A América tornou-se um Estado Autoritário?

Tradução José Filardo

Sobre a destruição de nossa democracia.

Por Henry A. Giroux –  http://www.alternet.org

25 jan 2013 

tropa

O debate tanto em Washington quanto nos principais meios de comunicação sobre as medidas de austeridade, o alegado precipício fiscal e a crise da dívida iminente não só funciona para tornar invisíveis as pressões antidemocráticas, mas também produzem o que o falecido sociólogo C. Wright Mills chamava de “uma política de irresponsabilidade organizada “. Para Mills, políticas autoritárias se desenvolveram, em parte, tornando as operações de poder invisíveis enquanto tecia-se uma rede de mentiras e enganos através do que poderia ser chamado de uma política de desconexão. Isto é, uma política que se concentra em questões isoladas que servem para apagar as relações mais amplas e contextos históricos que lhes dão significado. Estas questões isoladas tornam-se focos em um discurso cultural e político que esconde não apenas as operações de poder, mas também o ressurgimento de ideologias, modos de governança, políticas e formações sociais autoritárias que colocam qualquer noção viável de democracia em risco. Ideias e questões descontextualizadas, juntamente com o excesso de informação produzido pelos novos meios eletrônicos, tornam mais difícil criar narrativas que ofereçam compreensão histórica, conexões relacionais e sequências desenvolvimentais. A fragmentação de ideias e a cascata de informações reforçam novos modos de despolitização e autoritarismo.

Ao mesmo tempo, questões mais importantes são enterrados no nevoeiro do que poderia ser chamado de crises isoladas e fabricadas, que, quando recebem legitimidade, realmente beneficiam os ricos e ferem indivíduos e famílias de classe média e de trabalhadores. Gerald Epstein afirma com razão que o debate sobre o precipício fiscal é

um fracasso por parte da administração Obama e para os progressistas e para os trabalhadores e para as famílias. É um verdadeiro desastre …. Nós não devíamos ter que sentar aqui falando sobre isso, devíamos estar falando sobre o que vamos fazer sobre o precipício do emprego ou o precipício das mudanças climáticas. Mas, ao invés disso, estamos falando deste precipício fiscal, que é uma crise fabricada.

O argumento do precipício fiscal é fabricado tanto no fato de que não é uma crise real (exceto quanto ao seu impacto sobre as famílias pobres e de classe média), e serve como um desvio das questões urgentes que vão desde o desemprego em massa e a pobreza generalizada, à crise da habitação e a bomba das dívidas dos estudantes. Além disso, ele prejudica a compreensão de como estes diferentes problemas estão inter-relacionados ideológica e estruturalmente, como parte de um ataque de fundamentalistas religiosos e de mercado contra todos os aspectos da vida pública que atendem ao bem comum.

O alcance ampliado da política neste discurso de distração se encolhe, e ao fazê-lo separa problemas privados da consideração pública, ao minar qualquer compreensão mais ampla da confluência de interesses sócio-econômico-culturais e questões inter-relacionadas e problemas que caracterizam uma determinada época. Por exemplo, o debate sobre o controle de armas diz pouco sobre a cultura arraigada de violência simbólica e estrutural que alimenta a paixão dos EUA por armas e sua atração pelo espetáculo da violência. De maneira semelhante, o debate geral sobre tributação dos ricos recusa-se a abordar esta questão através de uma análise mais ampla de uma sociedade que está estruturalmente apegada à produção de enormes desigualdades de renda e riqueza, juntamente com a considerável sofrimento e as dificuldades produzidas por tais disparidades sociais.

Nesta noção desnudada da política, a conexão entre os fatos e quadros teóricos mais amplos, e a conexão entre política e poder desaparecer assim como a relação entre problemas privados e realidades sociais maiores é coberta. Sob tais circunstâncias, a política é limpa de seus elementos extremistas e modos informadas de dissidência não só são marginalizados, mas também ativamente reprimidos, como era óbvio na vigilância pelo FBI dos manifestantes do Occupy Wall Street e cruel supressão da polícia de estudantes dissidentes nos campi em todo o país.

 

Publicado on janeiro 26, 2013 at 7:48 am  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://bibliot3ca.wordpress.com/a-america-tornou-se-um-estado-autoritario/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: