar Fashoda.

Há uma certa confusão quanto ao real tamanho da força de Marchand e se ele era um capitão no momento ou um major, mas acredita-se, em geral, que ele tinha apenas sete outros oficiais franceses e uma força de menos de 100 atiradores senegaleses. Eles desembarcaram em Fashoda em 10 de julho de 1898 e hastearam a bandeira francesa.

Marchand aos 35 anos de idade cresceu a partir de origens humildes. Ele nasceu na cidade de Thoissey, a poucos quilômetros ao norte de Lyon, mais perto de Marselha, que da sofisticada Paris. Um líder natural, ele subiu de recruta até se tornar um oficial dentro de um sistema projetado para manter as classes separadas.

Em 19 de setembro de 1898, Marchand pisaria no palco mundial, recusando-se a recuar em um confronto militar com o general britânico, Lord Kitchener à frente de 25 mil homens, incluindo 100 Cameron Highlanders, dois batalhões de sudaneses, e uma bateria de artilharia. Para os franceses, as ações de Marchand foram heroicas, tanto assim que um memorial foi erguido em Paris em comemoração delas. Os britânicos no entanto, viram as coisas muito pelo contrário.

Pouco mais de duas semanas antes, Kitchener abriu o Sudão derrotando os mahdistas na batalha de Omderman. Tendo ficado sabendo da ocupação do Fashoda de um bando capturado de mahdistas, Kitchener partiu com cinco navios transportando soldados britânicos e sudaneses. Em 19 de setembro, Kitchener e suas tropas desembarcaram em Fashoda, onde ele ficou cara a cara com Marchand.

“Um mês antes da batalha de Omdurman, Lord Salisbury prescientemente estabeleceu a linha de ação a ser tomada quando a Expedição chegasse a Cartum, e suas instruções seriam – e foram – observadas ao pé da letra. Ambas as bandeiras britânica e egípcia deveriam ser hasteadas. Embora não fosse necessário no momento definir o status político do Sudão, o Governo de Sua Majestade considerou que, tendo em vista a ajuda financeira concedida por ela ao Egito, a Inglaterra poderia reivindicar uma voz predominante em todos os assuntos relacionados com o Sudão. O Sirdar (General Kitchener) foi autorizado a enviar flotilhas rio acima no Nilo azul e no Nilo branco, e devia prosseguir pessoalmente até Fashoda, levando um pequeno corpo de tropas britânicas consigo; mas a flotilha no Nilo Azul não iria além de Roseires. Nenhum título da França ou da Abissínia sobre qualquer parte do Vale do Nilo deveria ser reconhecido, e todos os confrontos com os abissínios deveriam ser evitados.

O Sirdar deveria convencer qualquer comandante francês de que a sua presença no Vale do Nilo era uma violação dos direitos britânicos e egípcios. Ele deveria enviar uma pequena força Nilo Branco acima além da junção do Sobat. O rei dos belgas não tinha direito a qualquer porção do vale do Nilo, exceto no âmbito do arrendamento Lado.

Fragmentos de informação vazaram para o Departamento de Inteligência, e em 07 de setembro, notícias definitivas chegaram de que oito oficiais brancos e 80 soldados negros estrangeiros estavam em Fashoda, e que eles tinham rechaçado os vapores enviados pelo Khalifa para atacá-los. Por isso, o Sirdar, com 100 Cameron Highlanders, dois batalhões de sudaneses, e uma bateria de artilharia segui rio acima no dia 10. Rechaçando um ataque temerário e bastante fraco sobre sua frota em Renkh, ele estava a poucos quilômetros de Fashoda no dia 18. Ele escreveu imediatamente ao “chefe da expedição europeia”, informando-o de sua vitória em Omdurman, sua ação em Renkh, e sua aproximação de Fashoda. A resposta foi trazida na manhã seguinte por um sargento senegalês em um bote a remo de aço: O Major Marchand, comandante da Infantaria de Marinha, felicitava o General por sua vitória, e anunciava que, por ordem do seu governo, ele tinha ocupado o Bahr el Ghazal até Fashoda, onde ele tinha chegado em 10 de julho.

A flotilha imediatamente subiu até Fashoda e ancorou em frente aos prédios antigos do governo da cidade, e logo depois, o Major Marchand e o Capitão Germain foram recebidos a bordo do Dal pelo Sirdar e sua equipe. Após as apresentações, Kitchener cordialmente cumprimentou Marchand e seus companheiros em sua longa e árdua jornada, mas informou-o civilizadamente que a presença dos franceses em Fashoda e no vale do Nilo era considerado uma violação direta dos direitos do Egito e da Grã-Bretanha, e que ele devia protestar nos mais enfáticos termos contra a ocupação de Fashoda e o hasteamento da bandeira francesa em domínios do Khedive.

A isso, Marchand respondeu que ele estava ali por ordem do seu governo, sem cujas instruções, ele não poderia se retirar. Kitchener, então, calmamente deu a entender que ele pretendia para içar a bandeira egípcia; ele confiava que nenhuma oposição seria oferecida, pois suas forças eram esmagadoramente superiores, e ele sugeriu que colocaria uma canhoneira à disposição dos franceses para auxiliar em sua retirada. Marchand respondeu que ele e suas tropas deveriam, naturalmente, curvar-se ao inevitável e, se necessário, morreriam em seus postos; mas ele deve pedir que a questão de sua retirada deve ser encaminhado ao seu Governo, sem cujas ordens ele não podia baixar sua bandeira e aceitar o amável convite do Sirdar. Ao longo da entrevista, Marchand se comportou com dignidade calma e atitude marcial, embora soubesse que ele tinha poucos mantimentos e munições, e que, se fosse deixado na posse exclusiva, os dervixes teriam pouco trabalho em lidar com ele e seu pequeno bando. ” [xxvi]

O nacionalismo em ambos os países começava a inflamar a situação, e a Inglaterra e a França começaram a se mover em direção a hostilidades abertas. Por mais de 90 dias, Marchand defendeu uma posição insustentável, enquanto o tumulto se alastrava e apelos pela guerra ecoavam nos dois países. De sua parte, o irmão Kitchener, ao invés de tirar proveito da situação, reabasteceu os mantimentos de Marchand.

A guerra só foi evitada quando a França concordou em retirar suas tropas, e em 4 de Dezembro de 1898, ordenou a evacuação de Fashoda. Em 21 de março de 1899 foi assinada uma convenção com a França renunciando a todas as reivindicações sobre Fashoda. Com Inglaterra e França discutindo acerbamente, é duvidoso que qualquer Grande Loja Francesa pudesse ter obtido o reconhecimento da GLUI. Na verdade, a GLUI ainda tinha problemas com suas jurisdições irmãs no Reino Unido, o que exigiria ainda um outro acordo entre todos os três para resolvê-los. E isso aconteceu em 1905.

A Concordata de 1905

Na quinta-feira, 29 de junho de 1905 a conferência foi realizada na Sala da Comissão nº 14 da Câmara dos Comuns, entre Delegados das Grandes Lojas da Inglaterra, Irlanda e Escócia. Estiveram presentes o Irmão MW. Earl Amherst, Pro Grão-Mestre da Inglaterra, presidindo; Irmão J Chetwode Crawley LL.D, Grande Secretário da Grande Loja da Irlanda e Irmão O Exmo. C M Ramsay, Grão Mestre Maçom da Escócia. Durante esta conferência as seguintes deliberações foram acordadas:

  1. As três Grandes Lojas concordam que qualquer membro da Ordem que venha a ser suspenso ou expulso em uma jurisdição, sendo assim desqualificado, não terá permitida a sua permanência enquanto membro ou para visitar ou participar de qualquer Loja sob a jurisdição das outras, e cada Grande Loja notificará todos os decretos de suspensão ou expulsão a ser enviados às outras Grandes Lojas. E no caso de tais decretos serem feitos no exterior, as autoridades do distrito ou Provinciais atuantes também notificarão o distrito vizinho ou autoridades provinciais de todas as três jurisdições.
  2. Em cada uma das três jurisdições, um Mestre devidamente instalado sob qualquer uma das outras Constituições, se não for desqualificado de outra forma, terá o direito de estar presente em um Conselho de Mestres Instalados, e fazer parte do quórum, mas não para presidi-lo ou instalar um mestre, a menos que solicitado pelo Conselho. Um Mestre ou Past Mestre de outra Constituição não pode presidir a Loja que está visitando. E caso não esteja presente um mestre ou um past-master devidamente qualificado sob a jurisdição da casa, então, e só então o oficial encarregado da Loja pode solicitar a um Mestre ou Past Master sob uma das outras duas Constituições que realize qualquer cerimônia que o Vigilante não seja competente para executar. Este acordo não é para interferir com o direito do Venerável Mestre de uma Loja convidar um membro da Loja ou um Mestre ou Past Master visitante de qualquer uma das três Constituições para realizar qualquer cerimônia, sem assumir a presidência.
  3. A questão do reconhecimento de uma nova Grande Loja em qualquer colônia ou outro território no qual as três Grandes Lojas têm igual jurisdição e ter Lojas Regulares trabalham nela, não deve ser levado em consideração, a menos que pelo menos dois terços das Lojas em cada jurisdição ou outra proporção conforme as três Grandes Lojas decidam à luz das circunstâncias locais tenham manifestado sua adesão a esse novo corpo; e tal reconhecimento só poderá ser concedido por acordo entre as três Grandes Lojas. Após o reconhecimento de tal nova Grande Loja como um órgão soberano, as respectivas autoridades dos três Grandes Lojas entregarão seus direitos de conceder carta constitutiva a novas Lojas dentro da jurisdição do novo corpo, desde que os direitos das Lojas que não aderirem ao novo corpo sejam plenamente garantidos. Estas resoluções tornaram-se conhecidas em na Concordata de 1905 que buscava sanar a discórdia crescente devida ao Congresso de Lausanne de 1875. Este é particularmente o caso no texto da resolução 3.

Em seu discurso de posse da AQC em 13 de novembro de 2003, o Irmão James W. Daniel, Grande Secretário da Grande Loja Unida da Inglaterra, fala sobre o tema das Relações Exteriores da GLUI de 1950 a 2000: políticas e práticas e escolhe as palavras com cuidado. “Embora eu ainda tenha que encontrar qualquer declaração pública oficial de reivindicações territoriais da GLUI no período imediatamente anterior a 1950, as ações da GLUI levam a crer que a descrição que o irmão Stubbs fez da sua política a este respeito em 1967 era igualmente válida entre 1919 e 1950: “Na visão da GLUI, ela possui soberania territorial única e exclusiva sobre a Inglaterra, País de Gales, Ilhas do Canal e Ilha de Man. Ela compartilha com a Irlanda e Escócia os direitos exclusivos sobre tais partes da Comunidade Britânica que não estabeleceram Grandes Lojas soberanas locais … Outros território estão abertos, não havendo Grande Loja soberana e, portanto, livre para qualquer Grande Loja estabelecer Lojas, ou fechados em virtude da existência de uma Grande Loja soberana.

Além disso, conforme acrescentou o Irmão Stubbs, “nas gerações recentes, pelo menos, a GLUI aceitou que esse “fechamento” de um território aplica-se mesmo se a “Grande Loja soberana existente” não foi reconhecida pela GLUI.” O Irmão Daniel usou como referência o material em Grand Lodge 1717-1968, um livro que foi produzido para celebrar o 250 º aniversário da fundação da Grande Loja de Londres e Westminster. No entanto, parece que “nas gerações recentes, pelo menos” não se estende até 1913. Neste ano, a GLUI fundou uma Grande Loja em um território onde já existiam duas Grandes Lojas soberanas, cujas particularidades merecem um olhar mais atento.

A Primeira Guerra Mundial e o nascimento da Grande Loja Nationale da França

Por mais de uma década, o espectro da guerra pairou sobre a Europa à medida que as grandes potências começaram a se formar alianças para o conflito iminente. Sabendo que eles precisariam um do outro para combater a Alemanha e seus aliados, um acordo resolvendo várias disputas coloniais foi celebrado entre a Grã-Bretanha e a França em 1904.

Por volta de 1913, os jornais estavam preparando seus leitores para o pior. “Toda a Europa, incerta e problemática, se prepara para uma guerra inevitável, cuja causa imediata é incerta para nós”, opinava o Echo de Paris.

Certamente, a Grande Loja Unida da Inglaterra, que incluía vários altos funcionários superiores do governo em seus quadros, estavam cientes de que em breve os maçons britânicos estariam lutando no continente, provavelmente na França, onde nenhuma Grande Loja reconhecida existia. Maçons tinham lutado em todos os grandes conflitos nos últimos 200 anos, e maçons tendiam a buscar contato, mesmo entre as linhas de batalha. Nesse caso, as linhas entre regular e irregular pode tornar-se borradas. Não está claro por que a GLUI não reconsiderou o reconhecimento da Grande Loja existente da França, que de acordo com Gould tinha mais de 7.600 membros. Em vez disso, eles estabeleceram e imediatamente reconheceram ainda outra Grande Loja da França de uma maneira que causaria consternação nos EUA

Esta nova entidade, que eventualmente se tornaria a GLNF foi criada em 1913. Infelizmente para todos, com exceção da GLUI, os eventos mundiais ofuscariam rapidamente os assuntos da Maçonaria na França de 1913. Isso não seria considerado por qualquer estudioso maçônico até depois da cessação das hostilidades em 1918.

O seguinte é de um artigo publicado na Revista Builder de junho de 1919, volume V – Número 6. Escrito pelo editor Irmão Joseph Fort Newton, intitulado “The National Independent and Regular Grand Lodge of France and the French Colonies.” No artigo, o irmão Newton expressa sua desaprovação de todo o caso.

“Parece que essa Grande Loja originou-se na ação, e não de três lojas, ou de duas, ou, na verdade, mesmo de uma loja, mas de uma pequena companhia de maçons que tinha ultimamente (ou seja, dois dias antes da organização) se separado Grande Oriente da França.

“No 3º dia de novembro de 1913, o Dr. Ribaucourt renunciou à sua participação na loja ‘Les Amis du Progres”, e dois dias depois, em 05 de novembro, . . . ele constituiu ele e outros membros separatistas de uma Loja do Grande Oriente ‘Le Centre des Amis’ em uma Grande Loja, da qual tornou-se Grão-Mestre. Deve-se notar aqui que esta medida foi tomada por esses irmãos, não como membros de lojas pois eles haviam se retirado das lojas a que eles anteriormente pertenciam, mas como um corpo de maçons.

“Esse fato, aparentemente, não tinha sido levado ao conhecimento do Pró Grão Mestre da Grande Loja da Inglaterra, para seu anúncio de reconhecimento desta nova Grande Loja para a Grande Loja da Inglaterra, em 03 de dezembro, 1913 ele disse: “Um corpo de maçons na França. . . uniram várias lojas como a Grande Loja Nacional Regular Independente da França e das colônias francesas.

“Então, quando o Dr. Ribaucourt formou, ele mesmo e seus colegas separatistas aquilo que eles se satisfizeram em chamar de uma Grande Loja, nenhum deles representava qualquer loja, pois não havia loja existente, nem eles eram membros de qualquer loja. Parece que tão logo este conjunto rudimentar de maçons tinha se declarado devidamente constituído em uma Grande Loja, eles passaram imediatamente a emitir sua primeira carta constitutiva criando uma loja constituinte, e a chamaram, acreditamos, “Le Centre des Amis”, usando assim, o nome da loja da qual a maior parte deles eram ex-membros. Nesta ação, temos uma situação interessante e bastante incomum. Estes maçons separatistas do Grande Oriente primeiro constituíram-se em uma Grande Loja, em seguida, concederam a si mesmos uma carta constitutiva, criando assim a sua primeira loja constituinte! E foi esta loja de antecedentes nebulosos que o Pró Grão Mestre da Inglaterra, conforme mencionado acima, caracterizou como “várias lojas”. Dificilmente podemos pensar que as mudanças caleidoscópicas indicadas acima pudessem ter um efeito angustiante e perturbador sobre a visão, ou que alguém devesse parecem ser três ou mais!”

Em 1918, cerca de duas dezenas de Grandes Lojas dos Estados Unidos reconheceram tanto a GLDF quanto a GLNIRFC (que iria evoluir para a GLNF em 1948) e o fariam pelos próximos 50 anos. No momento em que o irmão Joseph Fort Newton publicou seu artigo em 1919, ninguém queria ir à guerra novamente. Apesar de suas origens totalmente irregulares, a Grande Lodge Nationale de France estava agora reconhecida. Esta questão foi fechada.

A tabela a seguir mostra as datas de reconhecimento de Grandes Lojas francesas por Grandes Lojas dos EUA durante o início dos anos 1900

Grande Loja Ação Data Referência
Alabama Reconheceu a GLF e a GOF 4 de dezembro de 1918. Anais de 1918, páginas 89-105
Arkansas Reconheceu a GLF e a GOF 19 de novembro de 1919 Anais de 1919, páginas 68-73
Califórnia Reconheceu a GLF 9 Out. 1918 Anais de 1918, páginas 159-179
Colorado Inter visitações com GLF e GOF 1 de Maio de 1918 Anais de 1918, páginas 70-71
Dist. De Columbia Reconheceu a GLF 19 de Dez 1917 Anais de 1917, páginas 82-83, 100-102, 334
Flórida Inter visitações com GLF 15 de janeiro de 1918 Anais de 1918, páginas 121-122
Geórgia Inter visitações com GLF 1 de Maio de 1918 Anais de 1918, páginas 27-46
Indiana Inter visitações com GLF 29 de Maio de 1918 Anais de 1918, páginas 167-168
Iowa Reconheceu a GLF e a GOF 12 Junho de 1918 Anais de 1918, páginas 22-34
Kentucky Inter visitações com GLF e GOF 17 Out. 1917 Anais de 1917, página 88
Louisiana Reconheceu a GLF e a GOF 05 de fevereiro de 1918 Anais de 1918, páginas 106-110, 140
Minnesota Reconheceu a GLF 21-22 Jan 1919 Anais de 1919, páginas 46-49
[p. 235] Nevada Reconheceu a GLF e a GOF 12 de junho de 1918 e 12 de junho de 1919 Anais de 1919, páginas 52, 58, 71-72, 81-82, e Anais de 1919, página 65
New Jersey Reconheceu a GLF e a GOF 17 de abril de 1918 Anais de 1918, páginas 62-66, 144-145
New York Inter visitações com GLF e GOF 10 set 1917 Anais de 1918, páginas 26-27, 268
Dakota do Norte Reconheceu a GLF e a GOF 17 Junho de 1919 Anais de 1919, páginas 290-291, 256-257. 281-282
Oregon Reconheceu a GLF 14 Junho de 1918 Anais de 1918, páginas 36-37
Rhode Island Reconheceu a GLF e a GOF 20 de Maio de 1918 Anais de 1918, páginas 26-27, 52, 106-109
Dakota do Sul Reconheceu a GLF 11 de Junho de 1918 Anais de 1918, página 196
Texas Reconheceu a GLF 4 de Dez 1917 Anais de 1917, páginas 20-21, 171
Utah Reconheceu a GLF 22 de janeiro de 1919 Anais de 1919, páginas 43-44, 54
Wisconsin Reconheceu a GLF 09 de Junho de 1958 Anais de 1966, páginas 46-47
Wyoming Inter visitações com GLF e GOF 11 set 1918 Anais de 1918, páginas 262-263, 240-241

[Xxvii]

Reconhecimento e os Livros do Ano no Século XX

Nos Estados Unidos, cada estado tem uma Grande Loja para o que é chamado Maçonaria “mainstream” ou corrente. Há um outra ramo regular, mas, até recentemente não reconhecidos de Maçonaria que também têm pelo menos uma Grande Loja em cada estado, os Venerabilíssimos Maçons de Prince Hall. Em cada jurisdição, um registro das Comunicações Anuais da Grande Loja é publicado e chamado de Anais de Comunicações da Grande Loja. Jurisdições fora dos Estados Unidos publicam um livro semelhante, mas se referem a ele como o seu Livro do Ano.

Nos Estados Unidos, dentro das páginas de cada Anais de Comunicação de Grande Loja, você pode rastrear a discussão e resultados de qualquer votação realizada durante sessões administrativas da Grande Loja desde a sua fundação. Cada reconhecimento e subsequente votação está devidamente registado em ata. Isso permite que qualquer pessoa verifique exatamente quando e como as relações maçônicas com qualquer Grande Loja estrangeira começaram ou foram suspensas. Seria natural supor que as Grandes Lojas da Europa seguiriam a mesma prática, mas tal não foi o caso, como pode ser visto pelos escritos de Sir James Stubbs mencionados anteriormente.

John Hamill (Diretor de Comunicações da GLUI, e ex-curador e Bibliotecário da GL) escreveu o seguinte em relação a um pedido que fiz através do irmão Yoshio Washizu que contatou Hamill em meu nome.

“Até 1908, o Calendário dos Maçons (como era então chamado o Livro do Ano) era um projeto comercial dirigido por George Kenning e fora do controle da Grande Loja. Na seção sobre Grandes Lojas Estrangeiras, Kenning simplesmente listava qualquer Grande Loja independente de ela ter sido formalmente reconhecida pela GLUI ou não!

“Em 1908, o Conselho de Objetivos Gerais assumiu a publicação do Calendário e o rebatizou Livro do Ano da Grande Loja. Eles tentaram limpar as diferentes seções e torná-las mais precisos, mas as Grandes Lojas Estrangeiras ainda não era [sic]totalmente precisa. O falecido Sir James Stubbs me disse em uma ocasião que a seção Estrangeira do Livro do Ano não era inteiramente confiável, até a edição do Livro do Ano de 1952 (mais tarde descobri que esse foi o ano em que ele, como Grande Secretário Assistente assumiu a responsabilidade de editar o Livro do Ano!).

“No período que antecedeu as nossas Comemorações de 275 Aniversário em 1992, tentei estabelecer uma lista de Grandes Lojas reconhecidas dando as datas em que eles foram formadas (para estabelecer a sua antiguidade na procissão para a reunião no Earl’s Court) e a data em que lhes foi concedido o reconhecimento. Descobri em muitos casos que não tínhamos reconhecido formalmente Grandes Lojas, simplesmente aceitado a sua existência e permitido a Inter visitação. Isso era particularmente verdadeiro para as Grandes Lojas americanas. Nos treze colônias originais, as Grandes Lojas foram formados a partir de uma mistura de lojas inglesas, irlandesas e escocesas. Quando os Estados Unidos foram formados, eles gradualmente combinaram-se em GLs em uma base estadual e nós simplesmente os aceitamos sem quaisquer trocas formais de correspondência. A primeira GL dos EUA a ser formalmente reconhecida foi o GL da República do Texas em 1836, antes que o estado se juntasse aos EUA! ”

Isso também pode explicar como as 13 colônias separatistas nos EUA tornaram-se regulares e reconhecidas. A GLUI simplesmente as aceitou sem quaisquer trocas formais de correspondência. Se a GLUI tivesse concordado com Robert F. Gould que a GLdF não era irregular e simplesmente a aceitado como fez com muitas Grandes Lojas dos EUA, ou seguido a política defendida pelo irmão Daniels [xxviii] e reconhecido que a França era um território fechado com uma Grande Loja soberana não reconhecida pela GLUI, não teria havido motivo para formar a GLNF em 1913. Sem a formação da GLNF não teria havido qualquer ataque à GLdF em 1961, e nenhum ataque à Grande Loja de Minnesota liderado pela GLNF.

A década de 1960: usando Deus como uma arma na Política maçônica

De acordo com a informação disponibilizada no site do irmão Paul Bessel 18 (possivelmente 19, a data da retirada do reconhecimento não é mostrada para Nevada) as Grandes Lojas dos Estados Unidos estavam em relações de amizade com a GLdF no início de 1960. Isso não inclui seis Grandes Lojas, que haviam autorizado Inter visitação, mas pararam pouco antes do reconhecimento.

No primeiro trimestre de 1961, de acordo com o Grande Secretário do Colorado Harry Bundy, a Grande Loja Nacional de França começou a empreender uma campanha atacando a regularidade de sua Grande Loja irmã. Na carta de Bundy, ele relata que a GLNF alegava atos de práticas não Maçônicas pela GLdF. Ele escreve: “Houve uma carta muito volumosa da Grande Loge Nationale Française chamando a atenção para o fato de que uma das lojas sob a sua égide desafia a ordem da Grande Loja de cortar as ligações com o Grande Oriente e restaurar o Volume da Lei Sagrada no altar “. [xxix]

Para entender melhor essas alegações é preciso olhar para trás, para os sete anos anteriores de eventos na Maçonaria francesa.

Em setembro de 1953, a Assembleia Anual da Grande Loja da França propôs uma moção pela primeira vez em sua história de que a Obrigação devia ser assumida diante das Três Grandes Luzes da Maçonaria e o LSL devia permanecer aberto enquanto as lojas estivessem em trabalho. A decisão foi votada e aprovada em sua Assembleia Anual seguinte.

Nesse meio tempo, em 15 de maio de 1954, cinco Grandes Lojas da Europa (Holanda, Suíça, Luxemburgo, Áustria e Alemanha) assinaram a Convenção do Luxemburgo. Uma condição para se tornar um membro da mesma exigia que uma Grande Loja rompesse com Grandes Lojas irregulares ou não reconhecidas dentro de um período de cinco anos, terminando em 15 maio de 1959. [Xxx] Conversas secretas bilaterais começaram em 26 de maio de 1955 entre a Grande Loja da França e a Grande Loja Nacional da França. A comissão mista reuniu-se seis vezes até setembro e acordou sobre um projeto especificando as condições em que os dois corpos se uniriam. O órgão executivo (Conselho Federal) da Grande Loja da França tomou conhecimento do projeto em 26 de novembro de 1955, mas o considerou inaceitável e decidiu não apresentá-lo à sua Assembleia Extraordinária convocada com a finalidade de ratificar em janeiro do ano seguinte. [xxxi]

A Grande Loja da França foi aceita como membro da Convenção de Luxemburgo em setembro de 1956, uma etapa ratificada em sua Assembleia Anual cerca de duas semanas mais tarde.

Em novembro de 1958, o Grande Oriente e a Grande Loja da França prepararam o projeto de um “Estatuto de União das Grandes Lojas da França”, com a intenção de unir-se à Grande Loge Nationale Française. Entre 06 de fevereiro e 16 de Junho de 1959, representantes dos três corpos se reuniram cinco vezes, mas não conseguiram chegar a um acordo. [xxxii]

Em 1959, de acordo com as exigências da Convenção do Luxemburgo, a Grande Loja da França suspendeu as suas relações com o Grande Oriente por um ano. Esta decisão se tornaria permanente se o Grande Oriente não voltasse à regularidade maçônica dentro daquele período. [xxxiii] Conforme mostrado abaixo no trecho das atas de 1959 da COGMINA, as Grandes Lojas dos EUA foram informadas e apoiaram os esforços da Grande Loja de da França e não foi até que a circulação da carta da GLNF mencionada pelo Grande Secretário do Colorado, Harry Bundy que as coisas começaram a mudar.

A fim de rastrear a cadeia de eventos que levaram a muitas Grandes Lojas dos EUA suspender relações com a Grande Loja de França eu me baseei nas atas da Conferência de Grão-Mestres na América do Norte em sua reunião anual, realizada todos os anos durante o mês de fevereiro. Eu usei itálico ao citar as atas. Qualquer parte significativa das atas que eu sinto ser significativa eu coloquei em negrito. A inclusão de outros três documentos, a carta Bundy de 1961, a cópia traduzida do Tratado de 1964 entre a Grande Loja de França e do Grande Oriente, juntamente com o discurso de 1965 do Soberano Grande Comendador do REAA SJ sobre as relações fraternais foram inseridos para maior clareza.

Trecho das atas do COGMINA do ano de 1959:

A Conferência de Luxemburgo foi uma grande força para a regularidade e uniformidade no continente europeu. Os membros desta conferência são a Alemanha, 17.000 membros; Grande Oriente da Itália, 12.000 membros; Grande Loja da França, 8.000 membros, Holanda, 4.000 membros; suíça Alpina, 3.000 membros, Áustria e Luxemburgo, 1.000 membros. (Estes números são aproximados e não efetivos, para proporcionar uma imagem de vantagens comparativas). Na França, o Venerabilíssimo Richard Dupuy, Grão-Mestre da Grande Loja da França propôs a união da Grande Loja da França, Grande Loja da França Nationale e Grande Oriente da França, semelhante à união conseguida na Alemanha, onde cada Grande Loja reteria em algum grau sua própria individualidade. Isso se baseia, é claro, em um retorno completo do Grande Oriente à regularidade. Desejamos todo o sucesso a desse movimento. [xxxiv]

É importante que todos aqueles interessados ​​na Grande Loja Nacional da França devem saber o seguinte. No ano passado, alguns irmãos da Grande Loja Nacional e, infelizmente, alguns deles oficiais de alta patente da Grande Loja comportaram-se de forma descrita como indecorosa, deselegante e antimaçônica em relação ao então Grão-Mestre, o Venerabilíssimo Pierre Cheret. Como consequência de sua conduta, eles tiveram suspensos os seus direitos e privilégios enquanto Oficiais da Grande Loja, pendente decisão pela Grande Loja. [xxxv]

Trecho das atas do COGMINA do ano de 1960:

A Grande Loja da França suspendeu relações com o Grande Oriente da França, por medidas tomadas na última Comunicação Anual da Grande Loja da França. No entanto, o Grão-Mestre da Grande Loja da França informa que alguma Inter visitação continua, apesar da ação da sua Grande Loja. O fato mais promissor na situação francesa é que sete irmãos da Grande Loja Nacional e sete irmãos da Grande Loja da França continuam a reunir-se em uma atmosfera de cordialidade e comunhão fraterna para explorar todos os problemas com franqueza e objetividade. Eles estão discutindo novos passos que devem ser dados para alcançar a unidade da Maçonaria francesa tão ardentemente desejada por todos.

Todas, exceto uma das Grandes Lojas desta Conferência reconhecem agora a Grande Loja Nacional da França. Quando essas Grandes Lojas consideram a questão do reconhecimento da Grande Loja da França, eles são confrontadas com a questão da amizade, que será mais amplamente discutida mais adiante neste relatório. [Xxxvi]

AMIZADE

A Comissão estaria interessado em saber mais sobre a atitude dos membros desta Conferência em relação à questão da amizade dentro de um determinado país ou subdivisão política. A questão é: Uma Grande Loja presentemente mantendo relações de amizade com uma Grande Loja dentro de uma soberania nacional, tem o direito de reconhecer uma outra Grande Loja dentro do mesmo país com o qual a Grande Loja já reconhecida não mantém relações de amizade? Esta não é uma questão da competência territorial exclusiva, mas das propriedades a serem observadas entre Grandes Lojas. [Xxxvii]

Trecho das atas do COGMINA do ano de 1961:

FRANÇA

A Comissão pode adicionar pouco ao seu relatório do ano passado, em relação à França. Nossas esperanças para uma única Grande Loja com direito ao reconhecimento por todas as Grandes Lojas regulares não foram ainda realizadas. Nossas informações indicam que a Grande Loja da França tentou endireitar os seus assuntos, e atribuiu penalidades definitivas à negação do direito dos seus membros de manter relações fraternais com o Grande Oriente da França. Entretanto, a Grande Loja Nacional continua a ter o reconhecimento geral em todo o mundo maçônico. [xxxviii]

Carta de 10 de abril de 1961 enviada à GLdF por Harry Bundy Veja o Apêndice C

Trecho das atas do COGMINA do ano de 1963

FRANÇA: Não podemos relatar qualquer melhoria nas relações entre a Grande Loja Nacional e a Grande Loja da França. Os oficiais da Grande Loja Nationale insistem que Inter visitação continua entre as Lojas da Grande Loja da França e do Grande Oriente. Eles apresentam provas incontestáveis disso como algo que se passa na região de Paris, bem como nas províncias. A Grande Loja da França, tem pouca esperança de ser considerada regular, enquanto as relações fraternais continuam com o Grande Oriente da França, que está fora dos limites. [Negrito é meu e não no documento original]. [Xxxix]

Esta informação parece vir somente a partir dos oficiais da Grande Loge Nationale Francaise. Se, como afirmou na comunicação do Grande Secretário Harry Bundy em 10 de abril de 1961, a GLNF tinha circulado amplamente alegações contra a GLdF, então seria razoável esperar que o comitê obtivesse informações da GLdF. No entanto, não há menção de qualquer atividade deste tipo de 1961 a 1963. Há uma alegação de prova indiscutível de Inter visitação entre a GOF e a GLdF mas nenhum aparece neste relatório. Há um conflito na atitude de 1963 da COGMINA dos relatórios, em 1959 -1961 sobre tentativas de construir a unidade entre as Grandes Lojas francesas e seu apoio de comitês de cada Grande Loja trabalhando juntos. Uma nova frase é cunhada para definir quaisquer relações com o Grande Oriente como estando fora dos limites.

Trecho das atas do COGMINA do ano de 1964:

FRANÇA: Lamentamos informar que nenhum progresso está sendo feito em direção à unidade maçônica na França. Parece ser difícil para a Grande Loja da França cortar relações completamente com o Grande Oriente da França. Todas as nossas informações indicam que a Inter visitação continua. Embora percebamos que existem dificuldades, não podemos aceitar isso como uma razão para a falha em efetuar uma ruptura completa com um corpo que para nós está Maçonicamente fora dos limites [O negrito é meu e não está no documento original]. [xl]

Parece haver um mal-entendido por parte de alguns dos oficiais da Grande Loja da França quanto à posição das Grandes Lojas dessa Conferência no que diz respeito ao reconhecimento. As Grandes Lojas desta Conferência parecem estar divididas em três grupos distintos no que diz respeito ao reconhecimento da Grande Loja da França. Nove de nossas Grandes Lojas reconhecem tanto a Grande Loja da França quanto a Grande Loja Nacional da França, e, portanto, indicam que a questão da competência territorial exclusiva não é um fator na questão. Outro grupo de Grandes Lojas assume a posição de que elas não podem reconhecer como normal uma Grande Loja que tenha quaisquer relações maçônicas, gerais ou individuais, com o Grande Oriente da França. No terceiro grupo estão as Grandes Lojas, que, embora possam ou não reconhecer a regularidade da Grande Loja da França, no entanto, considerariam uma incongruência enorme reconhecer em um dado país uma Grande Loja que não está em relações de amizade com a Grande Loja que eles já reconhecem naquele país [o negrito é meu e não no documento original]

ADENDO. Deveria ser de interesse para nossas Grandes Lojas saber que boatos chegaram até nós de que três Grandes Lojas europeias – Alpina da Suíça, o Grande Oriente da Itália, e a Grande Loja da Bélgica teriam retirado o reconhecimento da Grande Loja da França. [xli]

O tratado de 1964 entre a Grande Loja da França e o Grande Oriente da França não constitui reconhecimento. A GLdF aparentemente indicou sua confusão à COGMINA. Não há registro de qualquer tentativa da COGMINA de explicar como eles chegaram a essa conclusão ou oferecer um processo saneador ao invés agora existe um movimento definido para forçar a GLdF a cortar completamente todas as comunicações com o GOdF.

Trecho das atas da COGMINA do ano de 1965:

A GRANDE LOJA DE FRANÇA: A situação maçônica na França piorou durante o ano. Qualquer esperança que possamos ter tido de uma união da Grande Loja da França, com a Grande Loja Nacional da França foi abalada pela ação da Grande Loja da França em sua última Comunicação Anual. Uma carta do Venerável Richard Dupuy, que foi reeleito Grão-Mestre da Grande Loja da França diz, em parte o que segue: “Pareceu-nos ser necessário organizar as relações administrativas entre os corpos maçônicos franceses, de forma a permitir que os Grandes Secretários, e somente eles, comuniquem entre si o seguinte:

(1) a palavra semestral.

(2) os nomes e classificação dos irmãos no cadastro.

(3) os nomes dos candidatos à iniciação e de irmãos que procuram tornar-se membros.

(4) os nomes dos candidatos ou irmãos cujos pedidos tenham sido suspensos ou rejeitados.

(5) os nomes de Lojas ou irmãos a quem penalidades maçônicas foram impostas. ”

O pacto acima foi feito com o Grande Oriente da França por uma votação de 140 a 82. Este é um reconhecimento da validade e regularidade do Grande Oriente como um corpo maçônico, e tal reconhecimento não é aceitável para Grandes Lojas regulares … Alguns anos atrás, a Grande Loja da França votou para tornar obrigatória uma crença em Deus, e a exibição do volume da Lei Sagrada. Naquela época, havia aqueles que questionaram a sinceridade dessa ação, e insistiram que ela não foi feita porque era a coisa certa a fazer, fundamentalmente, mas apenas para garantir maior reconhecimento. Este julgamento foi justificado. Por seu pacto com o Grande Oriente da França, um corpo fora dos limites da Maçonaria regular, a Grande Loja da França perdeu todas as reivindicações de ser considerada uma Grande Loja Regular e, portanto, todo o direito de reconhecimento [o negrito é meu e não está em documento original]. [Xlii]

A GRANDE LOJA NACIONAL DE FRANÇA: Em resposta àqueles que perguntam sobre a força da Grande Loja Nacional da França, apresentaríamos os seguintes fatos: 68 Lojas estão atualmente funcionando sob essa obediência – 57 na França, sete no Irã, três na Espanha e uma em Marrocos. 36 dessas Lojas trabalham principalmente em inglês, embora uma parte dos seus membros seja de nacionalidade francesa. 25 Lojas trabalham exclusivamente em francês, e estão espalhadas pela França. 7 trabalham alternadamente em francês e inglês, ou em francês e farsi, para aqueles situados na França ou no Iran. Até 31 de outubro de 1964, o número total de membros da Grande Loja Nacional da França era de aproximadamente 4300. Alguns membros desertaram da Grande Loja Nacional há alguns anos, e formaram o que deve ser considerada uma Grande Loja clandestina sob o mesmo nome. Este grupo tem cerca de 100 membros.

Nos últimos dez anos, a Grande Loja Nacional constituiu 40 novas Lojas, das quais 16 estão trabalhando em francês, 18 em inglês, e 6 em farsi. Durante este mesmo período, a Grande Loja Nacional iniciou na Maçonaria, pelo menos, 3.000 irmãos militares, em rotação, de nacionalidade americana ou canadense, e que voltaram para seus países de origem depois de servir seu tempo na França.

Assim, parece que a Grande Loja Nacional da França continua a ser a única Maçonaria devidamente constituída e regular funcionando atualmente na França. [Xliii]

Apesar das falhas óbvias na tentativa de realizar este reconhecimento de tratado do GOF pela GLdF, a COGMINA emite a declaração, “Este é um reconhecimento da validade e regularidade do Grande Oriente como um corpo maçônico, e tal reconhecimento não é aceitável para as Grandes Lojas regulares” Ele continua para dizer, “Por seu pacto com o Grande Oriente da França, um corpo fora do âmbito da Maçonaria regular, a Grande Loja da França perdeu toda a reivindicação para ser considerada uma Grande Loja Regular e, portanto, todo o direito ao reconhecimento. ” [XLIV] Apesar desta afirmação falsa e enganosa, as Grandes Lojas dos EUA quase universalmente aceita os resultados da COGMINA. Finalmente, a campanha atingiu massa crítica, quando o Soberano Grande Comendador do Supremo Conselho do Rito Escocês Antigo e Aceito da Jurisdição Sul assumiu a causa anti-GLdF em julho de 1965, dizendo:

“A Grande Loja da França, uma vez nos últimos anos, havia recebido o reconhecimento de nove jurisdições de Grandes Lojas nos Estados Unidos e foi reconhecida por uma série de Grandes Lojas regulares na Europa e em outros lugares. Os membros da Grande Loja da França, que desejavam prosseguir na Maçonaria procuraram ingressar no Supremo Conselho para a França. Até os distúrbios recentes, a Grande Loja da França assumiu a posição oficial de que os seus membros deviam professar a crença em um Ser Supremo, ou ao Grande Arquiteto do Universo, e que o LSL deve aparecer em seus altares. Na prática, entretanto, algumas lojas subordinados não usam o LSL e houve também relatos intermitentes de que membros individuais da Grande Loja da França estavam tendo Inter visitação com os membros do Grande Oriente da França. [O negrito é meu e não está no documento original]

Em 12 de setembro de 1964, o Grande Oriente da França votou por unanimidade pelo “Tratado de Aliança” proposto com a Grande Loja da França.

Em 17 de setembro de 1964, a Grande Loja da França votou (140 a 82) pelo “Tratado de Aliança” proposto com o Grande Oriente da França. Resumidamente, as disposições deste “Tratado de Aliança” são:

  1. Ambos os corpos e suas lojas corresponderão somente através dos Grandes Secretários.
  2. A comunicação entre os corpos incluirá a palavra semestral ou senhas, nomes dos membros que solicitam dupla filiação ou filiação, os nomes dos candidatos recusados ​​e nomes de lojas e irmãos sob sanções.
  3. Haverá uma Comissão Mista Permanente composto por quatro oficiais do Grande Oriente e quatro oficiais da Grande Loja.

(a)     Dificuldades para ser apresentado à Comissão Permanente.

  1. O Tratado deve ser ratificado por ambos os corpos.

É nosso entendimento que este “Tratado de Aliança” permitirá dupla filiação e Inter visitação para os membros do Grande Oriente e da Grande Loja. [xlv]

A declaração do Soberano Grande Comandante introduziu agora várias novas distorções da verdade. A única loja que desafiou o GLdF em 1960 tornou-se agora várias. O simples tratado de troca de informações através dos Grandes Secretários agora foi expandido para permitir dupla filiação e Inter visitação entre o Grande Oriente e a GLdF. A fim de eliminar qualquer confusão restante na linguagem e interpretação do presente Tratado, incluí tanto o original assinado quanto uma tradução de terceiros como Anexo D e E, respectivamente.

Com a COGMINA e o Soberano Grande Comandante denunciando a infeliz GLdF foi só uma questão de tempo até que todas as Grandes Lojas dos EUA que mantinham relações com a GLdF começaram uma debandada em direção à saída.

Observe a formulação exata da Comissão sobre Informação para Reconhecimento da Grande Loja de Washington, DC; ela foi copiada diretamente dos Anais COGMINA de 1965.

“Este é um reconhecimento da validade e regularidade do Grande Oriente como um corpo maçônico, e tal reconhecimento não é aceitável para Grandes Lojas regulares …

“Por seu pacto com o Grande Oriente da França, um corpo fora dos limites da Maçonaria regular, a Grande Loja da França perdeu todas as reivindicações de ser considerada uma Grande Loja Regular e, portanto, todo o direito ao reconhecimento.” [xlvi]

Washington, DC não foi a única Grande Loja a usar esse tipo de linguagem, embora algumas tenham suavizado um pouco a retórica nas suas respostas oficiais à GLdF.

Uma versão mais polida é descrita em uma carta escrita em 21 de junho de 1965 por um membro do Comitê de Relações Fraternais da Grande Loja de Vermont ao Grande Secretário da Grande Loja da França,

“Lamento informá-lo que nosso Comitê de Relações Fraternais recomendou à nossa Grande Loja, que se reuniu em 09-10 de junho último, que a Grande Loja de Vermont, F. & AM, retire o seu reconhecimento e cesse a sua troca de Grandes Representantes com a Grande Loja da França, com efeito imediato.

É o meu pensamento que um dos principais motivos para essa ação é a estreita ligação reconhecida entre a Grande Loja da França e o Grande Oriente da França, e com a consideração adicional sobre a atitude da Grande Loja da França e do Grande Oriente de França em relação à exigida exibição da Bíblia Sagrada durante o trabalho maçônico “. [xlvii]

Embora a linguagem utilizada seja politicamente correta, é claro que agora quase todas as Grandes Lojas dos EUA estão assinando embaixo da versão COGMINA do que o tratado de 1964 realiza.

Para ver o quão completamente o conceito de “Grande Mentira” tem funcionado, não precisamos de ir mais longe do que citar o relatório da Comissão dos Correspondência Estrangeira da Grande Loja de Louisiana. Ele prova mais uma vez que a primeira vítima da guerra é a verdade.

“Nós, sua Comissão sobre Correspondência Estrangeira apresentamos o seguinte relatório para sua consideração.

Seu comitê tendo sido informado de certas irregularidades ocorridas no seio da Grande Loja da França, passou a fazer um estudo exaustivo da situação nesta Grande Loja e descobrimos o seguinte: A crença em Deus não é mais exigida nesta Grande Loja; o Volume da Lei Sagrada não é mais uma parte essencial do mobiliário da Loja; esta Grande Loja reatou as relações com o Grande Oriente de França, um grupo considerado clandestino desde 1877, quando eles removeram a Bíblia Sagrada de suas lojas e rescindiram a crença em Deus como um requisito para o ingresso. Queremos agradecer aqui ao nosso Grão-Mestre MW Peter L.Bernard Jr., que nos auxiliou na autenticação do acima de sua recente viagem à França “[XLVIII]

A notação casual da viagem do G.M. Bernard à França é um tanto interessante e traz à mente um outro GM que tinha feito a mesma viagem, pelas mesmas razões, em 2001. O PGM Jerry Lankin discutiu sua viagem a Paris, durante as Comunicações de 2002 da Grande Loja do Arizona nas quais encontrei a seguinte declaração que ele fez à Grande Loja “. . . Fui convidado no ano passado, nesta mesma época, a ir à Comunicação Anual da Grand Loja Nationale de France, a mesma comunicação que temos aqui, como seu convidado. Eles pagaram pela viagem e foi uma viagem muito agradável e, de fato, o meu hotel de US $ 300 por noite por três noites e cerca de US $ 1.000 para alimentação e transporte, devo dizer a vocês que foram presentes muito agradáveis ​​que me foram dados. E, quando cheguei a esta reunião, adivinha quem estava lá? quase toda a Comissão de Reconhecimento da Conferência dos Grandes Mestres da América do Norte. Eles receberam a viagem gratuita, juntamente com a Grande Loja de Michigan, Pensilvânia, Nova York, e um monte de pessoas que foram mencionados aqui hoje. ” [xlix]

Eu não pude encontrar qualquer evidência para apoiar a alegação de que a crença em Deus não era mais necessária para a participação na Grande Loja da França na década de 1960, assim como não há qualquer evidência de que o LSL foi removido do altar da loja. O tratado, que se supõe prova o reconhecimento do Grande Oriente não chegou perto de violar as orientações da GLUI de 1929. No entanto, apesar disso, as Grandes Lojas dos Estados Unidos denunciaram a Grande Loja da França tão rapidamente quanto elas iriam denunciar uma Grande Loja americana quarenta anos depois.

A maçonaria Prince Hall e a luta pelo reconhecimento:

As Grandes Lojas Prince Hall lutaram nos últimos 230 anos para ser reconhecidas pela Maçonaria predominantemente branca nos EUA. No entanto, aqui ninguém tirou da manga um volume da Lei Sagrada e invocou qualquer profissão de fé maçônica. Os ataques contra a Maçonaria Prince Hall estavam enraizados em racismo. Este é um caso clássico de como um pequeno, talvez tão pouco quanto apenas 1 por cento de homens poderosos, muitos deles líderes em nossa Fraternidade criaram uma ferida na psique da nação que nunca foi totalmente curado.

Um exemplo clássico das estratégias utilizadas por Grandes Lojas predominantemente brancas contra a Maçonaria Prince Hall pode ser visto no discurso de 1990 do PGM Allen G. de Tidwell à Slidell Lodge No. 311 em Alexandria, Louisiana, alertando para os efeitos do reconhecimento dos maçons Prince Hall “clandestinos”.

O discurso não foi realmente escrito pelo irmão Tidwell, mas composto por uma comissão a ser apresentado na reunião anual de Grãos Mestres. Ele lembra a todos eles o destino que aguarda qualquer Grande Loja tola o suficiente para reconhecer uma Grande Loja Prince Hall. Ele começa com o destino da Grande Loja de Washington depois de seus membros votaram pelo reconhecimento da Grande Loja Negra em 1898.

“Dezessete Grandes Lojas americanas cortaram relações com a Grande Loja do Estado de Washington. No ano seguinte, em 1899, a Grande Loja do Estado de Washington revogou sua ação.

“Em 1947, a Grande Loja de Massachusetts reconheceu a Maçonaria Prince Hall. Pelo menos onze Grandes Lojas americanas os repreenderam e as Grandes Lojas da Flórida e Texas romperam relações com a Grande Loja de Massachusetts. Dois anos depois, em 1949, a Grande Loja de Massachusetts revogou sua ação. ”

As implicações eram claras, reconheça Prince Hall e sua Grande Loja perderá seu próprio status como Grande Loja regular e reconhecida. O argumento tinha provado seu valor em 1898, 1947 e tinha sido usado em meados da década de 1960 para trazer as Grandes Lojas dos Estados Unidos de volta na linha e suspender as relações com a Grande Loja da França. A tática era simples e eficaz. Tudo o que ela tinha a fazer era insinuar sem oferecer qualquer prova de que a iniciação de Prince Hall era uma farsa. Que era um truque de confiança desempenhado por um oficial do Exército inescrupuloso e traiçoeiro e continuava afirmando “Qualquer grupo de homens, independentemente da cor, tentando reivindicar qualquer legitimidade ou regularidades desde 1813, em virtude de possuir a carta constitutiva física inglesa de 1784 de Loja Africana de Boston é simplesmente praticar o autoengano.”

Este é realmente apenas uma versão modificada do argumento usado cem anos atrás: “Esta Loja (Africana), tem, sem dúvida, uma Carta Constitutiva de algum tipo. Vinte anos atrás, eu a vi, e minha impressão é que se trata de uma Carta Constitutiva de Loja normal, mas se verdadeira ou não, eu não sou capaz de dizer. Fiquei sabendo que foi sub-repticiamente obtido, (através da agência de um capitão de mar), a partir de uma das duas Grandes Lojas então na Inglaterra, mas não posso encontrar qualquer registro nos Anais de qualquer um desses corpos. ”

A Grande Loja Unida da Inglaterra, como o sucessor legal da Grande Loja de Inglaterra (Modernos), em 1813, ELIMINOU a Loja Africana de Boston de seu registro de Lojas. Isso provocou a cassação da carta constitutiva inglesa de 1784 que se tornou nula e sem efeito. Como prova de sua intenção e propósito, a Grande Loja da Inglaterra atribuiu os números de Loja “370” e “459” a outras Lojas. Assim, desde 1813 a Carta Constitutiva inglesa de 1784 da Loja Africana de Boston tem sido um pedaço de papel sem valor desprovido de qualquer autoridade maçônica, validade, força, ou efeito”. [l]

A GLUI finalmente esclareceria e provaria ser falso este argumento em sua declaração de 1994, que reconhece a Maçonaria Prince Hall. “Na fusão dos dois Registros após a União das duas Grandes Lojas na Inglaterra em 1813, a Loja Africana (e muitas outras no país e no exterior) foram omitidas do registo, não tendo havido qualquer contato por muitos anos. A loja Africana não foi, entretanto, formalmente apagada. ”

Itália 1993

Em 1859, o Supremo Conselho /Grande Oriente da Itália foi fundado em Turim. Em 1860, Giuseppe Garibaldi ao aceitar o título de Grão-Mestre da autoridade siciliana escreveu: “Eu de bom grado assumo o cargo de chefe supremo da Maçonaria Italiana constituída de acordo com o Rito Escocês Reformado e Aceito. Eu continuo porque ele foi conferido a mim pelos votos livres de homens livres, a quem devo minha gratidão, não só pela confiança que me foi mostrado ao elevar-me a uma posição tão alta, mas também pela ajuda que me deram de Marsala a Volturno, na grande tarefa de libertar as províncias do sul. Minha nomeação como Grão-Mestre é a interpretação mais solene das tendências da minha alma, dos meus votos, dos objetivos pelos quais eu trabalhei toda a minha vida. Garanto a vocês que com a sua misericórdia e com a cooperação de todos os nossos irmãos, a bandeira italiana, que é a da humanidade será o farol do qual a luz do verdadeiro progresso será derramado por todo o mundo “. [Li]

No segundo semestre de 1862, a expedição para a libertação de Roma estava sendo preparada. Mas ela seria interrompida no dia vinte e nove de agosto, quando ele foi ferido na coxa em uma troca de tiros em Aspromonte. Garibaldi, ao aceitar o papel que lhe foi oferecido pela obediência Escocesa siciliana demonstrou que, nessa fase, ele identificava a Maçonaria com o programa nacional e pretendia usá-la como um meio de organização e ponto de encontro dos diferentes movimentos democráticos. Não foi por acaso que, quando chegou à Sicília, ele participou da iniciação de seu filho Menotti (primeiro de julho) e ele, pessoalmente assinou (em três de julho) a proposta de filiação de toda a sua equipe (Pietro Ripari, Giacinto Bruzzesi, Francesco Nullo, Giuseppe Guerzoni, Enrico Guastalla e outros). No longo prazo, uma vez que a luta pela independência nacional estava concluída, o plano político da maçonaria era identificar-se com um objetivo mais amplo e ambicioso, o da libertação e da emancipação de toda a humanidade.

“Foi o fracasso do empreendimento de agosto 1862”, observou Aldo Alessandro Mola “, que levou Garibaldi a assumir uma postura anticlerical intransigente”. A partir daquele momento o General estava cada vez mais convencido de sua identificação com a posição da Maçonaria, que era o principal defensor na península de um secularismo inflexível opondo-se ao Vaticano, à medida que a Igreja Católica lutava para manter o controle sobre Roma e os Estados do Vaticano.

Os maçons, sob a liderança de Garibaldi havia liderado a luta pela unificação. Foi em maio de 1867, na véspera da Assembleia Constituinte maçônica em Nápoles, que ele fez um apelo famoso a todos os irmãos da península, “Da mesma forma que ainda não temos um país, porque não temos Roma, então não temos uma maçonaria porque ela está dividida… Sou de opinião que a unidade maçônica levará à unidade política da Itália. Vamos, em Maçonaria, fazer com que fasces romanos sejam feitos, de modo que não obstante os grandes esforços ainda não realizados sejam obtidos na política. Acredito que os maçons são uma parte eleita do povo italiano. Deixe-os colocar de lado suas paixões profanas e com a consciência da alta missão que a nobre instituição maçônica lhes confiou, criar a unidade moral do país. Ainda não temos a unidade moral, deixemos a Maçonaria alcançá-la e a outra (unidade da nação) imediatamente será atingida… Abstenção é inércia, é morte. Eu peço a compreensão, e na unidade de entendimento, teremos a unidade de ação. ” [Lii]

No curso do movimento pela unificação italiana, a existência dos Estados Pontifícios provou ser um obstáculo à união nacional, tanto porque eles dividiam a Itália em duas e porque as potências estrangeiras intervieram para proteger a independência papal. Ela sobreviveu porque eles eram protegidos por tropas francesas. Com a eclosão da guerra franco-prussiana em 1870, os franceses se retiraram e as forças italianas ocuparam Roma. Os Estados Pontifícios tinham finalmente chegado ao fim. O Papa Leão XIII revidaria contra os Maçons emitindo sua Humanum Genus, em 20 de abril de 1884, exortando os católicos em toda parte a rejeitar a Maçonaria.

Qualquer dúvida persistente sobre a atitude antimaçônica do Vaticano foi removida em 1929, após a criação de um Estado do Vaticano muito menor no meio de Roma. A Igreja Católica, em conjunto com os fascistas italianos removeu do calendário de feriados nacionais no dia 20 de setembro, um feriado que se tinha se tornado o símbolo de um país finalmente construído em nome da democracia e do secularismo, ao qual tanto Garibaldi e a Maçonaria tinham dado uma contribuição determinante. Foi também nesse ano a GLUI adoptou as suas normas de regularidade revistas.

O Irmão Kent Henderson nos dá um resumo dos eventos que resultaram em a GLUI retirar o reconhecimento do Grande Oriente da Itália em 9 de novembro de 1993, “Em 1993, o Grão-Mestre titular do Grande Oriente da Itália, Irmão Giuliano Di Bernardo, citando supostas irregularidades nas operações do Grande Oriente, separou-se e formou a Grande Loja Regular da Itália. As Grandes Lojas da Inglaterra, Irlanda, Escócia, e algumas outras Grandes Lojas, retiraram o reconhecimento do Grande Oriente da Itália, e ao invés dele reconheceram a nova Grande Loja Regular da Itália. Entretanto, praticamente sem exceção, as Grandes Lojas da América, Canadá, Austrália, e a maioria das outras em outros lugares recusaram-se a imitar a Inglaterra, e desde então mantiveram relações fraternais com o Grande Oriente. Esta situação infeliz permanecia inalterada em 2001.

Em dezembro de 1997, quinze lojas sob a Grande Loja Regular da Itália retiraram-se e formaram a Grande Loja da União (Gran Loggia Dell Unione). Desde então, ela consagrou mais seis lojas. Em 1998, um outro grupo de lojas retirou-se da Grande Loja Regular da Itália para criar a Grande Loja Unida da Itália (Gran Loggia d’Italia Unita).

Em junho de 1999, a Grande Loja da União patrocinou a criação de um órgão conhecido como A Federação das Grandes Lojas da Itália (Gran Loggia Federale Italiana), e tornou-se seu membro fundador. Subsequentemente, a Grande Loja Unida da Itália filiou-se a ela. Os estatutos da Federação permitem a adesão recíproca para Grandes Lojas na Itália que, em sua opinião, possam provar a sua regularidade de origem. Cada Grande Loja mantém a sua autonomia, e parece ter tomado como exemplo as Grandes Lojas Unidas da estrutura Alemã. O objetivo da Federação é unir todas as Grandes Lojas regulares funcionando na Itália.

Em resumo, existem atualmente duas Grandes Lojas ‘regulares’ e ‘reconhecidas’ na Itália (o Grande Oriente da Itália e da Grande Loja Regular da Itália), dependendo da perspectiva e reconhecimento fraterno de qualquer Grande Loja não italiana.

A Grande Loja Regular da Itália foi fundada em Roma em 17 de abril de 1993 com o Prof. Giuliano Di Bernardo como seu primeiro Grão-Mestre, e 107 membros fundadores. Pelos três anos anteriores ele tinha sido Grão-Mestre do Grande Oriente da Itália, do qual ele renunciou logo após a reunião anual do Grande Oriente da Itália no final de Março de 1993. A Grande Loja Unida da Inglaterra, a Grande Loja da Escócia e a Grande Loja da Irlanda atualmente a reconhecem. Muitas outras Grandes Lojas continuam a reconhecer o Grande Oriente da Itália “.

A fim de proporcionar um olhar mais aprofundado em alguns dos eventos que antecederam as medidas da GLUI tomadas contra o Grande Oriente da Itália em 1993, recolhi os seguintes detalhes de artigo do irmão Pete Normand, “O Dilema italiano”, impresso na Primavera de 1994 na Revista Maçônica Americana.

Em Março de 1993, logo depois de ter recebido um voto esmagador de confiança no cargo de Grão-Mestre, o Professor Giuliano DiBernardo surpreendeu o mundo maçônico ao renunciar ao seu cargo, deixando o Grande Oriente e, com um pequeno grupo de seguidores maçons italianos, criar sua nova Gran Loggia Regolare, em seguida, fundi-la com a Gran Loggia Generalle Italiana. Os críticos da nova Gran Loggia Regolare acreditam que o Grão Mestre DiBernardo não devia teria feito um movimento tão drástico sem primeiro obter, pelo menos, a aprovação tácita da liderança da GLUI. Na sua reunião seguinte, realizada em junho, a GLUI suspendeu temporariamente o seu reconhecimento dos 15.000 membros do Grande Oriente da Itália, abrindo assim o caminho para o reconhecimento da nova Grande Loja, em dezembro.

Na sua grande comunicação trimestral realizada em 9 de dezembro de 1993, a GLUI, movendo-se com velocidade incomum, concedeu reconhecimento à recém-formada Gran Loggia Regolare d ‘Italia. Essa ação acontece apenas nove meses após a formação da nova Grande Loja, e apenas três meses após a retirada do reconhecimento do antigo Grande Oriente da Itália, levando muitos a especular que os ingleses podem ter tido mais que um papel passivo na criação da nova Gran Loggia Regolare.

A GLUI retirou o reconhecimento assacando quatro acusações contra o Grande Oriente da Itália. Essas acusações, resumidas em seu “papel de negócios” e publicadas antes de sua comunicação trimestral de setembro de 1993, afirmava que existiam “provas suficientes” das seguintes irregularidades relacionadas: 1) deixar de registrar todas as suas lojas e membros junto ao governo italiano, 2) laços com grandes lojas não reconhecidas e irregulares, 3) práticas irregulares, e 4) a interferência junto a ordens anexas. No entanto, a correspondência subsequente disponibilizada aos grandes secretários de todo o mundo discutindo essas acusações em maior detalhe revelam que muitas das acusações eram ou não comprovadas ou menos graves do que e pareciam à primeira vista. Alguns observadores expressaram sua dificuldade em compreender como a GLUI podia condenar o Grande Oriente da Itália por não seguir escrupulosamente os regulamentos deste tipo emitidos pelo governo, especialmente quando a GLUI, que nem sequer mantém registros de adesão para suas lojas, tem recusado repetidamente as demandas expressas de antimaçons de tornar públicos os nomes de seus membros.

Esta primeira acusação serve para ilustrar a velha diferença entre maçonaria inglesa e maçonaria continental. Onde, por um lado, a natureza historicamente liberal da sociedade Inglês e do governo britânico, combinado com o bom relacionamento da fraternidade com a família real tem permitido que o Craft na Inglaterra permaneça muito apolítico, por outro lado, a natureza muitas vezes opressiva os governos dos países predominantemente católicos romanos criou um tipo muito mais secreto de maçonaria no continente.

Se laços com entidades não reconhecidas consideradas irregulares pela GLUI garantem a retirada do reconhecimento, então a Inglaterra deve estar preparada para retirar o reconhecimento de muitas outras Grandes Lojas no mundo. A maioria das Grandes lojas americanas mantém relações fraternas com outras grandes lojas e entidades anexas consideradas irregulares pela GLUI.

A terceira acusação refere-se a “práticas irregulares” pelo Grande Oriente da Itália, que por muitos anos permitiu certas funções com finalidades especiais, onde não maçons e mulheres eram admitidos. Especificamente mencionados são serviços de funerais maçônicos, um Ágape ritual (ou cerimônia de loja de mesa), e uma cerimônias de casamento maçônico. Embora a cerimônia de casamento maçônico certamente mereça investigação, essas acusações devem ser vistas à luz do fato de que a GLUI, que não tem cerimônia de funeral maçônico, tradicionalmente se opôs à presença de mulheres e não-maçons em qualquer cerimônia maçônica que não seja o lançamento de pedras fundamentais.

Esta quarta acusação contra o Grande Oriente aborda alegações de interferência indevida ou influência junto aos Ritos Escocês e de York. As alegações feitas contra o Rito Escocês parecem lidar principalmente com a opinião da Inglaterra de que é impróprio para oficiais do Grande Oriente servir como membros do Supremo Conselho. No entanto, os críticos dessa opinião destacam que que não é incomum para grandes oficiais de grandes lojas americanas servir também como oficiais do Rito Escocês. Mais uma vez, a opinião da Inglaterra sobre esta impropriedade pode decorrer de seus próprios preconceitos em relação à Maçonaria continental do Rito Escocês em oposição ao tratamento peculiar da Inglaterra ao rito.

Em uma carta datada de 29 de de Novembro de 1993 e dirigida ao Grande Secretário Alfredo Diomede do Grande Oriente, o Grande Secretário Michael Higham da Inglatera referiu-se a um discurso feito em Maio de 1992 por Alberto Banti, chefe do Grande Capítulo do Royal Arch, criticando a invasão de sua jurisdição pelo Royal Arch inglês. Nesse discurso, Banti acusa as duas lojas de ritual Inglês de recrutar candidatos do Real Arco fora de suas próprias lojas. Membros do Grande Capítulo do Real Arco da Itália, como todos maçons do Rito de York (American Rite) em todo o mundo, não concordam com a noção da Inglaterra de que o Grau do Real Arco é uma oficina para complementar o terceiro grau, mas sim consideram o Grau de Mestres Maçom completo, ou sublime, em si e por si. Banti indica corretamente que o Grau do Real Arco inglês foi “inserido nas Constituições da nova Grande Loja Unida (da Inglaterra), apenas como um compromisso” na fusão das Grandes Lojas dos Antigos e dos Modernos em 1813. Ele ainda lembrou que foi o Grão Mestre Salvini, quem permitiu aos Ingleses trabalhar seu Grau do Real Arco na Itália, em violação direta de um acordo anterior que concedia jurisdição exclusiva sobre o Grande Capítulo do Real Arco da Itália e o Grande Capítulo Geral.

Este discurso ao Grande Capítulo do Real Arco da Itália produzido pelo Grande Secretário Higham como evidência de interferência por ordens anexas, serve mais como uma medida de até que ponto a GLUI está disposta a ir para proteger o seu Grau do Real Arco, mesmo em uma jurisdição maçônica onde existem acordos prévios com as ordens anexas.

Grécia 1993

Em 1864, o Grande Oriente da Grécia obteve uma carta constitutiva do Grande Oriente da Itália, estabelecendo a primeira Grande Loja Grega. [liii]

Apesar de não ser mencionado entre os participantes do Congresso de Lausanne de 1875, o Supremo Conselho da Grécia teve um representante lá, pelo menos para os primeiros dias. Seu representante não era outro senão o Ilustre Irmão Lindsay Mackersy [liv]. O alvoroço que se seguiu à denúncia de Mackersy do Congresso, ostensivamente baseada na formulação do Princípio criador causou um cisma na Maçonaria grega. Vários membros do Supremo Conselho grego e do Grande Oriente, sob a liderança do Prof N. Damaskinos, Grão-Mestre Adjunto e Vice-Grão-Comandante, eleito para colocar-se junto com o francês e formou o “Supremo Conselho, Grande Oriente da Grécia”.

O cisma terminou em janeiro de 1907 após uma negociação de dois meses em que ficou acordado que o Grande Oriente/Supremo Conselho conferiria os graus do Craft e reconheceria o Supremo Conselho original como o único legítimo Corpo do Rito Escocês na Grécia. Em contrapartida, o Supremo Conselho concordou em reconhecer todos os graus e oficiais conferidos durante os quase 30 anos do cisma. Com isso resolvido, a Maçonaria grega parecia ter progredido muito bem até meados da década de setenta. Havia apenas uma mosca na sopa.

Embora a maioria dos cipriotas se considerassem gregos, eles estavam sob domínio britânico desde 1893 e Maçonicamente falando estavam sob a GLUI. Quando os cipriotas de língua grega foram rejeitados em uma loja em sua própria língua, eles se voltaram para o Grande Oriente da Grécia. O Grande Oriente, que via a ilha como grega, concedeu carta constitutiva a uma loja em língua grega em Limassol. Em outubro de 1918, o Supremo Conselho grego escreveu ao Supremo Conselho Inglês perguntando se ele teria alguma objeção quanto aos gregos criarem um Consistório em Limassol. Quando o Supremo Conselho Inglês opôs-se o Consistório grego recebeu carta constitutiva.

Pelos 15 anos seguintes, uma série de acordos entre os dois corpos maçônicos gregos criou alguma confusão quanto a qual corpo podia fazer o quê.

Em 1927, por decreto presidencial, o Grande Oriente da Grécia foi reconhecido como uma fundação filosófica e filantrópica. Dada a paranoia que existe na maior parte dos governos sobre a Fraternidade, este decreto ilustra a alta conta em que os gregos tinham a Maçonaria. [lv]

O Irmão Souvaliotis recorda-se da queda da Grécia diante dos alemães e a tentativa de destruição da ordem naquele país. “À medida que a década de 30 chegava ao seu fim, as nuvens de guerra estavam se formado sobre a Europa, e quando a guerra chegou à Grécia, muitos maçons gregos participaram ativamente da luta épica nas montanhas do Épiro do Norte, enquanto as Lojas nas cidades estavam ajudando da forma que podiam, principalmente através do envio de pacotes de roupas de lã para ajudar as tropas a enfrentar as duras condições de inverno. Ao leme da Nação na época, estavam dois maçons: O Rei e o Primeiro-Ministro.

[lvi]

A Grécia estava, então, lutando por sua independência e sua liberdade. Ela deu ao Mundo Livre sua primeira vitória desde que o resto da Europa tinha caído diante das divisões nazistas e a Inglaterra ficado sozinha aguardando uma possível invasão das Ilhas Britânicas. A luta vitoriosa de seis meses contra os invasores italianos tinha chegado a um fim, quando as divisões alemãs invadiram a Grécia vindas da Bulgária e da Iugoslávia. As poucas e galantes tropas que enfrentaram o segundo invasor, lutaram tão bravamente que quando eles finalmente capitularam, os invasores apresentaram armas a eles, fato que – tanto quanto sabemos – nunca acontecera antes ou depois.

Os alemães chegaram a Atenas dentro de 21 dias de sua invasão, e uma de suas primeiras ações foi ir à sede da Maçonaria, confiscar quaisquer registros deixados ali e causar sérios danos ao imóvel. Este também foi o destino des outros imóveis maçônicos em todo o País. Em seguida, eles prosseguiram até a residência do então Grão Mestre, Irmão Philotas Papageorgiou e o colocaram sob prisão. Ele foi levado à prisão onde foi mantido sob condições muito duras, que causaram danos irreparáveis ​​à sua saúde e, embora fosse libertado cerca de sete meses depois, ele nunca se recuperou e morreu em 1947. ” [lvii]

De 1933 a 1993, estas questões foram resolvidas, mas não antes de a GLUI usa-los para fundamentar a sua retirada do reconhecimento do Grande Oriente, que tinha sido rebatizado após a Segunda Guerra Mundial como Grande Loja da Grécia. A Grande Loja imediatamente removeu a base para essa acusação, declarando nulos os acordos restantes. Tal como acontece com todas as decisões políticas, os motivos declarados para tomar qualquer ação raramente têm qualquer relação com as preocupações subjacentes.

Então, em 1976, vários maçons gregos decidiram importar os graus do Rito de York americano. Alguns anos mais tarde, os líderes deste Rito de York americano solicitaram o reconhecimento da Grande Loja da Grécia. Sua petição foi rejeitada e os seus membros ameaçados de expulsão da Grande Loja. Esta atitude e vários outros eventos, eventualmente, levaram à criação da Grande Loja Nacional da Grécia em 1986.

Então algo inesperado aconteceu, os líderes da Grande Loja Nacional decidiram abandonar o Rito de York americano e adotar os Santo Real Arco britânico e os outros graus além do Craft (Marca, Royal Mariner, Degrees Cryptic, e assim por diante). Em seguida, a Nacional também embarcou em um esforço coordenado para obter o reconhecimento, inicialmente da GLUI e de outras Grandes Lojas estrangeiras. [Lviii]

Uma vez que a GLUI não poderia parecer violar o princípio alardeado de competência exclusiva, ela tinha um problema que tentou resolver em 1993, ameaçando a Grande Loja da Grécia, com a retirada do reconhecimento com base nas seguintes acusações:

Primeiro, que a Grande Loja estava envolvida em política, permitindo a discussão da questão do reestabelecimento de uma república grega da Macedónia em reuniões maçônicas (Este tem sido um tema muito discutido na Grécia desde 1905, quando a área se libertou do Império otomano. A República Grega da Macedônia finalmente tornou-se uma realidade em 1991).

Em segundo lugar, que ela tinha retirado a necessidade do Juramento das Obrigações.

Em terceiro lugar, que era subserviente ao Supremo Conselho. [lix]

Só se pode presumir que a semelhança dessas acusações àquelas levantadas contra a Grande Loja da França é mera coincidência.

A Grande Loja da Grécia, a fim de anular as acusações relativas ao Supremo Conselho fez o seguinte: Ela anunciou a revogação dos acordos acima mencionados.

Ela alterou sua Constituição, removendo todas as referências ao Rito Escocês e às Constituições de 1762 e 1786, e mudou seu nome mais uma vez para “A Grande Loja da Grécia, AF & AM.

Ela introduziu o Santo Real Arco na Maçonaria do Craft grego usando a terminologia da GLUI, isto é, “A Maçonaria Craft na Grécia consiste nos graus de Aprendiz, Companheiro e Mestre Maçom, incluindo a ordem do Real Arco.” [lx]

Independentemente das ações adotadas para acalmá-los, a GLUI já havia se comprometido com um curso de ação e retirou efetivamente o seu reconhecimento da Grande Loja da Grécia e deu-o à Grande Loja Nacional da Grécia de estilo inglês em 1994.

Em 1999, era evidente que outras jurisdições não estavam mais dispostas a aceitar as decisões arbitrárias, obviamente tendenciosas da GLUI quanto a qual Jurisdição era ou não regular. Naquele ano, a GLUI reverteu sua decisão anterior e retirou o reconhecimento da Grande Loja Nacional da Grécia. Em 2000, a GLUI restabeleceu o reconhecimento da Grande Loja da Grécia. Mas a tempestade sobre a regularidade estava longe de terminar.

Portugal 1999

Segundo a ata da Conferência de Grãos Mestres da América do Norte (COGMINA) de 1990, a Grande Loja Nacional da França (GLNF) concedeu carta constitutiva a duas Lojas em Portugal em 1989 e uma terceira em 1990. Em 1991, a GLNF tem um total de seis lojas e em 30 de Junho constitui a Grande Loja de Portugal.

Nada mais é mencionado nas atas da COGMINA até fevereiro de 1997, quando o comitê sente a necessidade de anunciar que a Grande Loja Regular de Portugal continua a sua regularidade com o irmão Luis Nandin de Carvalho como Grão-Mestre. O motivo para esta declaração torna-se um pouco mais claro no ano seguinte quando as atas após reafirmar este mesmo status, o relatório continua para anunciar que para se adaptar ao direito civil a Grande Loja mudou seu nome, em 1997, para o Grande Loja Legal de Portugal / G.L.R.P. seguida pela Grande Loja Regular de Portugal. Isto é seguido por um anúncio bastante invulgar de que existe uma Grande Loja irregular com um nome idêntico e que não tem direito ao reconhecimento.

Lendo as atas para os anos de 1997 e 1998, pode-se perguntar por que afinal o comitê se preocupou em incluir qualquer coisa sobre Portugal. Exceto pela razão inexplicável para uma mudança de nome, como uma segunda Grande Loja com o mesmo nome entra em cena? Contudo, a comissão estava prestes a dar um pouco mais de informação em 1999. No interesse da clareza, o seguinte é o relatório completo do relatório do comitê da COGMINA sobre Portugal a partir de seus Anais em 1999.

“Portugal

Deixe-me começar por dizer que isso não faz parte do relatório, mas vocês vão ouvir alguns nomes que são confusos, porque eles são muito semelhantes e, à medida que eu recitar um pouco da história disso talvez seja compreensível por que essa similaridade e confusão existem. Vou avisá-los que, quando eu lhes der o nome completo, vou me referir a uma delas como a Grande Loja Regular e eu faço isso porque é parte do nome. Vou referir-me à outra como a Grande Loja Legal e eu vou fazer isso porque isso foi posteriormente incorporado ao seu nome. À medida que vocês ouvirem este relatório, eu acho que ficará claro por que é necessário que você possam fazer essa distinção e a ação que esta Comissão sugere que pose ser interessante para a Grande Loja. Algumas dessas coisas estão escritas em Português. Para facilitar, vou lê-la como se fosse Inglês.

A Grande Loja Regular de Portugal foi consagrada em 29 de junho de 1991 pela Grande Loja Nacional de França, GLNF. Ela foi formada a partir de Lojas constituintes do Distrito Grande Loja Maçônica da GLNF em Portugal. A Comissão informou em 1992 que, naquela época “a Grande Loja Regular de Portugal é regular e tem direito ao reconhecimento como tal.” Muitos membros desta Conferência posteriormente concederam reconhecimento à Grande Loja Regular de Portugal.

Em 1996, certos acontecimentos ocorreram que criaram um cisma em Portugal. Existem diferentes interpretações destes eventos. Um grupo caracterizou os eventos como uma usurpação da autoridade e da propriedade da Grande Loja. Em resposta a esses eventos, e em conformidade com a lei civil, bem como para dar continuidade, este grupo modificou seu nome em 23 de dezembro de 1996 para Grande Loja Legal de Portugal / GLRP seguido por Grande Loja Regular de Portugal, isto é tudo em um só nome. Em Inglês seria lido como a Grande Loja Legal de Portugal / GLRP Grande Loja Regular de Portugal. A GLNF, Grande Loja Mãe, a Grande Loja Nacional Francesa posteriormente emitiu uma carta em substituição para este grupo.

O outro grupo caracterizou os eventos como um impeachment do Grão Mestre. Este grupo tem a posse física da carta constitutiva original emitida pela GLNF e está usando o nome de Grande Loja Regular de Portugal. A Comissão ouviu ambos os grupos e outras partes interessadas. Ouvimos, revisamos e compreendemos o material apresentado tanto na comunicação escrita quanto na oral. A Comissão considera que esta disputa gira em torno do padrão de legitimidade ou de origem. Concluímos que a Grande Loja Legal de Portugal – GLRP Grande Loja Regular de Portugal cumpre as normas da Comissão, é regular, e tem direito ao reconhecimento.

A Comissão conclui ainda que a Grande Loja Regular de Portugal é irregular e não tem direito ao reconhecimento. Os relatórios dessa Comissão e Comissões anteriores chegaram a conclusões idênticas; tendo em vista a confusão de nome, sugerimos que cada Grande jurisdição na América do Norte esclareça o seu reconhecimento de Portugal. O Grão-Mestre da Grande Loja Legal de Portugal/GLRP Grande Loja Regular de Portugal é Luis Nandin Carvalho, seu endereço é Rua Tomas Ribeiro 45-7, 1050 Lisboa, Portugal. O número de telefone do escritório, o fax, endereço de sua residência e de E-Mail e um URL estão incluídos neste relatório. Se alguém quiser lê-los agora, pode fazê-lo, eles serão incluídos como parte do relatório “. [lxi]

O sublinhado é meu e não estava incluído no relatório original. Eu também dividi o terceiro parágrafo original em dois para melhorar a legibilidade.

Parece que por algum motivo, o Grão Mestre Luís Nandin de Carvalho foi cassado e expulso da Grande Loja. Ele, então, parece ter afirmado que este era uma usurpação da autoridade e propriedade da Grande Loja. No entanto, o relatório não lança qualquer luz a respeito da mudança de nome e por que as leis civis exigiram tal mudança. Parece que o Grão-Mestre cassado realmente formou uma nova Grande Loja. No entanto, este fato parece ser ofuscado pela ação da Grande Loja Nacional da França (GLNF) reemitindo a Carta Constitutiva original para a Grande Loja Regular de Portugal à nova Grande Loja Legal de Portugal / Grande Loja Regular de Portugal. Para um leigo como eu, isso me parece ser totalmente contrária às diretrizes de 1929 estabelecidas pela GLUI e em violação do muito propalado princípio da jurisdição exclusiva. A GLNF simplesmente contorna ambas as normas que eles empregaram por quase 40 anos para impedir que a Grande Loja da França ganhe reconhecimento e a COGMINA aprovou sua ação.

No penúltimo parágrafo, o comitê para informação sobre reivindicações de reconhecimento deve ter ouvido ambos os grupos e outras partes interessadas, mas não inclui quaisquer fatos relevantes sobre os quais se baseia a decisão deles de que a Grande Loja Regular de Portugal é de repente irregular. Aquela divulgação viria de um Grão-Mestre que realmente visitou Portugal não uma, mas duas vezes durante esta situação.

Em junho de 1999, de acordo com a sugestão da COGMINA de que cada Grande jurisdição na América do Norte esclarecesse o seu reconhecimento, a Comissão de Relações Exteriores da Grande Loja do Arizona trouxe a questão à baila. Mais uma vez, vou fornecer a discussão sobre esta moção na íntegra.

O assunto a seguir referente à Maçonaria em Portugal é apresentado para a informação e consideração desta Grande Loja. O Relatório Anual de 1992 da Comissão de Reconhecimento observou que o Grande Loja Regular de Portugal foi consagrado em 29 de junho de 1991 pela Grande Loja Nacional da França. A Comissão era de opinião que a Grande Loja Regular de Portugal era regular e tinha direito ao reconhecimento subsequentemente concedido pela Grande Loja do Arizona. O Relatório Anual de 1998 (este é da Comissão de Constituição) observou que esta Grande Loja tinha alterado o seu nome em 1997 para Grande Loja Legal Portugal / Grande Loja Regular de Portugal. A Grande Loja Nacional da França emitiu para esta Grande Loja uma carta constitutiva em substituição sob este novo nome. Isso foi feito em resposta a eventos que podem ser interpretadas como (1) uma usurpação de autoridade e propriedade, incluindo a carta original da Grande Loja Regular de Portugal, ou (2) um impeachment do Grão Mestre Luis Nandin de Carvalho. O relatório da Comissão de Reconhecimento para 1999 chega à mesma conclusão que a do ano passado, de que a Grande Loja Legal Portugal / Grande Loja Regular Portugal continua a ser regular e tem direito ao reconhecimento, e também, que a Grande Loja Regular de Portugal é irregular e não tem direito ao reconhecimento. A Comissão de Reconhecimento recomenda que, em vista da confusão de nomes, cada Grande Loja deve esclarecer o seu reconhecimento da Maçonaria em Portugal.

A COMISSÃO RECOMENDA, PORTANTO, QUE A GRANDE LOJA DO ARIZONA AFIRME QUE RECONHECEMOS A GRANDE LOJA RENOMEADA QUE NÓS JÁ RECONHECÍAMOS E AGORA DESIGNADA COMO GRANDE LOJA LEGAL PORTUGAL GRANDE LOJA REGULAR PORTUGAL DA QUAL É GRÃO MESTRE LUIS NANDIN DE CARVALHO.

Venerabilíssimo Grão-Mestre, minha moção é de adoção desta parte do relatório.

Aprovado.

Em “Discussão” Venerabilíssimo Irmão Gerald H. Lankin ofereceu o seguinte:

Irmãos, Eu venho diante de vocês hoje para refutar e votar contra a Comissão de Reconhecimento da Conferência dos Grandes Mestres que retirou o reconhecimento da Grande Loja Regular de Portugal e que o substituiu pela Grande Loja Legal de Portugal.

A decisão do Comitê é baseada em política europeia, pura ignorância dos fatos e a recusa da Comissão em apurar os fatos em si sobre a situação em Portugal. Em fevereiro deste ano, apresentei um relatório abrangente e fiz uma apresentação ao Comitê da Conferência quando estava na Conferência de Grãos Mestres no Havaí, trechos do qual eu lerei brevemente. Em fila contra mim estavam o Grão-Mestre da Grande Loja de Espanha; o Assistente de Grão-Mestre da Grande Lodge Nationale de France; o Grande Secretário da Inglaterra, e os Grandes Secretários da Pensilvânia e de Nova Iorque, ambos Past Grãos Mestres.

Aqui está o pano de fundo da história e ela é uma grande história maçônica.

Em 1991, após a morte do ditador fascista que governou Portugal desde a década de 1930, a Grande Loja Regular de Portugal foi formada com uma carta constitutiva emitida pela Grande Loja Nacional da França. Vários anos antes, após a morte de Francisco Franco, o ditador fascista da Espanha, muitos ingleses vivendo na Espanha formaram lojas e, posteriormente, a Grande Loja da Espanha, que foi imediatamente reconhecida pela Grande Loja da Inglaterra. Vários anos mais tarde, dois homens concorreram ao cargo de Grão-Mestre da Espanha, um representando as lojas de língua Inglesa na Espanha e o outro as lojas de língua espanhola. O candidato Inglês venceu a eleição e o candidato espanhol imediatamente retirou-se e formou a sua própria Grande Loja, que agora é chamada de Grande Loja Federal da Espanha, que foi reconhecida pela Grande Loja Regular de Portugal e pelo Grande Oriente da Itália, que é a Grande Loja que nós reconhecemos. Escusado será dizer que isso indignou tanto a Grande Loja da Inglaterra quanto a da França. Quando uma Grande Loja secessionista foi formada na Itália, a França, a Espanha e a Inglaterra imediatamente lhe deram reconhecimento. E, aqui está montado o palco para uma ocorrência semelhante em Portugal e, quando isso aconteceu, eles repetiram suas ações vingativas contra Portugal tal como tinham feito na Itália. A única diferença é que a Grande Loja Secessionista de Portugal veio aos Estados Unidos e à Conferência em Tulsa, com a ajuda da França e da Espanha, e solicitou e recebeu a recomendação para o reconhecimento de nossa Conferência.

Eu compareci à Conferência Mundial do Simpósio de Grãos Mestres em Roma, Itália, de 14 a 17 de novembro de 1997. Vários meses depois do meu regresso de Roma, recebi um telefonema que me informou que a Grande Loja Regular de Portugal buscava líderes maçons de todo o mundo que pudessem ter interesse em saber mais sobre eles e esclarecer a situação em relação ao seu cisma recente. Eles estavam especialmente interessados ​​em receber líderes norte-americanos que pudessem ser capazes de ajudá-los a recuperar o reconhecimento na Conferência dos Grãos Mestres da América do Norte. Eles achavam que um grave erro tinha sido cometido por este organismo, retirando o reconhecimento da Grande Loja de Portugal e dando-o ao corpo secessionista conhecido como a Grande Loja Legal de Portugal.

Uma vez que a Grande Loja de Arizona tinha relações fraternas com a Grande Loja Regular, eu vi este convite como uma oportunidade para investigar uma situação interessante, encontrar algumas pessoas novas e, possivelmente, corrigir um erro percebido e visei ampliar minha participação no mundo da Maçonaria.

Em abril de 1998, minha esposa e eu viajamos a Lisboa, como convidados da Grande Loja Regular de Portugal. Compareci a um evento anual onde reuni-me com 100 membros de suas Grandes Lojas, os representantes oficiais da Grande Loja da Itália, uma das Grandes Lojas da Alemanha e outros. Comandei várias entrevistas da Grande Loja Regular de Portugal. Também falei longamente com cada um dos representantes estrangeiros. Examinei sua carta constitutiva emitida pela sua Grande Loja Nacional da França, as cartas constitutivas das Grandes Lojas que conheci no prédio e discuti seu sistema ritualístico. Eles me fizeram conhecer sua história maçônica e a política da Maçonaria em um país católico e uma democracia relativamente nova.

Depois de meus encontros com todos estes indivíduos, cheguei à conclusão de que os membros do Comitê de Reconhecimento deviam ver por si mesmos a realidade da situação em relação aos maçons de Portugal. Senti que eles deveriam examinar mais de perto os documentos comprovativos relacionados com os eventos que causaram a demissão do Grão-Mestre, o cisma que se seguiu e a formação, ao final, da Grande Loja Legal de Portugal.

A Grande Loja Regular de Portugal continuou a concordar com esse conceito de divulgação completa e ofereceu-se mais generosamente para trazer todo e qualquer membro do Comitê a Portugal em uma missão de esclarecimento. Eles me autorizaram a entrar em contato com a Comissão em seu nome, o que fiz em abril de 1998.

Inicialmente, recebi indicações positivas da maioria dos membros da Comissão, mas mais tarde, cada um dos membros do Comitê deu alguma razão pela qual ele não queria ou não podia ir. Até hoje, nenhum membro do Comitê foi a Portugal para visitar qualquer uma das duas Grandes Lojas.

Em maio de 1998, eu assisti a conferência mundial de Grãos Mestres em Nova York. Reuni-me várias vezes com o Grão-Mestre da Grande Loja de Portugal dissidente, a Grande Loja Legal, irmão Luis Nandin de Carvalho, e o Grande Secretário. Eles informaram-me com muito zelo de sua posição em relação aos eventos que levaram ao cisma e em termos inequívocos, me disseram que eles não iriam manter qualquer conversa sobre a reunificação ou mesmo negociações com a Grande Loja Regular de Portugal ou os seus oficiais.

No final de junho de 1998, eu fui novamente a Portugal para participar de uma grande sessão da GLRP como convidado. Eu estava acompanhado por Kent Gould, Grão Mestre Adjunto do Colorado, que também estava fazendo uma investigação local para determinar os fatos sobre esta questão por si mesmo. Eu me encontrei e entrevistei Bernardo Teixeira, filho do falecido Fernando Teixeira, o primeiro Grão-Mestre de Portugal. Também me reuni com os advogados da GLRP, que revisaram sua constituição comigo, e sua relevância para os eventos em questão. Além disso, mais uma realizei várias reuniões com todos os altos oficiais da GLRP e os questionei em profundidade sobre as causas dos acontecimentos que culminaram com a demissão do Grão-Mestre. Mais tarde, viajei para Porto, no norte de Portugal, participei de uma reunião de Loja e jantei com os oficiais e membros das três Lojas naquela cidade. Eles me deram individualmente suas lembranças dos fatos, que confirmaram completamente a informação que eu havia recebido dos maçons a quem eu tinha falado anteriormente em Nova York e Lisboa.

A Maçonaria em Portugal é uma instituição muito diferente daquela nos Estados Unidos. Pertencer à Ordem assume um significado totalmente alterado devido à situação política naquele país. Ela é muito mais secreta devido ao preconceito do público contra a instituição. Portugal tinha sido uma ditadura comunista fascista de 1930 até 1991, e qualquer associação com a Ordem banida.

Os maçons em Portugal estão sempre muito preocupados que sua filiação não se torne informação pública. Ser conhecido como um maçom causou que membros perdessem seu emprego. A Grande Loja Regular de Portugal tem feito um esforço nos últimos anos para recrutar indivíduos das profissões e do governo como seus membros. Isso foi feito, a fim de criar uma instituição acima de qualquer suspeita, e que tem meios financeiros para ser organizacionalmente bem sucedida e ter um impacto positivo sobre a sociedade através de suas obras de caridade. A confidencialidade de seus membros e uma postura pública discreta tem sido um pré-requisito para a continuação de sua participação nas Lojas. Ações deste Grão-Mestre (Carvalho) no sentido de tornar públicos os nomes de membros da Ordem causou graves danos à instituição e a muitos de seus membros. Posteriormente foi realizada uma reunião do Colégio de Grandes Oficiais, 40 dos 43 votaram para removê-lo do cargo, o que eles tinham o direito de fazer de acordo com a sua constituição, e que foi posteriormente ratificado pela Grande Loja completa em uma data posterior.

O relatório que apresentei à comissão de Conferência contém os fatos, citações de sua constituição e outras informações relevantes. Infelizmente, não foi suficiente para convencer o Comitê de que eles tinham errado anteriormente mais cedo, e, em todo caso, eles não estavam dispostos a opor-se à vontade coletiva das Grandes Lojas combinadas da Inglaterra, Espanha, e da França, que estavam presentes na reunião.

Meu julgamento é que o Grande Loja Regular de Portugal, com base em sua Constituição tinha todo o direito legal de demitir o seu Grão-Mestre. Foi um ato necessário, conduzido pelos grandes oficiais maçônicos eleitos em sessões abertas, com o Grão-Mestre recebendo ampla oportunidade de defender a si mesmo e suas ações. Eles agiram de boa-fé para proteger a instituição da maçonaria em Portugal, os seus bens e a confidencialidade dos seus membros constituintes.

A Grande Loja Regular de Portugal é a verdadeira e legítima representação da Maçonaria no país, atendendo a todas as exigências para reconhecimento restabelecido contínuo pela Conferência dos Grandes Mestres de NA; Ela manteve a preponderância das Lojas (23) , os seus edifícios e membros, a residência da Grande Loja, a carta constitutiva original, e mais importante, o reconhecimento contínuo da grande maioria das Grandes Lojas em nível internacionalmente; (4), e os EUA / Canadá (15), que têm relações fraternas com Maçonaria em Portugal.

Peço que votem para manter o reconhecimento da Grande Loja Regular de Portugal, e que ao fazê-lo vocês afirmem a independência continuada da Grande Loja do Arizona das maquinações políticas da política europeia, que não têm lugar no mundo da maçonaria.

Fraternalmente apresentado,

Gerald H. Lankin, PM (43)

Depois de dar tempo suficiente para que os irmãos discutissem a questão, o Grão-Mestre pediu a votação da proposta “Todos a favor do reconhecimento da Grande Loja Legal de Portugal / Grande Loja Regular de Portugal (que seria a recomendação da nossa Comissão dos Assuntos Exteriores, isto é o Comitê do M:. W:. Irmão Earl).

Depois da votação, o Grão-Mestre declarou que a proposta fora RECUSADA”[LXII]

Eu gostaria de poder afirmar que o Arizona defendeu suas armas ao longo dos anos e que ainda reconhece a Grande Loja Regular de Portugal. No entanto, recentemente entrei em contato com o irmão Jerry Lankin em sua casa no México e ele enviou-me esta conclusão do caso via e-mail.

Após um ano de não-reconhecimento da nossa parte da Grande Loja Legal, encontrei-me com o seu novo Grão Mestre (Carvalho tinha se mudado). Eu achei que ele (o novo GM) era um cara sincero, cujo objetivo principal era a reunificação e uma cura da rixa entre as Grandes Lojas. Porque o reconhecimento da maioria dos países havia sido retirado da Grande Loja Regular e uma grande deserção subsequente das Lojas Regulares para a Grande Loja Legal, tornou-se óbvio para mim e outros que já não era do nosso interesse continuar a reter o reconhecimento. Foi minha decisão, portanto, recomendar que a Grande Loja do Arizona mudasse nosso reconhecimento para a Grande Loja Legal que, para todos os fins práticos, era a única Grande Loja em funcionamento em Portugal. Nossa Grande Loja concordou. Eu não gostei do que aconteceu, mas a política não deve ficar no caminho das relações fraternas entre os irmãos.

Ataque a uma Grande Loja americana (The Affair Minnesota, 2001-2002):

Eu já publiquei um artigo sobre os acontecimentos em torno da suspensão das relações com a Grande Loja de Minnesota por 11 jurisdições dos EUA e quatro jurisdições não americanas. [Lxiii] Portanto, vou restringir minhas observações a um rápido resumo aqui. O seguinte é um trecho do discurso feito pelo PGM Terry Tilton da Grande Loja de Minnesota no Festival Anual da Philalethes Society em 2006, no Hotel Washington. Eu estava na plateia.

“A história começa bastante inocentemente. Em 31 de março de 2001, em nossa sessão de Grande Loja, o Past Grão-Mestre e Presidente da nossa Comissão de Relações Exteriores, David S. Bouschor apresentou o relatório de seu comitê. Explicando a cada uma das jurisdições que o comitê estava recomendando o reconhecimento ele anotou essas palavras sob o título FRANÇA. “Recebemos mais uma vez um pedido de reconhecimento da Grande Loja da França. Sua comissão havia recebido sua constituição, os rituais de grau, e consideráveis outras informações. Que preenchem os requisitos para o reconhecimento e são considerados uma Grande Loja regular ………….. Sua comissão se reuniu e discutiu o assunto exaustivamente, e recomenda que se conceda pleno reconhecimento à Grande Loja da França e que troquemos representantes com eles”.

O livro de Anais continua, para dizer: ‘Foi proposto e apoiado que a Grande Loja de Minnesota reconhecesse a Grande Loja da França, e isso foi aprovado. (Foi salientado que atualmente nós reconhecemos a Grande Loge Nationale Français, mas que, ao longo dos anos, já reconhecemos a Grande Loja da França e eles foram fundados em 1728). Um ano depois, na Comunicação Anual em 13 de abril de 2002, o Presidente da Comissão de Relações Exteriores informou, novamente, “Como vocês sabem, nós estendemos a mão fraterna de amizade aos nossos irmãos franceses através do reconhecimento da Grande Loja da França no ano passado. Após este movimento começamos a receber uma série de cartas da Grande Loja Unida da Inglaterra e da Grande Loja Nacional da França. Elas eram o intimidadoras e sarcásticas. A Inglaterra até ameaçou considerar a retirada do reconhecimento de Minnesota. Finalmente, nosso Grão-Mestre Roger Taylor escreveu-lhes dizendo que parassem e desistissem, pois eles não estavam ajudando a sua causa. Isso pareceu resolver o problema ………… ”

Cito essas referências para vocês possam entender que não tínhamos grandes projeto por trás do nosso reconhecimento da Grande Loja da França. Além do fato de que a Grande Loja Unida da Inglaterra havia expressado suas preocupações e até ameaçado retirar o nosso reconhecimento, principalmente sobre a questão da falta de amizade entre a Grande Loja Nacional e da Grande Loja da França, não tínhamos preocupações excessivas. Pacientemente acreditávamos que progressos estavam sendo feitos para a amizade mútua.

Em minhas conversas com o Irmão David Bouschor, Presidente da Comissão de Relações Exteriores, ele tinha uma firme convicção, depois de analisar todas as evidências citadas pela Grande Loja da França como sendo regular, de que na verdade a única coisa que os impedia de ser reconhecidos era o estímulo constante da Grande Loja Unida da Inglaterra de não lhes conceder reconhecimento e a rivalidade que se desenvolveu entre os representantes das estas jurisdições perante a Comissão de Informação para o Reconhecimento da Conferência dos Grandes Mestres de maçons na América do Norte. Seria em 1 de maio de 2002, apenas duas semanas depois da minha eleição como Grão-Mestre, que a Grande Loja de Michigan nos informaria e ao mundo que eles iam retirar o nosso reconhecimento. Citando a correspondência sob a assinatura de seu Grão-Mestre Paul N. Cross, lemos: “Uma situação lamentável se apresentou, que ameaça minar as próprias bases da Maçonaria, tanto na América do Norte quanto mundialmente. Os Padrões de Reconhecimento exigem que, quando uma Grande Loja ocupa o mesmo território de jurisdição como uma Grande Loja Regular previamente estabelecida, eles devem primeiro estabelecer um tratado de mútuo acordo com a Grande Loja Regular.

Só desta forma pode ser reforçado o bom relacionamento entre Grande Loja e o Craft. Quando uma Grande Loja começa a reconhecer Grandes Lojas que não são reconhecidas pela Grande Loja Regular com a qual eles compartilham Jurisdição, então toda a estrutura da Maçonaria está ameaçada. Nada então impediria que tal Grande Loja reconhecesse Grandes Lojas irregulares dentro da nossa própria jurisdição, sem o nosso consentimento prévio. ”

O que está faltando nesse trecho é o fato de que Michigan não foi a primeira jurisdição a tomar medidas contra Minnesota, que tendeu para a GLNF em abril de 2002. Primeiro, eles enviaram um telegrama no dia 16 à Grande Loja de Minnesota, que incluía a seguinte acusação, segundo a qual a GLNF decidira suspender as relações com o GLMN “A ‘Grande Loge de France’ mantém relações e dupla filiação com o Grande Oriente de France ateu, lojas mistas como o Droit Humain e Grandes Lojas Femininas. Parece que os membros da Grande Loja de Minnesota esqueceram as obrigações que assumiram quando se ajoelharam diante do altar durante os seus três graus. “[Lxiv] “Há uma notável semelhança na redação deste telegrama, que eu incluí no Apêndice E, com as alegações feitas pela GLNF na década de 1960. No entanto, sinto-me compelido a salientar que em 24 de abril de 2002 apenas uma semana depois, foi a GLNF quem assinou um tratado com o GODF e não a GLdF. Este “Protocolo Administrativo e Disciplinar”, que, ao mesmo tempo em que declara que não constitui um reconhecimento formal nos termos especificados pela Grande Loja Unida da Inglaterra em 1929, reconheceu a qualidade da iniciação fornecidas pela outra (reconnaissent la qualité de l’iniciation delivree par chacune) e concordou com a ação para excluir a possibilidade de irmãos inadequados encontrar refúgio mudando de uma obediência para a outra.

Há duas outras facetas únicas da Maçonaria francesa relacionadas com as relações entre as “três grandes” Lojas francesas, o GOdF, a GLNF e a GLdF. Todas as três reconhecem a qualidade dos graus umas das outras e nos últimos 15 anos, um Mestre Maçom pode deixar uma jurisdição e filiar-se a qualquer uma das outras duas sem retomando os graus. No caso da GLNF ele tem que assinar uma petição em que ele afirma que acredita em um Ser Supremo, mas não faz qualquer juramento e não há qualquer processo de cura. É de se admirar que, após um anúncio em seu próprio boletim informativo sobre o “Protocolo Administrativo e Disciplinar”, o Grande Secretário da GLNF, Nate Granstein tomou a iniciativa extrema de efetivamente denunciar qualquer tipo de reconhecimento entre a GLNF e o GOdF. Entretanto, se um ateu que é exaltado ao sublime grau de Mestre Maçom no GODF pode deixar, e provavelmente deixou aquela jurisdição ingressou na GLNF reconhecida e após isso é bem-vindo em todas as Grandes Lojas regular e reconhecidas em todo o mundo, então, exatamente o que constitui o reconhecimento?

Outro aspecto do caso Minnesota me deixa desconfortável e que é a velocidade com que tudo aconteceu em uma comunidade maçônica conhecida por sua capacidade de mudar a um ritmo glacial. Apenas duas semanas depois de receber o telegrama da GLNF, e uma semana após a assinatura dos acordos entre o GODF e a GLNF, a Grande Loja de Michigan tornou-se a primeira Grande Loja norte-americana a suspender relações com Minnesota. Quase imediatamente, três outras Grandes Lojas, Maine, Kentucky e Nova York, juntaram-se a Michigan para intimidar Minnesota a voltar à linha e criar, talvez, o mais perigoso precedente na história maçônica dos EUA.

O Past Grão-Mestre Terry Tilton disse-me recentemente em um e-mail “Nós finalmente suspendemos o reconhecimento da GLdF após 11 jurisdições irmãs na América do Norte e quatro jurisdições internacionais suspenderem as relações conosco… mas apenas por duas razões: 1) nós simplesmente achamos difícil ter suspendido relações com algumas jurisdições onde havia irmãos ou pais que iam ser instalados em lojas ali, mas não poderiam ter seu filho ou pai de Minnesota comparecendo e, 2) a nossa esperança de que levaríamos ao NACOGMIA todas as questões e teríamos uma conversa significativa”. O que não foi dito foi o fato óbvio de que hospedar a conferência em fevereiro de 2003 teria sido muito difícil, com 11 jurisdições recusando-se a ter relações maçônicas com Minnesota.

Conclusões

Ao pesquisar a situação de Minnesota me deparei com um discurso proferido pelo Past Grande Secretário da Grande Loja da Pensilvânia, o irmão Thomas W. Jackson na Conferência de Grandes Secretários em 2002. Eu gostaria de citar uma pequena parte daquele discurso, que eu admito é um pouco fora de contexto, mas eu acho que é relevante para este assunto.

“Pessoalmente, eu não gostaria de nada mais do que ver toda a Maçonaria no mundo unida como uma irmandade de homens com o mesmo pensamento, e um objetivo comum. Tal unidade não só contribuiria para o fortalecimento da nossa nobre instituição, mas aumentaria o nosso potencial para ser uma influência sobre a evolução contínua da sociedade civil e busca da paz mundial.

Isso não pode acontecer e não acontecerá, no entanto, desde que as nossas lideranças permaneçam ignorantes ou ignorem os protocolos de relações fraternas. Nem pode acontecer, nem acontecerá, desde que a conformidade com estes protocolos que nos sustentaram por quase 300 anos não são cumpridos por aqueles que buscam reconhecimento. Nós, enquanto líderes maçons de hoje não podemos permitir-nos ser seduzidos a aceitar nada menos que isso. Não podemos nos oferecer para venda pela melhor oferta.

Então onde isso nos deixa ao lidar com esta questão das relações Exteriores e Fraternas? Em primeiro lugar, devemos reconhecer e admitir enquanto líderes que não podemos e não sabemos tudo … ”

No momento em que o primeiro pacto internacional de 1814 foi assinado, a Maçonaria já havia sobrevivido a brigas amargas entre os Antigos e Modernos e à separação de Lojas Americanas. Se fosse para ter um olhar objetivo de cada jurisdição que mencionei neste artigo, eu arriscaria dizer que cada uma tem muito mais em comum do que diferenças. Infelizmente, tem sido um costume entre a fraternidade dos Maçons Livres e Aceitos desde tempos imemoriais perder templo com nossas diferenças. Nossas constituições maçônicas têm grandes seções dedicadas à punição daqueles que sentimos não ter seguido rigorosamente a linha maçônica, mas pouco ou nada sobre a forma de tomar medidas ativas para resolver nossas diferenças.

Pouco tempo depois que eu comecei este projeto fui aconselhado por um Past Grão-Mestre que tinha muitas cicatrizes de batalha devido aos anos que passou nesta batalha constante pela Fraternidade universal. Ele deu-me o seguinte conselho. “Tenha cuidado de não ser pisado pelos dois gorilas de 500 quilos presentes na sala. Todos nós podemos nos encontrar no nível, mas Grandes Lojas não são criadas iguais – o tamanho não importa. Em nossa pequena lagoa, somos supremos, até certo ponto, mas as coisas mudam drasticamente em uma reunião com outros Grãos Mestres. A força dominante na COGMINA está com os Grandes Mestres da Pensilvânia, Nova York e Michigan, que estão estreitamente alinhados. Estas Grandes Lojas também estão muito alinhadas com as Grandes Lojas dominantes na Europa, Inglaterra, Espanha e Grande Loja Nacional da França. Estas grandes Grandes Lojas, junto com seus Grandes Secretários e Past Grandes Secretários representam o objeto irremovível proverbial que pode repelir qualquer ataque frontal”. Outro PGM, Terry Tilton, é um ministro ordenado e um dos irmãos mais graciosos que conheci. Ele tinha isso a dizer no mesmo discurso que citei anteriormente. “Por que Michigan foi a primeira Grande Loja a retirar relações fraternas? O motivo foi sussurrado em meu ouvido por funcionários da própria Grande Loja, após um novo Grande Mestre, David R. Bedwell ter sido eleito algumas semanas mais tarde. Parece que o seu então Grande Secretário, o irmão Don Baugher, através de associações estreitas com Nat Granstein da Grande Loja Nacional Francesa pressionou um crédulo Grão-Mestre a iniciar este rompimento e até mesmo escreveu o decreto que ele assinou.

Cito esta história não para denegrir nossos irmãos de Michigan, mas para enfatizar o que eu vim a acreditar ser um fato simples. A Maçonaria é fundada sobre amizades. Por definição, ela é um “sistema de moralidade velada em alegoria e ilustrado por símbolos”, mas mais do que isso – é “a irmandade dos homens sob a paternidade de Deus.” A amizade e o amor fraternal é a pedra fundamental da Maçonaria. Sem eles, você ergueu um edifício moral com belos ensinamentos, regras e estrutura, mas não lhe deu vida ou transcendência. O perigo está em que, por vezes, essas amizades quando forjadas em alianças políticas frustram qualquer tentativa de promover o próprio conceito de fraternidade universal que a Maçonaria criou. Foi dito que, se Deus não existisse, então o homem inventaria o Ser Supremo. Nos últimos cem anos, algumas Grandes Lojas têm refeito a divindade à sua própria imagem. Em 1722 o Dr. Anderson abriu as portas para a Maçonaria, e desde então, eles vêm tentando fechá-la novamente. Há ampla documentação para ilustrar o uso das mesmas técnicas ideológicos utilizados pela Inquisição espanhola para punir qualquer Grande Loja que se recuse a acompanhar a linha do partido. Agora está certo iniciar wiccanos em Grandes Lojas americanas, mas não está certo reconhecer uma Grande Loja Prince Hall “mais católica que o Papa” unicamente com base em sua localização em um estado anteriormente escravagistas onde uma Grande Loja predominantemente branca se recusa a reconhecer o seu direito de existir.

Na Europa está certo para a Grande Loja Unida da Inglaterra recusar ou retirar o reconhecimento de algumas das mais antigas Grandes Lojas “regulares” na França, Itália, Grécia, Portugal e outros países, ao mesmo tempo em que cria, reconhece e promove a Grandes Lojas iniciantes que falham em atender às suas próprias normas para o reconhecimento. Eles têm feito isso em quase todos os casos, desafiando o direito de uma Grande Loja existente de acreditar em seu próprio conceito de Ser Supremo. Talvez nós mereçamos ter chegado ao ponto em que, na França, pelo menos nos últimos 15 anos, um ateu, que por suas próprias crenças declaradas nega a existência de Deus pode obter seus Graus no Grande Oriente da França e pelo simples expediente de marcar um quadro em uma petição pode se tornar um membro em boa posição na única Grande Loja reconhecida da França.

Se uma Grande Loja regular é ou não é regular pode ser determinado por meio de investigação, mas o reconhecimento é uma questão política que pode mudar da noite para o dia. Eu salientei várias situações em que maçons que haviam desfrutado do reconhecimento de outras jurisdições durante décadas acordaram uma manhã para descobrir que tinham se transformado em párias maçônicos. Nada realmente mudou, exceto que alguém em sua Grande Loja tinha incomodado o gorila Maçônico de 500 quilos. Obviamente, precisamos melhorar a situação política. Não há razão para esperar isso possa realmente acontecer conforme indicado por um comentário feito pelo novo Grão-Chanceler da GLUI, irmão Alan Englefield:

“Como a mais antiga Grande Loja, nos foi imposto, à Inglaterra, o papel de guardiões da regularidade e, de muitas maneiras, espera-se que sejamos a polícia do que é regular e do que não é – em momentos tranquilos eu me pergunto se é por isso que um antigo “policial” de Oxfordshire foi escolhido para ser o primeiro Grande Chanceler! Estes que não são papéis que procuramos e não podemos ser um policial internacional resolvendo problemas dentro de e entre Grandes Lojas. O que podemos fazer é ouvir e dar conselhos com base em nossa longa experiência de relações exteriores, mas há uma linha muito tênue entre oferecer conselhos e interferir no funcionamento interno de um órgão soberano.

Vivemos em tempos difíceis, irmãos, e relações externas maçônicas são cruciais para a futura harmonia e estabilidade da Maçonaria em um nível global. Como muitos de vocês sabem, estamos hospedando uma grande reunião em Londres, em novembro, para a qual convidamos os Grão-Mestres de todas as Grandes Lojas regulares na Europa. Nossa intenção é reafirmar os princípios básicos que definiram as nossas relações com o resto da maçonaria regular, e discutir como podemos cooperar para assegurar a continuidade das relações calorosas por toda parte. Sinto-me imensamente orgulhoso e honrado que através do novo cargo de Grande Chanceler eu tenha sido convidado para fazer parte dessa grande tarefa”.

Só o tempo dirá.

“Seers seek for wisdom’s flowers in the mind,

And write of symbols many a learned tome.

“(Grow roses still, though rooted in black loam);

The mystic searches earth till eyes go blind

For soul of roses, yet what use to find

A spirit penned within a catacomb?

Nay, all they learn is weightless as sea-foam

That drifts from wave to wave upon the wind.

“In rushes Cap and Bells. How very droll

The ways of students and the foolish books!

He finds the secrets of Freemasons’ art

In mind nor rose nor tomb nor musty scroll.

Where no wit is, where all loves are, he looks

And reads their hidden meaning in his heart.

De países estrangeiros

MW “Carl H. Claudy

1925

[i] The Holy Craft and Fellowship of Masons-Edward Conder Jr.-Swann Sonnenschein & Company- London 1894 page 7

[ii] Anderson’s Constitutions of 1723 – Masonic Service Association-1924 Page 80

[iii] Ahiman Rezon London 1756 – Laurence Dermott-The Old Charges page 25

[iv] The United Grand Lodge of England Book of Constitutions as published on their website in 2007

[v] Le Convent des Suprêmes Conseils du Rite Écossais Ancien et Accepté – Lausanne, 6-22 septembre 1875 –Alain Bernheim [vi]

[vi] Ibid

[vii] The Lausanne Congress of 1875- C. John Mandleberg, 32° (Heredom Vol. 6.) [viii] Morals and Dogma – Albert Pike, 1856, P620

[ix] Vol. II History of The Grand Lodge of Ireland – R.E.Parkinson 1957- published by The Irish Lodge of Research, Page 24

[x] Fringe Masonry in England- Ellic Howe, AQC Vol. 85.

[xi] The Lausanne Congress of 1875- C. John Mandleberg, 32° (Heredom Vol. 6.) Veja também History of the Relationship of the Grand Lodge of the District of Columbia with Masonic Grand Bodies in France by Paul M. Bessel, January 23, 2000

[xii] The Lausanne Congress of 1875- C. John Mandleberg, 32° (Heredom Vol. 6.)

[xiii] Ibid

[xiv] Ibid

[xv] Ibid

[xvi] Ibid

[xvii] Ibid

[xviii] Ibid

[xix] Ibid

[xx] The Scottish Rite in Greece- Andreas C. Rizopoulos (Heredom Vol. 1.)

[xxi] A New Encyclopedia of Freemasonry-A.E. Waite (1996 edition) Wing Books Page 116

[xxii] A New Encyclopedia of Freemasonry-A.E. Waite (1996 edition) Wing Books Page 117

[xxiii] Email response from John Hamill, Director of Communications for the U.G.L. of England posted on Philalethes Mailing List 9/2/2007 by Yoshio Washizu

[xxiv] U.G.L. of England’s External Relations-JamesW. Daniel AQC Vol. 17 2004 Page 3

[xxv] The Concise History of Freemasonry-Robert Freke Gould Pages 281-282

[xxvi] The Life Of Lord Kitchener – George Arthur – Macmillan Company, 1920 Pages 250-253

[xxvii] GLdF-US GL Recognition – Paul Bessel posted on his website

[xxviii] U.G.L. of England’s External Relations-JamesW. Daniel AQC Vol. 17 Page3 [xxix] Letter sent to GLdF from Harry Bundy ( ver Apêndice B)

[xxx] Brief History of French Freemasonry- Alain Bernheim-Plumbline,Vol.6, No 1,1997

[xxxi] Ibid

[xxxii] Ibid

[xxxiii] Ibid

[xxxiv] Conference of Grand Masters of Masons in North America 1959 Page 63

[xxxv] Conference of Grand Masters of Masons in North America 1959 Page 67

[xxxvi] Conference of Grand Masters of Masons in North America 1960 Page 55

[xxxvii] Conference of Grand Masters of Masons in North America 1960 Pages 55-56

[xxxviii] Conference of Grand Masters of Masons in North America 1961 Page 32

[xxxix] Conference of Grand Masters of Masons in North America 1963 Pages 43-44

[xl] Conference of Grand Masters of Masons in North America 1964 Page 48

[xli] Conference of Grand Masters of Masons in North America 1964 Page 48

[xlii] Conference of Grand Masters of Masons in North America 1965 Pages 39-40

[xliii] Conference of Grand Masters of Masons in North America 1965 Page 41

[xliv] Ibid

[xlv] Proceedings of the Supreme Council 33°S. J. 1965 Ohio Pages 96-100

[xlvi] U.S. Grand Lodges’ Withdrawal of recognition of the GLF in the 1950s and 1960s- Paul Bessel posted on his website

[xlvii] The History of the Present Grand Lodge of France revisited – Alain Bernheim (obtained from the author directly)

[xlviii] U.S. Grand Lodges’ Withdrawal of recognition of the GLF in the 1950s and 1960s- Paul Bessel posted on his website

[xlix] Proceedings of GL of Arizona 2002- Fraternal Relations Committee Report No. 3

[l] July 26, 1845 letter by Charles Moore Grand Secretary of the Grand Lodge of Massachusetts- The History Of Freemasonry, Vol. 6 By Albert G. Mackey

[li] Giuseppe Garibaldi Massone – Gran Maestro Gustavo Raffi translated by the Grand Lodge of British Columbia and Yukon, posted on their website

[lii] Ibid

[liii] A Concise History of the Grand Lodge of Greece, Loannis A.

Souvaliotis; Philalethes Society 2002

[liv] “The Scottish Rite in Greece-Andreas C. Rizopoulos, Heredom Vol. 11, 2003

[lv] “A Concise History of the Grand Lodge of Greece, Loannis A. Souvaliotis, Philalethes Society 2002

[lvi] Ibid

[lvii] Freemasonry in Greece (1782-2003) And the Greek War of Independence (1821-1828)- Andreas C. Rizopoulos

[lviii] Scottish Rite in Greece-Andreas C. Rizopoulos, Heredom Vol. 11, 2003 )

[lix] Ibid

[lx] Ibid

[lxi] Conference of Grand Masters of Masons in North America 1999 Page 171

[lxii] Proceedings of the Grand Lodge of F. & A.M. of Arizona 1999, Report of Foreign Relations Committee Page 244 Item 5.

[lxiii] To Recognize or Not to recognize-Jack Buta – Philalethes Magazine October 2007

[lxiv] Discurso feito pelo PGM Terry Tilton da Grande Loja de Minnesota no Festival Anual da Philalethes Society em 2006, no Hotel Washington.

Apêndice A

(Extrato da ata da Grand Lodge of Ireland , conforme registrado no Vol. II History of The Grand Lodge of Ireland by R.E.Parkinson 1957 Pages 20-24 and published by The Irish Lodge of Research. Este exemplar em particular foi fotografado pelo irmão Robert Bashford, encaminhado pelo irmão John Belton e transcritas pela minha paciente e amorosa esposa Karen. Quaisquer erros tipográficos são meus. Pjb)

Como esta reunião maçônica é uma das mais importantes jamais ocorridas, e que gerou o que já foi conhecido como o “Pacto Internacional”, damos o documento oficial que descreve seus anais na íntegra, a partir da cópia escrita na Ata da Grande Loja da Irlanda, de 01 de dezembro de 1814.

Em uma conferência realizada no Freemasons Hall, em Londres, na segunda-feira dia 27 de junho e continuou por adiamento até sábado, 02 de julho de 1814 e de ano 5814 da Maçonaria. Presentes,

Sua Alteza Real o Duque de Sussex Grão-Mestre dos Maçons da Inglaterra.

Sua Graça o Duque de Leinster, Grão-Mestre dos Maçons na Irlanda.

Mui honorável conde de Donoughmore Past Grão-Mestre da mesma Grande Loja.

Mui honorável Lord Kinnaird, Grão-Mestre dos Maçons na Escócia.

Mui honorável conde de Rosslyn, Past Grão-Mestre Adjunto da mesma.

Mui honorável Lord Dundas Grão-Mestre Adjunto dos Maçons da Inglaterra.

Ir.´. James Perry – Grão Mestre Adjunto da mesma.

Ir.´. James Agar – Grão Mestre Adjunto da mesma.

Ir.´. Thomas Harper – idem.

Ir.´. Arthur Tegart Past Grão Vigilante da mesma.

Ir.´. James Deans – Past Grão Vigilante da mesma.

Ir.´. Wil. H.White e o Ir.´. Edwards Harper Grandes Secretários da mesma.

Sua Graça, o Duque de Leinster – Lord Kinnaird – o conde de Donoughmore e o conde de Rosslyn tendo sido nomeada uma comissão de deputados das Grandes Lojas da Irlanda e da Escócia junto à Grande Loja de Inglaterra para resolver os pontos de comunhão, relacionamento e confraternização entre as três Grandes Lojas do Reino Unido, para determinar a identidade da obrigação, descrição e prática e formar os regulamentos para a manutenção, segurança e promoção do Craft conforme possa ser aconselhável para eles. Sua Alteza Real desejava a presença nesta Assembleia de Seu Grão-Mestre Adjunto e dos Membros da Comissão da União recentemente realizada entre as duas fraternidades de maçons na Inglaterra (agora felizmente incorporadas em uma única), juntamente com o Grande Secretário da mesma.

A assembleia foi aberta pela leitura das atas das Grandes Lojas da Irlanda e da Escócia nomeando os deputados e a correspondência das Três Grandes Lojas sobre a mesma, juntamente com os Artigos da União em que é desejado ardentemente que essa correspondência, uniformidade e comunhão deva ocorrer.

Com o exame Maçônica estrito sobre assuntos que não podem nem ser escritos nem descritos, verificou-se que as Três Grandes Lojas estavam perfeitamente em união sobre todos os grandes e essenciais pontos do Mistério & Craft de acordo com as tradições imemoriais e uso ininterrupto de maçons antigos, e eles reconheciam esta unidade de uma maneira fraternal.

“Após o que eles chegaram às seguintes resoluções, por unanimidade:

  1. Fica declarado e pronunciado que a Maçonaria Antiga pura consiste de três graus e nada mais. Quais sejam o de Aprendiz; Companheiro e Mestre Mason, incluindo o capítulo supremo do Santo Arco Real. Os signatários prometem declarar às suas respectivas Grandes Lojas esta última parte relativa ao supremo capítulo, quando eles comunicarão à Sua Alteza Real o Duque de Sussex o resultado dos seus trabalhos para a informação desta Grande Loja.
  2. Que uma relação fraternal constante, correspondência e comunhão seja para sempre mantida dentro dos princípios que foram reconhecidos em 1772 entre as três Grandes Lojas da Inglaterra, Irlanda e Escócia – Que os anais de cada Grande Loja seja regularmente transmitidos de uma para outra (onde o mesmo possa ser comunicada por escrito, ou de outra forma, ser conhecido por missão especial) para que todos possam examinar discutir e concordar sobre tais resoluções que venham a ser julgadas essenciais para a segurança e o bem-estar da Ordem.
  3. Que, como as verdades eternas sobre as quais a Maçonaria foi fundada originalmente (e que lhe deram uma duração além de qualquer registro escrito) não podem ser alteradas ou (sic) melhoradas, é a solene determinação das Três Grandes Lojas da Inglaterra, Irlanda e Escócia por adesão estrita e sagrada à simplicidade, pureza e ordem das Antigas Tradições e Princípios dar direito à fraternidade no Reino Unido para a proteção contínua de cada Governo sábio e Esclarecido, e, particularmente, à favor e patrocínio da Ilustre Casa de Brunswick, sob os Ramos Reais de que eles surgiram até sua atual condição florescente.
  4. Que cada Grande Loja preservará os seus próprios limites, e nenhuma Carta Constitutiva será concedida ou revista por qualquer uma dessas partes para a realização de uma Loja no âmbito da jurisdição de cada uma das outras – Que no caso de qualquer uma de suas respectivas Lojas Militares, estando no decurso de serviço residente por um período dentro dos limites de qualquer uma das outras, ela continuará a efetuar seus pagamentos à sua própria Grande Loja, mas será reconhecida, visitada e terá o direito de visitação e as relações com as Lojas regulares onde elas possam estar. Ficando entendido e positivamente estipulado e promulgado que tal Loja Militar não iniciará, elevará ou exaltará qualquer pessoa ou Irmão que na não pertença efetivamente ao Batalhão ou Regimento ao qual a referida Loja está restrita, e ainda que a prática atual no que diz respeito a Lojas estabelecidas em partes distantes sob qualquer uma das Três Grandes Lojas continuarão na presente situação.
  5. Que, para a segurança da relação que tão alegremente subsiste entre os Irmãos das Três Grandes Lojas e também para proteger os Fundos de Beneficência de aplicações irregulares e impróprias para ajuda, é julgado necessário que cada uma das Três Grandes Lojas fixe um soma, abaixo da qual não serão concedidos quaisquer Certificados da Grande Loja – e nenhum certificado nem diploma será concedido a qualquer irmão que o solicite sem a produção de um Certificado assinado em Loja Aberta pelo Mestre – Vigilantes e Secretário especificando os respectivos dias em que ele recebeu os diferentes graus, após a devida análise quanto às suas qualificações. E fica expressamente acordado e resolvido que nenhum Membro de qualquer uma das Três Grandes Lojas ou das Lojas a elas pertencentes, respectivamente, terão direito como uma questão de direito à admissão nas Lojas de qualquer uma das outras duas, ou à ajuda de seus Fundos de beneficência sem que disponham de um certificado ou diploma da Grande Loja à qual pertence a sua loja em particular. E os Grandes Secretários tendo colocado perante esta Assembleia uma carta de uma pessoa de nome “A. Seton “, descrevendo-se como “O Grande Secretário Adjunto” de uma Sociedade que se autodenomina “Grande loja de Ulster” que foi criada sem a sanção ou a autoridade da Grande Loja da Irlanda, fica deliberado e acordado por unanimidade que os Membros da Irlanda, detendo e possuindo Cartas Constitutivas da Grande Loja da qual Sua Graça o Duque de Leinster é o atual Grão-Mestre somente podem ser admitidos em qualquer Loja ou fraternidade de maçons pertencentes às Três Grandes Lojas ou ter direito a auxílio dos Fundos de qualquer uma delas – sendo a prática e a Lei invariável que pode haver, apenas uma Grande Loja ou Loja mãe em cada um dos três países, e que nenhuma Assembleia, Convocação, Reunião ou Loja convocada ou realizada em qualquer lugar dentro da Jurisdição de qualquer das Três Grandes Lojas estabelecidas sem suas diversas Cartas Constitutivas, podem ser reconhecidas ou sua existência aceita, a mesma sendo contrária às Antigas Leis e Constituições da Fraternidade.
  6. Que sendo de importância vital para o bem-estar da Ordem que as regras antigas para a Iniciação de Membros seja mais rigorosa e peremptoriamente observadas, não só quanto ao caráter moral dos indivíduos a serem admitidos, mas, como é do seu conhecimento em seu avanço gradual, fica resolvido que as Três Grandes Lojas em suas comunicações circulares com suas respectivas Lojas imporão necessidade de se conformar a estas Regras e que em nenhuma ocasião e sob nenhum pretexto de emergência elas se afastarão disso, exceto por dispensa especial dos respectivos Grãos Mestres.
  7. Em consequência de uma comunicação sob a data de 8 de abril próximo passado feita nesta conferência pelo MV Duque de Leinster, Grão-Mestre da Irlanda, e MV Past Grão-Mestre, Conde de Donoughmore, os signatários apelam aos Irmãos que atentem mais especificamente para estas Resoluções, a importância das quais deve ser evidente para a Fraternidade em geral, que por motivos de apego ao bem-estar da Ordem em geral, bem como ao valor necessariamente conferido por cada Irmão individualmente em relação ao seu próprio caráter privado está interessado em que deve ser comunicado a toda a superfície do globo habitado, que seus princípios absolutamente discordantes em todas as suas Reuniões toda pergunta que possa ter a mais remota tendência para excitar controvérsia em matéria de religião ou de qualquer discussão política o que não tenha outro objetivo em vista de incentivo e aprofundamento de todo sentimento moral e virtuoso, como também nutrir mais particularmente os mais quentes chamadas de beneficência universal e caridade mútua para com os outros – É a convicção de que tem motivado por eras a proteção e estima dos Poderosos Monarcas e Príncipes; que em consequência de suas investigações frequentemente são chamados para unir-se na afeição fraternal com eles, de acordo com as Regras da Sociedade, acrescentando assim esplendor e dignidade sob a sua sanção à Ordem – Em nenhum caso pode a veracidade da afirmação ser mais claramente provada do que pela grande condescendência evidenciada por sua Alteza Real o Príncipe Regente em duas ocasiões recentes, quando Sua Alteza real, não só aceitou graciosamente suas Homenagens Obedientes, Leais e Fraternas, mas ao lhes conceder o favor real e proteção, também se permitiu o estilo e visto como o Patrono dos Maçons Livres e Aceitos, depois de ter presidido a Ordem como Grão mestre por vinte e dois anos .
  8. Que essas resoluções sejam relatadas às Três Grandes Lojas, inseridas em seus Registros, impressas e distribuídas a todas as Lojas a elas pertencentes, respectivamente”.

Estes artigos são extremamente importantes. A um e ao mesmo tempo, eles são um memorial da reconciliação que pôs fim à discussão maçônica que vinha causando muita confusão e amargura por duas gerações, e também um código de Leis Maçônicas Internacionais. Muitas dessas leis tinham uma força tradicional anteriormente; estavam agora promulgadas como landmarks. O que os nossos antecessores se obrigaram a observar nesta conferência importante ainda nos vincula hoje e regula os direitos e deveres de um irmão de qualquer das três Grandes Lojas quando um “residente temporário” – para usar a palavra maçônica antiga para expressar uma Maçom longe de casa – na terra do estrangeiro, onde ainda há uma casa esperando por ele em cada Loja regular.

“A Grande Loja da Irlanda viria a descobrir o benefício do pacto quase imediatamente. A União na Inglaterra nem bem acabara de ser concluída e as Grandes Lojas Provinciais Inglesas no exterior começaram a reclamar autoridade sobre as Lojas irlandesas dentro de suas jurisdições, uma questão que, para os próximos anos ocasionou não poucas cartas de protesto a endereçadas da Irlanda à Inglaterra. A Grande Loja da Inglaterra, naturalmente, não apoiou as pretensões de suas Grandes Lojas Provinciais no exterior, e parece ter feito tudo ao seu alcance para evitar tais disputas decorrentes. Com vistas à concretização de uma compreensão mais fraternal entre as duas Grandes Lojas, um novo método foi instituído em 1821: “Relatório de comissão especial que eles recomendam a adopção de uma medida recomendada por Sua Alteza Real o Duque de Sussex G.M. da Inglaterra. A nomeação de um representante na GL da Inglaterra, para atender às preocupações desta G. Loja & a admissão nesta Grande Loja de um representante similar da Grande Loja da Inglaterra, cada um a ocupar o cargo de Grande Oficial – Aprovado “. (Atas, Grande Loja da Irlanda, 02 de agosto de 1821.)


 

Apêndice B

Hotel Gibbon

Lausanne: Setembro, 1875.

M.´. P.´. e Querido Irmão:

Lamento muito que eu seja obrigado a partir para a Escócia esta noite, e eu peço que você faça-me o favor de transmitir ao Supremo Conselho da Suíça meus mais sinceros agradecimentos pela amável e fraterna recepção que tive.

Também devo lhe pedir o favor, quando a questão da Declaração Maçônica for colocada perante o Congresso, de ler para a reunião o restante desta carta, pois, infelizmente, eu não posso estar presente para expor pessoalmente as opiniões do meu Conselho sobre esta gravíssima questão.

Na Escócia, ninguém pode ser admitido como membro da fraternidade maçônica, que não expresse a crença na existência de um Deus. Esta sempre foi a nossa lei maçônica, e tenho certeza que nunca vai ser alterada ou modificada em menor grau. Se, então, na Declaração de Princípios a ser acordada pela Assembleia Geral ficar claro e distinto que Maçonaria exige uma expressão de crença sobre este ponto, estou satisfeito; mas, a julgar pelo que se passou na Comissão até o momento, com toda a probabilidade, uma proposta será feita e, talvez, aprovada na Assembleia Geral , ou (1) que tal profissão de fé é desnecessária, ou (2) admitir palavras negando ou não admitir a personalidade de um Deus, e substituindo um “princípio universal”, sob o nome de “Grande Arquiteto do Universo”. Se qualquer uma dessas propostas for adotada, sinto-me seguro de que o Conselho Supremo da Escócia se retirarão da Confederação proposta.

Eu devo pedir desculpas por usar este modo para levar meus pontos de vista perante a Assembleia, mas a necessidade me obriga. Eu não posso estar presente para declará-lo, e não posso deixar a Assembleia com qualquer dúvida quanto aos pontos de vista do meu Conselho sobre este assunto importantíssimo.

Com a oração que nosso Pai todo-sapiente possa tê-lo sempre em sob Sua santa guarda, eu me despeço, querido irmão,

Fraternalmente,

† L. MACKERSY, 33

Delegado do Supremo Conselho da Escócia.

Apêndice C

GODCONS1

Apêndice D

GODCONS2

GODCONS3

GODCON4

Apêndice E

GODCON5

GODCON6

Publicado originalmente em: http://www.freemasons-freemasonry.com/masonic_foreign_recognitions.html

Publicado on agosto 28, 2013 at 5:41 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/a-conspiracao-de-deus-a-politica-de-relacao-exteriores-da-grande-loja/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: